"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Quarta-feira, 14 de Fevereiro de 2018
Da crise alemã à crise europeia

Eu cá ainda acredito na Europa das Regiões... mas parece-me assunto completamente esquecido.

 

   Rui Moreira no Facebook

27657740_10216183913259170_4501155787373178489_n.j

A saída de cena de Martin Schulz, depois da derrota do SPD nas eleições alemãs, coloca mais uma vez sob pressão o projecto europeu.
A Große Koalition, a grande coligação negociada entre Merkel e Schulz ( reatando a coligação governativa pró-europeia e juntando a CDU/CSU com o SPD) está sujeita a um referendo interno do partido social-democrata de desfecho interno. A queda nas sondagens do SPD poderá levar os seus militantes a recusarem essa solução. Até porque o partido nacionalista continua a subir nas sondagens à custa do sentimento anti-europeista.
Repete-se, dramaticamente, com a crise do SPD transformada em crise europeia, o que vem sucedendo em várias frentes europeias. As alianças ao centro, favoráveis ao projecto europeu, vão causando vítimas entre os partidos tradicionais, enquanto crescem, nas franjas, os movimentos e partidos que se opõem ao projecto europeu.
No caso alemão, a debacle já se verificara com o FDP, o partido centrista e liberal de Genscher e Darendorf, que durante anos apoiou ora o SPD de Helmut Schmidt ora a CDU/Csu de Kohl, e que quase desapareceu com a deriva populista de Westerwelle.
Dentro de três semanas, saberemos o que se passa com o SPD. Se os jovens turcos, que se estão a filiar para impedir a grande coligação, vencerem, o partido terá que se reinventar. Sem Schulz, tentará angariar o voto dos que não acreditam no projecto europeu. Se os seus líderes tradicionais vencerem, o partido ficará como muleta de Merkel. Até ao dia em que, dispensável ou dispensado, irá morrer.
É por isso, também, que enquanto europeista convicto lamento que a solução transnacional tenha sido recusada.
Teria uma vantagem: é preciso que alguém diga aos eleitorados nacionais que as más políticas não vêm todas de Bruxelas; que Bruxelas serve de desculpa para muitas das más políticas dos governos nacionais; que Bruxelas pode deixar de ser um poder não escrutinado e pouco transparente se os europeus puderem votar directamente e escolher a sua Bruxelas. Infelizmente, isso concorre com os interesses instalados...infelizmente, esses interesses instalados alimentam o populismo e a demagogia anti-europeia.

 

   Comentários no Facebook

«Jose Bandeira»Estamos mais no caminho de retorno à Europa dos Impérios.

«David Ribeiro» - Merkel está sem maioria e não vai certamente poder iniciar o seu quarto mandato de chanceler, sendo muito provavelmente forçada a aceitar a realização de novas eleições, correndo no entanto o risco de perder ainda mais espaço para a extrema-direita. E eu só me lembro do Partido Nazi, mais correctamente “Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães”, que depois de 1930 focava toda a sua ideologia no anti-semitismo e anti-marxismo, mas que tinha inicialmente como estratégia política o anti-grandes empresas, o anti-burguês e a retórica anti-capitalista, embora esses aspectos tivessem sido posteriormente minimizados a fim de ganhar o apoio das grandes entidades industriais.



Publicado por Tovi às 09:46
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 7 de Janeiro de 2018
O Expresso nasceu há 45 anos

6jan2018 aa.jpg

Já lá vão 45 anos que apareceu nas bancas um semanário que mudou a forma de fazer jornalismo em Portugal. Eu estava a cumprir o serviço militar obrigatório no Batalhão de Engenharia nº 3, em Santa Margarida, e vivia-se então uma decadente “primavera Marcelista” em que ninguém já acreditava e todos nós esperávamos a todo o momento uma mudança, fosse lá o que ela fosse e quando fosse. E tudo que era novo merecia a nossa atenção. O Expresso era lido e relido, recortava-se e guardava-se, para memória futura, tudo o que tinha a ver com o envolvimento cívico e político dos portugueses. Depois houve o 25 de Abril de 74… e depois aconteceu o 25 de Novembro… fizemos uma Constituição democrática e mais tarde entramos para a Comunidade Europeia… e estes anos todos volvidos ou nos tornamos sépticos quanto ao estado em que se encontra “esta” democracia ou então o Expresso já não é o que era.



Publicado por Tovi às 08:34
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)

Sexta-feira, 22 de Dezembro de 2017
A República Catalã venceu o Artigo 155

Ilustración Rodrigo Acevedo Musto.jpg
(Ilustração de Rodrigo Acevedo Musto)

Há quem diga que as coisas ainda não ficaram claras na Catalunha, mas não restam dúvidas para ninguém que Mariano Rajoy saiu completamente derrotado destas eleições.

 


catalunha eleicoes2017 ab.png

  Comentários no Facebook

«Raul Vaz Osorio» - O Ciudadanos, pelo menos na sua versão catalã, está também contra o 155 e a estratégia de colorido fascista adoptada por Rajoy. Sendo assim, podemos considerar que houve uma maioria qualificada e não apenas absoluta que rejeitou a aplicação do dito artigo. Querem maior derrota do que esta?

«Gonçalo Graça Moura» - Eu acho que quem perdeu foram os catalães... quero ver como vão recuperar todos os negócios que saíram de lá com esta história...

«Raul Vaz Osorio» - Essa perspectiva materialista é que é o grande mal do mundo de hoje. Da forma como você coloca a questão, conclui-se que o único valor importante em jogo aqui é o dinheiro é isso negócios. Se não o único, pelo menos o fundamental. Ora, na verdade, existe toda uma gama de valores em jogo nesta situação e não é lícito escolher um em detrimento dos outros, seja ele qual for, com a excepção, talvez, da liberdade de opinião e escolha. Como regionalista, autonomista e no limite até independentista se necessário, em prol do Norte, desde já lhe digo que sacrificava de bom grado alguns grandes negócios para ver a minha região livre do parasitismo lisboeta.

«Serafim Guimarães» - Raul, concordo genericamente mas pergunto-te porque é que a Catalunha quer independência, ao contrário da Galiza. Claro que é pelos motivos materiais, pela percepção de que dão mais a Espanha do que o que dela recebem. E estão a esquecer-se que fora da União Europeia, a Catalunha perde (muita) riqueza. E o bem estar material de uma sociedade é que permite que ela se dedique a ter outras preocupações. Por isso é que, apesar de toda a minha simpatia pela causa catalã, acho que eles fazem mal separar-se e espero que consigam encontrar uma solução que não passe pelo radicalismo... Já saíram 3000 em presas (milhares de empregos). Até a Seat (que é alemã....) ameaça sair!!!

«Raul Vaz Osorio» - Serafim mas nunca me ouviste dizer que eles fazem bem ou mal. Digo é que lhes compete a eles decidir. Digo que há muitos valores em jogo é que não é lícito aplicar à questão a lógica TINA.

Já agora, essa do "fora da União Europeia" não é, de forma alguma, um dado adquirido. Mas faz parte, juntamente com a saída de empresas, de una chantagem do establishment politico-economico europeu sobre os catalães.

«Serafim Guimarães» - Raul Vaz Osorio fora da união europeia sim, porque para entrar um novo membro tem que haver unanimidade....

«Raul Vaz Osorio» - Estás a assumir que há saída. Não seria muito difícil criar uma norma, mesmo à margem dos tratados, que preservasse a integridade da União face a separatismos. Era apenas levar a lógica da Europa das Regiões, já consagrada no edifício político e legislativo da UE. Aliás, bastava a Escócia ou o Ulster decidirem em referendo demarcar-se do Brexit e pretender permanecer na UE para as mesmas vozes que anunciam a inevitabilidade da saída de uma Catalunha independente virem explicar como se poderia manter essas regiões na UE.



Publicado por Tovi às 09:23
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017
A EMA foi para… Amesterdão

Não veio a sede da Agência Europeia do Medicamento (EMA) para a cidade do Porto, mas nada será como dantes na afirmação da nossa Cidade e das suas Gentes por essa Europa fora. Fizemos uma candidatura de estrondo.

ema 20nov2017.jpg

   Sede da EMA vai para Amesterdão, que bate Milão em sorteio após empate



Publicado por Tovi às 22:26
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 18 de Novembro de 2017
Nada será como dantes

18nov2017 aa.jpg

Seja qual for a cidade escolhida a verdade é que para o Porto “nada será como dantes”... E eu até vou mais longe e afirmo que está provado que podemos e sabemos liderar uma futura Região Norte.

 

   Comentários no Facebook

«Nuno Santos» - Ontem decorreu no Porto a última conferência de imprensa antes da decisão de relocalização da EMA. No Porto, o Ministro da Saúde e a Secretária de Estado dos As...suntos Europeus juntaram-se a Rui Moreira para responder aos jornalistas sobre um longo processo. No final das intervenções, quase não havia perguntas. Já saiam os protagonistas quando um jornalista quis que respondessem. Seguiram-se quatro perguntas. Todas pela negativas. “O Porto, se calhar, não tem isto”, “Os voos, se calhar não chegam”, “os edifícios, será que são maus”, todas denotando, até, algum desconhecimento e ignorância sobre o assunto. E a pergunta final: “não teme que se o Porto perder seja dito que se Lisboa tivesse concorrido poderia ter ganho?”. A elegância de Rui Moreira permitiu-lhe responder de forma urbana e ainda agradecer aos jornalistas, abandonando a sala. Não houve uma alma a questionar como pode Portugal beneficiar do problema Catalão ou que trabalho foi desenvolvido pela diplomacia portuguesa, nomeadamente, pelo ausente Ministro dos Negócios Estrangeiros (que até é do Porto e que até começou o processo a afirmar que o Porto não tinha capacidade para cumprir os requisitos, quando o contrário está hoje demonstrado), ninguém perguntou qual o principal argumento da candidatura portuguesa e qual a principal vantagem que a cidade apresenta. Não admira, em meses de candidatura à mais importante das agências europeias, não houve um órgão de comunicação social que tivesse feito, por uma vez, verdadeiro jornalismo sobre a matéria, indo à EMA ver quais eram as condições existentes em Londres e comparando com as que o Porto oferecia. Também ninguém procurou saber, junto das outras candidaturas e países o que eles achavam da candidatura portuguesa. Também ninguém procurou saber junto dos países membros que, votando, não se candidatam, qual poderia ser a sua orientação relativamente a Portugal. O jornalismo e os jornalistas queixam-se frequentemente dos políticos, treinadores, dirigentes, empresários, sempre que estes, levemente, os criticam. Mas, eles próprios, não percebem que a lógica da crítica e da visão negativa da vida tem origem nas suas cabeças e nos seus artigos. Como há dias me dizia uma boa jornalista, são os jornalistas que estão a matar o negócio e o seu próprio emprego. “Qualquer dia, ninguém quer falar connosco”, dizia. Pois, eu até acho que hoje já é qualquer dia.



Publicado por Tovi às 09:29
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 3 de Outubro de 2017
Greve geral na Catalunha

 9eecb49608fd9343ad8262874707ddf8.jpg

No passado domingo tivemos o primeiro indício que a independência da Catalunha irá ser mais tarde ou mais cedo uma realidade, apesar de não se avistar ainda quando e como acontecerá este cortar de amarras ao reino de Espanha. Mas a violência que os agentes da Guarda Civil e da Polícia Nacional Espanhola exerceram sobre o povo da Catalunha que pretendia exercer o direito a votar no referendo sobre a independência deste território, colocaram o Governo de Mariano Rajoy numa situação insustentável e repudiada por todo o Mundo civilizado, incluindo a Comissão Europeia. A greve-geral de hoje é mais uma posição de força que Madrid não pode ignorar.



Publicado por Tovi às 13:44
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 7 de Maio de 2017
Macron é o novo Presidente da França

Macron aa.jpg

Com uns mais que confortáveis 65,1% (estimativa de resultados às 20 horas francesas) Emmanuel Macron vence Marine Le Pen e chega ao Palácio do Eliseu. Foi mais uma vitória do “não” à deriva populista da extrema-direita do que uma afirmação política do candidato das elites, do sistema e do establishment, um antigo ministro da Economia dos socialistas Manuel Valls e François Hollande. Mas o voto útil é assim e com isto temos que viver nesta Europa a precisar urgentemente de novas vidas e aragens.

 


Macron ab.jpg




Quarta-feira, 29 de Março de 2017
Reino Unido accionou o art.º 50 do Tratado de Lisboa

brexit.jpg
(Theresa May assina carta para dar início ao Brexit)

Começou hoje oficialmente aquilo que há uns anos nos parecia impossível: O Reino Unido, um dos países que integraram o primeiro alargamento da UE em 1973 (juntamente com a Dinamarca e Irlanda) iniciou hoje os procedimentos formais para a sua retirada da União Europeia. Desta forma e segundo o previsto no artigo 50.º do Tratado de Lisboa, o “divórcio” entre o Reino Unido e a UE será a 29 de Março de 2019. Não tenho a certeza ainda se será bom ou mau para os súbditos de Sua Majestade, nem quais as implicações na Europa do “Brexit”, mas seguramente nada continuará a ser como dantes.



Publicado por Tovi às 16:06
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 22 de Março de 2017
Andam a gastar dinheiro em vinho e mulheres

Autorretrato-con-Saskia-de-Rembrandt.jpg

O coiso holandês (como é que se chama o ainda líder do Eurogrupo?...), numa das suas visitas a Angela Merkel na Alemanha, foi ao museu de Dresden e como é burro que nem um calhau, pensou que este óleo sobre tela datado de 1635, auto-retrato de Rembrandt e sua mulher Saskia, representava os europeus do sul dos dias de hoje. É mesmo totó.

 

Antonio Costa 22Mar2017.jpg

  Pedro Nuno Costa Sampaio, no Facebook

CARTA ABERTA AO JEROEN DIJLESBOING (ou lá como é...)
Caro Sinhor, sou um cidadom europeu, do Puorto, o tal que foi eleito "Béste Déstineixion 2016", mas in antes tamvém já tinhamos o mesmo galardom em 2012 e 2014... portantanto nada de nobo!
Mas diga lá uma coisa: bocê já cá beio??? Já sei: num pode bir porque estaba a fazer o Mestrado ... aquele que disseram que bai-se a ber e afinal num tinha!
Mas benha, carago! Bocês in antes de dizer essas tangas debeis bir cá e fazer tipo uma rota das tascas e da noite! Era a mêma coisa que dizer "ai e tal os países do centro da europa que até alguns diz que bibe abaixo do níbel do mar, num pode gastar o guito em tulipas, batatas fritas e festibais da canção e depois aumentar os juros dos empréstimos dos países que têm a melhor pomada e as gaijas mais boas (digo-lhe, meu amigo, que bocê armou um giga do carago em Ermesinde...)! Quer dezer, aqui no sul todo... (mas cuidado... se bocê bier ó Puorto num diga que somos do sul... senão leba um enxerto que até lhe introduzem um doutoramento na mona em 3 tempos...)
Bocê sabe o que é o presunto da "Badalhoca"? ... atençom: num tamos a falar de ninguém do centro da europa! É o nome duma tasca! Bocê já bebeu um tinto do Douro, num bou falar do Barca Belha pra num fazer puvlicidade... ou até uma Super Bock? Bocê sabe o são Tripas á moda do Puorto?? Num seja murcom, carago! Benha cá!!! Bocê já biu o nosso mulherio todo produzido na noite??? Já as biu ó sol na Foz??? Aton cale-se, carago!
Cum a milhor comida do mundo e as mulheres mais jeitosas, querem que o pobo gaste em quê??? Produtos tóxicos dos Bancos que faliram e que bocês num fizeram a ponta dum corno pra ebitar? Certicados de aforro que num bale um carago?
Deixe-se de tangas!!! Benha cá que depois de ir ber a náite bocê apanha uma cardina e isso passa-lhe!!! Eu até acho cajente gasta pouco nisso! Já agora: o que é para si gastar o guito em mulheres??? Bocê conhece o Bloco de Isquerda num conhece? Para já: eles bão-se passar! Aton e a malta que é abstémica e num gosta de mulheres??? Esses som poupados por natureza? É desses que bocês gostam? A díbida de Portugal num conta coeles??? Antes de avrir essa boca, carago, veja com quem fala!!! Nós num somos os ingleses que se põem a bulir mal cheira a granel!!! Ponha-se fino, murcom do carago!!!!

(texto escrito com o acordo ortográfico do Porto)



Publicado por Tovi às 20:48
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 31 de Dezembro de 2016
As Guerras de 2016

Este ano que agora acaba foi fértil em conflitos armados, sendo os do Médio Oriente e da Ásia aqueles que directamente ou indirectamente mais afectaram a “nossa” Europa.

Ora vejamos:

Maa aa.jpg

SÍRIA - As forças governamentais sírias desde o início deste ano de 2016 que avançaram de forma determinada contra os “rebeldes” acantonados em Aleppo e Palmira, a pérola do deserto sírio, região tomada desde 2014 pelo Daesh e Frente al-Nusra. O exército sírio anunciou em Maio a libertação oficial de Palmira, mas as forças do Daesh conseguiram mais uma vez entrar na cidade e ocuparam alguns bairros e a parte histórica da cidade. Ainda hoje se combate na zona. Ontem, 29 de Dezembro, o governo de Bashar al-Assad e a oposição síria concluíram um acordo de cessar-fogo mostrando-se dispostos a iniciar negociações de paz. A situação em Aleppo, capturada pelos rebeldes em 2012, agravou-se no fim no ano em curso. Entretanto, graças a uma ofensiva intensa das tropas governamentais sírias e ao apoio da Força Aérea russa, depois de três meses de combates violentos a cidade foi libertada. Segundo os últimos dados, da cidade já foram evacuadas mais de 37 mil pessoas.

IRAQUE - O Iraque iniciou o ano de 2016 dominado pelo terrorismo. Execuções públicas de civis pelo Daesh e ataques suicidas nas ruas de cidades iraquianas era uma coisa habitual. Mais de 90 mil quilómetros quadrados do território iraquiano estava sob o controle do Daesh. Em Fevereiro, o primeiro-ministro do Iraque, Haider Al-Abadi, declarou que o exército iraquiano iria fazer os possíveis para que 2016 fosse o último ano do Daesh no país. É evidente que a luta contra o terrorismo no Iraque ainda está longe do fim, mas as tropas governamentais e milícias curdas conseguiram avanços significativos durante o ano. No fim de Junho foi libertada a cidade de Fallujah, que fica a 53 km a oeste de Bagdad e que era controlada pelo Daesh desde 2014. A principal operação realizada no Iraque neste ano é a libertação da cidade de Mossul, tomada pelo Daesh em 2014. A ofensiva foi iniciada em 16 de Outubro. O maior obstáculo à libertação da cidade é o facto de que o Daesh usa os residentes de Mossul como escudo humano. Já passaram mais de dois meses desde o início da operação e as forças iraquianas já controlam a maior parte da cidade. Em recentes declarações o ministro das Relações Exteriores iraquiano, Ibrahim Al-Jaafari, disse que o Iraque não tem pressa de libertar Mossul porque o seu objectivo não é somente expulsar os terroristas da cidade, mas salvar as vidas dos civis, que podem sofrer durante a intensa ofensiva. O primeiro-ministro iraquiano prometeu que o Iraque derrotará o Daesh nos próximos três meses.

IÉMEN - O Iémen já há dois anos que está dominado pelo conflito entre rebeldes-houthis do movimento xiita Ansar Allah e parte do exército leal ao ex-presidente iemenita Ali Abdullah Saleh, de um lado, e as forças governamentais e milícia leal ao presidente iemenita Abd Rabbuh Mansur Al-Hadi, de outro. O governo recebe apoio aéreo da coligação liderada pela Arábia Saudita. Em resposta a isto, os houthis têm intensificado os combates nas várias regiões do reino. O ano de 2016 começou para o Iémen com o fim do cessar-fogo. Em Fevereiro, a ONU disse que no país existe uma situação de catástrofe humanitária, que se agravou pelo facto de as partes beligerantes criarem obstáculos ao fornecimento de ajuda humanitária para a população civil do país. Ao mesmo tempo, foram prolongadas as sanções internacionais contra os líderes de partes que se enfrentam no país, inclusive o embargo de armas. Em Março soube-se do início das negociações secretas entre houthis e representantes sauditas. Um novo cessar-fogo foi acordado a 11 de Abril. Entretanto, as tréguas no Iémen não duram muito porque as partes as violam constantemente e recomeçaram as hostilidades. A ONU declarou repetidamente que as forças da coligação liderada pela Arábia Saudita são responsáveis pela maioria dos casos de morte de civis em resultado de ataques aéreos. Em Junho, as partes beligerantes realizaram a maior troca de prisioneiros. Em Outubro, um ataque aéreo contra um edifício em Sanaa, onde se realizava uma cerimónia fúnebre, teve grande ressonância internacional. Em resultado do ataque foram mortas mais de 200 pessoas, cerca de 500 ficaram feridas. Mais uma tentativa de cessar-fogo foi anunciada em Novembro, mas fracassou três dias depois. No fim deste mês de Dezembro, as autoridades iemenitas concordaram com o plano de paz proposto pela ONU. Segundo este plano, os houthis devem abandonar as posições tomadas e deixar as armas, após o que o processo político pode iniciar-se.

AFEGANISTÃO - O ano de 2016, como sempre, foi marcado no Afeganistão por uma série de atentados organizados pelo grupo radical Talibã. O grupo terrorista Daesh espalhou-se para os países da Ásia Central, embora a sua influência não tivesse atingido um nível que criasse uma ameaça real. As forças de segurança do Afeganistão começaram uma luta independente contra os talibãs e militantes do Daesh. Os confrontos continuaram por todo o ano. Entretanto, as autoridades afegãs fizeram tentativas de regularizar o conflito por meio de negociações. Em Abril tornou-se público que se iniciaram negociações entre talibãs e autoridades afegãs, mas que ainda não levaram a quaisquer resultados. Ao mesmo tempo, foi morto o líder do Talibã Akhtar Mansour, o seu lugar passou a ser ocupado por Mullah Haibatullah Akhunzada. Em Julho, um grande atentado sacudiu a capital afegã, atingindo uma manifestação pacífica contra um projecto de linhas eléctricas, tendo morrido mais de 80 pessoas. O Daesh assumiu a responsabilidade. O grupo terrorista também conseguiu lançar uma grande ofensiva contra a parte central do Afeganistão em Outubro. A situação até hoje permanece tensa.



Publicado por Tovi às 09:23
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 26 de Agosto de 2016
Cautela e caldos de galinha...

tanques-do-exercito-da-turquia-na-fronteira-com-a-

Nos últimos dias “fontes geralmente bem informadas” dão conta de alguma actividade indicadora de um clima de pré-guerra na Europa. Podem ser só ameaças, mas carros de combate turcos entraram em território sírio e o governo alemão aconselhou os seus cidadãos a armazenarem comida e água. Damasco já condenou a operação militar turca, por a considerar uma “flagrante violação da soberania”, restando saber que atitude irá tomar Putin, um velho aliado de Bashar al-Assad. Por outro lado Washington incitou os curdos a atacarem o exército sírio. Neste verão as relações entre a Turquia e a União Europeia foi sempre tensa e aumentou ainda mais após a falhada tentativa de golpe que o presidente Erdogan considerou ter sido promovida pelo clérigo de 75 anos, Fethullah Gulen, que vive em exílio auto-imposto nos EUA. Já em Junho a Turquia retirou o seu embaixador da Alemanha após o Bundestag (parlamento alemão) aprovar uma resolução que reconhece o genocídio arménio. As autoridades turcas também proibiram uma delegação parlamentar alemã de visitar a base aérea da NATO em Incirlik. Em represália o Governo de Angela Merkel pretende mudar o seu contingente militar desta base para outras na Jordânia e Chipre, mas esta reafectação das aeronaves Tornado a outros locais iria interromper os voos de reconhecimento sobre a Síria e o Iraque pelo menos durante dois meses. Não há dúvida que as coisas estão a aquecer… mas pode ser que não seja nada, apesar de cautela e caldos de galinha nunca terem feito mal a ninguém, como diz o Povo.

 

  Comunicado do Ministro da Defesa Russo

Exército 25Ago2016.jpg"Hoje [Quinta-feira, 25 de Agosto], de acordo com a ordem do comandante supremo das Forças Armadas, foi iniciado um novo controle repentino. As Forças do Distrito do Sul, uma parte das Forças dos Distritos Oeste e Central, a Frota do Norte, o Comando Geral da Força Aeroespacial e o Comando das forças aerotransportadas foram postos em estado de alerta máximo a partir das 07:00 horas, horário de Moscovo", declarou o ministro da Defesa russo, general do Exército Sergei Shoigu.



Publicado por Tovi às 08:16
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 27 de Julho de 2016
Em França há medo... de tudo

França 26Jul2016 ac.jpg
“Estamos em guerra”… diz-se sempre que uns radicais islâmicos provocam ataques bárbaros aos cidadãos europeus. Guerra não será mas que o medo e o terror estão a ficar instalados na nossa sociedade parece não haver dúvida e ainda está para se saber qual o desfecho desta escalada de violência. Já se notam uns indisfarçáveis sorrisos de uns saudosistas de sociedades ditatoriais e fascizantes, dizendo à boca baixa que o que é preciso é mão dura e acabar-lhes com a raça. Nunca será a solução, certamente, mas com “paninhos quentes” também não vamos lá e já está na hora de resolvermos “cá dentro” da Europa o mal a que isto chegou. Como?... Não sei bem, mas assim é que não pode ser.

 

  Comentários no Facebook

«José Camilo» >> O meu amigo, com certeza, já reparou no custo de um "drone" e no que tal peça poderá transportar. Pois não há qualquer legislação sobre a sua utilização. Ou seja pode-se, livremente, ocupar espaço aéreo sem qualquer restrição. Também me preocupa, quase tanto, como as cabeças feitas por teologias escritas não se sabe por quem. Ou gozando um pouco sobre o assunto, a reunião entre o arcanjo gabriel e o maomé veio a resultar no fabrico do inferno.

«Fernando Duarte» >> Existem em França mais de 2 milhões de muçulmanos, que jà viveram metade da vida deles como cães e que veem hoje, que a outra metade ainda vai ser pior, que argumentos pode ter o governo francês, para convencer essa gente que não se deve suicidar, matando um máximo de eleitores que eles consideram responsáveis pela fracasso da vida deles? a França está a pagar agora a política dos governos Giscard D'Estaing nos anos 70, mandaram vir estrangeiros que trataram como seres humanos de segunda, quando os estrangeiros se quiseram ir embora em 74 e que os franceses viram que lhes ia faltar essa mão de obra, barata e afazer trabalhos que eles não queriam fazer, disseram-lhes para ficarem e mandarem vir as famílias. A arrogância dos franceses, o complexo de superioridade, fez com eles não deixassem os filhos do imigrantes se integrarem na sociedade, queriam-nos aqui mas como seres inferiores para não dizer escravos. Num país onde o desemprego nunca mais parou de crescer desde 1974, mandar vir mulheres e filhos de imigrantes era considerar-los a serem desempregados profissionais. Existem aqui indivíduos com 40 anos ou mais velhos ainda, de origem estrangeira, que nunca trabalharam na vida deles, porque mesmo o trabalho rasca, aquele que os franceses não querem fazer, não chega para todos.

«José Paulo Matos» >> Nunca jamais em tempo algum ceder ao medo e à desconfiança. Tem que imperar a racionalidade de juízos. Difícil? Sem dúvida, mas temos que ultrapassar esta insanidade.

«Rui Moreira» >> Fernando Duarte porque será que os portugueses que foram para França nos anos sessenta e foram tratados como cães nunca desataram a matar gente?

«Fernando Duarte» >> conheço muitos a quem a vontade não lhes faltava, mas claro que isso , para nós é crime e também não temos o espírito suicidàrio, eles têm. e também porque não têm mentalidade de matar o próximo, talvez porque também foram educados de maneira cristã, mesmo se não são praticantes. depois porque a entrada de Portugal na CEE muitas portas que estavam fechadas, se abriram. o que eu queria dizer é que, dizem hoje, que eles não se integraram, mas tudo foi feito para que eles não se integrassem, na França de 70 até havia zonas onde não podíamos nem viver nem trabalhar, e sem a nacionalidade francesa ou um sócio-gerente francês, era proibido trabalhar por conta própria. hoje a França paga as favas da descriminação dos anos 60, se esses estrangeiros, que a França chamou, tivessem tido a possibilidade de se integrarem, hoje haveria muito menos problemas. mas é bom que os portugueses se interessem por coisas destas, porque não tarda vão ter os mesmo problemas com os filhos dos imigrantes das nossas antigas colónias, e aqueles que um dia forem esfaqueados algures em Portugal, a menos que se saibam defender como o Mustafa do Kebab poderão sempre dizer enquanto vão morrendo: " -isto é mentira, em Portugal nunca vai acontecer, os pretos vivem integrados na população portuguesa, o preto não me quis matar por eu ser branco nem sequer queria degolar a minha mulher e os meus filhos, foi a faca que escorregou, em Portugal isso não acontece ! " enterrem bem a cabeça na areia, mas não se esqueçam que o cu fica sempre de fora

«Manuela Tavares» >> porque nao somos assim...... alias faço minhas as palavras do Torga: É escusado: não há, de facto, progresso moral. Eu arda, se este meu amigo, sob o ponto de vista do respeito que se deve ao semelhante como homem, não está exactamente ao nível do mais reles e sinistro habitante das cavernas! Diário (1941)

«José Camilo» >> O meu pai, escolheu Paris no início dos anos 60 para recuperar a sua vida. Como tinha por hábito, vestir camisa lavada e barba feita diariamente no seu primeiro empregado na construção civil um grupo de emigrantes fizeram-lhe uma "espera" e tentaram atira-lo de um quinto andar, porque pensavam que era da PIDE. Não foi tratado como um cão, mas os emigrantes portugueses que lá viviam sentiam-se sempre ameaçados inclusive por eles próprios. Não foi fácil o final da segunda guerra. Não falo pelo que li, falo pelo que vi.

«Rui Moreira» >> Pois eu fechava todas as madrassas

«Fernando Duarte» >> há dois anos e no ano passado também, alguns destes árabes com nacionalidade francesa, estiveram em Portugal, no Algarve, a fazer um teste de como reagiam as autoridades portuguesas, e decidiram de agredir GNR's apenas por aposta, não lhes aconteceu nada e dos GNR's que eles enviaram para o hospital nenhum disparou, também nenhum árabe ficou preso em Portugal ....... podem voltar !

«Diogo Quental» >> Continuam a misturar religião com terroristas. Fico admirado com a posição de pessoas tão cultas. Penso que não convivem com muçulmanos. Eu convivo diariamente e, lamento dizê-lo, os comentários discriminatórios são simplesmente reveladores de desconhecimento dos outros. A radicalização que cresce é a única vitória que interessa aos terroristas, que não pensam dizimar a população com os seus actos. Procuremos separar o trigo do joio e falar apenas do que sabemos. As madrassas que apoiarem terroristas devem, naturalmente, ser fechadas e tomadas as acções necessárias subsequentes. Quanto aos que nada têm a ver com o assunto, que sejam respeitados como nós queremos também que nos respeitem. Já basta o que basta. Quem não sabe do que fale, pf que se cale.

«Joao Magalhaes Couto» >> Caminhamos naturalmente para sociedades securitárias... vamos ter também várias Israel na Europa... a multiculturalidade francesa em que são os locais que cedem os seus valores aos emigrantes falhou rotundamente... agora resta expulsar os 10 mil que estão na lista S, deportar a familia dos criminosos, fechar e destruir mesquitas que incitam ao odio...

«Fernando Duarte» >> árdua tarefa, como disse o General quando alguém lhe sugeriu de matar todos os parvos !

«Joao Magalhaes Couto» >> Sugiro que vá viver para a França "multicultural e politicamente correcta...."



Publicado por Tovi às 08:00
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 2 de Junho de 2016
Brexit… Como irá ser?

Reino Unido Brexit  aa.jpg

No Reino Unido as últimas sondagens dão a preferência à saída da União Europeia no próximo referendo sobre a continuidade na UE, sendo no entanto ainda muito importante o número de indecisos que poderão fazer alterar o resultado desta consulta no próximo dia 23 de Junho.

Aos “europeístas” já não deve caber um feijão no cu

 

  Comentários no Facebook

«Albertino Amaral» >> Adorei essa do feijão, David Ribeiro........

«Francisco Coutinho» >> Ja há muito tempo.... escrevi que estavamos a assistir ao Princípio do FIM da União Europeia, que diga-se em abono da Verdade, que de União, Não tem NADA, tantos os regimes diferentes, os impostos diferentes, os salários Diferentes, as regalias, diferentes, as "imposições ...diferentes, as regras que uns violam e outros têm de cumprir (Pesca ,Leite, suinos e outros p.ex.), Países que tem o Euro... e os Diferentes, paises que Têm de Ajudar... e os que Não querem ajudar ninguém (Brexit) desde que continuem a beneficiar da parte "boa"... Diferentes. Nada vejo de IGUAL, COMUM, UNIÃO, ou IGUALDADE, muitos menos DEMOCRATA. Esta é uma FARSA que vamos deglutinar nos tempos próximos. EU... Não vejo NADA do que nos prometeram e previram para Portugal HÁ 30 e tal anos... quando pintavam o quadro do que iria ser BOM entrar para a CEE ! LEMBRAM-SE ?? ONDE ESTÁ o FILME PROMETIDO??

«Raul Vaz Osorio» >> Vamos por partes: até à consolidação da reunificação alemã, a CEE/UE foi uma coisa. A partir daí foi outra. Não confundamos e aquilo a que nós aderimos era bom, unido, solidário, visionário. Aquilo em que se tornou, principalmente após o grande alargamento do início do século, é outra coisa e claramente merecedora as críticas feitas pelo Francisco. Quanto ao Brexit, a acontecer (o que eu sinceramente duvido mas que admito como possível) terá consequências diferentes conforme duas vertentes essenciais: 1) a atitude dos parceiros da Inglaterra no Reino Unido (talvez tão unido como a UE), pois estes a acreditar nas sondagens (e no que é lícito ver como o seu interesse próprio) não têm qualquer vontade de saír. E poderão escolher ficar no UK ou na UE, a ver vamos. 2) A evolução da UE. Se esta se mantiver claramente para lá do Brexit, este será muito negativo para a Inglaterra no campo económico/financeiro. Se o Brexit catalizar, como é inteiramente possível, uma desagregação acelerada da UE, então o impacto poderá ser menor para a Inglaterra, mas certamente significativo para outros parceiros europeus.

«Joaquim Pinto da Silva» > De uma coisa estou certo: o RU sai da UE e, de seguida, na Escócia, ganham os independentistas, que são europeístas.

«Antonio Pinto Caldeira» >> Parece que muita gente ainda não percebeu que há quem queira sair desta UE porque não aceita ficar refém desta elite de burocratas nem se revê naquilo em que se transformou o projecto inicial. Todos são por uma UE com directrizes diametralmente opostas àquelas que imperam. Todos queremos uma UE dos povos em vez duma UE corporativa da finança e dos grandes grupos económicos. Atendendo ao evoluir da situação não nos resta outra alternativa que não seja destruir esta UE para construir uma outra a salvo destes desvios.

«Francisco Cunha Coutinho» >> Já várias vezes disse... que o Brexit era o principio do FIM da união Europeia! (mas será que alguma vez houve UNIÃO?) Começamos finalmente a perceber que a CEE é cada vez mais uma "Joint-Venture" onde há Xulos... e Xulados. Nunca uma União.



Publicado por Tovi às 08:29
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 1 de Junho de 2016
Há quem não se venda por um prato de lentilhas

JN 1Jun2016 ab.jpg

Os autarcas de Porto, Gaia, Gondomar e Matosinhos recusaram assinar  o contrato sobre os fundos europeus porque, a 24 horas da cerimónia, foram surpreendidos por um novo mapa enviado pela Comissão de Coordenação de Desenvolvimento do Norte (CCDR-N), onde se reduz as verbas que acertaram com os governantes para o pacote suplementar de 20 milhões de euros, agora alargado a outros municípios.

 

  Comentários no Facebook

«Albertino Amaral» >> Nem por um prato de Tripas à Moda do Porto, ou uma Francesinha, quanto mais lentilhas...



Publicado por Tovi às 14:36
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 31 de Maio de 2016
Nova Lei do Trabalho em França

França Mai2016 aa.jpg

Nós cá por este rectângulo à beira mar plantado temos problemas sociais, políticos e culturais que cheguem para nos ocuparem as discussões do dia-a-dia, mas não nos podemos esquecer do que vai por essa Europa fora, nomeadamente do que se está a passar em França com as alterações da Lei do Trabalho. Confrontado com as sondagens que mostram uma oposição de mais de 60% dos franceses contra estas alterações, o Governo de François Hollande continua a refugiar-se na desculpa esfarrapada das pessoas estarem a ser manipuladas por movimentos populistas. Vários agentes económicos já sugeriram a utilização de ferramentas como a requisição civil ou mesmo a utilização da força policial e o recurso à justiça para travar os bloqueios das refinarias, que já duram há vários dias, mas os confrontos entre sindicalistas e forças policiais continuam e não se vê uma solução para breve. Hollande não arriscou sujeitar esta reforma da Lei do Trabalho a votação no Parlamento, com medo que os seus próprios deputados a condenassem à morte, sendo esta atitude suficientemente esclarecedora de como vai o socialismo no País da «Liberté, Egalité, Fraternité».

 

  Comentários no Facebook

«Gonçalo Graça Moura» >> Socialistas a comprovarem que o socialismo não funciona... [Emoji devil]

«Fernando Duarte» >> a revolução aproxima-se a grandes passos



Publicado por Tovi às 18:14
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Maio 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

13

21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Posts recentes

Da crise alemã à crise eu...

O Expresso nasceu há 45 a...

A República Catalã venceu...

A EMA foi para… Amesterdã...

Nada será como dantes

Greve geral na Catalunha

Macron é o novo President...

Reino Unido accionou o ar...

Andam a gastar dinheiro e...

As Guerras de 2016

Cautela e caldos de galin...

Em França há medo... de t...

Brexit… Como irá ser?

Há quem não se venda por ...

Nova Lei do Trabalho em F...

Tudo vai mal no combate a...

Nada mais assustador que ...

Ataques terroristas em Br...

Acordo entre Reino Unido ...

A cidade apocalíptica de ...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus