"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Quinta-feira, 23 de Janeiro de 2020
Será que...?

82969961_10206561850640310_8114634617463504896_n.j

  Tudo sobre "Luanda Leaks", no Expresso

 


No início de 1986, estava eu a trabalhar em Luanda como responsável pela logística de importação de produtos alimentares para um supermercado privativo de funcionários estrangeiros da Fina Petróleos, quando uma arreliadora avaria inutilizou todos os artigos que se encontravam num contentor frigorífico, incluindo umas centenas largas de dúzias de ovos. Como o próximo contentor de produtos lácteos e ovos só chegaria a Luanda dentro de três meses havia que resolver o problema recorrendo à importação por avião (usando o voo semanal de carga da TAAG que fazia Ostende - Luanda) mas os custos eram elevadíssimos e o espaço de que dispúnhamos neste avião era limitado. Foi então que uma das frequentadoras da Loja Fina, Tatiana Kukanova, mãe de Isabel dos Santos na altura uma adolescente de 12 anos, me disse que sua filha criava galinhas poedeiras e que me poderia vender ovos. Educadamente disse-lhe que as minhas necessidades de ovos eram no mínimo de 50 dúzias/semana e que dificilmente a Isabelinha teria capacidade para tal. Que não, que sua filha tinha uma enorme produção e que estavam à vontade para as quantidades que eu desejava, disse a Tatiana. E assim ficou combinado: Uma sua empregada viria semanalmente entregar-me 50 dúzias de ovos (quantidade que poderia ser alterada em qualquer altura) e o pagamento far-se-ia por créditos em compras. E assim funcionou até ao meu último dia de trabalho em Luanda, finais de outubro de 1986.



Publicado por Tovi às 10:38
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 25 de Agosto de 2018
Angola… ainda há miséria

40143650_10213033570501817_244060846580301824_n.jp

Trabalhei em Luanda para o Ministério dos Petróleos nos anos de 1985 e 86, ainda o MPLA lutava contra a UNITA, e nunca me pareceu que a culpa da miséria fosse do Povo. Seria da nomenclatura do poder instalado, mas muito mais dos europeus a quem toda a situação era financeiramente favorável.

 

  Comentários no Facebook

«João Greno Brògueira» - Principalmente da ELF que estava muito bem instalada nessa altura lá. Eu estive em Luanda durante a FIL no hotel turismo antes da sarrabulhada entre o MPLA e a UNITA.. David Ribeiro ainda visitei o Mercado Roque Santeiro acompanhado dum sujeito do MPLA. ;) Diz lá se não ia uma lagosta da foz do kuanza grelhada acompanhada dumas cucas. ;)

«David Ribeiro» - Cucas já não havia no meu tempo, bebíamos Stella Artois. Lagostas na Barra do Kuanza eram fabulosas, arranjadas ali mesmo na praia, junto do farol. O mercado Roque Santeiro visitava-o todos os sábados. No meu tempo a Elf ainda lá estava mas quem dominava o petróleo era a Fina belga.

«Mario Ferreira Dos Reis» - Só mudaram as marcas as lagostas são as melhores



Publicado por Tovi às 13:56
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Junho 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


Posts recentes

Será que...?

Angola… ainda há miséria

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus