"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."
Domingo, 26 de Janeiro de 2020
28º Congresso do CDS

28091054-scaled_770x433_acf_cropped-1.jpg

Durante o “antes de” deste 28º Congresso do CDS acompanhei com interesse e curiosidade o que muito se disse e acreditando eu que era necessário e fundamental para uma direita democrática portuguesa uma rutura com o passado recente, então o melhor colocado para assumir a liderança era, no meu entender, Filipe Lobo d’Ávila. João de Almeida não me parecia conseguir (ou não querer) separar-se de um passado recente, muito ligado à demissionária Assunção Cristas. Francisco Rodrigues dos Santos surpreendeu-me ao afirmar que “não vamos ser o Bloco de Esquerda da Direita”. Todos os outros, admito que por insuficiente atenção minha, não me disseram nada de novo e digno de registo.
E já na madrugada deste domingo ficamos a saber o resultado das votações nas Moções de Estratégia: A submetida por Francisco Rodrigues dos Santos, líder da Juventude Popular, recolheu 671 votos (46,6%). A segunda mais votada foi a de João Almeida, com 562 votos (38,9%). Filipe Lobo d’Ávila viu o seu texto quedar-se pelo terceiro lugar, com 209 votos (14,45%).
E estando eu não só convencido que há atualmente um eleitorado de direita que se sente órfão, mas também continuando a não desejar que em Portugal esteja a emergir uma direita trauliteira e fascizante, considero que a vitória do “Chicão” não foi uma boa escolha, mas obviamente só o tempo o dirá.

 

   O que pensa o novo líder do CDS

"Os eleitores infligiram uma pesada derrota ao CDS [nas Legislativas de outubro de 2019]. Os resultados comprometem-nos com uma ponderação lúcida e serena, que procure domar os ímpetos, extrair conclusões enxutas e repor os índices de confiança".

"O CDS pode fazer o pino, uma cambalhota e um malabarismo no trapézio que, aos olhos dos portugueses, a perceção é que o CDS é um partido de direita. O CDS é um partido de direita, ponto final".

"Se nos atirarmos primeiro para a direita, que é lá que os nossos eleitores têm morada, nós conquistamos o povo para depois irmos à conquista do centro e podermos crescer porque temos o exército connosco, e é ao centro que nós nos encontramos com os nossos adversários e podemos catapultar o CDS para novos horizontes eleitorais".

[Entendimentos com o Chega?] "[desde que não represente uma] violação das traves mestras nem das linhas vermelhas que são o ADN do partido".

"O CDS deve focar-se em si para se reposicionar novamente, preencher um espaço que sempre foi o seu, [e não se] preocupar com os partidos do lado".



Publicado por Tovi às 09:56
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Fevereiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


23
24
25
26
27
28
29


Posts recentes

Muito bem...

Quem não o conhecer…

Morreu Pedro Baptista

Inadmissível…

Eutanásia... sim ou não?

Expansão do Metro do Port...

Boavista 1 - 2 Belenenses

Rui Pinto tentou dar prov...

O detido era um tipo porr...

Comemorações da Revolução...

Urgente a criação das reg...

Agora?...

Lembram-se da Paula do La...

PAN & C.ª vão resolver o ...

F.C.Porto 3 – 2 S.L.Benfi...

Paços de Ferreira 0 – 1 B...

Agora é que vai ser...

Epidemia de Coronavírus

“Equívocos e mal entendid...

Não está tudo perdido...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus