"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."
Terça-feira, 3 de Maio de 2022
Criação de "task force" para Medicina de Guerra

E porque não?... Mais vale prevenir do que remediar.

  CNN Portugal - 23abr2022
1024.jpg
Ordem dos Médicos apela à criação de task force para medicina de guerra (e esclarece a questão dos comprimidos de iodo)
Bastonário defende que esta nova task force tem de estar ligada à segurança nacional. Para Miguel Guimarães, trata-se de "um debate importante e que tem de ser feito no país". Há uma guerra em curso a centenas de quilómetros e ainda ninguém sabe se é uma guerra que ficará a essa distância ou se será uma guerra que terá a NATO - e consequentemente deixará de haver centenas de quilómetros a separar a paz dos atos bélicos. Mas há uma pergunta que se aplica a esta guerra ou a qualquer outra guerra futura: Portugal é capaz de prestar cuidados médicos a um elevado número de feridos num curto período de tempo? A pandemia da covid, para a qual ninguém estava preparado, deixou uma base nova - a famosa task force. A Ordem dos Médicos defende que essa aprendizagem, que esse mecanismo da task force, deve ser replicado - e já - para que o país seja capaz de responder devidamente às necessidades das vítimas de um conflito armado. "Não estamos preparados, temos de nos preparar", diz à CNN Portugal o bastonário da Ordem dos Médicos.

Logo nos primeiros dias da invasão russa à Ucrânia, a procura por comprimidos de iodo aumentou. Estas pílulas foram vistas por alguns como uma mais-valia para sobreviver a um ataque nuclear - mas será mesmo assim? Miguel Guimarães começa por explicar que "estamos a falar de comprimidos especiais de cloreto de iodo, cuja dose se faz para proteger a tiróide". O bastonário realça que a tiróide é um órgão que mais facilmente retém radiação e que isso pode levar a casos de hipotiroidismo nos casos de exposição. "Para evitar isso, toma-se os tais comprimidos de iodo, que são dois comprimidos doseados a 65 miligramas", explica, lembrando que tal não será suficiente perante um míssil nuclear. "Não é. Não se pode pensar 'como tomei os dois comprimidos, posso andar aí à vontade com a radiação toda no ar', não é assim", alerta o bastonário. O propósito deste tratamento é fazer com que o paciente seja capaz de "resistir mais tempo", impedindo que "a tiróide entre em colapso", porque se tal acontecer o organismo começa a falhar de forma global. Contudo, os dois comprimidos "não evitam os efeitos letais da radiação". "Numa guerra nuclear, a única proteção que as pessoas têm é ficarem fechadas em bunkers à prova de radiação, em abrigos atómicos" - como os que existem destinados a presidentes de alguns países do mundo. 

 

 

  Putin já tem  as forças de dissuasão nuclear da Rússia em alerta
Captura de ecrã 2022-05-03 084930.jpg
Em finais de fevereiro deste ano Putin ordenou que o ministro da Defesa e o chefe das Forças Armadas colocassem as forças de dissuasão nuclear num “regime especial de dever de combate”, numa dramática escalada de tensões com o Ocidente sobre a invasão da Ucrânia por Moscovo. Putin justificou esta sua atitude com as “declarações agressivas” das principais potências da NATO, ao imporem sanções financeiras contundentes contra a Rússia e ele próprio. Os últimos exercícios nucleares ocorreram em 19 de fevereiro, quando Putin realizou grandes exercícios em toda a Rússia para testar o programa nuclear do país e a sua prontidão. O Kremlin disse na altura que testou com sucesso mísseis hipersónicos e de cruzeiro no mar e em alvos terrestres. O presidente bielorrusso Alexander Lukashenko, aliado de Putin, também supervisionou os exercícios militares. Os Estados Unidos responderam ao anúncio de Putin, acusando o líder russo de fabricar ameaças para justificar “mais agressão”.
mapa-armas-nucleares1115d84010692234defaultlarge_1
  
Chico Gouveia - Propaganda. Intimidação. A estratégia de Putin é a intimidação, a mentira, a ameaça, os bombardeamentos sem oposição aérea. De cada vez que Putin ameaça, é sinal de que as coisas não lhe estão a correr bem. E estão a correr muito mal. Externa e, principalmente, internamente. "Putin só mente, é incapaz de cumprir com a sua palavra, e é mestre em intimidar e amedrontar. Quem tiver medo de Putin, perde" - Petro Poroshenko, ex-Presidente da Ucrânia.
David Ribeiro
Óbvio que é "propaganda" e "intimidação", Chico Gouveia... mas já não estou tão certo que "as coisas não lhe estão a correr bem (...) principalmente, internamente". Há seguramente grande contestação ao Kremlin, mas Putin ainda goza de larga popularidade, principalmente na Rússia profunda, ou seja, fora das grandes cidades.
Chico Gouveia
David Ribeiro, exactamente nas zonas mais atrasadas do país. É sempre assim. No dia 24 de Abril de 1974, 90% dos portugueses concordavam com Marcelo Caetano. No dia 25 viu-se. Putin tem as cadeias cheias de oposicionistas, e a forma como está a apertar ferreamente o controle dos cidadãos, é o sinal mais do que evidente que está aflito. Eu acho que esta guerra devia, e podia, ter sido travada logo no início. Mas a Europa e os Aliados ocidentais, não podem continuar a cometer o mesmo erro com Putin: ter medo dele. E muito menos tolerá-lo. Estas ameaças nucleares á Europa são parte da única estratégia que conhece e que usou sempre. E depois, quanto a poderio nuclear, ninguém sabe ao certo como está o mundo. Mas uma coisa sei que lhe posso garantir: basta a Finlândia para fazer Putin tremer. A Finlândia deve ser o país com melhor estratégia de defesa, e ataque nuclear, do mundo. E veja a dimensão deste país. Isto de nuclear tem muito que se lhe diga, e o que se sabe é quase nada. O poderio nuclear de Putin é com o seu poderoso exército: um bluff. Se a Ucrânia tivesse algum armamento aéreo moderno, já tinha acabado com esta guerra. O problema é que não lho dão. Não querem dar á Ucrânia capacidade ofensiva. Adivinha-se porquê.
David Ribeiro
Estima-se que a Rússia tenha mais do que 144 milhões de habitantes (Moscovo 11,6 milhões; São Petersburgo 4,9 milhões; 10 cidades c/ entre 1 e 1,5 milhão de habitantes; 7 cidades c/ entre 500 mil e 1 milhão de habitantes). E os habitantes (em milhões) nos mais populosos países europeus são: Alemanha 83,2; Turquia 71,5; Reino Unido 61,1; França 59,8; Itália 58,8; Ucrânia 48,4; Espanha 45,1; Polónia 38,6.
Joaquim Barbosa - o que ele vai levar é um balázio valente, antes de ter a veleidade de fazer alguma coisa.
Mário Paiva - Joaquim Barbosa, mas é preciso cuidado, não vão os nossos desejos bater-nos à porta...
Joaquim Barbosa - Mário Paiva precisamente para não bater à porta é que digo isto ou prefere que seja o Putin o primeiro?
Mário Paiva - Joaquim Barbosa, o problema é que por mais que eu prefira, estas coisas não dependem das minhas vontades... de todo o modo - preferência por preferência - depois de ter combatido em 2 guerras, preferia não ter de assistir a mais nenhuma...


DonTexkXoAAi_we.jpgPois é!...



Publicado por Tovi às 07:40
Link do post | Adicionar aos favoritos

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Junho 2022
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Posts recentes

Novo(s) Aeroporto(s) em L...

Já soam os tambores de gu...

Conferência dos Oceanos

Danos colaterais da invas...

123.º dia da invasão da U...

Morte trágica de uma meni...

Adesão da Ucrânia e risco...

Sismo no Afeganistão

O imbróglio das sanções a...

Salvar a Descentralização...

Sérgio Sousa Pinto sobre ...

Best in Show das Exposiçõ...

Exposições Caninas de Lam...

Onde se come bem e barato...

A Índia está a comprar pe...

Ainda vão chamar "putinis...

O 'novo' McDonald’s abriu...

Quem controla o quê na Uc...

Traidor ou herói?... e os...

Vladimir Putin... e o cza...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus