"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Segunda-feira, 28 de Agosto de 2017
Autárquicas no Porto – Delineando estratégias

Cedofeita 26Ago2017 ad.jpg

Nesta foto, “roubada” ao Pedro Serrão, estou eu e o meu amigo António Fonseca, Presidente da minha Freguesia – União das Freguesias de Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia São Nicolau e Vitória – e novamente candidato a este lugar autárquico. E até parece que estávamos no passado sábado a "delinear estratégias"... e a verdade é que alguém tem que fazer este trabalho, fundamental numa campanha eleitoral.



Publicado por Tovi às 17:51
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 26 de Agosto de 2017
Autárquicas no Porto – Campanha em Paranhos

Hoje à tarde estivemos na Quinta do Covelo para a apresentação do programa eleitoral para Paranhos do movimento «Rui Moreira - O Meu Partido é o Porto». E depois ainda demos uma ajudinha aos candidatos da minha Freguesia – União das Freguesias de Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia São Nicolau e Vitória - em distribuição de propaganda eleitoral na zona da Ramada Alta. (Fotos “roubadas” ao Pedro Serrão)

26Ago2017 aa.jpg

    Discurso de Rui Moreira

Nos últimos anos assistimos a um enorme desenvolvimento da cidade do Porto.
Aquilo que eram ruas perigosas e abandonadas, com edifícios em ruínas que foram sendo abandonados ao longo das últimas cinco décadas, transformaram-se em cidade de novo.
Cidade não são ruas desertas. Claro, quando nada acontece na cidade parece haver menos problemas para resolver.
Quando não há interesse ou conforto, não há problemas nem no valor das rendas - porque ali ninguém quer viver - e também não há problemas no trânsito - porque ali ninguém quer passear.
E também não há problemas com a recolha do lixo, porque não havendo a actividade económica, também não há lixo. Ou se há e não é recolhido, também ninguém dá conta.
Com algum exagero, esta era a cidade do Porto há uns anos.
Ninguém queria viver no seu centro. Ninguém queria abrir novos negócios e também ninguém lá ia ver a avançada degradação em que se encontrava.
Quem ia, deparava com a ruína, a insegurança, a prostituição e degradação do espaço público.
Este paradigma mudou.
Nos últimos anos, a economia, impulsionada inicialmente pelo turismo, mas que hoje atrai para o Porto empresas em muitas áreas, reabilitou.
A Câmara e os agentes económicos trouxeram a animação e novas oportunidades. Criou-se MUITO emprego. Criaram-se Startups e atraíram-se grandes investimentos na área tecnológica.
A cidade ficou Muito melhor.
Claro, quando as ruas outrora desertas passaram a ter vida e a cidade voltou a mexer, os problemas expõem-se, aumenta o interesse e, sejamos também claros, aumenta a inveja dos que não tiveram o engenho e a arte de se adaptarem, de empreenderem e de evoluírem.
Quem queria a cidade decrépita e deserta, perigosa e triste, não gosta de a ver vibrar.
E foi isto que aconteceu ao Porto nestes últimos anos. Cresceu, viveu. Criou novos problemas, a que estamos atentos e vamos resolvendo. E para os quais temos soluções. Soluções para a habitação, para o trânsito e para a mobilidade. Nesta campanha já explicamos o que vamos fazer nestas três áreas que resumimos num pilar que designamos "sustentabilidade".
Agora, a sustentabilidade só é possível se houver coesão territorial. Se todas as zonas da cidade quiserem mais e quiserem esse caminho de desenvolvimento, crescimento e sustentabilidade.
Paranhos é uma freguesia fundamental neste processo de coesão. Se Paranhos não alinhar com o resto da cidade nas políticas de coesão social, territorial e não quiser desenvolvimento, então será mais difícil desenvolver toda a cidade.
A Junta de Freguesia de Paranhos fez muitas coisas interessantes e seguramente bem feitas durante este mandato. Mal era se não tivesse feito, depois do processo de descentralização que levamos a cabo e das competências que lhe passámos. Mas podia ter feito muito mais e, sobretudo, não soube ou acompanhar a cidade nas suas políticas e na sua visão de futuro.
Pior, o partido que tem suportado a actual presidência da Junta, única que conquistou, e por muito poucos votos em 2013, quis fazer de Paranhos uma espécie de Aldeia do Astérix. Acantonando-se e virando costas ao desenvolvimento.
Vou dar apenas um exemplo. A Câmara e a Secretaria de Estado da Modernização Administrativa estabeleceram um protocolo no sentido de fazer, em todas as freguesias, Espaços do Cidadão. Lojas de proximidade que permitem tratar de documentos, declarações, certidões que, anteriormente, apenas podiam ser pedidas nas repartições ou na única loja do cidadão que existia.
Todas as freguesias aderiram e algumas pediram até mais do que um espaço.
Paranhos não quis, num primeiro momento. O desenvolvimento, a modernidade, uma obra da Câmara em parceria com a Freguesia e com o Governo era algo que não agradava ao presidente da Junta de Paranhos.
Finalmente, no final do mandato, em vésperas de eleições, aceitou. Construímos o espaço do cidadão. E, quando terminado, o senhor presidente da Junta escreveu aos seus fregueses dizendo que foi ele que fez.
Algo semelhante se passou com os parques infantis que a Câmara do Porto construiu em todas as freguesias. Neste caso, um investimento exclusivamente da Câmara, de modernização dos parques existentes, como este que aqui temos ao lado, e de construção de 15 novos parques.
Pedimos a todos os presidentes de Junta que nos indicassem o espaço onde deveria ser feito. Fizemos em Paranhos o que fizemos nas restante seis freguesias ou uniões. Não fizemos demagogia ou propaganda barata com isso. Mas incomoda saber que o presidente da Junta, agora candidato, apresenta essas obras como sendo suas.
Não foram.
As próximas eleições autárquicas são muito importantes para o Porto. Ouvimos as forças políticas que concorrem contra nós radicalizar o discurso. Confiamos que os portuenses saberão escolher. Sabemos que sabem escolher.
Mas, nestas eleições é preciso ganhar não apenas a Câmara e a Assembleia Municipal. Ganhar nas sete juntas de freguesia é fundamental para termos um desenvolvimento harmonioso da cidade, para alargar a mancha de desenvolvimento. Para podermos olhar para os diferentes espaços desta freguesia como potencialidades e não como problemas.
Sobretudo, temos que ter na Junta um independente livre de preconceitos contra a Câmara ou instrumentalizado pelo aparelho de um partido que perdeu o chão no Porto.
A melhor das notícias que hoje lhe trago, desculpem, não é qualquer promessa de obras, de casas ou de um futuro idílico. A promessa que vos trago é o Paulo Jorge Teixeira.
Um homem bom, trabalhador, com provas de gestão dadas na instituição que dirige de forma exemplar e com vontade de articular connosco o futuro inclusivo de Paranhos.
E a independência do Paulo Jorge e de qualquer outro dos nossos candidatos às Freguesias é mesmo total. Todos eles foram livres de escolherem as suas listas, de forma livre e independente, sem que o movimento lhes impusesse candidatos.
Votar «Rui Moreira: Porto, o Nosso Partido» para a Assembleia de Freguesia de Paranhos é, por isso, fundamental. Estou convencido que, caso isso seja possível, dentro de quatro anos, poderemos estar aqui a fazer um balanço bem diferente do que hoje podemos fazer da forma como se desenvolveu Paranhos.



Publicado por Tovi às 19:15
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 25 de Agosto de 2017
Marasmo… sabem o que é?

Ilda Figueiredo 25Ago2017 aa.jpg

Sou mesmo totó…

Julgava eu que MARASMO queria dizer: Magreza e fraqueza extremas; Apatia, indiferença por tudo; Melancolia.



Publicado por Tovi às 21:27
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 9 de Agosto de 2017
Autárquicas no Porto – Candidatos

Camara Municipal do Porto aa.JPG

Para a corrida eleitoral à Câmara Municipal do Porto entregaram a documentação necessária os seguintes partidos e movimentos de cidadãos, aguardando-se ainda a correspondente aceitação/validação pelo Tribunal competente:

PPD/PSD-PPM;
PS;
PCP/PEV;
BE;
PAN;
PTP;
PNR;
Cidadania e Democracia Cristã;
Rui Moreira: Porto, o Nosso Partido;
Porto, de Alma e Coração.



Publicado por Tovi às 08:24
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 7 de Agosto de 2017
Autárquicas no Porto – Partido Socialista

7Ago2017 aa.jpg
Já é conhecido quem os socialistas portuenses nos vão apresentar ao voto nas Autárquicas e como dizia um grande intelectual do futebol nacional, “prognósticos só no fim do jogo”, mas não me parece de forma alguma expectável que o PS consiga eleger mais do que três vereadores cá na Cidade Invicta (este foi o seu resultado em 2013) e por isso as candidaturas a considerar para a C.M.Porto são:

 Manuel Pizarro, líder da distrital socialista.

Fernanda Rodrigues, foi diretora municipal na autarquia portuense entre 1995 e 1998, esteve na oposição no último mandato de Rui Rio (PSD), entre 2009 e 2013, e é consultora da Comissão Europeia para programas sociais.

Odete Patrício, licenciada em Economia, que durante 25 anos e até janeiro de 2017 foi diretora-geral da Fundação de Serralves.



Publicado por Tovi às 18:21
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 5 de Agosto de 2017
Autárquicas no Porto – Bloco de Esquerda

5Ago2017 aa.jpg

E eu ralado



Publicado por Tovi às 17:05
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 3 de Agosto de 2017
Um acto de CIDADANIA

3Ago2017 ac.jpg

O movimento independente de Rui Moreira formalizou hoje, quinta-feira, dia 3 de Agosto, as candidaturas à Câmara do Porto, à Assembleia Municipal do Porto e a todas as Assembleias de Freguesia da cidade, com a entrega das listas de mais de 320 candidatos e mais de 20 mil assinaturas no Juízo Local Cível do Porto, Palácio da Justiça.



Publicado por Tovi às 14:29
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 2 de Agosto de 2017
Em Autárquicas há sempre uns pára-quedistas

 ParaquedistasEleicoes.jpg

Sabem quem é Jorge Feio?... Ouvi dizer que se vai candidatar à Câmara Municipal do Porto… Irá “dependurado” em que partido?... É que INDEPENDENTE cá pela Mui Nobre, sempre Leal e Invicta Cidade do Porto só conheço um, Rui Moreira e mais nenhum.

 

   Comentários no Facebook

«Manuel Carvalho» - A ser verdade, duvido que oficialmente vá "pendurado" em algum partido. Pode é estar ao serviço de algum, mas não oficialmente, apenas com o intuito de "dividir para reinar".

«Jose Riobom» - ...eh pá... não sei... só conheço o José Feio... dizem por aí que sou eu... e se calhar por causa do meu slogan "Partido há só um.. o meu... e mais nenhum" poderão ter confundido o José com Jorge ... quem sabe ? [Emoji wink;-)]

«David Ribeiro» - Não será do MRPP?... É que esta malta costuma ir a todas.



Publicado por Tovi às 15:00
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 1 de Agosto de 2017
Autárquicas no Porto – Eurosondagem Jul2017

Autárquicas Jul2017.jpg

 Rui Moreira a caminha da maioria absoluta.
 Partido Socialista mantém praticamente os valores de 2013.
 PSD em queda abruta.
 Comunistas sobem um poucochinho.
 Bloquistas na mesma… mas assim não chegam a eleger um único vereador.

Eu sei que sondagens são sondagens e que importante é o papelinho “botado” na caixinha, mas como não temos o dão da adivinhação, ficamo-nos pelas sondagens.



Publicado por Tovi às 11:52
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 30 de Julho de 2017
Um Porto moderno e para todos

Não estou praticamente em nada de acordo com o que Correia Fernandes nos diz nesta sua entrevista ao Público, mas discutir uma eventual “intensificação do nível dos índices de construção” na Cidade Invicta é importante e necessário. Deixemo-nos de merdices e vamos lá comparar o que cada uma das candidaturas nos apresentam tendo em vista (re)construir um Porto moderno e para todos.

29Jul2017 aa.jpg

   Ver aqui a entrevista.

 

   Comentários no Facebook

«Cristina Vasconcelos Porto» - Aqui concordo com o Arqº Correia Fernandes!

«David Ribeiro» - Em certas zonas da cidade e desde que a construção em altura preveja generosas áreas públicas envolventes, não vejo problema nesta opção. Mas para já, e até porque não sou de forma alguma um especialista na matéria, prefiro aguardar a opinião de muita e boa gente que sabe disto muito mais do que eu.

«Nuno Antunes» - Em todas as estações de metro propor a construção de torres de andares com 30 andares

«Carlos Jorge Pereira» - Anexar os concelhos vizinhos talvez resolva o roblema. Já que é mau contruir para cima.

«João Cardoso» - Essa tentativa já aconteceu e a resposta é conhecida.

«Gloria Gonçalves» - Índice de Construção (IC) - quociente entre a área bruta de construção e a área da zona definida em Plano Municipal de Ordenamento do Território ou a área do prédio sujeito a operação de loteamento, no caso do Índice de Construção bruto, ou a área da parcela ou do lote, no caso do Índice de Construção líquido. ver também IC em http://balcaovirtual.cm-porto.pt/.../Docu.../Regulamento.pdf. Quer se queira ou não o IC tem a ver com a área construída, ou seja, com os edificios. No artigo do publico, chama ao IC "coisa mais importante do PDM", por isso, não acrescenta nada o sr Professor Arq. Já nem aos animais se pode chamar "coisa".

«Rui Moreira» - Não me pronuncio sobre questões de amnésia. Mas não deixo de lembrar que já houve aumento dos índices. Não se trata de uma medida generalista, claro. Querem um exemplo? O novo Bairro de Raínha D Leonor.

«Pedro Aroso» - É uma questão delicada que merece um amplo debate. No primeiro mandato do Rui Rio, o então vereador do Urbanismo Ricardo Figueiredo impôs índices que o Nuno Portas classificou de anorécticos. Se esses ainda se mantêm em vigor, faz todo o sentido revê-los.

«Rui Moreira» - Pedro vê as nossas propostas. Acho que concordas.

«Antero Filgueiras» - Será que Rui Moreira desenterrou os projectos que o "interino presidente" Nuno Cardoso tinha para o Porto?! Cardoso sonhava transformar o Porto (parte dele) numa réplica de Nova Iorque. E porque não debater o assunto?!

«Rui Moreira» - Antero Felgueiras: não desenterrei nada. Tenho uma política clara para a cidade. Dei-a a conhecer. Está em discussão nestas eleições

«Antero Filgueiras»Como sabe não sou Felgueiras mas sim FILGUEIRAS, que é um sobrenome substancialmente bem diferente. Mentas qual seria o problema?! Se as propostas eram boas sempre podem ser recuperadas e melhoradas. Contudo permita-me: quando o PORTO for algo similar a Munique...pode crer que está no bom caminho.

«Rui Moreira»Antero Filgueiras:desculpe ter adulterado o seu nome que conheço bem, culpa do corrector. O Porto é o Porto, nem Munique nem NY. Não me recordo do Nuno Cardoso propor isso.

«Rui Ávila»Prefiro que a regulação se faça pelos alinhamentos, cérceas, colmatações e índices de ocupação do solo e menos pelo índice de construção que é sempre uma invenção com pouco racional. Recordo-me que Nuno Cardoso queria densificar a Boavista, o que me pareceu bem - fazer ali a cidade densa de serviços.

«TóMané Alves da Silva»Mas a regulação faz-se já (e sempre se fez) por todos esses fatores! O IC é apenas um deles.

«Mario Ferreira Dos Reis»Com a melhor escola de arquitectura do Mundo e arredores não nos faltam especialistas com provas dadas, com uma das melhores empresas de paisagismo do país também no Burgo não nos faltam recursos técnicos para revolucionarmos o viver no Porto do Futuro... só falta espaço e concursos de ideias para soltar o imaginário Portuense. Se lerem o programa do Rui Moreira está bem explícita e claro o conjunto de intenções. Mas meninos e meninas as primeiras pedras já foram testadas nestes 3 e pico anos. Readaptar uma cidade e planear mais fazer, dura tempo e muito trabalho não peçam numeros e soluções imediatas, género pílula do dia seguinte ou espuma expansível de poliuretano.... ou a tristemente Capital dos Remendos que foi feita pelo engenheiro das águas... De Roma a Pavia não se fez num dia... Uma cidade é um conjunto e este olhar organizado e polifacetado de ver do Rui só pode trazer para a cidade uma coisa Progresso sustentado com coesão social para os Portuenses e para todos aqueles que vamos acolher e que vão escolher ser Portuenses. Alguns dos predios mais altos do Porto têm enquadramentos agradaveis. Se virem o nosso Skyline é coeso e não acho que aqui ou acolá não possam existir volumetrias mais ousadas e enquadradas ao nosso Porto.

«Rodrigues Pereira»Voltamos à à "vaca fria" , tão típica da veneranda Escola de Arquitectura do Porto ! Tudo aquilo que seja construir em altura , é mau !!! Ora como tenho "andado por aí", remeto o Senhor Professor Arquitecto para - por exemplo - Singapura. Tomáramos nós ter - em zonas fora do necessário limite da Zona Histórica - muitos arranha-céus (com os respectivos serviços agregados) , à semelhança daquilo que existe naquela cidade-estado. Mas não : O que temos são os inevitáveis prédios de 4 + 1 andares, de fachada pindérica e mais cedo do que tarde com transformação das também pindéricas varandas em não menos pindericas "marquises" ! Quanto ao "desenho" dos mesmos, vemos verdadeiras "avantesmas" como as que foram sendo construídas no lado sul da Avenida da Boavista, que mais parecem enormes caixas de fósforos ... Isto dito - e em havendo mundo - qual será o problema de construirmos "verdadeiramente" em altura, em zonas como Paranhos, Campanhã e até Ramalde ??? O "Less is more" não se aplica a tudo : nem à qualidade de vida, nem à estética e - muito menos - à necessidade....

«Mario Ferreira Dos Reis»Da veneranda nasceu o Foco Julio Diniz e a Cooperativa dos Pedreiros mais todos os 10 para 20 de sucesso do Porto ... e alguns de outras urbes

«Rodrigues Pereira»Achas que não sei, Mário ? Mas depois estagnaram ... Baixinho é que é bonito

«Mario Ferreira Dos Reis» - Agora tem sobretudo a ver com quem queres dentro dos mesmos e se for para construçoes mal isoladas entao ... O insucesso do viver ao alto no Porto para alguns incultos é muito grave.

«Rodrigues Pereira» - Mario Ferreira Dos Reis : A qualidade da nossa construção é péssima !!! Mas com isso, os Senhores Professores Doutores Arquitectos não costumam preocupar-se ! Como é que é possível ver coisas com "assinatura" com fendas nas fachadas após 2 ou 3 anos ???

«Mario Ferreira Dos Reis» - Rodrigues Pereira sao os predios Alfa Romeu... muito bonitos ... mas

«David Ribeiro»Tenho Correia Fernandes como bom arquitecto e grande conhecedor da realidade urbanística da cidade do Porto, mas quando “a voz do dono” (leia-se: a vontade do Largo do Rato) se impõe, é uma chatice.

«Nuno Cardoso» - O que mais me preocupa numa alteração dos índices urbanísticos é saber de que forma eles vão diferenciar o valor dos terrenos dando mais valor a uns que a outros e como se pode e deve garantir a equidade de valor. Sou de opinião que deve haver um índice de construção bruto igual em todo o território do município do Porto, e , se o zonamento permitir mais construção o promotor deve "adquirir" terreno correspondente à harmonização do IC. Era importante, assim, desenvolver uma periequação à escala de todo o município para que se garanta uma igualdade de tratamento das capacidades construtivas. Uma certa densificação nas zonas de influência das estações do metro faz sentido para exatamente tirar proveito dessa optima infraestrutura de mobilidade, esse aumento de capacidade pode ser compensado com terrenos a oferecer à Cidade para equipamentos públicos (para por exemplo construir o Parque Oriental)



Publicado por Tovi às 08:49
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 27 de Julho de 2017
Habitação para a classe média no Porto

26Jul2017 aa.jpg

Na tarde de ontem Rui Moreira, candidato a um segundo mandato na presidência da Câmara do Porto, anunciou que vai solicitar ao Governo a redução do IVA de 23% para 6% na oferta de casas com rendas controladas para a classe média, com o fim do município poder colmatar essa "falha" de oferta no mercado imobiliário. Como todos sabemos há “uma classe média que trabalha, que vive no Porto, que (...) não encontra habitação a preços comportáveis”. E é a pensar nesta franja da população que se tenta encontrar novas fontes de receita pública, além da já anunciada taxa turística, que poderá gerar proventos anuais entre os sete e os dez milhões de euros.

   Ver notícia do jornal Público aqui.

 

  Comentários no Facebook

«António Magalhães» - experimente baixar o IMI...

«João Simões» - Porque não baixa o candidato Moreira o imi na CMP? Se diz que tem boas contas de que espera? O Pizarro já avançou com essa proposta que foi prontamente chumbada pelo movimento dos "independentes". Acordaram agora para a problemática da classe média?

«Antonio Pereira» - O Rui que faça habitação social o resto é treta

«Rui Moreira» - Durante este mandato baixámos o IMI de 0,40 para 0,324. Além disso, propusemos um conjunto de isenções. Baixar mais o IMI de forma cega ( para o mínimo de 0,30) não fomenta a habitação da classe média. Representa 3mIlhoes de euros, em vez do regime de isenções selectivas que custa 1M e liberta pois 2M para uma política de incentivo. Reduzir o IMI para o mínimo corta despesa a quem menos necessita. Ex: grandes hotéis ... a redução que propomos é selectiva.

«António Magalhães» - Fomentar a habitação para a classe média poderia passar por uma outra politica de estacionamento pago, por exemplo, quando os pais levam os filhos a brincar no parque do Covelo...

«João Simões» - Pois para a CMP os outros é que tem de resolver os problemas do nosso Porto. Que dirá o presidente de câmara da guarda desta proposta do movimento dos "independentes"?

«António Magalhães» - Oh Sr. Presidente… Quanto é que representa o IMI em termos percentuais os "grandes hoteis"?

«Rui Moreira» - António Magalhaes o estacionamento ao fim de semana é gratuito. É ao fim de semana que a 'classe média' frequenta o Covelo. Nos dias de semana, se o estacionamento fosse gratuito, seria ocupado por outros, que não os que lá vão com os filhos. Quanto ao IMI sabe muito bem o que eu estou a dizer. E nem respondo a quem acha que o estado central deve anunciar medidas para a habitação mas não deve contribuir para esse esforço porque há coisas que nem merecem resposta, sob pena de ter de explicar porque razão 2 + 2 são quatro.

«Rui Ávila» - O IVA na construção já tem a taxa reduzida de 6% nas obras de reabilitação urbana. Não entendo a proposta: o arrendamento de habitação está isento de IVA. O custo suportado pelos promotores já beneficia da taxa reduzida nas obras de reabilitação.

«David Ribeiro» - O que se pretende, julgo eu, é uma redução do IVA em construção de raiz com preços controlados de aluguer para a classe média.



Publicado por Tovi às 15:00
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 23 de Julho de 2017
Aquilo anda mal por Aldoar

Aldoar 23Jul2017.jpg

   Comentários no Facebook

«Manuel Carvalho»Não se preocupe David Ribeiro, daqui a pouco o João Simões vem explicar tudo com a lógica e a prosa que lhe reconhecemos o valor.

«Cecilia Santos» - ...por Aldoar e não só!



Publicado por Tovi às 21:35
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 21 de Julho de 2017
A estratégia de “Cavalo de Tróia” de Manuel Pizarro

cavalo-png_png.jpgA última secção da Assembleia Municipal do Porto, na passada Quarta-feira, veio demonstrar que a estratégia de “Cavalo de Tróia” do socialista Manuel Pizarro tinha unicamente como fim conseguir lugares destacados na lista de Rui Moreira para o executivo camarário nas próximas Autárquicas e nunca ser minimamente coerente com o acordo que tinha feito para o governo da Cidade Invicta. O voto contra de Pizarro à criação da empresa municipal de cultura - Porto Cultura – não surtiu efeito, pois nem todos os deputados socialistas disseram “sim” à atitude política do líder da distrital do PS-Porto, viabilizando assim aquilo que é fundamental para a Cultura da nossa cidade. A proximidade do dia de “meter o papelinho na caixinha” não pode desculpar nada e não se esqueçam os militantes socialistas que os portuenses já noutras alturas souberam responder a todo o tipo de traições à Cidade Invicta.



Publicado por Tovi às 15:31
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 9 de Julho de 2017
A Regionalização… segundo o PSD-Porto

8Jul2017 ab.jpg

Ainda não é a Regionalização que eu ambiciono, mas gostei de ver estas “prioridades absolutas” no projecto do PSD portuense para as Autárquicas2017. Álvaro Almeida, candidato do PSD à presidência da Câmara do Porto, afirma (pag. 5 do “Porto Autêntico” – Jun2017): “…sou um acérrimo defensor da regionalização” (…) “É preciso que a região tenha um poder político efetivo que complete o poder municipal”.

 

   Comentários no Facebook

«Mafalda Macedo Pinto» - Sempre que há eleições todos os partidos se preocupam com a regionalização. A mim já nAo me enganam .....

«David Ribeiro» - Pois é… qualquer dia não há ninguém contra a Regionalização e continuamos no entanto sem a ver implementada.

«Jota Caeiro» - texto demasiado 'político' e muito pouco ambicioso. o Porto já é o Farol do Norte desde a sua fundação como 'urbe portuária' fenícia, tal como Tui o era dos gregos... já é uma referência do noroeste peninsular desde que a empresa espanhola que tomou a seu encargo a exploração do porto de Leixões baixou os preços, tornando-os competitivos em relação ao porto de Vigo e aos congéneres biscaínhos. é um capricho desejar 'liderar' toda a região Norte da forma que estes senhores políticos sempre fizeram: vista grossa e agremiação no Porto dos interesses sujos dos 'sabujos agremiados' em torno dos interesses das suas sedes na capital suja. não queremos no Porto porta-vozes nem marionetas da trampa que advém do criminoso poder central. as referências a cada uma das alíneas (e aí faço jus com a Mafalda Macedo Pinto) corresponde uma mentira repetida sempre que existem eleições... não nos vamos deixar enganar David Ribeiro! [Emoji smile:)]

«David Ribeiro» - Não sou fácil de enganar (nesta matéria)... mas gosto de ver estas coisas escarrapachadas nos programas eleitorais.

«Jota Caeiro» - passa a constituir então probo preciso para que lhes chamemos aldrabões, por incumprimento... [Emoji smile]

«David Ribeiro» - Sim… e este post mais os comentários sábios das minhas amigas e dos meus amigos, vão aqui ficar para memória futura… e cá estaremos para cobrar ao PSD-Porto quando estas coisas forem (serão?...) discutidas nos locais próprios.

«Alberto Araújo Lima» - O PSD do Porto defende a devolução de competências pelo Estado Central aos municípios. E, no Porto, com a atual massa critica das novas freguesias, a mesma atitude solidária pelo Município. Não delegação de competências, devolução pura (tanto na despesa como na receita). Do ponto de vista pessoal, a regionalização - mal menor - não é a melhor solução para descentralizar efetivamente.

«David Ribeiro» - Se bem entendo o Alberto Araújo Lima prefere a municipalização do Estado, não é verdade?

«Alberto Araújo Lima» - Acredito mais na localização de várias competências do estado central que deve ser urgentemente esvaziado. Por exemplo não acredito na mínima utilidade para o cidadão de um mega ministério da educação como os que temos.

«Gonçalo Graça Moura» - E em termos de taxas e taxinhas?

«Alberto Araújo Lima» - Cito o meu candidato que coloca 3 condições: “Admito uma taxa turística com 3 condições: gerar receita significativa, não pôr em causa a atratividade do Porto e reduzir a carga fiscal”. Mais uma vez, uma questão que podia ser resolvida pela devolução. De parte do IVA neste caso.

«Gonçalo Graça Moura»Só o facto de admitir mais uma taxa, a mim afasta-me!



Publicado por Tovi às 09:15
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 6 de Julho de 2017
Inauguração da Sede de Campanha de Rui Moreira

6Jul2017 ab.jpg

Hoje ao fim da tarde, na Avenida dos Aliados, foi inaugurada a sede de campanha do movimento O Nosso Partido é o Porto. Foram oradores desta primeira sessão das Conversas à Moda do Porto José António Salcedo e Luís Reis.

 

  Jose Antonio Salcedo

Aqui estão alguns apontamentos que preparei ao longo dos últimos 3 dias, para facilitar a estruturação das ideias na sessão de hoje. Na sessão não li estes apontamentos, claro, mas segui sensivelmente estas ideias:
Sessão: Porto em Crescimento - Que papel pode ter o Município, enquanto agregador e catalisador, nesse crescimento?
Definindo termos:
– Conhecimento é informação que foi digerida e experienciada por nós e que está dentro da nossa cabeça, pronta a ser utilizada em nosso benefício.
– Inovação é o processo pelo qual produzimos valor (económico, cultural ou social) a partir de conhecimento.
Para criar mais valor:
– Aumentar a produtividade, trabalhando de forma mais eficiente.
– Diminuir os custos de contexto e os entraves burocráticos e administrativos que prejudicam a actividade privada e a vida das pessoas.
– Incorporar mais conhecimento nos produtos e serviços produzidos e vendidos, por exemplo através de uma maior especialização, o que permite aumentar os preços de venda e, portanto, as margens. Com mais conhecimento incorporado, criamos mais valor. Mas isto é inovação.
Inovação – a criação de riqueza a partir de conhecimento – é chave.
Pensar inovação:
– Actuar a nível de cidade-região, por uma questão de escala. É necessário dispor de escala para assegurar diversidade de fontes de conhecimento e de circunstâncias que propiciem inovação.
– Esta diversidade é essencial para permitir (1) iniciativas dos mais variados tipos, independentes entre si, (2) áreas de conhecimento diferentes para atracção e/ou amarração de investimentos e/ou talento estrangeiros, (3) fertilização cruzada para desenvolver projectos multidisciplinares ou de maior dimensão, e (4) resiliência do ecossistema a altos e baixos da economia nacional e internacional.
Como é que se desenvolve inovação a nível da cidade-região do Porto? Como se pode desenvolver gradualmente uma cultura de inovação que faça parte natural das atitudes e dos comportamentos das pessoas e das instituições?
Considero que a melhor forma de o conseguir é estimular o desenvolvimento de um “ecossistema de inovação”.
Um ecossistema de inovação envolve:
⁃ Instituições que produzem conhecimento: Ensino primário, secundário e superior (universidades, escolas superiores e politécnicos) e instituições de I&D.
⁃ Educação tem de ser assumida como estratégica, sobretudo agora que as máquinas começam a aprender por si próprias. Nunca foi tão importante ensinar as pessoas a pensar e a aprender por si, desde muito cedo. Nunca foi tão importante estimular as pessoas a “fazer coisas” a partir do que sabem, para serem autónomas na vida.
⁃ Na Educação, deve-se estimular entrosamento de áreas técnicas com áreas humanistas (artes, cultura...), sobretudo a nível do ensino obrigatório, aproveitando a crescente descentralização educativa. O Município tem aqui uma excelente oportunidade de intervenção.
⁃ As universidades e as instituições de I&D devem prestar atenção acrescida à valorização da propriedade intelectual e à valorização económica do conhecimento, promovendo a criação de startups e o seu financiamento.
⁃ As instituições de ensino vocacional e politécnico devem estar em estreita articulação com empresas locais.
⁃ Empresas, de startups/incubadoras a PME e a grandes empresas.
⁃ Detentores de capital – business angels, family offices, VC... - e entidades do sistema financeiro.
⁃ Entidades culturais: Escolas, oficinas, museus, cinemas, teatros...
Como pode o Município estimular o ecossistema de inovação?
⁃ Assumir conhecimento e inovação como estratégicos para a cidade-região, posicionando o Porto como ‘capital’ de conhecimento e inovação e fazendo o seu marketing local, nacional e internacional.
⁃ Reter e atrair talento, empresas e investimentos
⁃ PortoInvest
⁃ Promover acções que aproximem Academias (geradores de conhecimento), Empresas (geradores de valor) e Capital (viabilizadores de inovação).
⁃ Estimular programas e eventos de interesse comum.
⁃ Facilitar a internacionalização de capacidades locais.
⁃ Liderar através do exemplo em inovação, transferência de tecnologia e sectores relacionados. Implementar acções específicas que estimulem actividades nestas áreas.
⁃ Utilizar e expandir redes de cooperação nacionais e internacionais para reforçar estes sectores de actividade.
⁃ Posicionar o Porto como uma cidade importante numa Nova Europa, uma Europa mais aberta, de culturas melhor compreendidas e mais partilhadas, mais criativa, mais empreendedora e mais unida.

 

   Luís Reis

Este gestor, considerado o número 2 da Sonae, disse hoje na primeira sessão das Conversas à Porto, que serviram de inauguração à sede de campanha de Rui Moreira, que a Região Norte contribui de forma decisiva para o valor acrescentado do país. E acrescentou que quando for reeleito presidente da Câmara do Porto não será apenas “o presidente do Porto, mas sim o presidente do Norte” e que isso “é mais importante do que qualquer outro cargo, como o de presidente da Câmara de Lisboa”.



Publicado por Tovi às 23:41
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Posts recentes

Assembleia Municipal do P...

A noite das Autárquicas20...

Rui Moreira vence as Autá...

Autárquicas no Porto – No...

Autárquicas no Porto – Úl...

Autárquicas no Porto – Ma...

Autárquicas no Porto – Ca...

Manifesto Eleitoral de Ru...

Autárquicas no Porto – Du...

Autárquicas no Porto – O ...

Autárquicas no Porto – De...

Autárquicas no Porto – Ru...

Morreu o Bispo do Porto

Autárquicas no Porto – De...

Autárquicas no Porto – O ...

Autárquicas no Porto – De...

Autárquicas no Porto – Ca...

Marasmo… sabem o que é?

Autárquicas no Porto – Ca...

Autárquicas no Porto – Pa...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus