"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."
Domingo, 19 de Novembro de 2023
Sionismo e Judaísmo... não são a mesma coisa

o-que-e-sionismo-entenda-a-origem-historia-e-confl

O sionismo, a que também chamam nacionalismo judaico, propõe que a Diáspora Judaica volte toda para o atual Estado de Israel (a terra prometida por Deus aos judeus), proibindo até a assimilação dos judeus pelas sociedades dos países em que vivam. Já o judaísmo (ortodoxo, conservador ou reformista) é uma religião monoteísta milenar, estimada entre 12 e 14 milhões, ou aproximadamente 0,2% da população mundial total. Outra coisa é o atual Estado de Israel, que nos dados mais recentes tem uma população estimada em perto de 10 milhões de pessoas, sendo que 75% eram, de acordo com o governo, judeus israelitas, e Árabes aproximadamente 21% da população do país. No entanto mais de 500 mil (6,5% da população) vivem em colonatos (300 mil na Cisjordânia, mais de 7.800 na Faixa de Gaza e cerca de 18 mil nas nas colinas de Golã).

 
Jorge De Freitas MonteiroJá desde 2005, quando Israel se retirou unilateralmente de Gaza, que não há qualquer colonato em Gaza.
Joaquim FigueiredoHitler tinha um pensamento análogo
Mário PaivaEntretanto, em Março deste ano Israel revogou a lei de 2005 sobre a retirada dos colonatos da Cisjordânia. A medida é uma inversão das restrições à expansão dos colonatos israelitas. O parlamento israelita, Knesset, votou a revogação de uma lei de 2005 que levou ao desmantelamento de quatro colonatos judeus na Cisjordânia ocupada ao mesmo tempo que as tropas israelitas se retiravam da faixa de Gaza. A medida pode preparar o caminho para um regresso oficial israelita à zona abandonada da Cisjordânia, o que equivale a uma inversão das restrições à expansão dos colonatos israelitas. A iniciativa do governo de extrema-direita do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu foi condenada pelos EUA e por vários outros países que a consideram como incendiária numa altura de tensões acrescidas. 

 

  Dois Estados é a solução
404172303_10224492073557232_1698281733730662844_n.

Paulo TeixeiraA solução que os palestinos recusam de 48
Gonçalo G. MouraPaulo Teixeira recusaram pelo menos 8 vezes até aos nossos dias...
Rafael Pinto BorgesPaulo, Israel aceita-a?
Paulo TeixeiraRafael Pinto Borges já o fez
Rafael Pinto BorgesPaulo Teixeira É falso, naturalmente. Israel declarou unilateralmente Jerusalém como sua capital, em violação do plano de partição da ONU, assim como largas áreas da Cisjordânia e os montes Golã sírios. Hoje, enquanto falamos, expulsa árabes das suas casas e oferece-as a colonos judaicos. Israel esteve, após Camp David, efectivamente próxima de um acordo de paz com os palestinianos. Infelizmente, só os segundos o cumpriram. Toda a política israelita desde então, com Netanyahu, tem tido um objectivo apenas: sabotar, pela ocupação e a colonização, qualquer esperança de um Estado palestiniano independente.
Paulo TeixeiraRafael Pinto Borges podia contrapor outra narrativa. Palestina nunca existiu. Como entidade nos últimos mil anos. Israel é um estado tampão. A islamização forçada que está a ser feita no oriente médio nos últimos 100 anos tem um fim e um destino. Israel trava para já esse destino. Eu acho muito bem seja qual for o argumento aduzido a contrario
Rafael Pinto BorgesPaulo Teixeira Desconhecia o oposição do Paulo a Estados sem passado ou tradição que os justifique (e que é tão aplicável a uma Palestina árabe, no fundo, como a um Israel judaico). É recente, não? 🇺🇦
Paulo TeixeiraRafael Pinto Borges mesmo na ironia final escamoteias que sai a Rússia da Ucrânia e não o contrário... O que não deixa de ter piada. 
Israel defende nos do caos. Se gosto do sionismo não gosto. Mas gosto ainda menos do que vira se Israel desaparecer. Vejo te muito preocupado com a palestina... Olha eu não perco um segundo com eles
Rafael Pinto BorgesPaulo Teixeira Eu nunca escamoteio invenções. Não saiu nenhuma Rússia da Ucrânia, visto que nunca houve Ucrânia alguma. A primeira capital russa não foi Kiev, mas Novgorod; e o Estado-civilização que deu origem à Rússia, Ucrânia e Bielorrússia chamava-se Rússia, não Ucrânia. Tudo o resto é fiction literature digno de nacionalismo kosovar ou de Principado da Pontinha. Sobre o resto: os árabes palestinianos, como população autóctone da região e verdadeiros herdeiros das antigas monarquias judaicas da Palestina, não têm menor direito à paz, à vida, à justiça e à independência que os judeus europeus que ali acabaram, pela força, por estabelecer-se. Enquanto Israel não o entender, não é de crer que possa aspirar à tranquilidade. E disso resulta um perigo grave para o próprio Estado de Israel, a quem não favorecerem nem as tendências demográficas, nem as geopolíticas. Um amigo inteligente de Israel insistiria numa paz aceitável enquanto Israel ainda tem força para fazê-la.



Publicado por Tovi às 07:34
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Março 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Posts recentes

Pobre povo ucraniano...

Sondagens após a formação...

A Transnístria é um "barr...

Café com Cheirinho... par...

O Boavista SAD precisa de...

Protestos de agricultores...

Boavista 0 - 4 Braga

Casal de Pegas Rabudas a ...

Dois anos de guerra na Uc...

Já encomendei...

A situação está difícil n...

Do Euromaidan até à “oper...

Sondagem da Aximage para ...

Perder uma batalha não é ...

Exposições Caninas de Gon...

Chaves 2 - 1 Boavista

Regionalização: o que pro...

STCP doa 21 autocarros a ...

E assim vai a campanha el...

Carnaval nas Escolas do P...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus