"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Sábado, 17 de Abril de 2021
Crise Académica de 1969

crise academica.jpg

Faz hoje 52 anos... e eu não esqueço que o Ministro da Educação da altura, José Hermano Saraiva, foi o mandante desta violenta repressão.

 
 
   Retrospetiva sobre os 20 anos da Crise Académica de 1969
Reportagem da RTP, autoria de Maria João Barros - 1989
 
A crise académica de 1969 começou quando não foi permitido aos estudantes o uso da palavra durante uma inauguração. À greve e à falta aos exames assumidos pelos estudantes respondeu o governo com a prisão e a mobilização para a guerra do ultramar.
A crise começou no dia 17 de Abril de 1969. Os estudantes pretendiam intervir durante a inauguração do edifício das matemáticas e o presidente da Direção Geral da Associação Académica, Alberto Martins, pediu a palavra, mas foi impedido de o fazer.
Os estudantes, que já estavam em protesto exigindo a reintegração de professores e a democratização do ensino superior, tomaram conta da sala onde decorria a inauguração. A crise agudiza-se nas horas e dias seguintes com a prisão de vários dirigentes académicos e a ocupação de Coimbra por forças militares e policiais.
O Ministro da Educação e o reitor acabariam por se demitir, mas vários estudantes da academia seriam forçados a integrar as forças armadas, seguindo para a guerra do ultramar.
 
 
    Comentários no Facebook

Nuno Matos Pereira - Acabaram por ser todos militantes do MES, aproveitaram uma descolonização catastrófica, mobilizaram o povo com cravos, chegaram ao poder e agora desgovernam um país há 45 anos de forma tão catastrófica que nem conseguimos ajudar uma ex colónia a salvar o seu povo... É a forma resumida para gente que prometeu muito, continua a prometer, mas deixou muito a desejar.
David Ribeiro - Ó Nuno Matos Pereira... este seu post encaixa perfeitamente nos da série "antigamente é que era bom". 😉
Nuno Matos Pereira - David Ribeiro gostei da sua resposta, porque pode ter várias interpretações. Da minha parte, não posso dizer antigamente é que era bom, porque não vivi com a velha senhora! Estou em crer que não deveria ser nada bom, principalmente a liberdade e a porcaria de descolonização que fizeram, a mandar os "nossos filhos" para a guerra. Mas à custa daquilo que chamamos de liberdade, não passa de um ninho de gatos com tentáculos, e uma "pide" encapotada. A única diferença do agora e do que leio do antigamente, é que desta vez vamos tendo uma Europa que nos vai deitando a mão... Se a sua frase era para me associar ao antigamente é que era bom, desengane-se e não entre nessa do, "se não és por nós, és contra nós". Isso fica bem é dos Xuxas para a esquerda...
David Ribeiro - Meu caro Nuno Matos Pereira... longe de mim a ideia de fazer qualquer juízo de valor sobre si em relação ao antigamente. Mas já agora lhe digo, voltando ao dia 17 de abril de 1969 e seguintes, que ainda hoje me doem os costados das vergastadas que levei naqueles dias.
Nuno Matos Pereira - David Ribeiro compreendo perfeitamente, tenho amigos dessa geração, que possivelmente estiveram ao seu lado! Longe de mim de julgar as vossas convicções... Simplesmente houve meia dúzia de gatos que se aproveitaram e ainda se aproveitam das vossas lutas legítimas. Um grande amigo meu teve de fugir dentro do coliseu do Porto! Conta-me histórias, que possivelmente estaria ao vosso lado, nessas lutas. O que me bato é que houve uma cambada de malandros que se aproveitaram e destruíram. E o que me dói, é gente que nessa altura estava ao lado do proletariado, são os mesmos que atacaram os professores, enfermeiros, camionistas, polícias, estivadores...
David Ribeiro - Mas cinco anos depois destes incidentes tive a honra de contribuir, de armas na mão, para a queda do obsoleto Estado Novo. E disto não me arrependo, apesar das grandes "cambalhotas" que a democracia tem dado.



Publicado por Tovi às 10:31
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 20 de Dezembro de 2019
Cheias na Ribeira do Porto

80646456_2368108423295673_8949320030646960128_o.jp

Na madrugada de hoje a zona de Miragaia viveu mais uma vez uma cheia do Douro… mas com a serenidade e o profissionalismo de todos, tudo foi calmo.

 

   11h30 de hoje

Depressão ELSA - Dois mortos, um desaparecido, 70 desalojados; Douro a transbordar margens no Porto e em Gaia; Rio Tâmega já subiu mais de três metros em Chaves; Estradas cortadas em Coimbra; Mais de 6200 ocorrências foram registadas em Portugal continental na sequência do mau tempo, que deverá piorar à tarde.

   15h00 de hoje

Subiu para o nível vermelho - o mais grave - o nível de alerta de cheias no estuário do Rio Douro, onde as águas galgaram já a margem ao início da manhã desta sexta-feira. A continuação do aumento dos caudais do rio faz aumentar a previsibilidade de novas e maiores cheias a partir do fim da tarde de hoje em toda a extensão ribeirinha do Porto. Os serviços municipais de Proteção Civil estão a difundir novos avisos, na sequência da emissão de um novo comunicado operacional da Capitania do Porto do Douro que dá conta de preocupações acrescidas quanto a nova subida do nível das águas e consequente alagamento de mais zonas do que as afetadas durante a preia-mar desta manhã.

   18h00 de hoje

A Linha do Norte foi cortada às 17h20, junto à estação da Pampilhosa, Mealhada, devido à inundação das duas vias, levando à suspensão da circulação entre Mealhada Norte e Souselas, no concelho de Coimbra, afirmou à agência Lusa fonte da IP. Seguiu-se um segundo corte, às 17h38, na mesma linha, devido à queda de uma árvore sobre a catenária (sistema de distribuição e alimentação elétrica aéreo), com circulação cortada em ambas as vias entre Oliveira do Bairro e Mogofores, concelho de Anadia.



Publicado por Tovi às 11:01
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 27 de Setembro de 2011
Mosteiro de Santa Clara-a-Velha

Hoje - Dia Mundial do Turismo - fui visitar pela primeira vez o Mosteiro de Santa Clara-a-Velha em Coimbra. Este Monumento Nacional, que esteve parcialmente submerso por mais de 300 anos pelas águas e sedimentos do rio Mondego, recebeu na última década um amplo projecto de recuperação e valorização do mosteiro medieval das freiras Clarissas, reinstaladas em Coimbra em 1314 pela mão de Isabel de Aragão - Rainha Santa Isabel – esposa do Rei D. Dinis.


«Joaquim Leal» in Facebook >> Conheço mas ao tempo ainda não tinham sido realizadas as obras de recuperação ...E não aproveitaste para ir ao Portugal dos pequeninos, logo ao lado?

«David Ribeiro» in Facebook >> Nunca consegui achar piada ao "Portugal dos Pequenitos"... Cheira-me a Estado Novo.

«Joaquim Leal» in Facebook >> Então e qual é o problema? ;)

«David Ribeiro» in Facebook >> O problema é o cheiro a Cassiano Branco (o arquitecto que o projectou) e a Bissaia Barreto (a quem se deveu a iniciativa da sua construção). O "Portugal dos Pequenitos" e não "dos Pequeninos" como normalmente se diz, é um parque temático fortemente imbuído do espírito nacionalista do tempo do Salazar.

«Fernando Duarte» in Facebook >> e se mais Mundo houvera, la chegara



Publicado por Tovi às 20:45
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Julho 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9



29
30
31


Posts recentes

Crise Académica de 1969

Cheias na Ribeira do Port...

Mosteiro de Santa Clara-a...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus