"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Sábado, 21 de Outubro de 2017
Portugal Contra os Incêndios... no Porto

21out2017 aa.jpg

Fui à manif na Avenida dos Aliados… e GOSTEI. Gostei porque não me senti usado pelas lutas partidárias que, aliás, não eram de todo os fins da “Portugal Contra os Incêndios (Porto)”. Estou convicto que quer os seus promotores quer a esmagadora maioria de quem apareceu hoje à tarde na Sala de Visitas da Invicta, estavam neste dia única e exclusivamente a lutar por CIDADANIA.

 

  Comentários no Facebook

«Jose Riobom» - ...assim até que posso apoiar… sem slogans... sem clubites partidárias... sem palavras de ordem... solidariedade, e exigência de justiça e respeito por um povo massacrado nos últimos anos ! Apoio incondicional num silêncio vociferante.

«Manuel Vieira» - Infelizmente com pouca adesão!

«Manuel Carvalho» - E, pelo que vi nas notícias, a cidadania sem cor espalhou-se pelo país... bem, por quase todo o país.

«Jose Riobom» - Gostei do espirito e da presença respeitosa das pessoas presentes. Parabéns ao Dr. Rui Moreira pela presença discreta.

«David Ribeiro» - Houve por lá umas ovelhas ranhosas… mas eram uma escandalosa minoria.

«Isabel Branco Martins» - efectivamente eram mesmo ranhosas, que bem se tentaram colar ao RM que delas se foi esgueirando.

«Vicente Ferreira da Silva» - A legitimidade das manifestações de ontem não está dependente de quantos governos são responsáveis pela gestão do património natural de Portugal. Todos os governos, uns mais do que outros, é certo, mas todos, devem assumir as responsabilidades dos seus actos e decisões. E aqueles que hoje contestam a liberdade de expressão de quem ontem, mais do que qualquer outra coisa, quis homenagear as vítimas desta tragédia, deveriam consultar a sua consciência e perceber se a sua objecção é similar à que praticaram relativamente a outros governos. Não me venham dizer que os mortos deste Verão são irrelevantes face à opção ideológica. Tenham decência e respeito pelos que morreram!




Quinta-feira, 12 de Outubro de 2017
Assembleia Municipal do Porto - Convocatória

Tomada de Posse 25Out2017 ab.jpg

O meu primeiro documento oficial de Deputado à Assembleia Municipal do Porto.

 

Já agora... Tenho a honra e o prazer de convidar todos as minhas Amigas e todos os meus Amigos a estarem presentes no Rivoli, no próximo dia 25 de Outubro, pelas 17 horas, para assistirem à Tomada de Posse dos eleitos para o Executivo da Câmara Municipal e para a Assembleia Municipal do Porto.



Publicado por Tovi às 11:54
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 8 de Outubro de 2017
Vamos institucionalizar o Grande Porto

Este post, publicado no Facebook na página do «Um novo norte para o Norte», é interessantíssimo… e se o seu autor – João Pedro Maia - o permitir, vou-lhe chamar: VAMOS INSTITUCIONALIZAR O GRANDE PORTO.

GrandePorto 5Out2017 aa.jpg

   Comentários no Facebook

«Jose Riobom» - Estou nessa... só que adivinho desde logo um grande problema. Como se chamaria ??

«João Pedro Maia» - Porto. É o nome mais competitivo a nível mundial.

«Hernâni Cardoso» - PORTO. E atenção que sou gaiense

«Anselmo Nascimento» - PORTO, eu acho que o povo de uma maneira geral todos concordavam. O problema maior eram os políticos que teriam que ser reduzidos, e aí havia logo contestação.

«Alfredo Oliveira» - PORTO óbviamente. Berlim é a fusão de quatro cidades, tem quatro baixas. è a maior cidade da europa juntamente com Moscovo.

«Alfredo Oliveira» - Já me contentava com Porto Matosinhos e Gaia

«Hernâni Cardoso» - Ou seja unir o que antea do 25 de Abril estava unido (quase)

«Alfredo Oliveira» - A CCFP fez a rede de transportes de Leça (farol Até Sto Ovídio e Ponte da Pedra até Coimbrões. Era assim o Porto, como devia ser aliás. E Gondomar S.Pedro da Cova por outros motivos

«Guilherme Almeida» - Concordo! E quem se chega à frente?

«Serafim Guimarães» - Não faz qq sentido. As realidades sociológicas são completamente diferentes. O que deve haver é uma junta metropolitana a começar numa Autoridade de Transportes.

«Luís Manuel Pombo» - E Espinho!

«Alfredo Oliveira» - Porque Não? Com todo o gosto. Fazia todo o sentido

«Vanda Salvador» - Depende do chefe.

«Nuno Marques» - isso não interessa, envolve muitos interesses partidários

«David Ribeiro» - Antes de conseguirmos unir estes concelhos, coisa praticamente tão difícil como a Espanha dar a independência à Catalunha, podíamos fazer uma coisa muito fácil e interessante para as populações, chamasse-se lá o que se chamasse, mas que seria unicamente a Associação dos Concelhos do GRANDE PORTO.

«Alfredo Oliveira» - Para começar.

«David Ribeiro» - Sim, era uma boa forma de se começar a fazer coisas interessantes para as populações do Grande Porto. Rui Moreira já fez qualquer coisa nesse sentido no mandato anterior e se bem me recordo foi com Matosinhos e Gaia e chamava-se Carta de Compromisso dos Municípios da Frente Atlântica do Porto.

«Filipe Cunha» - Não faz sentido, um concelho com 1 milhão de habitantes! Essa ideaia pode-se aplicar p.ex. no interior onde há excesso de concelhos pequenos.

«João Pedro Maia» - Até deve ter mais.. 1.2 ... Depois, seriamos competitivos em todas as frentes...Servicos e industria. Alem q deixaríamos de ter políticas diferentes entre vizinhos, sabendo que a mobilidade diária entre os concelhos é uma constante. E depois se pensarmos, onde está o aeroporto do Porto? É o Porto do Porto? E a Praia? E o metro? E os STCP? E por quantos concelhos percorre a circunvalação? E a via norte? E a avenida AEP? E a VCI começa onde? E quantas pontes? Tantas? Porquê? União, união, uniao!

«Filipe Cunha» - Isso é centralismo, não união. Já parece um microestado. 6 concelhos funciona bem, não é preciso agregar. Gondomar tem 100 mil, Valongo 100 mil, Maia 250 mil, Matosinhos 200 mil, Porto 200 mil e Gaia 200 mil. Não se consegue controlar um concelho de 1milhão.

«João Pedro Maia» - Filipe Cunha , Gaia 200 mil, onde? Porto 200 mil? Gondomar 100 mil? Onde? é tudo mais e a Maia é menos... 1 milhão não se controla? Sabe quantas cidades no mundo têm mais de um milhão de habitantes? Estamos aqui a falat de visão...

«Filipe Cunha» - Essas cidades têm subdevisões. Hamburgo tem mais ou menos 1 milhão de habitantes e é um estado federado alemão. Nós precisamos de estados federados em Portugal?

«João Pedro Maia» - Filipe Cunha , não precisamos. Esta visão tem a ver com uma visão estratégica para o Porto em relação ao país, Europa e mundo. O Porto está muito mais próximo de médias cidades do que Lisboa (Aveiro, Braga, Guimarães, Viseu, Coimbra e acima de tudo da Galiza e norte de Espanha). Precisamos de uma só estratégia, de vender uma só marca e explorar todas a suas valências. Como vamos captar o investimento de uma fábrica para a Maia? O que vamos dizer..."X população, universidade do Porto perto, cidade do Porto perto, metro do Porto, aeroporto do Porto, etc..." Percebes? Deveríamos falar a uma só voz.

«Filipe Cunha» - Isso é complicado... Qd estava no psd do porto defendi agregar gaia e porto numa só câmara. Ouve logo festa. O pessoal cria muitas resistências...

«Jose Riobom» - Vós que quereis um concelho dou-vos um conselho...organizem uma excursão à Catalunha... eu também vou.. [Emoji wink;-)]

«Vasquez da Gama» - Faz todo o sentido, o Porto é hoje em dia demasiado pequeno!

«António Lopes» - A partidocracia se encarrega de frustar tais designios, agora se for para criar mais uns concelhositos 😉

«Tono Canelas» - A Rechousa fica de fora!

«Paulo Santos» - Só tínhamos a ganhar!

«Jose Bandeira» - A Rechousa será o Mónaco do Grande Porto!

«Flipe Cunha» - Boa sorte... Mas aviso já que nenhum presidente de câmara desses restantes 5 concelhos vai abdicar do poder e da mama de 5000 euros por mês. Sonhem muito... [Emoji wink;-)]

«Alfredo Oliveira» - Esse o problema. Todos gostam de ser párocos da sua capela e obediência cega ao bispado lisbonês.

«Jose Bandeira» - Obediência... bem, qual é o adjectivo equivalente a 'lambe-cús'? 😜



Publicado por Tovi às 07:08
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 4 de Outubro de 2017
Salas de Aula do Futuro

Sala de Aula aa.jpg

É assim que eu quero que sejam no futuro as SALAS DE AULA no Porto e no Norte de Portugal.

 

  DE QUE ESCOLA PRECISAMOS?

Dia 4 de Outubro às 22 horas na RTP3, com David Justino, Maria Manuela Mota e Joaquim Sousa.

 

   Comentários no Facebook

«Mario Azevedo» - Era Brilhante se assim fosse.

«Jota Caeiro» - falta o 'recreio' prós miúdos, carágo! [Emoji grin]

«Pedro Correia» - Estudo da UTAD vê recreios escolares como "pátios inertes, qual presídio”…



Publicado por Tovi às 09:27
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 2 de Outubro de 2017
A noite das Autárquicas2017 no Porto

Foi assim que a Rádio Renascença - Marília Freitas (texto) e Gonçalo Costa (fotografia) - viu a noite de ontem na Avenida dos Aliados, no Porto.

 

img_0465109467bb_base.jpg

Duelo nos Aliados, numa noite animada por Zirinha e São

A noite foi de contrastes na Avenida dos Aliados, no Porto: silêncio na sede de Manuel Pizarro, festa na de Rui Moreira. Mas nos festejos ninguém foi mais efusivo do que Zirinha e São.
“Pizarro na rua, Moreira na candidatura”. O canto improvisado de Zirinha e São anima a noite na Avenida dos Aliados. Em frente à sede de candidatura de Rui Moreira são elas o centro das atenções, no compasso de espera entre as projecções e o discurso do vencedor.
“As meninas têm que comer ovos, eu já sou velha”, atira Zirinha, dirigindo-se a jovens apoiantes de Rui Moreira, indignada por não cantarem tão alto como ela. “São intelectuais, não sabem cantar”, confidencia-nos.
Zirinha mora na Sé e foi funcionária do pai de Rui Moreira. “Era bom patrão, é como filho”, conta. E como é o filho? “Uma jóia de pessoa”, responde, enquanto nos mostra como veio “toda artilhada” para a noite eleitoral, com duas garrafas de água presas às calças. “Parece que estou nos comandos!”
Com o incentivo “das intelectuais”, Zirinha e São retomam os cânticos, mas não por muito tempo. “Já chega, senão depois não tenho voz para ele.”

A ansiedade da espera
Recuemos ao início da noite. Antes das primeiras projecções o ambiente é de muita ansiedade na Avenida dos Aliados. As duas sedes de candidatura estão separadas por poucos metros. Cá fora, apoiantes dos dois candidatos misturam-se com os turistas que passam e espreitam, estupefactos.

À frente da sede de Rui Moreira, um grupo de jovens ensaia o hino de campanha. A cantoria é interrompida por alguém que passa com um rádio. As vozes do outro lado da telefonia não enganam: está a ouvir o relato do Sporting-Porto na Renascença.
A noite está agradável e, tanto de um lado como de outro, prefere-se esperar na rua. Estar dentro das sedes torna o ambiente mais tenso. Nos Aliados, todos parecem saber que não há vitórias antecipadas.
Álvaro, apoiante de Manuel Pizarro, está ansioso e pergunta se já temos resultados. Ainda não, respondemos, as urnas ainda não fecharam nos Açores. “Parece que [a vitória] vai ser ali para baixo”, atira, referindo-se à sede de Rui Moreira. “Mas eles [Moreira e Pizarro] depois têm de se entender, têm essa responsabilidade”.

Uma avenida de contrastes
Oito da noite, as televisões transmitem as projecções. Primeiro, os resultados de Lisboa. “Mostrem o Porto”, pede-se na sede de Rui Moreira. Desejo cumprido, começa a festa. Todas as previsões dão a vitória a Rui Moreira. Há abraços e lágrimas. Os mesmos jovens que antes estavam na rua a cantar estão agora em frente à televisão aos saltos.

Entre eles estão José Costa e Tiago Barbosa, ambos com 20 anos e militantes da Juventude Popular. Acompanharam Rui Moreira durante a campanha e, por isso, dizem, não estão surpreendidos com o resultado. “Sentíamos a energia nas ruas”, conta José. “Com fé na maioria absoluta”, os dois amigos recusam colocar outro cenário. Mas Tiago acrescenta: “Rui Moreira tem uma grande capacidade para construir pontes e não muros”.
Ambiente bem diferente, um pouco mais acima na Avenida. Na sede de Manuel Pizarro instala-se um silêncio constrangedor, interrompido apenas pelos “cliques” das máquinas dos fotógrafos.
Aqui não se esconde algum desapontamento. “Esperava mais”, confessa Graça Vaz, sem tirar os olhos da televisão. E agora? “Agora estamos cá para fazer uma oposição responsável”, responde. “O povo é soberano”, sentencia, entre suspiros.
Por esta altura, na sede de Pizarro contam-se quase tantos jornalistas como apoiantes. Alguns saíram logo depois das projecções, outros chegarão apenas na hora do discurso do candidato.
Maria Celeste entra na sala e senta-se na primeira fila. “Estava por aqui e vim ver o que se passava”, conta. Na carteira traz um porta-chaves da campanha de Manuel Pizarro e uma confiança inabalável na vitória, contra todos os números.
“Ele ainda vai ganhar”, responde, convicta, a outro apoiante que nota que as projecções de votos para Rui Moreira já baixaram. “Não vai ganhar, mas o outro vai baixar ainda mais”, diz-lhe o vizinho.

Troca de galhardetes entre velhos amigos
Mas Pizarro não ganhou e, pouco depois das 21h30, Rui Moreira canta vitória.

“São, anda”, chama Zirinha, entrando na sede de campanha e furando tudo e todos até ficar na primeira fila. Novamente, são elas as vozes de comando aos cânticos de apoio a Rui Moreira. Na sala, misturam-se pessoas de todas as idades e classes sociais, novos e velhos, da Ribeira à Foz, mas quase todos acompanham Zirinha e São.
Carlos Campos assiste a tudo, encostado à porta, com a cadela Lili ao colo. Nasceu no Brasil, mas vive no Porto há nove anos. Conta que conhece pessoalmente Rui Moreira e Manuel Pizarro e “não esperava de tanta diferença” de votos entre os dois.
“Acho que é uma pena terem-se separado, todos os amigos comentam isso”, confidencia. “Acho que os dois ainda têm muito para dar à cidade. São duas pessoas sensatas e inteligentes.” E lamenta: “a política faz destas coisas”.
Opinião semelhante tem David Ribeiro. “A coligação com o PS foi boa, os vereadores do PS fizeram um excelente trabalho, simplesmente tiveram que obedecer ao Largo do Rato”, diz o candidato à Assembleia Municipal, que também marca presença na sede de campanha.
A verdade é que os primeiros dias de Maio, que levaram à ruptura do acordo de coligação entre Rui Moreira e o PS, não saem da memória de ninguém, nem dos candidatos. No discurso de vitória, Rui Moreira deixa duras críticas ao Partido Socialista.
"O apoio que nos oferecia tinha um preço que o nosso movimento independente não quis pagar. Depois tentou, através da participação de membros do Governo, nacionalizar a campanha e esse foi um preço que a cidade não quis pagar", afirmou Moreira.
Pouco depois, Manuel Pizarro devolve os “galhardetes”. “Não esquecemos o que aconteceu a 6 de Maio, quando alguém, que não fomos nós, rompeu um acordo que estava estabelecido”, disse perante algumas dezenas de apoiantes que esperaram pelo seu discurso. Alguns com as lágrimas nos olhos, revêem-se nas palavras de Pizarro quando afirma que “o PS travou esta batalha eleitoral em condições terríveis”.
As palavras dão lugar aos abraços. Pizarro não se poupa ao contacto com os apoiantes. O mesmo tinha acontecido quando entrou na sede de campanha, cumprimentando todos os que estavam à porta. Grita-se “Pizarro” e ele responde com “PS”. Após duas ou três tentativas lá consegue impor a sua vontade e pôr toda a sala a cantar pelo partido.
Situação semelhante tinha acontecido minutos antes, uns metros abaixo. Quando os apoiantes gritavam por “Moreira”, ele respondia com “Porto”. Até que todos gritaram pelo nome da cidade da mesma forma que os adeptos do FC Porto gritam pela equipa no Estádio do Dragão.
Bandeiras e telemóveis no ar, ouve-se o hino de campanha. É altura de fechar a noite. À saída da sede, alguém afirma, com tom de alívio: “está feito”.

 

  Comentários no Facebook

«Jovita Fonseca» - Na Av dos Aliados, os portuenses reúnem-se de acordo com os seus gostos... tudo gente pacífica e consciente! Assim é o Porto 🎷🎵📢

«David Ribeiro» - Se leram este artigo já devem ter reparado que eu fui entrevistado por esta jovem jornalista da RR – Marília Freitas - moça que seguramente vai longe na carreira, pois a forma simpática como me abordou e a transcrição fiel do que eu disse e do que se estava a passar naquele local, isso o faz antever.



Publicado por Tovi às 14:38
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 1 de Outubro de 2017
Rui Moreira vence as Autárquicas no Porto

Rui Moreira Vitória 1Out2017 aa.jpg

Como era esperado Rui Moreira ganhou com maioria absoluta a Câmara Municipal do Porto e o seu movimento de independentes venceu também a Assembleia Municipal e sete das nove Juntas de Freguesia. Assim se mandou às urtigas os “Velhos do Restelo” que diziam “para Moreira esta campanha foi sempre a perder”. O PSD foi praticamente neutralizado (10,39%, elegendo um único vereador) e o PS (28,55% de votos), uma clara derrota de Manuel Pizarro, de Tiago Barbosa Ribeiro e dos senhores do Largo do Rato, apesar de ter conseguido eleger quatro vereadores, mais um que no mandato anterior. Os portuenses compreenderam bem o que foi a Cultura nesta cidade nos últimos quatro anos, o que foi o boom turístico e o que isso contribui para a recuperarão económica e social da Invicta, não esquecendo que o Bolhão, o Matadouro, o Terminal de Campanhã, o Museu da Cidade ou o Parque Oriental estão num caminho seguro.

Força Rui Moreira!... Os portuenses estão contigo

 

Convém não esquecer e por isso fica aqui, para memória futura, um gráfico com os resultados das autárquicas no Porto de 2009 e 2013, mais as sondagens e o resultado das Autárquicas2017.

Sondagens+Resultados 2017 aa.jpg



Publicado por Tovi às 23:50
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 30 de Setembro de 2017
Autárquicas no Porto – No Facebook

banner_700x175.jpg

   Comunicado da Administração do «Um novo norte para o Norte»

Durante toda esta campanha eleitoral todos nós, o administrador incluído, muitas vezes pensaram mais com o coração do que com a cabeça, mas na generalidade a coisa correu bem e todos, ma mesmo TODOS, tiveram a oportunidade de apresentarem as suas ideias. Os que tiveram de ser mandados de castigo para o recreio foram aqueles que não souberam ou não quiseram ser educados.

Hoje é DIA DE REFLEXÃO e teremos todos que ter atenção à Lei Eleitoral vigente que diz: “…no que respeita à proibição de fazer propaganda em véspera e dia da eleição, objeto da presente Informação, interessa referir que, publicamente, é proibido praticar ações ou desenvolver atividades de propaganda eleitoral por qualquer meio nesses dias, pelo que, tratando-se quer de cronologias pessoais quer de páginas do Facebook, elas não podem registar qualquer ação de propaganda praticada após as 00h00 da véspera da eleição”.

Amanhã vamos todos votar em consciência e, não se esqueçam, vamos votar em LIBERDADE, coisas que alguns de nós só souberam o que era depois dos anos negros do salazarismo.



Publicado por Tovi às 00:05
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 29 de Setembro de 2017
Autárquicas no Porto – Última sondagem

Sondagens evolucão 29Set2017 aa.jpg

Depois de termos conhecido hoje o último estudo de opinião feito pela Eurosondagem para o Expresso, a evolução das sondagens para as Autárquicas no Porto é a que se vê no gráfico, comparando sempre com os resultados das duas últimas eleições.



Publicado por Tovi às 09:59
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 28 de Setembro de 2017
Autárquicas no Porto – Mais uma sondagem

Sondagens evolucão 27Set2017 aa.jpg

A sondagem da Universidade Católica dada ontem a conhecer pela RTP tresanda a “encomenda”… mas aqui fica a evolução das sondagens no Porto, para memória futura.

 

  Comunicado de “Rui Moreira - O Nosso Partido é o Porto”

SONDAGEM FALSA

A sondagem sobre o Porto hoje divulgada pela RTP, realizada pelo Centro de Estudos da Universidade Católica, também responsável pela que foi publicada pelo JN na passada sexta, apresenta erros grosseiros nos seus questionários e metodologias, o que justifica a enorme discrepância para todas as outras conhecidas e publicadas até agora
O mais gritante tem a ver com a omissão do nome de Rui Moreira entre as opções apresentadas aos inquiridos, quando este faz parte da designação oficial da candidatura e do boletim de voto. Aos inquiridos era mesmo colocada a questão “Em que partido vota”, embora a Universidade Católica oculte, nos seus relatórios, a forma como formulou a questão aos inquiridos. A sigla foi também omitida e o foi símbolo adulterado.
Mas não ficamos por aqui, no que restou da designação da candidatura de Rui Moreira na simulação de boletim que era apresentado, a própria descrição do nome da candidatura contém erros.
Note-se que a intenção de voto não foi nem declarada nem depositada em urna pelos inquiridos, mas assinalada através de um ecrã de um telemóvel, que apresentava informação deturpada e omissões graves, também em relação a outras candidaturas.
A Universidade Católica chegou ao cúmulo de apresentar como opção de voto uma segunda candidatura independente que não existe, também com a palavra “Porto” na designação, apresentando 10 opções aos seus inquiridos, quando apenas nove se apresentam a eleições.
As duas sondagens (do JN e da RTP) foram realizadas em apenas algumas freguesias, que a Universidade Católica não revela sequer no relatório depositado na ERC, seleccionadas, segundo diz, com base na média de resultados de cinco partidos nos actos eleitorais de 2005, 2009 e 2013, sabendo-se que Rui Moreira apenas concorreu em 2013.
Foram vários dos portuenses inquiridos que nos alertaram para esta inaceitável tentativa de manipulação da opinião pública e nos fizeram chegar provas do que afirmamos. Em consequência, alertamos, ainda ontem, a direcção da RTP para tais factos, aconselhando a não publicação desta fraude.
Perante os factos, a candidatura Rui Moreira: Porto, o Nosso Partido, convida os órgãos de comunicação social em causa, RTP, Antena 1 e JN, a publicarem de imediato, na íntegra, os relatórios finais do trabalho que lhes foi vendido pela Universidade Católica, o que demonstrará que o que estamos a afirmar corresponde à verdade.
Apelamos ainda a que as entidades competentes, nomeadamente a ERC e CNE, tomem as medidas que se impõem para regular o normal funcionamento, quer das empresas de sondagens quer da comunicação social, bem como do próprio processo eleitoral, que está em causa com truques e manobras como a que denunciamos.
Tem estado em curso, nos últimos meses, uma operação que visa manipular a opinião pública e condicionar o sentido do voto no Porto por diversos meios e formas, nomeadamente com a tentativa de impugnar a própria candidatura e de impedir que o nome de Rui Moreira fosse usado nos boletins de voto. Estas operações têm autores e várias facetas que visam impedir o Porto livre e independente de pensar pela sua cabeça e de voltar a ganhar umas eleições, que tanto incomodaram os diretórios dos partidos em Lisboa, a 29 de Setembro de 2013.
Os portuenses, que nunca se deixaram enganar por estes truques, saberão responder com carácter.



Publicado por Tovi às 07:42
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 27 de Setembro de 2017
Museu de História da Cidade

21768434_10210195065418079_2424921082797101769_n.j

E s p e c t á c u l o ! . . .

Isto é o Museu de História da Cidade em obra nos jardins da Pasteleira e que contará a evolução da cidade do Porto ao longo dos séculos.



Publicado por Tovi às 10:36
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 26 de Setembro de 2017
Autárquicas no Porto – Campanha nas tv's

reporteres-de-noticias-na-tela-de-televisao_1325-1

Como candidato à Assembleia Municipal do Porto pelo movimento independente «Rui Moreira – Porto, o Nosso Partido» considero ignóbil a forma como os canais televisivos nacionais têm vindo a noticiar a campanha autárquica, mais parecendo tempo de antena dos líderes dos partidos de regime (PS, PSD, Bloco, PC e CDS). Mas como todos sabemos “quem com ferros mata com ferros morre” e depois de 1 de Outubro, se tiver a honra dos portuenses me elegerem, esta comunicação social irá ter de mim aquilo que merece, ou seja, O MAIOR DESPREZO.



Publicado por Tovi às 10:09
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 24 de Setembro de 2017
Morreu o “Bispo Vermelho”

Requiescat In Pace

Manuel Martins aa.jpg

Morreu hoje ao princípio da tarde na Maia, D. Manuel Martins, bispo de Setúbal entre 1975 e 1998, tendo na altura ficado conhecido como "Bispo Vermelho", pela sua acção de denúncia das situações de fome e de injustiça social. Nascido a 20 de Janeiro de 1927, em Leça do Balio, Matosinhos, e ordenado sacerdote em 1951, Manuel da Silva Martins foi pároco na freguesia de Cedofeita nos anos 60, no centro do Porto, já depois de ter frequentado o curso de direito canónico na Universidade Gregoriana em Roma.

 

  Comentários no Facebook

«Pedro Baptista» - Morreu Manuel Martins, dia de Festejar a vida de um grande homem. A este não me importo de apostar o Dom. Sim. D. Manuel Martins. Mas isto não é para todos: como dizia aquele de que foi discípulo e colaborador, D. António Ferreira Gomes: "De joelhos perante Deus, de pé perante os homens". Face à sua vida, na hora da sua morte, todos, de pé, nos curvamos...

«Henrique Seruca» - Foi com grande pesar que tive conhecimento do falecimento hoje de D. Manuel Martins. Tinha o maior respeito e admiração pela sua figura. Foi o celebrante do meu casamento, em 1965, na Igreja Românica de Cedofeita, onde ele era pároco. Já nessa altura essa muito querido dos paroquianos, pela sua grande cultura, simplicidade e, acima de tudo, grande bondade. Como bispo de Setúbal notabilizou-se pela defesa intransigente dos mais fracos, dos desempregados, dos mais pobres, das crianças exploradas., Para ele havia dois tipos de padres: aqueles que exerciam segundo o exemplo de Cristo e os que eram simples funcionários da Igreja. Na defesa dos mais fracos, no distrito de Setúbal, teve grandes dissidências com Cavaco Silva e com Mário Soares, que negavam as misérias de que ele era testemunha diária. Chamaram-lhe "bispo vermelho", quando ele se limitava a seguir a sua consciência e o que devia ser a prática da sua religião. Foi Homem e Bom. A sua voz contundente faz falta. Que descanse em paz.

«Jota Caeiro» - EM SUA MEMÓRIA - EM CONVERSA COM DOM MANUEL MARTINS - até vem mesmo a calhar!... (de Julho de 2013, pouco antes das últimas autárquicas)
1 - Qual a interpretação que faz do país social.
Sinto que estamos em marcha acelerada para uma nova civilização. Os padrões de vida transformam-se de tal modo e a tal velocidade, que nós, os de ontem, temos a sensação que mudámos de casa. Tais padrões passam por individualismos, por uma filosofia económica desenfreada, e tendo em conta o ímpeto dado à marcha da vida pela globalização, sinto-me com a dolorosa impressão que não estamos bem e que temos de parar para uma grande e profunda reflexão a fim de podermos atingir uma vida com alguma dignidade.
2 - Quem define como principais agentes responsáveis pela condição precária do país?
Portugal faz parte do mundo, mas claro que tem a sua história, a sua alma, a sua idiossincrasia próprias. E olhando-o com atenção, sinto que estamos mal, que estamos muito mal. Até tenho medo de que estando a pedir e a recomendar a esperança, mais esteja a contribuir para uma certa alienação. Não temos tido, na generalidade, Governos à altura, a nível de competência, de preocupação pela missão, de isenção, de pedagogia.
O governante tem que ser especialista no verbo e no advérbio, isto é, no fazer e no fazer bem. A idóneos Governos que não temos tido, juntava uma diabólica filosofia económica super-hiperliberal que nos inquieta no presente e nos assusta quanto ao futuro. Os Direitos Humanos não são minimamente respeitados, bastando para tanto passar os olhos pelos Direitos, Liberdades e Garantias da Constituição (art.ºs 24-79). É também de não perder de vista a falta de preocupação por um sistema de educação sadio. Resumindo: temos a sensação que nos perdemos e que nem sequer queremos encontrar o caminho, haja em vista o que vem acontecendo com o comportamento dos grupos “políticos” a que vamos dando o nome de “partidos”.
3 - O Senhor viveu um período de convulsões político-sociais importantes em Setúbal. Equaciona algum paralelismo com a actual sociedade portuguesa?
É verdade. E é para esquecer: valia a pena aqui perguntarmo-nos o que foi isso do 25 de Abril e o que traria escondido no ventre. Aquele PREC é de leitura muito difícil.
O que vi, o que vivi, o que experimentei não dá para contar.
Não obstante, tenho para mim que tudo aquilo aconteceu sem projeto, antes, como um tubo de ensaio para o foi ocorrendo a seguir. Quem está na máquina, quem anda no chão, não vislumbra caminhos de solução. O grande princípio de ação continua a ser (por quanto tempo?) o do Salve-se quem puder.
Mas vamos dizer que na altura, em Setúbal o problema encontrou solução, com muitos atores e fatores que se deixaram tocar pela força da boa vontade.
Sim, Setúbal viveu um período que foi vencido. Agora sofre as consequências de um país que não quer vencer.
4 - Que proposta faria a um futuro Primeiro Ministro?
Tem que ser um quadro inteligente, conhecedor dos problemas; deve rodear-se de bons colaboradores sem nunca se deixar tentar pelo boyismo; deve hierarquizar os problemas e procurar resolvê-los sem falsas promessas; deve ser um Homem que não se deixe influenciar nem por pessoas, nem por interesses. Uma pessoa em que todos se revejam com orgulho.
Acrescento só que este meu aparente pessimismo é ditado pelo amor que tenho ao meu país e ao contributo que do fundo do meu ser queria oferecer para muito em breve Portugal ser um país justo, fraterno, solidário, progressivo, feliz. A tanto não chegará, mas, depois e até por causa da via dolorosa que agora percorres, dias melhores, com toda a certeza, irão chegar.



Publicado por Tovi às 20:51
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 23 de Setembro de 2017
Manifesto Eleitoral de Rui Moreira

Manifesto Rui Moreira 23Set2017 aa.jpg

Foi hoje à noite, no Rivoli, a apresentação oficial do Manifesto Eleitoral de Rui Moreira para estas Autárquicas2017. Uma noite inesquecível, com muitos e  bons Amigos… Uma noite à PORTO.

Acompanhe no seu smartphone: ruimoreira2017.pt/manifesto/



Publicado por Tovi às 23:45
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 22 de Setembro de 2017
Autárquicas no Porto – Duas sondagens de hoje

Sondagens evoluão 22Set2017 aa.jpg

(Na imagem estão os resultados eleitorais das duas últimas Autárquicas no Porto e a evolução das sondagens conhecidas para as eleições do próximo dia 1 de Outubro)

O Jornal de Notícias apresenta hoje uma sondagem da Universidade Católica em que Rui Moreira e Manuel Pizarro aparecem separados unicamente por um ponto percentual (34% para o actual Presidente de Câmara do Porto e 33% para o líder da candidatura do PS). As sondagens são meros indicadores (valem o que valem e o dia do voto é que é a verdadeira sondagem, costuma dizer-se) mas um descida tão acentuada da candidatura de Rui Moreira terá que ser o “tocar a rebate” entre os independentes do Porto. Amanhã teremos no Rivoli a apresentação do Manifesto Eleitoral de Rui Moreira… e temos todos que lá estar.

 

E foi agora conhecida uma outra sondagem, da Aximage para o Jornal de Negócios e Correio da Manhã, que coloca Rui Moreira à beira da maioria absoluta.

(Na imagem estão os resultados eleitorais das duas últimas Autárquicas no Porto e a evolução das sondagens conhecidas para as eleições do próximo dia 1 de Outubro, incluindo as duas de hoje)

Sondagens evoluão 22Set2017 ab.jpg

 

  Comentários no Facebook

«Eduardo Vasques de Carvalho» - Face à disparidade, só se pode concluir que uma delas ou ambas, são sondagem feitas por medida. Ou então a demência está instalada no Porto

«Pedro Baptista» - Sondagem Correio da Manhã para o Porto, da AXIMAGEM, a que se tem mostrado mais séria empresa de sondagens: praticamente 40% para Rui Moreira, cerca de 20% para Pizarro, com o PSD a esfumar-se... Por que foi o JN arranjar hoje uma sondagem da empresa que se tem mostrado mais afeta a satisfazer o gosto de quem encomenda, quando nada disso se sente na cidade?

«Antonio Jose Fonseca» - Duas sondagens publicadas no mesmo dia (JN e CM). Verdade verdadinha só mesmo no dia 1 de Outubro.



Publicado por Tovi às 09:38
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 19 de Setembro de 2017
O que se passa com a Ryanair?

19Set2017 aa.jpg

Hummm!... Qual será o verdadeiro motivo?... Esta malta não costuma dar ponto sem nó e a explicação dada que é para "melhorar a pontualidade" é difícil de engolir… mas até pode ser que seja, que disto eu percebo pouco.

 

   Comentários no Facebook

«Gonçalo Moreira» - O motivo é muito simples: erro de cálculo nas necessidades de pessoal, como a própria Ryanair assume no seu comunicado, enviado por e-mail a todos os clientes registados e difundido no site. Como todos sabemos, a Ryanair tem crescido muito a sua frota de aviões e de destinos. Isto coloca-lhe uma necessidade enorme de contratação de novos pilotos e assistentes de bordo. O facto é que a Ryanair não tem conseguido contratar à velocidade que desejava e, num período em que se vê forçada a dar férias aos seus pilotos, fica com tripulações a menos.

«Simão Santos» - Juntamente com um êxodo de pilotos para a norwegian e o médio oriente

«Gonçalo Moreira» - Exactamente Simão Santos. Não conseguem contratar a ritmo suficiente para compensar as necessidade e perdas de pessoal. O cenário, neste momento é muito penalizador para a Ryanair. O número de voos que estão a ser obrigados a cancelar, por dia, em toda a Europa é enorme. Mas pelo menos falam e dizem a verdade. Respeito isso.



Publicado por Tovi às 13:44
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9


23
24
25
26
27
28

29
30
31


Posts recentes

Portugal Contra os Incênd...

Assembleia Municipal do P...

Vamos institucionalizar o...

Salas de Aula do Futuro

A noite das Autárquicas20...

Rui Moreira vence as Autá...

Autárquicas no Porto – No...

Autárquicas no Porto – Úl...

Autárquicas no Porto – Ma...

Museu de História da Cida...

Autárquicas no Porto – Ca...

Morreu o “Bispo Vermelho”

Manifesto Eleitoral de Ru...

Autárquicas no Porto – Du...

O que se passa com a Ryan...

Autárquicas no Porto – O ...

Visão de futuro… para o P...

Autárquicas no Porto – De...

Autárquicas no Porto – Ru...

Morreu o Bispo do Porto

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus