"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."
Terça-feira, 1 de Outubro de 2013
O fim do Movimento Partido do Norte

{#emotions_dlg.star} Transcrito da página do Movimento Partido do Norte

Caros companheiros,
O período que se seguiu ao abandono do MPN pelo Prof. Pedro Baptista, por email de despedida enviado em Abril de 2012 a todos os membros da comissão coordenadora, após se ter verificado difícil constitui-lo para a sua própria candidatura a eleições, foi marcado por um conjunto de reuniões com vários movimentos regionalistas e refundadores de hipotéticas novas ordens sociais e acção política, da Galiza, Algarve e Centro de Portugal, terminando numa reunião-plenário de tentativa de agregação sobre a égide do IDP – Instituto da Democracia Portuguesa, tendo-se revelado possível apenas a concretização de Partido Português das Regiões, opção alternativa ao nome de Partido do Norte, tal como constantes das 5.000 assinaturas entretanto recolhidas, processo para o qual também estavam a contribuir um Movimento na Galiza e outro no Algarve.
Esta ideia de trabalhar em concertação e colaboração com outros já tinha sido marcante na fase de cooperação com o PDA – Partido Democrático do Atlântico, projecto do qual fui proponente e parte negociadora.
Como se sabe, a opção pelo nome de Partido do Norte tem entraves constitucionais não ultrapassáveis nos meses que se colocavam para as eleições.
Este processo foi interrompido pela não devolução por Pedro Baptista de cerca de 4.500 assinaturas que estariam na sua posse, e para não defraudar as expectativas de quem em nós confiou. Este facto inviabilizou a constituição do Partido Português das Regiões para candidaturas a eleições autárquicas, para as quais havia contactos para cerca de uma dezena de concelhos.
A opção que se colocou ao MPN foi de concorrer à Câmara do Porto individualmente, recolhendo 4.000 assinaturas para o efeito, em coligação ou apoiando outro candidato. Esses contactos foram estabelecidos com 2 pessoas que não aceitaram este desafio. Nenhum outro nome foi consensual. Surgiu o convite expresso do Partido Socialista para o MPN concorrer em nome próprio e autónomo, o que dadas as reacções violentas que desencadeou de ex-membros, se decidiu não concretizar.
A ideia inicial era privilegiar uma exposição da causa da regionalização em detrimento dos princípios de constante oposição e confronto e que tantas pessoas válidas afastou.
Para mim, foi evidente nessa data um grande desencontro de perspectivas de vida e ideológicas entre os vários aderentes de movimento, fazendo-me mesmo duvidar da possibilidade de sucesso de partidos que se cimentem apenas nas oposições e percebendo, que no dia em que se pretendam afirmar pela positiva, as diferenças surgem.
Por isso é óbvio que a decisão de abandonar o MPN foi tomada nesse preciso momento, pela verificação da minha incapacidade de o liderar em conformidade com a forma como vejo a vida. Como escuteiro, forma como fui muitas vezes presenteado pelo anterior presidente.
Portanto, vou continuar o meu percurso de escuteiro, de alguém que se preocupa sobretudo com o sofrimento dos mais frágeis, as tais coisas sociais, muito pouco belicistas como se parece exigir a alguns valentões do "Norte".
Esta decisão de terminarmos foi hoje falada entre os membros da Direcção.
Claro que vou continuar na vida política, tentando-me disciplinar para não perder tanto tempo com o não essencial, com o apoio que agora tenho, e por quem vou concentrar todas as minhas energias e capacidades.
Para quem entender continuar, o processo de recolha das assinaturas, este só exige mais 2 mil.
Pelo Norte e por Portugal. No dia em que perceberemos que o Norte se construirá pelo desenvolvimento de projectos concretos, com os ganhos reais desta Região e para o todo nacional, o processo de regionalização será acelerado.
José Carlos Ferraz Alves


«Raul Vaz Osorio» no Facebook >> R.I.P.

«José Costa Pinto» no Facebook >> Não entendo por que razão não existe um movimento de independência do Norte. Para mim, faria mais sentido. A regionalização é uma aberração conceptual.

«Raul Vaz Osorio» no Facebook >> Eu já há muito que defendo a independência do Norte, embora não como primeira escolha, apenas como alternativa única à permanente recusa do reconhecimento de uma autonomia real e efectiva.

«José Costa Pinto» no Facebook >> E, no entanto, a secção política é "inconstitucional". :-/

«Raul Vaz Osorio» no Facebook >> Mais uma das coisas a mudar na Constituição ;) Na verdade, pouco importa pois no momento em que haja uma vontade da maioria dos nortenhos em obter a independência, se não houver evolução, haverá revolução.

«Paulino Coelho» no Facebook >> Fui um dos que deu tudo pelo MPN... Depois disto nada mais tenho tenho a dizer, parabens a todos que comigo abraçaram este projecto... Bem hajam os que acreditam no futuro. Abraço amigo.

«Carlos Miguel Sousa» no Facebook >> Lamento. Embora seja totalmente contra qualquer tipo de fraccionismos que coloquem em causa a unidade nacional, entendo muitas das razões que o Norte apresenta face ao centralismo de poder em Lisboa. Algo totalmente injustificado face aos meios de transporte e comunicação que hoje dispomos, entre outros desequilíbrios prementes.

«Marco Monteiro» no Facebook >> Envolvi-me desde o primeiro dia no sonho MPN pensando que era fácil unir o povo do norte num denominador comum mas logo na primeira reunião em Guimarães percebi que eram mais as divergências do que as convergências. Guerras de personalidade, idealidade e mesmo, eventualmente, questões pessoais sobrepuseram-se à essência da nossa missão que articulada com um povo submisso à tacanhez que vive numa negligência de cidadania atroz só podia resultar num tremendo insucesso. Não fomos capazes de nos unir e com isso perdemos a capacidade de resistir a todo tipos de ataques que sabíamos que iam acontecer e que nos levaram a melhor. Uma oportunidade falhada não fecha portas, pelo MPN passaram pessoas de muita competência técnica, política e pessoal e o norte contará com elas quando outros movimentos surgirem… o norte precisa de todos nós, precisa de estar unido e quando isso acontecer seremos capazes de transformar esta região naquilo que ela merece.

«Pedro Baptista» no Facebook >> Este José Ferraz Alves está a mentir e a comportar-se como um psicopata, em virtude da imensa vaidade que une à imensa incompetência e ao imenso oportunismo pessoal. As pessoas conhecem-no. E conhecem-me. É evidente que a história das assinaturas é uma falsidade como muitas outras que são afirmadas. Poderia contar a história toda. Todavia, procurei sempre proteger os bons amigos que tinha no MPN, mesmo com o silêncio que fiz quando me demiti, assumindo a minha responsabilidade, depois de propor a extinção do Movimento, face à arrasadora derrota eleitoral de 2011.  Vou continuar assim. Quando discutimos com biltres descemos ao nível deles. As pessoas sabem o que se passou com este pobre diabo que se pôs à venda, sem sequer à venda ser capaz de se pôr. Não é preciso explicar mais.



Publicado por Tovi às 12:45
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9


21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Posts recentes

Alice a tratar dos Oxalis...

Guimarães 1 - 1 Boavista

Manhã de um domingo de Ve...

Morreu Alexandre Soares d...

Continua a "Guerra dos Pe...

Demorou um pouco... mas j...

Greve dos motoristas de m...

Mais eleitores nas Legisl...

Boavista 2 – 1 Desportivo...

81ª Volta a Portugal em B...

Rodrigues de Pinho... do ...

A "guerra dos petroleiros...

PSP - Comando Metropolita...

Moqueca de Camarão

Hiroshima, 6 de agosto de...

Pimentos Padrón

Casa Pia 2 - 0 Boavista

Novilho Aberdeen-Angus Na...

Sondagem da Multidados pa...

Candidatos do PSD pelo Cí...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus