"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."
Segunda-feira, 21 de Outubro de 2013
Tribunal Constitucional – O caso de Portugal - #2

Continuando a ler e a comentar «Judicial Independence and Party Politics in the Kelsenian Constitutional Courts: The Case of Portugal» de Sofia Amaral-Garcia, Nuno Garoupa, and Veronica Grembi:
{#emotions_dlg.star} Dizem os autores deste trabalho que Portugal tem uma constituição muito longo e detalhada (actualmente 296 artigos) fazendo com que o Tribunal Constitucional seja muitas vezes chamado a intervir na sua interpretação. É certo, mas isso é um vício generalizado dos legisladores portugueses que só fomenta o negócio de pareceres e mais pareceres, tão ao gosto dos políticos nacionais. Um pouco mais à frente, neste segundo capítulo intitulado “O Caso Português”, é-nos dito que os pedidos de fiscalização de Leis ao TC feitos pelo Presidente da República são mais prováveis quando o governo e a maioria no parlamento são de um partido diferente do PR, o que curiosamente e nos tempos que correm, até nem se verifica. Há que ter em conta que este artigo foi publicado em Junho de 2009. Convém recordar, e isso é-nos referido pelos autores, que o Tribunal Constitucional é composto por 13 juízes, dez dos quais são eleitos pelo Parlamento, e os três restantes escolhidos pelos juízes eleitos, pelo que é justo dizer que a composição do TC tende a reflectir a composição política da Assembleia da República.

«Jorge Veiga» no Facebook >> Mas são Juizes e não devem nada ao Governo ou à Assembleia, salvo se andarem a fazer fretes!

«Jose Antonio Salcedo» no Facebook >> Frequentemente, não são juízes de carreira.

«David Ribeiro» no Facebook >> Pois é... Só seis deles é que são obrigatoriamente juízes de carreira.

«Jose Antonio Salcedo» no Facebook >> Os outros 7, a maioria, para mim, são 'comissários políticos'.

«David Ribeiro» no Facebook >> Mas curiosamente, nos últimos tempos, não têm reflectido "a voz do dono" (se calhar esta forma de me exprimir foi muito forte... mas assim percebe-se melhor o que quero dizer).

«Albertino Amaral» no Facebook >> Entende-se perfeitamente David Ribeiro, por isso eu também achava que o TC deveria ser ele próprio, Independente, apartidário, apolítico, neutro... Portugal é um país de lobbies, padrinhos, cunhas, seitas, etc. etc.

{#emotions_dlg.star} Nas acções preventivas do Tribunal Constitucional analisadas até 2009 as declarações de inconstitucionalidade foram essencialmente declaradas quando a legislação era apoiada por uma ampla maioria no Parlamento, o que nos faz acreditar que as leis “negociadas” entre diferentes correntes políticas estarão sempre mais de acordo com a Constituição. É no entanto curioso verificar que os autores deste trabalho chegaram à conclusão que quanto maior a proporção de juízes dentro do tribunal que são filiados ou próximos do partido ou partidos que suportam uma peça de legislação, quanto menor é a probabilidade de o tribunal declarar a legislação inconstitucional.



Publicado por Tovi às 08:00
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Posts recentes

Não sei se será... mas at...

Nem tudo está perdido

Punheta de Bacalhau... e ...

Sem-abrigo no Porto

Garrafeira do supermercad...

Jeanine Áñez na presidênc...

Continental no Porto... b...

Bolívia... e agora?

El Corte Inglés na Boavis...

O dérbi da Invicta

Queda do Muro de Berlim

Sirvam-se...

Hoje, em Paris

"Bem vindo, puto"... diz ...

Orçamento da Câmara do Po...

Vitória de Setúbal 1 – 0 ...

Escócia a caminho da inde...

Pedro Baptista… A Pele do...

Boavista sem derrotas... ...

"Pão por Deus"... em Port...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus