"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."
Sábado, 4 de Abril de 2015
Manoel de Oliveira no Panteão?... Não, obrigado

Coração de D Pedro Igreja da Lapa.jpg

Já há quem ande por aí a exigir a ida do corpo de Manoel de Oliveira para o Panteão Nacional, na Igreja de Santa Engrácia, em Lisboa. Não!...não!... e não!... Manoel de Oliveira é nosso, é do Porto e quanto muito, se assim entenderem os seus familiares e os portuenses, os seus restos mortais poderão um dia ir para a IGREJA DA LAPA, o nosso verdadeiro “Panteão do Norte” e onde já se encontra o Coração de D. Pedro.

 

  Correio da Manhã de 5Abr2015

Escreveu Rui Moreira no seu comentário semanal no Correio da Manhã de 5Abr2015: “…Oliveira já está perpetuado na cidade pela sua obra. Embora possa e deva vir a ter tudo isso, não precisará de uma praça, rua, ou estátua (…) não se conhecendo a opinião de Oliveira, e respeitando – qualquer que ela seja – a vontade da sua família, sempre direi que preferiria que ele ficasse sepultado, para sempre, nesta sua cidade que o inspirou, que ele amou e retratou como se fosse a sua Pátria.”



Publicado por Tovi às 08:56
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

3 comentários:
De Carlos Moura a 4 de Abril de 2015 às 17:10
Erro! Manoel de Oliveira não é do Porto, nem do Norte, nem sequer de Portugal, é um homem de dimensão Mundial e portanto é quando muito uma dádiva do Porto ao Mundo.
O Panteão Nacional alberga as personalidades que engrandeceram o país, não de Lisboa, não do Sul, mas de onde quer que tenham vindo. Veja-se o Eusébio nem nascido na então metrópole era.
Pensar que se tem de ter um Panteão do Norte do Sul ou das ilhas é não só amesquinhar o país, mas engajar-se num provincianismo que não assenta bem a Manoel de Oliveira.
Não tenho dúvidas que bem preferiria ter no Porto o seu eterno repouso, mas para mal dele tornou-se num dos egrégios, que tem de assumir o seu lugar entre os seus pares.


De Tovi a 6 de Abril de 2015 às 11:24
Não, caríssimo Carlos Moura, reivindicar um lugar para Manoel de Oliveira num hipotético Panteão do Norte não é “amesquinhar o país” nem “provincianismo” com diz, mas sim uma forma de homenagear e perpetuar a memória de quem se distinguiu na expansão da cultura portuguesa, na criação artística e na defesa dos valores da civilização, em prol da dignificação das gentes e cultura do Norte.


De Carlos Moura a 6 de Abril de 2015 às 14:09
É óbvio que temos visões radicalmente diferentes sobre o assunto. Ao que parece onde eu vejo a projecção do país o amigo vê o Norte, o Sul, as Ilhas, como se não fizéssemos, uns e outros, parte de todo nacional.
Afinal construímos bem ou mal, o país juntos.
Lamento mas não separo assim as nossas gentes


Comentar post

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Posts recentes

Garrafeira do supermercad...

Jeanine Áñez na presidênc...

Continental no Porto... b...

Bolívia... e agora?

El Corte Inglés na Boavis...

O dérbi da Invicta

Queda do Muro de Berlim

Sirvam-se...

Hoje, em Paris

"Bem vindo, puto"... diz ...

Orçamento da Câmara do Po...

Vitória de Setúbal 1 – 0 ...

Escócia a caminho da inde...

Pedro Baptista… A Pele do...

Boavista sem derrotas... ...

"Pão por Deus"... em Port...

Programa do XXII Governo....

Inauguração do Supermerca...

Reabertura do Super Bock ...

Programa do XXII Governo ...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus