"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Sábado, 8 de Setembro de 2012
Adega de Pegões Touriga Nacional 2008

Ena pá!... Grande vinho este - Adega de Pegões Touriga Nacional 2008 – que abri hoje ao almoço para acompanhar uma picanha trazida do take-away Papagaio, um simpático restaurante localizado na viela em frente da porta de armas do Quartel do Carmo da GNR, no Porto. Um vinho que no nariz não enganava ninguém quanto à casta, mesmo a ver-se a léguas que era um Touriga Nacional, e que na boca estava correcto quanto a acidez e corpo, taninos suaves e um final de boca a fazer inveja a muitos “top ten” da enologia nacional.


«António Henrique Teixeira» in Facebook >> Ora vamos lá experimentar. E já agora uma sugestão para estes dias quentes (duvido que não conheças): o Branco de Palmela da Ermelinda Freitas. Quanto a brancos, este e o Grande reserva da Adega de Vila Real, estão mesmo no topo. Uma agradável confirmação: o branco  Tons de Duorum.

«David Ribeiro» in Facebook >> Sem dúvida que os brancos da Ermelinda Freitas, especialmente os feitos com uvas das castas Chardonay, Arinto e Fernão Pires, são magníficos, seja para os dias quentes seja para qualquer dia do ano. Sobre os "Tons de Duorum" ainda não tenho uma opinião feita... vamos fazer mais umas provas e depois diremos o que nos pareceu.



Publicado por Tovi às 16:37
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 9 de Junho de 2010
Fonte do Nico Branco 2009

Foi este o primeiro bag-in-box a entrar cá em casa – Fonte do Nico Branco 2009 – um Vinho Regional Península de Setúbal feito pela Cooperativa Agrícola de St. Isidro de Pegões com as castas Fernão Pires (na Bairrada conhecida como Maria Gomes) e Moscatel, cultivadas no clima mediterrânico e nos solos arenosos da zona de influência desta cooperativa. Comprei esta embalagem de 3 litros (selo da CVRPS: FB-01388345) no supermercado Continente de Matosinhos por 5,58€ o que faz deste branco um vinho de qualidade a bom preço.

Notas de prova: Sobressai no aroma a casta Moscatel, mas o conjunto é elegante; Um branco fino, com boa acidez e frescura; Um bom vinho.


«José Eduardo Regalado» in Facebook >> Ó Tovi explica-me por favor: como é que suportas essas embalagens de vinho e não suportas as garrafas que não têm rolha de cortiça? Não há por aí uma contradição?

«David Ribeiro» in Facebook >> Eu não sou um grande adepto do bag-in-box... estou a fazer algumas experiências, porque o sistema de vácuo em que o vinho está neste tipo de embalagem me parece melhor que vidro com vedante sintético... mas é como te digo, ainda não tenho uma opinião perfeitamente formada.

«José Paulino Ferreira» in Facebook >> Caro David, em primeiro lugar, desejo-te um bom 10 de Junho paa ti e a tua família, celebrado com um bom vinho e uma deliciosa refeição. Sobre o assunto das embalagens de vácuo, concordo que conservam o vinho com melhor qualidade do que as garrafas vedadas com rolhas plásticas, de borracha, de aglomerados de cortiça, ou rolhas de muito má qualidade... Uma boa rolha é cara e há tendência para usar a borracha, especialmente no Chile e California. Vinho com rolha de borracha não presta. Infelizmente em Portugal, optaram por usar os pacotes tipo leite ou as bolsas de alumínio e plástico em box para os vinhos mais baratos o que acabou por criar a ideia de que qualquer vinho numa box é mau. Resultado, queimaram à partida uma boa ideia para embalar de forma mais barata e com qualidade de conservação, o que consequentemente, poupando na embalagem, permitiria melhores preços para bons vinhos e uma forma de embalagem mais ecolócgica por se desmontar e ser mais fácil de reciclar. Claro que vinhos nobres daqueles que eu gosto mas a minha carteira odeia pagar, merecem uma rolha de alta qualidade, mas essas rolhas já são cada vez mais raras.


«mlpaiva» in RevistaDeVinhos >> Acho que é um sector de mercado muito mal explorado. Não há, em meu entender, ainda uma adesão forte porque os produtores têm receio de colocar vinhos de qualidade superior à média - a essa média (acho que dá para entender o que quero dizer), nesse formato. Claro que em franjas largas da restauração, a qualidade habitual é perfeita para o vinho a copo ou ao jarro (com a inerente e imprescindível maaaaargem). Mas para consumo caseiro de muitos "apreciadores exigentes", comme on dit, a oferta é muito limitada. Pelo que a cena de beber 1/4 ou 1/3 de garrafa por refeição, arrolhar, guardar, oxidar, etc... continua a ser cansativa... e cara... PS: E a mulher a dizer que o que mais a irrita é ter que deitar garrafas para o lixo todos os dias. Claro que um caixote bem dobrado, e só de vez em quando, não dá tanto nas vistas...

«Tovi» in RevistaDeVinhos >> Mas a minha mulher ralha-me por lhe ocupar muito espaço no frigorífico.

«mlpaiva» in RevistaDeVinhos >> Olha lá, se o teu BIB tivesse 534 litros, também o guardavas no frigorífico?

«Tovi» in RevistaDeVinhos >> Lá estás tu com os mesmos argumentos que ela...

«mlpaiva» in RevistaDeVinhos >> Em minha casa, tenho um frigorífico só para as bebidas. Ninguém chateia ninguém... excepto quando... põem bebidas no outro... ou se esquecem de repor o stock...

«Tovi» in RevistaDeVinhos >> Já pensei comprar um frigobar... mas a minha mulher disse logo: "Não me digas que o vais colocar debaixo da cama".

«mlpaiva» in RevistaDeVinhos >> Poix! É um contratempo habitual para quem gosta de morar em cidades...



Publicado por Tovi às 08:00
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 17 de Janeiro de 2009
Codornizes fritas

Cá em casa ninguém come aves de dimensões inferiores a frango, excepto eu que adoro codornizes. E foi o meu almoço de hoje – Codornizes Fritas – compradas na Capoeira Central do Carvalhido, um dos meus “take away” preferidos, não só porque é mesmo aqui à porta de casa, mas também porque tem um serviço simples mas esmerado.

Acompanhei este pitéu com umas batatas fritas “de pacote” e um Foral da Vila Rosé 2007, um "DOC Douro" feito pela Adega Cooperativa de Favaios CRL com uvas das castas Touriga Franca, Tinta Barroca e Tinto Cão.

Não foi nada de sofisticado este meu almoço, mas a verdade é que me soube bem.

Já agora: No fim da refeição não bebi um “Porto”, ao contrário do que é o meu hábito, mas sim um Bacalhôa Moscatel de Setúbal 2001, um vinho generoso "DOC Setúbal" produzido unicamente com uvas especialmente seleccionadas de "Moscatel de Setúbal" e envelhecido em barricas de carvalho durante um período mínimo de 3 anos.

 

«Max» / ViriatoWeb ► Ora aí está algo pelo qual nunca fui entusiasta! Antigamente ainda se via por aqui à venda... Agora não tenho visto. Será por ser distraído ou por ser mais típico para os lado do Norte? Mas a Bacalhôa Moscatel de Setúbal 2001 não me escapava!

«XôZé» / ViriatoWeb ► Uiii!!! Já somos dois se bem que eu nunca tenha provado. Acho que as africanas são muito boas mas há quem gabe também a qualidade das do Brasil. Não poderiam ter atrasado o 25 do A um ano ou dois?..

«Tovi» / ViriatoWeb ► "...as africanas são muito boas mas há quem gabe também a qualidade das do Brasil" - Está cá a parecer-me que hoje a tua libido sentiendi está em alta.




Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Julho 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Posts recentes

Boavista 3 - 1 Vitória de...

Tondela 1 – 1 Boavista

Vitória de Setúbal 1 – 0 ...

Boavista 4 – 0 Setúbal

Vitória de Setúbal 1 – 1 ...

Vitória de Setúbal 0 - 1 ...

Boavista 1 – 0 Setúbal

Boavista 4 – 0 Vitória de...

Vitória de Setúbal 2 – 2 ...

Boavista 0 - 0 Setúbal

Setúbal 3 – 0 Boavista

Setúbal 0 – 1 Boavista

Vinha do Rosário Tinto 20...

Moscatel de Setúbal Venân...

Morreu Ermelinda Freitas

Adega de Pegões Touriga N...

Fonte do Nico Branco 2009

Codornizes fritas

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus