"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Quarta-feira, 7 de Junho de 2017
O dia-a-dia no «Um novo norte para o Norte»

Um novo norte para o Norte NOVO Abr2015.jpg

Quando alguém diz de nós que “gostaria de ter o seu talento e a sua tolerância para gerir como gere esta sua página…” não é só o nosso ego que fica ENORME… é também a certeza do dever cumprido.

O b r i g a d o ! . . .

 

   Comentários no Facebook

«Manuel Carvalho» - Pode contar comigo como sendo mais um nesse merecido elogio. Sei que não é nada fácil, mas também se o fosse o valor seria residual. Assim vale mais a pena. Cumprimentos

«Jota Caeiro» - e mais nada!, na mouche! é, decididamente, um comentário sensato! [Emoji wink]

«Jose Bandeira» - E mais não digo, venho aqui só para aplaudir e mandar um abraço. 👏👏



Publicado por Tovi às 21:06
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2017
Que destino dar ao Edifício Transparente? - #02

 Jardim suspenso Tropical

  Mario Ferreira Dos Reis em 17Fev2017

Quando da apresentacao do edificio por Solá-Morales percebi a ideia e achei algo estranho ser só um sítio de passagem.... não ficava nenhuma proposta inerente de uso, nao se percebia a sua utilidade e durante um tempo assim ficou como algo inacabado e sem cabimento. Depois foi emendado e ficou uma especie de centro comercial esquesito. Eu oferecia o edificio ao Jardim Botanico e retirava a emenda bem como as lojas do mesmo e restabelecia a ideia orginal melhorando-a montava uma super estufa de estudo sobre especies vegetais do litoral.... no piso inferior mantinha o que está um misto de lojas de desporto radicais e cafés. Independentemente do edificio ser ou nao ser deixava ficar acho que temos muito mais na cidade para implodir primeiro. Dallas, Centro Comercial Stop, Tambem um centro de estudo botanico poderia enriquecer a cidade mesmo que a manutencao ficasse a cargo da CMP poderiamos retirar o lucro desse estudo pois ha muita coisa sobre manutenção de dunas e controlo de plantas invasoras. Uma estaçao e museu metereológico no ultimo piso poderia ser interessante. Como está, para mim é que nao faz sentido nenhum a nao ser ir esporadicamente a Cufra.

Vamos la juntar forças e fazer crescer a ideia... até 2024 ha muito tempo para a organizar com pés e cabeça. Um jardim suspenso Tropical com chuva e tudo

Jardim Tropical de Atocha (Madrid)

857201348_21122009141626_adj.jpg

 

  Children's Museum

  Pedro Simões em 17Fev2017

Transformá-lo num "children's museum", algo que tanta falta faz à cidade. Um espaço COBERTO destinado à diversão e educação das crianças, como é muito comum haver noutros países, nomeadamente nos EUA. Gratuito ou com preço simbólico.

Faz muita falta... no Porto quando chove, como tirar as crianças de casa para gastarem a energia? O sea life, o planetário, é giro, mas o preço é alto, mas não dá para ir o tempo todo, e faltam alternativas que não sejam os malfadados shoppings...

Por uns pisos com baloiços e brincadeiras, outros com experiências científicas, e ajustar os pisos a idades diferentes...

Aqui vai uma foto. Deveria ser um piso brincadeiras, um de arte, um de ciência e um de cultura ou história natural. Este até é parecido...
The_Childrens_Museum_of_Indianapolis_Welcome_Cente



Publicado por Tovi às 08:15
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 18 de Fevereiro de 2017
Que destino dar ao Edifício Transparente? - #01

Como não houve qualquer proposta para a compra do Edifício Transparente na hasta pública realizada na manhã da última quinta-feira, na Câmara do Porto, e como deitar abaixo é solução demasiado corriqueira para este edifício projectado pelo arquitecto catalão Solà-Morales e posteriormente requalificado pelo arquitecto português Carlos Prata, obra que tanto dinheirinho nos custou, lancei na página do «Um novo norte para o Norte», no Facebook, o repto para quem quiser apresentar propostas para dar um destino válido e conveniente a este mamarracho. Espero que não se esqueçam que há vários condicionalismos legais a cumprir, incluindo o Plano Director Municipal. Prometo que farei seguir todas as sugestões para quem de direito.

 

 
topo_et_ext_2.jpg
O Edifício Transparente é constituído por 4 pisos. O Piso PRAIA dá acesso à praia e tem uma área de 1278 m2, contando com restaurantes, uma gelataria e um bar-discoteca. O Piso RUA, com cerca de 775 m2, é constituído por lojas de desporto, acessórios e lazer. O Piso BOX-IN-THE-BOX, com 862 m2, apresenta um dos seus espaços mais característicos, destinado a cultura e entretenimento. Por fim, com acesso directo ao Parque da Cidade, o Piso PARQUE tem 1043 m2 e conta com três restaurantes temáticos e um bar.



Publicado por Tovi às 09:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 30 de Outubro de 2016
3º aniversário do «Um novo norte para o Norte»

Aniversário terceiro 30Out2016.jpg

Em 30 de Outubro de 2013 criei no Facebook um grupo aberto intitulado «Um novo norte para o Norte», grupo que já hoje tem 2.540 membros e que continua a ser um excelente local de salutar discussão sobre o Norte ou Região do Norte, uma região ou unidade territorial para fins estatísticos de nível II (NUTS II), de Portugal, que compreende os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Vila Real e Bragança, e uma parte do extremo norte dos distritos de Aveiro (Municípios de Arouca, Espinho, Oliveira de Azeméis, Santa Maria da Feira, São João da Madeira e Vale de Cambra), Viseu (Municípios de Lamego, Moimenta da Beira, Penedono, São João da Pesqueira, Sernancelhe, Tabuaço, Tarouca e Resende) e Guarda (Município de Vila Nova de Foz Côa). Limita a norte e a leste com Espanha (Galiza e Castela e Leão, nomeadamente), a sul com a Região Centro e a oeste com o Oceano Atlântico. Tem uma área de 21.278 km² (24% do Continente) e uma população de 3.689.682 habitantes (Censos de 2011), correspondendo a 37% do Continente e a 35% de Portugal.



Publicado por Tovi às 14:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 23 de Julho de 2016
O Norte em Movimento

O Norte em Movimento aa.jpg

A primeira Reunião de Trabalho é aberta a todos os cidadão que se identifiquem com os princípios defendidos na página do grupo «O Norte em Movimento» e terá lugar hoje, Sábado, 23 de Julho, das 14h30 às 18h30, no Clube Fenianos Portuenses (Rua Clube dos Fenianos, 29, 4000-172 Porto).

 

Tendo em vista definir estratégias para uma actuação individual concertada que produza resultados conducentes à prossecução de objectivos comuns, estiveram presentes: Eu, José Bandeira, Silva Pereira, Joaquim Miranda, Tiago Vasques, Celestino Neves, Fernando Vieira, Maria José Santos, João Gama, Zélia Bandeira.

 

  Jose Bandeira

Aqui deixo uma nota de agradecimento ao grupo de Cidadãos que correspondeu ao nosso apelo e dedicou uma significativa parte da esplêndida tarde de ontem a um encontro para debater ao vivo hipóteses de abordagem ao projecto por todos assumido de trazer o poder até ao cidadão. (A lista dos presentes e respectivos contactos será distribuída por email a todos e sómente aos que compareceram) Foi um momento memorável de convívio construtivo; outros se seguirão certamente. A todos envio um abraço fraterno. Nota final: Um muito especial destaque para a amabilidade com que fomos recebidos no Clube Fenianos Portuenses e à oportunidade que nos foi dada de conhecer um pouco desta realmente impressionante instituição. Ficamos maravilhados com esta pérola da cidade do Porto que tem um enorme potencial para a servir, precisando somente que nos juntemos a ela.



Publicado por Tovi às 08:12
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 1 de Julho de 2016
Um novo norte para o Norte

mapa_norte.jpg

Para o bem e para o mal, para o melhor e para o pior, nas virtudes e nos defeitos, nas vitórias e nas derrotas, foi no «Movimento Pró-Partido do Norte» (MPN) que iniciei a minha luta pela REGIONALIZAÇÃO. E não estará na hora de se voltar a pensar num movimento que agregue todos aqueles que lutam pela REGIÃO NORTE ?

 

  Comentários no Facebook

«Isabel Barbosa» >> Força

«Mario Reis» >> eu participo, eu apoio, eu quero, e amanhã já é muito tarde!

«Mié Mendes Moreira» >> Vamos a isso!

«Raul Vaz Osorio» >> Está sempre a tempo, sim [Emoji smile:)]

«Jose Bandeira» >> Eu estou totalmente de acordo, mas com reuniões presenciais entre interessados. O Facebook pode servir para convocar, nunca para discutir. Comecemos pois por encontrar um ponto de encontro onde se possa falar à vontade. Uma sugestão: Fenianos.

«Jorge Veiga» >> Concordo. Dentro das minhas possibilidades ajudarei.

«Tiago Vasquez» >> Obviamente disponível!

«António Lopes» >> Ontem era tarde. Vivemos tempos de mudança. A Europa ameaça ruir mas sem ela, os Nacionalismos abafam qualquer pretensão das Regiões de possuirem mais autonomia. Já disse e volto a repetir, estarei aqui!!

«André Martins» >> Meus senhores, já é mais do que tempo para se fazer alguma coisa, colocar a discussão aqui não nos vai levar longe, pode ajudar a passar a mensagem, sou a favor de reuniões. Como já foi dito por outras pessoas, estou pronto a ajudar no que for preciso.

«David Ribeiro» >> Muito bem!... Mas para já vamos “amadurecendo“ a ideia por aqui… depois, com mais gente no processo, avançaremos para reuniões presenciais. E não se esqueçam que este MOVIMENTO terá que ser obrigatoriamente transversal a qualquer ideologia política, pois a REGIONALIZAÇÃO não pode nem deve ficar cativa de qualquer partido político, seja ele de esquerda, de direita, do centro ou de outra coisa qualquer. Concordam?

«Raul Vaz Osorio» >> Inteiramente

«Francisco Cunha Coutinho» >> Absolutamente de acordo… e conforme o que eu próprio afirmo na Minha Pagina "Pela Região Autónoma do Norte" (que prontamente Encaminharei para esta) com um AVISO do Motivo, de forma a atingir um Nosso Objectivo COMUM. Bem Hajam.

«João Thiago» >> Apoio a ideia! No que puder ajudar, estarei convosco!

«Verónica Veiga de Faria» >> Podem contar comigo. Está mais que na altura de agir.

«Jose Bandeira» Todo o processo necessita de um coordenador. Contamos consigo, David Ribeiro?

«David Ribeiro» Poderei fazer o que for necessario até se encontrar quem tenha melhor perfil para o que se deseja no projeto.

«António Lopes» >> Basta um encontro para a malta se encontrar e a partir daí, logo se vê [Emoji smile:)]

«António Ribeiro» >> FORÇA:

«Jose Bandeira» >> Vamos convocar o primeiro encontro amigo David Ribeiro. Vai quem quiser, vai quem puder, mas alguém irá e isso será o primeiro passo. Se necessitar posso tratar do local. Nota importante: acho bem que sejamos bem claros na assumpção de que isto será um movimento de cidadãos para cidadãos e que seremos nós próprios a assumir todo o ónus. Por exemplo, se for necessário alugar uma sala esse aluguer deverá ser pago pelos presentes.

«David Ribeiro» >> Acho que vamos todos aproveitar a disponibilidade do nosso companheiro Jose Bandeira para tratar do local onde se realizará o primeiro encontro deste futuro «Movimento para um novo norte para o Norte» (o nome será este ou outro qualquer que se venha a encontrar). Penso, mas vocês dirão de vossa justiça, que a segunda quinzena de Julho seria uma boa altura e até lá iriamos todos empenhar-nos na divulgação do evento.

 

 E assim nasceu O Norte em Movimento.

A primeira Reunião de Trabalho será aberta a todos os cidadão que se identifiquem com os princípios defendidos na página do grupo «O Norte em Movimento» e terá lugar no Sábado, 23 de Julho, das 14h30 às 18h30, no Clube Fenianos Portuenses (Rua Clube dos Fenianos, 29, 4000-172 Porto).

O Norte em Movimento aa.jpg



Publicado por Tovi às 08:57
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 24 de Novembro de 2015
António Costa foi indigitado Primeiro-Ministro

Cavaco Silva vs António Costa 24Nov2015 aa.jpg

Agora queremos saber quem vão ser os ministros... e depois vamos acompanhar com interesse a discussão do Programa do Governo.

 

  Os nomes do Governo de António Costa

O rol completo dos nomes do próximo Governo já está em Belém. Na lista que o primeiro-ministro indigitado disse (e cumpriu) estar em condições de apresentar “imediatamente” ao Presidente da República constam:

Mário Centeno na pasta das Finanças, devendo levar consigo para a secretaria de Estado das Finanças ou do Orçamento Ricardo Felix Mourinho - que nos últimos tempos tem surgido como seu braço-direito.

Manuel Caldeira Cabral, o académico da Universidade do Minho que também integrou o grupo de economistas que redigiu o cenário macroeconómico (e encabeçou a lista de deputados por Braga), na pasta da Economia.

Augusto Santos Silva nos Negócios Estrangeiros. O professor na Faculdade de Economia da Universidade do Porto já ocupou várias pastas nos Governos socialistas: a Educação e a Cultura, com António Guterres; os Assuntos Parlamentares e a Defesa com José Sócrates.

A Justiça será entregue Francisca Van Dunem.

Pedro Marques (antigo secretário de Estado da Segurança Social com Vieira da Silva) é o titular do Ministério do Planeamento e Infraestruturas (nova designação para as Obras Públicas).

Maria Manuel Leitão Marques terá a tutela da Presidência e da Modernização Administrativa - levando consigo, para esta última, como secretária de Estado, Graça Fonseca. Ambas são colaboradoras de sempre de António Costa.

Não haverá ministro dos Assuntos Parlamentares - Carlos César será um “super” líder parlamentar. A ligação institucional entre o Palácio de São Bento e a residência oficial do primeiro-ministro caberá ao secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos.

Vieira da Silva volta à Segurança Social, Capoulas Santos à Agricultura e Adalberto Fernandes será ministro da Saúde. Tiago Brandão Rodrigues, investigador bioquímico, cabeça de lista por Viana de Castelo, ocupa a pasta da Educação. Manuel Heitor, professor catedrático do Técnico, antigo secretário de Estado de Mariano Gago, fica com a Inovação, Ciência e Ensino Superior.

O Ambiente (renomeado Ministério do Ambiente e Mobilidade) será entregue a João Matos Fernandes, que ocupava até aqui a presidência das Águas do Porto.

Para a Cultura, Costa convidou João Soares.

Constança Urbano de Sousa será ministra da Administração Interna. Eduardo Cabrita fica como ministro adjunto. A Defesa foi entregue a Azeredo Lopes, que liderou a ERC.

Ana Paula Vitorino será ministra do Mar, Miguel Prata Roque secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros e Mariana Vieira da Silva secretária de Estado Adjunta do primeiro-ministro. Margarida Marques será secretária de Estado dos Assuntos Europeus - Costa desistiu de criar um ministério com esta designação.

 

  Comentários no Facebook

«Diogo Quental» >> Fico contente com a Francisca Van Dunem na Justiça e João Soares na Cultura. Receio Centeno, que me parece precisar de maturar, e Santos Silva (que é, na prática, ter o Sócrates no governo).

«António Magalhães» >> Difícil compreender como é que se aceita uma antiga responsável pelos transportes que garantiu o não encerramento de várias linhas de caminho de ferro para ministra do Mar... E as linhas foram a do Tua, do Corgo e do Tâmega! à atenção do PCP e BE!

«David Ribeiro» >> Dos membros do grupo «Um novo norte para o Norte» já há um que vai para ministro… e é para a Defesa. Lá vai ficar o Presidente da Câmara do Porto sem Chefe de Gabinete [smile emoticon]. Em nome de todos os membros deste grupo desejo as maiores felicidades a José Alberto Azeredo Lopes nestas suas novas funções.

Resposta de Azeredo Lopes

Azeredo Lopes 25Nov2015 ab.jpg

«Manuel Almeida» >> Não há problema. É por pouco tempo.

«David Ribeiro» >> Para quem não sabe o agora Ministro da Defesa – José Alberto Azeredo Lopes – é um grande Boavisteiro, doutorado em Relações Internacionais, professor da Escola de Direito da Universidade Católica do Porto e ocupou até agora o lugar de Chefe de Gabinete de Rui Moreira na autarquia portuense.

«Pedro Simões» >> 17 ministros? De facto ja acabou a austeridade para eles...

«David Ribeiro» >> Francisca Van Dunem na Justiça é capaz de ser uma má notícia para muita gente em Portugal e em Luanda… e ainda bem [wink emoticon]. 

«António Magalhães» >> E sobre a vice-presidente da Assembleia Municipal do Porto, não há nenhuma apreciação do nosso amigo David Ribeiro?

«David Ribeiro» >> Confesso que não sei das capacidades de Ana Paula Vitorino para as coisas do Mar… onde há tanto a fazer de importante e urgente.



Publicado por Tovi às 12:23
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 17 de Abril de 2015
I n v e s t P o r t o

InvestPorto a.jpg

Todos os dias, mas com um passo de cada vez, que Roma e Pavia não se fizeram num dia, lá vai o Porto caminhando para um futuro melhor. E chegaremos sem dúvida a «Um novo norte para o Norte».

 

 Económico - 16Abr2015

O presidente da Câmara Municipal do Porto quer captar mais projectos e investidores para a cidade e pretende fazê-lo através da InvestPorto, a nova agência de investimento. Para Rui Moreira, que identificou a atracção de investimento estrangeiro como "uma prioridade incontornável na dinamização da economia, do crescimento e da criação de emprego no Porto", esta nova entidade é mais um passo nesse sentido. A InvestPorto, que foi apresentada hoje ao final da manhã na câmara, já iniciou uma série de contactos com "um número significativo de investidores nacionais e internacionais", adiantou a presidente da nova entidade, Ana Teresa Lehmann, que vai trabalhar na dependência directa de Rui Moreira e em colaboração com a Agência para a Modernização do Porto.



Publicado por Tovi às 10:03
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 24 de Setembro de 2014
Federação Livre de Municípios

Enquanto não nos dão a Regionalização a que temos direito pela Constituição da República Portuguesa (Artigo 255.º - As regiões administrativas são criadas simultaneamente, por lei, a qual define os respectivos poderes, a composição, a competência e o funcionamento dos seus órgãos, podendo estabelecer diferenciações quanto ao regime aplicável a cada uma) devemos começar já a trabalhar naquilo a que podemos chamar “federação livre de municípios”, uma forma inovadora e independente de coligações e alianças entre autarquias, ao sabor das necessidades e conveniências das populações, quebrando assim as tendências centralistas do Terreiro do Paço. E sem qualquer dúvida chegaríamos rapidamente à conclusão que as energias anímicas das regiões iriam trazer um maior dinamismo à economia nacional.



Publicado por Tovi às 09:46
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 9 de Setembro de 2014
Feira do LIvro do Porto 2014 - #3

No passado Domingo (7Set2014) teve início na Feira do Livro do Porto o ciclo de cinema – Dos Livros no Cinema – na Biblioteca Municipal Almeida Garrett. Esta sessão reuniu três curta-metragens que pensam o livro enquanto arquivo e potenciador de memória: “Se a Memória Existe” De João Botelho (realização) e Manuel António Pina (argumento); “Somos Livres” de Mariana Ferreira (realização e argumento); “Toda a Memória do Mundo” de Alain Resnais (realização) e Rémo Forlani (argumento).



Publicado por Tovi às 09:12
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 2 de Maio de 2014
Ser escravo para sobreviver?

 Foto de Gui Castro Felga, Maio2014

É gente do Porto, carago!... {#emotions_dlg.blink}


«Joaquim Leal» no Facebook >> ah ah ah Boa

«Filipe Joao Dantas Neves» no Facebook >> Com todo o respeito esta foto é ridícula

«Joaquim Leal» no Facebook >> Linguagem dos "camaradas" Filipe

«Filipe Joao Dantas Neves» no Facebook >> Como não sou dessa gente onde estava esse placar. Mas acho que é ridícula colocarem neste grupo. Só foi esse meu reparo.

«David Ribeiro» no Facebook >> "Essa gente" é gente do Porto... muito mais interventiva que muitos "socialistas e democratas" que por cá existem. E até estou à vontade para o dizer, pois como todos sabem não sou "do clube" da malta da «Casa Viva».

«Raul Vaz Osorio» no Facebook >> Como não concordo, é ridículo? Como não são da minha côr, não cabem aqui? Não são certamente da minha, mas é uma boa imagem do que o Norte sente hoje em dia em relação ao buraco negro à beira Tejo, pelo que para mim tem todo o cabimento.

«Manuel Sarmento» no Facebook >> Só p(h)ode!

«Ruben Santos» no Facebook >> não vou nada com os amigos do Lenine, mas admito que estiveram bem!


«Joaquim Leal» no Facebook >> Gosto da conjugação do verbo

«David Ribeiro» no Facebook >> Imperativo afirmativo do verbo “ir-se”: vai-te; va-se; vamo-nos; ide-vos; vão-se.

«Mário Paiva» no Facebook >> ...ora bem! Se não conseguimos abatê-los, podemos sempre xingá-los ...é hora de pedirdes independên 15h00 - cia, invicta cidade...

«Joaquim Leal» no Facebook >> "Inbicta" fafavor


David Ribeiro» no Facebook >> {#emotions_dlg.away} 15h00 - Já tiraram... ficava tão bem ali na Praça do Marquês.

«Pedro Figueiredo» no Facebook >> a parte obscena que interessa e que é verdadeiramente importante é a parte "escravos para sobreviver"... o resto? Alguém na cidade em que 'carago' é vírgula e a 'badalhoca' é tasca-gourmet, alguém se importa? Pelos vistos sim. "o sistema admite e enfia a carapuça" De resto, David Ribeiro, tem toda a razão!

«Joaquim Leal» no Facebook >> eh eh eh Boa Pedro Figueiredo (y)

«Manuel Ribeiro da Silva» no Facebook >> Giríssimo, há gente que fica indignada com um palavrão, e é capaz de fazer passar por aqui a maior das falsidades só para atingir os seus objectivos.

«Jorge Veiga» no Facebook >> Alguém não percebeu a mensagem? Eu percebi...!


«Mário Paiva» no Facebook >> ...mas, a calcular pelo "equipamento" utilizado pela censura, não foi sem luta... "o que é preciso é avisar a malta, partilhar à malta, do que faz falta..."

«Zé Regalado» no Facebook >> O carago não joga com a mensagem da tarja.

«David Ribeiro» no Facebook > Pois não, Zé Regalado... mas é a forma de eu fazer a diferença daquela malta, gente um pouco mais anarca do que eu sou :-)

«Mário Paiva» no Facebook >> ...eu entendo-te, David... nesta altura do (nosso) campeonato já começa a puxar mais p'ró chinelo que p'rá bota cardada, mas, à parte os punhos de renda, se for mesmo necessário, "no pasaran" ...  :)



Publicado por Tovi às 09:14
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 12 de Fevereiro de 2014
Meditando sobre a Regionalização - #1

Em Portugal há uma grande assimetria entre o litoral e o interior, não permitindo uma coesão nacional nem harmonia em todo o território. É só ter a paciência de consultar os dados do INE e facilmente se vê que isto é uma maleita que já nos atinge há vários anos. Muito se tem dito sobre a necessidade de efectuar a REFORMA DO ESTADO e não há muito tempo até houve vários ministros a dizer que desta vez é que era, mas a verdadeira “reforma” - uma mudança de modelo de desenvolvimento - isso nunca foi feita nem sequer minimamente iniciada. Estou em crer que a REGIONALIZAÇÃO seria o único meio para se alterar de vez o estado a que a Nação chegou.


«Jorge Veiga» no Facbook >> nestas regiões, voto.

«Albertino Amaral» no Facebook >> Também eu.......!

«Joaquim Leal» no Facebook >> Embora resida numa região por muitos considerada "piloto" e que não sofra contestação em termos regionais, eu no referendo optei pelo "não". Só quando me convencerem de que a regionalização não trará mais "capelinhas", vulgo "novos empregos para politicos", então eu aí posso reconsiderar.

«Jorge Veiga» no Facebook >> É um risco desconhecido que se corre, mas eliminam-se os riscos já conhecidos do centralismo, Sr. Joaquim Leal.

«David Ribeiro» no Facbook >> O referendo que tivemos sobre a Regionalização era um completo disparate, quer na forma como foi apresentado às populações quer pela ausência de um esclarecedor debate, pelo que não podemos considerar “anti-regionalista” quem na altura votou contra.

«Jorge Veiga» no Facebok >> Eu penso que quem votou contra a regionalização no referendo, o fez por não concordar com a divisão proposta, pela falta de debate e outros motivos. Votar "Não" num referendo não diz que se é contra, mas diz-se "não" àquela pergunta.

«Carlos Wehdorn» no Facebook >> Em Portugal há também uma grande assimetria entre municipios vizinhos e na forma como lidam com questões simples como taxas camarárias e regulamentos municipais. Se no que é simples, complicam, o que dizer se fossemos para uma regionalização? Uniformizavam-se taxas e regulamentos dentro de uma região, ou continuava a ser esta BANDALHEIRA?

«David Ribeiro» no Facebook >> A existência de um poder intermédio (regiões) entre o poder local (autarquias) e o poder central (governo) poderá contribuir para uma maior agilidade na administração pública, sendo no entanto ainda muito cedo para se dizer quem manda em o quê.

«Carlos Wehdorn» no Facebook >> Só acredito numa regionalização se houver equidade e coesão dentro dessa região... o que temos hoje aqui no Norte, por exemplo, é uma BANDALHEIRA. Qualquer actividade que necessite de uma licença municipal que o diga... é cada cabeça sua sentença. Depois dizem que querem muito apoiar o empreendedorismo e a criação de emprego local... e blá... blá

«Albertino Amaral» no Facebook >> Jorge Veiga, relativamente ao IMI, estou em crer que deveria encontrar-se então um valor médio, independentemente do que a Lei prevê. Não seria possível?

«Jorge Veiga» no Facebook >> Ser é, mas uma casa em Chaves vale o mesmo que no Porto? Compra-se ou aluga-se pelo mesmo valor? Além de que eu acho o imposto estúpido. Pago aluguer à Câmara pelo que comprei e já paguei impostos? Sei que é outra discussão, mas tinha que meter a dedada...

«Albertino Amaral» no Facebook >> Com e Regionalização implementada, talvez se consigam ultrapassar todas estas situações. A ver vamos...

«Jorge Veiga» no Facebook >> Albertino Amaral (e outros amigos deste grupo) o preço por m2 em construção é diferente de terra para terra. Há câmaras que para criarem incentivos a fixação, nascimentos, etc, diminuem a carga fiscal no IRS, no IMI, etc. Gostaria de saber o que é que a regionalização tem a ver com isto. Embora seja do interesse nacional, regional, não sei como querem misturar alhos com bogalhos. As regiões delimitadas (5) são as que eu penso serem as naturais e facilmente aceites por todos, salvo alguns casos em que na região fronteiriça podem querer estar incluídas numa e não noutra, mas há assimetrias dentro duma região. Porque não beneficiar temporariamente a região mais pobre até haver mais equilíbrio. Tudo a pagar o mesmo? Porquê se há diferenças dentro da igualdade?

«Raul Vaz Osorio» no Facebook >> Essa pequena taxa de variação no IMI é um instrumento de gestão na mão das câmaras, para consoante as necessidades aumentarem a receita ou atrairem população e empresas ao concelho. É isto mesmo que é o princípio da regionalização: dar ao poder político mais próximo das populações a capacidade legislativa e orçamental para fazer diferente, de acordo com as necessidades e interesses locais. Essa da "uniformização" desculpem, mas não faz qualquer sentido para mim. Uniformização para quê? Esse igualitarismo sem sentido é um dos principais esteios ideológicos do centralismo. Não somos todos iguais, as regiões, cidades, vilas e aldeias não são todas iguais e a cada momento têm necessidades e objectivos diversos, pelo que é essencial que disponham dos instrumentos para suprir as primeiras e atingir os segundos.

«Jorge Veiga» no Facebook >> Concordo com o Raul Vaz Osorio. Queremos regiões para estarmos independentes do cego poder central e dentro delas faz-se o mesmo? Capacidade de decisão e responsabilização para boa governação.



Publicado por Tovi às 18:52
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 22 de Novembro de 2013
Nós somos o Norte

O meu amigo Francisco Sousa Fialho escreveu no «Um novo norte para o Norte» (grupo aberto do Facebook) este texto e muito provavelmente só um nortenho irá perceber o que ele quer dizer. De qualquer forma aqui fica, para memória futura:

{#emotions_dlg.chat}  Há um pólo que não tem norte apesar de estar lá o norte. O outro não tem sul, é o sul. Nós estamos num norte, mas como é o nosso é o Norte. É Norte porque tem sul. Se não tivesse sul não era nem norte nem Norte. Ambos fazem um país, sul e norte. Fazem-no porque falamos todos a mesma língua, conhecemos as mesmas anedotas, vibramos com os mesmos sucessos, protestamos contra o mesmo governo, partilhamos o mesmo mar e os mesmos antepassados, fizemos a mesma história, emigrámos do mesmo sítio e temos saudades dos mesmos cheiros e bebemos o mesmo vinho. Sinto-me tão vizinho do pescador de Olhão como do farmacêutico de Vouzela ou do barbeiro do Foco onde aparo o cabelo. Ser vizinho não quer dizer ser amigo. Às vezes, é mesmo o contrário, sobretudo dos que estão mais perto, quando me perturbam o sono ou me complicam a vida. Mas é com os vizinhos que somos uma comunidade. E preciso deles, mesmo que eles pensem que não precisam de mim para nada.
Se o Norte precisa do sul, é igualmente verdade que os de lá de baixo precisam da gente, da terra e das capacidades do Norte. Alguns desses nossos vizinhos ainda não perceberam isso, mas o mal é deles, coitados, impampes na sua ignorância saloia e umbiguistas de vistas curtas. Mas uma coisa é tolerar-se a estupidez alheia, outra é deixar-se espezinhar, senão mesmo servir de mula para levar os ditos às costas a visitar as hortas. Isso não!
Vem tudo isto a propósito da forma como as próximas verbas dos fundos estruturais europeus irão ser geridas e aplicadas no país nos próximos anos. Se o governo da Répública, sediado em Lisboa, pensa que pode repetir os “spill-overs” e outros truques para contornar a coesão nacional e ludibriar o Norte, engana-se. Nós não estamos apenas a norte; nós somos o Norte. Tenham tino! (se é que ainda querem ser o sul de alguma coisa).


«Sérgio Ribeiro» no Facebook >> Sem o último parágrafo gosto muito deste texto escrito por um Homem do Porto, que vive no Porto mas que tem de Portugal uma visão que vai para além da paróquia. Quanto a saber no que ao último parágrafo diz respeito se os (des)governantes vão ou não fazer um derramamento conforme à coesão nacional é um exercício de adivinhação. A aplicação do saber à obtenção de resultados práticos, sobretudo quando aliados ao engenho e habilidade. Coisa que os figurões não tem!

«Carlos Mimoso» no Facebook >> Onde param, o que dizem, que defendem, os Homens do Norte que a política levou para Sul?

«Diamantino Pedro» no Facebook >> Esta treta do Norte/sul irrita-me um bocado. Somos todos o mesmo povo, e viemos todos do Norte por aí abaixo a correr com os Mouros ! O Norte é muitas vezes prejudicado na repartição dos recursos mas não mais que outras zonas, principalmente todo o Interior. O Interior, seja Norte ou Sul é normalmente o mais prejudicado e quem tem razão de queixa em relação ao Litoral. O problema não é e ser Norte ou sul, o problema é que parece que o País é Lisboa e mais nada.

«José Luis Moreira» no Facebook >> Diamantino, o problema é que houve 'mouros' que ficaram para trás, e hoje, alguns do Norte tornaram-se seus concubinos...

«António Alves» no Facebook >> Isso de correr com os "mouros" não é de todo verdade. As elites foram expulsas mas grande parte da população ficou e foi absorvida. Mas a questão não é essa. Tanto a reconquista, como posteriormente a lenta construção do Estado português, teve a colaboração activa das elites moçárabes (cristãos islamizados) de Coimbra e Lisboa. É essa elite, e os seus descendentes, que acaba a dominar o funcionalismo superior do Estado emergente instalado em Lisboa e tem moldado o país até hoje.



Publicado por Tovi às 08:00
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 2 de Novembro de 2013
Um novo norte para o Norte

No passado dia 30 de Outubro criei no Facebook um grupo aberto intitulado «Um novo norte para o Norte» e hoje, passados que ainda só vão três dias, já lá temos 187 novos membros e perto de meio milhar de textos e/ou comentários. Estou certo que vai ser um excelente local de salutar discussão sobre o Norte. E até poderá ser mais do que isto, poderá ser aquilo que nós viermos a querer.


«Luis Paiva» no Facebook >> David, não tenho qualquer jeito para a causa pública, mas gosto de estar informado. Assim, e como "homem do norte" por nascimento e convicção, aceitei o teu convite com gosto e interesse. Espero acompanhar boas iniciativas e bons debates, e opinarei certamente aqui e ali. Mas, no fundo, o que desejo são os maiores sucessos desta tua iniciativa.

«Jorge De Freitas Monteiro» no Facebook >> Boa iniciativa David Ribeiro. Para alem de uma plataforma de debate penso que pode ser um espaço de cumplicidade entre defensores da regionalização de diferentes orientações politicas e de diferentes opções de intervenção civica: o espectro politico tradicional, organizado num eixo direita/esquerda (ou vice versa), independentes, membros de partidos, membros de associações... Cada vez creio mais que essa cumplicidade transversal é indespensavel para fazer avançar uma ideia combatida, até hoje com sucesso, por uma cumplicidade de sentido oposto.

«Valdemar Morais» no Facbook >> Obrigado ao David Ribeiro  por me ter adicionado ao debate, já agora, parabéns pela iniciativa. Como saberão, o meu interesse neste espaço, é importante não só porque se falará do Norte, mas porque estará implícito o tema da «regionalização».

«Renato Pereira Oliveira» no Facebook >> Parabéns David! Agora é só nós querermos que seja mais do que isto!

«Albertino Amaral» no Facebook >> Amigo David Ribeiro, volto a felicitá-lo pela iniciativa que levou por diante, criando este sítio, que por enquanto vai sendo saudável e interessante. Só espero é que não nos deixem às escuras...



Publicado por Tovi às 08:00
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9



29
30


Posts recentes

O dia-a-dia no «Um novo n...

Que destino dar ao Edifíc...

Que destino dar ao Edifíc...

3º aniversário do «Um nov...

O Norte em Movimento

Um novo norte para o Nort...

António Costa foi indigit...

I n v e s t P o r t o

Federação Livre de Municí...

Feira do LIvro do Porto 2...

Ser escravo para sobreviv...

Meditando sobre a Regiona...

Nós somos o Norte

Um novo norte para o Nort...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus