"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Terça-feira, 23 de Maio de 2017
Explosão no Manchester Arena faz 22 mortos

naom_59236cebcec20.jpg

À hora que escrevo este texto [10h10 de 23Mai] parece já não haver dúvida que foi um bombista-suicida que provocou a explosão no local onde decorria ontem à noite o concerto da cantora norte-americana Ariana Grande, sendo crianças e jovens a maioria do público que se encontrava nesta sala de espectáculos de Manchester.

Estou em crer que este tipo de “incidentes” se vão tornar o dia-a-dia das grandes cidades europeias e, pior do que tudo, irão acabar por se tornar banais, seguramente um calamidade que afectará de forma ainda imprecisa a nossa civilização ocidental.

 

  Comentários no Facebook

«Nuno Morgado» - Já o disse noutro local que as democracias tem de entender que há indivíduos e grupos com que é preciso ter "um diálogo" que eles entendam. A democracia e a civilização que lhe está subjacente tem de saber interpretar sem fatalismos. Há que saber atuar quando os limites são ultrapassados e prevenir para que a liberdade se mantenha dentro desses limites.

«Maria Vilar de Almeida» - O Mundo Ocidental Europeu SOBREVIVEU ao IRA e à ETA... vai também SOBREVIVER a esta cambada... temos é de DIMINUIR os estragos EM VEZ de os ALAVANCAR... SEM o conluio actual de TODOS os políticos europeus!!

«David Ribeiro» - O IRA e a ETA tinham objectivos mais do que definidos… estes “terroristas” de agora não sei se estarão perfeitamente “enquadrados” política, social e até religiosamente falando.

«Gonçalo Graça Moura» - Então não têm objectivos definidos? É um acto de guerra inspirador de medo e subserviência a uma determinada religião e aos membros da casta...

«David Ribeiro» - “Eles” estão cá dentro… e sempre estiveram. Não deveremos esquecer que no dia 7 de Julho de 2005 no centro de Londres, houve quatro explosões em menos de uma hora, atingindo três composições do metro (London Underground) e um autocarro de dois andares da London Buses. No final das operações de emergência foram contabilizados 52 mortes (mais os quatro autores) e cerca de 700 pessoas feridas. Os quatro suspeitos eram de origem paquistanesa, mas nascidos na região de Leeds, no norte da Inglaterra.

«Isabel Taborda Oliveira» - E a venda de armas é mais importante do que a vida dos inocentes ....

«David Ribeiro» - Ora aí está uma verdade muitas vezes esquecida, minha querida amiga Isabel Taborda Oliveira.

«Isabel Taborda Oliveira» - Mas ninguém fala nisso e quando é um atentado aqui na Europa toda gente lamenta e todos os outros milhares que são mortos ??? Eu lamento profundamente TODOS os atentados e TODAS as VÍTIMAS inocentes

 

  17h26 de 23Mai

A polícia de Manchester confirmou, em conferência de imprensa, que o autor deste ataque cobarde foi Salman Abedi, nascido em Manchester em 1994, segundo mais novo de quatro irmãos, filhos de cidadãos líbios que fugiram do regime do ditador Muamar Kadafi. Já estava referenciado por ligações à Frente alNusra (Al-Qaeda) e mais recentemente a grupos jiadistas da Líbia.



Publicado por Tovi às 10:29
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 3 de Janeiro de 2017
Afinal o que aconteceu ao Bolama?

Segundo as melhores teorias da conspiração o naufrágio do Bolama em 4 de Dezembro de 1991 teria sido obra da Mossad, serviços secretos israelitas, para impedir que a carga de urânio e armas vinda de uma ex-república soviética, que o navio transportava de forma dissimulada, chegasse à Líbia. A verdade é que um quarto de século depois o arrastão continua afundado a 130 metros de profundidade, entre o cabo Raso e o cabo Espichel, mas o caso ganhou agora novos contornos na justiça portuguesa, como nos relata o jornal Público de hoje, num trabalho de Ana Henriques.

 Bolama 3Jan2017.jpg
Bolama: Ministério Público descartou hipótese de sabotagem - Estado português teve de pagar a família que fez queixa no Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. (...) Quando foi comprado por uma sociedade luso-guineense de que fazia parte o empresário Salvador Caetano, no início dos anos 90, o arrastão já levava 22 anos de vida no mar e sofrera alterações de vulto em estaleiros navais, incluindo no do Seixal. Foi precisamente para testar algumas delas que naquela manhã saiu da barra de Lisboa, em direcção a um local próximo, onde esperava encontrar pesca. Com a tripulação seguiam alguns convidados: o genro de Salvador Caetano convidara na véspera António Alegria para uma almoçarada a bordo. Aos convivas tinha-se juntado ainda um dinamarquês das suas relações.
Apesar de as condições meteorológicas e do mar serem boas a saída não foi pacífica, como relata o jornalista Jorge Almeida num dos dois livros que dedicou ao assunto, intitulado O Mistério do Bolama – Acidente ou Sabotagem?: a Polícia Marítima intercepta o navio por não ter sido entregue na capitania nem o rol dos tripulantes nem outra documentação da praxe. O arrastão acaba por seguir viagem “em situação irregular”.
“A última comunicação do Bolama terá sido efectuada cerca das 13h30. Depois só existe silêncio. Um estranho e absoluto silêncio”, descreve Jorge Almeida. Nunca foi recebido nenhum pedido de socorro e nenhum dos meios de salvamento existentes a bordo – “duas balsas salva-vidas, um bote de borracha e várias bóias” – foi encontrado, descreve o jornalista. Todos os passageiros desapareceram, mas apenas foram encontrados os corpos de oito deles – e sem os coletes insufláveis vestidos.
Após dez dias de buscas infrutíferas em águas portuguesas, um avião da Força Aérea e uma fragata da Marinha rumam a Cabo Verde. A filha de Salvador Caetano havia de contar mais tarde que fora uma vidente russa que consultou quem lhe assegurou que era aí que se encontrava o Bolama, tendo transmitido essa informação às autoridades. Foi por esta altura que começaram a surgir as notícias que davam conta da carga secreta.
Oficialmente, o porão iria cheio de electrodomésticos dos pescadores, que teriam Bissau como destino. Mas ainda hoje há quem continue a acreditar que aquilo que lá havia eram armas e urânio, como Joaquim Piló. Dirigente de um sindicato de pescadores, foi dos que mais se bateram para que as famílias das vítimas fossem indemnizadas. Ainda se recorda dos telefonemas anónimos que recebeu na altura por causa disso: “Diziam: ‘Põe-te à tabela’”.
Só dois meses após ter desaparecido o navio foi encontrado, pousado direitinho no fundo do mar. Contraditórias entre si, as peritagens efectuadas nunca permitiram apurar o que se passou ao certo. Apesar de tudo, provou-se que o Bolama tinha perdido estabilidade para navegar depois de todas as modificações em estaleiro a que havia sido sujeito. Avançou-se ainda que teria havido uma avaria nas válvulas do fundo do arrastão, que não estariam bem fechadas. Trata-se de um mecanismo que, quando se abre, permite a entrada instantânea da água.
Nas circunstâncias em que se afundou, sem tempo para um aviso de socorro, sem ninguém ter visto um abalroamento, e tendo caído a direito no fundo do mar, só pode ter sido uma coisa repentina, como um problema nas válvulas de fundo", aventou o almirante que participou nas tarefas de localização e identificação do arrastão, 15 anos mais tarde.
Depois havia a intrigante questão do buraco oval e picotado no casco do barco, captado por câmaras subaquáticas. “É até hoje uma das principais bandeiras daqueles que defendem que por detrás do naufrágio existiu uma acção criminosa. Mas a minha investigação concluiu que a abertura já existia pelo menos nove meses antes do naufrágio”, escreve Jorge Almeida no seu livro.
O facto de nunca ter havido esforços, por parte do Governo, para resgatar o Bolama – o que poderá ser explicado pelo menos em parte com os custos que isso implicaria, muito embora os dinamarqueses se tenham oferecido para ajudar a custear a operação – contribuiu para adensar um mistério que criou uma incomodidade diplomática: iniciadas quando Durão Barroso tinha a pasta dos Negócios Estrangeiros e repetidas quando António Vitorino assumiu a pasta da Defesa, as tentativas do Estado dinamarquês para serem efectuadas mais diligências no sentido de apurar o sucedido foram infrutíferas. António Guterres chegou a prometer, na campanha eleitoral para primeiro-ministro, o apuramento das circunstâncias em que se deu o naufrágio. Na realidade, ninguém o conseguiu fazer cabalmente até hoje.



Publicado por Tovi às 09:32
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 23 de Dezembro de 2016
Avião líbio com 118 pessoas a bordo sequestrado

Líbia avião desviado 23Dez2016 aa.jpg

Ainda pouco se sabe neste momento [12h00 em Portugal Continental] mas tudo aponta para que um Airbus A320 de um voo doméstico líbio da Afriqiyah Airways, com 118 pessoas a bordo, tenha sido tomado por um sequestrador que o desviou para Malta e que está a ameaçar fazer explodir o avião.

 

  Expresso, 13h50 de hoje

Sequestradores de avião líbio já foram detidos - Foram detidos os dois sequestradores do Airbus A320 da Afriqiyah Airways, que foi desviado esta sexta-feira de manhã para o aeroporto de La Valetta, em Malta, e foram retirados do aparelho os últimos membros da tripulação, segundo as informações divulgadas pelo primeiro-ministro do país, Joseph Muscat, que tem estado a avançar informações sobre a operação a partir da sua conta do Twitter. Os dois sequestradores têm cerca de 20 anos e, de acordo com o presidente da Câmara de Sebha, Hamed al-Khayali, estavam armados com granadas que ameaçavam detonar caso não lhes fosse concedido asilo político. O ministro dos Negócios Estrangeiros do governo de União Nacional líbio, Taher Siala, indicou que os dois homens queriam também anunciar a criação de um partido político pró-Khadafi. O aparelho efetuava um voo doméstico na Líbia - saíra da cidade de Sebha, no sul do país, às 8h10 de Lisboa, com destino a Trípoli -, quando foi desviado pelos dois sequestradores. O piloto tentou aterrar na Líbia, mas foi obrigado a desviar a rota. Aterrou em La Valetta cerca das 10h30. Entre as 118 pessoas que se encontravam a bordo, 111 eram passageiros (82 homens, 28 mulheres e uma criança) e os restantes eram membros da tripulação.



Publicado por Tovi às 12:08
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 22 de Agosto de 2015
Não são migrantes... são Refugiados

Migrantes vs Refugiados Ago2015.jpg

Sim!... Sem dúvida que é mais correcto chamar-lhes Refugiados do que continuarmos a considerar como migrantes esta gente da Síria, Afeganistão, Iraque, Líbia, Eritreia e Somália que todos os dias arriscam a vida no Mediterrâneo para poderem fugir da barbárie.

 

  Comentários no Facebook

«António Lopes» >> Será que não se podia absorver estes seres-humanos? O Interior de Portugal está despovoado, ausente de massa crítica, uma das formas de o repovoar poderia ser com estes refugiados!

«David Ribeiro» >> Convém não esquecer que por definição REFUGIADO é toda a pessoa que, em razão de fundados temores de perseguição devido à sua raça, religião, nacionalidade, associação a determinado grupo social ou opinião política, encontra-se fora de seu país de origem e que, por causa dos ditos temores, não pode ou não quer regressar ao mesmo, ou que devido a grave e generalizada violação de direitos humanos, é obrigado a deixar seu país de nacionalidade para buscar refúgio em outro país.

«Mario Reis» >> Antonio seria lindo fazer isso se tivessemos capacidade, Economica; Sociologica; Voluntariado; etc,etc x n.... Que senao seria espalhar covas da moura pelo pais.

«Joaquim Leal» >> Óh António Lopes, com todo o respeito pelo amigo mas acho que povoar o interior abandonado seria mais eficaz fazendo filhos e que o estado passe em ali investir, sobretudo não retirando serviços essenciais às populações locais. Para fazer um acampamento qualquer sítio dá, até no litoral. Depois esse pormenor da falta de "massa critica" é o que não deve faltar a muitos dos refugiados. wink emoticon

«Mario Reis» >> Eu estou disponível para fazer filhos... encontrem-me fêmeas em ciclo produtivo e pelo menos tento! Pois ter filhos não é assim tão simples...

«Joaquim Leal» >> O Mario Reis quer tudo dado e arregaçado eh eh eh grin emoticon

«David Ribeiro» >> As últimas notícias [Lusa – 18h48 de 22Ago] dizem-nos que várias centenas de refugiados da guerra na Síria romperam este sábado as linhas policiais macedónias na fronteira com a Grécia, tendo obrigado as autoridades deste país balcânico a usarem granadas de ruído para conter aqueles que desejam atravessar a Macedónia, Sérvia e Hungria para chegar ao norte da Europa.

«Joaquim Leal» >> Vi na televisão, foi lindo o que se viu...

«José Costa Pinto» >> Interessante que estes refugiados, a 'fugir à barbarie', como diz o David Ribeiro, não se instalem nos países contíguos, como fazem os refugiados 'clássicos'. Não, querem ir para o norte da Europa, para a Grã-Bretanha ou até para os EUA e Canadá.

«Joaquim Leal» >> Isto vai ser sempre em crescendo. Só acaba quando os países de origem ficarem vazios de pessoas e apenas lá ficarem os criminosos.

«David Ribeiro» >> Estas criaturas que fogem da guerra, ao contrário de muitos que conhecemos num passado recente, não querem viver em campos de refugiados, mas sim trabalhar para sustentar a família e não criarem problemas a povos que já os têm que chegue.

«Joaquim Leal» >> Não me parece que seja apenas pela guerra, a europa é muito atractiva. Os problemas são apenas o fulminante mas estou a calcular que o velho continente vai começar a adornar.

«David Ribeiro» >> Não é pela guerra?... Fazes a mínima ideia, Joaquim Leal, do que será viver nos dias de hoje na Síria?... Estes ainda são aqueles que conseguem ter algum dinheiro para pagarem a travessia, os outros morrem como tordos.

«José Costa Pinto» >> David Ribeiro, você agora fez-me sorrir. E olhe que os tempos não estão para risadas.

«Joaquim Leal» >> Óh amigo David, essa ideia de que são todos Sírios, vai com calma... tongue emoticon

«David Ribeiro» >> Sírios, Líbios, Afegãos, Iraquianos, Eritreus, Somalis... a diferença é mínima.

«Joaquim Leal» >> Eu sei que o mediterrâneo é longo. Preocupo-me é quando chegar a altura em que tenha que ser eu, os meus e os vossos, a ter que atravessar o atlântico. Só temos duas alternativas recomendáveis, EUA ou Austrália. Muito longe mas quero aqui deixar claro que lamento a situação dos refugiados.

«David Ribeiro» >> Não tem comparação, como é evidente, mas os portugueses que já tiveram que fazer as malas e abandonar as suas casas para fugirem á guerra fratricida que se adivinhava nos territórios das antigas colónias, saberão bem o que isto é.

«Joaquim Leal» >> Correcto, uma vez acho que chega. Duas é demais wink emoticon. Nestes últimos dias tenho lido por aqui mentes brilhantes, daquelas que só podem ser das franjas da esquerda ao considerar que Portugal pode estar perante um "oportunidade de ouro" para repovoar o seu interior abandonado. Prefiro que tragam para cá o Saara. tongue emoticon

«David Ribeiro» >> É fundamental que nos deixemos de políticas mais ou menos envergonhadas e a lembrarem atitudes racistas e xenófobas para com todos aqueles que nos aparecem nas praias do Mediterrâneo e tomar medidas como as que foram já preconizadas pelo Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos (ACNUDH): Colocar em prática uma operação de busca e salvamento robusta, proactiva e com bons recursos, levada a cabo por Estados, urgentemente e sem esperas, com uma capacidade semelhante à “Mare Nostrum” (nome dado à operação de resgate no Mediterrâneo da marinha Italiana) e com uma missão clara de salvar vidas; Criar canais suficientes para uma migração segura e regular, incluindo para trabalhadores migrantes com baixas qualificações e indivíduos com necessidade de reunificação familiar e ainda acesso a protecção quando necessário, são alternativas seguras a recorrer a contrabandistas; Fazer compromissos firmes para receber números significativamente grandes de refugiados alocando-os pelos países da UE, para complementar as quotas atuais e numa escala que tenha um impacto real, acompanhado de outros meios legais que levem os refugiados a alcançarem a segurança; Reforçar o apoio aos países que receberam o maior número de chegadas (Itália, Malta e Grécia) e distribuir a responsabilidade de forma mais equitativa em toda a União Europeia para salvar vidas e proteger todos os que necessitam.



Publicado por Tovi às 21:08
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 20 de Abril de 2015
Crise humanitária no Mediterrâneo

Migrantes no Mediterrâneo 19Abr2015.jpg

Como irá acabar esta tragédia?... As constantes guerras no Médio Oriente e a continuação de degradantes condições de vida em vários países do Norte de África estão a provocar migrações para a Europa que irão ter repercussões que ainda não conseguimos ajuizar verdadeiramente. Não é de todo possível levantarmos muralhas à volta da Europa e assobiarmos para o lado e fingirmos que não vemos a entrada diária de centenas de pessoas à espera de uma melhor condição de vida no “el dourado” europeu também não é solução. Um verdadeiro e profícuo debate internacional é necessário… antes que seja tarde.

 

  Comentários no Facebook

«Carlinhos da Sé» >> Tuda esta situação é resultante da ingerência dos países (ditos) desenvolvidos, começou quando os americanos decidiram invandir o Iraque.

«Pedro Baptista» >> Pois, e com o assalto à Líbia. Se quiserem mais explicações perguntem ao Pacheco Pereira que ele é que fazia a apologia disso...

«Domingos Carneiro S» >> Tudo começou já bem antes, no Afeganistão...

«José Camilo» >> Para mim, começou ainda antes de todas as asneiras americanas e outras, com os estados de índole religiosa. Incluindo o do vaticano evidentemente.

«Carlinhos da Sé» >> Fica a ideia que há interesse que morram aos milhares, com tanta tecnologia ao dispor não detetam esta gente antes de se fazerem ao mar porquê? E o organismo a que preside António Guterres? É só para andar a passear os colunáveis?

«José Camilo» >> Claro.

«Joaquim Leal» >> Muito triste e sobretudo grave. Será que é desta? Naufrágio: União Europeia reúne-se de urgência

«David Ribeiro» >> Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), dirigido por António Guterres, o ano de 2011, em que mais de 1.500 pessoas perderam a vida nas águas do Mediterrâneo, tinha sido o mais mortífero para os clandestinos vindos de quase toda a Àfrica, ou sírios e líbios que fogem à guerra, desafiando a sorte e o destino para tentar chegar à Europa, através da Grécia e Itália. Mas em 2014 foi estimado que as perdas de vida tenham atingido os 3.500 e neste ano de 2015 (de Janero a meados de Abril) já morreram 1.650 pessoas. Uma verdadeira tragédia.

«Joaquim Leal» >>Ainda sobre este tema, um excelente texto do Luis Pedro Nunes. Curto mas grosso. "No Níger falei com pessoas dispostas a dar o salto para a Europa. E há dez meses o Boko Haram ainda não era o que é hoje e estava confinado à Nigéria. Há um pormenor que faz tida a diferença quando se vê aquelas barcaças cheias de gente. É que só quem tem algumas posses (umas vacas, por exemplo) pode pensar em emigrar para a Europa. Quem nada tem está condenado a não poder sonhar. Vender o pouco que tem e tentar chegar ao Mediterrâneo é a maior das aventuras. O mar é um detalhe, dizem-lhes. Um número incalculável é morto antes, é vítimas das máfias, é roubado pelos próprios “passadores”. Os que chegam aos barcos são sobreviventes. Os que tocam chão europeu não só conseguiram ultrapassar a odisseia marítima. Aquela foi apenas uma etapa de uma viagem que começou meses antes. Mas há um detalhe que importa ter em conta. É que cada um daqueles homens e mulheres vai ser recambiado para a sua terra mas de forma diferente. Quando chegarem não só já não têm nem as vacas os meios de subsistência que tinham antes como agora têm um ódio aos europeus que não lhes abriram as portas depois de um sofrimento tamanho. E estão prontos para engrossar as fileiras do extremismo. Esta não é uma questão simples que se resolve no meio do mar..."

«David Ribeiro» >> Migrações ilegais no Mediterrâneo

Imigração ilegal no Mediterrâneo Abr2015 b.jpg

«Carlinhos da Sé» >> Se controlassem o tráfico de armas só pontualmente aconteciam tragédias destas.

«David Ribeiro» >> Há naquele Mar Mediterrâneo um grande contrabando, não só de seres humanos, mas também de armas, estupefacientes e inclusive de petróleo. Para onde vai o “ouro negro” produzido nas refinarias que o Estado Islâmico ocupa e que mantêm em laboração? A Europa só se lembra de Santa Bárbara quando troveja e se não houver muitas mortes a coisa fica simplesmente por uns euritos para sustentar os campos de apoio aos migrantes resgatados ao mar ou chegados às ilhas mediterrânicas e não se fala mais nisso. O problema está no Norte de África e na África subsariana, onde vários países passam por crises políticas, sociais e económicas para as quais ou fomos nós que contribuímos ou fazemos vista grossa.

«Carlinhos da Sé» >> Os primeiros responsáveis por tudo o que está a acontecer a estes povos são os países europeus que os colonizaram.

«Joaquim Leal» >> Lá vou eu ter que discordar do Carlinhos da Sé mas prometo que não vou ser mauzinho. A colonização teve os seus erros, alguns graves mas segundo as minhas contas, julgo que esta há muitos anos ou séculos terminou. Estes povos, pelos menos os que foram colonizados já tiveram tempo mais do que suficiente para se organizarem, penso. O problema relativamente ao chamado mundo ocidentalizado terá mais a ver na actualidade com os recursos (petróleo e minérios) que por ali há e que convém manter por "perto". Por isso se derrubam regimes de acordo com a conveniência. O sistema das próprias sociedades dos países africanos, seja por razões étnicas como religiosas também não ajudam á estabilização social e económica destes. Concordo que se deve ajudar esta gente. A jusante ainda será possível acolher muitos milhares na europa, acho que ainda haverá espaço mas há um limite. Imaginemos como será a europa daqui a um século e picos, depois quem cá estiver foge para onde?...A montante é que não vejo a solução para travar esta migração.

«David Ribeiro» >> Não há dúvida que ainda continuas com um déficit de entendimento do mal das colonizações, Joaquim Leal ;-)

«Carlinhos da Sé» >> Olá Joaquim Leal, bom dia. Eu escrevi "os primeiros", se quem colonizou instruisse a realidade dos países era outra, mas a política era precisamente a contrária. Abraço.

«Joaquim Leal» >> De acordo amigo. Abraço. Apenas por curiosidade. Para além do enorme esforço que a Itália está a fazer lamenta-se a indiferença da generalidade dos países europeus perante este drama. Abro apenas excepção á Suécia e espante-se, á tão criticada (por outros motivos) Alemanha com programas muito meritórios em termos alojamento e integração como há dias vi numa reportagem televisiva. No que me toca enquanto tuga é de facto lamentar este alheamento mas pode ser que os povos migratórios se venham a lembrar ainda de pensar na travessia por Marrocos, logo aqui á minha frente. Aí é que cai o Carmo e a Trindade, esperem...

«Carlinhos da Sé» >> Ó Joaquim Leal, deseje melhor sorte aos infelizes... É que se eles se lembrarem de "atracar" no Algarve o governo arranja forma de ganhar dinheiro com eles. Logo de inicio era mais um corte nas reformas para ajudar os desgraçados.

«Joaquim Leal» >> Sinceramente nem quero pensar vê-los aqui a entrar por Quarteira e Vilamoura adentro. Ia ser bonito, ia

«Carlinhos da Sé» >> Com os ingleses em Gibraltar não arriscam, é uma zona super-vigiada.

«Joaquim Leal» >> Em Marrocos a coisa também foi reforçada por causa de Ceuta e Melilla espanholas mas a costa marroquina é muito vasta. Vamos esperar para ver.

«Carlinhos da Sé» >> Ó Joaquim Leal, quando começarem a entrar arranja uns quantos que saibam curtir peles de carneiro... Montamos aqui uma fabriqueta de sacos artesanais, a turistada compra tudo.



Publicado por Tovi às 08:13
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 20 de Outubro de 2011
Morreu Muammar Kadafi

Era uma morte anunciada... Esperamos que um governo minimamente democrático tome os destinos daquele país do Norte de África.


«Fernando Roque» in Facebook >> Não tenhamos ilusões, os paises da primavera arabe vão acabar governados por ayatholas. Que ingénuo é o ocidente.

«Maria Vilar de Almeida» in Facebook >> Oh Davidzinho... morte anunciada todos nós temos, o local da data é que vem em branco! Por isso é que os políticos nem se preocupam com o que fazem nesta porca de vida... sabem que, façam o que fizerem, não vão sair dela vivos!

«Rogário Silvestre in Facebook >> O passado tem mostrado que de onde sai um Kadafi - entram dez, camuflados de ovelhas, esses lobos...


Tags: ,


Segunda-feira, 22 de Agosto de 2011
Os últimos dias de Kadafi

Só espero que não façam mal nenhum às meninas da guarda pessoal de Kadafi… Era uma peninha.


«Zé Carlos» in Facebook >> É o maior tesouro de Kadafi, são todas virgens. Valem uma fortuna em camelos no deserto. Tipo 40 camelos para as mais feias...

«Zé Zen» in Facebook >> Pobres raparigas, sò de pensar que jà foram escalpadas hà muito tempo, arrepio-me todo. :))

«Fernando António Fraga Pimentel» in Facebook >> Sem dúvida :))

«Fernando Duarte» in Facebook >> a esta hora jà foram violadas umas 50 vezes, cada uma

«Pedro Boa-Nova» in Facebook >> Uma peninha mesmo...

«Abílio Bragança Neto» in Facebook >> Eehehehe.



Publicado por Tovi às 23:19
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 21 de Agosto de 2011
Rebeldes líbios já estão nas ruas de Trípoli

O fim de mais um ditador está próximo.

{#emotions_dlg.meeting} [JN] - Governo de Kadafi confirma que rebeldes já estão nas ruas de Trípoli - Várias explosões e trocas de tiros soaram, este sábado à noite, em Trípoli, e testemunhas disseram à agência noticiosa France Press que há "confrontos" nalgumas zonas da capital. Porta-voz do governo confirmou a presença de rebeldes nas ruas de Trípoli.


«Zé Zen» in Facebook >> "aleluia" (lagarto, lagarto) mais um filho da P... que vai de férias. Bons ventos. :))

«Fernando Duarte» in Facebook >> ah, agora jà é ditador?

«Zé Zen» in Facebook >> Estàs a falar com a Àguia ou com a pantera? :))



Publicado por Tovi às 09:54
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


26
27
28
29

30


Posts recentes

Explosão no Manchester Ar...

Afinal o que aconteceu ao...

Avião líbio com 118 pesso...

Não são migrantes... são ...

Crise humanitária no Medi...

Morreu Muammar Kadafi

Os últimos dias de Kadafi

Rebeldes líbios já estão ...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus