"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."
Quarta-feira, 16 de Março de 2022
Como as táticas da Rússia estão evoluindo na Ucrânia

  by Alex Gatopoulos / Al Jazeera – 15mar2022
Captura de ecrã 2022-03-15 235056.jpg
Na última semana, houve uma mudança marcante nas táticas dos militares russos à medida que o objetivo da guerra na Ucrânia se ampliou. Armas avançadas, especialmente sistemas de defesa antitanque e antiaéreos portáteis, bem como armas pequenas e munições, estão chegando à Ucrânia. Estas tiveram um impacto significativo no campo de batalha, já que tanques russos, veículos blindados, camiões de suprimentos e helicópteros foram repetidamente alvejados e destruídos. Esses ataques ajudaram a retardar o avanço da Rússia, que continua a progredir no país por três direções – do norte em direção à capital Kiev; do leste com foco em sitiar Kharkiv e Mariupol; e do sul, onde unidades russas, tendo tomado Kherson, cruzaram o rio Dnieper em dois lugares e agora avançam por ambos os lados, além de pressionar a cidade de Mykolaiv e as defesas ucranianas perto da cidade de Zaporizhzhia. Unidades russas consolidaram o controle sobre Mariupol, tomando cidades vizinhas e ampliando o corredor que liga a Crimeia a Donetsk. Apenas uma pequena faixa de litoral, centrada em torno da cidade portuária de Odesa, está agora sob controle ucraniano.
Combatentes estrangeiros e problemas russos - Não são apenas as armas que estão inundando a Ucrânia. Voluntários estão entrando no país por todos os meios que podem para lutar. Mais de 60.000 ucranianos de sua diáspora retornaram ao país e agora estão engajados na luta contra a Rússia, de acordo com o ministro da Defesa da Ucrânia, Oleksii Reznikov. Combatentes estrangeiros também estão abrindo caminho, impulsionados por uma variedade de ideologias e razões, com a Ucrânia dizendo que 20.000 pessoas se inscreveram para se juntar à legião internacional criada em resposta à invasão russa. A Rússia anunciou que também receberá combatentes estrangeiros, principalmente sírios com experiência em combate urbano, em um esforço para reforçar suas forças armadas, que até agora tiveram um desempenho ruim. Esta é uma das grandes surpresas da guerra até agora: que os militares da Rússia com seu “novo” exército profissional mal alcançaram qualquer um de seus objetivos estratégicos e, em termos de poder de combate aplicado, logística, comando e controle e moral geral e foco, teve um desempenho inferior em toda a linha. As comunicações militares têm sido tão ruins que os generais russos tiveram que se aproximar muito das linhas de frente para exercer algum controle sobre a situação tática. Até agora, três generais foram mortos na guerra, um número quase sem precedentes em qualquer conflito moderno. Em alguns lugares, as comunicações contaram com redes civis normais não criptografadas, permitindo que os militares e a inteligência ucranianos intercetassem o tráfego de comunicações militares russos.
A guerra move-se para o oeste - A Rússia finalmente aceitou o facto de que esse vasto influxo de armamento e mão de obra está a afetar as suas forças armadas e agora tomou medidas para interromper o fluxo. As bases aéreas ucranianas em Ivano-Frankivsk e Lutsk, no oeste do país, foram atacadas e severamente danificadas num esforço para degradar a Força Aérea da Ucrânia, um movimento que poderia ter sido esperado nas primeiras horas da invasão, mas que chegou quase três semanas atrasado. Uma base ucraniana em Yavoriv, ​​perto da fronteira polaca, que é usada para treinar combatentes estrangeiros, foi destruída por ataques de mísseis enquanto a Rússia tentava interditar o fluxo de homens e material que atravessava a fronteira. A Rússia claramente desviou a sua atenção dos campos de batalha imediatos no leste para o oeste relativamente ileso da Ucrânia. Depois que o Kremlin ameaçou atacar carregamentos de armas ocidentais para a Ucrânia, a NATO alertou que eles seriam defendidos se fossem atacados além das fronteiras da Ucrânia. Este é agora um ponto de inflamação potencial que pode atrair a NATO para um conflito mais amplo, já que a Rússia está desesperada para impedir que as armas fluam para o leste para as forças armadas da Ucrânia. Uma guerra geral na região, envolvendo potências nucleares é o que todos os lados estão tentando evitar, pois os resultados seriam catastróficos para a Ucrânia, Rússia, Europa Oriental e além.
Civis como armas - As táticas da Rússia endureceram à medida que hospitais e outras infraestruturas civis foram repetidamente atingidos por ataques aéreos e bombas de artilharia. As coordenadas desses hospitais são conhecidas pelos planeadores militares russos, os prédios são grandes e facilmente identificados do ar. Um ou dois ataques podem ser um erro, uma das terríveis realidades da guerra, mas nada mais do que isso mostra uma estratégia deliberada para tornar a vida insuportável para os civis locais que então fugirão para áreas desocupadas, sobrecarregando rapidamente os escassos recursos das povoações e cidades próximas à linha de frente. Estas táticas foram vistas em Mariupol, Kharkiv e provavelmente serão aplicadas na capital Kiev e em Odesa, enquanto a Rússia se concentra no próximo estágio do conflito.
O norte – Kiev e o comboio - A capital ucraniana tem sido um objetivo estratégico russo desde o início da guerra. Um enorme comboio, composto por centenas de veículos, tanques, artilharia, veículos blindados e camiões de suprimentos avançou em direção a Kiev, apenas para parar a cerca de 25 km da cidade, dentro do alcance da artilharia ucraniana. Lá ficou, um alvo potencial com cerca de 64 km (40 milhas) de comprimento, imóvel numa única estrada por 10 dias. É um dos grandes mistérios da guerra até agora. Por que os russos avançaram tão perto e depois pararam? E por que o comboio não se espalhou pelo menos para se proteger? Houve relatos de que o chefe do comboio foi atacado, de modo que seu avanço parou; que os russos ficaram sem combustível, ou menos provável, que os pneus chineses baratos usados ​​pelos russos não aguentaram as estradas irregulares e estouraram. Mas há uma segunda parte nesse mistério: por que a artilharia ucraniana de longo alcance não destruiu pelo menos parte do comboio? No início da guerra, os militares ucranianos tinham 354 lançadores de foguetes múltiplos (MRLs), incluindo mais de 80 dos MRLs guiados com precisão Alder feitos localmente que, com um alcance de 70 km, poderiam facilmente atingir todo o comboio. Mas isso não aconteceu. O facto da Ucrânia não ter atacado um alvo virtualmente estacionário tão óbvio confundiu os observadores externos, mas a explicação mais comum entre os ucranianos é que eles não queriam escalar o conflito infligindo um grande número de baixas russas. A oportunidade de destruir o comboio passou, pois se dispersou e agora faz parte do esforço russo para tomar a cidade. As cidades periféricas foram fortemente bombardeadas e a própria Kiev foi atingida várias vezes, com a frequência de ataques aumentando a cada dia, à medida que a capital se prepara para um ataque terrestre de tropas e blindados russos.
O sul – Mariupol e Odesa - Como a Rússia se concentra em sitiar cidades, a frente sul é onde tem tido mais sucesso. A maior parte do litoral está agora nas mãos dos russos. A cidade de Mariupol é o único obstáculo para a Rússia ligar a Península da Criméia a Donetsk. Testemunha de alguns dos piores combates, a cidade foi amplamente danificada com bairros inteiros arrasados ​​pela artilharia russa e ataques aéreos. Enquanto os ucranianos estão resistindo, o abastecimento está a tornar-se um problema e a situação humanitária está piorando, apesar das sucessivas tentativas de abrir corredores humanitários para que os civis deixem a cidade. Cidades ao norte de Mariupol foram tomadas pela Rússia à medida que o cordão ao redor da cidade sitiada se amplia. Odesa, o maior porto da Ucrânia, está se preparando para um ataque russo. Um antigo destino turístico russo, seu trecho de 40 km de praia e litoral já foi minado, pontos fortes foram construídos por toda a cidade enquanto os militares e voluntários ucranianos se preparam para a batalha urbana que eles temem que esteja chegando. Há relatos de que uma grande frota anfíbia russa está se aproximando de Odesa da Península da Crimeia. Os russos haviam cautelosamente montado um bloqueio distante do porto, até agora evitando um ataque direto à cidade. Se Odesa cair nas mãos dos russos, será um duro golpe para o esforço de guerra da Ucrânia, já que o porto movimenta dois terços de toda a carga que chega por mar. As unidades de infantaria mecanizada russas estão agora avançando lentamente para o norte ao longo de ambos os lados do Dnieper. As cidades estratégicas de Zaporizhzhia e Dnipro transformaram-se em fortalezas à medida que são inundadas por refugiados que fogem dos combates, sobrecarregando ainda mais os recursos já sobrecarregados. Situado na curva do rio Dnieper, que corta a Ucrânia de norte a sul, sua posse é vital para ambos os lados, enquanto as forças russas avançam lentamente para o norte.
Muito foi dito sobre o lento avanço russo, mas apesar dos vigorosos esforços da Ucrânia, eles estão avançando. O cerco às cidades ocidentais da Ucrânia continua. Toda a área ao redor de Kherson está agora sob controle russo e um ataque bem-sucedido a Odesa isolaria a Ucrânia do mar, transformando-a em um país sem litoral, bloqueando a maioria das importações tão necessárias do país. Com tanto em jogo para ambos os lados, o conflito não parece que terminará tão cedo. As baixas devem aumentar acentuadamente, os vizinhos da Ucrânia já estão perto do ponto de saturação à medida que os refugiados continuam a cruzar a fronteira. O perigo de escalada está sempre presente enquanto a Rússia luta para manter sua ofensiva militar na Ucrânia e também seu controle sobre a opinião pública em casa. A sobrevivência política de Vladimir Putin está cada vez mais ligada a um resultado bem-sucedido para a Rússia nesta guerra, o crescente número de mortos e a lentidão de sua acusação o apoiando constantemente em um canto, e os presidentes encurralados são perigosos.
  
Rodrigues Pereira - Continua tudo a ser uma enorme incógnita. Parece que a Rússia conseguiu, finalmente, acertar a pontaria e bombardear 2 aeroportos e a base de treino junto à fronteira da Polónia. Tenho alguma esperança de que as negociações possam aportar alguma razoabilidade, sem interditar o acesso marítimo à Ucrânia (Odessa). Isto dito, creio que a pressão ocidental se poderia traduzir por uma constante visita de líderes da UE a Kiev. Mesmo Putin, não se atreveria a bombardeá-los!!!

 

  Quem controla o quê na Ucrânia (de 6mar para 16mar2022)
De dia 06 para dia 16mar2022.jpg

 


15mar2022.jpg
Apesar do perigo de bombardeamento, os primeiros-ministros da Polónia, Eslovénia e da República Checa viajaram ontem [terça-feira, 15mar2022] até Kiev para uma reunião com o Presidente Volodymyr Zelensky. O objetivo da visita foi reforçar o total apoio do Conselho Europeu à independência da Ucrânia.

 


ref.jpgNas últimas três semanas, Portugal recebeu 10.068 refugiados da Ucrânia. O número quase que iguala o mesmo número de refugiados, de todos os países, que Portugal acolheu desde 2015 (10.927). No ano passado, mais de 27 mil ucranianos viviam em Portugal. Já em 2022, depois da invasão da Rússia à Ucrânia, o número de ucranianos terá disparado para cima dos 37 mil, colocando o país no terceiro mais representado em Portugal em termos de imigrantes.

 

  Da série "Piscar o olho a Putin"
cgtp.jpg

 

  
Financial Times 16mar2022.jpg
O Financial Times, citando três pessoas envolvidas nas negociações, noticia na tarde de hoje (16mar2022) que a Ucrânia e a Rússia chegaram a um “plano de paz provisório assente em 15 pontos. Ambos os países terão chegado a “progressos significativos”, num plano que inclui um cessar-fogo e a retirada da Rússia de território ucraniano, desde que Kiev declare a neutralidade e aceite limitar as suas forças armadas. Apesar disso, fonte do governo russo diz ser ainda muito cedo para comentar o assunto.

 


bolsa-valores-2.jpgBolsa portuguesa valorizou esta quarta-feira, com o PSI-20 a encerrar a sessão em alta de 1,02% nos 5622,30 pontos, com 12 cotadas em alta e sete em baixa, num dia em que os mercados europeus beneficiaram de notícias que dão conta de progressos nas negociações de paz entre a Rússia e a Ucrânia. Paris e Frankfurt encerraram em alta de 3,68% e 3,76%, respetivamente; e o índice pan-europeu Stoxx 600 cresceu 3,07%.



Publicado por Tovi às 07:49
Link do post | Adicionar aos favoritos (1)

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Dezembro 2022
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Posts recentes

Ana Paula Martins vai lid...

Bactéria Xylella Fastidio...

Rússia lança nova vaga de...

A "queda" de Putin... e o...

Grande naufrágio de 1947

Uma prisioneira ou uma mu...

Ainda há tanta janela sem...

Um clima de mal-estar no ...

Se as eleições fossem hoj...

Continuam os problemas na...

Boavista 1 - 0 Vilafranqu...

As modulações da paz na U...

Sondagem de Intercampus.....

Tráfico de seres humanos....

Nove meses de guerra... a...

O maior orçamento de semp...

Estas "brincadeiras" aind...

O meu boicote ao Mundial2...

Discurso de ódio das polí...

Belenenses SAD 2 - 3 Boav...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus