"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Sexta-feira, 19 de Novembro de 2021
Crise na fronteira da Bielorrússia com a Polónia

 A porta-voz da Guarda de Fronteira da Polónia, Anna Michalska, declarou na terça-feira (16nov2021) que os policias não hesitarão em usar armas na fronteira, caso seja necessário. No entanto, destacou que os guardas fronteiriços farão o possível para evitar o uso de armas. A porta-voz também explicou que o serviço é "uma estrutura de força, que recebe capacitação para, caso haja necessidade, usar estas armas". No dia de hoje um policia polaco ficou gravemente ferido, provavelmente com uma fratura crânio-encefálica, durante os incidentes na fronteira com a Bielorrússia.
19778498_0_160_3073_1888_1920x0_80_0_0_a2248645d55

 Na quatra-feira (17nov2021) a Comissão Europeia informou que vai financiar com 700 mil euros a assistência de emergência aos migrantes na fronteira polaca-bielorrussa, através do Comité Internacional da Cruz Vermelha e destinada à compra de alimentos, cobertores, medicamentos e produtos de higiene. No entanto, neste mesmo dia o porta-voz do Ministério do Interior alemão, Steve Alter, voltou a afirmar que o país não pretende acolher migrantes que se encontram na fronteira entre a Bielorrússia e a Polónia.
Captura de ecrã 2021-11-17 220254.jpg

 Aumentou nas últimas semanas a tensão ao longo da fronteira Bielorrússia-Polónia, à medida que milhares de requerentes de asilo tentam entrar na Polónia. O processo de vistos fáceis na Bielorrússia atraiu muitas pessoas de países devastados pela guerra no Oriente Médio na esperança de chegar ao território da União Europeia. Quando a Polónia implantou militares na fronteira para impedir a entrada de requerentes de asilo, milhares de homens, mulheres e crianças ficaram presos no frio no lado bielorrusso da fronteira e se tornaram uma bola de futebol política entre a Bielorrússia e a Polónia, servindo aos governos de ambas as partes na busca das suas agendas internas e externas. É já claro que o desastre humanitário na fronteira foi fabricado pelo presidente da Bielorrússia, Aleksander Lukashenko, que está sob sanções e em isolamento pela UE desde as eleições presidenciais do ano passado. Mas não são apenas os seus vizinhos a oeste que Minsk tenta pressionar. A crise da fronteira é parte de sua estratégia mais ampla de chantagear o Ocidente e a Rússia com a perspetiva de um conflito global total. Bielorrússia é o aliado mais próximo da Rússia e oficialmente parte de uma entidade conhecida como União da Rússia e Bielorrússia, que só existe em grande parte no papel, mas prevê uma política de defesa comum e a livre circulação entre os dois países, o que significa que a fronteira bielorrussa com a Polónia é efetivamente a fronteira externa da Rússia, separando sua zona de segurança do reino da NATO. Portanto, qualquer conflito nesta fronteira, por extensão, torna-se um conflito entre a Rússia e a NATO, que é exatamente como o governo de extrema-direita na Polónia está agora tentando enquadrá-lo.
Captura de ecrã 2021-11-18 105134.jpg

  A coisa está cada vez mais complicada… Perante a crise migratória na fronteira Bielorrússia-Polónia, a República Checa prometeu ajuda à Polónia em caso de necessidade. A promessa foi feita pelo ministro das Relações Exteriores checo Jakub Kulhanek. O diplomata afirmou que conversou com seu homólogo polaco, Zbigniew Rau, e "expressou solidariedade" à Polónia. Na conversa, Kulhanek frisou que a República Checa está pronta para prestar ajuda à Polónia, enquanto a União Europeia, bloco do qual ambos os países fazem parte, planeja novas sanções contra a Bielorrússia. Detalhes sobre qual seria o tipo de ajuda não foram anunciados.
Captura de ecrã 2021-11-19 103939.jpg

  O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, já denunciou o que classificou como uma "atitude cínica" da Rússia em relação à pressão migratória nas fronteiras da Polónia e de outros países membros da Aliança Atlântica. O apoio que tem sido dado à Polónia e às repúblicas bálticas que sofrem a pressão migratória é "uma mensagem clara" de que a NATO está pronta para "defender todos os aliados".



Publicado por Tovi às 07:07
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 13 de Novembro de 2021
Nova crise migratória

A tensão na fronteira da Bielorrússia com a Polónia está diariamente a agravar-se, não sendo no entanto fácil de resolver o problema gravíssimo dos milhares de migrantes que tentam entrar na Europa, um "el dorado" para quem foge á miséria que se vive nos seus países de origem. A União Europeia vai ter mais uma vez de resolver uma crise migratória... mas é dificil de saber como.

Captura de ecrã 2021-11-13 112109.jpg
A esmagadora maioria dos migrantes que se encontram na fronteira da Bielorrússia com a Polónia têm como origem a Síria, o Iraque e o Afeganistão. O destino é atravessarem a Polónia em direção à Alemanha.
  
Rodrigues Pereira - E sem a Senhora Merkel, vai ser mais complicado ainda ...

 

No dia de hoje [13nov2021] o Ministério da Defesa do Reino Unido acaba de confirmar que Londres enviou tropas de engenharia para a Polónia, tendo em vista cooperar no fortalecimento da segurança na fronteira com a Bielorrússia. E a Rússia iniciou ontem manobras militares conjuntas com a Bielorrússia junto à fronteira.

 

  Um grupo de cerca de 50 migrantes rompeu as defesas na fronteira da Bielorrússia e entrou na Polónia perto da vila de Starzyna, informou a polícia no domingo [14nov2021], confirmando que a situação na fronteira torna-se cada vez mais tensa. Vários grupos de direitos humanos condenaram o governo da Polónia por continuar a proibir jornalistas, advogados e trabalhadores humanitários de ter acesso à fronteira do país com a Bielorrússia, onde milhares de migrantes e refugiados se reúnem do lado bielorrusso na esperança de entrar na Polónia. Já na passada segunda-feira [08nov2021] Vladimir Putin, presidente da Rússia, tinha criticado a posição dos países europeus, os quais, disse, são responsáveis pelas "centenas de milhares de pessoas" que pretendem chegar ao continente, referindo-se  a uma multidão de migrantes, principalmente curdos, incluindo uma quantidade significativa de mulheres e crianças, que se dirigiram à fronteira entre Bielorrússia e a Polónia, criado um acampamento improvisado perto do posto de controle Bruzgi, na região de Grodno. Vários migrantes têm tentado subir as cercas, mas os policias polacos não os têm deixado entrar. Apesar disso, há relatos de dezenas de ilegais entrando no país da União Europeia.
KAAFUYWOJ5NHPNVKCGPFRSTPWE.jpg



Publicado por Tovi às 11:28
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)

Segunda-feira, 3 de Maio de 2021
O ambiente que se vive no concelho de Odemira
É realmente tudo isto que diz Elisabete Rodrigues no seu artigo de opinião no "Sul Informação"... mas é também o assobiar para o lado de todos nós que gostamos de framboesas, tomates cherry, saladinhas lavadas e outras produções agrícolas de luxo a preços baratos.
Quando há uns dias ouvi uma empresária do setor dizer "se não fosse assim o negócio não era rentável" apeteceu-me dizer "a terra a quem a trabalha"... e não, não sou, nunca fui, nem penso vir a ser comunista.
 

Captura de ecrã 2021-05-02 143421.jpg
"É triste que tenha sido preciso uma pandemia para pôr a nu a exploração e as condições de vida indignas dos muitos trabalhadores migrantes que garantem a produção das framboesas, dos tomates cherry, das saladinhas lavadas e outras produções agrícolas de luxo de que todos gostamos e que garantem muitos milhões ao país, em exportações, nos hectares e hectares de estufas de agricultura intensiva, situados sobretudo no concelho de Odemira."

  Notícia completa aqui

 

    Comentários no Facebook
Nuno Matos Pereira - Desculpe David Ribeiro ! Mas a maior hipocrisia não é de quem consome esses produtos, se não o fizessemos a vida dessas pessoas ainda seria pior. Hipocrisia é das esquerdas e das associações anti racismo, porque se se manifestarem contra, seria o fim da subsídio dependência. Já foi assim com o IHOR Homeniuk, foi assim com Moçambique e assim será com Odemira. Tudo o que seja contra o líder supremo, não se pode manifestar contra.
David Ribeiro - Claro que não é SÓ de quem consome esses produtos, Nuno Matos Pereira... é essencialmente de quem assobia para o lado perante uma situação que há muito se verifica mas que "ninguém" parece ver.
Pingus Vinicus - Somos um país de modas. Ficou tudo surpreendido com a falta de condições de trabalho, de habitabilidade, de dignidade humana dos migrantes em Odemira, com o eventual tráfico humano, com as alegadas máfias. Tudo coisas que já se sabiam, eventualmente, há muitos anos. Entretanto, a malta que governa a partir da capital do império já esqueceu que no outro lado do rio Tejo, na margem sul, em Alcochete, acontece o mesmo, com os apanhadores de ameijoa. Assiste-se quase todos os dias a episódios degradantes da condição humana. Migrantes amontoados em armazéns, em apartamentos. Violência entre eles, os negócios pouco claros, comportamentos indignos nas ruas. Tudo bem visível à vista desarmada. Se calhar, um dia destes, vamos ouvir falar da falta de condições dos migrantes na zona de Pegões, do Poceirão, onde trabalham, também, em explorações agrícolas, em que é possivel observar dezenas de pessoas numa só habitação. Modas de um país, o nosso, que teima em não ser um país sério
182331559_10208162492858264_4948588878634137522_n.



Publicado por Tovi às 07:33
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 7 de Novembro de 2019
Hoje, em Paris

Captura de Ecrã (320).png
É a 59ª operação de evacuação desde 2015. Um problema complexo e difícil de resolver.

 

   Comentários no Facebook

Rodrigues Pereira - Não sei como se vai solucionar isto ...

Mario Ferreira Dos Reis - É mesmo um problema... com uma data de gente a assobiar para o lado.



Publicado por Tovi às 08:42
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 31 de Julho de 2017
Assembleia Constituinte na Venezuela

18_venezuela.jpg

Foi ontem eleita na Venezuela uma Assembleia Constituinte que irá reescrever a Constituição. E dou comigo a pensar que a Ilha da Madeira sempre foi uma das regiões portuguesas que mais imigrantes “forneceu” à Venezuela e a actual crise naquele país da América Latina vai trazer-lhe uma grave situação social nos próximos tempos. Aguardemos o que vai acontecer ao governo de Nicolás Maduro, mais à sua oposição. Segundo diz a comunicação social cá pela Europa metade dos venezuelanos não acredita nem nuns nem noutros… e isso poderá querer dizer que aproximamo-nos de um vazio de poder democrático, meio caminho andado para o aparecimento de ditaduras, sejam elas de que cores forem.



Publicado por Tovi às 09:49
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 27 de Julho de 2016
Em França há medo... de tudo

França 26Jul2016 ac.jpg
“Estamos em guerra”… diz-se sempre que uns radicais islâmicos provocam ataques bárbaros aos cidadãos europeus. Guerra não será mas que o medo e o terror estão a ficar instalados na nossa sociedade parece não haver dúvida e ainda está para se saber qual o desfecho desta escalada de violência. Já se notam uns indisfarçáveis sorrisos de uns saudosistas de sociedades ditatoriais e fascizantes, dizendo à boca baixa que o que é preciso é mão dura e acabar-lhes com a raça. Nunca será a solução, certamente, mas com “paninhos quentes” também não vamos lá e já está na hora de resolvermos “cá dentro” da Europa o mal a que isto chegou. Como?... Não sei bem, mas assim é que não pode ser.

 

  Comentários no Facebook

«José Camilo» >> O meu amigo, com certeza, já reparou no custo de um "drone" e no que tal peça poderá transportar. Pois não há qualquer legislação sobre a sua utilização. Ou seja pode-se, livremente, ocupar espaço aéreo sem qualquer restrição. Também me preocupa, quase tanto, como as cabeças feitas por teologias escritas não se sabe por quem. Ou gozando um pouco sobre o assunto, a reunião entre o arcanjo gabriel e o maomé veio a resultar no fabrico do inferno.

«Fernando Duarte» >> Existem em França mais de 2 milhões de muçulmanos, que jà viveram metade da vida deles como cães e que veem hoje, que a outra metade ainda vai ser pior, que argumentos pode ter o governo francês, para convencer essa gente que não se deve suicidar, matando um máximo de eleitores que eles consideram responsáveis pela fracasso da vida deles? a França está a pagar agora a política dos governos Giscard D'Estaing nos anos 70, mandaram vir estrangeiros que trataram como seres humanos de segunda, quando os estrangeiros se quiseram ir embora em 74 e que os franceses viram que lhes ia faltar essa mão de obra, barata e afazer trabalhos que eles não queriam fazer, disseram-lhes para ficarem e mandarem vir as famílias. A arrogância dos franceses, o complexo de superioridade, fez com eles não deixassem os filhos do imigrantes se integrarem na sociedade, queriam-nos aqui mas como seres inferiores para não dizer escravos. Num país onde o desemprego nunca mais parou de crescer desde 1974, mandar vir mulheres e filhos de imigrantes era considerar-los a serem desempregados profissionais. Existem aqui indivíduos com 40 anos ou mais velhos ainda, de origem estrangeira, que nunca trabalharam na vida deles, porque mesmo o trabalho rasca, aquele que os franceses não querem fazer, não chega para todos.

«José Paulo Matos» >> Nunca jamais em tempo algum ceder ao medo e à desconfiança. Tem que imperar a racionalidade de juízos. Difícil? Sem dúvida, mas temos que ultrapassar esta insanidade.

«Rui Moreira» >> Fernando Duarte porque será que os portugueses que foram para França nos anos sessenta e foram tratados como cães nunca desataram a matar gente?

«Fernando Duarte» >> conheço muitos a quem a vontade não lhes faltava, mas claro que isso , para nós é crime e também não temos o espírito suicidàrio, eles têm. e também porque não têm mentalidade de matar o próximo, talvez porque também foram educados de maneira cristã, mesmo se não são praticantes. depois porque a entrada de Portugal na CEE muitas portas que estavam fechadas, se abriram. o que eu queria dizer é que, dizem hoje, que eles não se integraram, mas tudo foi feito para que eles não se integrassem, na França de 70 até havia zonas onde não podíamos nem viver nem trabalhar, e sem a nacionalidade francesa ou um sócio-gerente francês, era proibido trabalhar por conta própria. hoje a França paga as favas da descriminação dos anos 60, se esses estrangeiros, que a França chamou, tivessem tido a possibilidade de se integrarem, hoje haveria muito menos problemas. mas é bom que os portugueses se interessem por coisas destas, porque não tarda vão ter os mesmo problemas com os filhos dos imigrantes das nossas antigas colónias, e aqueles que um dia forem esfaqueados algures em Portugal, a menos que se saibam defender como o Mustafa do Kebab poderão sempre dizer enquanto vão morrendo: " -isto é mentira, em Portugal nunca vai acontecer, os pretos vivem integrados na população portuguesa, o preto não me quis matar por eu ser branco nem sequer queria degolar a minha mulher e os meus filhos, foi a faca que escorregou, em Portugal isso não acontece ! " enterrem bem a cabeça na areia, mas não se esqueçam que o cu fica sempre de fora

«Manuela Tavares» >> porque nao somos assim...... alias faço minhas as palavras do Torga: É escusado: não há, de facto, progresso moral. Eu arda, se este meu amigo, sob o ponto de vista do respeito que se deve ao semelhante como homem, não está exactamente ao nível do mais reles e sinistro habitante das cavernas! Diário (1941)

«José Camilo» >> O meu pai, escolheu Paris no início dos anos 60 para recuperar a sua vida. Como tinha por hábito, vestir camisa lavada e barba feita diariamente no seu primeiro empregado na construção civil um grupo de emigrantes fizeram-lhe uma "espera" e tentaram atira-lo de um quinto andar, porque pensavam que era da PIDE. Não foi tratado como um cão, mas os emigrantes portugueses que lá viviam sentiam-se sempre ameaçados inclusive por eles próprios. Não foi fácil o final da segunda guerra. Não falo pelo que li, falo pelo que vi.

«Rui Moreira» >> Pois eu fechava todas as madrassas

«Fernando Duarte» >> há dois anos e no ano passado também, alguns destes árabes com nacionalidade francesa, estiveram em Portugal, no Algarve, a fazer um teste de como reagiam as autoridades portuguesas, e decidiram de agredir GNR's apenas por aposta, não lhes aconteceu nada e dos GNR's que eles enviaram para o hospital nenhum disparou, também nenhum árabe ficou preso em Portugal ....... podem voltar !

«Diogo Quental» >> Continuam a misturar religião com terroristas. Fico admirado com a posição de pessoas tão cultas. Penso que não convivem com muçulmanos. Eu convivo diariamente e, lamento dizê-lo, os comentários discriminatórios são simplesmente reveladores de desconhecimento dos outros. A radicalização que cresce é a única vitória que interessa aos terroristas, que não pensam dizimar a população com os seus actos. Procuremos separar o trigo do joio e falar apenas do que sabemos. As madrassas que apoiarem terroristas devem, naturalmente, ser fechadas e tomadas as acções necessárias subsequentes. Quanto aos que nada têm a ver com o assunto, que sejam respeitados como nós queremos também que nos respeitem. Já basta o que basta. Quem não sabe do que fale, pf que se cale.

«Joao Magalhaes Couto» >> Caminhamos naturalmente para sociedades securitárias... vamos ter também várias Israel na Europa... a multiculturalidade francesa em que são os locais que cedem os seus valores aos emigrantes falhou rotundamente... agora resta expulsar os 10 mil que estão na lista S, deportar a familia dos criminosos, fechar e destruir mesquitas que incitam ao odio...

«Fernando Duarte» >> árdua tarefa, como disse o General quando alguém lhe sugeriu de matar todos os parvos !

«Joao Magalhaes Couto» >> Sugiro que vá viver para a França "multicultural e politicamente correcta...."



Publicado por Tovi às 08:00
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 22 de Agosto de 2015
Não são migrantes... são Refugiados

Migrantes vs Refugiados Ago2015.jpg

Sim!... Sem dúvida que é mais correcto chamar-lhes Refugiados do que continuarmos a considerar como migrantes esta gente da Síria, Afeganistão, Iraque, Líbia, Eritreia e Somália que todos os dias arriscam a vida no Mediterrâneo para poderem fugir da barbárie.

 

  Comentários no Facebook

«António Lopes» >> Será que não se podia absorver estes seres-humanos? O Interior de Portugal está despovoado, ausente de massa crítica, uma das formas de o repovoar poderia ser com estes refugiados!

«David Ribeiro» >> Convém não esquecer que por definição REFUGIADO é toda a pessoa que, em razão de fundados temores de perseguição devido à sua raça, religião, nacionalidade, associação a determinado grupo social ou opinião política, encontra-se fora de seu país de origem e que, por causa dos ditos temores, não pode ou não quer regressar ao mesmo, ou que devido a grave e generalizada violação de direitos humanos, é obrigado a deixar seu país de nacionalidade para buscar refúgio em outro país.

«Mario Reis» >> Antonio seria lindo fazer isso se tivessemos capacidade, Economica; Sociologica; Voluntariado; etc,etc x n.... Que senao seria espalhar covas da moura pelo pais.

«Joaquim Leal» >> Óh António Lopes, com todo o respeito pelo amigo mas acho que povoar o interior abandonado seria mais eficaz fazendo filhos e que o estado passe em ali investir, sobretudo não retirando serviços essenciais às populações locais. Para fazer um acampamento qualquer sítio dá, até no litoral. Depois esse pormenor da falta de "massa critica" é o que não deve faltar a muitos dos refugiados. wink emoticon

«Mario Reis» >> Eu estou disponível para fazer filhos... encontrem-me fêmeas em ciclo produtivo e pelo menos tento! Pois ter filhos não é assim tão simples...

«Joaquim Leal» >> O Mario Reis quer tudo dado e arregaçado eh eh eh grin emoticon

«David Ribeiro» >> As últimas notícias [Lusa – 18h48 de 22Ago] dizem-nos que várias centenas de refugiados da guerra na Síria romperam este sábado as linhas policiais macedónias na fronteira com a Grécia, tendo obrigado as autoridades deste país balcânico a usarem granadas de ruído para conter aqueles que desejam atravessar a Macedónia, Sérvia e Hungria para chegar ao norte da Europa.

«Joaquim Leal» >> Vi na televisão, foi lindo o que se viu...

«José Costa Pinto» >> Interessante que estes refugiados, a 'fugir à barbarie', como diz o David Ribeiro, não se instalem nos países contíguos, como fazem os refugiados 'clássicos'. Não, querem ir para o norte da Europa, para a Grã-Bretanha ou até para os EUA e Canadá.

«Joaquim Leal» >> Isto vai ser sempre em crescendo. Só acaba quando os países de origem ficarem vazios de pessoas e apenas lá ficarem os criminosos.

«David Ribeiro» >> Estas criaturas que fogem da guerra, ao contrário de muitos que conhecemos num passado recente, não querem viver em campos de refugiados, mas sim trabalhar para sustentar a família e não criarem problemas a povos que já os têm que chegue.

«Joaquim Leal» >> Não me parece que seja apenas pela guerra, a europa é muito atractiva. Os problemas são apenas o fulminante mas estou a calcular que o velho continente vai começar a adornar.

«David Ribeiro» >> Não é pela guerra?... Fazes a mínima ideia, Joaquim Leal, do que será viver nos dias de hoje na Síria?... Estes ainda são aqueles que conseguem ter algum dinheiro para pagarem a travessia, os outros morrem como tordos.

«José Costa Pinto» >> David Ribeiro, você agora fez-me sorrir. E olhe que os tempos não estão para risadas.

«Joaquim Leal» >> Óh amigo David, essa ideia de que são todos Sírios, vai com calma... tongue emoticon

«David Ribeiro» >> Sírios, Líbios, Afegãos, Iraquianos, Eritreus, Somalis... a diferença é mínima.

«Joaquim Leal» >> Eu sei que o mediterrâneo é longo. Preocupo-me é quando chegar a altura em que tenha que ser eu, os meus e os vossos, a ter que atravessar o atlântico. Só temos duas alternativas recomendáveis, EUA ou Austrália. Muito longe mas quero aqui deixar claro que lamento a situação dos refugiados.

«David Ribeiro» >> Não tem comparação, como é evidente, mas os portugueses que já tiveram que fazer as malas e abandonar as suas casas para fugirem á guerra fratricida que se adivinhava nos territórios das antigas colónias, saberão bem o que isto é.

«Joaquim Leal» >> Correcto, uma vez acho que chega. Duas é demais wink emoticon. Nestes últimos dias tenho lido por aqui mentes brilhantes, daquelas que só podem ser das franjas da esquerda ao considerar que Portugal pode estar perante um "oportunidade de ouro" para repovoar o seu interior abandonado. Prefiro que tragam para cá o Saara. tongue emoticon

«David Ribeiro» >> É fundamental que nos deixemos de políticas mais ou menos envergonhadas e a lembrarem atitudes racistas e xenófobas para com todos aqueles que nos aparecem nas praias do Mediterrâneo e tomar medidas como as que foram já preconizadas pelo Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos (ACNUDH): Colocar em prática uma operação de busca e salvamento robusta, proactiva e com bons recursos, levada a cabo por Estados, urgentemente e sem esperas, com uma capacidade semelhante à “Mare Nostrum” (nome dado à operação de resgate no Mediterrâneo da marinha Italiana) e com uma missão clara de salvar vidas; Criar canais suficientes para uma migração segura e regular, incluindo para trabalhadores migrantes com baixas qualificações e indivíduos com necessidade de reunificação familiar e ainda acesso a protecção quando necessário, são alternativas seguras a recorrer a contrabandistas; Fazer compromissos firmes para receber números significativamente grandes de refugiados alocando-os pelos países da UE, para complementar as quotas atuais e numa escala que tenha um impacto real, acompanhado de outros meios legais que levem os refugiados a alcançarem a segurança; Reforçar o apoio aos países que receberam o maior número de chegadas (Itália, Malta e Grécia) e distribuir a responsabilidade de forma mais equitativa em toda a União Europeia para salvar vidas e proteger todos os que necessitam.



Publicado por Tovi às 21:08
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 3 de Janeiro de 2015
A tragédia da imigração ilegal no Mediterrâneo

Imigração ilegal no Mediterrâneo Jan2015.jpg

Só nesta semana tivemos dois cargueiros repletos de imigrantes clandestinos, oriundos do norte de África ou do Médio Oriente, completamente abandonados ao largo da costa italiana por traficantes de seres humanos. Segundo a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), só na primeira metade de 2014, mais de 75 mil pessoas, incluindo 190 mil crianças, tentaram cruzar o Mediterrâneo rumo à Itália e pelo menos 800 morreram nessa tentativa. Uma tragédia sem fim á vista.



Publicado por Tovi às 13:09
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Janeiro 2022
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


27
28
29

30
31


Posts recentes

Crise na fronteira da Bie...

Nova crise migratória

O ambiente que se vive no...

Hoje, em Paris

Assembleia Constituinte n...

Em França há medo... de t...

Não são migrantes... são ...

A tragédia da imigração i...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus