"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."
Sexta-feira, 14 de Maio de 2021
Morreu Maria João Abreu
A história é feita por aqueles que nela participam.
Forte abraço, Óscar Branco.


185626411_10219913442409938_8879801494141934643_n.

LEMBRAS-TE MARIA JOÃO?
1980 e picos…5 "cromos", empilhados num Fiat Tipo, partem de férias, rumo a Marrocos.
Alguém tinha convencido o José Raposo que o chá, em Tânger custava mais de 15 contos e o mais natural seria regressarmos tesos mas com meia dúzia de camelos por troca pelas 3 airosas chavalas que nos acompanhavam…
Acabadinhos de entrar em Espanha, a Maria João Abreu, arranca num pranto danado.
-Que se passa João?
Ela nada. Continua a chorar convulsivamente.
Fica um pesado silêncio e um só pensamento…férias estragadas.
Depois de "apertar" com ela, diz-me envergonhada:
-É a primeira vez que venho ao estrangeiro.
Gargalhada geral e lá vamos nós de "vacances". A partir daí foi sempre a descer.
O Zé chateava toda a gente, porque disparava fotografias a torto e a direito e obrigava-nos a ficar em pose, enquanto escrevia num papel o local, dia e hora.
A contabilidade ficou estragada, na fronteira, quando ele resolveu, tirar umas fotos aos soldados marroquinos que espancavam uma mulher, que teve a insensatez de lhes dar apenas uma meia dúzia de moedas para comprar o direito de passar o contrabando comprado em Ceuta.
Óbvio que rolo da máquina ficou na posse do Real Estado de Marrocos.
Depois de o Zé cair em desgraça, chegou a minha vez. A estrada panorâmica para Tânger, que o Guia Michelim me tinha recomendado, tinha desabado no inverno anterior e, pelo olhar acusatório, passei de insigne viajante a insigne-ficante.
Chegado a Tânger fui dormir para o Hotel e os outros vestiram os fatos de banho para ir até à praia.
O Zé regressa eufórico com um jogo de futebol, contra um grupo de marroquinos e marcou golo sobre golo.Pudera! Os tipos quando viram aqueles três biquinis, deixaram-no à solta para apalparem as distintas colegas.
Castigo dos céus, ele apanhou uma diarreia e ficou de "castigo" e explicava a tudo e todos, no seu melhor francês:
-Je "espichê"…
Em Fez, um tipo ameaçou-nos com a reconquista muçulmana mas, quando lhe falei da terrível retaliação com o bombardeamento de barris cheios de água do rio Leça, ele ficou preocupado e talvez isso explique o facto de não termos sofrido atentados.
Em todo o lado éramos recebidos em glória pelos putos. Mal viam uma matrícula de Portugal, a corriam atrás do carro aos gritos:
-Madjer! Carlos Cruz!
As férias lá foram correndo, apesar de uma avaria no carro, solucionada com recurso ao artesanato berbere, o ataque de pânico da João quando me penduraram uma cobra enorme à volta do pescoço e o pânico geral quando nos cruzamos com uma excursão das finanças de Gaia, na medina de Marraquexe.
Eram tempos estranhos aqueles. Sem telemóveis, os turistas, estavam condenados a olhar as coisas, falar com os nativos, sem direito a selfies e mensagens cheias de emojis.
Claro que tínhamos de ir aos "recuerdos".
Todos compramos umas coisinhas, excepto a João que não fez a coisa por menos e trouxe mais património marroquino que os franceses em séculos de colonialismo. Foi uma luta na alfândega para explicar aos funcionários que não éramos contrabandistas e ainda tinha ficado lá muito material para os próximos turistas.
A despedida foi épica. Como todos queriam ouvir música tradicional, desaguamos num bar de "meninas".
Tenho de confessar que brilhei naquela noite.
Ainda estavamos atentar perceber onde nos tínhamos metido, já o chefe da banda apontava para mim, dizendo para ali umas coisas de que não percebi nada (confesso que o meu árabe foi sempre um bocado fracote), sai do palco e pespega-me um beijo (sem língua) e arrasta-me para a pista.
Depois de uns passos de dança, passou-me de mão em mão por todos os homens presentes, que me davam um beijo e os respectivos passinhos, segurando-me as mãos.
As "meninas" de serviço, olhavam para mim com um olhar guloso, suspirando por um beijinho e uma dança com o "je", mas não ousavam aproximar-se, para mal dos meus pecados.
"Esparvoado" tentava perceber o que se passava, até que dou com os meus colegas de viagem, encostados ao balcão, a rirem escandalosamente. Só depois me explicaram que tinha sido confundido com o grande cantor romântico marroquino, uma espécie de Tony Carreira lá do sítio.
No dia seguinte, acordamos bem cedo, porque era o último dia de Agosto e sabia que milhares e de emigrantes estariam no porto para apanhar o ferry. Foram horas e horas de espera e só de madrugada atravessamos para Algeciras.
Regressamos a mata cavalos a Lisboa por questões profissionais.
Como era normal, mal se metia a chave na ignição, adormeciam todos e só eu e a João permanecíamos acordados, para nos revezarmos ao volante.
Cheio de sono, já a fazer curvas em plena recta, pedi-lhe para conduzir um bocadinho e zás! Adormeci em menos tempo do que demoro a dizer anticonstitucionalissimamente.
Acordo com um ruído estranho e fico espantado com o que vejo.
A Maria João esbofeteava-se violentamente, alternando com ferozes beliscões:
-Ó João, que se passa? Estás zangada com alguma coisa?
-Não tudo bem. É só para não adormecer.
Acabamos a dormir na berma, perto de Sevilha mas, mal acordou, toca a acelerar que estava ceia de saudades do puto Miguel. Na altura o Ricardo ainda estava em projecto e mesmo sem ainda ter nascido, já ela era doida por ele.
Ela "era" assim. Estóica; determinada; solidária; amiga; terna; mãe leoa…eu sei lá!
Até à vista João!

Escolhi esta foto do espetáculo "Estádio da Nação"- 2003, no Teatro Sá da Bandeira, assim brilhará no firmamento e todos saberão logo que é ela.
(13mai2021 - Óscar Branco, na sua página do Facebook)



Publicado por Tovi às 10:17
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Julho 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9





Posts recentes

Ser, ou não ser, um Enófi...

Assembleia Municipal do P...

Resultados preliminares d...

Falcões que nasceram no e...

João Aguiar é candidato à...

Marítimo 0 - 1 Boavista

Morreu Otelo Saraiva de C...

Só para os amantes do clu...

Autárquicas no Porto

Do lodaçal para o lamaçal

Vandalismo no Parque da P...

Assembleia Municipal do P...

PS a descer... Bloco e Ch...

Popularidade de Marcelo e...

Da série "Certificado ou ...

Primeira sondagem para as...

Se regarem os cravos este...

Cubanos nas ruas a exigir...

Medalhas Municipais de Ho...

Já tenho as duas doses da...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus