"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Terça-feira, 3 de Abril de 2018
Injustiça na distribuição dos apoios pela DGArtes

29695355_10212028163687275_5372257539812112243_n.j

Rui Moreira convocou a reunião e as estruturas culturais da cidade responderam em peso. Do debate amplamente participado que esta manhã nasceu no Teatro Rivoli, concluiu-se, a uma só voz, que o reforço do financiamento anunciado pelo Ministério da Cultura continua a não ser suficiente, e que os critérios de distribuição das verbas por regiões são incompatíveis com a vontade expressa de promoção da coesão territorial. Na reunião que esta manhã preencheu o grande auditório do Teatro Rivoli, nasceu um documento consensualizado entre a Câmara do Porto e as 66 estruturas culturais presentes, após um debate amplamente participado. Embora dirigida aos agentes culturais da cidade, a reunião foi aberta ao público e, como era de esperar, contou com a presença de muitos cidadãos que se quiseram inteirar sobre o tema em discussão.

Aqui fica reproduzido o texto integral da posição consensualizada entre todos os intervenientes na reunião, que será remetido pelo presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, ao ministro da Cultura, Luís Castro Mendes:

 

O presidente da Câmara do Porto ouviu hoje formalmente as companhias da cidade sobre os financiamentos quadrianuais da DGArtes.
Já antes o tinha feito com diversas estruturas a pedido destas e, quer pessoalmente em reunião com o senhor Ministro da Cultura quer através de carta que nessa ocasião lhe entregou em mão, tinha manifestado ao Governo forte preocupação sobre este assunto.
Os agentes culturais e a Câmara do Porto, aqui presentes, concordam em várias matérias:
1- As verbas disponibilizadas pela DGArtes são insuficientes e, mesmo com os reforços anunciados nos últimos dias, continuam aquém das de 2009, o que é inaceitável, tanto mais que os atuais concursos acontecem com um ano e meio de atraso;
2- Os critérios territoriais apresentados não são compatíveis nem com a distribuição populacional nem com a produção cultural. Prejudicam invariavelmente o Norte, que inclui a Área Metropolitana do Porto - que compara em população e produção cultural com a de Lisboa - e cidades como Braga, Guimarães ou Famalicão. A distribuição de verbas à Região Norte deveria, no mínimo, acompanhar o investimento per capita da Área Metropolitana de Lisboa;
3- Os critérios dos concursos estão mal definidos, por porem em concorrência estruturas de programação, unidades de criação e festivais e por permitirem que projetos municipais, sob a capa de associações e cooperativas, concorram com as companhias independentes;
4- Necessidade de repensar a composição dos júris e também ponderar a pertinência de existir uma divisão regional dos mesmos;
5- Não se consegue entender que um país que se orgulha de ter saído de um programa de assistência financeira e pode hoje apresentar boas contas orçamentais, baixe os níveis de financiamento aos seus produtores culturais. É razoável pensar-se que um país com boas contas possa disponibilizar para a Cultura, ao menos, um por cento do seu orçamento de Estado, estando Portugal muito aquém;
6- Os montantes disponíveis para a região Norte, os critérios usados nos concursos e os resultados já conhecidos põe, na prática, em risco o programa cultural da cidade do Porto. Não pode a dinâmica cultural que atualmente é reconhecida ao Porto graças à aposta municipal que iniciou em 2014 servir como pretexto para o seu subfinanciamento estatal;
7- Os presentes congratulam-se com a abertura do Ministro da Cultura para rever as verbas e o sistema e estão disponíveis para ajudar a DGArtes nesse processo.



Publicado por Tovi às 15:42
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 3 de Março de 2018
"Visita Guiada" na RTP

visita guiada 2.jpg

Por mero acaso vi agora mesmo o "Visita Guiada" na RTP3, um excelente programa sobre a Casa do Infante conduzido por Paula Moura Pinheiro. Assim gosto de televisão.

 

   Comentários no Facebook

«Maria Da Glória Ferreira» - Também vi, e gostei imenso, sempre que posso vejo o programa, pois tem sempre muito interesse.

«David Ribeiro» - Fiquei cliente... tantas vezes dizemos mal da nossa tv e afinal somos nós que não sabemos escolher os programas.

«Isabel Branco Martins» - Se escolhermos a Culta e Adulta RTP2 não nos enganamos David.

«Jose Bandeira» - A Paula Moura Pinheiro continua a ser uma das poucas lufadas de ar fresco no deserto obscurantista que é hoje a televisão.



Publicado por Tovi às 12:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 12 de Fevereiro de 2018
Entrudo Chocalheiro

Este sim é para mim o verdadeiro Carnaval do Norte de Portugal, o Entrudo Chocalheiro, dos Caretos de Trás-os-Montes e Alto Douro.

 

   Joaquim Pimenta in Facebook

caretos.jpg

Pensa-se que a tradição dos Caretos tenha raízes célticas, de um período pré-romano. Provavelmente, está relacionada com a existência dos povos Galaicos (Gallaeci) e Brácaros (Bracari) na Galiza e no norte de Portugal. Carnaval completamente surpreendente, pela cor, movimento, bem como pela gastronomia.



Publicado por Tovi às 14:05
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 20 de Dezembro de 2017
Edição de hoje do Correio do Minho

25550342_10211266968777878_454522951731887602_n.jp

Um jornal do Norte... um jornal desinibido... ou será outra coisa?  



Publicado por Tovi às 14:21
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 15 de Novembro de 2017
Se tivesse sido um jantar à luz das velas…

15nov2017 aa.jpg

   Notícia completa no Observador de ontem.



Publicado por Tovi às 09:47
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 27 de Setembro de 2017
Museu de História da Cidade

21768434_10210195065418079_2424921082797101769_n.j

E s p e c t á c u l o ! . . .

Isto é o Museu de História da Cidade em obra nos jardins da Pasteleira e que contará a evolução da cidade do Porto ao longo dos séculos.



Publicado por Tovi às 10:36
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 8 de Julho de 2017
Porto... terra de Liberdade #2

  Pedro Baptista, na sua página do Facebook

Bom Dia, Amigas e Amigos,
Há 185 anos, os liberais desembarcavam no Porto, precisamente nas praias a norte de Pampelido, dando força militar vitoriosa à corrente liberal dominante na cidade. Iniciar-se-ia o Cerco do Porto e a Guerra Civil, posto o que, com a vitória portuense, se formava o Portugal moderno. (A gravura pertence ao Arquivo Distrital do Porto).

19748602_1839690282708579_6092406588057571906_n.jp

 

  CMP - Porto Cultura

Vários locais, edifícios, monumentos, templos e ruas integram a "Rota PORTO LIBERAL", lançada neste 8 de julho, data em que há 185 anos se deu o desembarque de Mindelo. Além da Câmara Municipal, a revisitação histórica pela geografia da cidade é promovida pela Venerável Irmandade de Nª Srª da Lapa, o Exército Português através do Museu Militar do Porto, a Direção Geral do Património Cultural, a Santa Casa da Misericórdia do Porto através do MMIPO - Museu e Igreja da Misericórdia do Porto e a Direção Regional de Cultura do Norte.



Publicado por Tovi às 10:19
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)

Terça-feira, 27 de Junho de 2017
Cascata sem “o cagão” não é cascata

o cagão.jpg

Andei por aí a ver as nossas Cascatas de São João e na esmagadora maioria delas além da “Fonte”, da “Procissão”, da “Leiteira”, da “Fanfarra”, do “Coreto”, do “Polícia”, da “Torre dos Clérigos” e de mais todos aqueles “bonecos” que sempre fizeram parte desta espécie de presépio são joanino, lá estava O CAGÃO, normalmente num sítio escondido da cascata, como é tradição. E alguém me sabe dizer o porquê desta figura?... Será porque estas “coisas” dão-nos vontade quando menos se espera e lá terá que ser?... Será pelo que for, mas cascata sem “o cagão” não é cascata nem é nada.

 

   Comentários no Facebook

«Jose Bandeira» - Numa noite inteira de folia há necessidades irreprimíveis. 😊

«Duarte Leal» - É uma figura curiosa, de tradição e existência muito antigas. Tem uma ligação visceral com as coisas mundanas. Naturalmente que tem de ficar num sítio escondido. É provável que tenha forte ligação à cerâmica das Caldas, ou, pelo menos, os mesmos elementos influenciadores, mas não sou especialista na matéria. Se não estivesse presente, poucos dariam pela sua falta, mas trata-se de um personagem que humaniza a cascata. A riqueza está nos pormenores.

«Isabel Branco Martins» - Na Catalunha o caganer é usado OBRIGATORIAMENTE nos presépios e o significado que lhe atribuem é promover a PROSPERIDADE da casa, está relacionado com as propriedades nutritivas do produto usado na agricultura. - El museo del Caganer

«Alexandra Magalhães» - Na minha cascata esse também não falta todos os anos, mas não está escondido... ahhahaaha [Emoji smile:)]

«Adao Fernando Batista Bastos» - Na minha cascata tenho um "ele" e uma "ela"...O "ele" sempre vi desde que comecei a gostar de cascatas (quando eu era pequenino... e já abria os olhos)

«Isabel Branco Martins» - O culto do Caganer integra uma espécie de jogo que é descobrir onde o esconderam no presépio, aconselharam-me a procurá-lo junto das pontes... Uma coisa que me surpreendeu foi que são frequentemente personalizados tanto como figuras do fútil jet set, políticos, jogadores de "fut", lembro-me de ver o nosso pesetero...



Publicado por Tovi às 08:57
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 4 de Setembro de 2016
Homenagem a Mário Cláudio

Feira do Livro do Porto 2016 3Set2016 aa.jpg

No dia de ontem foi homenageado na Feira do Livro do Porto o escritor portuense Mário Cláudio, através da atribuição de uma tília na frondosa Avenida das Tílias do Jardim do Palácio. A cerimónia foi presidida por Rui Moreira, Presidente da Câmara do Porto, contou com a presença do Ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, o Ministro da Defesa, José Alberto Azeredo Lopes e ainda o Director Regional da Cultura do Norte, António Ponte.

 

  Mário Cláudio 

Prémio Pessoa e Comendador da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada, entre tantas outras distinções, Mário Cláudio (pseudónimo do escritor português Rui Manuel Pinto Barbot Costa, nascido no Porto a 6 de Novembro de 1941) serve-se dos mais variados géneros literários para escrever frequentemente sobre o Porto, a sua "cidade sólida e pétrea". Autor de uma obra vasta e complexa, na qual se ingressa por diversas vias, sendo a originalidade dos seus escritos biográficos uma das mais cativantes.



Publicado por Tovi às 14:07
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 15 de Agosto de 2016
Diferenças culturais… será?

Diferenças culturais Ago2016.jpg

  Le Figaro

Un nouveau maire interdit le burkini après des violences en Corse - La rixe de samedi soir à Sisco en Haute-Corse aurait eu pour origine la présence à la plage de la ville de femmes se baignant habillées. Les autorités corses appellent au calme après les heurts. Le maire du village de Sisco en Haute-Corse a décidé d'interdire le burkini sur les plages de sa commune après les incidents de samedi soir entre des jeunes et des familles d'origine maghrébine, a-t-il annoncé lundi à l'AFP.



Publicado por Tovi às 11:49
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 30 de Julho de 2016
Harry Potter na Livraria Lello

Livraria Lello aa.jpg

Nunca li nenhum dos livros da saga Harry Potter e os poucos momentos de televisão que vi sobre estas aventuras também não me despertaram qualquer interesse por esta obra da britânica Joanne Rowling. Mas com a popularidade que estas histórias atingiram é forçoso que me recorde de ter lido algures que a autora destes romances viveu na cidade do Porto nos finais dos anos oitenta do século passado, indicando-se até a Livraria Lello como fonte de inspiração para os cenários de algumas das aventuras do jovem bruxo. E é nesta famosa livraria portuense que hoje teremos o lançamento internacional do novo livro “Harry Potter & The Cursed Child”, no mesmo dia em que foi inaugurada a restaurada fachada de estilo neogótico e o enorme vitral (com oito metros de comprimento e três metros e meio de largura) do interior da livraria.

 

  Comentários no Facebook

«Ana Alyia» >> Apesar de ser viciada em leitura, Harry Potter não me desperta nem um bocadinho de atração e com isto não quero de forma alguma desprestigiar J Rowling que é com toda a certeza uma excelente escritora. E acho que o David é a única pessoa conhecida a quem a saga também não fascina. Mas numa coisa estamos em absoluto acordo: o fascínio pela famosa livraria do Porto. Não sei se existe adjetivo suficientemente adequado para descrever a sua grandiosidade. Agora só me falta voltar lá para apreciar a fachada restaurada e o vitral



Publicado por Tovi às 16:07
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 25 de Julho de 2016
A Juventude é o futuro... em qualquer parte do Mundo

Pedro Baptista viagem China aa.jpg

O meu bom amigo Pedro Baptista anda em peregrinação pela vasta região do Jiangxi e do Fujian, o berço da República Soviética Chinesa proclamada em 1931, local onde se iniciou a Longa Marcha, a colossal manobra estratégica de 10.000 quilómetros de Mao Zedong (Mao Tsé-Tung), numa circular concêntrica à das fronteiras sul, oeste e norte, até Yan’an, no Norte, lá para a quota de Pequim, boa parte dos quais a atravessar montanhas com neve e geladas, num itinerário que passou pelas… ele, o filosofo, investigador, romancista e ensaísta Pedro Baptista é que vai um dia contar-nos os relatos desta sua viagem - espero bem que sejam passados a escrito no seu futuro terceiro livro de memórias – que eu sou “analfabeto” nesta matéria. Mas um dos seus últimos “post” no Facebook falava-nos de umas “doçuras”, juventude que eu tenho a certeza ir ser o futuro, seja lá ou cá, ou noutro ponto qualquer do Mundo, e que ele diz serem “Uma das caraterísticas mais visíveis da China atual, que se nota mesmo numa cidade de pequena dimensão, semi-rural e onde não se nota a presença das grandes sociedades de investimento, é a velocidade estonteante com que tudo muda. Não é em dias, é de um dia para o outro. Entre o início da semana e o fim já há alterações visíveis e não são os cabelos brancos das pessoas. Passei por aqui todos os fins de tarde, em busca do jantarinho e de um momento para o outro, num belo fim de tarde, sem qualquer sinal prévio de preparação nas vésperas, foi o estralejar dos panchões (termo macaense designativo de uma espécie de bombinhas de São João) a anunciar a abertura de uma nova livraria em Ruijin da empresa estatal Xingshua. Em boa verdade, ainda só abriu a papelaria e a secção de macacadas para os putos, a livraria no 1º e 2º andar virá a seguir... Mas olhem-me só estas doçuras que me fizeram participar na inauguração e comprar um caderno para apontar que, amanhã... tenho de comprar bananas...”



Publicado por Tovi às 09:14
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 20 de Abril de 2016
Uma nova vida para o Matadouro Industrial do Porto

 Matadouro Industril do Porto 20Abr2016 ac.jpg

Foi hoje apresentado no Porto por Rui Moreira o que vai ser uma das obras emblemáticas do seu mandato na Câmara Municipal da Cidade Invicta.

O antigo Matadouro irá comportar uma “Área de Empresas Criativas e Tecnológicas” nacionais e internacionais, o “Museu da Indústria”, com um pólo central e outro disseminado por vários espaços, uma valência dedicada à “Arte e Comunidade”, coordenada por agentes multidisciplinares que desenvolvam práticas em áreas sociais e artísticas, em articulação com o tecido social de Campanhã. Terá, também, a valência de “Reserva de Arte Contemporânea”, dando resposta a necessidades de espaço de reserva por parte de coleccionadores e artistas do Porto; irá conter uma “Nave-multiusos” preparada para acolher diversos tipos de apresentações, desde conferências, cinema ou eventos sociais, e um “Laboratório de Gastronomia”, projecto que combinará uma dimensão exploratória da gastronomia atlântica com práticas de lazer e consumo.
O equipamento vai ainda incluir “Estúdios Média e Audiovisual” para produção e gravação nas áreas do cinema, rádio, televisão e música, com espaços para arrendamento comercial e outros vocacionados para projectos pedagógicos emergentes. Outra das valências alocadas será destinada às “Artes e Ofícios Tradicionais”, que incluirá, por exemplo, locais de trabalho para encadernadores, estofadores, carpinteiros e outros artesãos. Terá, também, um “Pólo de Desporto”, com uma área desportiva coberta composta por um campo multiusos e respectivas instalações de apoio e, a terminar, uma valência de “Residências Artísticas”, com estúdios que incluem uma área de residência e de outra de apresentação pública destinadas a artistas nacionais e estrangeiros.
O projecto de arquitectura para a reconversão do antigo Matadouro Municipal do Porto é da responsabilidade da sociedade Garcia & Albuquerque, Arquitectos.



Publicado por Tovi às 21:34
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 15 de Abril de 2016
Antigo Matadouro Industrial do Porto

matadouroPorto ab.jpg

Fantástico este projecto para as antigas instalações do Matadouro Industrial do Porto. Campanhã começa a sair do ostracismo a que esta zona da Cidade Invicta foi lançada nas últimas décadas.

Desenvolvido por uma equipa multidisciplinar, e em que a parte de arquitectura ficou a cargo do gabinete liderado pelos arquitectos Jorge Garcia Pereira e Luís Albuquerque, o projecto tem como cerne a recuperação e manutenção de grande parte da construção original, um complexo com 29 mil metros quadrados de terreno e que se encontrava abandonado há décadas.



Publicado por Tovi às 18:05
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 12 de Abril de 2016
Já temos novo Ministro da Cultura

Gosto do “curriculum vitae” deste nosso novo Ministro da Cultura

Luís Filipe Castro Mendes Ministro da Cultura 10A

Luís Filipe Castro Mendes, nascido em 1950 em Idanha-a-Nova, é um embaixador poeta que gosta de pensar esse duplo estatuto e a sua história respeitável, repleta de grandes nomes de escritores. A sua formação universitária é Direito, mas os ambientes em que se integrou, ainda enquanto estudante, foram os literários.
Começou a publicar ainda muito cedo, adolescente, no suplemento juvenil do Diário de Lisboa, quando ainda não vivia em Lisboa (o pai era juiz, o que lhe ditou uma vida nómada pela província; essa é a razão pela qual nasceu em Idanha-a-Nova) e começou a estabelecer ligações com algumas pessoas de uma nova geração (por exemplo, Jorge Silva Melo), que foram determinantes também na sua consciência política.
A sua estreia em livro foi em 1983, com Recados, publicado na Imprensa Nacional, numa colecção de jovens poetas, criada por Vasco Graça Moura. No ano seguinte publicou a obra de ficção Areias Escuras, à qual sucedeu Seis Elegias e Outros Poemas, que mereceu o Prémio da Associação de Jornalistas e Homens de Letras do Porto. Publicou ainda Ilha dos Mortos (1991). Mas a sua plena afirmação enquanto poeta deu-se dez anos depois, com um livro chamado Viagem de Inverno (1993). Seguiram-se O Jogo de Fazer Versos (1994), Modos de Música (1996), Outras Canções (1998), Poesia Reunida (1985-1999) e Os Dias Inventados (2001).
Nessa altura, já tinha feito o habitual périplo dos inícios da carreira diplomática (ainda não como embaixador) em Angola, Madrid e Paris. Para trás, tinham ficado as experiências de assessor de Melo Antunes, no Ministério dos Negócios Estrangeiros, e do Presidente Ramalho Eanes.
Em meados dos anos 90 foi colocado como cônsul-geral de Portugal no Rio de Janeiro. A sua primeira missão como embaixador foi em Budapeste e depois em Nova Deli. Nessa experiência indiana radica um dos seus livros de poesia, Lendas da Índia, de 2011, que foi distinguido com o Prémio António Quadros, atribuído pela Fundação com o mesmo nome, com Lendas da Índia, editado pela Dom Quixote.

 

 Comentários no Facebook

«Mário Rui» >> "Nosso"?! Que "nosso"?

«Mario Reis» >> Mesmo que discorde do governo e' nosso porque e' o governo que governa Portugal e os Portugueses ou nao e' Portugues?... ou nao habita Portugal ?....

«Jorge Veiga» >> a ver vamos se consegue fazer muito num pais onde os governos pouco ligam à cultura. pelo menos é o que se deduz pelas verbas atribuídas...

«Pedro Aroso» >> Mais um neo-ministro. Desta vez o Tony Farturas escolheu bem, porque sabe que é carne para canhão.

«Jovita Fonseca» >> Com este curriculum tem obrigação de ter mais cultura que o outro... Tenhamos esperança no que se refere à pasta da Cultura ...e às "atitudes " no Governo!



Publicado por Tovi às 08:32
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Abril 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


Posts recentes

Injustiça na distribuição...

"Visita Guiada" na RTP

Entrudo Chocalheiro

Edição de hoje do Correio...

Se tivesse sido um jantar...

Museu de História da Cida...

Porto... terra de Liberda...

Cascata sem “o cagão” não...

Homenagem a Mário Cláudio

Diferenças culturais… ser...

Harry Potter na Livraria ...

A Juventude é o futuro......

Uma nova vida para o Mata...

Antigo Matadouro Industri...

Já temos novo Ministro da...

O espólio de Vasco Graça ...

As tardes dominicais das ...

Morreu Paulo Cunha e Silv...

O U P A !

Lavadouro e Balneário Púb...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus