"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Sexta-feira, 27 de Janeiro de 2023
Sondagem da Pitagórica para a TVI e CNN Portugal

Captura de ecrã 2023-01-26 082800.jpg 
PSD - 30,6%
PS - 26,9%
Chega - 14,2%
I.Liberal - 8,0%
BE - 5,6%
CDU - 2,2%
Livre - 1,9%
PAN - 0,9%

 

  Evolução das sondagens da Pitagórica comparadas com os valores das Legislativas2022
Sondagens Pitagórica 25jan2023.jpg

  Sondagens conhecidas em 2023 comparadas com valores das Legislativas 2022
(L=Legislativas2022; I=Intercampus; A=Aximage; P=Pitagórica)
Sondagens de 2023.jpg

 

  Júlio GouveiaNão passa de sondagens por isso vale o que vale, mas parece-me normal não porque o PSD tenha feito alguma coisa para isso mas sim porque o PS tem governado tão mal tão mal tão mal com tantos casos grandes de presumíveis vigários ( quase todos PS porque será) alguns já na # gaiola # de esquecimentos convenientes e outros ( muitos ) que o povo começa a abrir os olhos. E o Chega???? Sobe , pois sobe , mas a custa de quem??? Parece-me que não é preciso muito esperto para verificar que terá de ser á custa do único que desce que será o PS.



Publicado por Tovi às 07:27
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2023
Um é considerado pró-Putin e o outro anti-Putin...

...mas não há nada como ver e ouvir o que os majores-generais Agostinho Costa e Isidro de Morais Pereira, que estiveram na noite de terça-feira [17jan2023] na CNN Portugal para analisar os recentes desenvolvimentos da guerra na Ucrânia, começando desde logo com a crescente pressão sobre a Alemanha para o envio dos tanques Leopard 2. E depois cada um tire as suas conclusões.

Captura de ecrã 2023-01-19 213552.jpg
A análise da guerra por Agostinho Costa e Isidro de Morais Pereira

Albertino Amaral
Isto quererá dizer que os tanques fabricados pelos alemães, estão " emprestados " a outros países ? . Daí a impossibilidade de serem utilizados sem autorização, certamente... Esquisito...
Francisco Bismarck"aliados"? Nao sabia que, além da Ucrânia, havia mais paises em guerra com A Rússia

 

  Público de 19jan2023 às 19h31
Captura de ecrã 2023-01-19 214931.jpgO primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, declarou que a aprovação de Berlim para o envio de carros de combate Leopard 2, de fabrico alemão, para a Ucrânia, “é secundária”. “Ou obtemos acordo [para o envio] rapidamente, ou faremos nós mesmos o que é correto”, declarou Morawiecki na quarta-feira à noite à agência de notícias polaca PAP, quando regressava do fórum de Davos. O Governo alemão já declarara, antes, que um envio sem autorização alemã seria “ilegal”, já que é formalmente necessária a luz verde do país fabricante para a reexportação. [Notícia completa aqui]

 

Al Jazeera 19jan2023 
Captura de ecrã 2023-01-19 224227.jpgA Rússia alerta para uma escalada “extremamente perigosa” se a NATO enviar armas pesadas, como tanques de batalha e sistemas de mísseis de longo alcance para a Ucrânia. A declaração de cautela do Kremlin na quinta-feira veio antes de uma reunião de doadores importantes, enquanto os países ocidentais consideram enviar equipamentos militares mais poderosos para a Ucrânia com as forças russas intensificando os ataques para proteger o território.
  
Albertino Amaral
O que me parece, é que o " bluff " da Rússia, lá vai funcionando, e o resto é conversa...
Antero Filgueiras
Pois claro, se o ocidente enviasse fisgas decerto não haveria qualquer problema. O grande problema da Rússia é que o Ocidente está-se a "cag..r" para aquilo que diz Putin e a sua seita de doidos varridos. Tudo ratos ladrões e corruptos, que estão proibidos de sair do buraco. O Czar foi chutado pelo povo e estes terão igual tratamento.
Paulo Barros Vale
Por cá temos gente a apoiar esta escroqueria russa

 

  Al Jazeera 20jan2023
Captura de ecrã 2023-01-20 102816.jpgAutoridades de defesa de cerca de 50 países estão reunidos hoje na Base Aérea de Rammstein na Alemanha, para elaborar uma futura ajuda militar à Ucrânia. A medida ocorre perante as divergências contínuas sobre quem fornecerá os tanques de guerra que Kiev diz serem desesperadamente necessários para recapturar os territórios ocupados pela Rússia. Para já, e sem se fazer referência específica aos tanques de guerra, os EUA anunciaram um adicional de 2,5 mil milhões de US$ em ajuda militar para a Ucrânia na quinta-feira, incluindo mais veículos blindados e munições. A Finlândia também anunciou 400 milhões de euros em equipamentos de defesa para a Ucrânia.
  
Isabel Sousa Braga
Haja dinheiro para alimentar a guerra porque para os povos europeus que comam bosta 😵. Negociar não dá dinheiro.
Diogo Quental
Haja dinheiro para obrigar os invasores a recuar, para que os povos europeus possam continuar a ser livres e a fazerem a sua vida normal todos os dias.

Captura de ecrã 2023-01-20 154823.jpg

Responsáveis pela Defesa de cerca de 50 países estão reunidos na Alemanha para discutir mais uma futura ajuda militar à Ucrânia. O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, intensificou seu pedido por mais armas no início da reunião, dizendo que a guerra iniciada pela Rússia “não permite atrasos”. O ministro da Defesa alemão, Boris Pistorius, faz uma declaração durante a reunião do Grupo de Contacto de Defesa da Ucrânia na Base Aérea dos EUA em Ramstein, oeste da Alemanha, dizendo que Berlim continua hesitante em fornecer os tanques de guerra que Kiev argumenta que precisa para vencer a guerra e que nenhuma decisão sobre o Leopard 2 de fabricação alemã foi tomada ainda.

Rui Lima
Já se percebeu que será uma utopia a Ucrânia suster a invasão e impossível ganhar uma guerra à Rússia. A solução passa por negociações e o mais rápido possível. O Ocidente não pode envolver-se mais neste confronto.
Jorge Veiga
Rui Lima depois da Ucránia vai a Moldávia, a Estónia, a Letónia e a Europa fica a ver para não se envolver. Quando chegar à fronteira de Portugal, vamos para a guerra.
Rui LimaJorge Veiga Não sei mas a verdade é que já entramos no conflito indirectamente e não vejo as coisas a evoluírem, o que vejo são as populações civis a sofrer.
Jorge VeigaRui Lima Os Ucranianos não querem nada com os russos, porque se fartaram de serem os serviçais deles. Como todos os países que fazem parte da Federação Russa, estão debaixo das ordens de Putin e seu séquito, pelo que ouvimos falar da Rússia e não ouves falar dos outros. Espezinhados durante a União Soviética, os Ucranianos mostraram os tomates e disseram que não querem mais nada com Moscovo. Até podem perder a guerra, mas ficam com a paz interior de tudo terem feito para que tal não acontecesse.

 

  CNN Portugal às 16h42 de hoje
Captura de ecrã 2023-01-20 173917.jpgPortugal vai enviar para a Ucrânia um segundo conjunto de 14 veículos blindados de transporte de pessoal M113, oito geradores de grande capacidade para produção de energia elétrica, mais munições de 120mm e mais duas toneladas de equipamento médico e sanitário. O anúncio foi feito pela ministra da Defesa Nacional, Helena Carreiras, durante a reunião do Grupo de Contacto para a Defesa da Ucrânia, que se reuniu presencialmente esta terça-feira, em Ramstein, na Alemanha. No que respeita aos carros de combate Leopard 2, a ministra da Defesa Nacional reiterou a oferta de treino nesta tipologia carros de combate e manifestou a disponibilidade do Governo português para identificar, de forma coordenada com os seus parceiros, formas de apoiar a Ucrânia com esta capacidade.
 
Jorge Rodrigues
Quando precisámos do apoio da NATO na defesa dos estados portugueses do ultramar/províncias ultramarinas ninguém nos ajudou e a NATO mandou nos dar uma volta… É assim a hipocrisia humana…
José Manuel Nero
Jorge Rodrigues 👏👏👏👏👏👏
Joaquim FigueiredoJorge Rodrigues Angola, Moçambique, Guiné eram povos com identidade própria. Eram colonizados como a Rússia quer colonizar um país independente
Jose Pinto PaisJorge Rodrigues depois destes anos todos depois do 25 de Abril nem me passava pela cabeça ver um comentário deste calibre. Só falta terminar com a mazima Fascismo sempre viva o Salazar
Paulo Barros ValeJorge Rodrigues e deviamos defender territórios da ultima potencia colonial do mundo, deixando morrer a juventude que não queria a guerra sem sentido?
Luis BarataJoaquim Figueiredo lembro que foi exactamente a Rússia a mentora e instigadora da nossa guerra colonial!
Luis BarataPaulo Barros Vale e abandonar Portugueses á sua sorte, não os defender de chacinas?...
Luis BarataJose Pinto Pais sim, esse enorme Estadista, Português maior.
Isabel Sousa BragaMandem tudo só não mandem os nossos filhos. 😥. Cambada
Jose Bandeira
Essa é a contribuição dos ucranianos!
Helder Ferreira
1o os ucranianos e depois lá no fundo se houver tempo alguns portuguses em especial do PS, e por fim os verdadeiros portugueses que andam a sustentar isto... 
Francisco BismarckPaulo Barros Vale resposta a Joaquim Figueiredo. A " identidade própria ria da Guiné era notável. 14 etnias com linguas e religioes diferentes. A de Moçambique tb. Então Macuas e Macondes sempre se deram muito bem. E em Angola, 30 anos de guerras tribais provam essa identidade claramente. E logo em 61 os bacongos mataram bailundos gostosamente. Ora bolas, é tão fácil mandar palpites sobre o que se ignora
Paulo Barros ValeFrancisco Bismarck portanto o mais certo para países criados a régua e esquadro ou pela força da subjugação é manter uma coisa inexistente que se chama colonialismo branco sobre a pretalhada 💩
Francisco Bismarck
Paulo Barros Vale talvez tivesse sido bom ter perguntado aos cidadãos que futuro pretendiam. Devolvo a prenda por erro de destinatário e adequação ao remetente
Luis Barata
Francisco Bismarck exactamente! E á conta dessa veleidade criminosa que foi a tal descolonização exemplar morreram 10.000.000 ! Nas guerras que se sucederam, na falta de assistencia, nas fomes, na doença, etc, até hoje! Ninguém fala disso.
Jorge LiraSe os leopard nunca vieram a Portugal como é que se vai dar formação ? Grande treta
David RibeiroJorge Lira, nós temos 37 destas unidades... se as queremos ceder à Ucrânia é outro assunto.
Jorge LiraDavid Ribeiro as coisas em que gastamos dinheiro....m



Publicado por Tovi às 07:28
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 26 de Dezembro de 2022
Sondagem da Pitagórica em dezembro de 2022

Captura de ecrã 2022-12-23 093938.jpg

É o terceiro mês consecutivo em que a sondagem da Pitagórica, feita para a TVI e CNN Portugal, aponta para praticamente o mesmo resultado.

 

  Evolução das sondagens da Pitagórica (de agosto a dezembro), comparando com o resultado das últimas Legislativas.
Pitagórica dez2022.jpg



Publicado por Tovi às 07:40
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 22 de Outubro de 2022
Quem irá suceder a Liz Truss?...

1024.jpg

Liz Truss renunciou na quinta-feira ao cargo de Primeira-Ministra britânica após um desastroso mandato de seis semanas, mas assegurou que dentro de uma semana o Partido Conservador terá novo líder. A eleição do sucessor é só o último grande desafio na história recente do Partido Conservador, que vive um dos anos mais difíceis de sempre. Depois do escândalo das festas de Boris Johnson durante a pandemia — que provocou uma onda de indignação entre britânicos de todas as simpatias políticas dada a severidade das medidas restritivas que o ex-primeiro-ministro impôs ao país mas não a si mesmo —, passando pela aprovação de um plano económico apoiado em mais empréstimos e, por isso, mais dívida que os mercados rejeitaram assim que Truss o anunciou, a confiança dos britânicos numa liderança conservadora pode ter saído profundamente abalada. 

 

  Azeredo Lopes na CNN Portugal em 20out2022 às 17h21
Caiu Theresa May mesmo antes do Brexit, caiu Boris Johnson depois, caiu Liz Truss agora, e a cada queda o que mais se discute é se vai ser mais rápida do que a do antecessor. Caiu o crédito do país nos mercados, subiram as taxas de juro, faleceu a Rainha e subiu ao trono o filho, a Escócia quer novo referendo para a independência já para o ano e, como se tudo isto não fosse amplamente suficiente, Ronaldo não tem jogado e ontem até foi irritado para os balneários antes do fim do jogo, quando compreendeu que já não ia entrar. (...) Mal chegou a Primeira-Ministra, Liz Struss cometeu o pecado capital de apresentar um plano económico que correspondia, ponto por ponto, ao que prometera como candidata à liderança do Partido Conservador. Sim senhora, cumprira aquilo que anunciara. Simplesmente, o plano era tão mau que os “mercados” decretaram que aquilo que se propunha fazer era um disparate, como o jogador compulsivo que, no casino, pede um empréstimo milionário para recuperar a fortuna que perdeu na roleta. (...) O certo é que, desde o Brexit, o Reino Unido está pior, mais instável, e de nenhum modo se confirmaram os eldorados que foram prometidos quando da decisão. Perdeu as almofadas institucionais que a União lhe garantia. Sim, a UE tem muitos defeitos. Mas, por estas bandas, ainda ninguém inventou melhor, e muito menos o Reino Unido. (...) Quem está a rir é Vladimir Putin. Depois de Mario Draghi, dois a zero (Boris Johnson e Liz Truss), e ainda aqui estou, deve estar a dizer para com os seus botões.  [Notícia completa aqui]

 

  EuronewsO provérbio português "Atrás de mim virá, quem de mim bom fará" assenta que nem uma luva a Boris Johnson que, apenas seis semanas depois de ter sido obrigado a demitir-se, volta a ser uma hipótese a considerar pelos tories na chefia do governo. A corrida está de novo aberta e Boris Johnson, que estava de férias nas Caraíbas, está de regresso a Londres para uma fim de semana que se prevê bastante movimentado na busca de apoios. Rishi Sunak, que tinha sido derrotado por Truss e Penny Mordaunt, líder da câmara dos comuns também aspiram à chefia do partido e do governo. Todos eles terão de assegurar até à próxima segunda-feira o apoio de pelo menos 100 deputados conservadores. Se só um conseguir será automaticamente nomeado primeiro-ministro. Se não, o voto online é lançado na sexta-feira, 28 de outubro, para que os tories escolham.

 


311691898_5712059885483592_8990720186911347441_n.j



Publicado por Tovi às 07:41
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 15 de Outubro de 2022
Foi demitido o Ministro das Finanças do Reino Unido

Captura de ecrã 2022-10-14 165727.jpg
Disse um amigo meu e com toda a razão: "Se aquilo fosse uma República, a esta hora um Presidente eleito já tinha demitido o governo e devolvido a palavra aos eleitores."

 
  Da notícia do Público: "Liz Truss demitiu esta sexta-feira o seu ministro das Finanças enquanto ela própria luta pela sobrevivência política. Kwasi Kwarteng deixa o cargo ao fim de 37 dias, num clima de enorme insatisfação nas fileiras conservadoras quanto à forma como o Governo apresentou o seu plano económico e geriu o terramoto político, económico e financeiro que se seguiu."
 
  CNN Portugal - 14out2022 às 15h11

A primeira-ministra britânica, Liz Truss, invocou esta sexta-feira o “interesse nacional” e a necessidade de estabilidade económica no Reino Unido para demitir o ministro das Finanças, Kwasi Kwarteng“A minha prioridade é garantir a estabilidade económica que o nosso país necessita. Foi por isso que tive de tomar as decisões difíceis que tomei hoje”, explicou numa conferência de imprensa. Truss garante que mantém a missão de "elevar os níveis de crescimento económico” do Reino Unido, mas admitiu que, "em última análise, é necessário garantir a estabilidade económica", pelo que teve de "agir no interesse nacional". Numa declaração inicial, Truss disse ter “imensa pena” de perder o “grande amigo” Kwarteng que partilha a sua "visão de colocar " o Reino Unido "no caminho do crescimento”. Para o lugar nomeou Jeremy Hunt, "um dos ministros e parlamentares mais experientes e amplamente respeitados”, o qual será responsável por apresentar o plano fiscal a médio prazo em 31 de outubro. De forma a acalmar a volatilidade nos mercados financeiros observada após a apresentação do plano de crescimento económico em 23 de setembro, a primeira-ministra aceitou aumentar de 19% para 25% o imposto sobre as empresas em abril de 2023. 

  Sebastião Bugalho na CNN Portugal - 15out2022
Há uma mulher de direita a destruir uma democracia europeia (e ainda não é a senhora Meloni)
- Não 
é o sr. Sánchez e as suas intermináveis geringonças, o sr. Macron, que ficou sem maioria na Assembleia Nacional, o sr. Scholz, às avessas com meio partido russófilo, o dr. Costa, sem um mês órfão de casos desde a reeleição, nem mesmo a sra. Meloni, herdeira da tradição fascista e contestatária da União Europeia. Há um governo no velho continente cujo radicalismo e incompetência provocaram a autêntica ruína política, económica e financeira do seu país: o britânico. A democracia parlamentar mais antiga da Europa, a terra do liberalismo, da revolução industrial, da City, admirada pelas suas tradições democráticas, invejada pelo seu poderio empresarial, está, neste momento, à beira de uma intervenção do FMI com um governo incapaz do ato de governar. O mais extraordinário é que Liz Truss o conseguiu fazer no curto espaço de 37 dias. Se a isso subtrairmos o luto e as cerimónias de despedida da Rainha Isabel II, o desaire concretizou-se em menos de três semanas. Como escrevia com alguma graça a Economist: menos tempo de vida do que uma alface.



Publicado por Tovi às 07:56
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 20 de Setembro de 2022
A Europa numa profunda crise energética

Captura de ecrã 2022-09-20 095516.jpg

A análise de Tim Lister e Vasco Cotovio - A Ucrânia pode ganhar a guerra à Rússia? Eis o que se segue no conflito publicada hoje na CNN Portugal, diz-nos que "há muito que é evidente que parte da estratégia do Kremlin consiste em ajoelhar a determinação europeia no apoio à Ucrânia, mergulhando-a numa crise energética ao fechar literalmente as torneiras de gás". E no terreno os combates continuam, com ambos os lados a prepararem-se para um longo Inverno, em vez de explorarem as perspetivas de um acordo. 

  O gambito do gás (parte do artigo referido anteriormente)
Há muito que é evidente que parte da estratégia do Kremlin consiste em ajoelhar a determinação europeia no apoio à Ucrânia, mergulhando-a numa crise energética ao fechar literalmente as torneiras de gás.
Num fórum em Vladivostok no início deste mês, Putin afirmou: “Não forneceremos absolutamente nada se isso for contrário aos nossos interesses. Não no gás, não no petróleo, não no carvão, não no fuelóleo, nada”.
No meio de contratempos no campo de batalha, Ivo Daalder e James Lindsay escrevem na revista “Foreign Affairs” que “a melhor esperança de Putin - talvez a sua única esperança - é que o apoio ocidental à Ucrânia se desmorone à medida que os custos da guerra, incluindo a escassez de energia e o aumento dos preços, comecem a atingir a Europa”.
Os preços do gás natural na Europa estão 10 vezes mais elevados do que há um ano, com a Rússia a ganhar cerca de mil milhões de dólares [valor equivalente em euros] por dia nos primeiros três meses do conflito das exportações de energia. E o regime de sanções contra a Rússia só terá um impacto significativo a longo prazo, porque a economia russa é tão autocontrolada.
Mas o próximo Inverno será o teste de ácido do aperto na energia de Moscovo. Em vez de procurarem um compromisso, os governos europeus concluíram que as concessões apenas iriam encorajar o Kremlin. Estão apostados em assumir despesas pesadas para proteger os consumidores e, numa estratégia a mais longo prazo, para reduzir a dependência da energia russa. Depois de procurarem fornecedores alternativos no mundo, acumularam reservas (no caso da França, para mais de 90% da capacidade).
Embora os preços do gás no mercado grossista ainda estejam altos, eles caíram cerca de um terço nas últimas três semanas. Alguns analistas pensam que cairão ainda mais, reduzindo o custo dos subsídios que estão a ser introduzidos pelos governos europeus, já amarrados quanto a dinheiro.
Há também sinais de que os preços elevados do petróleo e do gás na Rússia podem ter atingido o seu pico. A Agência Internacional de Energia prevê que a produção russa de petróleo será 17% mais baixa em fevereiro próximo em comparação com a produção anterior à guerra, uma vez que seja sentida a força total das sanções da UE.
Daalder e Lindsay acreditam que os aliados da Ucrânia definiram o seu rumo. “Muitos céticos no Ocidente acreditam que as democracias irão ceder perante as dificuldades”, escreveram. “as tais vozes subestimam o poder de permanência do Ocidente”.


Joaquim Figueiredo
Esperemos que seja a Rússia a ajoelhar-se...
David RibeiroEsperemos que explorem as perspetivas de um acordo.
Jose Pinto Pais
Joaquim Figueiredo vais por o Putin a rezar  😀
Albertino AmaralQuero acreditar que não se trata de uma questão de humilhação, para que cada um se possa ou não ajoelhar em jeito de pedir perdão, mas sim pensar sèriamente em terminar com esta verdadeira estupidez, a que chamam guerra, invasão, ou o que queiram chamar. Não é aceitável esta situação em pleno Século XXI.....!

 

 Maximilian Hess in Al Jazeera - 19set2022
Captura de ecrã 2022-09-20 103923.jpgItália e Bulgária: os grandes testes da Europa para a unidade energética russa
Europa enfrenta duas opções neste inverno. A primeira é aceitar o racionamento de gás, provavelmente causando grandes e duradouros danos à indústria pesada e centenas de milhares de milhões de euros em gastos para gerenciar os custos de energia em alta e acelerar a transição energética. A segunda opção é aceitar a destruição do Estado ucraniano pelo presidente russo Vladimir Putin e sua trama de futuras guerras de agressão. A opção dois é, obviamente, totalmente inaceitável. No entanto, a capacidade da Europa de permanecer unida em rejeitá-la enfrenta dois testes iminentes: eleições na Itália em 25 de setembro e depois na Bulgária uma semana depois. Nos dois países, forças políticas mais alinhadas com Putin do que o resto da Europa podem chegar ao poder, potencialmente ameaçando uma frente coesa na questão das sanções contra a Rússia.

  Paulo TeixeiraDavid na Itália na há risco nenhum. Georgia Melloni disse ainda ontem de forma clara que a alternativa a derrota da Ucrânia não existia e podia acontecer. Pois o resultado final seria a vitória da China e não da Rússia O nacionalismo mede se por critérios e valores que o mainstream e os jornais não entendem e conseguem explicar.

 

  A propósito...
306962912_548019717327619_7626134011601758587_n.jp

 

  Maritime gas dispute risks conflict between Lebanon and Israel
Captura de ecrã 2022-09-20 173043.jpgNuma altura em que o GÁS é um bem precioso, já temos um novo problema: Karish é um campo de gás relativamente pequeno e inexplorado no Mar Mediterrâneo Oriental, mas sua localização entre Israel e o Líbano significa que pode levar a um novo conflito entre os dois vizinhos.



Publicado por Tovi às 09:14
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)

Segunda-feira, 12 de Setembro de 2022
Forças russas em retirada no leste da Ucrânia

Captura de ecrã 2022-09-11 094541.jpg

A Rússia abandonou o seu principal bastião no nordeste da Ucrânia, após um colapso repentino de uma das principais linhas de frente da guerra, com as forças ucranianas a fazerem um rápido avanço. A queda rápida de Izyum na província de Kharkiv no sábado foi a pior derrota de Moscovo desde que as suas tropas foram forçadas a voltar da capital, Kiev, em março.

 

  A Ucrânia conseguiu importantes avanços nos últimos dias, conquistando as cidades de Balakliia, Kupiansk e Izium, obrigando mesmo as forças russas a uma retirada, ainda que Moscovo chame a esse movimento um “reagrupamento” para concentrar esforços na libertação do Donbass. A forte contra-ofensiva surge poucas semanas depois de várias afirmações de que estaria em curso uma grande mobilização ucraniana para o sul do país, com o grande intuito de libertar as regiões ocupadas de Kherson e Zaporizhzhia. Houve, efetivamente, avanços nessas zonas, mas, sabe-se agora, tudo não terá passado de uma grande campanha de desinformação para distrair a Rússia do verdadeiro propósito: recuperar os postos na região de Kharkiv, onde está a segunda maior cidade do país.

 


transferir.jpgÉ um facto que na Europa somos nós, os portugueses, que geograficamente estamos mais longe da Rússia e com quem temos ou nunca tivemos contactos diretos que justifiquem uma tamanha aversão como aquela que se tem visto nos comentários dos últimos tempos nas redes sociais. Não será que estejamos a “emprenhar pelos ouvidos” (pardon my french)?... À propaganda intensa na comunicação social ocidental relacionada com a guerra na Ucrânia, teremos todos, mas mesmo TODOS, que responder com dois dedos de testa e repudiarmos aquilo que me faz lembrar os velhos tempos do Estado Novo, em que o terror do "leste vermelho" e o mal que por lá faziam a todos, adultos, velhos e crianças, e em que por cá para se ser funcionário público se tinha de jurar a pés juntos e por todos os santinhos que não se tinha qualquer simpatia ou ligação à Rússia e aos russos, mais o “facto” da Nossa Senhora ter vindo a Fátima, cá tão longe, falar mal da Rússia. Mas o Leste já deixou de ser VERMELHO e embora Putin adorasse ser um novo Czar da Rússia as coisas já não são o que eram nem aquilo que muitos parecem adorar que fossem.

Joaquim Figueiredo
Há algo que me intriga e chateia.. .a permanente intromissão de Zelensky no que deve ou não a UE fazer...
David RibeiroJoaquim Figueiredo, não será que Zelensky é o "testa de ferro" dos EUA nesta guerra com a Rússia?
Maria Gabriela RafaelDavid Ribeiro por favor....testa de ferro?
David Ribeiro - Minha querida amiga Maria Gabriela Rafael - os longos anos que nos permitiram conhecermo-nos dá-me o direito de carinhosamente te tratar por “querida” - o percurso de consolidação democrática na Ucrânia, desde a sua independência em 1991 até 2014 foi fortemente marcado por avanços e retrocessos. Durante os anos da sua independência, a Ucrânia balança entre a U.E. e a Rússia, conjugando assim os seus interesses na sua política externa. De forma geral, aproximando-se da U.E., a Ucrânia obteve avanços positivos no processo de consolidação democrática. No entanto, com a presidência de pró-russos, a democracia na Ucrânia, de um modo geral, deteriorava-se. O objetivo é analisar o poder normativo da U.E. em conjunto com as forças internas da Ucrânia. A Ucrânia sempre se mostrou ser um país cuja consolidação democrática tem sofrido de vários avanços e recuos, o que não é apenas influenciado pela U.E., mas também pelo seu líder político, embora não signifique que um presidente pró-russo “vire costas” à U.E. e vice-versa, mas que o estado de democracia depende, de certa forma, das inclinações políticas deste. Através das teorias de democratização os trabalhos analisados do percurso democrático da Ucrânia desde a sua independência em 1991, passando pela Revolução Laranja em 2004, e a Revolução da Dignidade, a Euromaidan, que começou em 2013 e a anexação da Crimeia, com o objetivo de demonstrar que este não tem sido de todo um processo linear e que o nível de democracia no país está ligado com o seu líder político.
Jorge RodriguesJoaquim Figueiredo sem dúvida... Mas acrescento que se hoje fosse obrigatório uma declaração de honra (se é que a têm…) para os candidatos a professores afirmando que não eram membros do partido comunista como chegou a acontecer nalguma casos… Não teríamos o ensino degradado dos últimos 50 anos nem a juventude corrompida pelas ideias extremistas de direita e sobretudo de esquerda como os fundamentalistas alheados da realidade do dia a dia que enxameiam o PAN, o BE, o PCP …
Diogo QuentalAcho que ninguém está a emprenhar pelos ouvidos, David. Está é tudo chocado com a invasão a um país democrático, e com a táctica de guerra criminosa. Tenho bastante proximidade com a Rússia, tanto em termos pessoais como profissionais, e estava até a preparar-me para lá viver uns meses. Nada disso altera o choque. Choca-me é ver que não estás chocado. Há uma rede social bastante independente: o Reddit. Sugiro que tentes ver a informação que passa por lá. Abraço e não me leves a mal, pf. 
David RibeiroCaríssimo Diogo Quental... tenho a certeza absoluta que sabes estar eu minimamente informado sobre a invasão da Rússia ao território ucraniano, as chamadas e nunca admissíveis "operações militares especiais", mas nem tudo o que por aqui se diz é a VERDADE.
Diogo QuentalDavid Ribeiro Certo, mas como é que não te choca que, por exemplo, em Bucha tenham sido assassinados entre 80 a 100 mil civis? Mesmo que aches que os números tenham sido inflaccionados, e "apenas" tenham sido torturados e executados umas dezenas, como é que não choca?
David RibeiroDiogo Quental, mas onde é que alguma vez me ouviste negar as atrocidades das tropas de Putin?
Diogo QuentalDavid Ribeiro pareceu-me que esta frase "nunca tivemos contactos diretos que justifiquem uma tamanha aversão como aquela que se tem visto nos comentários dos últimos tempos nas redes sociais" mostrava a tua surpresa com o choque generalizado com Putin e a Rússia. Se conheces as atrocidades, mas não estás chocado, então o que te chocaria? É que pior não é fácil.
David RibeiroDiogo Quental... Para quem, como eu, já fez três “guerras”, uma na preparação de tropas para seguirem para uma guerra colonial, outra para acabar, de armas na mão, com uma ditadura de mais de quarenta anos, e ainda uma outra como “mercenário” numa guerra da independência de umas das antigas colónias portuguesas, acredita meu querido amigo que cada vez mais sou um adepto da PAZ.
Diogo QuentalDavid Ribeiro óptimo. Mas não vejo como concilias uma coisa com a outra. Não são todas essas guerras mais razões para estares chocado?
David RibeiroDiogo Quental... só quem não deseja a PAZ poderá não estar chocado com tudo o que acontece na Ucrânia.
Diogo QuentalDavid Ribeiro ok, espero então que a minha aversão ao regime de Putin se entenda.
D
avid RibeiroClaro, Diogo Quental
... também eu tenho aversão ao despotismo de Putin.
Zé CarlosPrezado David Ribeiro, tem algum feeling sobre o tempo que esta tragédia ainda vai durar ?
David Ribeiro
Zé Carlos... Oh pá... nestas coisas sou como o João Pinto, que dizia que “prognósticos só no fim do jogo".
Paulo Barros ValeIsto é um post cómico não é?????
David RibeiroSeguramente que o defeito será meu ao não entender este seu comentário, Paulo Barros Vale. Não nos quer fazer o favor de ser mais explícito?

 

  Tim Lister e Darya Tarasova, da CNN - hoje às 07h33
1024.jpgA última semana assistiu a uma espantosa transformação do campo de batalha no leste da Ucrânia, enquanto uma rápida ofensiva blindada das forças ucranianas percorria linhas de defesa russas e recapturava mais de 3.000 quilómetros quadrados de território. Isto é mais território do que as forças russas capturaram em todas as suas operações na Ucrânia desde abril. Por mais que a ofensiva tenha sido brilhantemente concebida e executada, também foi bem sucedida devido às insuficiências russas. Em toda a parte da região de Kharkiv, as unidades russas estavam mal organizadas e equipadas - e muitas ofereciam pouca resistência. Os seus fracassos, e a sua retirada desordenada para leste, tornaram o objetivo da operação militar especial do Presidente Vladimir Putin de ficar com as regiões inteiras de Luhansk e de Donetsk consideravelmente mais difícil de alcançar. Durante o fim-de-semana, a retirada russa continuou, a partir das zonas fronteiriças que tinham sido ocupadas desde março. Aldeias situadas a cinco quilómetros da fronteira erguiam a bandeira ucraniana. O colapso das defesas russas incendiou recriminações entre os influentes bloggers militares russos e personalidades dos meios de comunicação estatais russos. Com a bandeira ucraniana a ser hasteada numa comunidade atrás da outra ao longo dos últimos dias, surgiu uma questão: como é que o Kremlin responde?
(Notícia completa aqui)

 

  
08-Mana-Neyestani-Iran-copie-scaled-e1645715493162
Pergunta para um milhão de dólares: Quais serão os próximos passos de Putin depois da sua pior semana de toda a “operação militar especial”?

Pedro Ferreira
Suicida-se ? Cai de uma varanda ?
Jorge VeigaEnvenenado?
David RibeiroHummmm!... Não creio... Ainda não deve ter oposição suficiente dentro de portas. E quanto maior for a falta de apoio interno maior será o endurecimento bélico.
Albertino Amaral
Vai passar a pasta ao Medvedev e ele que se desunhe.......
Isabel Sousa BragaContinuam a achar que ele entrou nisto para perder?
Paulo TeixeiraVamos com calma. Nada está ganho ainda. E os senhores do Kremlin já deram provas de loucura o suficiente para não desistir apesar de tudo
Joaquim FigueiredoTentar negociar...
Paulo LeonardoPor enquanto é uma "Operação Militar" a guerra ainda não começou. Na verdade a mobilização é feita com militares voluntarios para esta específica intervenção e outros mercenarios. Caso seja declarada Guerra à Ucrania a mobilização será diferente. No que diz respeito ao material empregue até ao momento está longe de ser o mais atual. Para concluir a guerra esta longe do fim e os povos do leste estão habituados à terra queimada.



Publicado por Tovi às 08:04
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 23 de Agosto de 2022
Barómetro de agosto da Pitagórica

Captura de ecrã 2022-08-22 214650.jpg



Fernando Duarte
Os indecisos também votam, e por vezes decidem à ultima da hora. Uma "Jéssica" por exemplo, assassinada na véspera por uma bruxa com a cumplicidade da mãe, e o CHEGA passa de 9 para 20 !
Rui LimaO vendedor de banha da cobra a crescer é inexplicável... Idem para o PC .



Publicado por Tovi às 08:49
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 12 de Junho de 2022
Traidor ou herói?... e os "mercenários" quem são?

Este artigo de Tim Lister e Sanyo Fylyppov, ambos da CNN - Traidor ou herói? É difícil para a Ucrânia identificar os colaboradores russos -, merece uma leitura... leitura calma, atenta, sem "clubites" exacerbadas. É que em todos os conflitos há sempre os "Gauleiters".
Captura de ecrã 2022-06-10 153257.jpg
Está em andamento um ajuste de contas na Ucrânia, com os procuradores a trabalhar em dezenas de casos contra ucranianos acusados ​​de colaborar com as forças russas. O Ministério do Interior diz que já existem mais de 500 casos sob investigação. Do presidente Volodymyr Zelensky para baixo, as autoridades ucranianas reservaram uma aversão especial a supostos colaboradores, ou “Gauleiters”, como são frequentemente apelidados. O termo Gauleiters era usado para os funcionários distritais na Alemanha nazi. Artigo completo aqui

 

  Prisioneiros de guerra
20140824100925553778i.jpg
Um tribunal da região separatista de Donetsk, controlada por rebeldes apoiados pela Rússia, emitiu sentenças de morte para dois cidadãos britânicos e um marroquino, que foram capturados enquanto lutavam pelo exército ucraniano contra as forças russas e que foram identificados como "mercenários". O veredicto de quinta-feira [9jun2022] do Supremo Tribunal da autoproclamada República Popular de Donetsk (DPR), marca a primeira condenação de combatentes estrangeiros desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro.
Um governador ucraniano disse na sexta-feira [10jun2022] que o seu país realizou a 11.ª troca de prisioneiros com a Rússia desde fevereiro, trocando quatro russos por cinco ucranianos. O governador da região de Mykolaiv, Vitaliy Kim, escreveu no Telegram que um dos ucranianos libertados era o chefe da vila local Oleh Pylypenko, que Kim disse ter sido “sequestrado” pelas forças russas em 10 de março.
A família do britânico Shaun Pinner, condenado à morte por um tribunal separatista em Donbas, disse estar devastada com a notícia e pediu que ele fosse trocado ou libertado. “Em primeiro lugar, toda a nossa família está devastada e entristecida com o resultado do julgamento ilegal da chamada República Popular de Donetsk”, disse a família em comunicado. “Shaun deve receber todos os direitos de um prisioneiro de guerra de acordo com a Convenção de Genebra e incluindo representação legal independente completa. Esperamos sinceramente que todas as partes cooperem com urgência para garantir a libertação ou troca segura de Shaun”.


600.jpgLendo o artigo de Mansur Mirovalev (correspondente e produtor de televisão baseado em Kiev que trabalhou com a AP, Al-Jazeera, BBC, CNN, Los Angeles Times, National Geographic, The New York Times, RFE/RL e Vice News, entre outros) publicado na Al Jazeera em 10jun2022, também eu estou convencido que, apesar de ter havido uma sentença de morte, não haverá uma execução. Ora vejamos: 
I) Os cidadãos britânicos Aiden Aslin, de 28 anos, e Shaun Pinner, de 46, mais o marroquino Brahim Saadoun, de 21 anos, lutaram pelo exército ucraniano entre milhares de outros estrangeiros que se inscreveram para combater a invasão russa. 
II) Os três foram capturados por separatistas pró-Rússia e acusados ​​de tentar “tomar o poder” e “treinar para conduzir atividades terroristas”, segundo os “promotores” separatistas. 
III) O “Supremo Tribunal” de Donetsk considerou-os “mercenários” no que parece ser um esforço legal para colocá-los fora do âmbito das Convenções de Genebra. 
IV) As Convenções concedem aos prisioneiros de guerra imunidade de processo por ações militares consideradas lícitas. 
V) O tribunal aprovou a sentença de morte na quinta-feira [9jun2022] de acordo com a constituição da era estalinista que os separatistas “restauraram” no seu estado totalitário. 
VI) Os três enfrentam a morte por fuzilamento, mas podem recorrer da sentença dentro de um mês, disse o juiz separatista Alexander Nikulin, segundo a agência de notícias Donetsk, administrada pelos rebeldes. 
VII) Mas os separatistas não ousarão executar os três, como afirmou Kozlovsky, que foi capturado em 2016 pela sua postura pró-ucraniana e sobreviveu a meses de tortura e ameaças de morte até ser trocado e levado para Kiev em 2018. “Eles não vão correr o risco de executá-los. Tivemos casos semelhantes quando as pessoas foram condenadas à pena capital e foram trocadas”, disse o professor de 68 anos que lecionava estudos religiosos na Universidade Estadual de Donetsk. A sentença “foi a decisão de Moscovo de aumentar o preço, assustar o Ocidente”, disse Kozlovsky. 
VIII) Nas fotos e vídeos divulgados pela mídia separatista e russa, os três pareciam abatidos, pálidos e exaustos. 
IX) Todos se declararam culpados porque foram torturados, segundo Kozlovsky, que relembrou a sua própria experiência. 
X) Mas os separatistas e seus apoiantes do Kremlin não precisam que o julgamento termine com a morte dos três. Eles visam um prémio político muito maior. A “República Popular de Donetsk” dos separatistas, conhecida na Ucrânia como DNR, e seu irmão menor na vizinha Luhansk, conhecido como LNR, estão desesperados por reconhecimento. Mesmo a Rússia, cujo apoio militar, político e financeiro os criou em 2014 e os manteve à tona por oito anos, reconheceu sua independência apenas em 22 de fevereiro, dois dias antes do início da guerra. 
XI) A sentença forçará Londres a iniciar negociações diretas com Donetsk, dando aos rebeldes pelo menos um verniz de legitimidade. "A Rússia, é claro, lavará as mãos dizendo que os chamados 'LNR' e 'DNR' são estados independentes", forçando o governo do Reino Unido a lidar diretamente com Donetsk. "Os julgamentos estão sendo realizados com base na legislação da República Popular de Donetsk, porque os crimes em questão foram cometidos no território da RPD", disse Sergey Lavrov, citado pela mídia russa nesta quinta-feira [9jun2022]. 
XII) As negociações não envolverão apenas uma nação europeia – mas um dos maiores apoiantes internacionais da Ucrânia, o Reino Unido. Após mais de três meses de guerra, Londres estabeleceu laços sem precedentes com Kiev. O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, prometeu transferências de armas, visitou a capital ucraniana em abril e tornou-se o primeiro líder ocidental a discursar na Verkhovna Rada, a câmara baixa do parlamento ucraniano, após o início da guerra. Não limitada pelas políticas energéticas da União Europeia e quase independente do fornecimento de energia russo, Londres tornou-se uma das maiores críticas de Moscovo – tornando Johnson o bicho-papão favorito da mídia controlada pelo Kremlin. 



Publicado por Tovi às 07:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 21 de Março de 2022
Polónia quer "missão de paz" em Kiev


20161207_Cooperação-União-Europeia-e-NATO.jpgDisse o vice-primeiro-ministro polaco, Jaroslaw Kaczynski, durante uma recente visita a Kiev: “A NATO deve enviar uma missão de paz para a Ucrânia, protegida pelas Forças Armadas, para prestar ajuda humanitária e pacificadora. Esta missão não pode ser uma missão desarmada. Ela deve procurar fornecer ajuda humanitária e pacificadora à Ucrânia”. Uma missão de paz para a Ucrânia não deixa de ter razão de ser, mas o que Jaroslaw Kaczynski defendeu parece não estar a equacionar devidamente a mais que previsível resposta das forças militares de Putin. Na próxima quinta-feira (24mar2022) terá lugar em Bruxelas uma cimeira extraordinária da NATO sobre a guerra na Ucrânia, onde estarão presentes os chefes de Estado e de Governo da União Europeia (UE) e também o presidente norte-americano, Joe Biden. Neste mesmo dia e também em Bruxelas, reúne-se não só a NATO, mas também o grupo de países mais industrializados do mundo (G7 - Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido) e ainda os chefes de Estado e de Governo da União Europeia, todos com a situação na Ucrânia como tema principal. Iremos ver o que destas três reuniões sairá.

 


20mar2022.jpg
O que Putin está a fazer à Ucrânia é uma monstruosidade altamente condenável e fora de tudo que o Mundo democrático e civilizado pode aceitar… mas Zelensky não fica muito bem nesta “fotografia”, até porque o maior dos partidos suspensos é a Plataforma de Oposição, que tem 43 das 450 cadeiras no parlamento do país.
  
Jorge De Freitas Monteiro - Na realidade não proibiu partidos “pro russos“ como é afirmado. Os partidos “pro russos“ já tinham sido ilegalizados há muito. Proibiu a oposição. O que provavelmente diz mais sobre a crescente oposição interna a Zelensky do que sobre a qualidade da democracia ucraniana, que já não era exemplar nos rankings internacionais.
  David RibeiroContextualizando... era esta a composição do Parlamento da Ucrânia depois das eleições de 2019.
Ucrânia parlamento desde 2019.jpg
  Jorge Veiga - sendo pró Rússia, porque cargas de água devem continuar a actividade numa situação de guerra? A democracia tem de ser suspensa...
  
Jorge De Freitas Monteiro - Jorge Veiga, democracia é uma maneira de dizer. O insuspeito The Economist classifica a Ucrânia como um regime híbrido, uma coisa a meio caminho entre a democracia e um regime autoritário.
democracias.jpg

 

  Sete preocupações da China com a guerra de Putin
(Filipe Santos Costa na CNNPortugal - 21mar2021)
A China continua a fazer um exercício de contorcionismo entre o apoio estratégico à Rússia, sem condenar a guerra de Putin, e a defesa dos princípios da ONU sobre soberania e integridade territorial. Sob pressão do Ocidente, onde estão os principais parceiros comerciais da China, há muitos cálculos por detrás da cautela de Xi Jinping. Pressionado pelos EUA e pela União Europeia, os principais parceiros comerciais da China, e com pedidos de ajuda da Rússia, o aliado estratégico, eis as principais questões que Xi terá de colocar na balança: 1. Situação militar; 2. Geopolítica; 3. Sanções económicas; 4. Instabilidade na Rússia; 5. 
Soberania e integridade: a questão de Taiwan; 6. Relacionamento bilateral; 7. Dano reputacional.

 

  O ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba, apela à China “para desempenhar um papel importante” na guerra.
Captura de ecrã 2022-03-21 190318.jpg

 

  O número de cidadãos ucranianos que fugiram do país devido à invasão russa já deverá andar perto dos 3 milhões e quatrocentos mil.
Dia 26 21mar2022 ref.jpg

 




Publicado por Tovi às 07:58
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 9 de Março de 2022
Grupo Wagner - mercenários russos na Ucrânia

Captura de ecrã 2022-03-09 104600.jpg

  Centenas de mercenários russos estão na Ucrânia e uma das suas missões será assassinar Volodymyr Zelensky. E sim, "o patrão" é "amigo do Putin" (Patrícia Pires na CNNPortugal, às 07h54 de hoje).
O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, terá sido alvo de três tentativas de assassinato desde que a Rússia invadiu o país. Estas alegações não foram confirmadas oficialmente, mas fontes citadas por vários jornais apontam nesse sentido. O britânico "Sunday Times" escreveu taxativamente que "mercenários russos receberam ordens para assassinar o presidente da Ucrânia". O New York Times, citando duas fontes de serviços secretos, adiantava dois dias antes da invasão da Ucrânia que cerca de 300 mercenários já estavam "com o grupo paramilitar russo Wagner nos enclaves separatistas" da Ucrânia. "Legalmente, o grupo Wagner não existe", explica ao The Economist Sorcha MacLeod, que lidera o grupo de trabalho sobre mercenários nas Nações Unidas. A Rússia não reconhece oficialmente a sua existência, mas são muitos os relatórios e notícias que nos últimos anos testemunham a sua existência - e intervenção em conflitos como o da Síria, da Líbia ou da República Centro-Africana.
O que é o grupo Wagner?
Trata-se de "uma entidade militar privada com base na Rússia não constituída formalmente". É desta forma que a União Europeia descreve o grupo, em relação ao qual, em dezembro de 2021, adotou um conjunto de medidas restritivas. A organização terá sido fundada por volta de 2007, na Rússia, por um ex-oficial do exército russo, Dmitriy Valeryevich Utkin, com o apoio de Yevgeny Prigozhin, um oligarca russo com laços estreitos ao Kremlin. E é por isso, que muitos tratam o Grupo Wagner como um exército privado de Vladimir Putin. A denominação não é estranha para José Manuel Anes, ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo (OSCOT). "O patrão do Grupo Wagner é um amigo do Putin e, portanto, é uma milícia privada, não oficial, mas que está sempre ao serviço do governo russo e do Putin, claramente", afirma à CNN Portugal. As tentativas de assassinato de Zelensky avançadas pelo jornal britânico The Times foram comentadas pelo secretário do Conselho de Segurança e Defesa Nacional da Ucrânia. Oleksiy Danilov revelou, na altura, que "espiões russos tinham alertado [Kiev] sobre os planos de assassinato". Na Ucrânia estarão centenas de mercenários pertencentes ao Grupo Wagner, cuja missão é assassinar Zelensky. Mas ainda segundo o jornal de The Times, eles não estão sozinhos. No terreno, com o mesmo intuito, estão também forças paramilitares especiais chechenas. Para José Manuel Anes, as informações avançadas pelo jornal britânico são credíveis: "O The Times tem boas informações do MI6, que são as informações britânicas no exterior, e que estão também presentes na Ucrânia. Portanto, considero essas informações fiáveis". Recorde-se que Yevgeny Prigozhin, alegado dono do grupo, é um dos alvos de sanções impostas a oligarcas russos pelos Estados Unidos, na sequência da invasão da Ucrânia. E já em dezembro de 2021 o Conselho Europeu impôs medidas restritivas contra o grupo e a descrição feita do mesmo é reveladora: "O Grupo Wagner recrutou, formou e enviou operacionais militares privados para zonas de conflito em todo o mundo, a fim de alimentar a violência, saquear recursos naturais e intimidar civis em violação do direito internacional, incluindo o direito internacionaldos direitos humanos". "As pessoas incluídas na lista da UE estão envolvidas em graves violações dos direitos humanos, nomeadamente tortura e execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias, ou em atividades desestabilizadoras em alguns dos países em que operam, como a Líbia, a Síria, a Ucrânia (Donbass) e a República Centro-Africana. O grupo está também a estender a sua influência nefasta a outros locais, a saber, à região do Sael. Por estes motivos, o grupo constitui uma ameaça para as populações dos países onde estão presentes, para toda a região e para a União Europeia", lê-se no comunicado divulgado. As ações do grupo em diversas partes do mundo, são reconhecidas pela União Europeia, através desta decisão, e as medidas "visam o próprio Grupo Wagner, bem como oito pessoas e três entidades a ele ligadas". Esta descrição não espanta quem já se cruzou com este nome profissionalmente. "É uma tropa que pode fazer a chamada guerra suja, aquilo que as tropas, com receio de serem condenadas internacionalmente, não fazem. Este grupo de mercenários faz o que quer, o que lhes apetece e o que lhes é pedido", explica à CNN Portugal José Manuel Anes. E não tem dúvidas: "A situação, se já é preocupante a nível das tropas convencionais russas, agora com estas tropas especiais de guerra suja… ainda vai ser pior". 
Dmitriy Valeryevich Utkin e Yevgeny Prigozhin
As informações sobre o ex-oficial do exército russo Dmitriy Valeryevich Utkin são escassas. Terá servido como tenente-coronel das forças especiais do GRU (Direção Central do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia) e recebido quatro Ordens de Coragem. Nasceu a 11 de junho de 1970 em Asbest, na Rússia, tem agora 51 anos. Dmitriy Valeryevich Utkin também terá sido chefe de segurança de Yevgeny Prigozhin. Já Yevgeny Prigozhin é conhecido como "o chef de Putin". A alcunha virá do facto de ter feito fortuna em negócios de catering na década de 90. Terá conhecido Putin, em 2001, no seu restaurante de luxo em São Petersburgo, o New Island, e em pouco tempo passou a fazer parte do círculo próximo do líder russo. Tem 58 anos. Sempre que foi questionado, Prigozhin negou qualquer ligação ao grupo. Dmitriy Valeryevich Utkin será o homem responsável pelo nascimento do Grupo Wagner. que só se torna visível aos olhos do mundo em 2014, durante a Guerra civil no leste da Ucrânia. É nessa altura que surgem relatos de soldados ucranianos que se cruzaram com homens fardados, mas sem símbolos e que falavam russo. Mais tarde surgem novamente na Síria. Mas a sua ação estende-se por diversos continentes. Nas últimas semanas, mesmo antes da invasão da Ucrânia, já haveria registo de muitos mercenários retirados de África, para rumarem a um novo destino. Segundo o jornal de The Times a nova missão era "decapitar o governo de Zelensky em troca de um bónus financeiro". As viagens de elementos do Grupo Wagner, entre países, são expectáveis para o ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo (OSCOT): "Eles têm um número limitado de efetivos. Se são mais precisos noutra zona, saem de onde estão e vão para outra", até porque, "têm um número limitado de efetivos". Ninguém sabe ao certo quantos são, mas, segundo José Manuel Anes, "calcula-se que serão vários milhares, mesmo dezenas de milhares. O que, mesmo assim, não dá para estar em todo o mundo como a Rússia pretende". 
Como atua o grupo no terreno?
O Grupo Wagner atua através de operações clandestinas, ao serviço de Moscovo, em países em conflito, sejam a Ucrânia, a Síria ou nações africanas como a República Centro-Africana, entre outras, onde projetos de interesse russo possam estar em causa. São também uma forma de expandir a influência geoestratégica de Moscovo e monitorizar lugares-chave no mundo. Em declarações ao The Times, o general Sir Richard Barrons, ex-comandante britânico do Comando das Forças Conjuntas, afirmou que "eles são muito eficazes porque são difíceis de identificar". Estes homens serão treinados para as missões em acampamentos próximos da base dos Serviços de Inteligência russo (GRU) em Molkino, na região de Krasnodar. E sendo este um grupo privado, os interesses económicos não podem ser esquecidos. Há relatos de que também atuam no interesse de empresas russas em determinadas regiões. São ainda capazes de treinar forças de segurança, milícias locais ou proteger dirigentes ou autoridades locais. Considerando que a Agência de Pesquisa na Internet, conhecida como "fábrica de trolls", instalada em São Petersburgo é também propriedade de Yevgeny Prigozhin, muitos garatem que o grupo também tem um papel ativo em campanhas de desinformação e propaganda.
Mercenários russos, do Grupo Wagner, foram mortos em combate na República Centro-Africana
Apesar de eficaz, o Grupo Wagner não é imbatível, e já houve elementos mortos em ações exteriores. Em novembro do ano passado, quatro mercenários russos do grupo Wagner morreram em combates com os rebeldes do movimento 3R a 18 de novembro, em Pare, República Centro-Africana, apurou a CNN Portugal, que então avançou essa informação num exclusivo mundial. Na altura, mercenários russos do grupo Wagner lançaram um ataque contra uma posição do movimento rebelde 3R (Regresso, Reclamação e Reabilitação) na República Centro-Africana. A CNN Portugal confirmou detalhes sobre o ataque, que teve lugar em Pare, a cerca de 15 quilómetros de Baboua, na prefeitura de Nana Mambéré, a 18 de Novembro, segundo um serviço de informações militares. Três mercenários russos morreram no local e um ferido grave foi evacuado para Baboua, onde viria a falecer devido à gravidade dos ferimentos. Nos confrontos morreram ainda um guerrilheiro do 3R e um elemento da milícia cristã anti-balaka. Os mercenários russos foram enterrados no mato. As suas armas (essencialmente AK-47), segundo uma fonte rebelde, foram capturadas. A República Centro-Africana está a ferro e fogo há oito longos anos. Catorze grupos armados controlam 80% do território onde o Estado faz figura de ausente. A influência da Federação Russa não pára de aumentar na RCA desde 2017.
Profissionais sem ética
A presença de tropas chechenas, e também sírias, é previsível para José Manuel Anes. O passado da Rússia nas duas regiões explica essa "ajuda". "Putin fez à Chechenia aquilo que está a tentar fazer agora à Ucrânia, que foi matar civis e destruir cidades. Depois pôs lá um presidente fantoche, com muito dinheiro, e aquilo está mais ao menos controlado", recorda. E esse mesmo tipo de ajuda foi dada à Síria. A presença destes homens no terreno "é um problema" para todos. Sobre o Grupo Wagner, afirma, "sem dúvidas", que "são profissionais sem ética, militares prontos para fazer a guerra suja".  E a companhia no terreno dos mercenários estará ao mesmo nível: "Quantos aos chechenos, é uma tropa também sem ética, aquilo é matança total". "A tropa chechena é uma tropa muito competente, mas é uma tropa de matança e destruição. Os da Síria a mesma coisa", conclui o ex-presidente do OSCOT. Vale a pena recordar os relatos do repórter Rui Araújo, da TVI/CNN Portugal, em novembro passado. Enviado à República Centro-Africana, o jornalista noticiou como mercenários russos mataram, em Kaga-Bandoro um influente comerciante árabe, Mahamat Zène Abrass: "Foi raptado no mercado. Depois foi levado para a base dos russos. Foi torturado com selvajaria e a seguir cortado aos pedaços antes de ser decapitado e queimado. (...) Os mercenários russos estão a transformar a RCA noutra Ucrânia…” Os operacionais (“contractors”) da Wagner são acusados de “matar crianças, violar e torturar mulheres como animais e de executar homens nas mesquitas” Em março do ano passado, um relatório de peritos mandatados pela ONU acusava os operacionais da Wagner de “graves violações dos direitos humanos”. Como recordava em novembro o repórter Rui Araújo, os jornalistas russos Orhan Djemal, Alexandre Rastorguev e Kirill Radchenko, que estavam a fazer um documentário sobre as actividades do grupo Wagner na RCA, foram misteriosamente assassinados perto de Sibut em 2018. A Federação Russa aumentou as operações com firmas tecnicamente ilegais de mercenários (ChVK’s) a partir de 2014. "As principais firmas são a MSGroup, a RSB, a MAP, a CENTRE R, a ATK Group, a SLAV CORPS, a ENOT, a COSSACKS e a PMC WAGNER". O grupo de mercenários mais proeminente é o da firma Wagner. "Especialidades: fomentar a exploração ou o saque dos recursos naturais, propagandear as teses de Putin, divulgar fake news, desinformar as opiniões públicas, raptar e matar com total impunidade…" 

 

  Já no passado dia 7 de fevereiro o Observador publicava este artigo sobre o Grupo Wagner:

Grupo Wagner, verdadeiras sombras com armas. Quem é o exército de paramilitares de Putin?
Camuflados e sem marcas de identificação, o Grupo Wagner é composto por mercenários. Especula-se que este grupo de paramilitares tenha ligações ao Governo russo e a Putin. A tensão entre a Ucrânia e a Rússia tem aumentado nas últimas semanas. Moscovo nega a intenção de invadir Kiev, mas exige garantias de que a Ucrânia não será membro da NATO. Ao mesmo tempo, o Ocidente acusa a Rússia de ter concentrado dezenas de milhares de tropas na fronteira com a Ucrânia. Para além dos militares, há ainda um grupo que poderá ajudar os russos numa potencial invasão aos ucranianos. Afinal, quem é o exército-sombra de paramilitares de Vladimir Putin? O Grupo Wagner, uma empresa militar privada, terá sido fundado em 2007 pelo ex-oficial do exército da Rússia Dmitriy Valeryevich Utkin. Ainda assim, apenas ganhou notoriedade internacional em 2014, após a anexação da Crimeia pela Rússia, separando assim a região da Ucrânia. A ABC internacional refere que, em 2014, o grupo apareceu pela primeira vez na Ucrânia. Os mercenários estavam camuflados, mas sem marcas de identificação, sendo apenas conhecidos como verdadeiras sombras com armas. Acredita-se que o Grupo Wagner, utilizado principalmente no leste da Ucrânia durante 2014, seja composto por membros de forças de elite, dos serviços secretos ou antigos militares. A Ucrânia foi basicamente o começo, o ponto de partida para o Grupo Wagner”, disse o investigador Sergey Sukhankin à revista Foreign Policy. Em outubro de 2015, os paramilitares apareceram na Síria, como parte de uma intervenção russa lançada em auxílio de Bashar Al Assad, Presidente sírio, para combater o terrorismo no país. Foi neste ano que começaram a circular imagens dos mercenários de uniformes e armados, prontos para combater. A 7 de fevereiro de 2018, o Grupo Wagner sofreu centenas de baixas quando, numa operação aérea internacional liderada pelos EUA, decidiram tomar um campo de petróleo dos curdos em Deir ez Zor, na Síria. Com o passar dos anos, a imprensa começou a especular que o Grupo Wagner possa ter ligações ao Governo russo. O Kremlin tem vindo a negar as acusações, mas já há quem apelide os combatentes de “exército privado” do Presidente russo, uma vez que já foram enviados para zonas de combate para servir os interesses da Rússia e do Presidente Putin. Ao que tudo indica, o homem que financia este grupo é o magnata russo Evgueni Prigozhin, amigo íntimo do Presidente, conhecido como “cozinheiro de Putin”, uma vez que administra empresas de catering desde a década de 1990, informa a BBC. Sem experiência militar própria, Evgueni Prigozhin é um candidato improvável para comandar uma rede de paramilitares. O seu relacionamento aparentemente próximo com Putin leva a imprensa a acreditar que é “o alvo perfeito”. A sede do Grupo Wagner estará localizada na cidade de Mólkino, ao sul da cidade de Crasnodar, na Rússia. Este grupo privado tem sido acusado por países ocidentais, como a França, o Reino Unido ou a Alemanha, de realizar operações clandestinas desestabilizadoras ao serviço de Moscovo em países em conflito, como a Ucrânia.

 

  Em finais do ano passado os países da União Europeia adotaram sanções contra o Grupo Wagner, a empresa paramilitar russa que tem agido como uma espécie de braço militar oficioso de Moscovo em vários cenários de conflito no mundo, especialmente em África. A empresa paramilitar russa, próxima do Governo de Vladmir Putin, e oito pessoas a ela ligadas são acusadas de violações de direitos humanos e saqueio de recursos naturais.
Conclusões do Conselho dos Negócios Estrangeiros da União Europeia de 13dez2021 - Adotou igualmente um novo regime de sanções que visa pessoas e entidades que criam entraves à transição política no Mali, bem como medidas restritivas contra pessoas e entidades ligadas ao Grupo Wagner. As atividades deste grupo refletem a estratégia de guerra híbrida da Rússia, representam uma ameaça e estão a criar instabilidade em vários países do mundo. As sanções abrangerão o próprio grupo Wagner, três empresas com ligações ao grupo e oito operacionais militares responsáveis por graves violações dos direitos humanos ou atividades de desestabilização na Ucrânia, Síria, Líbia, República Centro-Africana, no Sudão e em Moçambique.



Publicado por Tovi às 08:50
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 24 de Fevereiro de 2022
Guerra na Europa

image.png

  Levantei-me às sete horas, liguei o rádio e as notícias eram terríveis: Enquanto decorria a reunião de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o presidente russo anunciou o lançamento de uma "operação militar especial" na Ucrânia; Há explosões por todo o país e invasão a larga escala; Ucrânia pede ajuda; NATO, G7 e Conselho Europeu reunem-se hoje; Marcelo Rebelo de Sousa convoca reunião do Conselho Superior de Defesa.

 

 

  09h02, Al Jazeera
24fev 9h02.jpg
A Rússia lançou uma invasão total da Ucrânia por terra, ar e mar, o maior ataque de um Estado contra outro na Europa desde a Segunda Guerra Mundial e a confirmação dos piores temores do Ocidente. Explosões podem ser ouvidas desde o amanhecer na capital ucraniana, Kiev. Tiros ecoaram perto do aeroporto principal e sirenes soaram por toda a cidade.

 

  09h25, Al Jazeera
ac.jpg

 

  10h32, CNN Portugal
24fev 10h32.jpg

 

 
Captura de ecrã 2022-02-24 140915.jpgO Conselho Superior de Defesa Nacional reuniu hoje, 24 de fevereiro de 2022, em sessão extraordinária, sob a presidência de Sua Excelência o Presidente da República, Prof. Doutor Marcelo Rebelo de Sousa, para se inteirar da situação na Ucrânia e eventual participação de Forças Nacionais no âmbito da NATO.
Com base na posição de princípio expressa pelos órgãos de soberania, nomeadamente, o Presidente da República, o Primeiro-ministro e pelo representante da Assembleia da República do principal partido da oposição, e atendendo à informação analisada, o Conselho deu, por unanimidade, parecer favorável às propostas do Governo para a participação das Forças Armadas Portuguesas no âmbito da NATO, que se seguem:
1. Ativação da Very high readiness Joint Task Force (VJTF) e das Initial Follow-On Forces Group (IFFG) para eventual empenhamento nos planos de Resposta Graduada da NATO,
2. Eventual antecipação do segundo para o primeiro semestre de projeção de uma companhia do Exército para a Roménia.

 

  13h47, Al Jazeera
O Ministério da Defesa da Rússia informou que as suas forças destruíram 74 infraestrutura militares acima do solo na Ucrânia, incluindo 11 aeródromos.
Captura de ecrã 2022-02-24 180438.jpg

 


i444810.jpegA Al Jazeera noticiou há momentos [15h25 GMT] que as forças ucranianas estão em combate com as tropas russas que pretendem capturar a antiga central nuclear de Chernobyl. Confesso que não consigo entender qual o interesse numa central nuclear desativada, mas poderá dar-se o caso de ser eu que não estou suficientemente bem informado sobre a situação atual naquela região do norte da Ucrânia.

Segundo notícias conhecidas já na manhã de sexta-feira, 25fev2022, a Rússia enviou pára-quedistas para proteger a desativada central nuclear de Chernobyl de eventuais sabotagens.

 

  16h35, The New York Times
O ataque da Rússia à Ucrânia atingiu as principais cidades e aeroportos de todo o país, com bombardeamentos em mais de uma dúzia de cidades e vilas, incluindo os arredores da capital, Kiev.
274366208_10152878453199999_4257014665090754258_n.

 

  
274586092_5031463476900383_871211497686443676_n.jpMais umas horas e seguramente o governo ucraniano de Volodymyr Zelensky vai ser "decapitado". E Putin lá irá colocar em Kiev um governo fantoche, a exemplo do que fez na Bielorrússia há uns anos. Triste sina a destes povos das ex-repúblicas soviéticas que nunca conseguiram uma verdadeira independência.



Publicado por Tovi às 08:39
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)

Quarta-feira, 23 de Fevereiro de 2022
Sanções à Rússia... e a China aqui tão perto

Captura de ecrã 2022-02-22 175916.jpg

  No final da reunião desta terça-feira [22fev2022] dos ministros dos Negócios Estrangeiros dos 27 Estados-membros da União Europeia, em Paris, Josep Borrell confirmou que as sanções terão três grandes alvos: os decisores políticos responsáveis pelo reconhecimento das regiões separatistas ucranianas pró-Rússia como independentes, quem está e estará envolvido na invasão da Ucrânia e os bancos que financiam a política bélica de Moscovo.

  O presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou também na terça-feira [22fev2022] o que chamou de "primeira parcela" de sanções contra a Rússia, incluindo medidas para privar o país de financiamento. “Estamos a implementar sanções à dívida soberana da Rússia. Isso significa que cortamos ao governo da Rússia o financiamento ocidental”, disse Biden, acrescentando que as medidas também teriam como alvo as instituições financeiras e “elites” russas.

  Claro que estas sanções vão doer forte na Rússia... mas não vão mandar Putin para os cuidados intensivos.

 


Captura de ecrã 2022-02-23 091228.jpgA relação China-Rússia poderá parecer estranha pelos padrões históricos, mas cada vez mais estou convencido que é a China que vai ser o fiel da balança na geoestratégia do leste europeu. Embora Xi Jinping concorde com Putin que a NATO é uma relíquia da Guerra Fria e que já não tem razão para existir, a verdade é que o Presidente da República Popular da China tem as suas próprias preocupações domésticas, o que o obriga a manter uma relação de diálogo com a União Europeia e também com os EUA. Mas também não esqueçamos que ainda recentemente China e Rússia assinaram um acordo de petróleo e gás no valor de 117,5 mil milhões de dólares, consolidando assim o seu relacionamento económico, reduzindo a dependência financeira da Rússia em relação à Europa. Vamos ver nas próximas semanas como as coisas evoluirão… e que não desate tudo à batatada.

 

  Não mudaram nada...
Não há dúvidas que “uma árvore não faz a floresta” e eu conheço comunistas que são inteligentes, cultos, humanistas e verdadeiros democratas, mas continuo a não entender as afirmações desta “floresta”. Se eles me explicassem… é que eu, bem explicadinho, entendo tudo.
Captura de ecrã 2022-02-23 095918.jpg

 

  Do melhor que tenho visto
luggage-check-airport-flat-vector-2448032.jpg

 

  CNNPortugal às 16h19 de 23fev2022
Captura de ecrã 2022-02-23 183402.jpg

 

  O governo ucraniano continua a anunciar o serviço militar obrigatório para todos os homens em idade de combate enquanto Moscovo está hoje [23fev20202] a retirar pessoal e equipamentos da sua embaixada em Kiev.
Embaixada da Rússia na Ucrânia.jpg



Publicado por Tovi às 07:00
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)

Sexta-feira, 11 de Fevereiro de 2022
Tentativa de ataque à FCUL

Captura de ecrã 2022-02-10 220040.jpg
Parece que foi por um triz que não tivemos uma tragédia no dia de hoje.

 

  Comunicado da Polícia Judiciária - 10fev2022
A Polícia Judiciária, através da Unidade Nacional Contraterrorismo (UNCT), procedeu, nesta data, à realização de uma operação tendente ao cumprimento de Mandados de Busca domiciliária, no âmbito de inquérito titulado pela Secção de Investigação do Crime Violento do DIAP de Lisboa.
A investigação foi desencadeada por suspeitas de atentado dirigido a estudantes universitários da Universidade de Lisboa.
Face à gravidade das suspeitas, foi atribuída a máxima prioridade à investigação, a qual permitiria, no dia de hoje, às primeiras horas do dia, interromper a atividade criminosa em curso.
Na sequência das buscas realizadas, seriam apreendidos vastos elementos de prova, que confirmariam as suspeitas iniciais.
Para além de várias armas proibidas, seriam igualmente apreendidos outros artigos suscetíveis de serem usados na prática de crimes violentos, vasta documentação, isto, para além um plano escrito com os detalhes da ação criminal a desencadear.
O arguido detido em flagrante delito pela posse das referidas armas, encontra-se igualmente indiciado pela prática do crime de terrorismo.
O arguido de 18 anos de idade, será amanhã presente a primeiro interrogatório judicial de arguido detido para sujeição à medida de coação tida por adequada.

 

  CNNPortugal / Catarina Pereira e Henrique Machado - 10fev2022
Ataque estava planeado para esta sexta-feiraUm jovem de 18 anos estaria a planear um ataque para esta sexta-feira, na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL). Os alvos seriam indiscriminados, entre os estudantes desta instituição. O plano foi detalhado por escrito e o jovem terá assumido que queria fazer o maior número de vítimas possível entre os colegas universitários.
Jovem é aluno de engenharia informáticaO jovem suspeito de planear o ataque é um estudante do curso de engenharia informática da FCUL. Tem 18 anos e é natural da Batalha, mas vive atualmente em Lisboa, onde foi detido. Na zona onde cresceu, a reportagem da TVI/CNN Portugal já falou com alguns conhecidos do jovem, que relataram que se trata de um rapaz reservado, bom aluno, mas com algumas dificuldades de relacionamento com outras pessoas. Até ao momento, não são conhecidas as motivações para o ataque.
Alerta chegou do FBIO alerta para a intenção deste ataque chegou à PJ na última semana, sabe a CNN Portugal, através do FBI. As autoridades norte-americanas, na monitorização que fazem da internet, das redes sociais e da darkweb, como prevenção do fenómeno do terrorismo, detetaram conversas em chats nas quais intervinha o jovem português e onde este anunciava a intenção que tinha de cometer um atentado em Portugal. O suspeito teria um grande fascínio por este tipo de ataques, mais comuns nos Estados Unidos. 
Busca domiciliária confirmou suspeitas - A Polícia Judiciária, através da Unidade Nacional de Contraterrorismo, seguiu as pistas do FBI e conseguiu uma identificação e morada do suspeito. Esta quinta-feira, tendo ido realizar uma busca à casa do rapaz, confirmou que este detinha um plano pormenorizado do ataque, "com os detalhes da ação criminal a desencadear". O suspeito tinha também várias armas brancas (facas, catanas e uma besta com dardos de aço), botijas de gás, garrafas com gasolina e isqueiros. Não foram encontradas armas de fogo.
Jovem pernoita na PJO suspeito está neste momento no estabelecimento prisional anexo à PJ, em Lisboa, e irá pernoitar aí. Esta sexta-feira, será presente a tribunal para ser ouvido. Após o primeiro interrogatório judicial, irá conhecer a medida de coação determinada pelo juiz. Irá responder pela detenção em flagrante delito pela posse das armas referidas, mas também está indiciado pela prática do crime de terrorismo.
Presidente e Governo não comentam -  Acabado de chegar a Brest, em França, onde vai participar na cimeira “Um Oceano”, o Presidente da República afirmou não ter conhecimento do caso, recusando-se a tecer comentários. Questionados pela CNN Portugal, tanto o Governo como o Ministério da Justiça se recusam a comentar o caso e remetem qualquer esclarecimento para PJ.
Faculdade está na época de examesA Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa estava atualmente em pausa letiva para a realização de exames e o início das aulas está agendado para dia 21 deste mês. Durante esta semana, decorrem exames de segunda fase, que juntam centenas de alunos. Para esta sexta-feira, segundo o calendário disponível online, estavam marcados 47 exames.

 

  Jornal de Notícias e Correio da Manhã de hoje
Captura de ecrã 2022-02-11 093215.jpg

 

  A propósito da informação que levou à detenção de um jovem, que alegadamente preparava um atentado terrorista em Lisboa, e que chegou à PJ através do FBI.
Captura de ecrã 2022-02-11 105720.jpg

 

  Expresso, 09h47 de 11fev2022 - João, o estudante de engenharia informática de 18 anos que foi detido pela Polícia Judiciária um dia antes de cometer um atentado na faculdade de Ciências, em Lisboa, é descrito pelos vizinhos na aldeia na Batalha onde mora a família e de onde é natural, como “um rapaz tímido, introvertido e pouco sociável”. A aldeia é composta por entre 30 e 50 casas, espalhadas pela serra. João andou na escola naquela freguesia e antes de ir para a faculdade estudou num estabelecimento de ensino na Batalha. A família é elogiada pelos vizinhos. “Nunca levantou problemas. É humilde também no trato.”

 

  Prisão preventiva para estudante que preparava ataque terrorista
Foi ouvido em primeiro interrogatório judicial o estudante de 18 anos acusado da tentativa de massacre na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e vai ficar a aguardar em prisão preventiva, a medida de coação mais gravosa. A defesa de João estava inicialmente a cargo de um advogado oficioso, nomeado pelo tribunal, mas, à ultima da hora foi nomeado um advogado, pago pelos pais do estudante, o que levou a um atraso no interrogatório judicial. Está indiciado por terrorismo e posse de arma. Jorge Pracana, advogado do jovem suspeito de planear um ataque à FCUL, diz que “este processo vai fazer história no país”. O advogado admite contestar a prisão preventiva decretada ao cliente, mas não deu pormenores: “Aguardo o envio de alguns documentos que acho que são úteis à reversão da decisão”.

 

  Observador / Carlos Diogo Santos - 15h44 de 11fev2022
Jovem foi surpreendido pela PJ, mas colaborou. “Sabia que os corredores da universidade estariam cheios, estava no plano", diz fonte da PJ. Suspeito não queria qualquer vingança contra alguém concreto.
Captura de ecrã 2022-02-11 174159.jpg

 

  Expresso /  - 19h40 de 11fev2022
PsychotycNerd#6116. Era este o nickname na rede social Discord de João, o jovem de 18 anos que ficou em prisão preventiva esta sexta-feira pelos crimes de terrorismo e posse de arma. Foi num chat dessa rede social que o estudante de engenharia informática da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa revelou o seu plano de levar a cabo um assassinato em massa no Bloco 3 daquela universidade usando facas, uma besta e explosivos fabricados por si para matar e incendiar estudantes e as instalações universitárias. Em conversa na Discord, João contou ao seu interlocutor, Sammy, que a sua motivação para o atentado se devia a um incidente sobre plágio naquela universidade. Alarmado com a conversa, Sammy avisou o FBI por email, a 4 de fevereiro, garantindo que apenas conhecia o jovem pelo seu nickname que usava naquela rede social. A PJ acabou por descobrir que João terá sido vítima de bullying na escola e que sofre de síndrome de Asperger, mas que a doença não o impedia de distinguir o bem do mal, nem lhe afetava a capacidade de optar ou não pela prática de condutas ilícitas.

  E eu, que das ciências médicas não vou além de saber marcar consultas com a minha médica de família e cumprir com o que ela me manda fazer, fico à espera de que a Justiça diga se este jovem é “terrorista” ou “um caso de ameaça e possível homicídio” ou mesmo um doente a necessitar de tratamento.

 

  JN, às 21h18 de 11fev2022
João, de 18 anos, chegou ao Estabelecimento Prisional de Lisboa bastante afetado e alterado, depois de ter sido colocado em prisão preventiva por ordem do tribunal, um dia depois de ser detido por suspeitas de estar a preparar um ataque contra colegas da Faculdade de Ciências de Lisboa. O jovem terá dado entrada no EPL bastante alterado, ao início da noite deste sábado. Em face do estado do jovem, foi transferido para o hospital-prisão de Caxias, onde será avaliado pelos médicos.

 

  CNNPortugal, às 08h04 de 12fev2022
Numa folha de linhas A4, pendurada na parede do quarto onde vivia, nos Olivais, o jovem escreveu à mão em português e inglês o plano do ataque - a preparação, as tarefas a fazer na véspera e toda a ação do dia do ataque. No dia 11 de fevereiro, o ataque seria às 13h30: numa bolsa colocada na perna, levaria uma faca com uma lâmina de cerca de 16 centímetros; na perna colocaria um acessório para transportar as setas que iria disparar com uma besta. Além disso, pretendia provocar um incêndio e, para isso, tinha latas de combustível. Dentro do anfiteatro do bloco 3 da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa lançaria uma cortina de fogo com gás e gasolina e depois desataria a matar os colegas. Naquele dia que escolheu estariam ali muitos estudantes a fazer exames. Aí começaria com disparos indiscriminados e a dar facadas a quem conseguisse. O plano até previa o fim: ele mesmo morreria num suicídio policial.
Era na marquise do seu quarto que o estudante guardava as armas que ia comprando. Numa mochila preta e numa mala de viagem escondeu a faca com lâmina de 16 cm, três outras facas mais pequenas, uma besta, várias setas, pelo menos cinco isqueiros, maçaricos, latas de gás e latas de combustível.“
Odeio este mundo.. A frase está publicada numa das páginas das muitas redes sociais que o estudante usava. Aos 18 anos passava grande parte do seu tempo na internet. Tinha página em mais de sete redes sociais diferentes. E o que ia colocando dava sinal de que vivia uma fase mais complicada. Entre as várias redes ia contando que tinha um “passado feliz” mas um “presente negro” e que estava “cansado”.  Ao mesmo tempo publicava fotos de criminosos e assassinos estrangeiros e nacionais, que parecia admirar. Procurava regularmente conteúdo sobre assassinatos e tiroteio em escolas.  Foi também nas redes que um dia confessou que teve “um sonho estranho com um tiroteio” numa escola.
Inteligente e obcecado pelo fenómeno e ideologia do mass shooting – assassinato em massa. Quando foi detido não esboçou sequer surpresa.
Manuela Santos, a agente que liderou a investigação ao grupo motard Hells Angels, lidera a unidade que conseguiu descobrir o estudante. Recebeu um alerta do FBI mas sem qualquer identificação do suspeito e em menos de uma semana conseguiu localizar o jovem que estava por trás de alcunhas que usava nas redes sociais. Esta agente comanda a Unidade Nacional de Contraterrismo, que tem cerca de 100 operacionais. Nos últimos dias, uma brigada foi destacada para este caso sensível, tendo feito várias diligências. Depois de terem descoberto quem ele era, vigiaram-no de perto. Na segunda-feira perceberam que o estudante ainda pensou em avançar com um ataque na faculdade nesse dia mas arrependeu-se - chegou a ir mesmo às instalações da instituição. Manuela Santos sucedeu a Luís Neves, atual diretor nacional da PJ.
Foi numa rede social chamada Discord que o FBI percebeu que um indivíduo português andava a planear o ataque. Os serviços norte-americanos, para combater o terrorismo, estão infiltrados nesta rede. Aqui, o jovem partilhava ideias com membros de grupos ligados aos assassinatos em série. As conversas suspeitas do jovem levaram o FBI a desconfiar e a alertar  a Policia Judiciária, passando-lhe o nome de código que o jovem usava neste sistema – onde muitos grupos são secretos e difíceis de encontrar.

 

  Correio da Manhã de 13fev2022
273298785_10217827342869913_953529687817874970_n.j



Publicado por Tovi às 07:55
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 30 de Janeiro de 2022
L e g i s l a t i v a s - 2 0 2 2

Legislativas2022.png 

As eleições legislativas portuguesas de 2022 (também designadas eleições para a Assembleia da República) realizam-se hoje, 30 de janeiro de 2022 (das 8 às 19 horas no Continente e na Madeira; nos Açores, as mesas de voto abriram e vão encerrar uma hora depois em relação à hora de Lisboa, devido à diferença horária) e constituirão a XV Legislatura da Assembleia da República. Foram marcadas pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no dia 4 de novembro, na sequência do chumbo do orçamento, o primeiro na história da Terceira República, e consequente dissolução do Parlamento, decisão anunciada oficialmente a 5 de dezembro de 2021. De acordo com a Constituição da República Portuguesa, é necessária a realização de eleições nos sessenta dias seguintes à dissolução da Assembleia da República.

No Círculo Eleitoral do Porto serão eleitos 40 deputados (dos 230 que compõem o Parlamento) e concorrem a estas eleições: PS, PSD, BE, CDU (PCP+PEV), CDS, PAN, Chega, Iniciativa Liberal, Livre, Aliança, RIR, Ergue-te, MPT, Nós Cidadãos, ADN, JPP, PTP, MAS, Volt Portugal.

 

  09h45 de hoje - Já "botei o papelinho na urna".
votar.jpg

 

  11h20 de hoje - A minha filha mais nova a cumprir o seu dever cívico.
Francisca a votar.jpg

 

  Realmente... já era tempo de se alterar o sistema de votação.
eleições sem zona VIP.jpg

 

 Resultados Globais Provisórios (faltam atribuir 4 mandatos)
cne resultados provisórios.jpg

 

  É nos círculos eleitorais de Lisboa e Porto que se elegem 38% dos deputados do Parlamento. Vejam quem elegeu quem nas Legislativas de 2019 e 2022.
Lisboa e Porto deputados e percentagem de votos.jp



Publicado por Tovi às 08:00
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Janeiro 2023
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Posts recentes

Sondagem da Pitagórica pa...

Um é considerado pró-Puti...

Sondagem da Pitagórica em...

Quem irá suceder a Liz Tr...

Foi demitido o Ministro d...

A Europa numa profunda cr...

Forças russas em retirada...

Barómetro de agosto da Pi...

Traidor ou herói?... e os...

Polónia quer "missão de p...

Grupo Wagner - mercenário...

Guerra na Europa

Sanções à Rússia... e a C...

Tentativa de ataque à FCU...

L e g i s l a t i v a s -...

Os últimos cartuchos dest...

Um dia "quente" no «Um no...

As últimas da Tracking Po...

Tracking Poll - PSD ultra...

Rui Moreira absolvido no ...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus