"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Terça-feira, 26 de Dezembro de 2017
Empadão de Peru

Receita-de-empadão-de-carne-tradicional.jpg

Acreditem no que vos digo…
Dos restos do Peru Assado de ontem – dia de Natal e trigésimo nono aniversário da minha filha mais velha – fez a minha “santa” um EMPADÃO de PERU de estaladão. Ainda estou aqui que nem posso… o que vale é que o Pai Natal trouxe-me uma garrafita de Adega Velha (Aguardente Vínica de Vinho Verde da Aveleda) que me vai ajudar na digestão.



Publicado por Tovi às 14:24
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 22 de Julho de 2017
Quinta da Aveleda

Quinta da Aveleda.jpg

A convite da minha filha mais nova e acompanhando um grupo de jovens empreendedores do Grande Porto, visitei hoje mais uma vez a Quinta da Aveleda (em Penafiel), importante património arquitectónico da “Aveleda S.A.”, uma empresa que há mais de três séculos é dirigida e orientada por gerações da família Guedes, cujo talento foi desde sempre devotado a produzir vinhos com a qualidade que se lhes reconhece e cuja fama desde há muito ultrapassou as nossas fronteiras. É líder de mercado na Região dos Vinhos Verdes e um dos maiores produtores de vinho em Portugal, exportando anualmente mais de metade da sua produção para mais de 70 países em todo o mundo.

A história da família Guedes passou sempre pela Quinta da Aveleda, que já faz parte da identidade da família. Além do seu importante património arquitectónico, a Quinta da Aveleda é também conhecida pelos seus parques e jardins, onde florescem raras espécies de árvores, algumas das quais centenárias, como o cedro japonês, o cipreste dos pântanos ou a sequóia americana. A sua estrutura decorativa, não funcional, excêntrica e simbólica, erigida por alguém que se alimenta da simples paixão de construir, é manifestações de pura arte de que a Aveleda se orgulha, como por exemplo:
Janela Manuelina do séc. XVI: janela, onde, segundo a tradição, D. João IV terá sido aclamado Rei de Portugal e que foi, mais tarde, oferecida a Manuel Pedro Guedes da Silva da Fonseca, que a transportou para os jardins da Quinta da Aveleda.
Fonte das 4 Irmãs: erguida na década de 1920, a fonte foi finalizada pelo Mestre João da Silva, ao gravar nela os perfis em mármore das 4 irmãs Guedes, filhas do proprietário da Quinta. Cada perfil personifica uma das quatro estações do ano.
Torre das Cabras: numa ode à natureza e às antigas gerações da Quinta da Aveleda, foi edificada uma torre de três andares para albergar cabras anãs. Símbolo de fertilidade e abundância, a cabra protagoniza o mito de uma terra que soube sempre dar o seu melhor fruto.
Fonte de Nossa Senhora da Vandoma: imponente Fonte de Granito dedicada a Nossa Senhora de Vandoma, padroeira da Cidade do Porto.

 

   Comentários no Facebook

«Fernando Moreira Sá Monteiro» - Os enfiteutas de origem da Quinta da Aveleda são os Moreira, da Gandra, Paredes (casa da Lousa). Que logo entroncam com os Meireles Freire de São João de Covas, Lousada. A entrada dos Guedes na Aveleda somente se verifica mais tarde. No século XVI, Gonçalo de Meireles Freire, licenciado em Leis pela Universidade de Coimbra e Desembargador no Paço, institui por testamento um Morgadio na Quinta da Aveleda a favor de sua irmã Dona Catarina de Meireles, que lhe sucedeu na Casa e suas pertenças. Por sua vez, a sua neta Dona Mariana, casou com Manuel Guedes da Silva da Fonseca, fidalgo da Casa Real e senhor da Casa de Gradiz, dando assim início à varonia Guedes no senhorio da Quinta da Aveleda.

«David Ribeiro» - Excelente e oportuna informação, Fernando Moreira Sá Monteiro.

«Maria Helena Guimarães» - A Quinta da Aveleda é conhecida há mais de 60 anos!!

«Fernando Moreira Sá Monteiro» - Maria Helena Guimarães, a quinta da Aveleda é conhecida há muito mais do que 60 anos; é conhecida há séculos!

«Maria Helena Guimarães» - Não é verdade. Sabe que antes de 1850 eram várias quintas não pertencentes à mesma família e, tanto quanto vi, só mesmo depois de 1946 iniciou a sua saga vinícola de exportação de vinhos verdes. Como eu nasci por essa altura e na zona conheço-a dessa altura. Quanto a séculos só mesmo como exagero de marketing

«Ze De Baião» - O "novo norte" está sair do Porto (cidade) e a andar pelo norte. Mais um bocadinho e o "norte" chega até Baião. Também há lá bom vinho, boa gastronomia e até famílias Guedes. Que o norte seja mais que o Porto e muito mais que a Cidade.

«David Ribeiro» - Ainda o Ze De Baião andava de cueiros e já eu percorria o Norte de Portugal de lés-a-lés, bebia bom vinho e comia do melhor que há nesta região.

«Ze De Baião» - Então tem o dever de direcionar mais um bocadinho "um novo norte para o norte", ou seja, para todo o norte. É que quando se defende, por exemplo, uma melhor mobilidade e acessibilidade dos de fora à Cidade, são muitos os que dão a entender que a Região é só a Cidade do Porto, esquecendo-se o quanto as cidades dependem de toda a Região. Espero por isso que "um novo norte para o norte" caminhe mais para a coesão e solidariedade regional e abandone a ideia de Cidade Região.

«David Ribeiro» - Primeiro que tudo os concelhos do interior (por exemplo: o de Baião) têm que se deixar de bacoquices parolas e admitirem que a Regionalização cá pelo Norte só terá viabilidade com a liderança da cidade do Porto, núcleo duro do Conhecimento Científico e Cultural desta Região.

«Ze De Baião» - Amigo David, a gente de Baião ou de qualquer outra pequena localidade pode ser humilde, mas parola acredite que não somos. Esse é um estigma dos citadinos, mas só quem vive e conhece as cidades e as problemáticas mais escondidas poderá perceber que afinal a gente das aldeias está muito evoluída.

«David Ribeiro» - Humildes não serão quando me dizem: "Lá vêm os gajos do Porto querer mandar em nós". Depois chorem que são eternamente esquecidos.



Publicado por Tovi às 23:00
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 27 de Maio de 2010
AVA

Já provaram o Ava?... É um vinho de mesa branco sem data, leve e refrescante, com um teor alcoólico de 11,5%, engarrafado pela Aveleda (Sociedade Agrícola e Comercial da Quinta da Aveleda SA) e que embora me pareça estranho o que está escrito no contra-rótulo – cheira a lichias e a fruta fresca, com maçã e pêra – a verdade é que este vinho que comprei no Continente por 2,39€ a garrafa de 75cl (IVV793 - L042.0), até não está mal feito e acompanhou muito bem uns Filetes de Anchovas em Azeite (da Pitéu) pousados numas finíssimas bolachas de água e sal.
Vou tentar saber mais sobre este “Ava”, mas está cá a parecer-me que é uma forma interessante de contornar um excedente de uvas… e provavelmente de uma forma altamente lucrativa… não será?


«Jorge Rodrigues» in RevistaDeVinhos >> Provei-o na semana passada, a acompanhar uma salada de verão, numa noite quente. É realmente um vinho prazenteiro para refrescar noites cálidas de verão, a sós, ou a acompanhar uns petiscos levezinhos.

«Raul Carvalho» in RevistaDeVinhos >> Concerteza deve ser um excedente de uvas... E se for, é bastante bem aproveitado...

«valtercosta72» in RevistaDeVinhos >> São estes vinhos que dão dinheiro às empresas. Vender milhões para se poder fazer os tais vinhos.

«luis ramos lopes» in RevistaDeVinhos >> Já provei o AVA, é um vinho bem agradável para o Verão e com um preço atractivo.



Publicado por Tovi às 20:00
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Posts recentes

Empadão de Peru

Quinta da Aveleda

AVA

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus