"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."
Domingo, 23 de Outubro de 2016
Mais achas para a fogueira

Rússia frota naval no Mediterrâneo 20Out2016.jpg

Uma frota naval russa composta pelo porta-aviões Admiral Kuznetsov, o cruzador Pyotr Veliky, os navios anti-submarino Severomorsk e Vitse-Admiral Kulakov, acompanhados por vários navios de abastecimento, passou quinta-feira pelo Canal da Mancha com destino ao Mediterrâneo, com o objectivo não só de controlo e reacção a acções de pirataria e terrorismo mas também para garantir a segurança de navegação da Federação Russa. A NATO está a acompanhar o avanço destes navios, colocando em dúvida as intenções de Putin com esta demonstração de força.

 

 Comentários no Facebook

«Carlos Miguel Sousa» >> O Porta Aviões Russo «Almirante Kusnetsov» esteve 25 anos parado no porto de abrigo, é um Porta Aviões a Gasóleo, e completamente desactualizado. Pela frente terá dois Porta Aviões Nucleares Norte Americanos, recentes e equipados com o «state of the art» do mais moderno equipamento militar, que comandam 2 esquadras com outros navios e submarinos. A Força Russa que está a caminho da Síria, não terá mais que 20% da força naval da NATO em presença na zona.

«João Quaresma» >> A maior concentração de navios de guerra na zona foi em 1973, durante a Guerra do Yom Kippur, em que a URSS desceu em força até ao Mediterrâneo e ficou em situação de superioridade em relação aos EUA. Hoje, ninguém está à espera de uma batalha naval entre russos e americanos. A força naval russa é inferior às equivalentes americanas mas para bombardear o EI, ganhar experiência e obter ganhos políticos deverá chegar.

«Antonio Gil» >> China e Rússia apostaram fortemente nos mísseis balísticos que saem baratos na produção e estão-se nas tintas para o aparato de porta-aviões, ou grandes navios. Caricaturando: se um navio de pesca barato transporta mísseis (de também relativamente barata produção, apesar de serem armas de ponta) podem afundar porta-aviões, para quê fabricar porta-aviões que custam triliões? isso fica pra quem gosta do show-off hollywoodesco. Esta filosofia mostra também claramente quem está na ofensiva e quem aposta na defensiva e os estrategas militares mais informados - incluindo americanos que questionam o despesismo militar - dizem que está correcta.

«David Ribeiro» >> O Ministério da Defesa português informou que a Marinha e a Força Aérea (uma fragata e um avião P-3) estão a vigiar estes oito navios russos que passam este fim-de-semana ao largo da costa nacional. Embora não devam chegar a entrar em águas territoriais portuguesas (12 milhas náuticas), a verdade é que até o podem fazer ao abrigo do "direito de passagem inofensiva", previsto na Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar.



Publicado por Tovi às 08:48
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Posts recentes

Estreito de Ormuz e a His...

Misteriosos ataques... ou...

Morreu Aureliano Veloso

Uma resposta como manda a...

Morreu Ruben de Carvalho

Uma pedrada no charco

Ganhamos a 1ª edição da L...

Queixomil... em Baião

A final é no domingo

Portugal 3 – 1 Suíça

Operação TEIA… para já fi...

Houve uma avaria... mas j...

Proibição de abate nos ca...

E pronto… instauraram-me ...

Angola… ainda há miséria

Repórter TVI – “O Compadr...

Fim do abate nos canis va...

Aliança

Le Pen na Web Summit ?

ZEP ao Monumento Nacional...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus