"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."
Domingo, 13 de Setembro de 2020
Segundo capítulo da "telenovela" Rosa Grilo e amante

António Joaquim.png

   Jornal i – 12set2020

O que tramou António Joaquim?
O telemóvel de Rosa Grilo foi desligado no dia 15 de julho de 2018 às 19h42. António Joaquim desligou o seu três minutos antes, às 19h39. Os telemóveis só voltariam a ser ligados no dia seguinte, entre as 11h27 e as 13h06. Esse mesmo dia corresponde ao período em que o triatleta, Luís Grilo, foi morto. A troca de mensagens entre António Joaquim e Rosa Grilo era frequente, contrastando com a diminuição de contactos entre os dois durante três dias – antes, durante e depois da morte de Luís Grilo. Estes factos, sustentou o Ministério Público, evidenciam «uma perfeita sintonia» entre Rosa Grilo e António Joaquim.
A sintonia continuou quando os dois, já depois da morte do triatleta, viajaram para Benavila, no concelho de Avis, e mantiveram os telefones desligados durante cerca de 20 horas, «período de tempo necessário para embalarem o cadáver e transportá-lo até Benavila e regressarem às respetivas residências», lê-se no documento. Os dois trocavam mensagens regularmente, mas as conversas mantidas entre os dias 22 de junho e 28 de julho foram eliminadas. Ainda que apagadas, referiu o Ministério Público, foi possível recuperar uma delas: «Não te esqueças de apagar a conversa».
Esta é uma parte da história que o Ministério Público utilizou para recorrer da decisão tomada em março deste ano pelo Tribunal de Loures, que absolveu António Joaquim do crime de coautoria do homicídio. Esta terça-feira, o Tribunal da Relação de Lisboa condenou António Joaquim a 25 anos de prisão efetiva – 24 por homicídio qualificado e um ano e 10 meses pelo crime de profanação de cadáver. Além disso, foi suspenso do exercício de oficial de justiça.
Quase seis meses depois da decisão do Tribunal de Loures, o Tribunal da Relação de Lisboa considerou ser possível «afirmar com a necessária segurança que quem disparou foi o arguido António Joaquim», já que «sendo o arguido o dono da arma e quem sabia manejá-la com destreza, contrariamente à Rosa Grilo que é totalmente inexperiente nessa matéria (...) não faz qualquer sentido que tenha sido esta a efetuar tal disparo». Para o coletivo de juízes, «Rosa Grilo e António Joaquim agiram concertadamente e em conjugação de esforços na concretização do mesmo objetivo comum, que era tirarem a vida ao Luís Grilo e desfazerem-se do respetivo corpo, dando depois a entender às autoridades, falsamente, que desconheciam o seu paradeiro».
O Tribunal da Relação de Lisboa não aceitou a tese inicial de que Rosa Grilo terá transportado o corpo do marido sozinha, tendo «beneficiado da ajuda de outra pessoa para concretizar tal tarefa, a qual, mais uma vez, só pode ter sido o arguido António Joaquim».



Publicado por Tovi às 07:44
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Outubro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9



31


Posts recentes

Poderoso anticorpo que dá...

Sondagem sobre a COVID-19

Assim vai a pandemia em a...

Discussão do Orçamento do...

Eleições Regionais nos Aç...

Famalicão 2 - 2 Boavista

Hospitais sobem patamares...

TGV... Infarmed... e outr...

Da série "repensar o Nata...

Não chamem "isto" ao que ...

Programa Alimentar Mundia...

Boavista 0 - 1 Vitória de...

A opinião livre, lúcida e...

Situação hospitalar de in...

As quatro rotas da TAP no...

Instalar ou não a StayAwa...

Novo Estado de Calamidade...

A eleição indireta para p...

Orçamento de Estado para ...

Gérard Lopez entra na SAD...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus