"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Domingo, 30 de Julho de 2017
Um Porto moderno e para todos

Não estou praticamente em nada de acordo com o que Correia Fernandes nos diz nesta sua entrevista ao Público, mas discutir uma eventual “intensificação do nível dos índices de construção” na Cidade Invicta é importante e necessário. Deixemo-nos de merdices e vamos lá comparar o que cada uma das candidaturas nos apresentam tendo em vista (re)construir um Porto moderno e para todos.

29Jul2017 aa.jpg

   Ver aqui a entrevista.

 

   Comentários no Facebook

«Cristina Vasconcelos Porto» - Aqui concordo com o Arqº Correia Fernandes!

«David Ribeiro» - Em certas zonas da cidade e desde que a construção em altura preveja generosas áreas públicas envolventes, não vejo problema nesta opção. Mas para já, e até porque não sou de forma alguma um especialista na matéria, prefiro aguardar a opinião de muita e boa gente que sabe disto muito mais do que eu.

«Nuno Antunes» - Em todas as estações de metro propor a construção de torres de andares com 30 andares

«Carlos Jorge Pereira» - Anexar os concelhos vizinhos talvez resolva o roblema. Já que é mau contruir para cima.

«João Cardoso» - Essa tentativa já aconteceu e a resposta é conhecida.

«Gloria Gonçalves» - Índice de Construção (IC) - quociente entre a área bruta de construção e a área da zona definida em Plano Municipal de Ordenamento do Território ou a área do prédio sujeito a operação de loteamento, no caso do Índice de Construção bruto, ou a área da parcela ou do lote, no caso do Índice de Construção líquido. ver também IC em http://balcaovirtual.cm-porto.pt/.../Docu.../Regulamento.pdf. Quer se queira ou não o IC tem a ver com a área construída, ou seja, com os edificios. No artigo do publico, chama ao IC "coisa mais importante do PDM", por isso, não acrescenta nada o sr Professor Arq. Já nem aos animais se pode chamar "coisa".

«Rui Moreira» - Não me pronuncio sobre questões de amnésia. Mas não deixo de lembrar que já houve aumento dos índices. Não se trata de uma medida generalista, claro. Querem um exemplo? O novo Bairro de Raínha D Leonor.

«Pedro Aroso» - É uma questão delicada que merece um amplo debate. No primeiro mandato do Rui Rio, o então vereador do Urbanismo Ricardo Figueiredo impôs índices que o Nuno Portas classificou de anorécticos. Se esses ainda se mantêm em vigor, faz todo o sentido revê-los.

«Rui Moreira» - Pedro vê as nossas propostas. Acho que concordas.

«Antero Filgueiras» - Será que Rui Moreira desenterrou os projectos que o "interino presidente" Nuno Cardoso tinha para o Porto?! Cardoso sonhava transformar o Porto (parte dele) numa réplica de Nova Iorque. E porque não debater o assunto?!

«Rui Moreira» - Antero Felgueiras: não desenterrei nada. Tenho uma política clara para a cidade. Dei-a a conhecer. Está em discussão nestas eleições

«Antero Filgueiras»Como sabe não sou Felgueiras mas sim FILGUEIRAS, que é um sobrenome substancialmente bem diferente. Mentas qual seria o problema?! Se as propostas eram boas sempre podem ser recuperadas e melhoradas. Contudo permita-me: quando o PORTO for algo similar a Munique...pode crer que está no bom caminho.

«Rui Moreira»Antero Filgueiras:desculpe ter adulterado o seu nome que conheço bem, culpa do corrector. O Porto é o Porto, nem Munique nem NY. Não me recordo do Nuno Cardoso propor isso.

«Rui Ávila»Prefiro que a regulação se faça pelos alinhamentos, cérceas, colmatações e índices de ocupação do solo e menos pelo índice de construção que é sempre uma invenção com pouco racional. Recordo-me que Nuno Cardoso queria densificar a Boavista, o que me pareceu bem - fazer ali a cidade densa de serviços.

«TóMané Alves da Silva»Mas a regulação faz-se já (e sempre se fez) por todos esses fatores! O IC é apenas um deles.

«Mario Ferreira Dos Reis»Com a melhor escola de arquitectura do Mundo e arredores não nos faltam especialistas com provas dadas, com uma das melhores empresas de paisagismo do país também no Burgo não nos faltam recursos técnicos para revolucionarmos o viver no Porto do Futuro... só falta espaço e concursos de ideias para soltar o imaginário Portuense. Se lerem o programa do Rui Moreira está bem explícita e claro o conjunto de intenções. Mas meninos e meninas as primeiras pedras já foram testadas nestes 3 e pico anos. Readaptar uma cidade e planear mais fazer, dura tempo e muito trabalho não peçam numeros e soluções imediatas, género pílula do dia seguinte ou espuma expansível de poliuretano.... ou a tristemente Capital dos Remendos que foi feita pelo engenheiro das águas... De Roma a Pavia não se fez num dia... Uma cidade é um conjunto e este olhar organizado e polifacetado de ver do Rui só pode trazer para a cidade uma coisa Progresso sustentado com coesão social para os Portuenses e para todos aqueles que vamos acolher e que vão escolher ser Portuenses. Alguns dos predios mais altos do Porto têm enquadramentos agradaveis. Se virem o nosso Skyline é coeso e não acho que aqui ou acolá não possam existir volumetrias mais ousadas e enquadradas ao nosso Porto.

«Rodrigues Pereira»Voltamos à à "vaca fria" , tão típica da veneranda Escola de Arquitectura do Porto ! Tudo aquilo que seja construir em altura , é mau !!! Ora como tenho "andado por aí", remeto o Senhor Professor Arquitecto para - por exemplo - Singapura. Tomáramos nós ter - em zonas fora do necessário limite da Zona Histórica - muitos arranha-céus (com os respectivos serviços agregados) , à semelhança daquilo que existe naquela cidade-estado. Mas não : O que temos são os inevitáveis prédios de 4 + 1 andares, de fachada pindérica e mais cedo do que tarde com transformação das também pindéricas varandas em não menos pindericas "marquises" ! Quanto ao "desenho" dos mesmos, vemos verdadeiras "avantesmas" como as que foram sendo construídas no lado sul da Avenida da Boavista, que mais parecem enormes caixas de fósforos ... Isto dito - e em havendo mundo - qual será o problema de construirmos "verdadeiramente" em altura, em zonas como Paranhos, Campanhã e até Ramalde ??? O "Less is more" não se aplica a tudo : nem à qualidade de vida, nem à estética e - muito menos - à necessidade....

«Mario Ferreira Dos Reis»Da veneranda nasceu o Foco Julio Diniz e a Cooperativa dos Pedreiros mais todos os 10 para 20 de sucesso do Porto ... e alguns de outras urbes

«Rodrigues Pereira»Achas que não sei, Mário ? Mas depois estagnaram ... Baixinho é que é bonito

«Mario Ferreira Dos Reis» - Agora tem sobretudo a ver com quem queres dentro dos mesmos e se for para construçoes mal isoladas entao ... O insucesso do viver ao alto no Porto para alguns incultos é muito grave.

«Rodrigues Pereira» - Mario Ferreira Dos Reis : A qualidade da nossa construção é péssima !!! Mas com isso, os Senhores Professores Doutores Arquitectos não costumam preocupar-se ! Como é que é possível ver coisas com "assinatura" com fendas nas fachadas após 2 ou 3 anos ???

«Mario Ferreira Dos Reis» - Rodrigues Pereira sao os predios Alfa Romeu... muito bonitos ... mas

«David Ribeiro»Tenho Correia Fernandes como bom arquitecto e grande conhecedor da realidade urbanística da cidade do Porto, mas quando “a voz do dono” (leia-se: a vontade do Largo do Rato) se impõe, é uma chatice.

«Nuno Cardoso» - O que mais me preocupa numa alteração dos índices urbanísticos é saber de que forma eles vão diferenciar o valor dos terrenos dando mais valor a uns que a outros e como se pode e deve garantir a equidade de valor. Sou de opinião que deve haver um índice de construção bruto igual em todo o território do município do Porto, e , se o zonamento permitir mais construção o promotor deve "adquirir" terreno correspondente à harmonização do IC. Era importante, assim, desenvolver uma periequação à escala de todo o município para que se garanta uma igualdade de tratamento das capacidades construtivas. Uma certa densificação nas zonas de influência das estações do metro faz sentido para exatamente tirar proveito dessa optima infraestrutura de mobilidade, esse aumento de capacidade pode ser compensado com terrenos a oferecer à Cidade para equipamentos públicos (para por exemplo construir o Parque Oriental)



Publicado por Tovi às 08:49
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 28 de Julho de 2017
Isto é o nosso PORTO

Contado por quem tão bem o sabe fazer, o meu Amigo facebookiano Rodrigues Pereira.

 

   Turista na própria cidade

28Jul2017 aa.jpg
Quis o acaso que tivesse que vir à Ribeira entregar uma papelada...
Esperei uns bons 20 minutos para aceder ao parque subterrâneo, fronteiro ao Palácio da Bolsa... Depois - e com o fôlego de gato escaldado, após quatro enormes lanços de escadas, sempre a subir, deslizei - vontade não me faltou que fora literalmente - até à frente ribeirinha.
E começou o meu estupor (de Barbosa du Bocage, entenda-se)...
O final de manhã estava claro como água de nascente e a brisa que subia pela rua de S. João parecia um túnel de ensaio de ventilação.
Arribado na beira-rio, depara-se-me um quadro de civilidade babeliana, entrecortada por sons do rio, de barcos que iam e vinham...
Na torreira do cais havia guarda-sóis e até uma latada recém-implantada, já com abundante sombra.
Cruzavam-se turistas com locais, sorrisos nos lábios.
Um grupo de quatro adolescentes, sentado num banco em frente ao rio, elaborava umas sanduíches com produtos adquiridos numa mercearia ao lado.
As esplanadas estavam cheias... Muitos turistas, mas muita gente a falar português de Portugal.
As fachadas renovadas luziam cores desgarradas e de algumas pressentia-se o cheiro a sabão azul, das roupas penduradas nos estendais...
Vagueei por ali um pouco e - como de costume e porque a fome apertava - estuguei o passo até à Adega São Nicolau. Esplanada cheia, regredi uns metros e aterrei no Terreiro Mar e Terra.
Do mesmo e velho Amigo Coelhinho (o Senhor Coelho - que o respeitinho é muito bonito - para quem não comparte charutos)...
Se havia polvo... É claro que havia... E que polvo! À Lagareiro, mas dócil à faca (podia ser colher) e com os complementos exigíveis, o pimento e a cebola no ponto, o ovo cozido e as magníficas azeitonas.
Pelo meio deste almoço solitário, agregaram-se grupos de estrangeiros, mas também famílias portuguesas, algumas tão locais que se levantavam no final da refeição e diziam "põe na conta”.
No silêncio repartido com alguns gritos estridentes de gaivotas, surgiu como que por encanto o som de uma viola.
E consegui ver (e ouvir) o Manuel de Falla a olhar para o Douro e a rever a sua Andaluzia da alma.
Tocado por um irmão brasileiro, que evoluiu suavemente para um chorinho e depois Genesis e Procol Harum e John Lenon...
Não vi "pés-descalços", nem caramelos, nem brigas, nem pedintes.
Vi um Porto que desconhecia, porque nunca me tinha dado para vir ao Coelhinho durante o dia...
E que vale a pena, lá isso vale !!!

MRP, 26 de Julho de 2017

PS - Dedicada ao meu "irmão" Rui Moreira



Publicado por Tovi às 08:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 11 de Junho de 2017
Autárquicas no Porto – Testemunhos

Sobre a próxima eleição para a Presidência da Câmara Municipal do Porto escreveu Rodrigues Pereira na sua página do Facebook:

 

Rodrigues Pereira.jpgCaro(a)s Amigo(a)s,
Há muitos anos que deixei a militância política, até porque considero que as gerações mais novas devem ser trazidas a estes pleitos.
Os que me conhecem, sabem que fui militante (in illo tempore) do Partido Socialista (e Amigo de Mário Soares) e que tive o privilégio, também, de ser Amigo do contraponto portuense - conquanto que de outro Partido, in casu o PPD/PSD - de seu nome Miguel Veiga.
Foram ambos - cada qual à sua maneira - cidadãos que nunca se resignaram, que sempre estiveram despertos para a luta e que nunca - e sobretudo! - se acobardaram!
Vejo, por isso, com alguma tristeza - mas não menor surpresa - alguns comentários relativamente ao nosso actual Presidente da Câmara Municipal, Rui Moreira.
Devo também esclarecer que estive com esta candidatura desde a "hora zero", já lá vão quatro anos.
O tempo e o modo - obrigado, António Alçada Baptista - como esta recandidatura tem sido vilipendiada, trouxe-me - traz-me - de novo a terreiro essa militância que nos corre nas veias, que tem a ver com a reconfirmação do mérito, para além de todas as fronteiras políticas...
Se quiserem, traz-me um híbrido de palavras soltas - mas firmes! - entre o Eugénio de Andrade e o Manuel Alegre...
"Há um rio..." e "há sempre alguém que diz não!"
Pois aqui estou eu, nas margens do Douro, a dizer não à maledicência.
E, daqui, destas margens deste rio agreste, promoverei uma maré de apoio ao Rui Moreira.
Porque me estou a borrifar nas convenções, partidarites agudas, ou outras quaisquer maleitas que possam subvir...
MRP, 10 de Junho de 2017



Publicado por Tovi às 14:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 19 de Maio de 2017
O que eles dizem do “Caso Selminho”

19Mai2017 bb.jpg

Cá para mim este é um caso que a Justiça tem que decidir mas os “ranhosos” da política já aproveitam para pulhices eleitorais.

  Comentários no Facebook

«António Magalhães» - Um excelente serviço à cidade era por estes 4 numa mesinha de pedra no Marquês a jogar à sueca!

 

   O caso Selminho explicado às loiras

Tomo a liberdade de aqui partilhar um fabuloso texto de Rodrigues Pereira sobre o caso Selminho, publicado hoje no Facebook.

O "caso" Selminho/Rui Moreira explicado às loiras (e para os "loiros", que também os há)

1 - Há muitos anos atrás, quando os animais falavam, a Câmara Municipal do Porto resolveu expropriar uns terrenos ali para os lados da Ponte da Arrábida...

2 - Pretendia a CMP esses terrenos para a construção de um complexo que nunca viu a luz do dia.

3 - Entretanto, mais de vinte anos mais tarde, os residentes (que por lá tinham ficado) no nro. 3 da Calçada da Arrábida, resolveram registar notarialmente, por usucapião, o dito terreno, como se este lhes pertencesse.

4 - Para tal, dirigiram-se a um notário, o qual celebrou a competente escritura pública e procedeu ao registo da mesma na competente Conservatória do Registo Predial.

5 - Ficou pois - e desde então - o referido terreno a ser propriedade dos tais moradores, sem que a CMP alguma vez tenha impugnado tal registo. Note-se que estamos nos anos 80...

6 - Mais de vinte anos depois, em 2001, a Família Moreira resolve adquirir aos referidos e putativos legítimos proprietários o referido terreno, o qual aliás vinha descrito com capacidade construtiva, mediante a apresentação por estes da respectiva Caderneta do Registo Predial.

7 - Sucede que uns anos depois, a CMP resolve negar essa mesma capacidade construtiva à Família Moreira, a qual - e bem - se sente defraudada nas suas legítimas expectativas e resolve interpor um processo judicial contra a CMP, exigindo a reposição da referida capacidade construtiva ou uma avultada indemnização.

8 - A coisa arrasta-se - como é hábito mais do que conhecido de todos quantos já tiveram a infelicidade de ter que recorrer à Justiça - pela longa Via Crocce dos nossos preclaros Tribunais...

9 - Durante mandatos anteriores ao de Rui Moreira chegam os litigantes (a CMP e a Família Moreira) a um proto-acordo, no sentido de encontrar uma solução para a possibilidade de ali construírem, dependente - esta - da alteração do PDM.

10 - Coisa que também se arrastou ao longo dos tempos, sem solução à vista.

11 - Entretanto, Rui Moreira candidata-se e vence as eleições para a Presidência da Câmara Municipal do Porto.

12 - Já durante o terceiro ano do seu mandato, surge um alerta dos serviços camarários para a iminência de a CMP estar perante mais uma choruda indemnização, uma vez que havia faltado ao acordado, isto é, à reposição do PDM, à altura da compra dos referidos terrenos pela Família Moreira.

13 - O Presidente da Câmara, Rui Moreira, sente-se impedido de tomar partido numa qualquer decisão sobre o caso, afasta-se da sua discussão e remete para os serviços jurídicos da CMP a matéria, no sentido de estes obterem uma solução que não prejudicasse os interesses da CMP.

14 - Esses mesmos serviços chegam a um acordo com os Tribunais no sentido de alargar mais uma vez o prazo para a reposição do anterior PDM, no que à capacidade construtiva dizia respeito naqueles terrenos.

15 - Note-se que esta decisão foi acordada com os Juízes e evitou que a CMP se visse obrigada a pagar imediatamente à Família Moreira a tal choruda indemnização, uma vez que a CMP a tinha defraudado no que toca às suas legítimas expectativas de ali poderem construir.

16 - Em todo este processo, o Presidente Rui Moreira manteve-se completamente afastado.

17 - No ano passado, uns cavalheiros do mui nobre Partido Comunista Português resolvem achar que o resultado da negociação prejudicava a CMP e questionaram publicamente o Presidente Rui Moreira.

18 - As respostas foram claras e transparentes: Não fora o acordo a que se chegara - friso que sem a intervenção do Presidente - a CMP seria condenada a pagar uma enorme indemnização à Selminho.

19 - O caso morreria por aqui, não fora agora - e pasme-se! - ao fim de quase 40 anos, um zeloso funcionário da CMP ter como que por acaso descoberto que parte daqueles terrenos afinal eram da CMP e que até havia dos mesmo dois registos na Conservatória do Registo Predial. Um que dava como proprietárias as pessoas que os venderam à Família Moreira e outro que era a própria CMP!

20 - Os partidos da oposição - incluindo o PS, o tal que esteve até há pouco coligado com Rui Moreira - começam a clamar que se trata de um caso inteiramente novo, que afinal já nada "é o que era".

21 - Claro que nada é o que era ; o que há de novo, é que a CMP permitiu, há cerca de 40 anos, que alguém registasse em seu nome - por usucapião - uns terrenos que ela própria tinha anteriormente expropriado!

22 - Alguém que não Rui Moreira, nem a sua família, que só os viriam a adquirir, de boa-fé, no ano de 2001, com a certeza exarada no PDM da viabilidade de ali construírem.

Em conclusão: Se há alguém aqui muitíssimo prejudicado é a Selminho/Família Moreira!!! Que adquiriram de boa-fé uns terrenos onde se podia construir e que pertenciam, por registo na CRP, às pessoas que lhos venderam. Anda a Família Moreira há 16 anos, de Herodes para Pilatos, à espera de ver reposta as suas legítimas expectativas. Malgrado as promessas da CMP nesse sentido, aguenta estoicamente e o já Presidente Rui Moreira afasta-se de motu próprio de intervir no caso. E chega-se a um acordo, o qual evita que a CMP seja obrigada a pagar à Selminho/Família Moreira uma monumental indemnização! E ainda há quem tenha a distinta lata de vir dizer que o Presidente Rui Moreira agiu em causa própria e defendeu os seus interesses!!! O que diriam essas pessoas se a CMP tivesse sido condenada a pagar a referida indemnização? Por último, não posso deixar de me espantar com o tal zeloso funcionário da CMP, o qual, qual misto de arqueólogo e Hercule Poirot, conseguiu desencantar - agora, note-se - a tal duplicidade de registos de propriedade... E - já agora - em termos jurídicos - espero para ver como é que os "competentes" serviços da CMP vão conseguir contestar a tal escritura feita nos anos 80 pelos então proprietários "por usucapião" dos referidos terrenos...

Ainda as autárquicas estão longe e já correm águas de esgoto por debaixo das pontes. Oxalá não vejamos os candidatos da oposição a afundarem-se no próprio esterco que estão a criar. Até porque ganhar umas eleições sem oposição não daria gozo algum a Rui Moreira!

  Comentários no Facebook

«Carla Afonso Leitão‎» - Existe um parecer favorável emitido pela CMP que recaiu sobre um PIP, Pedido de Informação Prévia, instruído pela Selminho, em 2002, era, então, Nuno Magalhães da Silva Cardoso o Presidente da CMP. Um pedido de informação prévia permite ao requerente, mesmo não sendo proprietário do terreno, saber da sua edificabilidade e conferir-lhe direitos. O requerimento, na forma de PIP, permite que se consiga tirar conclusões VINCULATIVAS relativamente à edificabilidade de um dado terreno sem sequer tomar posse do mesmo. A partir do momento em que a CMP emitiu o parecer favorável, compromete-se oficial e vinculativamente em dois pontos: 1- autorizar capacidade construtiva; 2- assume que o terreno em causa não é do domínio público. A partir daqui, qualquer alteração dos termos desse parecer, a CMP, estará sempre comprometida com o precedente que ela própria criou. Obviamente que caberá ao titular do PIP pedir a indeminização correspondente, no tocante à alteração dos Indicadores Urbanísticos. De qualquer modo, existe sempre, neste caso, um precedente claro, a CMP, não se assumiu à altura do PIP como titular do terreno. Portanto, é aqui que tudo fica mais claro para mim. O "caso Selminho” é um não caso, melhor, é um caso em que se alguém tiver que descalçar a bota será a CMP. Qualquer tentativa de arrastar a Selminho, ou, por via da Selminho, neste caso, o Dr. Rui Moreira, para qualquer domínio de ilicitude, é, francamente agir de má fé.



Publicado por Tovi às 11:55
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Posts recentes

Um Porto moderno e para t...

Isto é o nosso PORTO

Autárquicas no Porto – Te...

O que eles dizem do “Caso...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus