"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Terça-feira, 27 de Junho de 2017
Cascata sem “o cagão” não é cascata

o cagão.jpg

Andei por aí a ver as nossas Cascatas de São João e na esmagadora maioria delas além da “Fonte”, da “Procissão”, da “Leiteira”, da “Fanfarra”, do “Coreto”, do “Polícia”, da “Torre dos Clérigos” e de mais todos aqueles “bonecos” que sempre fizeram parte desta espécie de presépio são joanino, lá estava O CAGÃO, normalmente num sítio escondido da cascata, como é tradição. E alguém me sabe dizer o porquê desta figura?... Será porque estas “coisas” dão-nos vontade quando menos se espera e lá terá que ser?... Será pelo que for, mas cascata sem “o cagão” não é cascata nem é nada.

 

   Comentários no Facebook

«Jose Bandeira» - Numa noite inteira de folia há necessidades irreprimíveis. 😊

«Duarte Leal» - É uma figura curiosa, de tradição e existência muito antigas. Tem uma ligação visceral com as coisas mundanas. Naturalmente que tem de ficar num sítio escondido. É provável que tenha forte ligação à cerâmica das Caldas, ou, pelo menos, os mesmos elementos influenciadores, mas não sou especialista na matéria. Se não estivesse presente, poucos dariam pela sua falta, mas trata-se de um personagem que humaniza a cascata. A riqueza está nos pormenores.

«Isabel Branco Martins» - Na Catalunha o caganer é usado OBRIGATORIAMENTE nos presépios e o significado que lhe atribuem é promover a PROSPERIDADE da casa, está relacionado com as propriedades nutritivas do produto usado na agricultura. - El museo del Caganer

«Alexandra Magalhães» - Na minha cascata esse também não falta todos os anos, mas não está escondido... ahhahaaha [Emoji smile:)]

«Adao Fernando Batista Bastos» - Na minha cascata tenho um "ele" e uma "ela"...O "ele" sempre vi desde que comecei a gostar de cascatas (quando eu era pequenino... e já abria os olhos)

«Isabel Branco Martins» - O culto do Caganer integra uma espécie de jogo que é descobrir onde o esconderam no presépio, aconselharam-me a procurá-lo junto das pontes... Uma coisa que me surpreendeu foi que são frequentemente personalizados tanto como figuras do fútil jet set, políticos, jogadores de "fut", lembro-me de ver o nosso pesetero...



Publicado por Tovi às 08:57
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 26 de Junho de 2017
O Nosso Partido é o Porto

 1Jul2017 aa.jpg
Em 2013, o Porto deu um exemplo ao país, elegendo para governar a cidade um presidente independente, livre e focado no desenvolvimento da cidade e nos portuenses. O Porto ganhou. Vou fazer parte deste movimento, de novo. Dia 1 de julho, a três meses das eleições autárquicas, vou recomeçar uma caminhada. Porque O PORTO É O NOSSO PARTIDO, SEMPRE.



Publicado por Tovi às 09:23
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 24 de Junho de 2017
Um Homem do Norte

V.jpg

   Escreveu Rui Moreira sobre Valente Oliveira

O Professor Luís Valente de Oliveira foi o governante que mais vezes e mais tempo ocupou cargos governativos em Portugal. Foi presidente da Assembleia Municipal do Porto. É uma referência para o PSD. É uma referência de seriedade e competência para o País, para o Norte e para o Porto. Reviu-se no movimento independente que levou à minha eleição há quatro anos e esteve sempre com o Porto, ao lado das causas da cidade em batalhas muito importantes. Deixa o seu partido, ao fim de quatro décadas, para voltar a estar ao lado do que entende ser o interesse da Antiga, Mui Nobre, Sempre Leal e Invicta Cidade do Porto. O Professor Valente de Oliveira é uma inspiração para todos os que defendem os valores sociais, democratas e de liberdade de que o país precisa e de que o Porto sempre foi exemplo. É uma honra voltar a tê-lo como mandatário da recandidatura independente que a 1 de Outubro voltará a ser uma opção de liberdade para os portuenses. E é importante que valores como os que sempre o guiaram sejam escutados. É importante que ele seja escutado. Obrigado Professor.

 

   Comentários no Facebook

«Gonçalo Graça Moura» - Das poucas pessoas que sempre foi séria na política!

«Joaquim Figueiredo» - Um senhooooor

«Maria Manuel Reis» - Excelente escolha !

«Tiago Silva» - Com todo o meu apoio!

«Leal Antonio Gaspar Leal» - Sociais democratas, ainda nao viram o quanto Passos Coelho, está a fazer mal ao partido. Não espanta, politiquices. No PS queimam Pissarro

«Manuel Carvalho» - Sem abdicar da sua raiz política, soube, como sempre, fazer uma escolha em nome de um Porto real. Tivesse-o feito MP, também. Quando o valor supera a norma, surgem posições de pessoas como Valente de Oliveira, outras anulam-se, apenas vendo o feudo partidário e gritando até à exaustão que é em nome do Porto. Uns são, outros tentam parecer.

«Rogerio Parada Figueiredo» - É um homem do Norte com honra caráter e sentido do dever para com sua cidade! As pessoas do norte sabem o significado das palavras: Nobre, Invicta, palavras que definem a cidade do Porto. Palavras estas acima de quaisquer interesses partidários! As pessoas do norte de Portugal sabem muito bém o significado das palavras: irreversível e de honra!

«Eduarda Castro» - As candidaturas independentes esta a causar alguns danos aos Partidos do Poder( P. S. E P.SD) E nestas eleicoes autarcas ocorrem pelo Pais a entrega de cartoes destes Partidos para apoiarem candidaturas independentes. Cada vez mais as pessoas se reconhecem nas diversas candidaturas independentes esvaziando os ditos Partidos Politicos. Alguma coisa vai mal. A identificacao destes Partidos estao a ficar anuladas por falta de coerencia dos seus valores. Chegou a hora destes Partidos reflectirem o que vai mal muito mal. O funcionamento dos mesmos estao a necessitar de uma profunda revisao das suas estruturas que ja estao ultrapassadas. Os seus militantes sentem que aDemocracia falha no seu funcionamento que carece da falta de dialogo e que se inverteu em donos do Partido e de interesses. Nao vejo que seja prejudicial para a Nossa Democracia existirem candidaturas Independentes pelo contrario e um sinal de uma Democracia Viva. Agora os Partidos nao se podem queixar por falta da mesma porque sao afinal os obreiros pele falta da sua Democracia Interna. E sei bem do que falo.

«Maria Helena Costa Ferreira» - Grande!



Publicado por Tovi às 16:23
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 23 de Junho de 2017
Proibido o lançamento de balões no São João

CAM00809-1.jpg

Não sei se é efeito da sangria, mas já me pareceu ver passar uns três ou quatro balões 

 

   Comentários no Facebook

«Jorge Veiga» - Por Campanhã já passaram alguns...(ou passarão???)

«Carla Afonso Leitão» - Campanhã?... n deles

«Jorge Veiga» - alguns = n deles kkkkk

«José Luis Moreira» - Deixóspairar...

«Adao Fernando Batista Bastos» - Pois aqui na Maia tem sido uns atras dos outros!

«Carla Afonso Leitão» - Binte... Ba lá... O estado está a perder uns guitos [Emoji kiki^_^]

«David Ribeiro» - Já ninguém tem respeito pelos decretos do Terreiro do Paço [Emoji wink;-)]

«Jorge Veiga» - leis faceis de fazer. Estou memo a ver os polícias de cabeça virada p´ró ar... Oh Patego, olhó balão!!!!!

«Carla Afonso Leitão» - Assim, de repente não vejo nenhuma farda kkk

«José Luis Moreira» - Andam a ber balões, Carla Afonso Leitão.

«Jorge Veiga» - José Luis Moreira ou andam nus...! [Emoji smile:)]

«David Ribeiro» Está cá a parecer-me que não me vou deitar sem ver um "bófia" a lançar um balão [Emoji smile:-)]

«José Luis Moreira» - ... ou a mandar soprar ó balão?...

«Carla Afonso Leitão» - Cuido que se houber algum bufo bai logo até à estação espacial [Emoji glassesB-)]

«David Ribeiro» - Vi agora um drone a perseguir um balão... está bem equipada a polícia cá da Cidade Invicta [Emoji wink;-)]

«José Luis Moreira» - Bai soprá-lo...

«Carla Afonso Leitão» - AHAHAJAHAJAHA...

«Filipe Ortigão Guimarães» - Devem ser visões. Até porque sangria não é das 27 bebidas oficiais de São João....

«Mário Santos» - Balões, não deu para contar, mas em multas dava mais que o Euromilhões.

«Gonçalo Lavadinho» - Vi alguns

«Albertino Amaral» - Pois é, eu também vi... E agora, quanto a multas ?????



Publicado por Tovi às 23:45
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 22 de Junho de 2017
Os Homens do Presidente

Rui Moreira 20Jun2017 aa.jpg

No comment… sim, mas não vai faltar quem venha já aqui dizer cobras e lagartos.

 

   Comentários no Facebook

«João Cardoso» - Pelo menos sabemos quem são e quanto ganham. Aqui não há amigos do Presidente a trabalharem pro bono e depois serem recompensados com um tacho em qualquer empresa municipal.

«Joaquim Figueiredo» - Conheço o Dr Fernando Paulo. Excelente e dinâmica pessoa

«Manuel Carvalho» - Enquanto houver transparência, competência e amor pelo Porto, então estou tranquilo na minha escolha.

«Ze De Baião» - Cá vai uma cobra, porque os lagartos nunca serão dragões: Ninguém é super homem do Norte. Nenhum homem é superior a todas as forças políticas e à sociedade civil do Porto/Norte, como julga ou pretende fazer crer o presidente de Câmara do Porto. Ignorar todas as forças politicas e toda a sociedade civil em geral fica-lhe muito mal. Foram o conjunto de forças sociais e políticas que reabriram este processo e Rui Moreira julga-se agora o super homem que tudo conseguiu reabrir sozinho. Esse Porto de todos já não existe. Só existe mesmo o Porto de Rui Moreira. E a ser assim, é um Porto pouco ou nada inclusivo. O presidente Rui Moreira está a ter uma visão social e política muito curta ou pretenderá demonstrar a sua prepotência (ou fragilidade) sóciopolítica, ao impor uma decisão e nomeação pessoal que pretende levar à reunião de Câmara "para ratificação política", desconsiderando a proposta de criação de um grupo de trabalho representativo das forças vivas e capazes do Porto, tal como havia sido aprovado por unanimidade na última reunião. Rui Moreira aprovou uma proposta de trabalho e de participação mais alargada e agora impõe a sua prepotência pessoal só porque esta possibilidade foi reaberta pelos vereadores socialistas. Quando assim age um presidente, colocando em risco a qualidade e eficácia da candidatura, não está a defender o melhor possível a Cidade de todos, mas sim e só o seu ego pessoal. Rui Moreira afirma-se contra o centralismo, mas nem sequer consegue ver que o seu egocentrismo e a sua prepotência pode colocar em causa a vitória desta candiatura. A responsabilidade deste processo passa a ser integralmente de Rui Moreira. Se algo falhar a responsabilidade será exclusivamente sua. O PS e os socialistas do Porto devem continuar a fazer tudo para o sucesso desta candidatura, mas os portuenses devem tomar conhecimento do egocentrismo de Rui Moreira, que não consegue compreender que todas as forças políticas e a sociedade civil são de extrema importância.

«Albertino Amaral» - Se o Zé de Baião conhecesse pessoalmente a pessoa de quem tanto fala, e que pelos vistos tanto o incomoda, se consigo tivesse vivido profissionalmente e tivesse tido a possibilidade de observar o seu trabalho, a sua competência, a sua eficácia, a sua transparência, a sua seriedade e honestidade, talvez o Zé de Baião sentisse vergonha dessas atoardas que lança para o ar. Como eu compreendo o seu complexo de inferioridade…

«Mafalda Macedo Pinto» - Pode fazer um resumo José de Baião? A sua verborreia cansa me.

«Maria Helena Costa Ferreira» - Por conhecimento próprio faço minhas as palavras do Albertino Amaral!!! Claro que não ha super homens mas há - e o n/ Presidente é exemplo disso - gente muitíssimo competente, profissional e honesta!

«Ze De Baião» - Claro que há gente muito competente, profissional e honesta. Mas mau seria se não houvesse muitos outros e outras de igual e mesmo superior nível. Mas nenhum homem ou mulher faz tudo sozinho e muito menos faz tudo perfeito. Se assim pensam algo deve estar muito mal. Já agora, há falta de competência feminina a norte? Ou é tudo machista?

«Albertino Amaral» - Não seja ridículo........

«Mafalda Macedo Pinto» - E às vezes da me vontade de fazer lhe perguntas como? E os transexuais tb não contam? Eu nem vou responder a isto q até me faz náuseas

«Ze De Baião» - Cara Mafalda, até um transexual entende a discriminação de género e a história de discriminação da mulher na vida pública e política.

«David Ribeiro» - Pois é, Ze De Baião... a competência não se coaduna com as quotas de paridade.

«Ze De Baião» - Não acredito que não haja mulheres extremamente competentes a norte.

«Maria Manuel Reis» - Zé de Baião: analise os factos com mais imparcialidade... se na verdade, aquilo que escreve está de acordo com o que pensa, a meu ver está na página errada... É pena, que assim seja , pois os seus comentários por vezes são assertivos e a pluralidade de opiniões e bem vinda ...mas quando ultrapassa certos limites torna se extremamente desagradável…

«Ze De Baião» - Desagradável porquê? Não visamos um melhor norte para o norte? O norte nunca se fez com super homens ou super mulheres. Faz-se com todos nós. Com os portuenses e nortenhos em geral. Quem julgar que é superior a todas as forças vivas da sociedade ou até superior a todas as forças políticas, não está consciente de si próprio. Assisto a muita prepotência. A sociedade civil tem sempre mais força que o individualismo.

«Maria Manuel Reis» - Retirando "desagradável porquê? " subscrevo o seu comentário ..

«Manuel Carvalho» - E quando o indivíduo representa, não em gabinete, mas no terreno a vontade do Porto? Deixamos cair porque é um individuo? E ao contrário do que o Zé afirma, a história fez-se com super-homens e super-mulheres, tanto para o bem como para o mal. Recorde a história de Portugal e do mundo. A história não se faz com políticos mas com estadistas. A história faz-se quando a locomotiva sabe o trajecto e o destino, sem desvios, sem assaltos nem mudanças de linhas em obediência a quem quer mudar os destinos. Acabou por não entender mesmo o que se passou no Porto. E que se alastra a outras cidades. O mais doloroso para o regime instalado é que muitos fizeram e fazem da política carreira, mas na distância de um tempo histórico apenas vão perdurar aqueles que souberam ser Porto.



Publicado por Tovi às 09:16
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 17 de Junho de 2017
Candidatura de Portugal à sede da EMA

 19105876_1476068565812830_1327574506220995216_n.jp

Já lá vai mais de um mês que a Assembleia da República aprovou por unanimidade um "Voto de Saudação" intitulado "De Apoio à Candidatura de Portugal à sede da Agência Europeia de Medicamentos", que curiosamente (ou inexplicavelmente) por várias vezes indicava Lisboa como o local para instalação da sede da EMA. Será que a minha repulsa pelo centralismo é que me faz não conseguir perceber esta “unanimidade” dos deputados da Nação? Por mais explicações que me dêem, e já mas deram de todas as cores e feitios, ainda não consegui entender, ou então entendi perfeitamente que os senhores deputados continuam a ser os “carneirinhos” das elites da política partidária deste nosso Portugal.

 

  19h00 de hoje

Acaba-se de saber que o Governo vai reabrir a candidatura portuguesa à Agência Europeia do Medicamento - Isto é uma grande vitória da diplomacia de Rui Moreira, que enquanto o Pizarro berrava e apresentava resoluções tentando afastar-se do Governo, o nosso Presidente de Câmara conseguiu não uma comissão local e calimera mas sim fazer parte da comissão nacional.



Publicado por Tovi às 14:46
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 16 de Junho de 2017
Palhete da Mêda

 O Buraquinho ab.jpg

A propósito de um post meu aqui publicado há três dias, uns amigos desafiaram-me para irmos à tasquinha Buraquinho a fim de se provar e confirmar se o tal vinho que lá servem é ou não Palhete da Mêda.

E hoje, pelas 17h30, lá apareceram o Jorge Saraiva e o Duarte Leal (o Amândio Cupido e o António Vidal não puderam comparecer) para me acompanharem num lanchinho nesta casa com mais de oito décadas de existência, das mais antigas da cidade do Porto, ali mesmo na Praça dos Poveiros. O tal vinho, um clarete fresquinho, servido à pressão e ligeiramente adocicado, não é o mítico e já praticamente desaparecido Palhete da Mêda… mas bebe-se, principalmente num dia quente como o de hoje. Como petisco de fim de tarde o que lá servem é agradável e para se repetir.

 

  Comentários dos outros dois no Facebook

«Jorge Saraiva» - Tudo bem! outras oportunidades aparecerão 🙂 as carnes não eram fracas, mas o vinho não é o Palhete da Mêda. Foi bom, no entanto

«Duarte Leal» - Foi de alto nível, excelente companhia, boa casa. Está fundado o grupo informal de amigos das tascas do Porto. Temos de continuar, está feito o mais difícil: dar o primeiro passo.



Publicado por Tovi às 22:50
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 15 de Junho de 2017
Estamos fartos deles!...

 revolution-30590_960_720.jpg

Um Amigo meu perguntava ontem no Facebook se não estará na hora das gentes (honradas e sérias) da Cidade Invicta irem para a rua defenderem o Porto e o Norte, tendo em conta as “filhas-da-putice” que o Terreiro do Paço nos tem vindo a fazer nos últimos tempos. Pois eu estou pronto a ir para a rua, apesar do raio do meu joelho esquerdo continuar a chatear-me… nem que vá de cadeirinha de rodas.

 

   Comentários no Facebook

«Rodrigues Pereira» - Era uma ideia organizarmos uma manifestação em desagravo e apoio à gestão de Rui Moreira. Eu alinho !

«Maria Manuel Reis» - Há ocasiões na vida que devemos publicamente assumir as nossas convicções.. E porquê? Porque acredito que Rui Moreira ao longo do seu mandato defendeu os interesses da cidade do Porto e sempre teve uma postura de um homem sério. Esta é a minha opinião... devo acrescentar que não conheço pessoalmente Rui Moreira ...

«Fernando Kosta» - David: já conhece o meu ultra nortismo. Daqui saiu o nome Portugal. Contra os colonialistas lisboetas sempre. Conta comigo! Sinceramente estou farto de tanta chulice, tanta mentira e esbulho. Às armas cidadãos!

«Renato Pereira Oliveira» - Vamos combinar! Sempre disponivel para esta causa! FORÇA!

«Mafalda Macedo Pinto» - Eu sou sp a favor de tudo o seja descentralização. Mas chamo a atenção q não é desde "estes últimos tempos" relembro que Cavaco Silva achou e afirmou q a única forma de Portugal se afirmar na Europa seria através de um sério investimento em lx e vale do Tejo. E foi o único governo que com a maioria que obteve poderia ter procedido á reforma da nossa constituição. Redigida na altura por princípios muito próximos dos países mais vermelhinhos. Todos os partidos em tempo de eleições reclamam a descentralização ou regionalização e depois... ups..... gaveta com o projecto .... não vão as refeições na assembleia da república subir de preço e descer de qualidade...... Mais do mesmo.

«Cristina Pereira da Silva» - Nunca fui de manifestações de rua, mas como penso que é tempo de fazer sentir ao "polvo" do Terreiro do Paço, clara e expressamente, que o Norte já engoliu demais e dizer "basta" (à semelhança do que vem fazendo o Presidente da CMP) estarei empenhado e orgulhosamente presente!

«David Almeida» - Na minha singela opinião, esta demonstração de "nortada" deve ser espontânea e sem intervenção política... (lembrem-se da defesa do Coliseu) coloquemos a voz do povo nas mãos do povo! Marque-se uma data e hora e vamos ver quem aparece (talvez tenhamos uma grande surpresa)



Publicado por Tovi às 09:57
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 14 de Junho de 2017
A verdade… sobre a mentira do DN

Escreveu Rui Moreira na sua página do Facebook:

 

  Quando a verdade estraga uma boa notícia

Sim, a minha declaração de rendimentos ao tribunal constitucional está correcta. Sim, tudo é limpo e transparente. Sim, sempre assumi ter uma participação indirecta na Selminho.
Não poderia dizer que tinha quotas que não eram minhas.
Ainda assim, o DN, depois de ter sido ajudado a consultar documentos públicos que comprovam o que digo, escreve e faz manchete.
Resta-me a minha consciência e, principalmente, a inteligência de quem lê.
Resta-me assistir à agonia de uma certa imprensa que confia no facto de já não ter leitores e para quem o que conta é a manchete falsa.
Acabo citando George Orwell, que escreveu - não, não foi mas poderia ter sido no "Triunfo dos Porcos" - que a melhor forma de tentar destruir a reputacão de alguém é fazer-lhe acusações que não podem ser respondidas.
PS: Um dia contarei por que razão o diretor do DN - Paulo Baldaia - não está contente com a Câmara do Porto.
Há quem já esteja a perceber.
Baldaia.jpg



Publicado por Tovi às 08:25
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 13 de Junho de 2017
Está um calor do caraças

água.jpg

E não pode ser um Palhete da Mêda fresquinho?.. Não para as crianças, obviamente, mas para nós os mais crescidinhos

 

   Comentários no Facebook

«Jorge Saraiva» - Ora aí está uma excelente ideia! O mais difícil é, nos dias de hoje, encontrar o palhete da Mêda. Infelizmente

«David Ribeiro» - No "Buraquinho" em São Lázaro, diz o dono que o palhete que serve é o verdadeiro da Mêda... não sei se é, mas eu gosto.

«Pingus Vinicus» - O mais próximo que temos era o Gravato.

«Jorge Saraiva» - Exatamente!

«Amândio Cupido» - Pingus Vinicus, ainda há 2005 [Emoji smile:)]

«Pingus Vinicus» - Já não o vejo...

«Jorge Saraiva» - David Ribeiro Se e quando quiser combinamos uma surtida a esse Buraquinho, S. Lázaro e tiramos as teimas

«David Ribeiro» - Temos que combinar... e acompanhamos com uns bons petiscos que por lá há.

«Duarte Leal» - A qualidade é mais importante que a quantidade. O problema é que, com amigos e uma boa conversa, a quantidade acontece e nem nos apercebemos...



Publicado por Tovi às 11:42
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 12 de Junho de 2017
Manuel do Laço

Manue do Laco.jpg
Manuel de Sousa é conhecido como "Manuel do Laço". Foi emigrante nos Estados Unidos durante 30 anos, mas nem aí abdicou da sua paixão pela cidade do Porto e pelo Boavista Futebol Clube, vindo muitas vezes de propósito a Portugal apenas para ir a jogos.

  Já tarda uma homenagem pública a este grande Boavisteiro e Portuense.

 

  Comentários no Facebook

«Gonçalo Lavadinho» - Honestamente, conheço-o de andar por aí. E é um grande mal criado.

«David Ribeiro» - Não é essa a ideia que tenho dele... e já o conheço há uns anos, sendo que é sempre muito educado para comigo e para as pessoas que me acompanham.

«Jorge Veiga» - o Sr Manuel do Laço deveria ser homenageado pela educaçao, pelo desportivismo e pelo clubismo.



Publicado por Tovi às 11:31
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 11 de Junho de 2017
Autárquica no Porto – Testemunhos

Sobre a próxima eleição para a Presidência da Câmara Municipal do Porto escreveu Rodrigues Pereira na sua página do Facebook:

 

Rodrigues Pereira.jpgCaro(a)s Amigo(a)s,
Há muitos anos que deixei a militância política, até porque considero que as gerações mais novas devem ser trazidas a estes pleitos.
Os que me conhecem, sabem que fui militante (in illo tempore) do Partido Socialista (e Amigo de Mário Soares) e que tive o privilégio, também, de ser Amigo do contraponto portuense - conquanto que de outro Partido, in casu o PPD/PSD - de seu nome Miguel Veiga.
Foram ambos - cada qual à sua maneira - cidadãos que nunca se resignaram, que sempre estiveram despertos para a luta e que nunca - e sobretudo! - se acobardaram!
Vejo, por isso, com alguma tristeza - mas não menor surpresa - alguns comentários relativamente ao nosso actual Presidente da Câmara Municipal, Rui Moreira.
Devo também esclarecer que estive com esta candidatura desde a "hora zero", já lá vão quatro anos.
O tempo e o modo - obrigado, António Alçada Baptista - como esta recandidatura tem sido vilipendiada, trouxe-me - traz-me - de novo a terreiro essa militância que nos corre nas veias, que tem a ver com a reconfirmação do mérito, para além de todas as fronteiras políticas...
Se quiserem, traz-me um híbrido de palavras soltas - mas firmes! - entre o Eugénio de Andrade e o Manuel Alegre...
"Há um rio..." e "há sempre alguém que diz não!"
Pois aqui estou eu, nas margens do Douro, a dizer não à maledicência.
E, daqui, destas margens deste rio agreste, promoverei uma maré de apoio ao Rui Moreira.
Porque me estou a borrifar nas convenções, partidarites agudas, ou outras quaisquer maleitas que possam subvir...
MRP, 10 de Junho de 2017



Publicado por Tovi às 14:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 10 de Junho de 2017
Dia de Portugal comemorado no Porto

Discurso de Rui Moreira, Presidente da Câmara Municipal do Porto, ontem, 9 de Junho, nas cerimónias que decorreram na Sé do Porto.

Sé.jpgSenhor Presidente da República
Senhor Presidente da Assembleia da República
Senhor Primeiro-Ministro
Senhor D. António Francisco dos Santos, Bispo do Porto, Excelência Reverendíssima,
Senhores Governantes,
Senhores membros do Corpo Diplomático,
Demais Autoridades Civis, Militares e Religiosas,
Minhas Senhoras e meus Senhores

Bem haja, Senhor Presidente, por ter decidido que, depois de Lisboa, era ao Porto que cabia a honra de acolher as celebrações do dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. E que estas celebrações se concluam, amanhã no Brasil, a nossa Pátria irmã.

Temos, minhas senhoras e meus senhores, a sorte e a ventura de viver num país diferente de muitos outros; um país que guardou incólumes as suas fronteiras, defendidas com sangue, suor e lágrimas; um país que permanece uno, que corresponde e se exprime num estado-nação, coisa rara e nada negligenciável nestes tempos de sobressalto em que vivemos.

Um país que, pese embora os desequilíbrios que nem sempre temos sabido compensar, ou as rivalidades que nem sempre conseguimos atenuar, vive bem com a sua geografia, com a sua língua e com a sua cultura. Um país, e chamemos-lhe pelo nome - Portugal - que tem sabido resistir à voracidade da história, que tem sido capaz de enfrentar todos os desafios.

Nunca faltaram ao português, como escreveu Cortesão, "grandes e nobres motivos para um orgulhoso conceito de Pátria (...) talvez porque a natureza foi com ele em extremo dadivosa dos seus bens".

Talvez por isso, mas também por cepa e inquietude, soubemos, antes de outros, partir à descoberta do Mundo. Por onde passámos, deixámos as nossas marcas. Com Camões, que hoje recordamos, guardámos o registo lírico dessa extraordinária epopeia.

Durante cinco séculos fomos porto de partida de uma irreplicável e improvável aventura pelas sete partidas do mundo. Soubemos, depois, em circunstâncias particularmente adversas, bolinar contra o vento da história e reintegrar todos, e foram tantos, que aqui voltaram, ao seu porto de abrigo. Uma história que está por assimilar, mas que representa um momento alto da nossa saga: o regresso ao abraço pátrio, sem ressentimentos, uma forma nobre de encerrarmos um longo e épico capítulo.

Deparámo-nos, então, com a realidade de uma velha e inculta metrópole, repartida entre um interior arcaico e uma capital desmesurada, perdido que fora o Império. O Porto foi então, e direi que continua a ser, o ponto justo de equilíbrio. Jaime Cortesão bem que avisara, alguns anos antes, que "graças ao Porto, o povo português teve coluna vertebral, e ainda hoje possui um ideal de cidadania". Coluna vertebral que é hoje, também, parte da indispensável coluna cerebral deste novo Portugal, ousado, inventivo, estudioso, sagaz e indómito.

Foi graças a esse ideal de cidadania e a essa coluna vertebral que não permitimos que o 25 de Abril fosse uma mera transição entre regimes autoritários, e se transformasse na manhã que a aurora anunciara.

É graças a essa coluna também cerebral, de que o Porto é parte plena, que hoje podemos olhar o futuro com confiança.

Depois, virámo-nos para a Europa, para o mais evidente e sempre adiado dos desígnios. Mais uma vez, o Porto e o Norte sofreram, com abnegação, o preço da escolha. Um preço que foi pago com a desindustrialização em sectores tradicionais, enquanto o investimento público se concentrava na capital e no velho sonho de fazer dela uma grande cidade mercantil. Sem lugar nessa mesa, o Porto porfiou.

Mesmo quando a crise nos bateu à porta, o Porto foi sempre o fiel da balança. Sem nunca esmorecer. Com boas contas, com a severidade do seu granito. Como disse Bénard da Costa, esta cidade foi sempre um país que respeita e se respeita. Uma cidade que, como Agustina dissera, "tem toda ela uma forma, uma alma de muralha”.

Cidade invicta, abnegada e empreendedora, não se intimidou quando os sinos voltaram a tocar a rebate. Fez, como sempre, das tripas coração. Em vez de se queixar, resistiu e empreendeu. Cidade de pergaminhos, que mais se pode exigir de uma cidade onde, como disse Torga, "Garrett pode nascer no calor do seu coração, António Nobre pode morar em paz dentro das suas portas, e se mesmo numa das suas cadeias pode ser escrito o Amor de Perdição".

Tudo isso, que pode ser útil e nos compraz, não nos satisfaz. Mas, muitas queixas que tenhamos e não calamos, nós os portuenses temos honra, como poucos ou nenhuns, em sermos portugueses. Temos o orgulho intacto, por sabermos que, nos tempos difíceis, nos momentos mais críticos, a Pátria apela ao nosso contributo; e nunca deixámos de corresponder, apesar de também sabermos que, no fim de cada crise, o papel do Porto volta, inevitavelmente, a ser esquecido.

Não faltará quem veja, neste discurso do Presidente da Câmara Municipal do Porto, algum bairrismo. Pois a esses responderei com as palavras de Sophia: "nasci no Porto, sei o nome das flores e das árvores e não escapo a um certo bairrismo."

Senhor Presidente, em vésperas da sua oportuna visita ao Brasil, fundado pelo nosso Dom Pedro, cujo coração guardamos na Lapa, não posso deixar de lhe dizer, em nome dos portuenses, que nós, que temos tanta e tanta honra em sermos portugueses, somos ainda assim, diferentes.

O que se diria se, em Londres, em Trafalgar Square se ao lado dos leões, estivesse numa coluna, não o invencível Nelson, mas Gandhi, que libertou a jóia da coroa britânica? Pois, em vésperas da sua viagem ao Brasil, Senhor Presidente, não posso deixar de recordar que nós, os portuenses, temos como símbolo o nosso D. Pedro.

D. Pedro de quem, como disse guardamos o coração, na Lapa e nas nossas Armas, em escudo de honra, no meio; D. Pedro que lutou pela nossa liberdade e que soube fundar o país irmão, com quem celebrámos a história e a língua, esse extraordinário património imaterial que ainda não soubemos explorar.

Senhor Presidente,
Termino com Eduardo Lourenço:
"O Porto é o barco que nunca partiu”

 

 

Sobrinho Simões, presidente das comemorações do 10 de Junho, durante a sua intervenção na cerimónia de hoje disse que os portugueses são um povo com características genético-culturais “sui generis”:

Não estou a sugerir que há genes portugueses, não há, o que os portugueses têm é uma mistura notável de genes com as mais variadas origens, se há algo único, ou quase único em nós, é essa mistura genética. Incorporou, ao longo de séculos, judeus e berberes vindos de Espanha e do Norte de África, porque se misturou com árabes, porque teve escravatura de povos da África subsariana no país e nas colónias com uma expressão e durante centenas de anos. E também porque fomos através do mar para tudo quanto era sítio na África, na Ásia e na América do Sul e de lá voltámos com filhos e, sobretudo, filhas. E, por esse motivo, se compreende que a população portuguesa tenha grandes percentagens de diversas linhagens genéticas, sobretudo de origem materna, afiançou, sublinhando que há diferenças regionais, mas o que impressiona é a consistência com que tem “muito mais” mistura de genes do que os seus vizinhos. O ponto que estou a procurar salientar é que a incorporação de genes foi acompanhada pela incorporação das respetivas culturas, criando uma sociedade de gentes muito variadas, tolerante em termos religiosos, avessa aos extremismos pseudo-identitários que irrompem um pouco por todo o lado. Deveríamos ser capazes de integrar gentes que se veem obrigadas a fugir de casa, comportando-se como uma comunidade inclusiva e solidária, uma comunidade que percebe o valor sociocultural, económico e até demográfico da integração dos migrantes. Somos uma das sociedades com menos filhos do mundo. Continuamos, infelizmente, demasiado individualistas e ainda não somos uma sociedade de contrato, lá chegaremos, espero.

 

  Comentários no Facebook

«Antonio Sousa Dias» - Dia de Portugal - O Professor Manuel Sobrinho Simões fez hoje um dos melhores discursos que se ouviram até hoje nas cerimónias comemorativas do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades. Não faço esta referência para menorizar o discurso do Presidente da República, ambos são professores catedráticos, mas de um lado temos uma tradição de rigor, alguém que fala quando é preciso, do outro temos uma cultura de selfies e nunca sabemos se vamos ouvir o comentador televisivo, o professor de direito, o político dos congressos do PSD ou o Presidente.
Quando se ouve Marcelo fica-se a rir, quando se ouve Sobrinho Simões fica-se a pensar, fica-se a pensar sobre quem somos, somo quem poderíamos ser e sobre o que queremos ser. Estava ouvindo Sobrinho Simões e a câmara ia mostrando os rostos, percebia-se a curiosidade por detrás do rosto de circunstância dos soldados, via-se o sorriso de Costa, a altivez de Assunção cristas e a cara de Pau de Marco António.
Mas enquanto ouvia Sobrinho Simões pensava sobre o fosso que existe entre o mundo das banalidades em que se transformou o debate político e o mundo de quem pensa com seriedade. Porque motivo não ouvimos mais vezes gente com a grandeza intelectual de Sobrinho Simões e passamos a vida a ouvir matracas falantes como Medina Carreira, José Gomes Ferreira, para não baixar o nível e passar aos que têm mais tempo de antena, como os anafados do João Guerra e Serrão e os paspalhos do Pina e do Ventura.
Que país é este onde os partidos da oposição tenham vir a ser governo procurando conflitos entre declarações de ministros e secretários de Estado? Dei o exemplo do que temo vindo assistir na luta partidária, mas poderia eleger os discursos de muitas personalidades de todos os quadrantes partidários, sindicais ou empresariais.
Interrogo-mo como é que um país tão grande gera tanta pequenez, mas pior do que isso, porque razão neste país são os mais pequenos a dominar? Porque é que o nosso país está condenado a não ultrapassar os horizontes eu lhe são impostos por tal gente, como se em fez das forças do universo por aqui imperasse uma das mais elementares regras da matemática, a do mínimo múltiplo comum?
PS: Alguém se lembra do que disse Marcelo Rebelo de Sousa?
(in O Jumento)



Publicado por Tovi às 08:04
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 8 de Junho de 2017
Eu também gostava de saber

ema 8Jun2017.png

Tudo em Lisboa… tudo em Lisboa… porquê?...

 

  Comentários no Facebook

«António Magalhães» - Calma! Os deputados eleitos pelo circulo do Porto vão tratar do assunto...😇

«Carla Afonso Leitão» - Ah bom... estamos mais descansados [Emoji pacman:V]

«Jovita Fonseca» - É importante tomar essa decisão! A vantagem de ter um presidente de câmara independente, não estar à mercê do partido de filiação. Aliás, temos mais que motivos para essa candidatura...

«Jorge Veiga» - David Ribeiro querias saber? Ora já sabes como é...!

«Jota Caeiro» - queremos tudo esclarecido! assim é que é!

«Carla Afonso Leitão» - Muito bem, muito bem!

«Manuel Carvalho» - La vai a venerável Olisipo ter de revirar-se à procura dos papéis ou arranjar alguém para lhe "martelar" alguns.

«David Ribeiro» - É incrível como a geringonça considera Lisboa como única localização possível para instalação da Agência Europeia do Medicamento. Até a Ordem dos Médicos está de acordo com as posições de Rui Moreira.

«Jota Caeiro» - fazem as merdas e atiram-nas depois para os ombros do Santos Silva que, definitivamente, anda a perder qualidades. ou não as tinha e nós, os crentes, sonhamos... realmente não as tinha. ao fazer parte de um governo com um nacional-nazi que bem conhecia do Porto, perdeu o princípio. e perdendo o princípio, perdeu o Augusto o critério. esta coisa das aspirinas vem dar vantagem ao Moreira, obviamente. ficamos todos contentitos. mas ficamos todos com um mal estar danado, com uma azia desmesurada, por ouvirmos o Santos Silva como um desgraçado a desculpar-se do resto da governamental merda! é aumentada ao tamanho! e aumenta será também a sua vergonha... ele ouve-me e vê-me e sabe que eu tenho razão... desta vez foi fundo. afinal o alkaseltzer talvez lhe faça mais falta à augusta personagem... vivam todos! viva Caesar! [Emoji wink]



Publicado por Tovi às 10:41
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 1 de Junho de 2017
Estamos em época pré-eleitoral de Autárquicas

Eleiçoes 01.jpgE fica já aqui dito que eu sou capaz do melhor como do pior, mas no pior, sou eu o melhor... ou seja, estão abertas as hostilidades 😇

E só para que vejam que o que me interessa são as PESSOAS e não a “partidarite” digo-vos que os meus apoios autárquicos vão para:

- No Porto o meu apoio vai para o ÚNICO independente que conheço: RUI MOREIRA.

- Em Matosinhos há demasiados falsos independentes… e eu não gosto de “FALSOS”.

- Em Gondomar e Vila Nova de Gaia parece-me que a coisa está bem entregue… e em equipa vencedora não se mexe.

- Em Valongo está TUDO mal… terá concerto?

- Em Vinhais conheço CARLOS ALMENDRA, o Homem que quer dar a volta aos tempos vergonhosos de gestão socialista… estou com ele nesta luta.

Nos outros “quintais” cá do Norte… ainda estou a estudar a matéria.

 

  Comentários no Facebook

«Jose Bandeira» - Valongo continua a ser um feudo de política caseira, cacique, sem objectivo para além de manter o status da mediocridade. Qualquer que seja o vencedor parece haver um perdedor garantido: o munícipe.

«Carlos Almendra» - Meu caro David Ribeiro! Obrigado pela tua solidariedade! A luta para darmos esperança e futuro à nossa Terra é sempre um valor maior que deve ser sublimado! Forte Abraço

«Jorge Miguel Pacheco» - Em Gaia estamos bem, muito bem, aliás




Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9



28
29
30


Posts recentes

Cascata sem “o cagão” não...

O Nosso Partido é o Porto

Um Homem do Norte

Proibido o lançamento de ...

Os Homens do Presidente

Candidatura de Portugal à...

Palhete da Mêda

Estamos fartos deles!...

A verdade… sobre a mentir...

Está um calor do caraças

Manuel do Laço

Autárquica no Porto – Tes...

Dia de Portugal comemorad...

Eu também gostava de sabe...

Estamos em época pré-elei...

Fala quem sabe…

Como o tempo passa...

Primeira sondagem sobre ...

O que eles dizem do “Caso...

Não pode valer tudo em ca...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus