"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Segunda-feira, 8 de Julho de 2024
Reino Unido à esquerda... e esquerdas em França

franca-e-reino-unido-fixam-bandeiras-na-ilustracao

Nestes últimos dias duas importantes eleições determinaram: No Reino Unido os Trabalhistas obtiveram uma vitória esmagadora e Keir Starmer já é primeiro-ministro; Na França (projeções atualizadas às 21h00 de ontem) tudo leva a crer que  "Nouveau Front Populaire (NFP)" será vencedora (182 a 193 lugares), mas sem maioria absoluta, "Ensemble", o partido do presidente Macron, com 157 a 163 lugares e "Rassemblement National (RN)", de Bardella e Marine Le Pen, com 136 a 144 lugares. Sem dúvida, Macron vai ter um sério problema para resolver.

  
Paulo NevesDavid Ribeiro e davam o partido do Macron como morto... Na segunda volta é que tudo se decide. Sempre foi assim, mas os analistas da política francesa percebem tanto do sistema como eu de agricultura.
David RibeiroPaulo Neves, o partido de Macron não está morto, mas levou uma grande "facada".
Paulo Neves
David Ribeiro vai ficar à frente da Frente Nacional quando se dizia que ia ser derrotado em toda a linha. O que quer dizer, para mim, que Macron perdeu sim, mas não foi assim uma derrota tão estrondosa como se pensava ou se dizia
David Ribeiro
Paulo Neves, o sistema político francês dá um poder enorme ao Presidente da República, podendo até governar por decretos, esvaziando um pouco a Assembleia Nacional, como tem vindo a acontecer nos últimos tempos. Há que esperar pelas próximas semanas.
Paulo Neves
David Ribeiro e ver o que extrema esquerda vai apresentar como solução governativa. Se um lado é mau, este também não nada bom. Não podemos ter dois pesos e duas medidas para com os extremos. Aliás, detesto-os, seja em que situação for, porque normalmente são irracionais.
David Ribeiro - O Paulo Neves considera que os partidos que formaram a "Nouveau Front Populaire (NFP)" são todos da extrema esquerda?... O "Parti Socialiste Français" está lá e seguramente não é extrema esquerda.
Paulo Neves
David Ribeiro a ver vamos o que vai dar a geringonça à esquerda

  Resultados finais provisórios
Captura de ecrã 2024-07-08 094746.png 
 Capas dos jornais de hoje
Captura de ecrã 2024-07-08 100739.png



Publicado por Tovi às 00:40
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 5 de Julho de 2024
Portugal 0 (3) - 0 (5) França

1.jpg

Neste jogo dos quartos-de-final do EURO2024 no desempate por penáltis a França levou a melhor e segue para a meia-final contra a Espanha. 

  
Jorge VeigaRaul Vaz Osorio coitadito....Até acertou no poste. Isso não dá 3 pontos?
Raul Vaz OsorioJorge Veiga não, o puto não joga nada
Jorge VeigaRaul Vaz Osorio Até já emigrou...Dizem que joga muito!!! hehe
Raul Vaz OsorioJorge Veiga podem dizer mas ver-se, não se vê nada

  Momentos do jogo 
Captura de ecrã 2024-07-06 090948.png

  O objetivo do jogo FUTEBOL é deslocar uma bola através do campo para colocá-la dentro da baliza adversária, ação que se denomina GOLO. A equipa que marca mais golos ao término da partida é a vencedora. Mai nada!

  É preciso ter t#m@t#s para mostrar um Cartão Amarelo ao árbitro.
450069476_1002586845209302_9015158598328510449_n.j



Publicado por Tovi às 22:53
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 30 de Junho de 2024
Eleições parlamentares francesas

2024-06-25T115252Z_1_LOP261021062024RP1_RTRMADP_BA

Os franceses votam hoje na primeira ronda (a segunda será a 7jul) para eleger 577 membros da Assembleia Nacional do país. A decisão do presidente Emmanuel Macron de convocar eleições parlamentares antecipadas em resposta à sua derrota esmagadora nas eleições da União Europeia é uma aposta arriscada que poucos poderiam ter previsto e que já são consideradas como um referendo à extrema direita.

 

  As mais recentes sondagens, publicadas na sexta-feira, último dia de campanha eleitoral, davam conta de uma subida da extrema-direita, que poderá obter 37% dos votos, juntamente com os seus aliados conservadores. Em segundo lugar, a nova Frente Popular, que reúne os partidos de esquerda, obteria 28% dos votos. Já a maioria cessante do Presidente francês acentuaria a sua queda, situando-se nos 20%.

  16h00 de 30jun2024 A afluência às urnas na primeira volta das legislativas em França já ultrapassou a do último sufrágio, em 2022. Votaram 59,39% dos eleitores franceses até às 17h (16h em Lisboa) deste domingo, segundo os dados divulgados pelo Ministério do Interior francês.

  19h00 de 30jun2024 - As primeiras projeções dão vitória ao partido de extrema-direita, Reagrupamento Nacional (RN) de Jordan Bardella, com 34% dos votos, na primeira volta das eleições legislativas em França. A Nova Frente Popular (NFP), uma coligação de esquerda, surge na segunda posição com 28,1% da votação, enquanto o partido de Emmanuel Macron recolhe 20,3% dos votos, ficando em terceiro lugar, segundo a estimativa da Ipsos.

  06h00 de 1jul2024
Captura de ecrã 2024-07-01 065451.png

  Correio da Manhã de 1jul2024
Captura de ecrã 2024-07-01 074438.png 

  É assim que estamos em França
Captura de ecrã 2024-07-01 085945.png



Publicado por Tovi às 08:57
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 1 de Junho de 2024
França envia instrutores militares para a Ucrânia

Captura de ecrã 2024-05-31 085533.png 
Ao ler esta notícia - iniciativa de França de enviar instrutores para a Ucrânia para treinar os militares ucranianos - lembrei-me que no começo da década de 1950, conselheiros militares americanos foram enviados para a então Indochina Francesa, iniciando-se assim o envolvimento dos Estados Unidos num conflito - Guerra do Vietname -, que só terminaria com a queda de Saigon em 30 de abril de 1975, da forma e com as consequências que todos sabemos: cerca de 5 milhões de mortos.

 

  Al Jazeera 26mar2024
AFP__20240216__34JK9WR__v1__HighRes__FranceUkraineLogo após a invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia, em Fevereiro de 2022, o presidente francês Emmanuel Macron procurou ajudar a resolver o conflito diplomaticamente. Durante o primeiro verão da guerra, Macron disse que era importante que Moscovo não fosse humilhada e que fosse estabelecida uma ordem de segurança europeia que incluísse a Rússia. Mas desde o ano passado, Macron tem vindo a mudar drasticamente para o que tem sido descrito como uma política externa agressiva. Numa conferência em Paris no mês passado, o presidente francês disse que o envio de tropas ocidentais para combater a Rússia no terreno na Ucrânia não deveria ser descartado, uma sugestão que irritou o presidente russo, Vladimir Putin, e foi rejeitada pelos principais apoiantes da Ucrânia. (...) Embora a ideia de Macron de enviar forças militares ocidentais para a Ucrânia tenha sido largamente rejeitada pela maioria dos aliados da França na NATO, os países bálticos – Estónia, Letónia e Lituânia – regozijaram-se, bem como alguns outros mais próximos geograficamente da Rússia.

  Ministra Kajsa Ollongren na rede social "X" - 30mai2024
Captura de ecrã 2024-05-31 104431.png"Durante os primeiros meses de 2024, as Forças Armadas dos Países Baixos treinaram 300 fuzileiros navais ucranianos", escreveu a ministra Kajsa Ollongren na rede social "X". Ollongren também informou que visitou recentemente os cursos de treino em operações anfíbias e em áreas urbanas. De acordo com o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, os EUA e a NATO estão diretamente envolvidos no conflito na Ucrânia, não apenas fornecendo armas, mas também treinando pessoal em território do Reino Unido, Alemanha, Itália e outros países.

  A Rússia já subiu o seu tom de ameaça
1024.jpgO envio de instrutores militares ocidentais para a Ucrânia e o uso de armas ocidentais em território russo, vão seguramente mudar a guerra. A Rússia está a fazer subir o seu tom de ameaça e se essa ameaça se transformar em atos, o Ocidente tem de se preparar para algo verdadeiramente desproporcional e poderemos chegar a uma escalada nuclear.
  
Antero FilgueirasDeve rever os seus conhecimentos de História, pois um acontecimento nada tem a ver com o outro. Caso ainda não tenha percebido a Ucrânia, a Europa e a NATO nunca quiseram esta guerra; esta guerra é invenção do louco do sec. XXI que, porque teme a Democracia e tudo o que cheire a Estado de Direito, criou esta guerra. O culpado disto tudo foi o Truman: o Japão só precisava de uma bomba atómica para perceber que tinha que acabar com a guerra e tomar juízo. Tivemos uma Guerra Fria........sem a qual gente como Putin não consegue viver.
David RibeiroDiga lá, Antero Filgueiras, que parte do que aqui disse necessita que eu reveja os meus conhecimentos de História.
Carlos AlmeidaAntero Filgueiras Os seus “conhecimentos” de História são piores que zero: são totalmente atabalhoados!!! E criminosos, quando defende o uso de bombas atómicas contra civis japoneses, “para ganharem juízo”!!! E não percebe que a comparação aqui feita é absolutamente legítima, com a ingerência de “instrutores militares” em guerras doutros países, seja entre o Vietname do Norte e do Sul, seja entre a Rússia e a Ucrânia. A do Vietname levou a cinco milhões de mortos (a grande maioria civis, sob as bombas de napalm americanas!) e a uma das maiores derrotas americanas!! Política e militar! E a da Ucrânia estamos para ver… Mas tem graça que a ingerência da França no Vietname também a levou a sofrer uma derrota humilhante por aquelas bandas! Mas não aprendem… Esquecendo igualmente a derrota catastrófica quando resolveram invadir a Rússia! Só comparável à derrota monumental dos alemães nazis quando invadiram a mesma Rússia!! Mas depois “os russos” é que são maus!… O pavor do comunismo ficou por cá entranhado nos seguidores encapotados do Estado Novo…. que viam com esperança o nazismo ucraniano florescer… até que aparecem de novo “os russos” a desnazificá-los!!! Que desespero! Nem percebem que os russos há muito deixaram de ser comunistas, e de matar velhos e comer criancinhas (no ocidente é que fazem ambas essas coisas… com a eutanásia e a pedofilia 😩)!

  Entretanto... o fim da guerra continua longe do horizonte 
N240211ce-small.jpg
As forças russas lançaram uma série de mísseis e drones em toda a Ucrânia que danificaram infraestruturas energéticas em cinco regiões, segundo autoridades ucranianas. A operadora nacional de rede da Ucrânia, Ukrenergo, disse hoje [sábado 1jun2024] que os ataques atingiram instalações nas regiões leste de Donetsk, sudeste de Zaporizhia e Dnipropetrovsk, bem como nas regiões de Kirovohrad e Ivano-Frankivsk no centro e oeste do país, respectivamente. A DTEK, a maior empresa privada de geração de energia da Ucrânia, disse que as suas duas centrais térmicas foram atingidas e os equipamentos “seriamente danificados”. A defesa aérea ucraniana derrubou 35 dos 53 mísseis russos e 46 dos 47 drones russos, disse o comandante da Força Aérea. Não houve comentários imediatos por parte da Rússia.
  
Adao Fernando Batista Bastos
Putin criminoso impune.
Castro Ferreira PadrãoJá vi que és uma muito atenta ao caso da Ucrânia, pois esta semana, julgo que foi na quinta feira, assisti à intervenção do sr. Major general Carlos Branco, como sempre esteve bem, mas onde quero chegar. é para ouvires o disse, a proposito de uma afirmação de uma destacada política Ucrânia... o número dos que tombaram na frente da batalha. Fiquei incomodado. CNN, jornal da meia noite com Cláudio Carvalho.
David RibeiroCastro Ferreira Padrão... o Major General Carlos Branco, quer pelas várias missões ao serviço das Nações Unidas (Balcãs, Líbia, Síria, Israel e Iraque), quer nos vários trabalhos publicados sobre geoestratégia, merece toda a minha consideração. E como comentador da guerra da Ucrania não tem nada a ver com "Rogeiro, Milhazes & C.ª Lda".




Segunda-feira, 25 de Março de 2024
Os dias seguintes ao ataque terrorista em Moscovo

img_900x508$2024_03_23_14_27_11_1607605.jpg
Daesh revelou uma fotografia dos alegados autores do ataque

ISIS-K, o grupo do Daesh que reivindicou o ataque de sexta-feira no teatro Crocus City Hall, em Moscovo, tem origens afegãs e foi fundado em 2014. Rapidamente ganhou reputação pelos ataques de extrema violência. Atingiu o número máximo de membros em 2018. Desde então entrou em declínio fruto dos confrontos com os EUA e com talibãs. O grupo tem um largo historial de ataques, sobretudo em mesquitas, nomeadamente no Irão. 

 

  Putin promete vingança por "ato bárbaro"
Putin classificou o ataque como um “ato sangrento e bárbaro” e jurou vingança. “Iremos identificar e punir todos os que estiveram por detrás do ataque terrorista, que prepararam este ataque contra a Rússia e o seu povo”, disse ele num discurso em vídeo. “Ninguém será capaz de semear as sementes venenosas da discórdia e do pânico na nossa sociedade multinacional.”

  Mundo reage ao ataque à sala de concertos de Moscovo
O Conselho de Segurança da ONU condenou “nos termos mais fortes o hediondo e cobarde ataque terrorista” em  Krasnogorsk, subúrbio de Moscovo. “Os membros do Conselho de Segurança sublinharam a necessidade de responsabilizar os perpetradores, organizadores, financiadores e patrocinadores destes atos de terrorismo e levá-los à justiça”, afirmou. NATO, União Europeia, Reino Unido, China, Turquia, Índia, Japão, Afeganistão, Cuba, Venezuela, Israel, Autoridade Palestiniana, Síria, Egito, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, África do Sul e EUA também condenaram o ataque.

  Miguel Castelo Branco no Facebook em 24mar2024
Captura de ecrã 2024-03-24 101748.png

  A sala de espetáculos Crocus faz parte de um enorme complexo comercial, propriedade de um bilionário de origem do Azerbeijão, Aras Agalarov, cujo filho, Emin, é uma estrela de pop famosa na Rússia. O local já recebeu concertos de diversos artistas de renome, como Eric Clapton, Dua Lipa e Sia, e há 11 anos foi palco do concurso de Miss Universo, um evento que era então propriedade de Donald Trump.

  O presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que "o Serviço Federal de Segurança da Rússia e outras agências policiais estão a trabalhar para identificar e revelar toda a base de cúmplices dos terroristas" e salientou que a Rússia conta com a cooperação de todos os países que compartilham a dor da tragédia e estão prontos para se juntar a ela na luta contra o terrorismo.

  O Papa Francisco condenou ontem [domingo 24mar2024], durante a a oração do Angelus, o “vil ataque terrorista” da última sexta-feira em Moscovo, que causou pelo menos 143 mortos, descrevendo-o como “um ato desumano que ofende a Deus”. “Empenho as minhas orações pelas vítimas do vil ataque terrorista perpetrado em Moscovo. Que o Senhor os acolha em paz e conforte as suas famílias”, disse o pontífice, após a missa do Domingo de Ramos, diante dos mais de 25 mil fiéis reunidos na Praça de São Pedro. Francisco também expressou a esperança de que “isso converta os corações daqueles que protegem, que organizam e praticam esses atos desumanos que ofendem a Deus, que ordenou ‘Não matarás’”.

  Há teorias para todos os gostos - Um ex-oficial de inteligência do Corpo de Fuzileiros dos EUA analisou as informações conhecidas sobre o ataque terrorista e concluiu que as pessoas que o executaram vieram da Ucrânia. Mencionando o facto de que os terroristas foram detidos quando fugiam em direção à Ucrânia, Scott Ritter observou que as "pessoas ligadas à violência" têm a tendência de acabar por navegar em direção ao seu 'norte verdadeiro'. "O que quero dizer com isto é que, por exemplo, uma equipe de forças especiais operando atrás das linhas inimigas: se forem comprometidos, eles tentam voltar para casa, tentam escapar e se evadir em direção às linhas amigas", explicou. "Seu verdadeiro norte era a Ucrânia, e eles estavam indo em direção à Ucrânia. E isso é tudo o que precisamos saber sobre isto. Este foi um ataque que estava ligado ao conflito em andamento na Ucrânia", de acordo com Ritter.

  França eleva alerta de terrorismo para "ataque iminente"
img_900x508$2024_01_09_11_28_41_1535551.jpgO governo francês elevou o alerta de terrorismo para o nível mais alto, na sequência do ataque no teatro Crocus City Hall, em Moscovo. "Após o ataque em Moscovo, o Conselho de Defesa e Segurança Nacional reuniu-se esta noite [de domingo 24mar2024] no Eliseu a convite do presidente da República. Dada a reivindicação de responsabilidade do Daesh pelo ataque e as ameaças que pesam sobre o nosso país, decidimos elevar o alerta de terrorismo para o nível mais alto: ataque iminente", escreveu o primeiro-ministro francês, Gabriel Attal, na rede social X.

  O que se sabe sobre os quatro suspeitos do ataque em Moscovo
434029178_10164217658506679_6899860205055898431_n.
São acusados de terem cometido um crime previsto na parte 3, alínea "b", do artigo 205º do Código Penal russo (ato terrorista), que, segundo o Código Penal russo, é punível com pena de prisão perpétua.
Dalerdzhon Mirzoyev: o homem de 32 anos foi o primeiro a ser levado a tribunal. Mirzoyev, natural do Tajiquistão, tinha um visto temporário de três meses na cidade de Novosibirsk, no sul da Rússia, na Sibéria, mas este expirou, segundo a RIA Novosti.
Saidakrami Rachabalizoda: apresentou-se como segundo arguido e disse ao tribunal que tinha documentos de registo russos mas não se lembrava onde estavam. Comunicou através de um intérprete, segundo a agência noticiosa estatal RIA Novosti. Rachabalizoda terá nascido em 1994.
Shamsidin Fariduni: nasceu em 1998 no Tajiquistão e é cidadão do país da Ásia Central. Fariduni trabalhava oficialmente numa fábrica na cidade russa de Podolsk e estava registado na cidade de Krasnogorsk, de acordo com a imprensa estatal RIA Novosti.
Muhammadsober Faizov: o quarto arguido pareceu não conseguir reagir numa cadeira de rodas e foi acompanhado por um médico para comparecer em tribunal, como se pode ver no vídeo do Tribunal da Cidade de Moscovo partilhado no Telegram. Faizov estava temporariamente desempregado, tendo antes trabalhado numa barbearia em Ivanovo, uma cidade a nordeste de Moscovo, e está registado nessa cidade, segundo a agência noticiosa estatal RIA Novosti. Terá nascido em 2004.



Publicado por Tovi às 07:01
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 29 de Setembro de 2023
General winter is coming...

5c19022085600a5a33316be8.jpg 
(Na imagem: General Inverno Barbeando Pequeno Boney - William Elmes / University of Washington)

Diz-se que Reino Unido e França foram a Kiev convencer Zelensky a sentar-se na mesa das negociações, já que Rússia e Ucrânia não parecem estar predispostas a encetar negociações sobre que formato for, nem sob eventual mediação de outros países. Cada vez me convenço mais que o futuro da Ucrânia será feito sem a decisão da própria Ucrânia.
  Carlos Miguel Sousa - Enquanto não forem os filhos deles a irem para a frente de batalha, não há bom senso que se imponha. E depois o apoio Ocidental, absolutamente neurótico, com interesses cruzados e não raras vezes opostos entre americanos e europeus. Putin, quis demonstrar com esta invasão que a Rússia, com todas as suas debilidades, não era apenas uma Potência Regional, como o Obama, afirmou inadvertidamente, com o único intuito de o provocar e humilhar. Desde essa provocação, Putin, nunca mais foi o mesmo.
 

94bc5ad118d75d2d611de58def9e9a71.jpg

O Presidente da Câmara dos Comuns do Canadá, Anthony Rota, demitiu-se ontem [3.ª feira 28set2023] depois de ter convidado um veterano nazi para estar presente no Parlamento, assistir ao discurso do Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, e ser homenageado. “O trabalho desta Câmara está acima de qualquer um de nós. Como tal, tenho de me demitir como presidente desta Câmara”, anunciou o presidente da Câmara, reiterando “profundo arrependimento” pelo erro cometido. Recordo que logo depois do discurso de Volodymyr Zelensky na Câmara dos Comuns durante a sua visita ao Canadá, na 6.ª feira passada [22set2023], os deputados canadianos aplaudiram de pé Yaroslav Hunka, um ucraniano de 98 anos que combateu na Segunda Guerra Mundial. Mais tarde, veio-se a descobrir que Anthony Rota apresentou Hunka como um herói de guerra que lutou pela Primeira Divisão Ucraniana, mas esta divisão era conhecida como Divisão Waffen - SS Galicia, ou 14ª Divisão Waffen SS: uma unidade voluntária que estava sob o comando dos nazis e lutou ao lado da máquina de guerra do regime de Adolf Hitler.

  
Carlos Almeida
Les nazis se rencontrent.
Jorge VeigaDavid Ribeiro a escrever quase um testamento, por aquilo que foi admitido como um erro e que o levou à demissão?
David RibeiroOs canadianos numa atitude muito nobre admitiram o erro, Jorge Veiga, já da parte de Zelensky não vi nada. E ainda há quem diga que no círculo político do presidente ucraniano não há nazis.
Jorge VeigaDavid Ribeiro sendo convidado para a tua casa, garanto que não vou para outros lados falar de como me recebeste.
David RibeiroMas também tenho a certeza, Jorge Veiga, que não vinhas a minha casa pedir para homenagearmos um nazi.
Jorge VeigaDavid Ribeiro nem ele pediu. Sabemos bem que ele é descendentes de judeus e que sofreram na pele por esse facto. Não entendo como podem misturar alhos e bugalhos.
David RibeiroJorge Veiga, não me digas que Zelensky não sabia que iam homenagear um nazi ucraniano.
Jorge VeigaDavid Ribeiro julgo que não. E se soubesse, quem é que ia ficar mal? Ele ou o Presidente da Câmara dos Comuns?
David RibeiroJorge Veiga, o presidente do parlamento canadiano demitiu-se, mostrando grande honra e saber estar na política, já Zelensky nem uma palavra disse e como se viu nas imagens regozijou-se com a "homenagem".
Jorge Veiga
David Ribeiro Não interpreto assim o que vi de Zelensky por causa disto. Cada um vê como quer. Estaremos sempre ad eternum em discordância nesta treta, que se deveria ter evitado, com os russos quietinhos no seu país.

 

  

Captura de ecrã 2023-09-29 202359.pngO presidente ucraniano publicou um vídeo no Telegram no qual promete revelar amanhã [sábado 30set2023] "notícias importantes". "Esta semana fortaleceu significativamente o nosso país e o nosso povo. O dia de amanhã trará notícias importantes para a Ucrânia: para os nossos soldados, para todo o nosso país", disse Volodymyr Zelensky. "Estamos a trabalhar para garantir que as próximas semanas aumentam a força da Ucrânia - a força interna e a necessária cooperação com o mundo. Queremos que o mundo nos ouça, nos compreenda e nos apoie. Agradeço a todos os que nos ajudam!", completou. Segundo consta, mas sem qualquer confirmação credível, Kiev irá desencadear uma nova ofensiva no início de outubro nas direções de Kherson e Zaporíjia. Para isso concentraram um grande grupo de fuzileiros navais das Forças Armadas da Ucrânia na região de Nikolaev para atravessar o rio Dniepre. Ao mesmo tempo, forças de operações especiais das Forças Armadas da Ucrânia, treinadas por instrutores britânicos, estão a planear ações para tomar a central nuclear de Zaporíjia.




Quinta-feira, 6 de Abril de 2023
Já temos quem lute pela PAZ...
...que sejam bem sucedidos.

Captura de ecrã 2023-04-06 154950.png
Os Presidentes de França e da China, Emmanuel Macron e Xi Jinping, respetivamente, apelaram hoje à realização de negociações o “mais rápido possível” para pôr fim à guerra em curso na Ucrânia e rejeitaram o uso de armas nucleares. Em declarações conjuntas após uma reunião bilateral no Grande Palácio do Povo, em Pequim, Macron defendeu ser necessário “retomar as discussões o mais rápido possível para construir uma paz duradoura”. Por sua vez, Xi disse que “armas nucleares não podem ser usadas” e condenou qualquer “ataque contra civis”.

 


Luis Miguel Moreira
Xi Jinping, como bom chinês, em função do público diz coisas diferentes!!!! Quando esteve na Rússia não o vi criticar ataques contra civis, nem referir se as armas nucleares!
Albertino AmaralLuis Miguel Moreira Falou sim senhor, e criticou também, mas em ........ chinês.....!
Luis Miguel MoreiraAlbertino Amaral pois , deve ter sido ! Ou seja disse uma coisa quando pensava outra , ou pensou uma coisa enquanto dizia outra , ou disse tudo mas não queria dizer nada
Albertino AmaralLuis Miguel Moreira Sabes como são as chinesices.......
Luis Miguel MoreiraAlbertino Amaral sei 😂! Por isso quero os longe! Não sei como o Andre Ventura ainda não se atirou a eles 😉
David Ribeiro
Na conferência de imprensa conjunta aquando da última visita de Xi Jinping a Moscovo, disse Putin: "Muitas das propostas do plano de paz chinês podem ser aceites como base para resolver o conflito na Ucrânia, desde que o Ocidente e Kiev estejam preparados para isso".
Tiago Mergulhão Gomes
David Ribeiro está a dar a volta ao prego. Basta que a Rússia retire da totalidade dos territórios ilegalmente ocupados para a guerra terminar. A Rússia, tal como a China e o ocidente, não tem jurisdição sobre o território de outro país soberano.
David Ribeiro - Tiago Mergulhão Gomes, tudo isso só se conseguirá resolver a uma mesa de negociações de paz, pois continuar com "tiros, bombas e murros nas trombas" não é solução.
Tiago Mergulhão Gomes
David Ribeiro uma negociação implica que todas as partes cedam algo. Não vejo que a Ucrânia aceite ceder território depois desta agressão bárbara.
Manuel RochaDavid Ribeiro ,e preparados é o quê, convencer a Ucrânia a ceder território invadido?
David RibeiroManuel Rocha , só á mesa de negociações se saberá ao que se poderá chegar. Continuar os combates devastadores é que não é solução.
Tiago Mergulhão GomesDavid Ribeiro a solução para os combates está inteiramente na mão da Rússia. Não há argumentação que invalide o facto de a Ucrânia estar a defender o seu território soberano de uma invasão indefensável e injustificada.
David RibeiroTiago Mergulhão Gomes , a continuação dos combates nunca será solução. Só conversações para se alcançar uma PAZ é a solução, seja em que termos se conseguir. Pela continuação dos combates só se atinge mais sofrimento.
Tiago Mergulhão GomesDavid Ribeiro só o Putin continua a não querer ver isso.
David RibeiroSerá, Tiago Mergulhão Gomes ?... ainda não vi grande abertura por parte de Volodymyr Zelensky para um diálogo que ponha fim aos combates.
Tiago Mergulhão GomesDavid Ribeiro não pode haver diálogo se a Rússia não abandonar a totalidade do território ucraniano. Não queira colocar o ónus da paz sobre os agredidos.
David RibeiroIsso é uma posição irredutível que nunca poderá levar a negociações de paz, Tiago Mergulhão Gomes .
Tiago Mergulhão Gomes
David Ribeiro está equivocado. Quem não quer as negociações é a Rússia, que não quer abdicar dos territórios ilegalmente ocupados desde 2014. A Ucrânia, além de não ter sido o agressor, tem a legitimidade de estar a defender o solo pátrio.
Raul Vaz Osorio - Até os ucranianos já dão dicas oficiais de que estão preparados para ceder na Crimeia... só o palerma do Putin é que,apesar de continuar a ser humilhado e se ter metido num buraco pior que o Vietnam e o Afeganistão juntos, continua a não querer ceder em nada.
Hugo Da Nóbrega Dias - Pequim a assumir a liderança e a por Washington num cantinho. É isto que está a acontecer.
David RibeiroCaríssimos Amigos... a realidade não é aquilo que muitos de nós gostaríamos que acontecesse. E só uma PAZ, seja ela em que condições acontecer, poderá acabar com as mortes e desgraças que a invasão da Ucrânia pelas tropas de Putin está a provocar.
Jose Antonio M MacedoDavid Ribeiro Mas, se a Rússia não sair derrotada isso apenas dará mais ânimo e força a Putin para continuar a invadir outros países da Europa. A condição principal para a paz terá de ser a retirada incondicional russa de todo o território ucraniano que invadiram ilegal e criminalmente...
Jose Luis Soares Moreira
Xi Jinping seria um grande promotor para a Paz sim, se dissesse a Putin, afaste-se da Ucrânia, pare a guerra em nome da nossa amizade entre Irmãos vizinhos. Trabalhe a meu lado semeando o comércio internacional, se assim fizer nossos países e povos viverão para o progresso e não para a morte pelas armas, sejam elas quais forem. Aí sim a Muito fértil Ucrânia 🇺🇦 se poderia reconstruir, semear novamente os campos e muita fome deixaria de existir. Haja paz entre os Povos, Aleluia Aleluia




Domingo, 19 de Fevereiro de 2023
"Não à Guerra"... nas paredes de Moscovo

nag 0.jpg

Pedro FerreiraSe o povo russo tivesse "tomates" já podiam ter feito uma revolta.
David RibeiroTanto quanto me é dado saber a "contestação" a Putin é só nas grandes cidades (Moscovo, São Petersburgo e pouco mais)... e a Rússia é muito grande.
Pedro Ferreira
David Ribeiro E mesmo assim pouco fazem.

 


3392297-highres.jpg
Faz lembrar outros tempos... Uma mulher caminha perto de um prédio residencial que abriga a filial local do partido do governo russo - Rússia Unida - com o urso no seu emblema, num mural patriótico na parede da cidade de Chekhov, perto de Moscovo.

 


16fev2023 a.jpg
A Ucrânia, esta sexta-feira 17fev2023, disse ser imprescindível os cerca de seis mil civis, que segundo as autoridades de Kiev ainda se encontram em Bakhmut, abandonarem "imediatamente" a cidade, alvo de ataques das forças russas.

 

  Conferência de Segurança de Munique
A Conferência de Segurança de Munique é uma conferência de segurança internacional, realizada desde 1963 e visitado anualmente por políticos de segurança e defesa, militares e industriais de defesa. Ao longo das últimas décadas a Conferência de Segurança de Munique tornou-se a mais importante nesta área. Todos os anos proporciona a participantes de alto nível de todo o mundo um fórum para a discussão intensa sobre os desafios atuais e futuros, no âmbito da política de segurança.
Captura de ecrã 2023-02-17 153447.jpgOlaf Scholz garantiu que a Alemanha vai continuar a ser o maior fornecedor de armas do continente europeu à Ucrânia. A garantia foi feita esta sexta-feira [17fev2023] na Conferência de Segurança, que decorre em Munique, onde o chanceler fez um apelo para que os aliados que possam enviar carros de combate à Ucrânia, nomeadamente os Leopard 2, devem fazê-lo agora.
Captura de ecrã 2023-02-17 152918.jpgEmmanuel Macron argumentou esta sexta-feira [17fev2023] que "este não é o momento para o diálogo", com a Rússia. "O momento para o diálogo ainda não chegou, porque a Rússia escolheu a guerra. A Rússia escolheu atingir infraestruturas civis e cometer crimes de guerra. O ataque da Rússia tem de falhar", declarou Macron, durante a Conferência da Segurança, que decorre em Munique, na Alemanha. O presidente francês falou ainda do grupo Wagner, um grupo de mercenários da Rússia, para recordar uma conversa que teve com Putin há um ano, na qual "quase" acreditou no presidente russo quando disse não ter qualquer relação com aquele grupo. Porém, para o chefe de Estado francês, é agora claro que o grupo atua como uma ferramenta da "máfia" para cometer crimes.
Captura de ecrã 2023-02-17 175541.jpgO presidente Volodymyr Zelensky, quando se dirigia à Conferência de Segurança de Munique via vídeo, disse que não deve haver atrasos na entrega de armas para ajudar a Ucrânia a lutar contra a Rússia. É “óbvio” que a Ucrânia não será a última parada na invasão de Putin, diz Zelensky. “Ele vai continuar seu movimento até o fim, …incluindo todos os outros estados que em algum momento fizeram parte do bloco soviético”, disse o presidente da Ucrânia.
q2SP22Py-720.jpgO primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, encontrou-se com o chanceler alemão Olaf Scholz à margem da Conferência de Segurança em Munique, e discutiram as necessidades militares da Ucrânia. "O primeiro-ministro sublinhou a necessidade de os aliados pensarem não só em garantir a paz a curto prazo, mas também em reforçar as defesas da Ucrânia a longo prazo", pode ler-se num comunicado emitido por Downing Street. Sunak congratulou Scholz pelo esforço feito pela Alemanha para reduzir a dependência energética da Rússia, bem como pelo reforço das forças armadas ao serviço de Berlim. "Os líderes também debateram a importância de reforçar a NATO, e expressaram o seu apoio à adesão da Suécia e da Finlândia", conclui a nota.
Secretary_Blinken's_Official_Department_Photo.jpgO secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, afirmou este sábado [18fev2023] que o país  tem um “profundo interesse” numa paz “justa e duradoura” na Ucrânia. “Qualquer paz deve ser consistente com os princípios da Carta das Nações Unidas”, disse Blinken durante um painel de discussão na Conferência de Segurança de Munique. E é do interesse dos países em todo o mundo garantir que o resultado não valide de alguma forma a invasão levada a cabo pela Rússia. "Se fizermos isso, abriremos uma caixa de Pandora em todo o mundo, e todo o pretenso invasor concluirá que 'se a Rússia se safar, nós também nos podemos safar'", disse Blinken. "Essa é uma receita para um mundo de conflito."
_128616746_mediaitem128616744.jpgA Presidente da Moldávia, Maia Sandu, descartou este sábado [18fev2023] uma “ameaça militar iminente” da Rússia contra o país, mas alertou para a 'guerra híbrida' de Moscovo através da desinformação e pediu ajuda para combatê-la. "Sabemos que não há ameaça militar iminente à Moldávia", disse Maia Sandu, durante a Conferência de Segurança de Munique, que começou na sexta-feira na Alemanha e irá decorrer até domingo.
Captura de ecrã 2023-02-19 144224.jpgO diplomata chinês Wang Yi anunciou hoje [19fev2023], em Munique, estar a finalizar os preparativos para uma “iniciativa de paz” que acabe com a guerra na Ucrânia de acordo com a Carta das Nações Unidas. Num discurso realizado na Conferência de Segurança de Munique, o diretor do Gabinete da Comissão de Negócios Estrangeiros do Partido Comunista da China declarou que o seu país, que rejeitou a invasão russa por atentar contra a integridade territorial da Ucrânia, mas nunca apoiou as sanções contra Moscovo, defenderá sempre a “paz e o diálogo” na “resolução política da crise”.

 

  Encontro entre Putin e Lukashenko
Captura de ecrã 2023-02-17 173807.jpgEnquanto os líderes mundiais estão reunidos na Conferência de Segurança, em Munique, sem qualquer representantes da Rússia, Vladimir Putin encontrou-se com o presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko. Antes da reunião, e de acordo com a agência Tass, Lukashenko adiantou que planeia abordar questões como a segurança e a defesa. Do lado do Kremlin, o encontro serviria para debater "o desenvolvimento futuro da parceria e aliança estratégica entre os dois países". Este encontro entre os líderes russo e bielorrusso surge um dia depois de Lukashenko ter admitido que poderia entrar na guerra da Ucrânia ao lado da Rússia caso a Bielorrússia venha a ser atacada.

 


Captura de ecrã 2023-02-19 093339.jpg"Será que (...) a possibilidade do futuro da Ucrânia se poder encontrar condicionado pela campanha eleitoral para as presidenciais norte-americanas, que se perspetiva venha a acelerar no segundo semestre deste ano? E, à semelhança do que aconteceu em 1995, será que o presidente Joe Biden precisa de resolver o problema ucraniano até ao final do verão, e assim esvaziar as críticas que lhe possam vir a ser feitas pelos seus opositores?" - Questão muito bem equacionada pelo Major-General (na reserva) Carlos Branco no Diário de Notícias de hoje, 19fev2023.

 

  E já agora: Quem vai pagar essas "mais armas"?
Captura de ecrã 2023-02-19 135745.jpg



Publicado por Tovi às 07:41
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)

Sexta-feira, 21 de Outubro de 2022
Como resolver a crise energética?...

jornalggn.com.br-crise-energetica-mais-uma-tragedi

Está a decorrer em Bruxelas uma nova cimeira da União Europeia sobre a crise energética... e está cá a parecer-me que ainda não será desta que se minimiza a alta dos preços da energia e se assegura o seu abastecimento.

 

  Querem gás?... Chamem o Erdogan  (JN de 19out2022)
Captura de ecrã 2022-10-20 101134.jfif 

Jorge LiraIsto tem nome. Mas é feio.
David RibeiroJorge Lira, eu diria "uma puta velha"... no sentido "mulher acusada de práticas maléficas e submissão as forças do mal".
Adao Fernando Batista BastosUm habilidoso e oportunista sem credibilidade...
Da Mota Veiga SuzettePois.... e cinco vez mais caro!

 

  Expresso de 20out2022 às 13h46
66778282-47373601.jpgO primeiro-ministro português, António Costa, o presidente do Governo espanhol, Pedro Sánchez, e o presidente francês, Emmanuel Macron, chegaram a um acordo para o reforço das interligações energéticas entre a Península Ibérica e França, quer no gás natural, quer na eletricidade.

 

  CNN Portugal / Agência Lusa - 21lout2022 às 06h34
1024 (1).jpg“O Conselho Europeu chegou a um acordo” relativamente à situação energética, pois “concordou em trabalhar em medidas para conter os preços da energia para as famílias e empresas”, anunciou Charles Michel, numa publicação na conta oficial da rede social Twitter. “A unidade e a solidariedade prevalecem”, adiantou o presidente do Conselho Europeu. O anúncio para este trabalho futuro foi feito após várias horas de discussões entre os 27, que arrancaram ao início da tarde de quinta-feira, marcadas por posições divergentes em assuntos como limites temporários aos preços de referência no gás e regras de solidariedade no bloco comunitário para disponibilização de gás a todos os Estados-membros em caso de emergência. Os presidentes do Conselho Europeu, Charles Michel, e da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, prometeram que as medidas adotadas de combate à crise energética “serão visíveis em breve”, levando-a “muito a sério”.



Publicado por Tovi às 08:09
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 20 de Agosto de 2022
António Guterres em Odessa

guterres odessa 19ago2022 a.jpg

António Guterrres, Secretário-geral da ONU, visitou ontem [19ago2022] Odessa (sul), cujo porto está a ser utilizado para a exportação de cereais ucranianos através do acordo impulsionado pela própria ONU e pela Turquia.

 

  
Captura de ecrã 2022-08-19 151217.jpgNum briefing no porto ucraniano de Odesa, no Mar Negro, Guterres disse que os países em desenvolvimento precisam de ajuda para comprar estes cereais e pediu acesso desimpedido aos mercados globais de alimentos e fertilizantes russos que não estão sujeitos a sanções. “Este é um acordo entre duas partes envolvidas num conflito amargo. É sem precedentes em escopo e escala. Mas ainda há um longo caminho a percorrer em muitas frentes (...) É hora de um apoio maciço e generoso para que os países em desenvolvimento possam comprar alimentos deste e de outros portos – e as pessoas possam comprá-los”, afirmou o Secretário-geral das Nações Unidas.  

 


Captura de ecrã 2022-08-19 162409.jpgOs presidentes de França e da Rússia conversaram esta sexta-feira [19ago2022] por telefone sobre a situação na Ucrânia. Um dos temas que preocupa ambos é a central nuclear de Zaporizhzhia. Segundo o Eliseu, o Presidente russo aceitou que especialistas da Agência Internacional de Energia Atómica (IAEA) visitem a central para avaliar o impacto que tiveram os recentes bombardeamentos nas proximidades da estrutura.



Publicado por Tovi às 08:00
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 23 de Maio de 2022
Ação diplomática no seio da NATO

Captura de ecrã 2022-05-23 095918.jpg

A invasão russa da Ucrânia despoletou uma grande e importante ação diplomática no seio da Aliança Atlântica, pois nem todos parecem estar de acordo quanto à adesão da Finlândia e da Suécia à NATO. Neste momento temos a Hungria (aderiu à Aliança em 1999) e a Turquia (não sendo fundadora está na Aliança desde 1952) a colocarem sérias reservas ao alargamento da NATO aos dois Estados Bálticos. Não vai ser tarefa fácil, até porque as lideranças atuais da Hungria e Turquia não têm nada a ver com as do tempo em que entraram para a Aliança, nem o mundo é o mesmo. 

 


Captura de ecrã 2022-05-23 101653.jpgO presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse no sábado passado [21mai2022] que Ancara não olharia "positivamente" para as propostas da Suécia e da Finlândia ingressarem na NATO, a menos que suas preocupações fossem abordadas, apesar do amplo apoio de outros aliados, incluindo os Estados Unidos. A Turquia há muito acusa os países nórdicos, em particular a Suécia, que tem uma forte comunidade de imigrantes turcos, de abrigar rebeldes curdos fora da lei, bem como apoiantes de Fethullah Gülen, o pregador dos EUA procurado pelo fracassado golpe de 2016. 

 


images.jpgViktor Orban é o líder europeu mais próximo de Putin e a oposição do primeiro-ministro húngaro ao alargamento da NATO tem muito a ver com a sua discordância das sanções ao petróleo russo, do qual a Hungria é altamente dependente. 

 


Captura de ecrã 2022-05-23 115334.jpgO ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, disse na passada 6.ª feira [20mai2022] que Moscovo lançará 12 unidades e divisões militares na região oeste em resposta às pretensões da Suécia e Finlândia ingressarem na Aliança Atlântica. Essas ameaças também incluem os Estados Unidos que têm aumentado os voos estratégicos de bombardeiros, enviado navios de guerra para o Mar Báltico e intensificando os exercícios de treino na região com seus parceiros da NATO. “A tensão continua a crescer na zona de responsabilidade do Distrito Militar do Oeste. Estamos tomando contramedidas adequadas”, disse Shoigu.

 

  Alemanha, França e Itália já fazem propostas de abertura a Moscovo
Captura de ecrã 2022-05-23 193340.jpg
"(...) Uma grande preocupação é que vitórias militares ucranianas possam desestabilizar a Rússia, tornando-a ainda mais imprevisível e colocando uma normalização das ligações energéticas ainda mais fora de alcance. É por isso que algumas capitais da Europa Ocidental, de forma silenciosa, já trabalham numa resolução “salvando a face” para o conflito, mesmo que isso custe algum território à Ucrânia. Mesmo que Macron e o chanceler alemão Olaf Scholz tenham dito repetidamente que caberia à Ucrânia determinar as condições para a suspensão das hostilidades, eles recentemente enfatizaram sua preferência por um cessar-fogo, mais cedo ou mais tarde. (...)"
Leiam o artigo completo aqui 

 


transferir.jpgAs sanções do Ocidente a Moscovo, são o que são... mas a verdade é que a recuperação do rublo já levou a moeda russa para 30% mais forte em relação ao dólar do que era antes da Rússia invadir a Ucrânia.



Publicado por Tovi às 10:03
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 5 de Maio de 2022
Ao 71.º dia é assim que estamos

5mai2022.jpg
O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky pede uma trégua prolongada para resgatar os cerca de 200 civis e combatentes abrigados nos bunkers da siderúrgica Azovstal.

A Rússia afirma que suas forças interromperão as hostilidades em Azovstal e abrirão um corredor humanitário por três dias [das 8h00 às 18h00 (horário de Moscovo) nos dias 5, 6 e 7 de maio].
 
 

  

guerra-na-ucrania-02032022084426141.jpegA Polónia e a Suécia, em parceria com a União Europeia, organizam hoje uma conferência internacional de doadores para a Ucrânia. A iniciativa, que visa fornecer apoio humanitário à Ucrânia, será presidida pelos primeiros-ministros da Polónia, Mateusz Morawiecki, e da Suécia, Magdalena Andersson, em parceria com o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e com a presidente da Comissão Europeia Ursula von der Leyen. O primeiro-ministro português, António Costa, vai participar no evento por meios digitais. A reunião, convocada ao nível de chefes de Estado e de Governo, conta ainda com a participação de representantes de empresas e instituições financeiras globais. Segundo Varsóvia e Estocolmo, esta conferência, que dará início a uma série de eventos de apoio à Ucrânia que irão decorrer nos próximos meses, visa arrecadar fundos para satisfazer as crescentes necessidades humanitárias da Ucrânia, onde cerca de 13 milhões de pessoas precisam de ajuda humanitária vital, incluindo abrigo, alimentos e medicamentos. Os dois países afirmam que “é essencial mobilizar ajuda internacional imediata para a Ucrânia, que atualmente cobre menos de 15% do que é necessário”.
Entretanto o Reino Unido anunciou também no dia de hoje um pacote de 45 milhões de libras (53 milhões de euros) de ajuda humanitária à Ucrânia, sobretudo a mulheres e crianças, canalizado na maior parte através das agências e instituições da ONU. O Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico disse que o apoio destina-se a pessoas mais vulneráveis afetadas pelo conflito, pelo que 15 milhões de libras (18 milhões de euros) serão destinados ao Fundo Humanitário da ONU para a Ucrânia (UHF), outros 15 milhões de libras para a UNICEF.
O primeiro-ministro português, António Costa, anunciou na Conferência de Alto Nível de Doares para a Ucrânia, que decorre em Varsóvia, numa intervenção que fez por vídeo, que Portugal vai contribuir com 2,1 milhões de euros em ajuda humanitária à Ucrânia, dos quais um milhão de euros para as respostas das Nações Unidas e 1,1 milhões adicionais.

Captura de ecrã 2022-05-05 142614.jpg

 

 


gas-natural-eua-1.jpg
A presidente da Comissão Europeia apresentou ontem o novo pacote de sanções contra a Rússia, que passam pelo embargo do petróleo e gás russos até ao final do ano. E não há dúvida que mais sanções e cada vez mais direcionadas à economia do Kremlin são fundamentais. Mas tenhamos tininho na forma como as vamos implementar, pois na União Europeia nem todos têm o mesmo arcaboiço económico e são vários os países que dependem muito do gás e produtos petrolíferos vindos da Rússia, correndo nós o risco de acabarem as sanções por terem efeitos contra os próprios países europeus.
A ministra francesa do Meio Ambiente e Energia, Barbara Pompili, diz estar confiante de que os Estados membros da União Europeia chegarão a um consenso sobre como encerrar as importações de petróleo russo até o final desta semana. “Alguns países são mais dependentes do petróleo russo do que outros e, portanto, devemos tentar encontrar soluções para que eles possam aderir a essas sanções (...) Mas acho que devemos ser capazes de fazê-lo", disse a ministra à rádio France Info.

  Não!... Não vai ser fácil, seguramente
1 .jpg

 

 

  19h45 (TMG) de hoje / Al Jazeera
Azovstal.jpgUma terceira operação está em andamento para retirar civis da cidade portuária ucraniana de Mariupol e das instalações da siderurgia Azovstal sitiada, disse António Guterres, secretário-geral da ONU. Guterres recusou-se a dar detalhes sobre a nova operação “para evitar prejudicar um possível sucesso”. “Espero que a coordenação contínua com Moscovo e Kiev leve a mais pausas humanitárias para permitir que os civis passem a salvo dos combates e que a ajuda chegue àqueles em necessidade crítica”, disse ele aos 15 membros do Conselho de Segurança. “Devemos continuar a fazer tudo o que pudermos para tirar as pessoas desses cenários infernais.”



Publicado por Tovi às 08:53
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 4 de Maio de 2022
Diálogo e Diplomacia... é preciso e fundamental

A Diplomacia é um instrumento da política externa, para o estabelecimento e desenvolvimento dos contatos pacíficos entre os governos de diferentes Estados, pelo emprego de intermediários, mutuamente reconhecidos pelas respetivas partes.

 


image (1).jpgEsta 2.ª feira [2mai2022] o presidente turco voltou  a convidar os seus homólogos da Rússia e da Ucrânia, Vladimir Putin e Volodymyr Zelensky, para uma cimeira na Turquia e garantiu que ambos os países lhe pediram ajuda para poder exportar cereais. "Tanto os ucranianos quanto os russos querem ajuda para exportar cereais", disse Recep Tayyip Erdogan aos órgãos de comunicação social depois de terminar a oração do Ramadão numa mesquita de Istambul.

 


Captura de ecrã 2022-05-03 173103.jpgO primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, durante uma visita oficial a Copenhaga, capital da Dinamarca, no dia de ontem [3.ª feira, 3mai2022] apelou a um "cessar-fogo imediato" na Ucrânia e pediu "diálogo e diplomacia para resolver o problema". Desde o início da guerra, a Índia tem sido duramente criticada por adotar uma postura neutral relativamente a este conflito.

 


Captura de ecrã 2022-05-03 174457.jpgEmmanuel Macron, presidente francês, pediu ontem [3.ª feira, 3mai2022] a Putin que "permita" a continuação da retirada de civis da fábrica de Azovstal, em Mariupol. Na chamada telefónica entre os dois chefes de estado, Macron deixou claro que a retirada dos civis deve ser feita "em coordenação com os atores humanitários e deixando que os civis escolham o seu destino, em conformidade com o Direito Internacional humanitário". O pedido surge numa altura em que as tropas russas voltaram a atacar o complexo industrial, de onde só foram retirados 159 civis.

 


p045600-221318.jpg
Embora a crise da invasão russa da Ucrânia ainda configure uma situação muito delicada, uma solução diplomática não está, nem pode estar, descartada. Todos aqueles que concordem numa janela crucial para a diplomacia, fazendo a Rússia recuar nas suas ameaças à Ucrânia, são bem-vindos ao diálogo. No passado dia 24 de abril assinalou-se o Dia Internacional do Multilateralismo e da Diplomacia para a Paz, comemoração que enaltece o valor da cooperação internacional para o bem comum. Durante quase 75 anos, os acordos multilaterais estabelecidos após a Segunda Guerra Mundial ajudaram a evitar um terceiro conflito global. No entanto, tal cooperação não se pode dar como garantida e continuamos a ter conflitos não resolvidos. Todos não somos demais para o diálogo e diplomacia em busca da PAZ.

 

  Hummm!... E estarão todos de acordo?... ao que constam há países que não estão p'raí virados.
Captura de ecrã 2022-05-04 090326.jpg
Quando a Rússia bloqueou na semana passada a venda de gás à Bulgária e à Polónia e ameaçou outros países que não aceitem pagar as faturas de energias em rublos, o Presidente dos EUA, Joe Biden, disse que não deixará que a Rússia “intimide” os países europeus com ameaças de bloqueio de recursos energéticos. “Não permitiremos que usem as suas reservas de petróleo ou de gás para evitar as consequências da sua agressão. Estamos a trabalhar com outros países, como Japão, Coreia do Sul ou Qatar para ajudar os nossos aliados europeus, ameaçados por essas chantagens”, prometeu Biden. E quanto é que isto vai custar aos bolsos dos europeus? É certo que todos teremos que "pagar" o que está a acontecer no leste europeu, mas há uns que pagarão muito mais do que outros. A continuação desta situação de "guerra" não vai levar a lado nenhum... reúnam-se à volta de uma mesa, dialoguem, pois com a Diplomacia poderá conseguir-se muito mais do que com os canhões.

Li ontem que quer a Rússia quer a Ucrânia estão "à rasca" para exportar os seus cereais e que Erdogan já está a tentar negociar com ambos uma forma de se conseguir fazer sair, via Mar Negro, estas produções, que até já estão a fazer falta em muitos países. É desta forma que se poderá chegar a algo que poderá ir na direção da PAZ.

Ao fim de dia de hoje soube-se que a Hungria rejeitou a proposta de um embargo progressivo da União Europeia (UE) ao petróleo russo nos termos propostos pela Comissão Europeia, alegando que põe em causa a segurança energética do país. A proposta prevê a proibição gradual das importações de petróleo pelos Estados-membros até final deste ano, mas inclui um ano suplementar para Hungria e Eslováquia, dois países altamente dependentes dos hidrocarbonetos russos. “O Governo, nesta forma atual [da proposta], não pode aprovar responsavelmente o novo pacote de sanções”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros da Hungria, Péter Szijjártó, no Uzbequistão, onde se encontra em visita oficial, citado pela agência espanhola EFE. Szijjártó reconheceu que a proposta prevê um ano suplementar para a Hungria eliminar as importações de petróleo russo, mas mesmo assim considerou que “não é tempo suficiente”. O chefe da diplomacia de Budapeste reiterou que o abastecimento energético da Hungria “está atualmente estável” e que o sexto pacote de sanções da UE contra a Rússia iria “afundá-lo completamente”.

 
 
 
  Ele lá sabe as linhas com que se cose, mas a evolução das tropas no terreno não augura nada de bom e era capaz de ser a altura para Zelensky se sentar a uma mesa de negociações, antes que se vão os anéis e nem fiquem os dedos.

img_900x508$2022_05_03_22_37_03_1145959.jpg

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse esta quarta-feira que o seu país não pode aceitar nenhum acordo com Moscovo enquanto as tropas russas permanecerem em território da Ucrânia. "Não aceitaremos um conflito congelado", sublinhou num encontro do Conselho de CEO (presidentes executivos) do The Wall Street Journal, acrescentando que não quer que a Ucrânia seja arrastada para um "lamaçal diplomático" como o acordo de paz para o leste da Ucrânia que foi intermediado pela França e pela Alemanha em 2015.


Jorge Veiga - às vezes mais vale ficar sem dedos... Eles lá sabem.
Manuel Rocha - Estou de acordo com o Presidente Ucraniano, negociação com os assassinos no terreno não é negociação, é "cedência".
David Ribeiro - Pois é, Manuel Rocha... mas por vezes até com os assassinos - e Putin e seus acólitos são assassinos - se tem que negociar. É que o Povo, o mais importante em tudo isto, muito pouco mais poderá aguentar.
Manuel Rocha - David Ribeiro, o Presidente está a seguir a vontade do Povo Ucraniano, aliás... Cedendo, os milhares e milhares de mortos seriam em vão.
David Ribeiro - Espero estar redondamente engando, caríssimo Manuel Rocha, mas a história já me ensinou como é que estas coisas normalmente acabam. É triste, mas o destino da Ucrânia como gostaríamos de o ver, não parece muito viável, a continuarem nesta posição os senhores de Kiev. Ainda agora acabei de ler os comentários feitos pelo ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano e vê-se que estão a chegar a um ponto em que já não sabem o que é a diplomacia. "O ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba, afirmou esta quarta-feira que os Estados-membros da União Europeia que se opõem a um embargo ao petróleo russo são “cúmplices de crimes de guerra."
Manuel Rocha - Com o hitler também deixou de haver diplomacia,tal como agora com o putin.
Teresa Canavarro - David Ribeiro a cedência seria uma rendição e a História também nos ensinou que a negociação com um assassino tem um preço muito alto.
David Ribeiro - E o que é que a minha querida amiga Teresa Canavarro vê como solução?... a continuação de combates até um se render?
Teresa Canavarro - David Ribeiro infelizmente só vejo uma solução. Não ter medo de Putin. É isso implicaria arriscar se calhar a nossa sobrevivência. Terrível, pois. Um bjo.



Publicado por Tovi às 07:33
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 24 de Abril de 2022
Eleições Presidenciais em França

Captura de ecrã 2022-04-22 232702.jpg
Em 2017 Emmanuel Macron venceu as Presidenciais com 66,1%, contra os 33,9% de Marine Le Pen. Para as deste ano a última sondagem publicada pelo Le Monde dava 56,5% e 43,5%, respetivamente para Macron e Le Pen. Mas mais para o fim do dia já saberemos quem vai para o Palais de l'Élysée.

 

  As melhores da série "Présidentielle 2022"
-newsjustinpress-Macron-and-le-Pen.jpeg

 

  17h57 de 24abr2022 - Segundo vários institutos de sondagens
Harris Interactive: 55% pour Emmanuel Macron - 45% pour Marine Le Pen
Ifop: 56% pour Emmanuel Macron - 44% pour Marine Le Pen
OpinionWay: 58% pour Emmanuel Macron - 42% pour Marine Le Pen
BVA: 57% pour Emmanuel Macron - 43% pour Marine Le Pen

 

  19h00 (20h00 em França) de 24abr2022 - Estimativa
Captura de ecrã 2022-04-24 190059.jpg

 

  23h55 de 24abr2022 - Expresso / Público
mw-860.jpgA entrada de Macron no Champ-de-Mars, onde celebrou a vitória nesta noite eleitoral, foi acompanhada do hino da Europa. Foi recebido com bandeiras da França e da União Europeia – mas também pela mensagem de que nos próximos anos terá de fazer mais, até porque nem todos os votos foram de apoio ao seu programa. A diferença para a extrema-direita encurtou, mas a vitória permite aos seus apoiantes respirar de alívio - por cinco anos. Para já, olhos postos nas legislativas.
Já ao fim da noite, com mais de 97% dos votos contados, os números divulgados pelo Ministério do Interior de França mostravam que Macron arrecadou 58,55% dos votos (um total de 18.779.809) e Marine Le Pen 41,45% (13.297.728).



Publicado por Tovi às 08:22
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 10 de Abril de 2022
Presidenciais em França

mw-860.jpg

Há 12 candidatos às eleições presidenciais francesas... mas só estes é que contam:

Éric Zemmour – É um candidato da extrema-direita, que tem contribuído para tornar Marine Le Pen menos radical aos olhos da opinião pública (o que favorece a candidata do Rassemblement National). Zemmour começou com dois dígitos nas projeções, mas tem perdido gás e agora não passa dos 9%.

Valérie Pécresse - Preside à região Ile-de-France e é a representante da direita tradicional do Partido Republicano. Tem propostas económicas próximas das de Macron, mas nem assim deixou de ser engolida pela radicalização do debate político em França. Aparece também na casa dos 9%.

Jean-Luc Mélenchon - Aos 70 anos, tem desta feita uma hipótese, embora improvável, de chegar à segunda volta. Candidato da extrema-esquerda do La France Insoumise, propõe o aumento do salário mínimo e a taxação das grandes fortunas. Tem por esta altura cerca de 17% das intenções de voto.

Marine Le Pen - Candidata da extrema-direita, pela agora denominada Rassemblement National (“União Nacional”, antes “Frente Nacional”), Le Pen é anti-europeísta, anti-NATO e pró-Rússia, embora tenha tentado afastar-se de Vladimir Putin, desde a invasão russa da Ucrânia. Está com 24% nas sondagens, o que representa uma subida nas últimas semanas e uma aproximação ao primeiro posto.

Emmanuel Macron - É o grande favorito à vitória, embora não com o mesmo conforto de há cinco anos. Além do desgaste da governação, Macron tem sido acusado de ter deixado a campanha eleitoral interna fora da agenda, em parte para se dedicar à negociação sobre a questão da Ucrânia, e abrindo assim espaço à campanha da adversária principal. O presidente segue, ainda assim, em vantagem, com 26% das intenções de voto para a primeira volta.

 


Captura de ecrã 2022-04-10 143550.jpg
Os franceses é que sabem, ou estas eleições não fossem para Presidente da República da França… mas se numa segunda volta fosse Marine Le Pen a escolhida para o Palácio do Eliseu, iriamos ter nos destinos do segundo principal país da União Europeia, em termos de peso económico e uma grande potência nuclear, uma mulher que vem da extrema-direita e cujas proximidades a Moscovo são públicas e notórias, não esquecendo também as suas amizades com Salvini e Orbán. Mas, como atrás disse, os franceses é que sabem.

 

  Deverá ser mais ou menos isto o resultado das eleições em França. E agora siga para bingo… ou melhor dizendo, vamos à segunda volta.
5c375e3_1649615700255-web-pres2022-rappelscore2017

 

  Uma sondagem (a segunda conhecida esta noite) dá 54% a Macron para a segunda volta
Captura de ecrã 2022-04-10 214345.jpg



Publicado por Tovi às 07:58
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Julho 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Posts recentes

Reino Unido à esquerda......

Portugal 0 (3) - 0 (5) Fr...

Eleições parlamentares fr...

França envia instrutores ...

Os dias seguintes ao ataq...

General winter is coming....

Já temos quem lute pela P...

"Não à Guerra"... nas par...

Como resolver a crise ene...

António Guterres em Odess...

Ação diplomática no seio ...

Ao 71.º dia é assim que e...

Diálogo e Diplomacia... é...

Eleições Presidenciais em...

Presidenciais em França

NATO, União Europeia e G7...

Fase de Grupos do UEFA EU...

Comuna de Paris

Assim vai a pandemia em a...

Novo Estado de Calamidade...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus