"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Terça-feira, 27 de Fevereiro de 2018
Bolhão… tudo demora uma eternidade

2_Projecto%20Mercado%20Bolhão%20-%20Rua%20Sá%20d

Na sessão de ontem da Assembleia Municipal do Porto o presidente Rui Moreira anunciou que o Tribunal de Contas (TdC) já concedeu o visto prévio ao restauro do Mercado do Bolhão, orçado em 22,4 milhões de euros, permitindo à câmara começar já esta terça-feira a pagar as indemnizações aos comerciantes. "Esta semana recebemos o visto prévio da empreitada principal do restauro do Mercado do Bolhão", disse durante a Assembleia Municipal do Porto, realizada na segunda-feira à noite. O independente, no seu segundo mandato, referiu que o TdC "muito legitimamente" foi a fundo neste concurso, chegando a questionar, pelo elevado valor, se o município tinha ou não a certeza de poder contar com fundos europeus para financiar o projecto. "Temos quase a certeza de que vamos poder contar com alguns milhões de euros de financiamento por essa via, mas feliz do município que, como o Porto, numa obra desta dimensão pode - como pôde o Porto - dizer ao TdC que, para o efeito do seu visto, é indiferente", frisou. Rui Moreira salientou que o Porto quer e terá "seguramente" fundos comunitários para a obra, mas mesmo se os não tivesse, esta empreitada que a cidade quer há quase 40 anos vai ser feita. O presidente ressalvou que "há quem diga que as contas são boas demais" e que a autarquia poderia gastar e investir mais, mas depois não poderia garantir, agora, esta obra. "O visto para a empreitada principal está dado, os acordos com os comerciantes estão feitos, o mercado temporário está concluído e falta agora, apenas, um último visto ao contrato programa com a Go Porto para que seja estabelecido um calendário de transferência e as máquinas comecem a trabalhar", acrescentou. Dado o visto do Tribunal de Contas, as indemnizações aos comerciantes começarão a ser pagas a partir de hoje (terça-feira), avançou. O independente explicou que, destas indemnizações, apenas uma teve de ser submetida ao TdC por ser superior a 350 mil euros. "Já fizemos tudo o que era preciso fazer", reforçou Moreira. O restauro do Mercado do Bolhão foi adjudicado por 22,4 milhões de euros e com um prazo de execução de cerca de dois anos, estando previsto que a empreitada, submetida a financiamento comunitário, comece este ano. No ano passado, a Câmara do Porto aprovou os acordos a celebrar com os comerciantes do mercado devido à reabilitação do edifício e despesas de 5,6 milhões de euros para compensações e eventuais perdas de facturação. Durante as obras vão suspender a actividade 11 comerciantes do exterior do Bolhão e cessam negócio 40 lojistas (26 do interior e 14 do exterior), tendo 100 dos 140 comerciantes manifestado vontade de regressar ao mercado no final das obras.



Publicado por Tovi às 10:18
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 21 de Outubro de 2016
E lá vão andando as obras no Bolhão...

... para já e ao que nos é dado ver, unicamente no subsolo para desvio das infra-estruturas de águas pluviais na envolvência do mercado, uma empreitada no valor de 718.438,57 euros e adjudicada à SOCOPUL - Sociedade de Construções e Obras, S.A.. Estas obras estão a provocar alguns (poucos) constrangimentos no trânsito da zona, mas a verdade é que não se pode fazer omeletas sem ovos.

Obras 03 21Out2016.jpg
[Obras no Bolhão #03 21Out2016]

 

  Comentários no Facebook

«Jovita Fonseca» >> É bom que a nossa cidade apresente os seus monumentos recuperados... E que acompanhe as exigências do séc.XXI...

«Jorge Veiga» >> Penso que o desvio não é só para as águas pluviais, mas sim da nascente que está por baixo. O edificio do Bolhão foi construido em cima e o desvio dessas águas é o mais dificil, para já.

«Rui Moreira» >> Estamos a desviar o rio que passa sob o Bolhão. É a primeira fase da obra. Que permite solidificar a estrutura e cavar no terrado

«Diogo Quental» >> Seria interessante poder passar a ver alguns dos rios subterrâneos que passam na cidade.

«Albertino Neto» >> Só espero que obra seja bem executado, pois á água é muita, espero que não metam àgua??????



Publicado por Tovi às 10:43
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 7 de Agosto de 2016
Já há obras no Bolhão

Obras 01a 6Ago2016.jpg

[Obras no Bolhão #01 #02 6Ago2016]

 

  Comentários no Facebook

«Albertino Neto» >> Para onde vão desviar o curso de àgua?

«David Ribeiro» >> Esta obra agora iniciada é para desvio de infraestruturas de águas pluviais na zona do Mercado do Bolhão.

«Jovita Fonseca» >> O Mercado do Bolhão merece reabilitação... ser um monumento de referência! Os vendedores poderão passar por uma fase de transição... mas, depois de pronto, vão concluir que valeu o sacrifício!



Publicado por Tovi às 10:52
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 22 de Abril de 2015
Vai ser restaurado o Mercado do Bolhão

Mercado do Bolhão por Mário Bismarck Jul2015.jpg

(Desenhos do Mercado do Bolhão de Mário Bismarck incluídos na Crónica Urbana da P2 de "O Público" em Julho de 2012)

Em 1914 foi construído o actual edifício do Mercado do Bolhão, num projecto desenhado pelo arquitecto Correia da Silva, que conferiu monumentalidade à praça de mercado que ali existia. Tratou-se de uma obra de vanguarda para a época, devido à utilização do betão armado em conjugação com estruturas metálicas, coberturas em madeira de riga e cantaria de pedra granítica. Após vários anos de abandono no que se refere à manutenção e conservação desta pérola portuense – aí Rui Rio que tanto mal fizeste à cidade – chegou à Câmara Municipal do Porto uma nova aragem e Rui Moreira arrancou para aquilo que tinha prometido no seu manifesto Eleitoral: “…a primeira prioridade é dirigida para o património municipal existente dentro e fora do centro histórico. Não se pode fazer passar uma mensagem dirigida aos proprietários privados sem atacar, de forma visível e eficaz, a degradação do património municipal, de qualquer natureza. Essa é, agora, uma tarefa exequível em 4 anos”. E no dia de hoje, 22 de Abril de 2015, 18 meses após a tomada de posse do actual executivo municipal, Rui Moreira veio apresentar-nos o projecto de restauro do edifício do nosso Bolhão.

Mercado do Bolhão projecto a.jpg

O arquitecto Nuno Valentim liderou uma vasta equipa multidisciplinar que elaborou o projecto de restauro, modernização e higienização do Mercado do Bolhão. Está previsto neste trabalho uma ligação ao metro, acesso para cargas e descargas, elevadores para pessoas de mobilidade reduzida, tudo isto mantendo a estrutura original e funcional deste edifício centenário. A obra vai ser posta a concurso e deverá iniciar-se após o verão, com um custo total de 20 milhões de euros e sem recurso a fundos privados.



Publicado por Tovi às 12:36
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 8 de Dezembro de 2013
Reabilitação do Mercado do Bolhão

A fazer fé nesta notícia do Expresso o executivo camarário portuense, no que toca à recuperação do Mercado do Bolhão e como era de esperar, está na linha ideológica do Manifesto Eleitoral de Rui Moreira que dizia: “O edifício do Mercado do Bolhão vai manter a sua traça e preservar a sua função, com bancas e comércio tradicional, assegurando todas as condições para a permanência dos comerciantes que actualmente ali desenvolvem a sua actividade. O projecto inclui ainda áreas culturais, restauração e residências para universitários, não envolvendo a construção de qualquer tipo de estacionamento subterrâneo. O investimento na recuperação do Bolhão será suportado por privados e pelo programa comunitário JESSICA, após concurso público. Um ano é o prazo previsto para a execução da obra. (Autárquicas 2013 – Manifesto Eleitoral de Rui Moreira - Economia e Emprego – pag. 12)”. Havia cá pela Invicta quem estivesse preocupado por não estar comtemplada no Orçamento Municipal para 2014 a recuperação do mercado mais emblemático da nossa Cidade, mas afinal não há, para já, que ter receios. Rui Moreira tem vindo a cumprir tudo o que tinha prometido aos portuenses.


«Pedro Figueiredo» no Facebook >> O pdm proíbe para aquele lote outra valência que não comércio. Por isso é que, em tribunal o projecto da TCN foi considerado ilegal "continha habitação"... já o shopping não era ilegal. mas apenas ilegítimo. (pevmço que se consulte o pdm antes de tentar colocar residencias universitárias do bolhão... um vereador de rui rio foi à vida por caisa desta brincadeira - câmaras que näo cumprem os seus próprios pdm. Pergunte-se por favor ao vereador do urbanismo actual se assim  ou não é... estivémos ambos no movimento contra a privatização daquela estrutura em 2008

«Zé De Baião» no Facebook >> Caros amigos, o modelo de residencias universitárias já não funciona. Pensem em politicas de incentivo à distribuição dos jovens univeristarios, ou não,  por toda a cidade e até pelo grande Porto, sendo que contribuiriam para a requalificação da cidade, para o rejuvenescimento, para a interacção social e para a dinamização do comércio local. Conjuguem-se esforços com os serviços sociais e com as universidades, desenvolvendo uma rede de alojamento e de incentivos para que os estudantes universitários se alojem pela cidade e não em volta do pólo universitario. A maioria destes jovens passa 5 anos no Porto e nem sequer chega a conhecer a cidade. Devolvam a cidade às pessoas, deixem as pessoas viver a cidade. Apoiem e incentivem a essa convivência.

«Albertino Amaral» no Facebook >> Caro David Ribeiro, eu assisti a essa palestra do Rui Moreira, sobre o Mercado do Bolhão. Subscrevo portanto tudo aquilo que acima relata. Vou até mais longe, o Rui Moreira fez uma demonstração do quão impossível seria, construir um parque de estacionamento nos alicerces do Mercado, (como outra candidatura sonhava),  dadas as suas características, por isso fico admirado que haja alguém que diga que por baixo do Mercado do Bolhão passa o Metro (#$%&/&)... Estarei porventura errado Falou-se inclusivamente em se avaliar a possibilidade de admitir esse parque na Casa Forte...! Enfim, memórias curtas...

«Pedro Figueiredo» no Facebook >> Um parque por baixo do bolhão - não é impossivel mas é caríssimo, logo impossível e tecnicamente muito complicado. Albertino Amaral tem razão e Rui Moreira também ...eu falo das "residências". O pdm está publicado. Inclusivé no site. Não é permitido haver nenhuma valência além de comércio naquele lote. Ponto final.



Publicado por Tovi às 16:12
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 7 de Agosto de 2013
Às boltas e boltas com o Bolhão

Não tenho procuração para defender "este-Rui" nem "aquele-Rui", mas que o projecto de Rui Moreira para o Bolhão me parece ter pernas-para-andar e ser interessante, lá isso é verdade - i) Quer manter a traça; ii) Mantem as vendas tradicionais; iii) Potencia a valência turismo/hotelaria.

{#emotions_dlg.meeting} [De Pedro Figueiredo n'A Baixa do Porto] - "Este-Rui e aquele-Rui. Às boltas e boltas com o Bolhão." - Para fazer uma coisa simples, que é “apenas” reabilitar um edifício e manter a sua actividade a funcionar, abundam palavras ocas, vazias de conteúdo, mas cheias de populismo empresarial. Onde se lê “reabilitação” está e estará (uma e outra vez e todas as que forem precisas) “privatizar e expulsar as senhoras vendedoras de fruta, peixe e legumes”.


«Albertino Amaral» noFacebook >> Também me parece um óptima ideia a do Rui Moreira... Oxalá assim se concretize...!

«António Alves» no Facebook >> o outro Rui devia ser coerente com o seu próprio pensamento. há anos atrás lembro-me de o ouvir dizer que "mudar as valências e funcionalidades consolidadas de edifícios, rua e zonas das cidades é muito melindroso". O melhor é arranjar aquilo para o que sempre foi: um mercado de frescos.

«David Ribeiro» no Facebook >> E é, no meu entender, o que Rui Moreira preconiza para o Bolhão. Há no entanto necessidade de modernizar o conceito de mercado de frescos, acrescentando mais valias para todos, comerciantes e utilizadores.

«António Alves» no Facebook >> o Bolhão vale por si. até como atracção turística. a única coisa que acho necessária além de uma modernização óbvia das instalações é melhorar os acessos a pessoas com mobilidade reduzida e carrinhos de bebé.



Publicado por Tovi às 08:21
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 26 de Julho de 2013
Projecto para o Bolhão de Rui Moreira

Um projecto com pés e cabeça {#emotions_dlg.smile}



Publicado por Tovi às 07:43
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 30 de Janeiro de 2013
O capitalismo na reabilitação do Bolhão

Com a devida vénia ao autor, aqui fica para memória futura um texto de José Carlos Ferraz Alves publicado n'O Ouriço.

No mesmo dia, no mesmo jornal – Público 29 de Janeiro de 2013 –, duas notícias que podem tudo ter a ver uma, com a outra: “Reabilitação do Bolhão só terá verbas do QREN, se houver sobras” e “Se o Estado não tem dinheiro para a cultura, é preciso inventar saídas”. Na indisponibilidade de verbas do QREN, tudo indica que a Câmara do Porto irá seguir o seu “plano de lavagem da cara ao Bolhão”, com os 735 mil euros inscritos no Orçamento Camarário. A habitual política nortenha do “caldo verde”. Mas não há mesmo outras opções?
Num dos artigos acima referidos, das conclusões dos encontros internacionais de gestão cultural realizados a semana passada em Madrid, por não ser possível depender apenas do Estado para a criação artísticas: “… não há dinheiro mas existem ideias, fulcrais para que se inventem novas formas de financiamento, é possível continuar a criar, é possível ganhar dinheiro com a cultura, só é preciso descobrir como. Às vezes das formas mais inesperadas. Não existem fórmulas, há que arriscar” e um apelo à colaboração entre o Estado e o sector privado.
Esperar que o Estado seja a solução para os problemas começa a ser uma questão do passado, sendo a crise uma oportunidade de transição de um modelo obsoleto de financiamento para um modelo de colaboração. Johm Holden, professor de Política Cultural na City University of London, destaca a importância da revolução tecnológica, que deve ser vista como uma oportunidade: “… cada vez surgem meios alternativos para angariar fundos, como as plataformas de crowdfounding…, dado que as pessoas dão valor à cultura, como se pode ver pelos grandes museus, que estão sempre cheios, e os espectáculos e concertos tantas vezes esgotados”.
Regressando à nossa telenovela da reabilitação do Mercado do Bolhão, na falha da resposta pública, porque não a sua entrega directa aos cidadãos do Porto, em vez desta intermediação que não tem sabido dar respostas aos problemas? Os 20 milhões de euros poderiam ser objecto de uma oferta pública de subscrição de acções destinadas aos privados, aos cidadãos do Porto: 100 mil habitantes, investindo 20 euros cada, ou uma qualquer outra combinação, seriam suficientes. Isto mesmo, o mal amado capitalismo também pode dar boas respostas, como modelo popular de intervenção no financiamento de projectos, neste caso a reabilitação do imóvel.
Proponho a criação de uma sociedade municipal que integre o edifício do Mercado do Bolhão, que seria objecto de avaliação, e que depois proceda à entrada de novos pequenos accionistas, minoritários. Os resultados das rendas do espaço, definidas a partir de um valor fixo e de uma percentagem das vendas, tal como nos modelos de gestão dos centros comerciais, seriam afectos à remuneração dos capitais investidos, pela Câmara e pelos cidadãos. Uma parte substancial, afecta a programas de promoção e de animação turística da cidade, dado que a importância e a rentabilização de uma cidade passa pela sua promoção. E para isso é necessário que se aposte mais numa estratégia de marketing cultural e turístico.
“Não se pode esperar que nos resolvam os problemas, nós fazemos parte da solução”. É preciso renovar e inovar, os modelos antigos não são mais rentáveis nem fazem sentido.


«José Carlos Ferraz Alves» in Facebook >> Obrigado pela constante atenção, amigo David.



Publicado por Tovi às 07:51
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 28 de Julho de 2012
Mercado do Bolhão

 (Foto tirada hoje de manhã)

{#emotions_dlg.sidemouth} Não merece consideração nenhuma um Presidente de Câmara que deixa o Mercado do Bolhão chegar a este estado lastimoso. O que vale é que Rui Rio já nos vai desamparar a loja no próximo ano.


«Maria Henriques» in Facebook >> Rui rio

«António Campos Leal» in Facebook >> Pena é que os cidadãos do Porto tenham sofrido mais com um presidente assim do que com as invasões francesas. Com Rui Rio não houve mortos, mas se calhar foi pena.

«Zé Zen» in Facebook >> David contra "golias" :))



Publicado por Tovi às 18:41
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Posts recentes

Bolhão… tudo demora uma e...

E lá vão andando as obras...

Já há obras no Bolhão

Vai ser restaurado o Merc...

Reabilitação do Mercado d...

Às boltas e boltas com o ...

Projecto para o Bolhão de...

O capitalismo na reabilit...

Mercado do Bolhão

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus