"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Sábado, 25 de Fevereiro de 2017
Assim se fala no Porto, carago!...

Assim se fala no Porto.jpg



Publicado por Tovi às 08:22
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 25 de Março de 2015
Língua Tripeira

A Gramática, a Fonética, a Morfologia e a Sintaxe da Língua Tripeira

[Foi retirada a imagem que aqui estava a pedido do autor de um comentário a este post – ver abaixo]

A gramática da língua tripeira, dialecto que também pode ser designado por tripeiro, é, no essencial, a da língua portuguesa, especialmente no que diz respeito à morfologia e à sintaxe. Quanto à fonética, as diferenças são consideráveis.

Vamos, de seguida fazer breves comentários sobre estas questões, mas a primeira e mais importante regra de aprendizagem é a prática, razão que nos levou ter, previamente, apresentado um texto e, só agora, abordar, embora superficialmente, a gramática. Peguemos num exemplo que nos poderá ajudar:

Português: Vêm, ou não vêm?

Tripeiro: Se vindes, vindes; se não vindes, fodei-vos!

Se repararmos com atenção, verificamos que o tripeiro mantém a segunda pessoa do plural, enquanto o português começou a utilizar a terceira. Esta é a primeira questão a ter em conta.

Também na pontuação poderá haver diferenças, sobretudo com o ponto de interrogação, já que o tripeiro afirma frequentemente em vez de fazer a pergunta directa. Mas a grande diferença está, efectivamente, na pronúncia e no vocabulário. O tripeiro corrente é muito mais vivo e usa mais o vernáculo do que o português corrente. Qualquer das línguas usa “apoios” na linguagem corrente, mas a tradução não é directa e só se consegue aprender com sensibilidade e prática.

Enquanto dizemos em português: “Bom, vamos lá ver!”, em tripeiro poderemos dizer: “Vamos lá a ver, caralho”. O apoio “bom” é traduzido por “caralho”, sendo que esse mesmo apoio passa do início para o fim da frase. Ao contrário do que se pensa, o tripeiro não usa a palavra “carago”, (ou muito raramente a usa), para apoio final, mas a que indicámos que, eventualmente, pode ser substituída por “porra”.

Há muitas frases idiomáticas. Para já, atente-se neste exemplo: “O Grande Porto”. Esta expressão não tem nada a ver com um território, à semelhança de “A Grande Lisboa”. Em tripeiro significa, pura e simplesmente, “Futebol Clube do Porto”. Aproveitamos para chamar a atenção de uma curiosidade: a palavra “Ésseélebê” é traduzida para tripeiro por “Benfica”, mas na gíria das claques diz-se “filhos da puta”!

O restante, como ficou dito, só com a prática será assimilado. Quanto à fonética, deveremos ser cuidadosos no seu estudo, sob pena de não sermos entendidos ou de sermos acusados de ter um sotaque do sul, o que é muito mau.

Voltamos à nossa frase inicial, apresentando a respectiva transcrição fonética: “se bindes, bindes; se não bindes, fodei-bos!”

Regra: (que muito irrita os nortenhos que a negam e dizem, sem razão que só em Viseu é que se fala assim): O nosso “b” soa em tripeiro como “v”, sendo que o nosso “v” se pronuncia “b”.

Mais alguns exemplos essenciais a ter em conta (apresentamos em primeiro lugar o som em português e, de seguida, o seu equivalente em tripeiro):

- Ão = oum. Exemplo: cão = coum.

- Ãe = anhe. Ex: mãe = manhe

- som ô = ou. Ex: boa = boua

- I = ei (nos sufixos em inha). Ex: Amarrotadinha = amarrotadeinha

- Ou em final de palavra pode soar = “oue” ou “oua”, conforme as zonas.

Assim, se lhe atenderem o telefone ouvirá “’stoua” (o “a” soando como em “camisa”) ou “’stoue” (o “e” soando como em “se”.

Dado o carácter elementar deste estudo vamos parar por aqui, não sem que acrescentemos, ainda uma informação importante: Com pequenas variações, o tripeiro é falado no Porto e todo o Douro Litoral e, ainda, na Galiza, nos seguintes distritos: Viana do Castelo e Braga.

Não tentem armar-se em importantes, falando em português, se não querem correr o risco de ouvir um “olha m’este armado num xic’esperto do caralho. Bai-te foder, mouro da merda”!

(Encontrado na NET – Autor desconhecido)




Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Posts recentes

Assim se fala no Porto, c...

Língua Tripeira

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus