"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Domingo, 12 de Fevereiro de 2017
Terminal Intermodal de Campanhã

proposta-estacao-campanha coisa mais linda.jpg

  Público de 10Fev2017

Pediram-lhe um terminal de autocarros e ele desenhou um parque urbano
Nuno Brandão Costa venceu o concurso para a concepção do futuro terminal intermodal de Campanhã, articulando a estação de comboios com a desordenada área a leste da via férrea.

Ver notícia completa aqui.

 

 

  Comentários no Facebook

«António Alves» - Uma obra que urge completar. O estado central abandonou-a a meio. A cidade negociou com o estado e assumiu-a. Algo que não é, aliás, novidade nenhuma. O Porto está habituado a contar consigo próprio e a não esperar favores dos governos. Este é um feito do qual a actual gestão municipal se pode orgulhar grandemente. Se ficasse à espera do estado central, os toscos de betão que ele lá deixou, apodreceriam primeiro.

«Pedro Baptista» - Parece-me bem! Até porque, além do mérito do projeto, do seu autor e da sua equipa, temos um presidente da Câmara que não apenas foi capaz de perceber até que ponto Campanhã era meia-cidade, como que, não bastava proclama-lo, era preciso concretiza-lo. Tive o privilégio de partilhar desde a primeira hora com o presidente da Câmara desta convicção: a reabilitação urbana de Campanhã no contexto do terminal inter-modal é uma rampa fundamental do relançamento económico e da coesão social. Assim a rede este-oeste de transportes, em particular do Metro, venha a impôr-se também nesse sentido.

«Rui Moreira» - Creio que muitos do que ainda não teriam percebido o enorme interesse deste terminal para Campanhã, irão a partir daqui entender por que razão me empenhei tanto na resolução de um impasse que datava de 2003. Sim, estamos a cumprir o nosso programa.

 



Publicado por Tovi às 08:12
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 13 de Janeiro de 2017
O nacional-parolismo do Norte

Locomotivas do "far west" norte-americano no que resta da linha do Tua… A Santa da Agrela nos valha

Locomotiva no Tua Jan2017.jpg  Manuel Tão em 5Jan2017

Eu adoro estas locomotivas. Mas no seu devido contexto. O que é condenável é assistirmos a um "pastiche" no que resta no Tua. É a mesma coisa que comprar uma frota de Juncos Chineses para fazer passeios no Tejo, substituindo as Faluas. E o que é mais escandaloso no meio disto tudo, são as locomotivas Mallet ao abandono na Régua e noutros locais, que depois são compradas por Franceses, Alemães e Suíços. Nem quero imaginar o que pensará um cidadão desses países, que conheça as Mallet do Minho e Douro a funcionar no país dele, e ocasionalmente visite o resto do Tua, deparando-se com uma tamanha aberração.

 

 Comentários no Facebook

«Pedro Simões» - WTF?!? Perdoe a linguagem. Mesmo que em "estrangeiro", como exige a noticia. É que sinceramente nao tem jeito (nem interesse) nenhum. Sao uns indios...

«João Cerqueira» - Parece a Disney

«Vanda Salvador» - País de loucos.

«Jose Bandeira» - O Douro de hoje faz-me recordar o Algarve da década de 70: o crescimento exponencial da procura não é acompanhado por uma oferta em qualidade e quantidade compatíveis. O cicho-espertismo e a incompetência imperam. Isto há-de evoluir, mas muitos estragos vão ficar, tal como aconteceu ao Algarve.

«António Fontes» - Que tristeza de espírito... Realmente de quem viu as originais Mallet ver agora esta pimbalhada das Locomotivas do "far west" parece tirado de um filme de terror... Espero que a nossa indignação ainda vá a tempo de parar esta palhaçada! - Narrow Gauge Operations in Portugal 1970 and 1973

«Carlos Gilbert» - O investidor já tomou posição, dizendo que adquiriu também uma locomotiva original que está a ser recuperada e vai funcionar em ocasiões especiais, na linha do Tua. Ao que eu lhe respondi que ao encomendar a locomotiva para uso diário, podia (e devia) ter optado por uma de aspecto mais ou menos do género dessas originais (Mallet e Henschel) o que lhe teria ficado pelo mesmo preço de aquisição.

«Jorge Veiga» - Já temos cow-boys, já temos Indios, andam por aí algumas cavalgaduras, só faltavam as locomotivas de chaminé tipo funil invertido...

«António Fontes» - Por acaso a posição e rotação do dito funil é a posição correcta de utilização de um funil! Mas valeu pela piada!



Publicado por Tovi às 09:24
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 11 de Janeiro de 2017
Ecopista na Ponte Maria Pia

É fundamental salvar esta histórica ponte.

Ponte Maria Pia Dez2016.jpg

  JPN - 21Dez2016

A Direção Municipal de Urbanismo da Câmara do Porto está a finalizar um estudo que tem em vista a construção de uma ecopista sobre o tabuleiro da Ponte Maria Pia, inativa desde 1991, numa ligação entre Vila Nova de Gaia e a Estação de Campanhã. Além deste troço, de aproximadamente um quilómetro, está também prevista a reabilitação do ramal que fazia a ligação entre a Estação de Campanhã e a Alfândega do Porto, o qual tem um extensão de aproximadamente 3,9 quilómetros. Os técnicos camarários querem ainda estender a ecopista a oeste, numa ligação entre a Estação de Campanhã e o Parque Oriental da cidade, numa distância a rondar os dois quilómetros. Trata-se de “um projeto partilhado com a Câmara de Gaia”, de acordo com o vereador do Urbanismo Manuel Correia Fernandes, que explicou o projecto,juntamente com o diretor municipal do Urbanismo, José Duarte. O estudo prévio deve ficar pronto na Primavera do próximo ano. As câmaras municipais têm depois de negociar com a Infraestruturas de Portugal, proprietária da ponte, a concessão de utilização. Uma vez que a Ponte Maria Pia está classificada como monumento nacional desde 1982, vai ser ainda preciso o aval da Direção Geral do Património Cultural. Os responsáveis autárquicos mostram-se otimistas, uma vez que, asseguram, as entidades que têm uma palavra a dizer no processo têm sido envolvidas. Por outra parte, frisa José Duarte, “a intervenção que está prevista na Ponte D. Maria é absolutamente minimalista. Deverá ser feito um tabuleiro em madeira em cima do existente e lateralmente haverá uma proteção para que as pessoas não passem, ou não tentem passar, ao espaço marginal da linha férrea, será em vidro ou grade muito leve de modo que de fora ninguém se possa aperceber que houve uma intervenção na ponte para que ela passasse a ser pedonal”. O projeto está orçado em 5,5 milhões de euros, sendo uma fatia considerável destinada a meios mecânicos nos quais residirá a grande inovação deste projeto.
A ecopista em estudo pela CMP tem dois troços distintos. Um é aquele que liga Vila Nova de Gaia a Porto-Campanhã. Um troço até 1991 integrado na Linha do Norte que foi desativado quando a operação na Ponte Maria Pia passou para a Ponte de São João. O segundo troço, tem início em Campanhã e segue, pela escarpa e pelo interior da terra, até à Alfândega. Passa abaixo da Ponte Dona Maria – é neste ponto que a câmara pretende ligá-los – segue pelas Fontaínhas, Guindais, Ribeira e vai desembocar no atual parque de estacionamento da Alfândega. Essa linha esteve aberta entre 1888 e 1989. Tem cerca de 3,9 quilómetros de comprimento e três túneis. O mais extenso deles tem mais de um quilómetro e encontra-se no final do percurso, a chegar à Alfândega. A linha serviu exclusivamente para o transporte de mercadorias mas perdeu relevo com a abertura do Porto de Leixões (para onde a linha prossegue a partir de Campanhã).

 

  Comentários no Facebook

«Jose Riobom» - Acho que sim... já a atravessei dezenas de vezes.... e sempre achei um local excelente para a pratica de buggie jumping... ou suicidio... [Emoji wink;-)]

«Ricardo Monteiro» - Já não era sem tempo... É um crime uma ponte tão bela estar inutilizada à 25 (!?!) anos!!!

«Paul F. Summers» - Sim já devia estar feito mas em termos de mobilidade suave as escadas rolantes não são a melhor forma, a não ser que sejam especiais, pois não permitem a utilização por Cadeiras de Rodas !

«Ricardo Monteiro» - E utilizar todo o ramal ferroviário q está desativado e q têm umas vistas fantásticas sobre o rio Douro!!!

«Paul F. Summers» - Qto à reativação dos elevadores da arrábida é uma excelente iniciativa e seria melhor ainda se inserida num Caminho de Santiago, o que eu chamo da Praia, que depois seguisse pelo parque da Pasteleira, ou foz, e utilizasse as estruturas pouco utilizadas dos Socorros a Náufragos (já agora q se relacionasse com o observatório de aves da apdl), ali ao Cálem, apoio da Pousada da Juventude, estrututras não utilizadas do lago do parque da pasteleira e seguisse por serralves para o parque da cidade, utilizando mais estruturas e aí seguisse para matosinhos. É claro que isto necessitaria toda uma adequação e projecto da cidade na marcação e capacitação dos caminhos de santiago no Porto ! !

«Jovita Fonseca» - Um projecto com interesse para a Cidade...Uma paisagem lindíssima! É sempre uma mais valia, mas exigirá muita despesa e tudo tem que ser equacionado, porque o Porto tem muito para reabilitar...com objectivo de melhorar a qualidade de vida dos cidadãos.

«Jorge Silva» - O que se está a tentar fazer aqui, é deslocar algum do turismo do centro histórico Aliados - Ribeira, para a parte oriental da cidade, para descongestionar o centro e promover a reabilitação zona Campanhã, como se já está a fazer no reabilitação do edificío do antigo matadouro

«António Conceição» - Sempre defendi (e defendo) o projecto de transferir a ponte D. Maria para o centro da cidade, remontando-a nos terrenos da antiga fábrica aurifícia, na rua dos Bragas. Ouvi dizer custaria seis milhões de euros. Não me parece excessivo. É arrojado e chocante, mas criativo. Uma ponte a ligar duas margens de um rio, milhares de cidades têm. Uma ponte no centro da cidade sem ligar nada, só o Porto teria.

«Paul F. Summers» - Desinserir a ponte do seu contexto orginal, histórico, geográfico e funcional e tratá-la como uma grande escultura e objecto museográfico não me parece do mais adequado, acho q só numa situação extrema ! Acho que se honra muito mais a ponte no seu contexto criando espaço público, alargando o centro histórico em termos de fluxo e dando-lhe uma função. Acho excelente a ideia de reutilizar as vias férreas como está pensado e como se faz. Tratar a ponte como objecto decorativo urbano e chamariz, para lhe dizer a verdade, acho um pouco kitsch António Conceição !

«António Conceição» - E é kitsch. Como a Torre Eiffel, em Paris, também o é. Um farol descontextualizado que muitos, e bem, queriam ver desmontado depois da exposição universal.

«Paul F. Summers» - Sim é verdade, originalmente há certas coisas que se estranham e que depois se entranham. São reações automáticas e primárias e a adaptação humana é muito versátil ! Mas mesmo assim acho que podendo manter a função dentro do espírito original é mais correcto ! Não acha ?

«David Ribeiro» - “…originalmente há certas coisas que se estranham e que depois se entranham” – Lembram-se do barulho que houve com o Cubo da Ribeira?... Vão lá agora tirá-lo e verão que até cai o Carmo e a Trindade.

«António Conceição» - Em rigor, Paul F. Summers, nem eu tenho a certeza de apreciar a solução que propus (isto é, que apoiei. Não sou o seu autor). Mas acho que vale a pena discutir tudo de forma ampla e aberta, sem nos limitarmos às soluções mais evidentes.

«Paul F. Summers» - Na verdade essa solução nem seria muito original pois sendo uma ponte Eiffel e o mesmo tipo de engenharia seria demasiado cópia a Paris. Agora qto a discutir qto mais melhor pois abre-se caminho a boas soluções e à participação de que somos deficitários e é algo que faz falta e sentido promover. O Cubo até deu nome à Praça embora ainda o ache pouco harmonioso com a envolvente, mas como dizem Nuestros Hermanos (ou serão primos?), "Para gustos, colores !"



Publicado por Tovi às 09:25
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 5 de Outubro de 2016
100 anos da Estação de São Bento

 Estação de São Bento ac.jpg

Em 5 de Outubro de 1916 foi inaugurada a Estação de Porto São Bento ou Estação Central, com dupla funcionalidade: Estação e monumento de reforço do centro da cidade como elemento dinamizador da Invicta. Projectada pelo arquitecto portuense José Marques da Silva, em 1899, e decorada com azulejos do pintor Jorge Colaço, é uma obra ímpar em património azulejar, uma das mais bonitas estações ferroviárias do mundo (em Agosto de 2011 a revista norte-americana Travel+Leisure elegeu a Estação de São Bento como uma das catorze mais belas de todo o mundo). O primeiro projecto para a construção da estação é apresentado em 1887. A ligação ferroviária entre Campanhã, estação comum às linhas do Norte, Minho e Douro, e o centro da cidade, fez-se em Novembro de 1896, depois de perfurados os fundos da Quinta da China, Monte do Seminário e da Praça da Batalha. Em 1896, a estação não passava de um edifício provisório, um barracão de madeira. Em 1899, o arquitecto portuense José Marques da Silva é encarregado de elaborar o projecto definitivo para a Estação de São Bento. Os trabalhos de construção apenas se iniciaram em 9 de Novembro de 1903.



Publicado por Tovi às 10:59
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 9 de Setembro de 2016
Acidente de comboio português na Galiza

Galiza acidente de comboio português 9Set2016 aa.

Um comboio português procedente de Vigo e com destino ao Porto descarrilou nas imediações da estação espanhola de Porriño cerca das 8h30 de hoje (hora portuguesa), havendo neste momento (11h00 horas em Portugal) quatro mortos (entre estes o maquinista português) e vários feridos confirmados.

 

 14h17 (hora de Portugal)

Segundo informa a edição online do jornal “Faro de Vigo” as vítimas mortais deste acidente são o maquinista (José Arnaldo Moreira, português de 45 anos), o revisor (espanhol), um turista Norte-Americano e um jovem de 23 anos da cidade de Vigo, que deu entrada em estado muito grave no hospital Álvaro Cunqueiro, acabando por falecer. Os feridos são 48, sete dos quais com gravidade. Neste momento os bombeiros ainda trabalhavam na frente da locomotiva para desencarcerarem o maquinista. Os técnicos já acederam à “caixa negra” que irá permitir fazer luz sobre o sucedido. O presidente de Comboios de Portugal, Manuel Queiró, destacou numa sua declaração à comunicação social que "nada indica que o acidente fosse por uma falha humana". Segundo os primeiros dados o comboio descarrilou por um problema nas vias e chocou contra um poste de electricidade metálico, ficando um vagão tombado sobre a via e outros dois semi-voltados.



Publicado por Tovi às 11:09
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 26 de Julho de 2016
Tragédia de Custóias

...faz hoje 52 anos

Custóias acidente comboio 1966 aa.jpg

 

  Comentários no Facebook

«Jovita Fonseca» >> Num dia quente... como o de hoje!

«David Ribeiro» >> (in TrainLogistic.com) – 26Julho1964 - Desastre Ferroviário de Custóias - Na Linha do Porto à Póvoa e Famalicão, a unidade de cauda de uma composição formada por automotoras da Série 9300 dos Caminhos de Ferro Portugueses desengata-se do resto da composição, descarrilando e colidindo com um pontão. Este acidente foi provocado pelo excesso de peso devido a sobrelotação, embora também se aponte um possível excesso de velocidade como causa. Deste acidente resultaram entre 91 a 102 vítimas mortais.

«Jorge Veiga» >> Ainda me lembro de se falar disso...

«Jose Riobom» >> Pois... um dia negro na vida dos habitantes desde o Porto até à Póvoa de Varzim...

«Adao Fernando Batista Bastos» >> Nesse acidente ficaram feridos o meu irmão mais velho - Álvaro - e a namorada, Elisa; tinham ido até à praia na Póvoa Ficaram felizmente com poucas lesões, ainda que a Elisa internada alguns dias. Vieram a casar, passaram por Moçambique, têm 4 filhos, já há bisnetos... todos a viver em terras galegas há mais de 30 anos.!

«Duarte Leal» >> A minha mãe era Enfermeira e estava de serviço nesse dia. Foi muito complicado para os hospitais por falta de capacidade de resposta a um acidente com tantas vítimas. O Hospital de São João, construído havia pouco tempo, ainda não funcionava em pleno - longe disso - e, ao que parece, a urgência teve de abrir à pressa para ajudar no esforço. Os meios de emergência à época eram escassos, e o local de muito difícil acesso.



Publicado por Tovi às 08:58
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 7 de Fevereiro de 2014
Linha ferroviária Aveiro - Salamanca

Se bem me recordo já em Setembro de 2011 o então ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, defendia a criação de duas ligações rápidas entre Portugal e Espanha – Sines a Madrid e Aveiro a Salamanca – em ferrovias de bitola europeia, quer para passageiros quer para mercadorias. Dizia-se até que a União Europeia permitia que os fundos inicialmente destinados ao comboio de alta velocidade fossem aplicados nestas novas linhas ferroviárias. Depois deixei de ouvir falar nesta estratégia de investimento – Aveiro a Salamanca – tão importante para o desenvolvimento das regiões Norte e Centro e que parece ter sido esquecida pelos senhores do Terreiro do Paço no quadro dos fundos comunitários para o período 2014-2020.

{#emotions_dlg.meeting} [Porto24] - Rui Moreira: Linha Aveiro-Salamanca é “absoluta prioridade” - O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, destacou esta quinta-feira a importância da linha ferroviária Aveiro-Salamanca, passando por Viseu, considerando-a “uma absoluta prioridade” para que as regiões Norte e Centro possam exportar para a Europa. (...) Rui Moreira disse que o Porto e Viseu “dependem muito” desta ligação ferroviária, sendo “uma absoluta prioridade” para que as mercadorias de exportação deixem de depender da rodovia para chegar à Europa.


«Jorge Veiga» no Facebook >> e falta a Porto-Vigo (com ligação ao TGV espanhol...).

«Pedro Baptista» no Facebook >> Muito bem! Finalmente, um Presidente da Câmara de novo!

«Pica Miolos» no Facebook >> E Porto-Barca D'Alva-Salamanca?

«Jorge Garcia» no Facebook >> Visão de Futuro. Uma das pessoas mais lúcidas que conheço.

«Campos Barros» no Facebook >> Um óptimo exemplo das qualidades de muitos independentes... Por muito que tal custe ao poder instituído. E mais surgirão!




Quinta-feira, 25 de Julho de 2013
Terrível acidente ferroviário na Galiza

{#emotions_dlg.sidemouth} Pelo menos 77 mortos e várias dezenas de feridos no descarrilamento de um comboio em Santiago de Compostela, ao fim do dia de ontem.


«Laura Sarmento» no Facebook >> :(

«Maria Helena Costa Ferreira» no Facebook >> um acidente ferroviário deve ser horroroso!  conheço quem ainda hoje está traumatizado e não anda de combóio!

«Maria Teresa de Villas-Boas» no Facebook >> Lamento muito.

«Zé Zen» no Facebook >> deus estava de férias. Chora-se em Santiago.

«David Ribeiro» no Facbook >> {#emotions_dlg.chat} Um amigo meu, que sabe MUITO sobre comboios, comentou assim o eventual excesso de velocidade no acidente de ontem na Galiza: Sinceramente tenho muitas dúvidas sobre estas alegações e confissões espontâneas. É para mim inconcebível que um comboio deste tipo, que circula a velocidades superiores a 200 km/h, não tenha qualquer tipo de controlo de velocidade automatizada que o impedisse entrar numa curva com velocidade limitada à velocidade que é alegada. Um comboio que circule a 220 km/h galga 61 metros por cada segundo. Uma pequena distracção, abstracção, ou operação levada a cabo pelo maquinista dentro da cabina que leve este a desviar a atenção da via por breves 15 segundos, é o suficiente para que o comboio percorra mais de 900 metros. É distância suficiente para que a distância de frenagem necessária para reduzir a velocidade para 80 km/h já passe muito para além da curva e o comboio a aborde acima dos limites. As causas serão outras e só o inquérito o esclarecerá.   A Espanha gastou nas duas últimas décadas milhares de milhões de euros numa nova rede de alta velocidade. Uma das mais modernas do mundo. Se não equipou todas as suas vias com os sistemas de segurança necessários para velocidades elevadas, mesmo em zonas de transição para vias clássicas, este não é um caso de "excesso de velocidade": é um caso de exceso de irresponsabilidade. Estou curioso em saber os resultados deste inquérito. Se é como os jornais contam, o que duvido, o maquinista que se prepare: o sistema e os ministros nunca são culpados de nada.

«Manuel Ribeiro da Silva» no Facebook >> De facto é muito estranho, assim como muito estranha é, a passividade do sindicato...

«Luis Paiva» no Facebook >> Não sei muito de comboios, mas sou aficionado deste meio de transporte, que sempre preferi a qualquer outro. Tenho um bom currículo de viagens e até uma colecção muito "jeitosa" de miniaturas, respectiva documentação e a competente via férrea. Por outro lado, tenho uma licenciatura em Engenharia (pela FEUP, acrescento) o que me predispõe para analisar todo o tipo de explicações neste âmbito. Já agora, e não conhecendo o sistema em particular, habitualmente este tipo de sistemas não permite "distracções" superiores a 10 seg (e muito menos sei se o condutor pode fazer override ao sistema). Aguardemos, assim, pelo que os peritos irão escrever sobre as causas desta tragédia.

«Fernando Roque» no Fcebook >> Estive em Portugal em Junho e viagei varias vezes nos Alfa Pendular que sao uma maravilha. Fazem normalmente 220km\h mas a velocidade varia com frequencia segundo o que nos indica o ecran luminoso no interior da carruagem.

«David Ribeiro no Facebook >> {#emotions_dlg.chat} Ainda sobre o eventual excesso de velocidade no comboio acidentado ontem na Galiza, Alfonso Rguez Dono escreveu no "La Voz de Galicia" online: La línea donde se produjo el accidente no está dentro del ERTMS (European Rail Traffic Management System), un sistema de gestión del tráfico ferroviario que impide que un tren supere la velocidad máxima establecida o supere señales que indican parada. En el tramo donde tuvo lugar el accidente funcionaba el ASFA (Anuncio de Señales y Frenado Automático) convencional, un sistema que detiene al tren si el agente de conducción no respeta lo indicado en las señales pero que sólo recibe información de la vía en determinados puntos (las balizas), o sea, que solo al pasar por esos puntos controla que el convoy circule según lo establecido. Si no hay balizas, no hay reducción automática de velocidad, y este es el punto más peligroso de la vía, el lugar que tendría que ser mejor controlado. El tren tiene que pasar en un escaso margen de tiempo de 200 km/h a 80 km/h.

«António Alves» no Facebook >> tretas amigo. o asfa digital é sistema mais que suficiente para obrigar à redução de velocidade se for caso disso. não acredite no que lhe dizem os jornais. podem ser especialistas em muita coisa, mas nào em ferrovias ;-) Sobre o ASFA, o sistema de controlo automático de velocidade mais utilizado na rede da RENFE. «Através do sistema de odometria obtém-se a velocidade do comboio que é comparada com a velocidade máxima permitida para o tipo de comboio e nas circunstâncias da via em cada instante. Quando a velocidade do comboio alcança a primeira curva de controlo ( inferior à máxima permitida), o sistema adverte o condutor com avisos acústicos e ópticos, que se mantêm enquanto a situação persistir. No caso de ser ultrapassada a velocidade máxima permitida, são activados os avisos correspondentes a esta nova situação e será aplicado o freio de emergência até à paragem do comboio.»

«David Ribeiro» no Facebook >> Sempre ouvi dizer que um acidente deste tipo nunca se deve a uma só causa. Será que pode haver outros motivos a adicionar a eventual excesso de velocidade, caro António Alves?

«António Alves» no Facebook >>  Não sei sequer se há excesso. Faltam-me muitos dados para tirar qualquer conclusão. A limitação de velocidade a 80, a haver, era permanente ou temporária? Se era permanente estava de certeza absoluta controlada pelo ASFA; se estava porque razão o comboio não a cumpriu automaticamente? se era temporária poderia estar ou não; se não estava controlada o maquinista foi avisado? etc., etc, etc. Andar para aí a tirar conclusão sem dados não me parece avisado. Vou esperar para ver. Mas há algo em que não acredito de todo: que o maquinista seja de tal modo doido a ponto de desligar os sistemas de segurança e andar a acelerar para sua auto recreação. Caro David Ribeiro, é muito provável que seja uma cadeia de pequenos erros e desinformações. É sempre assim. Mas também não descarto problemas na via ou no material. Aquele material Talgo é muito leve e tem um sistema de rodados que dispensa os tradicionais bogies. Cada carruagem tem um único rodado independente e elas assentam umas nas outras. pelo filme que vi parece-me acontecer uma roptura de engates entre a loco e a primeira carruagem e só depois é que acontece o descarrilamento. Enfim, nesta altura do campeonato tudo o que possa ser dito é especulação.



Publicado por Tovi às 07:57
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 8 de Julho de 2013
É bom viajar no comboio "Intercidades"

Mais uma horita e já estou no Intercidades a caminho da Cidade Invicta. Não há dúvida que o comboio é um excelente meio de transporte para ligar Lisboa ao Porto.


«Paula Cardoso» no Facebook >> Estas melhor???

«David Ribeiro» no Facebook >> Ainda me doí um pouco ao inspirar... mas já estou melhor. Obrigado pelo teu cuidado, minha querida Paula Cardoso.

«Paula Cardoso» no Facebook >> As melhoras e descansa... e boa viagem.

«Alexandra Magalhães» no Facebook >> Boa viagem... um beijinho... :)



Publicado por Tovi às 10:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 15 de Julho de 2011
Do Porto a Lisboa no Alfa Pendular

Estou a viajar do Porto para a Capital no Alfa Pendular que partiu de Campanhã às 13h47 e que deverá chegar a Santa Apolónia pelas 16h30. Este comboio de velocidade elevada da companhia portuguesa CP atinge a velocidade de 220 km/h e permite viajar com toda a comodidade. Na Classe Conforto os cientes recebem um “kit de boas-vindas”, constituído por: uma bebida e um acepipe, um jornal (ou revista) e auriculares que nos permitem utilizar os canais de áudio e vídeo existentes no comboio.




Sexta-feira, 19 de Novembro de 2010
Linha de comboio Régua-Pocinho

 Só faltava mais esta... encerrar a linha do Douro entre a Régua e o Pocinho.

 De acordo com fonte fidedigna, pode-se informar que estão a ocorrer algumas instruções que nos levam a acreditar que a CP pretende eliminar 4  ligações diárias, 2 em cada sentido, de comboios Porto-Pocinho. Neste momento, está a ser feita a contagem dos passageiros para terem argumentos para tomar a decisão. A contagem está a ser feita agora, que é um mês com pouco tráfego. Nos meses de Julho, Agosto e Setembro os comboios andaram cheios.Também há informações de agências de viagens ligadas aos barcos que levam à mesma informação. Temos todos de nos unir e divulgar mais este erro que se vai cometer contra o Douro, num momento em que o Turismo está a crescer nesta sub-região, apesar da crise. A decisão será tomada para o dia 21 de Novembro, em segredo, para que seja apresentado como um facto consumado sem reacção das populações. Quem quer sabotar o Douro? (De José Ferraz Alves e Rui Rodrigues no blog "A Baixa do Porto")


«Zé Regalado» in Facebook >> Se só faltasse esta, estávamos mt bem. O pior é que há mt mais para vir

«Nuno Gonçalo Monteiro» in Facebook >> Para pagar o TGV nem fechando as linhas todas se safam.

«Ana Alyia» in Facebook >> por acaso concordo com o Zé... oh David se acredita que só faltava essa deixe-me dizer-lhe que é muito ingénuo :)



Publicado por Tovi às 07:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 31 de Março de 2010
Reabertura da linha do Douro entre Tua e Pocinho

 Já não era sem tempo!...

 [REFER EP - Notícias] - A REFER e a CP informam que na próxima quinta-feira, dia 1 de Abril, será reaberto à circulação de comboios o troço entre Tua e Pocinho, da Linha do Douro, após a reposição das condições de segurança.



Publicado por Tovi às 18:25
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Posts recentes

Terminal Intermodal de Ca...

O nacional-parolismo do N...

Ecopista na Ponte Maria P...

100 anos da Estação de Sã...

Acidente de comboio portu...

Tragédia de Custóias

Linha ferroviária Aveiro ...

Terrível acidente ferrovi...

É bom viajar no comboio "...

Do Porto a Lisboa no Alfa...

Linha de comboio Régua-Po...

Reabertura da linha do Do...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus