"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."
Domingo, 1 de Março de 2009
Alambique tradicional do Algarve

Aquecimento com lume directo, arrefecimento do destilado através de tubo de cobre mergulhado em água fria corrente, contida em recipiente de madeira e recolha do destilado em cântaro de barro. (Crédito da foto: Blog "Via Algarviana")

Um alambique típico do Algarve é composto de caldeira (ou cucúrbita), cabeça (ou capitel), serpentina e um recipiente onde circula a água que vai refrigerar o sistema.

O combustível mais usado para aquecer a caldeira é a lenha de Azinho.

A cabeça é feita em aço inox e a caldeira em cobre, sendo vulgar encontrarmos um filtro entre estes dois componentes, de carbonato de cálcio se pretendemos atenuar a acidez, ou de carvão natural activado se há aromas a retirar ao destilado.

O sistema de refrigeração pode ser um tubo rectilíneo (sistema usado em Monchique) ou uma serpentina (em uso na serra do Caldeirão), sendo o primeiro sistema óptimo para se efectuar a limpeza (e consequentemente obter aguardentes com menos teor em cobre) e a outra solução a que nos dá a refrigeração mais eficaz e com menor perda de aromas.

Dizem os entendidos que uma forma de tornar mais agradáveis as aguardentes de frutos é adicionar ao fermentado substâncias aromatizantes (bagas de zimbro maduras, casca de laranja, funcho e erva-doce) conseguindo-se assim ocultar defeitos de produção.

Na segunda metade do século XX vulgarizou-se no Algarve o alambique de dupla coluna (sistema de arraste de vapor – entra por uma das colunas que contém massa acabada de destilar e depois passa à massa da outra coluna) permitindo assim não só um processamento mais rápido mas também a destilação de mais do dobro do volume de um alambique tradicional.

Durante a recolha do destilado temos inicialmente a “cabeça” (a rejeitar por conter excesso de composto indesejados), depois o “coração” (a fracção bebível da aguardente, ou seja, 75 a 80% do destilado) e finalmente a “cauda” ou “frouxo” que normalmente se utiliza para adicionar à destilação seguinte.



Publicado por Tovi às 07:47
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

2 comentários:
De Rotiv a 3 de Março de 2009 às 18:48
E aguardente de zimbro ;) bem boa :)
Tovi está na nossa Rubrica Reciprocidades ;)
Abraços
http://bloteigas.blogspot.com/


De Tovi a 3 de Março de 2009 às 19:46
Aguardente de zimbro é muito boa, sim senhor.
Obrigado por me terem colocado no "Reciprocidades" do vosso blog... Vocês também já estão na lista dos "Meus amigos".


Comentar post

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Fevereiro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9


26
27

28


Posts recentes

Reunião no sábado dos aut...

Lista D para o Conselho D...

Abrir ou não abrir as esc...

Para minimizar os efeitos...

Quem é candidato à Câmara...

Da série “O futuro da Ref...

Boavista 1 - 0 Moreirense

Eleição para os Órgãos So...

O namoro

Contágios... de Jaime Nog...

Independentistas vencem e...

Regionalizar o âmbito de ...

Porto 2 - 2 Boavista

SIDA – O estigma epidémic...

Um atentado à Democracia

Remodelar o Governo... qu...

Boavista 0 - 1 Nacional

Gripe Espanhola ou Pneumó...

Peste Bubónica na Europa

Todos pela Canicultura

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus