"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."
Quinta-feira, 6 de Fevereiro de 2014
100 dias de Rui Moreira na C M Porto - #1

(Foto "roubada" a Tiago Vasquez)

Os apoiantes da candidatura «O Nosso Partido é o Porto» reuniram-se hoje num jantar na Fundação Cupertino de Miranda e Rui Moreira fez para todos nós um resumo dos seus primeiros 100 dias na Câmara Municipal do Porto.


«Maria Helena Costa Ferreira» no Facebook >> vi-o  de "passagem"... tanta  gente que lá estava...

«David Ribeiro» no Facebook >> {#emotions_dlg.star} “NÃO HÁ NINGUÉM QUE NOS POSSA MANDAR CALAR”, DISSE NUM LONGO DISCURSO EM QUE RESUMIU PRINCIPAIS MEDIDAS DA SUA GOVERNAÇÃO.
 Rui Moreira jantou ontem à noite com cerca de 250 apoiantes, num encontro que serviu para assinalar os 100 dias do seu mandato como presidente da Câmara do Porto. Acompanhado pelos seus vereadores e colaboradores mais próximos, o autarca independente, que tomou posse a 22 de outubro de 2013, pôde assim confraternizar com muitas das pessoas que o acompanharam na sua campanha eleitoral que culminaria, a 29 de setembro, com uma ampla vitória.
Na sala, que apenas não tinha mais apoiantes porque a lotação foi esgotada em 24 horas de marcações, os apoiantes ouviram-no fazer, de viva voz, um resumo do que foram os pouco mais de três meses de mandato.
“Como repararam, não aceitámos nenhum dos muitos convites que a comunicação social nos fez para fazermos esse primeiro balanço. Não aceitámos, porque entendemos que é aos nossos apoiantes de primeira hora que devemos dar, em primeiro lugar, todas as explicações”, justificou Rui Moreira a abrir o seu discurso, para logo de seguida deixar claro: “Nesse balanço, há que dizer em primeiro lugar que estamos a cumprir o nosso programa. E vamos cumprir o nosso programa”, explicando que nestes primeiros dias a maior tarefa foi a de “criar as condições políticas, financeiras e humanas” para tornar possível tal objetivo.
O autarca explicou então que as condições políticas passaram por garantir uma maioria estável no executivo da Câmara, na Assembleia Municipal e nas Freguesias.
“Encontrámos no Dr. Manuel Pizarro o parceiro ideal. Não apenas pela aproximação do seu programa eleitoral ao nosso – que durante a campanha fomos realçando – como também porque o Dr. Manuel Pizarro – mesmo contra a vontade do seu partido e do seu partido em Lisboa –, em nome da cidade, oferecer-nos essa estabilidade, tão importante para a governação do Porto”. Rui Moreira disse, a esse propósito, ser uma vitória da “abertura, da pluralidade, da cidadania acima dos interesses partidários e da responsabilidade”, rematando: “orgulho-lhe muito desse sucesso e, volvidos 100 dias, tenho razões acrescidas para dizer que não apenas fizemos bem como o fizemos no cumprimento do nosso programa”.
Rui Moreira também deixou a Rui Rio um elogio, pelas condições financeiras em que deixou a Câmara Municipal do Porto: “A estabilidade financeira que encontrámos é um achado autárquico que devemos ao Dr. Rui Rio. Mas não torna o exercício orçamental fácil nem aconselha a nossa negligência. Pelo contrário. Prometemos em campanha que a cidade teria contas à moda do Porto. E estamos a cumprir essa marca d’água da nossa candidatura”, referindo-se, de seguida, à responsabilidade que assume como autarca: “quando sairmos, teremos que deixar no mesmo bom estado a contas da nossa cidade. É um testemunho que nenhum desejo ou fantasia pode destruir e que vamos levar connosco até ao último dia. Foi o que fizemos ao aprovar o nosso primeiro orçamento”. Ainda a propósito do orçamento, Rui Moreira lembrou os condicionalismos com que foi elaborado, pelo pouco tempo de que dispôs o seu executivo, mas também pela incógnita que significa nesta altura o próximo QREN, “mesmo assim, em nenhuma linha do nosso orçamento perdemos de vista as prioridades que enunciámos: Coesão Social, Economia e Emprego e Cultura”.
O presidente da Câmara do Porto lembrou e detalhou depois 25 medidas e ações que já desenvolveu desde que tomou posse, “uma a cada quatro dias”, lembrando que, além dessas duas dezenas e meia de que quis falar aos seus apoiantes, “muitas mais tiveram lugar, muito foi feito nestes 100 dias, sempre em cumprimento do nosso programa”, garantiu.
A primeira das medidas que recordou no seu discurso foi a defesa, com sucesso, da permanência em Azevedo, Campanhã, de um Centro de Saúde, que a ARS tinha encerrado, reafirmando a sua especial atenção àquela freguesia. A fechar o rol das 25 medidas e tomadas de posição, Rui Moreira lembrou a sua luta pela justa repartição dos fundos comunitários “Quando muitos outros hesitaram, manobraram ou simplesmente se calaram, o Porto falou alto sobre a questão dos Fundos Comunitários. Não vou maçá-los com a questão, porque já todos percebemos o que está em causa. Vou apenas dizer-vos que sobre esta e sobre qualquer outra questão fundamental para a cidade, não nos vamos calar nunca, porque essa é a vantagem de sermos independentes: não há ninguém que nos possa mandar calar”.
Pelo meio, Rui Moreira recordou medidas como a programação da Galeria Municipal; a abertura do edifício da Câmara Municipal à cidade; o processo que levará brevemente à demolição das antigas fábricas abandonadas em Massarelos; a constituição da Frente Atlântica do Porto, com Matosinhos e Gaia; a criação do Fundo de Emergência Social; o processo de transferência de competências para as Freguesias; a colaboração com o Ministério da Administração Interna para encontrar um edifício para a Esquadra de Cedofeita e o acordo com os sindicatos para regresso às 35 horas de trabalho semanais na Câmara do Porto, notícia que ali deu em primeira mão, elogiando a sua vice-presidente Guilhermina Rego, pelo trabalho que desenvolveu nesta matéria nas últimas semanas.
Esta foi a segunda vez que Rui Moreira se encontrou com os seus apoiantes desde que tomou posse, prometendo fazê-lo pelo menos três vezes por ano a partir de agora. “Pedi ao nosso amigo Francisco Ramos que fosse o porta-voz deste nosso grupo”, afirmou, referindo-se ao mandatário financeiro da sua candidatura.
O agora presidente da Câmara Municipal do Porto, terminou este encontro afirmando: “E não se esqueçam: eu não vos vou deixar ficar mal”.

«Zé De Baião» no Facebook >> Espero que nunca decidam a política à porta fechada. mantenham-se transparentes.

«Jorge Garcia» no Facebook >> Nunca nenhuma Camara do Porto teve tanta transparência. Sei do que falo porque passaram muitas Câmaras por mim. Este executivo não só tem as portas abertas como janelas abertas.

«Adao Fernando Batista Bastos» no Facebook >> Força, pelo Porto.



Publicado por Tovi às 23:50
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

2 comentários:
De tron a 7 de Fevereiro de 2014 às 04:27
E deixo uma pergunta: aqui em Lisboa, eu na minha opinião não posso elogiar António Costa e muito menos os presidentes de junta do seu partido, agora gostava de saber como é que as coisas na Invicta estão a correr.
Desde já fica o meu obrigado e pedido de desculpas por ser chato


De Tovi a 7 de Fevereiro de 2014 às 08:34
Nesta cidade as coisas estão a correr bem, muito bem mesmo. Vou publicar neste "post" um resumo do discurso de Rui Moreira falando sobre os seus primeiros 100 dias na Câmara do Porto.


Comentar post

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Janeiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9



28
29
30
31


Posts recentes

Aves 0 – 1 Boavista

28º Congresso do CDS

Justiça ou ajuste de cont...

Danos colaterais do Luand...

Será que...?

Rui Moreira está a cumpri...

Teatro/Dança no 88º Anive...

Rio Ave 2 - 0 Boavista

Rui Rio vence as diretas ...

Soviete da Marinha Grande

Que Justiça seja feita

Continuar a empobrecer

Revolução Liberal de 1820

Artur Ribeiro, um carismá...

Declaração do Rivoli

91ª Exposição Canina Inte...

90ª Exposição Canina Inte...

Exposições Caninas Intern...

O Serviço Nacional de Saú...

Irão ataca bases militare...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus