"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Sexta-feira, 22 de Junho de 2018
O lixo na cidade do Porto

jn.jpg

 (JN de 21Jun2018)

Tenho que reconhecer que algo está a funcionar mal na recolha do lixo na cidade do Porto, mas também é verdade que por cá há muitos BADALHOCOS.



Publicado por Tovi às 15:24
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 6 de Junho de 2018
Rendas altas no Porto

O Terreiro do Paço nada faz… como sempre.

rui moreira 6Jun2018.jpg

(Notícia do JN aqui)



Publicado por Tovi às 10:10
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 28 de Abril de 2018
Regionalização... a promessa por cumprir

   Pedro Carlos Bacelar de Vasconcelos no JN de 26Abr2018

Bacelar.jpg

A promessa por cumprir

Os deputados eleitos a 25 de abril de 1975 para a Assembleia Constituinte entenderam que a organização democrática da nova República não devia ficar reduzida ao criação dos novos órgãos de soberania e da administração pública. Pareceu-lhes indispensável inscrever também na Lei Fundamental órgãos de poder local encarregados de zelar pelos interesses próprios das respetivas populações, por elas eleitos e politicamente responsáveis perante os seus eleitores. O poder local democrático - inédito em toda a nossa história constitucional e filho da Revolução de Abril de 1974 - ficou repartido por três áreas territoriais distintas: as freguesias, os municípios e as regiões administrativas. Em consequência da decisão constituinte, a organização e as competências das freguesias e dos municípios foram consagradas na lei e os seus órgãos seriam eleitos pelas respetivas populações ainda em 1976, conforme a Constituição aprovada nesse mesmo ano.
A delimitação atual das freguesias, dos municípios e dos distritos não sofreu alterações substanciais desde a reforma administrativa de Mouzinho da Silveira, decretada em 1834, no fim da guerra civil que definitivamente acabou com o absolutismo monárquico neste país. Os dirigentes locais, porém, nunca foram eleitos nem prestaram contas perante as suas populações. E após o golpe de Estado fascista que derrubou a I República, em 1926, ficaram os governadores civis dos distritos, nomeados pelos governos de Salazar e de Marcelo Caetano, capacitados para escolher os presidentes de câmara, cabendo a estes a nomeação dos "regedores" das freguesias, todos normalmente recrutados entre o pessoal da confiança do regime e filiados no único partido político permitido pela ditadura - a União Nacional, mais tarde designada Ação Nacional Popular. O poder local democrático é portanto uma criação da Revolução de Abril de 1974 e hoje já ninguém duvida da contribuição decisiva das freguesias e dos municípios para a consolidação das instituições políticas da democracia constitucional e para o desenvolvimento e bem-estar das suas populações.
Em sentido diverso, entenderam os deputados constituintes que os distritos deviam subsistir e manter-se provisoriamente sob a tutela de governadores civis nomeados pelo Governo da República, até que as regiões administrativas fossem criadas e os seus órgãos fossem eleitos... uma situação que, desgraçadamente, se acabaria por prolongar até aos nossos dias, fruto de sucessivos contratempos, uns imprevistos, outros intencionais. O contratempo mais perverso ocorreu em 1998, quando, através da revisão constitucional, se impôs a exigência absurda de submeter a um duplo referendo a instituição concreta das regiões e foi submetido a escrutínio popular um mapa que retalhou as cinco regiões plano correspondentes às atuais comissões de coordenação regional, inventando nada menos do que oito regiões. O rotundo fracasso desse infeliz referendo levou a que a regionalização tivesse sido afastada do debate público nos último vinte anos!
Contudo, este défice de democracia local é duplamente perverso. Primeiro, desqualifica o Governo nacional, quando este se substitui, paternalmente, aos dirigentes locais - nas freguesias, nos municípios ou nas regiões por fazer - para responder a exigências que seriam melhor compreendidas e executadas pelos autarcas e melhor julgadas pelos seus eleitores. Desqualifica, em segundo lugar, o poder local, desta forma condenado à condição subalterna de mendigar subsídios ou reclamar agravos, para corresponder às expectativas das populações que representam. E degrada-se fatalmente a representação democrática para benefício dos caciques e dos populistas!
A chaimite de Salgueiro Maia estacionou, definitivamente, nos jardins do palacete de São Bento - residencial oficial do primeiro-ministro. Entre o Campo Pequeno e o Campo Grande - prodigiosas alegorias -, a Câmara de Lisboa inaugurou no dia 25 de abril, o Jardim Mário Soares! Enfim, parece ter chegado o tempo de cumprir na íntegra a promessa constituinte da criação do poder local democrático... e de assumirmos, agora, o firme compromisso de instituir as cinco regiões administrativas, sem mais delongas, no início da próxima legislatura.



Publicado por Tovi às 15:41
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 22 de Setembro de 2017
Autárquicas no Porto – Duas sondagens de hoje

Sondagens evoluão 22Set2017 aa.jpg

(Na imagem estão os resultados eleitorais das duas últimas Autárquicas no Porto e a evolução das sondagens conhecidas para as eleições do próximo dia 1 de Outubro)

O Jornal de Notícias apresenta hoje uma sondagem da Universidade Católica em que Rui Moreira e Manuel Pizarro aparecem separados unicamente por um ponto percentual (34% para o actual Presidente de Câmara do Porto e 33% para o líder da candidatura do PS). As sondagens são meros indicadores (valem o que valem e o dia do voto é que é a verdadeira sondagem, costuma dizer-se) mas um descida tão acentuada da candidatura de Rui Moreira terá que ser o “tocar a rebate” entre os independentes do Porto. Amanhã teremos no Rivoli a apresentação do Manifesto Eleitoral de Rui Moreira… e temos todos que lá estar.

 

E foi agora conhecida uma outra sondagem, da Aximage para o Jornal de Negócios e Correio da Manhã, que coloca Rui Moreira à beira da maioria absoluta.

(Na imagem estão os resultados eleitorais das duas últimas Autárquicas no Porto e a evolução das sondagens conhecidas para as eleições do próximo dia 1 de Outubro, incluindo as duas de hoje)

Sondagens evoluão 22Set2017 ab.jpg

 

  Comentários no Facebook

«Eduardo Vasques de Carvalho» - Face à disparidade, só se pode concluir que uma delas ou ambas, são sondagem feitas por medida. Ou então a demência está instalada no Porto

«Pedro Baptista» - Sondagem Correio da Manhã para o Porto, da AXIMAGEM, a que se tem mostrado mais séria empresa de sondagens: praticamente 40% para Rui Moreira, cerca de 20% para Pizarro, com o PSD a esfumar-se... Por que foi o JN arranjar hoje uma sondagem da empresa que se tem mostrado mais afeta a satisfazer o gosto de quem encomenda, quando nada disso se sente na cidade?

«Antonio Jose Fonseca» - Duas sondagens publicadas no mesmo dia (JN e CM). Verdade verdadinha só mesmo no dia 1 de Outubro.



Publicado por Tovi às 09:38
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 16 de Setembro de 2017
Boavista 2 – 1 Benfica

Jorge Simão aa.jpg

Na mesma semana em que Miguel Leal se demite de treinador dos Axadrezados e vai para o Arouca (que vá pela sombra), entra no Bessa Jorge Simão, sem nenhum medo de orientar a equipa do Boavista contra o Benfica, no encontro de hoje da 6ª jornada da Liga NOS 2017/18, numa altura em que provavelmente ainda nem sabe o nome de todos os jogadores. Não só pela vitória de hoje (dois a um) mas também pela sua coragem, o novo treinador já tem o meu apoio na árdua tarefa de nos levar a uma classificação honrosa.

 

  Jornal de Notícias

Boavista derrota Benfica com reviravolta
6J- Boavista 2 x 1 Benfica aa.jpg

Renato Santos e Fábio Espinho anularam o golo de Jonas e deram estreia de sonho a Jorge Simão. O Benfica somou a segunda derrota seguida, ao sair derrotado da visita ao Estádio do Bessa, este sábado. Jonas marcou primeiro, mas o Boavista logrou a reviravolta na segunda parte. A vantagem benfiquista durou até aos 55 minutos, altura em que Renato Santos empatou, na sequência de um lançamento lateral e da passividade da defesa encarnada. O Boavista galvanizou-se e ainda beneficiou de um "frango" de Bruno Varela. O livre de Fábio Espinho não prometia perigo, mas o guarda-redes das águias deixou a bola escapar por entre as mãos para dentro da baliza.

 

Pois é!... só controlam os árbitros

6J- Boavista 2 x 1 Benfica ab.jpg



Publicado por Tovi às 20:53
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 22 de Junho de 2017
Os Homens do Presidente

Rui Moreira 20Jun2017 aa.jpg

No comment… sim, mas não vai faltar quem venha já aqui dizer cobras e lagartos.

 

   Comentários no Facebook

«João Cardoso» - Pelo menos sabemos quem são e quanto ganham. Aqui não há amigos do Presidente a trabalharem pro bono e depois serem recompensados com um tacho em qualquer empresa municipal.

«Joaquim Figueiredo» - Conheço o Dr Fernando Paulo. Excelente e dinâmica pessoa

«Manuel Carvalho» - Enquanto houver transparência, competência e amor pelo Porto, então estou tranquilo na minha escolha.

«Ze De Baião» - Cá vai uma cobra, porque os lagartos nunca serão dragões: Ninguém é super homem do Norte. Nenhum homem é superior a todas as forças políticas e à sociedade civil do Porto/Norte, como julga ou pretende fazer crer o presidente de Câmara do Porto. Ignorar todas as forças politicas e toda a sociedade civil em geral fica-lhe muito mal. Foram o conjunto de forças sociais e políticas que reabriram este processo e Rui Moreira julga-se agora o super homem que tudo conseguiu reabrir sozinho. Esse Porto de todos já não existe. Só existe mesmo o Porto de Rui Moreira. E a ser assim, é um Porto pouco ou nada inclusivo. O presidente Rui Moreira está a ter uma visão social e política muito curta ou pretenderá demonstrar a sua prepotência (ou fragilidade) sóciopolítica, ao impor uma decisão e nomeação pessoal que pretende levar à reunião de Câmara "para ratificação política", desconsiderando a proposta de criação de um grupo de trabalho representativo das forças vivas e capazes do Porto, tal como havia sido aprovado por unanimidade na última reunião. Rui Moreira aprovou uma proposta de trabalho e de participação mais alargada e agora impõe a sua prepotência pessoal só porque esta possibilidade foi reaberta pelos vereadores socialistas. Quando assim age um presidente, colocando em risco a qualidade e eficácia da candidatura, não está a defender o melhor possível a Cidade de todos, mas sim e só o seu ego pessoal. Rui Moreira afirma-se contra o centralismo, mas nem sequer consegue ver que o seu egocentrismo e a sua prepotência pode colocar em causa a vitória desta candiatura. A responsabilidade deste processo passa a ser integralmente de Rui Moreira. Se algo falhar a responsabilidade será exclusivamente sua. O PS e os socialistas do Porto devem continuar a fazer tudo para o sucesso desta candidatura, mas os portuenses devem tomar conhecimento do egocentrismo de Rui Moreira, que não consegue compreender que todas as forças políticas e a sociedade civil são de extrema importância.

«Albertino Amaral» - Se o Zé de Baião conhecesse pessoalmente a pessoa de quem tanto fala, e que pelos vistos tanto o incomoda, se consigo tivesse vivido profissionalmente e tivesse tido a possibilidade de observar o seu trabalho, a sua competência, a sua eficácia, a sua transparência, a sua seriedade e honestidade, talvez o Zé de Baião sentisse vergonha dessas atoardas que lança para o ar. Como eu compreendo o seu complexo de inferioridade…

«Mafalda Macedo Pinto» - Pode fazer um resumo José de Baião? A sua verborreia cansa me.

«Maria Helena Costa Ferreira» - Por conhecimento próprio faço minhas as palavras do Albertino Amaral!!! Claro que não ha super homens mas há - e o n/ Presidente é exemplo disso - gente muitíssimo competente, profissional e honesta!

«Ze De Baião» - Claro que há gente muito competente, profissional e honesta. Mas mau seria se não houvesse muitos outros e outras de igual e mesmo superior nível. Mas nenhum homem ou mulher faz tudo sozinho e muito menos faz tudo perfeito. Se assim pensam algo deve estar muito mal. Já agora, há falta de competência feminina a norte? Ou é tudo machista?

«Albertino Amaral» - Não seja ridículo........

«Mafalda Macedo Pinto» - E às vezes da me vontade de fazer lhe perguntas como? E os transexuais tb não contam? Eu nem vou responder a isto q até me faz náuseas

«Ze De Baião» - Cara Mafalda, até um transexual entende a discriminação de género e a história de discriminação da mulher na vida pública e política.

«David Ribeiro» - Pois é, Ze De Baião... a competência não se coaduna com as quotas de paridade.

«Ze De Baião» - Não acredito que não haja mulheres extremamente competentes a norte.

«Maria Manuel Reis» - Zé de Baião: analise os factos com mais imparcialidade... se na verdade, aquilo que escreve está de acordo com o que pensa, a meu ver está na página errada... É pena, que assim seja , pois os seus comentários por vezes são assertivos e a pluralidade de opiniões e bem vinda ...mas quando ultrapassa certos limites torna se extremamente desagradável…

«Ze De Baião» - Desagradável porquê? Não visamos um melhor norte para o norte? O norte nunca se fez com super homens ou super mulheres. Faz-se com todos nós. Com os portuenses e nortenhos em geral. Quem julgar que é superior a todas as forças vivas da sociedade ou até superior a todas as forças políticas, não está consciente de si próprio. Assisto a muita prepotência. A sociedade civil tem sempre mais força que o individualismo.

«Maria Manuel Reis» - Retirando "desagradável porquê? " subscrevo o seu comentário ..

«Manuel Carvalho» - E quando o indivíduo representa, não em gabinete, mas no terreno a vontade do Porto? Deixamos cair porque é um individuo? E ao contrário do que o Zé afirma, a história fez-se com super-homens e super-mulheres, tanto para o bem como para o mal. Recorde a história de Portugal e do mundo. A história não se faz com políticos mas com estadistas. A história faz-se quando a locomotiva sabe o trajecto e o destino, sem desvios, sem assaltos nem mudanças de linhas em obediência a quem quer mudar os destinos. Acabou por não entender mesmo o que se passou no Porto. E que se alastra a outras cidades. O mais doloroso para o regime instalado é que muitos fizeram e fazem da política carreira, mas na distância de um tempo histórico apenas vão perdurar aqueles que souberam ser Porto.



Publicado por Tovi às 09:16
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 18 de Maio de 2017
Não pode valer tudo em campanhas eleitorais

18Mai2017 aa.jpg
Em resposta a esta notícia do jornal Público, comunicou hoje de manhã a Câmara Municipal do Porto:

  Comunicado da C M Porto

Em defesa do seu bom nome e do bom nome dos seus funcionários, que agiram com todo o zelo e escrúpulo, a Câmara do Porto decidiu entregar no Ministério Público uma queixa-crime contra o jornal Púbico e contra os autores que hoje assinam um conjunto de artigos jornalísticos e de opinião naquele diário. O jornal Público foi, sobre a matéria em causa, informado por escrito pela Direção dos Serviços Jurídicos desta autarquia, pelo que não podia ter informado os seus leitores da forma que o fez, faltando à verdade. Entre um conjunto de importantes imprecisões contidas nas peças, é particularmente grave e difamatória a afirmação de que "a informação ficou fechada nos gabinetes", estando o Público informado de que tal não é verdade.

 

    A notícia de hoje no Público…
18Mai2017 ab.jpg

 

   …e o Editorial de Amílcar Correia
18Mai2017 ac.jpg 

 

   COMUNICADO DO MOVIMENTO INDEPENDENTE RUI MOREIRA: Porto, o Nosso Partido

Na sequência da publicação de um conjunto de artigos na edição de hoje do jornal Público, o Movimento Independente que suportou a candidatura de Rui Moreira à Câmara do Porto, decidiu emitir a seguinte nota:
A história que o Público de hoje conta e elabora no seu editorial fundamenta-se em pressupostos errados, graves e porventura difamatórios.

Conta-se em poucas palavras: durante 16 anos e ao longo dos três mandatos camarários anteriores, a Câmara do Porto não deu conta da existência de um duplo registo de um terreno, dando como certo que a propriedade não era sua em várias instâncias. Nesses 16 anos, apreciou vários processos urbanísticos e litigou sobre o terreno em causa, no assunto conhecido como “Selminho", sem nunca ter alegado a sua propriedade ou indagado sobre qualquer registo.
Mas, agora, na vigência do actual mandato, os funcionários camarários, actuando como lhes compete, terão identificado um erro, o que aconteceu há meio ano, e desde então terão decorrido várias diligências no sentido de salvaguardar os interesses patrimoniais da câmara. Fizeram-no, naturalmente, sem nenhuma interferência do presidente.
De tudo o que sobre a matéria é do conhecimento público, o presidente da Câmara não pode ter sido beneficiado em nada nem ter agido em causa própria a seu favor. Pela simples razão, de que de nada beneficiou.
A sua família comprou, há 16 anos, um terreno que tinha capacidade construtiva e hoje não tem. E Rui Moreira nunca usou a sua posição para reverter a situação, tanto mais que, repita-se, está prejudicado e não beneficiado. E será mais prejudicado se, porventura, ficar comprovado que o terreno é, afinal, propriedade do município.
Se assim for, quem sairá prejudicado pelas ações tomadas no presente mandato pelos serviços camarários? A empresa da família de Rui Moreira e mais ninguém.
Como se pode então questionar a atuação do presidente da Câmara, como fez o Público?
Recentemente, o jornal Expresso explicou como um partido que sustenta uma candidatura às eleições autárquicas está a desenvolver a sua “campanha suja”. Esta notícia nunca foi desmentida.
Depois de páginas de internet e emails anónimos, a campanha chegou hoje à primeira página do jornal Público. Agora com assinatura.
Bem sabemos que a campanha eleitoral, para alguns dos adversários do presidente da Câmara, não é fácil. Bem percebemos que esse adversários, bem identificados, não pretendem discutir a cidade. Resta-lhes a lama, a difamação e a insídia que visa atingir o bom nome e a honra de Rui Moreira. Não conseguirão fazê-lo.
Grupo de Cidadãos Independente Rui Moreira: Porto, o Nosso Partido



Publicado por Tovi às 09:41
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 25 de Março de 2017
Banho de Sangue em Barcelos

Bolas!... Isto anda mal cá pelo Norte.

Quem tem gente desta para que é que precisa de jihadistas?

   JN – 24Mar2017 ás 21h38

1PBV5LWX.jpgO autor confesso de quatro pessoas em S. Veríssimo, Barcelos, entre as quais uma grávida, está indiciado por quatro crimes de homicídio qualificado e de um crime de aborto. Segundo fonte da Polícia Judiciária, o detido será ouvido na manhã de sábado no Tribunal de Braga para primeiro interrogatório judicial e aplicação das respetivas medidas de coação. Adelino Briote, de 62 anos, entregou-se às autoridades depois de ter esfaqueado todas as vítimas no pescoço. As vítimas são um casal de 84 anos (ele) e 80 (ela), uma mulher de 62 anos e outra mulher de 37 anos, grávida de sete meses. "Neste caso, como a gravidez era visível, além de que o alegado agressor era vizinho da vítima e como tal saberia perfeitamente do seu estado, penso que em causa estarão um crime de homicídio e um crime de aborto", referiu a fonte da PJ. O quádruplo homicida já teria prometido vingar-se dos vizinhos que testemunharam contra ele ou que se recusaram a depor em seu abono num processo em que foi condenado por violência doméstica. "Já tinha ameaçado que se vingaria", disse o presidente da Junta de Freguesia de S. Veríssimo, João Abreu, aos jornalistas. As agressões à filha e à sogra, com um ferro, registaram-se em março de 2015. Por esse processo, o homem foi condenado numa pena de prisão de três anos e dois meses, suspensa na sua execução, ficando em liberdade. Desde então, e segundo vários testemunhos recolhidos no local do quádruplo homicídio, o homem ameaçou vingar-se quer de quem se recusou a testemunhar em seu abono, quer de quem foi a tribunal dar conta de que presenciou as agressões. O comandante do destacamento da GNR de Barcelos disse que o homem já confessou os crimes. O caso passou, entretanto, para a alçada da Polícia Judiciária (PJ).

   Expresso – 25Mar2017 ás 13h52

O suspeito do quádruplo homicídio em São Veríssimo, Barcelos, vai ficar em prisão preventiva. Este sábado, o homem foi presente ao juiz no Tribunal de Braga. Apesar de já ter confessado a autoria do massacre, agora optou por não responder a qualquer pergunta. Está indiciado por quatro crimes de homicídio.

 

Isto será uma virose que anda aí?...

[Correio da Manhã – 25Mar2017 às 16h27] - Um homem com 50 anos assassinou a mulher à facada, este sábado, em Esmoriz, Ovar. A vítima tinha 51 anos e foi morta num quadro de violência doméstica. Homicida chamou os bombeiros e já foi detido pelas autoridades. O comandante dos bombeiros de Esmoriz, Artur Ferreira, acrescentou que a vítima apresentava "ferimentos nas costas e no abdómen" que levam a crer que a agressão foi feita com uma faca. Depois de cometer o crime, o homicida terá chamado os bombeiros, que, por sua vez, alertaram as autoridades. Os bombeiros ainda tentaram fazer manobras de reanimação, mas a vítima acabou por falecer. O homem entregou-se voluntariamente às autoridades e foi, no entretanto, detido.



Publicado por Tovi às 07:22
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 7 de Março de 2017
Quem fica a perder é o Porto

Concordo plenamente com Adriana Aguiar Branco.  Perde o Porto e perde a Democracia. No meu entender todos os partidos e/ou movimentos deveriam ir a votos e depois se fariam eventuais acordos pós-eleitorais de governação autárquica. Saber o "peso" de cada um dos intervenientes é fundamental para se saber quem é quem na cidade do Porto.

 

   JN de 6Mar2017

imageGV3OMJLL.jpgQuem fica a perder é o Porto
Há quatro anos, apoiei a candidatura de Rui Moreira a presidente da Câmara do Porto. Integrei mesmo, com gosto e convicção, a lista à Assembleia Municipal do movimento independente - O meu partido é o Porto - encabeçada por Daniel Bessa, facto de que não me arrependo. Hoje, continuo a apoiá-lo, porém, como é óbvio, nem Rui Moreira é perfeito e dono da verdade, nem quem o apoia, mormente se tem pensamento próprio, está certamente sempre de acordo com ele. (...) Assim sendo, e por maioria de razão, custa-me a compreender por que motivo os partidos ditos do arco da governação, no que respeita às próximas eleições, aos costumes autárquicos tenham optado por dizer nada ou quase nada. O PP e o seu cada vez menos expressivo grupinho local, a quem nos bastidores e à boca pequena ouvi criticar o "estilo" do presidente e o seu entendimento perfeito com o PS, perdeu a grande oportunidade de se emancipar e mostrar o que vale nas urnas. (…) Fez mal, devia ter seguido o corajoso exemplo da sua líder nacional. Assim está condenado a ser cada vez mais irrelevante. O PS, que, diga-se em abono da verdade, apenas através do esforço de coordenação leal e inteligente do vereador Manuel Pizarro tem conseguido cumprir o acordo pós-eleitoral firmado com o movimento independente, optou por silenciar os críticos e demitiu-se completamente da obrigação que se lhe impunha de ir a jogo, apresentar o seu próprio projeto para a cidade e sufragá-lo nas urnas. (…) Fez mal, pois esperar exercer o poder sem sequer ter ido a votos é querer importar para o Porto uma "engenhoca" do tipo da "geringonça" que governa o país, mas de legitimidade ainda mais duvidosa. O PSD desbaratou uma vez mais a oportunidade de se afirmar como alternativa, ao apresentar um candidato faz-de-conta, que politicamente vale zero e se vai deixar instrumentalizar pelo pior do que resta do PSD do Porto, como se viu na primeira entrevista em que se deu a conhecer e que o assassinou à nascença. Fez mal porque o partido perdeu ainda mais credibilidade e a força que precisava para se reinventar. Honra ao PCP que, corajoso e coerente, apostou forte ao escolher uma mulher para candidata e ademais com vasta experiência política. (…) O pior é que, no final, quem mais vai perder é o Porto, ao ver o debate e reflexão sobre a cidade empobrecidos, porque limitado ao quase pensamento único do movimento independente, o que em democracia é sempre perigoso e redutor. O único vencedor será, pois, e de facto, Rui Moreira, mas a sua folgada vitória não terá o brilho merecido. Ficaremos sempre sem saber qual o peso e o valor em votos daqueles que a ele se atrelaram, e é pena.

Artigo completo aqui.

 

   Comentários no Facebook

«João Pedro Maia» - É um pau de dois bicos... acontece o mesmo no FCP... o melhor? União em torno do Porto.

«Alfredo Oliveira» - Rui Moreira deve levar o seu projecto de independente até ao fim. Foi assim que ganhou as eleições de forma inequívoca. Porto à frente. Acho Manuel Pizarro uma pessoa ambígua e apenas com a função de controlar a governação e prestar contas ao diretório do seu partido de lisboa.

«José Camilo» - Concordo. Já se deveria ter "destacado".

«Mafalda Macedo Pinto» - Não percebo aonde este artigo quer chegar. Quer dizer o q? Q esteve na lista por Daniel Bessa? Ainda apoia afinal quem? Despreza o cds, acha o LÍDER DO PS inseguro e do psd nem percebi. Rui Moreira é humano e tem falhas . É óbvio. O seu texto para mim é ambíguo. Ou eu sou muito pouca esperta. Esclareça-me. Afinal apoia quem? Daniel Bessa saiu de jogo e a meu ver bem. Não se pode servir a gregos e a troianos. Pode clarificar a opinião publica da qual eu faço parte? Apoia quem inequivocamente? Ou é sou tecto para ser lido e não compreendido?

«Maria Helena Costa Ferreira»concordo! também não entendi a "finalidade" deste texto! tirando o facto de ela mencionar ter estado na lista de Daniel Bessa... não compreendo...

«David Ribeiro» - A mim parece-me claro que o texto da Adriana Aguiar Branco reflecte a opinião, que eu partilho, de ser muito mais interessante para o Porto todos os movimentos e/ou partidos irem a votos e só depois de se saber o "peso" de cada um dos intervenientes se fariam eventuais acordos pós-eleitorais de governação autárquica.

«Mafalda Macedo Pinto» - Poderá ser isso mas a ser, não é de todo claro. Para mim, pelo menos.



Publicado por Tovi às 09:37
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017
A quererem ganhar na secretaria

Eleiçoes 01.jpg

A notícia é de 23 Junho 2016... mas o excelente texto do Pedro Baptista é de agora, fresquinho que nem uma alface.

 

    Pedro Baptista no Facebook

O primeiro capítulo de um Embuste chamado Presidente do PS/Porto! Isto foi em Junho de 2016. O PS apresentou agora uma proposta de alteração que não altera abso...lutamente nada. Para a recolha de assinaturas a lista tem de ser apresentada completa, ou seja sem alteração da lei. A alteração-farsa é que um terço dos seus titulares da lista podem ser alterados posteriormente. Um embuste para os cidadãos, num embuste do PS às candidaturas independentes, que os partidos que estão no parlamento querem impedir de concorrer em condições de igualdade. Sim, eles já perceberam que só com recurso a golpes sujos e a truques de ditadura se podem aguentar nos lugares onde os cidadãos não os querem mais...

 

   JN em 23Jun2016

Presidente do PS/Porto assegura que legislação será revista antes das autárquicas de 2017. Revisão é uma reivindicação dos autarcas independentes.
O PS vai apresentar uma proposta de revisão da lei eleitoral dos órgãos das autarquias locais até ao final do ano, no sentido de "facilitar a burocracia" às candidaturas dos movimentos de cidadãos independentes já em 2017. Essa alteração é uma reivindicação dos autarcas independentes e pode condicionar a recandidatura de Rui Moreira à Câmara Municipal do Porto, como avançou o JN.
A garantia de que existirá uma proposta por parte dos socialistas foi dada esta quarta-feira, ao JN, por Manuel Pizarro, presidente da Federação Distrital do PS/Porto. "A alteração da lei é um teste à seriedade dos partidos políticos que dizem defender a participação dos cidadãos independentes na vida política. Não alterar a lei seria um dramático sinal de hipocrisia. O PS será o primeiro partido a fazer questão de promover a alteração daquilo que é uma precisão legal", assegura o ex-dirigente socialista e vereador no Executivo camarário do Porto.



Publicado por Tovi às 08:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 8 de Dezembro de 2016
Porto e Benfica continuam na Champions

UEFA Champions League 2016-17.jpg

O Benfica perdeu por dois a um com o Nápoles, mas garantiu o segundo lugar no grupo B; O Futebol Clube do Porto pregou cinco a zero ao Leicester, ficando em segundo lugar no grupo G; O Sporting perdeu por um a zero com o Legia e ficou em último lugar no grupo F. E assim só o Benfica e o Porto, entre as equipas nacionais, garantiram a passagem aos oitavos-de-final da UEFA Champions League.

Vencedores da fase de grupos: Arsenal (ENG), Atlético (ESP), Barcelona (ESP), Dortmund (GER), Leicester (ENG), Juventus (ITA), Mónaco (FRA), Nápoles (ITA).
Segundos classificados na fase de grupos: Benfica (POR), Bayern (GER), Leverkusen (GER), Manchester City (ENG), Paris (FRA), Porto (POR), Real Madrid (campeão, ESP), Sevilha (ESP).

 

   Jornal de Notícias

F. C. Porto esmaga Leicester e chega aos oitavos da Champions
Vitória por 5-0 com uma enorme exibição de Corona e André Silva.
O F. C. Porto garantiu o apuramento para os oitavos de final da Liga dos Campeões graças a uma vitória expressiva sobre o Leicester, por 5-0, num dos jogos mais bem conseguidos da temporada.
À passagem da meia hora já os dragões venciam por 2-0, com golos de André Silva e Corona, até Brahimi ampliar a vantagem antes do intervalo.
A equipa de Nuno Espírito Santo assinou uma exibição cheia de intensidade diante de um campeão inglês muito desfalcado, sem os principais titulares, que raramente importunou a baliza à guarda de Casillas.
No segundo tempo, os dragões mantiveram a mesma intensidade e André Silva ampliou a vantagem de penálti, antes de Diogo Jota assinar o quinto golo.



Publicado por Tovi às 08:23
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 4 de Dezembro de 2016
A queda do avião da Chapecoense

A queda do avião da Chapecoense Nov2016.jpgAinda não está terminada a investigação ao acidente do voo da LaMia que transportava para a Colômbia a equipa brasileira de futebol do Chapecoense, na madrugada da passada terça-feira, causando a morte a 71 pessoas (22 jogadores, 22 dirigentes, membros da equipa técnica e convidados, 22 jornalistas e nove tripulantes), tendo sobrevivido três jogadores, dois tripulantes e um jornalista, mas já estão perfeitamente apurados os azares e más decisões que contribuíram para a queda deste avião.

 

   JN 12Dez2016

Autoridades confirmam que avião da Chapecoense não tinha combustível quando caiu
Ao que já foi apurado, o avião pilotado pelo boliviano Miguel Quiroga, que tinha partido da Bolívia em direção a Medellin, Colômbia, seguia no limite da capacidade de combustível, com autonomia para percorrer três mil quilómetros, quando o voo era de 2.985 quilómetros. Nas gravações de áudio - entretanto tornadas públicas - entre o piloto da aeronave e a torre de controlo de Bogotá, o profissional só alertou para uma situação de emergência às 21.45 horas, ou seja, quinze minutos antes da suposta hora de chegada. Uma atitude "negligente", na opinião do diretor da Aviação Civil da Colômbia, Alfredo Bocanegra. Por isso mesmo, especialistas em segurança aérea acreditam que o piloto do LaMia tenha, de forma "irresponsável", adiado o procedimento até ao último momento, de forma a evitar penalizações, comuns em casos de falha de combustível.

Falta de autonomia
A aeronave em que seguia a equipa da Chapecoense tem autonomia para 4.22 horas de voo, o equivalente a três mil quilómetros à velocidade de cruzeiro de 801 km/h. Calculando a rota entre Santa Cruz de la Sierra e Medellín, o voo deveria percorrer 2985 quilómetros, calcando, assim, o limite da autonomia. Quando caiu em Cerro Gordo, a 30 quilómetros de Medellín, no município de La Unión, o avião já tinha percorrido quatro horas e 15 minutos, restando-lhe apenas 15 minutos de reserva. De acordo com códigos internacionais de segurança, os pilotos devem ter no mínimo 30 minutos de combustível além do necessário o que, ao tudo indica, não aconteceu.

Prioridade de aterragem de outro avião
À falta de autonomia, o piloto de aviação comercial e especialista Carlos Camacho junta outro fator para a tragédia: um avião da VivaColombia pediu prioridade de aterragem "como medida preventiva", imediatamente antes do avião da LaMia. Seguindo o procedimento padrão, o piloto Miguel Quiroga voou em círculos enquanto aguardava pela pista, mas já era tarde. O avião perdeu altitude e acabou por cair. Este imprevisto poderá ter encurtado a margem de erro que, por si só, já era curta.

Velocidade do avião da LaMia
Para o especialista em aviação civil Lito Sousa, que falou à "Folha de São Paulo", a velocidade da aeronave, 263 quilómetros por hora, era mais reduzida do que a habitual num voo regular, sendo apenas justificada numa grande aproximação a uma pista de aterragem, o que não era o caso, visto que, na altura do acidente, o aeroporto de Medellín ainda estava a 30 quilómetros de distância.

A companhia aérea fez quatro voos no limite do combustível em seis meses
A falta de autonomia do avião acidentado, apontada como a causa provável da tragédia, já tinha ocorrido quatro vezes nos últimos seis meses, sendo que, nesses casos, as viagens superaram o tempo de autonomia do avião.

Miguel Quiroga já tinha feito o trajeto inverso com tempos de duração superiores
Entre agosto e novembro deste ano, Quiroga já tinha feito três vezes o trajeto inverso ao de esta terça-feira, ou seja, entre Medellín e Santa Cruz de la Sierra. Segundo o Diário Catarinense, que transcreve os dados do "Flightradar" - site especializado em tráfego aéreo -, em todas as viagens, o tempo de duração foi igual ou superior ao que a companhia informou nos seus planos de voo como limite de autonomia do avião.

Funcionária do aeroporto alertou tripulação para falta de combustível antes da descolagem
Uma funcionária da Administração de Aeroportos e Serviços Auxiliares de Navegação Aérea da Bolívia (Aasana) analisou o plano de voo e alertou a tripulação do avião da LaMia para o facto de o combustível ser insuficiente, ao perceber que o tempo de voo entre Santa Cruz de la Sierra (Bolívia) e o aeroporto de Medellín (Colômbia) era igual ao da autonomia de combustível do avião, 4.22 horas. Em resposta ao alerta e ao pedido de elaboração de plano alternativo, um representante da LaMia disse que havia falado com o piloto do avião e que conseguiriam fazer o trajeto em menos tempo. A funcionária, que tinha poderes para impedir o voo, foi afastada do cargo, informa a brasileira "Globo".

Piloto era dono da companhia
Além de piloto do avião, Miguel Quiroga era um dos dois sócios da microcompanhia aérea LaMia, que tinha apenas 15 funcionários, entre parentes e amigos, avança a "BBC". A empresa venezuelana tem outros aviões, mas este era o único que poderia voar, visto que os restantes se encontravam em reparações técnicas.

Filho do copiloto diz que avião não reabasteceu por causa de atraso
A LaMia não está autorizada a voar no Brasil, pelo que a Académica Chapecoense viajou num voo comercial de S. Paulo, no Brasil, para Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, de onde seguiriam, em "charter", para a Colômbia. Em entrevista ao site boliviano "El Deber", Bruno Gómez, de 18 anos, filho do copiloto Ovar Goytia, disse que o plano inicial era que o avião parasse na cidade de Cobija, norte da Bolívia, para reabastecer antes de seguir para Medellín. Mas um atraso no voo comercial que transportou a equipa de futebol de São Paulo até à Bolívia terá ditado a decisão de abastecer completamente o avião, evitando, assim, escalas até ao destino, dado que o aeroporto de Cobija não tem iluminação capaz de permitir aterragens noturnas.

Escolha da companhia aérea
A direção da Chapecoense reforçou na manhã desta quinta-feira que os critérios para a escolha da LaMia foram absolutamente técnicos, entre eles "a qualidade da aeronave, a mesma utilizada pela família real britânica, com todas as condições de segurança e conforto necessárias para viagens de curta e média distância." O representante do clube, Andrei Copetti, explicou ainda que o contacto inicial para a viagem do clube partiu da própria companhia aérea, experiente no transporte de equipas de futebol. "Eles procuraram-nos e ofereceram os seus serviços, e depois analisamos o custo benefício", explicou à imprensa brasileira. 



Publicado por Tovi às 09:00
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 17 de Outubro de 2016
E já lá vai uma semana

JN 17Out2016.png

Ao fim da tarde de hoje a PJ encontrou nos arredores de Vila Real o Opel Astra branco que Pedro Dias tinha roubado em Arouca, após ter sequestrado e amordaçado a proprietária de uma residência e o vizinho que tinha sido alertado pelos gritos da senhora.



Publicado por Tovi às 21:44
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 3 de Junho de 2016
Grande Conferência Jornal de Notícias

imageV5I7WMSU.jpg

Teve lugar ontem, no Mosteiro de São Bento da Vitória, no Porto, a conferência comemorativa dos 128 anos do Jornal de Notícias - Celebrar o passado e inspirar o futuro – levando a debate o tema "Descentralização - Pedra Angular da Reforma do Estado". Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República, apadrinhou este evento, onde ex-governantes e estudiosos da descentralização foram convidados a debater os desafios do poder local e os caminhos para uma efectiva descentralização política e administrativa.

 

  Marcelo não morre de amores pela Regionalização

Marcelo Rebelo de Sousa tem dúvidas sobre a eleição directa do presidente das áreas metropolitanas do Porto e de Lisboa – Na abertura da grande conferência JN sobre a descentralização como pedra angular da reforma do Estado, o chefe de Estado português sublinhou que entende haver um "consenso nacional" alargado em torno da eleição dos responsáveis das comissões de coordenação e desenvolvimento regional (CCDR) do país, passando a ser "eleitos pelos municípios, em vez de serem nomeados pelo Estado. É um passo importante, no sentido de ir ao encontro de realidades regionais baseadas nas regiões plano", ou seja, Norte, Centro, Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo e Algarve. Mas no entanto, não arrisca falar em consenso e coloca várias dúvidas em torno da eleição directa dos presidentes das áreas metropolitanas do Porto e de Lisboa. "Aí é preciso que a lei seja muito clara para dizer como é que as áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto se sobrepõem às CCDR do Norte e de Lisboa e Vale do Tejo. Deixam de pertencer? Que poderes é que terão? Os poderes serão repartidos ou não são? A resposta a estas questões é muito importante, não apenas para que o sistema funcione bem, mas para que não haja problemas de atrito entre os presidentes das câmaras, das CCDR e das áreas metropolitanas", sublinhou o chefe de Estado, certo de que é "importante" definir o "estatuto das áreas metropolitanas".

  Comentários no Facebook

«José Camilo» >> Ouvi com alguma atenção o seu discurso sobre a "descentralização" e rapidamente, se o conheço minimamente bem como homem esperto/inteligente, senti que ele estava a começar a colocar um provável "comboio" regionalista em movimento. Ou seja, penso que o senhor não será tão antiregionalista como poderia pensar.

«David Ribeiro» >> Mas a mim pareceu-me que ele quer é um "regionalismo" nomeado pelo Terreiro do Paço... ou seja, uma "descentralização" feita unicamente por e para centralistas.

«Jose Riobom» >> .....enfim e como sempre é preciso que tudo mude para que tudo fique na mesma… ainda bem que lá não fui perder tempo já que hoje ....outros valores mais altos se alevantam....

«Adao Fernando Batista Bastos» >> Marcelo é um "dois em um", uma no cravo outra na ferradura, um equilibrista que gosta de agradar a todos! Mas sem rupturas e a assunçao clara do que se pretende e/ou apoia... Senão, não, fica tudo na mesma ou pouco muda...

«Francisco Sousa Fialho» >> Não penso que esta ideia da nomeação do presidente da CCDR pelos presidentes de Câmara seja interessante. Parece- me um logro para adiar a necessária regionalização.

«Avelino Oliveira» >> ...é mouro ...só pensa no harem..

«Jovita Fonseca» >> Que esteja atento… e tome a melhor decisão!

«Joaquim Pinto da Silva» >> Esperava é que dissesse, pelo menos, os presidentes da CCDR passam a Secretários de Estado... pelo menos clarificava a quem serviam.

«Pedro Simões» >> Atente-se ao caso mais recente... da exoneracao do presidente da CCDR. Com eleicao isto nao poderia acontecer, por outro lado isto aconteceu porque o governo andou a negociar sem lhe dar cavaco (segundo ele alega) - se o governo o pode ultrapassar enao isso significa que ele nao tem poderes reais.Quem quer eleger alguem sem real poder? Nao percebo estas propostas 'consensuais'... Ainda por cima eleitos indirectamente? Isto é do genero de eleger o Presidente da Associacao Nacional de Municipios, mas a nivel regional? Querem comparar o 'sindicalista' dos municipios a um primeiro ministro. Estou a falar de forma ligeira sobre o assunto - mas à primeira vista nao percebo nada...



Publicado por Tovi às 08:37
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 18 de Março de 2016
A caminho da Regionalização… será?

Regionalização Pizarro 18Mar2016.jpg

Gostei de saber o que pensa Manuel Pizarro... ´Bora lá rumo à Regionalização.

 Notícia do JN

 

  Comentários no Facebook

«Pedro Baptista» >> Ó, David, com este ou com estes, só para me fazer rir! Utilizam o desejo portuense da regionalização para mera promoção pessoal. Traíram sempre, assim continuarão! Não seremos nós a alimentar estas mistificações! Ou seremos? Que tem a descentralização da tanga do Costa a ver com a regionalização ou qualquer regionalização? Nada. Zero ponto zero. A aldrabice de sempre, nada mais!

«David Ribeiro» >> Eu também tenho sérias dúvidas que a "descentralização" que nos anunciam vá dar à Regionalização como eu a entendo, mas deixe-me ter esperança, amigo Pedro Baptista.

«Raul Vaz Osorio» >> Uma coisa é a descentralização do Costa, outra coisa é a regionalização do Pizarro. Até me pode vir a desapontar, mas tenho o meu amigo e colega Manel Pizarro por homem sério.

«Isabel Barbosa» >> Concordo inteiramente, a não ser assim nunca irá haver equilíbrio nas várias regiões do país

«Jovita Fonseca» >> Sim à descentralização/regionalização...! Não à politização...!

«Raul Vaz Osorio» >> Não é possível uma coisa sem a outra, ou é?

«Jovita Fonseca» >> Parece que vem por arrastamento...!

«Paulo Ferreira» >> sempre para a frente !!! ja se luta a anos pela Regionalização

«Guimaraes Jose» >> David Ribeiro, o que é isso de regionalizar?

«Raul Vaz Osorio» >> É cumprir um imperativo constitucional, sempre adiado.

«Isaura França» >> um imperativo de bruxelas, isso sim, e já vamos na NUT III

«Raul Vaz Osorio» >> Não diga disparates, minha senhora, com todo o respeito.

«Isaura França» >> não são disparates, se não sabe informe-se, só isso. Regulamento (CE) n.º 1059/2003 do Parlamento Europeu e do Conselho de 26 de Maio de 2003[2] .

«Raul Vaz Osorio» >> A constituição é de 75 e o imperativo também, informe-se a senhora. Eu, ao contrário de si, pela amostra presente, costumo saber do que falo.

«Guimaraes Jose» >> Desculpem lá a minha ignorância, e já "vejo política desde o tempo de Humberto Delgado, e continua-se a inventar silogismos, se regionalizar é sinónimo de mais directorias, mais secretarias, mais Business, no fundo será criar mais postos de trabalho inócuo, mais despesa para o desgraçado do contribuinte,mas abram lá o tal livro da regionalização, e os custos daí inerentes, e eu concordarei ou não. Sofócles dizia: "Não conspira quem nada ambiciona,

«David Ribeiro» >> A Regionalização está na Constituição desde que há democracia em Portugal e embora tenham "inventado" todo o articulado que nos dias de hoje torna praticamente impossível a sua implementação, ela continua escrita na Lei Fundamental de Portugal. E não deve ser por acaso que só nós é que não estamos regionalizados. Se a Regionalização vai ser "mais despesa" e/ou "mais Jobs for the Boys" só dependerá de nós e de em quem colocamos o papelinho nas eleições.

«Margarida Leão» >> ainda bem...

«Isaura França» >> não aceito estas directivas arbitrárias de bruxelas á revelia do povo português, mas são os politicos que temos, e é isto que temos...

«Raul Vaz Osorio» >> Minha senhora, repito, com respeito que se vai desgastando, não diga disparates! Quais directivas de Bruxelas, qual quê! A regionalização, além de estar na constituição desde 75, é um anseio da maioria das forças vivas do Norte e algo que é absolutamente essencial para o desenvolvimento da região e do país. Nao tem nada a ver com regulamentos de Bruxelas, sejam eles dos bons ou dos maus. Esse tipo de ruído é apenas ignorância ou demagogia.

«Fernando Kosta» >> QUE LINDA CORTINA DE FUMO: já percebemos no que vai dar. Até parece encomenda.... Não acredito!

«Vítor Carla Sequeira» >> Regionalização só com Lideres, com Políticos que se Fod@£ eles mais algo que possam fazer.



Publicado por Tovi às 17:37
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Setembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Posts recentes

O lixo na cidade do Porto

Rendas altas no Porto

Regionalização... a prome...

Autárquicas no Porto – Du...

Boavista 2 – 1 Benfica

Os Homens do Presidente

Não pode valer tudo em ca...

Banho de Sangue em Barcel...

Quem fica a perder é o Po...

A quererem ganhar na secr...

Porto e Benfica continuam...

A queda do avião da Chape...

E já lá vai uma semana

Grande Conferência Jornal...

A caminho da Regionalizaç...

Descentralização de compe...

Cheia no Rio Douro

Mau tempo no Norte

Carta de José Sócrates ao...

O turista do destino Port...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus