"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Quinta-feira, 19 de Fevereiro de 2015
Licor de Hortelã Pimenta

CAM00218.jpg

Fiz nestes últimos dias uma experiencia na preparação de licores… desta vez naquilo que vou chamar Licor de Hortelã Pimenta. Adicionei seis colheres de sopa de plantas secas de “Mentha piperita L.” a 500 gramas de açúcar e meio litro de aguardente. Deixe macerar durante 48 horas, coei e filtrei e o resultado foi um divinal produto a pedir messas a muitos dos “drink shots” que para aí se vendem. É um bocadinho para o forte… mas como ainda há homens de barba dura (e mulheres que até envergonham o mais másculo dos exemplares do chamado “sexo forte”) até estou convencido que vai ser um sucesso entre os meus amigos e amigas. Temos que marcar um “Test Gourmet” para este Licor de Hortelã Pimenta.

 

  Comentários no Facebook

«Fatima Sousa» >> E o licor de tangerina ficou bom?

«David Ribeiro» >> O Licor de Tangerina ainda está a macerar... só daqui a umas seis ou oito semanas poderemos saber o resultado

«Fatima Sousa» >> No Alentejo fazem imensos licores de ervas que são vendidos no mercado Eu vi em Odemira Se quiser posso perguntar

«António Lopes» >> A sua mulher não estava ao pé de si aquando da foto, pois não? Está a riscar a mesa. Boa sorte nessas delícias de Dionísio.

«David Ribeiro» >> O meu prazer na feitura de licores é o inventar novas fórmulas e encontrar novos sabores… Nem sempre as coisas me correm bem, mas enquanto os deuses me derem a possibilidade de todos os dias me levantar com a vontade de alguma coisa de útil fazer, ainda sou capaz de “inventar” mais umas receitas

«Fatima Sousa» >> Quer que tente saber quais as ervas?

«David Ribeiro» >> Ela já não se zanga comigo, caríssimo António Lopes... Desde o dia em que eu encontrei numa pequena drogaria um produto divinal para restaurar a madeira de móveis antigos que a minha santa senhora me perdoa estas asneiras. Claro que estou aberto a tudo o que é novidade, querida amiga Fatima Sousa... Por mais que se leia o que para aí se escreve sobre licores de ervas nunca se sabe tudo.

«Jose Riobom» >> ...gosto do centro de mesa D. João V......

«Duarte Leal» >> Vamos a isso!!

«António Lopes» >> Eu sempre posso oferecer as batatas-fritas!

«Maria Vilar de Almeida» >> Será que ouvi bem?! Test Gourmet?! Já estou na fila... hihihihihihihi... As plantas secas de “Mentha piperita L"... basta deixar secar as folhas de hortelã, ou como é?!

«David Ribeiro» >> Eu compro-as no supermercado... daquelas que estão à venda para se fazer chá.

«Pica Miolos» >> Para o ano, valerá a pena plantar uns pés num vaso. São uma autentica praga!



Publicado por Tovi às 09:26
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 12 de Janeiro de 2014
Licor de Tangerina [T026/2014] - #1

Este fim-de-semana foi dedicado à preparação do meu Licor de Tangerina deste ano de 2014, que irá aparecer com a referência “T026/2014”. Utilizei, como sempre, a fórmula “1 + 1 + 1” (1 kg de tangerinas + 1 litro de aguardente + 1 kg de açúcar), adicionando-lhe também um pau de canela por cada litro de aguardente. Vai agora ficar em maceração por um mínimo de três meses. Depois há que decantar, filtrar e engarrafar. Lá para o Verão estará ideal para ser bebido.



Publicado por Tovi às 18:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 31 de Outubro de 2013
Glühwein - Vinho Quente

 Glühwein / Vinho Quente
Este Outono ainda vai ameno e as temperaturas ainda nem nos obrigam a ligar o aquecimento das nossas casas, mas a mim já me apeteceu hoje fazer um Glühwein - “vinho quente” como se diz cá pelo nosso cantinho à beira mar plantado – só para ver se a minha receita ainda está correcta ou necessita de alguns ajustamentos próprios de velhos galaico-durienses empedernidos, como eu me considero.
{#emotions_dlg.star} Glühwein / Vinho Quente
Ingredientes: 1 litro de vinho tinto (Douro de preferência); 1 limão biológico; 2 paus de canela; 3 cravinhos; 3 colheres de sopa de açúcar.
Modo de preparação: Aquecer o vinho tinto; Cortar o limão em tiras; Juntar a canela, os cravinhos e o açúcar ao vinho tinto quente; Aquecer aproximadamente 5 minutos e depois retirar do lume; Deixar ficar tapado durante 1 hora; Antes de servir, voltar a aquecer e passar por um coador.


«José Costa Pinto» no Facebook >> A coisa promete.

«Albertino Amaral» no Facebook >> David Ribeiro, isso por acaso não dá uma valente "paulada"?

«José Costa Pinto» no Facebook >> Se substituirmos o tinto pelo Porto? Já experimentou, David Ribeiro?

«David Ribeiro» no Facebook >> Com "Porto" é capaz de ser pecado... e eu com os deuses não me meto :-)   Quanto a dar ou não "paulada"... O vinho aquecido, em princípio mantem exactamente a mesma graduação (tanto se evapora o álcool como os outros componentes do vinho), mas que se nota mais o álcool, lá isso é verdade.

«José Costa Pinto» no Facebook >> Ok, vou tentar convencer a minha mulher...

«David Ribeiro» no Facebook >> Eu faço sempre às escondidas da "patroa"... mas depois dou-lhe a provar e ela gosta :-)

«Maria Manuela Cameira Cardita» no Facebook >> Você é um jovem, David Ribeiro

«Fatima Sousa» no Facebook >> ummmmmmmmmmmmmmmm

«Ricardo Fonseca» no Facbook >> Que pomada!!!

«Graça Cavadas» no Facebook >> ;) Parece booommm!

«Joana Silva» no Facebook >> parece que vou exprimentar...



Publicado por Tovi às 19:46
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 7 de Abril de 2012
Cerveja Artesanal SOVINA

Como provavelmente já sabem eu não sou um apaixonado incondicional de fermentados de cevada maltada, mas de vez em quando lá bebo a minha cervejita. E isto vem a propósito de ontem ter comprado na “Mercearia das Flores” (Rua das Flores, 110 – Porto) uma garrafa de Cerveja Artesanal SOVINA (Cerveja Artesanal Gourmet, produzida na cidade do Porto por “Os Três Cervejeiros”) que me despertou para novos sabores e experiências. Estou a falar de uma cerveja genuína elaborada a partir de métodos artesanais, cerveja não filtrada, 100% malte, sem conservantes nem corantes, CO2 (gás) naturalmente produzido pela levedura e composta unicamente por água, malte de cevada, lúpulo e levedura.


«Luís Lopes» in Facebook >> E gostastes?

«David Ribeiro» in Facebook >> Sim!... Gostei desta cerveja artesanal (Sovina – Amber). Uma cerveja moderadamente forte, de cor âmbar, acentuada no malte e com amargor assertivo, frutada no aroma, macia e encorpada na prova.

«Sérgio Ribeiro» in Facebook >> Pela cor e pela narrativa descritiva tem que se boa. Tomei nota para provar em breve.

«Alexandra Magalhães» in Facebook >> A Mercearia tem coisas fantásticas... amanhã vou lá voltar e acho que vou provar então essa Cerveja... obrigado pela informação... Um beijinho e Boa Páscoa...

«David Ribeiro» in Facebook >> Uma boa Páscoa também para ti, minha querida Alexandra.



Publicado por Tovi às 08:04
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 8 de Maio de 2011
Coca-Cola

Faz hoje 125 anos que os americanos John Pemberton (farmacêutico) e Frank Robinson (contabilista) colocaram à venda um xarope com água carbonada, inicialmente servido em copos de vidro e misturados na hora de servir, e que nos dias de hoje se comercializa em mais de 200 países com o nome de Coca-Cola. Curiosamente este refrigerante só entrou em Portugal após a revolução de 25 de Abril de 1974, pois o Estado Novo considerava-a um atentado aos nossos costumes.


«Maria Amélia Taborda» in Facebook >> continuo a preferir um bom tinto...

«Vinho Negreiros» in Facebook >> O bom costume em causa era o copinho de vinho ao almoço - o lobby do vinho foi o grande responsável pela interdição da Coca-cola em Portugal.

«Gonçalo Graça Moura» in Facebook >>  pois, mas nas colónias era bebida de consumo corrente...

«David Ribeiro» in Facebook >> Pois claro... nas colónias não se fazia vinho.

«Gonçalo Graça Moura» in Facebook >> agora andam os brasileiros a tentar fazer...

«Fernando Duarte» in Facebook >> não digam asneiras, nunca existiu nenhuma lei a proibir a Coca Cola em Portugal, a lei que existia, e durou até 1993, era que qualquer empresa estrangeira tinha de pedir autorização ao estado para investir em Portugal e não tinha o direito de fugir com a maioria dos lucros. Se se lembram havia em Portugal marcas como a Canada Dry. Graças a essa politica económica Salazarista o país não estava arruinado como hoje, e se alguém tiver o descaramento de pretender que a politica económica dos políticos de agora é melhor, apenas lhe respondo que tem sorte, o ridiculo não mata.


Tags: ,

Publicado por Tovi às 08:00
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Dezembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Posts recentes

Licor de Hortelã Pimenta

Licor de Tangerina [T026/...

Glühwein - Vinho Quente

Cerveja Artesanal SOVINA

Coca-Cola

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus