"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Sábado, 30 de Maio de 2020
COVID-19 - Câmaras dão tudo para relançar a economia

Ricardo Valente.jpg
   “Expresso – Economia” deste fim-de-semana

“No Porto, onde claramente se sente o abalo da covid-19 é no turismo, e antes de setembro ou outubro será prematuro tentar perceber o impacto estrutural desta crise provocada pela paragem brusca da atividade económica”, diz Ricardo Valente, vereador municipal com o pelouro da Economia.
Os números da taxa turística dão uma primeira ideia do que pode estar em causa: depois dos €15 milhões arrecadados pela autarquia em 2019, o Orçamento retificativo de 2020 aponta apenas para €5 milhões, “uma quebra brutal”, num ano que registava, até abril, um crescimento de 20% face ao exercício anterior.
Já nos investimentos empresariais em curso, o vereador garante “não haver um impacto claro da pandemia”. “A Natixis e a Critical Techworks continuam a crescer e a contratar, mostrando que a dinâmica dos negócios internacionais se mantém em forma. Boa parte dos projetos que o Porto atraiu nos últimos anos são coisas como centros tecnológicos e de inovação. São o futuro das empresas e, por isso, mesmo, são o que é poupado em momentos de crise e redução de custos”, justifica.
Das empresas locais, “também chegam sinais animadores, como a compra dos ingleses da Iontas pela portuense FairJournay Biologics, que reforça o estatuto de líder mundial na descoberta e fabricação de anticorpos. Aliás, o número de processos tramitados em abril representou 70% de um mês normal, “indicando que as coisas continuam a acontecer”, sublinha.
“O turismo foi decisivo para pôr o Porto na moda, mas em 2018 e 2019 mais de 60% do investimento realizado aqui já teve uma base corporativa e o principal fluxo veio da instalação de empresas”, adianta. Mas há sombras no horizonte, até porque o novo ambiente económico global e “uma eventual deriva nacionalista pode reverter a lógica de internacionalização das empresas que têm vindo a escolher a cidade”.
Assim, num concelho ainda na “fase de arranque do seu trajeto de regeneração económica, alicerçado na utilização de casos de sucesso de outros investidores como cartão de visita para atrair novas empresas”, este é o momento de jogar ao ataque e atuar: “Vamos voltar à carga, vamos vender a cidade pelo mundo fora” anuncia.
Sabe que o futuro da operação aeroportuária será decisivo no que vai acontecer nos próximos tempos e, apesar da polémica à volta das rotas da TAP, conta “como trunfos” com companhias que já se posicionaram para ligar a cidade e a região ao mundo, da Lufthansa à Luxair, Turkish Airlines, Ryanair ou EasyJet.
Ao nível da economia local, há benefícios fiscais e isenção do pagamento de taxas municipais a comerciantes e outros agentes económicos, estimadas em €315 mil. Há, ainda, um novo Fundo Municipal de apoio ao investimento e desenvolvimento económico, dirigido a startups, microempresas e PME da cidade, de forma a responder aos novos desafios da economia e contribuir para que os negócios e postos de trabalho se mantenham através do acesso a capital ou reforço de liquidez. Nos grandes projetos, o destaque vai para a expansão do Metro do Porto, orçada em €365 milhões.



Publicado por Tovi às 10:54
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 12 de Maio de 2020
Preparando o “dia seguinte”

#mno_visita_RM_PM_comercio_04.jpg

A pandemia COVID-19 ainda não nos largou, mas já há sinais de um abrandamento, quer no número de contagiados quer de mortes… e temos que começar desde já a trabalhar para o “dia seguinte”, que é exatamente o que o executivo camarário do Porto está a fazer: Criação de um Fundo Municipal de apoio ao investimento e ao desenvolvimento económico, dirigido a startups, microempresas e PME's da cidade; Concessão de benefícios fiscais e isenção do pagamento de taxas municipais a comerciantes e outros agentes económicos; Linha de apoio de emergência às associações da cidade; Implementação pelas empresas municipais Domus Social, SRU, Porto Vivo ou Águas do Porto, de minoração dos efeitos negativos derivados da obrigação de suspensão e encerramento da atividade comercial e das restrições impostas à liberdade de circulação de pessoas e bens.

 

   Dados atualizados ao dia de hoje
mundo 12mai.jpg



Publicado por Tovi às 07:50
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 20 de Abril de 2020
São muito engraçados estes sobrinhos do Tio Sam

94219881_10217099937678455_8119698907891499008_n.j

Numa altura em que segundo o Washington Post a dívida pública e as dívidas de empresas dos EUA, bem como o deficit orçamental federal, irão atingir níveis recordes em 2020 devido à pandemia do novo coronavírus, ainda temos quem venha com o “papão” do comunismo.

 

   Situação em Portugal e Região Norte

20863 casos confirmados (12543 na Região Norte)
735 mortos (424 na Região Norte)
Pelo terceiro dia consecutivo o número de mortes por COVID-19 na Região Norte tem vindo a descer… mas ainda não é o sair do "planalto".
norte 20abr.jpg



Publicado por Tovi às 07:23
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 19 de Abril de 2020
Dias difíceis

554d-2280-4565-9469-51e9ebcb0b85.jpg

Já está na hora de se começar a pensar seriamente nas medidas que teremos de adotar para reduzir os impactos da COVID-19 sobre a economia. Durante o isolamento social, seguramente necessário numa primeira fase da pandemia, houve vários choques de opinião da sociedade civil portuguesa, cada um a opinar sobre a melhor abordagem para enfrentar o dia seguinte à quarentena, apesar de eu considerar que ainda é cedo para medir o verdadeiro impacto da pandemia na economia portuguesa e até europeia. Assim sendo, não será tarefa fácil decidir com uma certeza absoluta quais as medidas que terão de ser adotadas pelo Terreiro do Paço no sentido de minimizar os impactos da COVID-19 na economia dos portugueses, muitos deles a precisarem já de desenvolver uma qualquer atividade no dia-a-dia para terem algum tipo de receita que lhes garanta a subsistência. Não vamos ter dias fáceis no futuro próximo… mas até os dias difíceis acabam, mais tarde ou mais cedo.

 

   Situação em Portugal e Região Norte

20206 casos confirmados (12143 na Região Norte)
714 mortos (409 na Região Norte)
COVID19 PortNorte 19abr.jpg



Publicado por Tovi às 07:37
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 19 de Novembro de 2019
Não sei se será... mas até pode ser

46693894_401.jpg

Muitos dos comentadores da atual situação na Bolívia acusam os EUA de estarem a promover a destabilização e mudança do regime neste país da América Latina. De acordo com o Centro Estratégico Latino-Americano de Geopolítica (CELAG), organização internacional que estuda fenómenos conjunturais na região, os Estados Unidos da América têm diversos interesses na região, nomeadamente nos recursos naturais. E não podemos esquecer que a Bolívia está entre os principais países exportadores de antimónio, tungsténio e estanho, minérios estratégicos para a economia e dos quais os EUA carecem. E também há por aquelas bandas grandes quantidades do novo “ouro”, o LÍTIO.



Publicado por Tovi às 09:29
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 11 de Maio de 2016
O Vinho do Porto está na moda… em Portugal

VinhoDoPorto vendas 1ºtrim2016.jpg

Isto é bom… É bom para o Vinho do Porto, para o Douro e para Portugal.

  Notícia de Erika Nunes em 6Mai2016 no “DinheiroVivo”

 

  Comentários no Facebook

«Jorge Oliveira E Sousa» >> Um dos problemas é que os portugueses não bebem vinho do Porto mas todos têm em sua casa até nas mais modestas uma garrafa geralmente por abrir. Vamos promover o consumo em Portugal e mais aumento haverá.

«António Fontes» >> Com o crescimento exponencial do Turismo no Porto/Norte de Portugal, era expectável que as vendas do icon máximo da zona fossem a reboque!

«David Ribeiro» >> Ora vamos lá fazer contas: 24.000 caixas de 12 garrafas de 0,75 do litro = 216.000 litros; 216 mil litros em 90 dias dá 2.400 litros por dia, ou seja, 24 mil cálices de 10cl (cálice oficial do Vinho do Porto, desenhado pelo arquitecto Álvaro Siza Vieira) bebidos todos os dias só em Portugal.



Publicado por Tovi às 08:57
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 3 de Maio de 2016
Turismo de qualidade… no Porto

Turismo de qualidade Mai2016 ab.jpg

Marcas internacionais procuram investir nos locais mais valiosos à medida que aumenta o volume e valor das transações na cidade do Porto.



Publicado por Tovi às 15:46
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 27 de Abril de 2016
Investimento imobiliário no turismo do Porto

Porto imobiliário em 2015 aa.jpg

Na cidade do Porto um número significativo de projectos destinados a alojamento local, que já representa hoje uma importante parte da oferta, mantem um ritmo de crescimento expressivo da oferta e procura, com a inauguração de algumas unidades de referência nos próximos dois anos.

Notícia completa aqui.



Publicado por Tovi às 14:54
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 7 de Março de 2016
Nunca se exportou vinho tão caro

Vinho aa.jpg

As exportações portuguesas de vinho cresceram em valor pelo sexto ano consecutivo e atingiram em 2015 um novo máximo histórico, com 737,3 milhões de euros vendidos aos mercados internacionais. O preço médio do litro foi de 2,63€, o mais elevado de sempre: cada litro foi transacionado, em média, 2,8% acima do valor de 2014. No entanto, Portugal está a exportar menos vinho em quantidade, o que significa que está a vendê-lo bem mais caro. (...) Os maiores contributos para esta evolução advêm dos espumantes, cujo preço médio é já de 8,25 euros por litro, uma valorização de quase três vezes mais face a 2011. O vinho da Madeira é o segundo no ranking dos melhor pagos, com um preço médio de 6,31 euros por litro (um crescimento de 26,5% nos últimos cinco anos). Já o vinho do Porto, que ocupa a terceira posição, só se valorizou 11% e está nos 4,69 euros. Em termos de mercados de destino, o Reino Unido, com 4,02 euros de preço médio, os Estados Unidos e o Canadá, ambos com quatro euros por litro, e Espanha, com 3,87 euros, são os países que mais caro estão dispostos a pagar o vinho português.

Ver notícia do JN aqui

 

  Comentários no Facebook

«Pedro Aroso» >> No Brasil o preço dos vinhos portugueses atingiu um valor estratosférico e a vendas estão a cair a pique. Isto ficou a dever-se a mais um "ajuste fiscal" decretado pelo governo no início do ano. Os países do Mercosul não foram abrangidos por estas medidas.



Publicado por Tovi às 13:58
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 22 de Outubro de 2014
A importância do “Turismo Desportivo”

Athletic Club Bilbao.jpg

No dia ontem, em que o Futebol Clube do Porto venceu o Athletic Club Bilbao por duas bolas a uma no jogo da terceira jornada do Grupo H da Liga dos Campeões, dei comigo a pensar qual será o peso do "Turismo Desportivo" na economia da nossa Cidade ou mesmo do Norte de Portugal. Não sei se haverá estudos que nos possam dar valores, mas a verdade é que na manhã de ontem o Porto estava carregadinho de adeptos bascos e muitos deles com a família, incluindo crianças, e a fazerem compras na baixa portuense. Bonito de se ver.

 

 Comentários no Facebook

«António Lopes» >> Na estação de serviço de Fafe, por volta das 6 da manhã, eram à volta de uns 100. De notar que houve um comportamento mui ordeiro dos mesmos.

«Carlinhos da Sé» >> O Porto está cheio de colchões com pernas... Boavista, Massarelos, Ribeira, Batalha, estão por todo o lado.

«António Lopes» >> Uma ideia romântica que eles têm sobre o futebol, e que eu não me importava nada de ver implementada no FCP ou no Boavista

«Carlos Miguel Sousa» >> A maioria parece gente civilizada, é aproveitar, os euros não têm nacionalidade..

«Carlinhos da Sé» >> A exuberância não é uma referência do Povo Basco, transcende-se dentro dos estádios, a botifarra da ditadura deixa marcas profundas.

«Jose Riobom» >> ...gostei de ver as… boinas...!

«Pica Miolos» >> Foi exactamente o que pensei quando ontem ao fim da tarde passei pelos Aliados! Uma festa, em que todos cantavam! Gostei de ver!



Publicado por Tovi às 08:38
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 22 de Agosto de 2013
Ouvido da boca de Rui Moreira - #6

{#emotions_dlg.chat} A criação de um ambiente favorável ao investimento não depende, ainda assim, exclusivamente do Estado Central. As cidades e as áreas metropolitanas dispõem, também elas, de instrumentos que podem ajudar a construir esse ambiente, fomentando a articulação interinstitucional, ligando a estratégia de atração de investimento à inovação, ao empreendedorismo e à regeneração urbana e social.


«Jose Antonio Salcedo» no Facebook >> Uma verdade importantíssima.



Publicado por Tovi às 21:25
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 31 de Julho de 2013
Os velhos e os novos grupos económicos

Escreveu Rui Moreira na sua obra Ultimato - O antes e o depois do 15 de Setembro (Oficina do Livro, grupo LeYa - 1ª edição: Out2012):

{#emotions_dlg.chat} Curiosamente, verifica-se que, quase quarenta anos volvidos, alguns dos grupos que foram protegidos pelo anterior regime, nomeadamente através do condicionamento industrial, subsistem ainda e continuam a ser os mais eficientes na captação dos recursos do Estado e na captação de favores por parte do poder político. Outros grupos que entretanto surgiram, sem que se conheça a origem do seu negócio, empregam ex-políticos e jornalistas, conseguem financiamentos que estão vedados a quase todas as empresas, resistem a prejuízos acumulados em investimentos descuidados e conseguem reinventar-se à custa da sua enorme influência política.



Publicado por Tovi às 12:43
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 29 de Abril de 2013
Swap

Ainda não sei muito bem o que é SWAP… Fui ver à Wikipédia e lá diz: Em finanças, swap (em português, "permuta") são operações em que há troca de posições quanto ao risco e rentabilidade, entre investidores; O contrato de troca pode ter como objeto moedas, commodities ou ativos financeiros. Fiquei praticamente a saber o mesmo. Alguém me pode dar mais informações? Mas expliquem-me como se eu fosse muito burro, está bem?


«Joaquim Leal» no Fscebook >> Isso é mais ou menos uma manigância celebrada com entidades financeiras em que estas ficam sempre a ganhar, uma roleta russa portanto.

«Jorge Saraiva» no Facebook >> Hoje [sábado, 27Abr2013] através do caderno de economia do Expresso ficará a saber umas coisas sobre operações swap: Swaps tóxicos foram vendidos por oito instituições financeiras internacionais + Tribunal arbitral declarou nulos contratos de swaps de três pequenas empresas  + Governo admite processar gestores públicos envolvidos no caso dos swaps

«Paulo Pereira» no Facebook >> É um seguro contra uma subida de juros, câmbio,  ou preço de matérias primas. Quem vende o swap é que fica com o risco , isto numa situação não aldrabada. Quem compra paga um prémio.



Publicado por Tovi às 08:08
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 6 de Dezembro de 2012
Compro o que é nosso

Este é um dos mais graves problemas da nossa economia interna: Temos produtos de grande qualidade para os quais não temos capacidade de compra. Ainda no passado fim-de-semana fui a um dos hipermercados do Gande Porto e encontrei Maçã Bravo Esmolfe (DOP / Genuinamente Portuguesa) de calibre 75/80, a 2,99€/Kg. Claro que outras variedades de maçã provenientes de Espanha custavam muito menos que metade deste preço.


«Guilherme Lickfold» in Facebook >> as pessoas comparam o que nao se pode comparar.

«David Ribeiro» in Facebook >> Claro que sim, meu caro amigo Guilherme Lickfold... Mas não nos podemos esquecer que o "preço" condiciona cada vez mais a opção de compra dos portugueses. No caso específico das maçãs Bravo Esmolfe que comprei hoje, temos que concordar que as quatro unidades (0,878 kg) que me custaram 2,63€ é um preço proibitivo para a maior parte dos portugueses. Ainda me foi possível ter este luxo, mais não sei até quando o poderei manter.

«Guilherme Lickfold» in Facebook >> isso e' verdade mas como e' possivel baixar precos com o custo de todos os factores produtivos a aumentarem?  Para nao falar da  carga fiscal...

«David Ribeiro» in Facebook >> Perfeitamente de acordo... Mas não venham com a "história" de comprar português. Há muitos produtos nacionais que não podem (INFELIZMENTE) serem comprados pelos portugueses.

«Guilherme Lickfold» in Facebook >> Depende das empresas. Para aquelas pequenas empresas em que os produtos não sao acessíveis a todos mas as quantidades sao relativamente reduzidas felizmente ainda existem compradores. Para as empresas com preços elevados mas com uma produção em largo numero, aí de certeza que se forem apenas pelo mercado interno não o futuro não é muito bom.

«Zé Zen» in Facebook >> Là estàs tu a chorar de barriga cheia :p:p



Publicado por Tovi às 07:34
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 4 de Dezembro de 2012
Compro o que é nosso

Este é um dos mais graves problemas da nossa economia interna: Temos produtos de grande qualidade para os quais não temos capacidade de compra. Ainda no passado fim-de-semana fui a um dos hipermercados do Gande Porto e encontrei Maçã Bravo Esmolfe (DOP / Genuinamente Portuguesa) de calibre 75/80, a 2,99€/Kg. Claro que outras variedades de maçã provenientes de Espanha custavam muito menos que metade deste preço.


«Guilherme Lickfold» in Facebook >> as pessoas comparam o que nao se pode comparar.

«David Ribeiro» in Facebook >> Claro que sim, meu caro amigo Guilherme Lickfold... Mas não nos podemos esquecer que o "preço" condiciona cada vez mais a opção de compra dos portugueses. No caso específico das maçãs Bravo Esmolfe que comprei hoje, temos que concordar que as quatro unidades (0,878 kg) que me custaram 2,63€ é um preço proibitivo para a maior parte dos portugueses. Ainda me foi possível ter este luxo, mais não sei até quando o poderei manter.

«Guilherme Lickfold» in Facebook >> isso e' verdade mas como e' possivel baixar precos com o custo de todos os factores produtivos a aumentarem?  Para nao falar da  carga fiscal...

«David Ribeiro» in Facebook >> Perfeitamente de acordo... Mas não venham com a "história" de comprar português. Há muitos produtos nacionais que não podem (INFELIZMENTE) serem comprados pelos portugueses.

«Guilherme Lickfold» in Facebook >> Depende das empresas. Para aquelas pequenas empresas em que os produtos não sao acessíveis a todos mas as quantidades sao relativamente reduzidas felizmente ainda existem compradores. Para as empresas com preços elevados mas com uma produção em largo numero, aí de certeza que se forem apenas pelo mercado interno não o futuro não é muito bom.

«Zé Zen» in Facebook >> Là estàs tu a chorar de barriga cheia :p:p



Publicado por Tovi às 07:49
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Julho 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Posts recentes

COVID-19 - Câmaras dão tu...

Preparando o “dia seguint...

São muito engraçados este...

Dias difíceis

Não sei se será... mas at...

O Vinho do Porto está na ...

Turismo de qualidade… no ...

Investimento imobiliário ...

Nunca se exportou vinho t...

A importância do “Turismo...

Ouvido da boca de Rui Mor...

Os velhos e os novos grup...

Swap

Compro o que é nosso

Compro o que é nosso

Novos recordes no Porto d...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus