"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Quarta-feira, 6 de Outubro de 2021
A segurança ao estilo Talibã…
…é bem-vinda por alguns, mas temida por outros.
 
  By Kathy Gannon / Associated Press – 4out2021

Afghanistan_Security_04635.jpgAinda não eram 7 horas da manhã e a fila do lado de fora dos portões da delegacia já era longa, com homens trazendo suas reclamações e demandas por justiça aos novos governantes Talibã do Afeganistão.
Algo novo eles descobriram imediatamente: os combatentes Talibã, que agora são policias, não exigem subornos como os policias fizeram durante o governo apoiado pelos EUA nos últimos 20 anos.
“Antes, todo mundo roubava o nosso dinheiro”, disse Hajj Ahmad Khan, um dos que estavam na fila na delegacia do Distrito 8 de Cabul recentemente. “Em todos os lugares de nossas aldeias e escritórios do governo, todos estavam com as mãos estendidas”, afirmou este afegão.
Muitos afegãos temem os métodos duros dos Talibã, sua ideologia linha-dura ou suas severas restrições à liberdade das mulheres. Mas o movimento traz a reputação de não ser corrupto, um contraste gritante com o governo que depôs, que era notoriamente repleto de suborno, peculato e corrupção.
Até mesmo residentes que estremecem com o potencial retorno de punições - como cortar as mãos de ladrões - dizem que parte da segurança voltou a Cabul desde que os Talibã invadiram a capital em 15 de agosto. No governo anterior, gangues de ladrões expulsaram a maioria das pessoas das ruas no escuro. Várias estradas entre as cidades estão novamente abertas e até mesmo receberam luz verde para viagens de algumas organizações internacionais de ajuda.
Mesmo assim, existem perigos. No domingo, uma bomba do lado de fora da mesquita Eid Gah, em Cabul, matou vários civis e teve como alvos membros Talibã que compareciam a um serviço memorial. Ninguém assumiu a responsabilidade pelo atentado, mas o grupo rival do Estado Islâmico aumentou os ataques contra os Talibã num reduto do Daesh no leste do Afeganistão.
Durante sua última vez no poder, no final da década de 1990, os Talibã ofereceram uma compensação: trouxeram uma estabilidade que os afegãos buscavam desesperadamente e eliminaram a corrupção, mas também impuseram sua interpretação severa da lei islâmica. Isso incluiu punições como amputações de mãos, execuções de assassinos com uma única bala na cabeça, na maioria das vezes por um parente da vítima do assassinato e todas realizadas em público. A polícia religiosa espancou homens por cortar suas barbas ou por não comparecerem às orações.
Na semana passada, os Talibã prenderam 85 supostos criminosos, alguns acusados de crimes menores e outros de assassinato, sequestro e roubo, disse Noor Ahmad Rabbani, do departamento anti-crime dos Talibã. Estes afirmam que trarão de volta suas punições anteriores. A única questão é se eles vão executá-los publicamente, disse à Associated Press o mulá Nooruddin Turabi, ex-ministro da Justiça e atual oficial encarregado das prisões.
Algumas punições já reapareceram. Os corpos de quatro homens foram pendurados em guindastes no centro da cidade de Herat, depois de serem mortos pelos Talibã durante uma suposta tentativa de sequestro. Em pelo menos duas ocasiões em Cabul, pequenos ladrões desfilaram pelas ruas para envergonhá-los, algemados, com o rosto pintado ou com pão enfiado na boca.
Militantes armados Talibã assumiram posições em postos de controle em Cabul e, gradualmente, alguns foram obrigados a usar uniformes - o início de uma nova força de segurança nacional, segundo disseram autoridades. Para muitos residentes de Cabul - principalmente os jovens que cresceram ouvindo histórias de terror sobre o período anterior do governo Talibã - a visão dos lutadores é assustadora enquanto eles vagam pelas ruas livremente, com seus cabelos compridos característicos, roupas tradicionais e espingardas Kalashnikov penduradas ao ombro.
Mas até agora, eles parecem ter trazido alívio da corrupção. Antes da tomada do poder pelos Talibã em agosto, as pessoas tinham que pagar subornos simplesmente para pagar uma conta de serviços públicos. A fraude desenfreada nas forças armadas foi um dos motivos pelos quais desmoronou tão rapidamente em face do avanço Talibã. Apesar da corrupção aberta, os EUA e a Europa despejaram biliões de dólares no governo com pouca supervisão.
Como no passado, os Talibã recorreram aos anciãos tribais para resolver disputas. Na semana passada, um grupo de anciãos reuniu-se numa mesquita de Cabul para julgar um ataque de facadas que causou ferimentos leves. Os anciãos ordenaram que o pai do culpado pagasse à vítima o equivalente a quase 400 US$, o suficiente para cobrir as despesas médicas. Muhammed Yousef Jawid aceitou sua punição. “É rápido e muito mais barato do que no sistema anterior”, disse ele.
Na delegacia de polícia do Distrito 8, o novo comandante, um afável talibã chamado Zabihullah, disse que os Talibã lutaram durante 20 anos para trazer as leis islâmicas ao Afeganistão. “Agora as pessoas estão seguras sob nosso governo”, afirmou. Zabihullah, que como muitos afegãos tem um só nome, é da província central de Ghazni, onde os insurgentes travaram algumas de suas batalhas mais difíceis durante as últimas duas décadas. Aos 32 anos, este afegão diz-nos que não foi treinado para ser comandante de polícia, pois a maior parte de sua educação foi numa madrassa, ou escola religiosa. Mas Zabihullah disse que seus anos de guerra e a adesão à interpretação dos Talibã da lei islâmica o prepararam.
Fora dos portões da delegacia, a fila estava ficando mais longa. Khan, de 60 anos, veio da província de Khost para buscar a ajuda dos Talibã na cobrança de um empréstimo pendente. Disse que apoiava as punições dos Talibã, como amputações, embora não para pequenos ladrões. “Trouxeram alguma segurança porque tratam o criminoso de acordo com a lei islâmica".
O diretor de uma escola, que não quis se manifestar temendo repercussões, veio à delegacia reclamar de pais que estão meses atrasados nas mensalidades escolares. Disse que queria dar uma chance ao governo dos Talibã. No governo anterior, ele era acusado de suborno cada vez que ia à polícia para reclamar de pagamentos não cumpridos. “Os Estados Unidos investiram muito dinheiro no Afeganistão, mas era uma máfia que comandava o país”, disse ele.
Outro reclamante, que deu seu nome apenas como Dr. Sharif, havia retornado recentemente da Arábia Saudita, onde havia trabalhado por vários anos. Ele não tinha objeções às punições ao estilo dos Talibã, mas argumentou veementemente contra colocar líderes Talibã e clérigos religiosos no comando de departamentos governamentais. “Precisamos de profissionais ... precisamos de especialistas econômicos, não de um maulvi que não tenha nenhuma ideia sobre negócios”, disse ele, usando uma palavra para designar um clérigo muçulmano. Ainda assim, gostou de ter sua reclamação ouvida sem qualquer pedido de suborno da polícia Talibã. Antes, a polícia exigia suborno apenas para entrar na delegacia. “O erro dos governos anteriores”, disse ele, “foi colocar todo o dinheiro nos bolsos”.

 

  Lusa, 5out2021 às 12h02
Captura de ecrã 2021-10-05 204856.jpg
Mais de cem alunos e professores de música deixaram Cabul a bordo de um avião na segunda-feira e, posteriormente, deverão vir para Portugal, disse esta terça-feira o diretor do Instituto Nacional de Música do Afeganistão (ANIM). Temendo serem vítimas de represálias dos Talibã que, durante seu primeiro período no poder [entre 1996 e 2001] havia proibido a música, 101 membros do ANIM desembarcaram na segunda-feira à noite em Doha, declarou M. Sarmast à agência de notícias France-Presse (AFP). O grupo, cerca de metade constituído por mulheres e raparigas, deverá vir para Portugal com o apoio do Governo português, disse o também fundador do instituto, refugiado em Melbourne, na Austrália.

 

  AFP News Agency, 05out2021 às 15h00
Conhecida como uma das regiões mais bonitas do Afeganistão, o vale Bamiyan é o lar de várias centenas de famílias que vivem em cavernas que foram esculpidas em penhascos de arenito por monges budistas no século VII. Desde a tomada de posse dos Talibã, a comunidade, uma das mais pobres do país, viu as suas dificuldades agravadas com a ajuda internacional cortada, o aumento dos preços dos alimentos e o aumento do desemprego.
Captura de ecrã 2021-10-06 150524.jpg

 

  Semanário SOL, 06out2021às 15h20
O modus operandi consistia no contrabando de afegãos, “abordados em campos de refugiados ou noutros lugares onde requerentes de asilo se reúnem”. A rede facilitava o transporte e a acomodação ilegal dos migrantes, que pagavam entre mil a dois mil euros por "uma viagem perigosa em camiões", sem conhecimento dos motoristas. Há 21 detidos. 
Captura de ecrã 2021-10-06 153045.jpg



Publicado por Tovi às 07:44
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 3 de Setembro de 2021
Os dias seguintes no Afeganistão

  Lusa, 31ago2021 às 15h49
Aqui estão os cinco principais desafios que o novo regime afegão enfrenta.
1. Défice de confiança - Há uma suspeita generalizada entre a população urbana e educada sobre os Talibã e com boas razões. Muitos afegãos ainda se lembram do período 1996-2001, quando o movimento islamita estava no poder e aplicava uma leitura ultrarrigorosa da 'sharia', a lei islâmica. As mulheres não eram autorizadas a trabalhar e as escolas para raparigas foram fechadas, enquanto os opositores políticos foram executados e as minorias étnicas perseguidas. Vinte anos mais tarde, os Talibã dizem que pretendem prosseguir uma política diferente, inclusive em matéria de direitos da mulher. Prometeram também estabelecer um Governo inclusivo, entrando em contacto com o ex-Presidente Hamid Karzai. Enviaram também representantes para falar com a minoria predominantemente xiita Hazara, perseguida pelos Talibã nos anos 1990. Embora o regresso dos Talibã tenha sido acolhido com alívio em algumas zonas rurais do país, onde as pessoas querem, acima de tudo, acabar com a violência, muitos afegãos afirmaram querer primeiro ver as ações adotadas para depois fazer um julgamento. As mulheres permanecem em estado de alerta, na sua maioria enclausuradas em casa, um sinal da desconfiança generalizada. No vale de Panchir, a nordeste de Cabul, foi organizada uma verdadeira resistência em torno de Ahmad Massoud, filho do comandante Ahmed Shah Massou, assassinado em 2001 pela Al-Qaeda.
2. Desastre humanitário e económico - O Afeganistão é um dos países mais pobres do mundo. Após a queda do regime talibã, expulso do poder em 2001, a ajuda estrangeira inundou o país, representando, em 2020, mais de 40% do Produto Interno Bruto (PIB). Mas grande parte desta ajuda foi agora suspensa e os Talibã não têm acesso aos fundos do banco central afegão, a maioria dos quais está no estrangeiro. Washington já indicou que os Talibã não terão acesso aos bens e valores que estão no país, enquanto a Alemanha suspendeu a ajuda financeira total. Portanto, a situação poderá tornar-se num desastre, já que os Talibã terão de encontrar rapidamente dinheiro para pagar os salários dos funcionários públicos e assegurar que as infraestruturas vitais (água, eletricidade, comunicações) continuam a funcionar. As receitas atuais dos Talibã, que provêm principalmente de atividades criminosas, são estimadas pelas Nações Unidas entre 250 milhões e mais de 1,3 mil milhões de euros por ano. Um ganho financeiro que é visto como uma gota no oceano face às necessidades atuais do Afeganistão, segundo os especialistas. Neste contexto, a ONU alertou para uma "catástrofe humanitária" que poderá atingir duramente os afegãos neste inverno.
3. Fuga de cérebros - Para além da crise económica, os Talibã também terão de lidar com outra escassez, igualmente crítica e dramática: a de cérebros. Advogados, funcionários públicos, técnicos e muitos outros afegãos qualificados têm fugido do país em voos de retirada fretados por potências estrangeiras nas últimas semanas. Como sinal da sua preocupação, os Talibã instaram na semana passada os ocidentais a retirar apenas os estrangeiros e não os peritos afegãos, como por exemplo os engenheiros, necessários para a manutenção das infraestruturas do país.
4. Isolamento diplomático - Entre 1996 e 2001, o regime Talibã foi um pária na cena internacional. Desta vez, o movimento islamita parece inclinado a procurar um amplo reconhecimento no estrangeiro, embora a maioria dos países tenha suspendido ou encerrado as missões diplomáticas em Cabul. O grupo tem mantido contactos com várias potências regionais, incluindo Paquistão, Irão, Rússia, China e Qatar, mas nenhum deles reconheceu ainda a nova liderança em Cabul e os EUA advertiram que os Talibã terão "de conquistar" a sua legitimidade.
5. Ameaça terrorista - A tomada de controlo do país pelos Talibã não colocou um ponto final à ameaça terrorista, como ficou demonstrado pelo ataque de 26 de agosto, numa zona próxima do aeroporto de Cabul, reivindicado pela filial local do Estado Islâmico. O Estado Islâmico de Khorasan (ISPK), que segue uma linha sunita radical semelhante à dos Talibã, difere destes últimos em termos de teologia e estratégia. Como sinal da forte inimizade entre ambos, o Estado Islâmico qualificou os Talibã como apóstatas em vários comunicados e não os felicitou após a conquista de Cabul, em 15 de agosto. O desafio para os Talibã é, portanto, complexo: defender a população afegã do mesmo tipo de ataques que os seus próprios combatentes levam a cabo há anos no país.

 

  Al Jazeera, 31ago2021 às 18h15
O novo governo do Afeganistão será anunciado nos próximos dias.
Captura de ecrã 2021-08-31 211638.jpg

 

  Al Jazeera, 31ago2021 às 20h05
Querem uma apostinha como não tarda muito e a Índia reconhece oficialmente o governo Talibã no Afeganistão?... E se assim for quem “perde a corrida” é o Paquistão.

Captura de ecrã 2021-08-31 210902.jpg

Jorge De Freitas Monteiro - Nada é impossível por aquelas paragens mas a Índia foi dos países que mais apoiou a ocupação…
David Ribeiro - Eu também achei estranho os indianos serem os primeiros a fazerem reuniões com os Talibã, Jorge De Freitas Monteiro... mas é capaz de ser uma forma da Índia "passar a perna" ao Paquistão.

 

  Wakil Kohsar da AFP News Agency fotografou os membros da unidade das forças especiais Badri 313 dos Talibã a chegarem ao aeroporto de Cabul a 31 de agosto de 2021, depois da retirada total das tropas dos EUA.
239413035_4413262298711739_2875279702445157946_n.j

 

  AFP News Agency 
Cronologia dos principais acontecimentos no Afeganistão, desde a ocupação soviética até à derrota dos EUA.
240842617_4409902452381057_4284329022427036870_n.j

 

   Zabihullah Mujahid... o "Talibã 2.0".
“We want to build the future, and forget what happened in the past."
dd617b6b9106b65e74de353f3b64e732397a9442.jpg

 

   Al Jazeera, notícia de 08fev2021
E agora como estará o combate à pandemia no Afeganistão?
afeghan covid.jpg
  Situação da pandemia no Afeganistão (dados reportados à Organização Mundial da Saúde de 03jan2020 a 01set2021).
Afeganistão Covid-19 01set2021.jpg

 

   Reuters, 02set2021 às 16h06
O secretário de relações exteriores britânico, Dominic Raab, afirmou hoje, durante uma missão diplomática em Doha, que “a realidade é que não reconheceremos os Talibã em nenhum momento num futuro previsível, mas acho que há um espaço importante para engajamento e diálogo”.
doha.jpg

 

  Al Jazeera, 02set2021 às 19h57
A maior empresa de transferência de dinheiro do mundo vai retomar os seus serviços para o Afeganistão depois de ter suspendido a sua operação há duas semanas, quando os Talibã avançaram em Cabul.
Captura de ecrã 2021-09-02 205707.jpg

 

   JN, 02set2021 às 22h18
Militares portugueses partem para o Kosovo para cooperar com forças de outras nações, no campo Bechtel, um alojamento temporário para a operação de apoio aos cidadãos civis afegãos retirados de Cabul e que aguardam para serem recolocados em vários países de acolhimento.
Captura de ecrã 2021-09-02 224812.jpg



Publicado por Tovi às 07:24
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 11 de Agosto de 2021
Situação dramática no Afeganistão

f096a8c26891aaee5be1c4394c93a2e5.jpg

Milhares de afegãos que serviram as tropas e diplomatas norte-americanos nestes últimos vinte anos estão em risco de vida com o alastrar da “conquista” Talibã a todas as províncias do Afeganistão. Foi criada a “Operação Refúgio dos Aliados” que pretende retirar do país cerca de 50 mil pessoas, mas até à data unicamente 200 afegãos chegaram de avião na madrugada da última sexta-feira aos Estados Unidos.

 

   Al Jazeera, 21h00 de 10ago2021
10set 21h00.jpg

 

   AFP News Agency, 09h11 de 11ago2021
talibã 11ago9h10.jpg

 

   Lembram-se do que aconteceu no Vietname do Sul, em abril de 1975, quando Gerald Ford mandou as tropas e funcionários dos EUA abandonarem Saigão?... Pois é o mesmo que vai acontecer a muitos afegãos depois de Joe Biden, não se arrependendo da sua decisão de retirar tropas do Afeganistão e uma vez que os talibã mantêm o controlo de 65% do país, ter afirmado hoje “they've got to fight for themselves”.
https___d1e00ek4ebabms.cloudfront.net_production_4


Jorge Veiga - Pois dão-lhes cobertura da USAF. Pois dão-lhes material de guerra. Pois até lhes pagam os ordenados aos militares. Ao menos que lutem pela terra deles.
David Ribeiro - Jorge Veiga... mas o problema está nos vários milhares de civis que trabalharam para os americanos, militares e pessoal diplomático acreditado em Cabul. Vão todos ser executados, incluindo familiares mais próximos, tal-e-qual aconteceu em Saigão.
Jorge Veiga - David Ribeiro… pois eu sei. Que se alistem no exército e ao menos terão uma fusca.
Rui Lima - Vai acontecer o mesmo que aconteceu ás tropas africanas que combateram do nosso lado em Guiné, Angola e Moçambique e ninguém se preocupou nem na altura nem hoje!

 

   Al Jazeera, 18h45 de 11ago2021
11set 23h00.jpg

 

   Al Jazeera, 11h00 de 12ago2021
12ago 14h00.jpg



Publicado por Tovi às 07:53
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Outubro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Posts recentes

A segurança ao estilo Tal...

Os dias seguintes no Afeg...

Situação dramática no Afe...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus