"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."
Quarta-feira, 2 de Julho de 2014
Sophia de Mello Breyner Andresen

Dez anos depois da sua morte o corpo da escritora Sophia de Mello Breyner Andresen vai ser hoje traslado para o Panteão Nacional, em Lisboa, ficando a arca tumular na sala onde se encontram as do general Humberto Delgado e do escritor Aquilino Ribeiro.

Sophia de Mello Breyner Andresen nasceu no Porto a 6 de Novembro de 1919, no seio de uma família aristocrática. Viveu no Porto e na Praia da Granja, que a inspirou com o mar e os pinhais. Frequentou Filologia Clássica na Universidade de Lisboa, que não chegou a concluir e, mais tarde, casou-se com o jornalista e político Francisco Sousa Tavares, tendo cinco filhos. Estes foram a sua motivação para a escrita de contos infantis, como "O Rapaz de Bronze", "A Fada Oriana" e "A Menina do Mar". Criada na velha aristocracia portuguesa, educada nos valores tradicionais da moral cristã, dirigente de movimentos universitários católicos, veio a tornar-se uma das figuras mais representativas de uma altitude política liberal, denunciando os falsos critérios do regime salazarista e os seus seguidores mais radicais. Foi ainda candidata a Deputada da Assembleia Constituinte, pelo Partido Socialista, e, tradutora para português de obras de Claudel, Dante, Shakespeare e Eurípedes, chegando a ser condecorada pelo governo italiano pela sua tradução de "O Purgatório". A escritora ganhou ainda o Grande Prémio de Poesia da Sociedade Portuguesa de Escritores, o Grande Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura para Crianças e o Prémio 50 Anos de Vida Literária. Faleceu a 21 de Julho de 2004 com 84 anos de idade.


«Joaquim Leal» no Facebook >> {#emotions_dlg.away} 18h45 - Tenho muito respeito pela pessoa e admiração pela poetisa. Dá-me é asco ver aquela "feira" armada em frente ao panteão com uma série de chulos cujos nomes omito por pudor.

«José Camilo» no Facebook >> Todo o meu apoio caro Joaquim.

«David Ribeiro» no Facebook >> {#emotions_dlg.away} 19h30 - José Manuel dos Santos acaba de fazer um discurso brilhante nas cerimónias de trasladação de Sophia de Mello Breyner Andresen para o Panteão Nacional. Na sua alocução, José Manuel dos Santos, membro da Academia Nacional de Belas Artes, sublinhou que esta decisão da Assembleia da República "não faz - nunca fará - de Sophia um escritor oficial ou um poeta de regime, mesmo daquele que a reconheceu e que ela reconheceu". Santos ressalva que a entrada de Sophia no Panteão Nacional "é rito, símbolo e sinal". "Tem aquela solenidade, irmã do silêncio e da solidão, que é o contrário da pompa e da propaganda".

«Joaquim Leal» no Facebook >> Estou em crer que a pessoa dispensaria tamanho "protocolo". E muitos dos "apêndices" presentes. Por amor da santa! a "Presidenta" da A.R, aposentada na flor da idade e evocadora de Simone de Beauvoir, um insulto presente.

«José Camilo» no Facebook >> Gabo-lhe a paciência caro Joaquim. Evocar Beauvoir? Da-ssssse

«Joaquim Leal» no Facebook >> Tenho a tvê sintonizada, vou vendo. :)



Publicado por Tovi às 13:38
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Julho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
12
13


21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Posts recentes

Isto é que os americanos ...

Baixa política… no Públic...

História curiosa sobre "C...

Incêndio na Zona Históric...

Suspensão de registos de ...

Tomada da Bastilha - 14 d...

Fim-de-semana de Exposiçõ...

Parabéns Alice

Atribuição de Medalhas Mu...

D. Pedro IV, o Libertador

Populista Português Moder...

Malhar em ferro frio

Legislativas'2019... no G...

Saladas da Culinária Viet...

Mercadona... em Portugal

Acho bem...

Sinais dos tempos

Morreu Mordillo

Pedro Duarte sobre as esc...

Paulo Portas e Rui Moreir...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus