"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."
Sexta-feira, 10 de Setembro de 2021
Morreu Jorge Sampaio

Requiescat in Pace

Captura de ecrã 2021-09-10 090416.jpg
Jorge Sampaio estava de férias com a família no Algarve quando dificuldades respiratórias o levaram a ser internado no hospital de Portimão. Posteriormente, seria transportado, de helicóptero, para o Hospital de Santa Cruz, em Lisboa, onde era habitualmente acompanhado. Foi Presidente da República de 1996 a 2006. Antes esteve quase seis anos à frente da Câmara Municipal de Lisboa e três como líder do PS, tendo perdido as legislativas de 2001 para Cavaco Silva. Licenciado em Direito, nasceu em Lisboa a 18 de setembro de 1939.

 

   Rui Moreira, na sua página do Facebook
É com profundo pesar que lamento o falecimento do ex-Presidente da República, Jorge Sampaio. Recordá-lo-ei como um homem bom, um humanista, que representou o País colocando o sentido de Estado e de serviço público sempre em primeiro lugar. Recordo, com saudade, a afabilidade, o seu humor fino, a sua cultura, o seu sentido estético. As suas aflições quando se deparava com os problemas da nossa sociedade e do nosso mundo.
Endereço, por isso, as mais sentidas condolências aos seus familiares, a todos os seus amigos e ao Partido Socialista.
As nossas acções de campanha foram canceladas.


   Rodrigues Pereira, na sua página do Facebook
Um adeus de longe
Partiu discreto, como foi seu apanágio de vida.
Gostava muito de Jorge Sampaio. Era um homem de convicções, mas também de emoções. De lágrimas sentidas, sem se importar com uma eventual fragilidade que as mesmas pudessem significar. Estive, com muito gosto, nas suas duas campanhas para as Presidenciais. Foram dias de loucos, em constantes correrias. Sobretudo para um homem com problemas de saúde, como ele.
Encontrei-o, também, em Bangkok, onde foi, de propósito, assistir ao Congresso Mundial de SIDA. Juntamente com Nelson Mandela, Bill Clinton, Bill Gates e outras diversas personalidades mundiais. Que queria aprender, que queria trocar impressões de viva voz com quem vivia o dia-a-dia do problema. Esta procura, esta curiosidade constante, valeram-lhe depois a nomeação para altos cargos nas Nações Unidas, no âmbito do combate à Malária e à SIDA.
Eram um homem com um fino sentido de humor (educação britânica, já se vê) , mas com uma preocupação com o próximo como poucas pessoas conheci.
Vem a propósito um telefonema que recebi em Dezembro de 2004, estava eu a dormir sossegado no Sheraton em Lisboa. às duas da manhã. Acordei estremunhado e do outro lado da linha aparece-me o recepcionista encavacado, a pedir muita desculpa por me ter acordado, mas que achava que o devia fazer, porque tinha o Presidente da República ao telefone. Era Sampaio a dizer-me que, com muita pena, provavelmente não poderia comparecer no dia seguinte à inauguração da nova sede da Abraço, da qual eu era, à altura, presidente da direcção. Perguntei-lhe se estava tudo bem com ele e respondeu-me, em tom de confidência : "Comigo está tudo óptimo, mas amanhã vou ter que largar a «bomba atómica». É que este estado de coisas já não se aguenta". Desejei-lhe sorte e preparei-me para ter uma inauguração mais modesta, no dia seguinte. Uma hora antes do horário previsto , começam a chegar televisões às nossas novas instalações. Mas para além dos três canais nacionais, estavam também a CNN, a BBC, a TF1 , etc., etc, . Depois chega o corpo de intervenção da PSP, que desata a colocar baias pelo caminho que o Presidente seguiria. E ele veio. E, com um piscar de olho e um sorriso matreiro, confidenciou-me : "Como ainda não prestei declarações à comunicação social, achei que talvez fosse bom para a divulgação da Abraço vir até cá ..." Se foi !
Vou ter saudades, Presidente Sampaio !
Um grande beijo à Vera e um enorme abraço ao André.
Até sempre ...

 

   Declaração de Marcelo Rebelo de Sousa
O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa proferiu uma declaração, no Palácio de Belém, a propósito da morte do Presidente Jorge Sampaio.
Portugueses,
Acabei de exprimir à família do Presidente Jorge Sampaio, em dor, o pesar de todos vós.
Lutando, mas serenamente, nos deixou hoje o Presidente Jorge Sampaio.
Lutando serenamente. Como sereno foi o seu testemunho de vida, ao serviço da liberdade e da igualdade.
Sereno na sua luminosa inteligência.
Sereno na sua profunda sensibilidade.
Sereno na sua paciente, mas porfiada coragem.
Jorge Sampaio nasceu e formou-se para ser um lutador e a causa da sua luta foi uma: a liberdade na igualdade.
Na carismática afirmação, no movimento estudantil do início dos anos 60.
Na defesa, em tribunais plenários, dos presos políticos durante a ditadura.
Na representação externa da democracia nascente.
Na construção de pontes, década após década, entre formações diversas, no seu hemisfério político e para além dele.
Na adesão ao Partido Socialista, de que viria a ser deputado, líder parlamentar e líder nacional.
Na formação da primeira e mais vasta coligação pré-eleitoral de esquerda da nossa História democrática.
Na Presidência da Câmara Municipal de Lisboa, após uma rara campanha de ideias, com visão estratégica, prioridade aos mais pobres e excluídos, preocupação com as pessoas, os seus sonhos, os seus dramas, a sua realidade.
Na devotada e prestigiante Presidência de Portugal.
Lançando a Cimeira de Arraiolos, com todos os Chefes de Estado europeus eleitos não presidencialistas.
Criando a COTEC, com empresários portugueses, espanhóis e italianos, pela inovação e responsabilidade social.
Recriando as Presidências abertas do seu antecessor, com a constante presença de Maria José Ritta.
Podendo ter-se resignado ao caminho mais fácil do jurista respeitado, da quietude da sua origem social, do natural ascendente da sua cultura, do seu pensamento, da sua oratória, escolheu o caminho mais ingrato, da solidariedade para com os que mais sofriam, do convívio com o concreto, da privação da sua saúde, frágil, em exaustivos e desgastantes labores.
Ninguém esquecerá momentos únicos dessa entrega.
As intervenções decisivas desse furacão ruivo na Alameda da Universidade de Lisboa, em 1962.
A madrugada da libertação dos detidos em Caxias, após o 25 de Abril.
A conversa com Álvaro Cunhal, antes da segunda volta da eleição de Mário Soares, em 1986.
A travessia, em noites de vendaval, dos bairros de lata da capital, que, com o Governo de então, conseguiu extinguir.
Os meses sem dormir, passados, nesta casa, em Belém, por causa de Timor-Leste.
A oposição à intervenção no Iraque.
A dedicação à saúde pública global – herança do magistério paterno – e ao diálogo entre religiões, culturas e civilizações.
O exemplar acolhimento dos refugiados sírios, fugidos das tragédias das guerras.
E, sempre, as lágrimas genuínas do homem bom, porque era um homem bom, na partilha da alegria tal como da dor alheias.
Jorge Sampaio deixou-nos hoje com um duplo legado.
Duplo – porque feito de liberdade, mas também de igualdade.
Duplo – porque feito de inteligência, mas também de sensibilidade. Porque provou que se pode nascer privilegiado e converter a vida na batalha pelos não privilegiados.
Sempre lutando, mas com serenidade. Aquela serenidade que une a força das convicções ao respeito por cada um e por todos os demais. De bem com todos e todos de bem com ele.
A corajosa serenidade de um grande Senhor da nossa Democracia, de um grande Senhor da nossa Pátria comum.

 

  Provavelmente o último ato político de Jorge Sampaio
Captura de ecrã 2021-09-10 204654.jpg
   Ver aqui notícia de 25ago2021



Publicado por Tovi às 09:10
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Outubro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Posts recentes

Os subsídios às empresas

Acordo de governação na C...

Germano Silva fez ontem 9...

Portugal 5 - 0 Luxemburgo

Ter ou não ter maioria ab...

Violência no Porto… e a c...

Tão amigos que nós somos,...

Há independentes e indepe...

Juiz negacionista expulso...

Erupção do Cumbre Vieja e...

A segurança ao estilo Tal...

Portugal é uma das melhor...

Emergência no Afeganistão

Braga 2 - 2 Boavista

A dependência europeia do...

Timtim e o senhor Oliveir...

A Descentralização que no...

História recente do Afega...

A todos os Portuenses... ...

Boavista 1 - 1 Estoril

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus