"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."
Quinta-feira, 3 de Maio de 2012
Há alterntiva a esta austeridade

Interessante texto publicado no Correio da Manhã, da autoria de Paulo Morais, Professor Universitário e Vice-Presidente da Associação Cívica Transparência e Integridade.

{#emotions_dlg.meeting} Há alternativa - A austeridade que fustiga os portugueses, com aumento de impostos e redução de salários, é perfeitamente evitável. Desde que o governo opte por outro tipo de medidas, que penalize menos os cidadãos e as empresas, retire privilégios aos poderosos e altere de facto a estrutura de despesas do Estado.

Em primeiro lugar, devem ser renegociadas todas as parcerias público-privadas rodoviárias, que chegam a ter rentabilidades garantidas superiores a 14%; o Estado terá, desde já, um ganho anual de cerca de três mil milhões de euros. A segunda medida consiste na imediata reestruturação da dívida pública, bastando substituir os contratos de crédito ruinosos, e assim poupar cerca de dois mil milhões. Não é admissível que o Estado continue a pagar anualmente em juros nove mil milhões de euros, mais do que gasta com o Serviço Nacional de Saúde.

Impõe-se ainda reduzir os alugueres e rendas imobiliárias que o Estado paga neste momento. São centenas de milhões de euros a mais em cada ano! Numa fase em que o mercado imobiliário está em baixa e as rendas nos privados vêm diminuindo progressivamente, porque não baixa a despesa do Estado nesta rubrica? Ainda por cima, quando muitos contratos foram inflacionados para favorecer proprietários amigos!

Outra área onde se poderia também obter um ganho de mil milhões é a da formação profissional. Grande parte da formação financiada limita-se a manter os formandos ocupados, enquanto a maioria dos recursos é desviada para o enriquecimento de alguns ‘empresários’ mais habilidosos.

Se o governo tiver coragem para implementar este tipo de medidas, pode poupar anualmente até sete mil milhões, sem penalizar os cidadãos. E muda definitivamente a estrutura da despesa do Estado, retirando privilégios aos poderosos.

Só quando os governantes tiveram a coragem de ousar este caminho, Portugal progrediu. Foi assim com D. João II, que pensou os Descobrimentos, ou com o Marquês de Pombal, instituidor do Vinho do Porto, que limitaram regalias às grandes famílias do seu tempo – como os Duques de Bragança e Viseu ou os Távora. Se não souber ler a história, Passos Coelho será apenas mais um mau governante, dos muitos que os portugueses já tiveram de suportar.


«Fátima Gabriel» in Facebook >> Maravilha!!!! Creio que todos os portugueses se identificam com este pensamento. Parabéns ao autor.



Publicado por Tovi às 07:00
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Julho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
12
13

19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Posts recentes

História curiosa sobre "C...

Incêndio na Zona Históric...

Suspensão de registos de ...

Tomada da Bastilha - 14 d...

Fim-de-semana de Exposiçõ...

Parabéns Alice

Atribuição de Medalhas Mu...

D. Pedro IV, o Libertador

Populista Português Moder...

Malhar em ferro frio

Legislativas'2019... no G...

Saladas da Culinária Viet...

Mercadona... em Portugal

Acho bem...

Sinais dos tempos

Morreu Mordillo

Pedro Duarte sobre as esc...

Paulo Portas e Rui Moreir...

Que a Justiça lhes seja p...

The other side of the...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus