"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Quarta-feira, 14 de Fevereiro de 2018
Da crise alemã à crise europeia

Eu cá ainda acredito na Europa das Regiões... mas parece-me assunto completamente esquecido.

 

   Rui Moreira no Facebook

27657740_10216183913259170_4501155787373178489_n.j

A saída de cena de Martin Schulz, depois da derrota do SPD nas eleições alemãs, coloca mais uma vez sob pressão o projecto europeu.
A Große Koalition, a grande coligação negociada entre Merkel e Schulz ( reatando a coligação governativa pró-europeia e juntando a CDU/CSU com o SPD) está sujeita a um referendo interno do partido social-democrata de desfecho interno. A queda nas sondagens do SPD poderá levar os seus militantes a recusarem essa solução. Até porque o partido nacionalista continua a subir nas sondagens à custa do sentimento anti-europeista.
Repete-se, dramaticamente, com a crise do SPD transformada em crise europeia, o que vem sucedendo em várias frentes europeias. As alianças ao centro, favoráveis ao projecto europeu, vão causando vítimas entre os partidos tradicionais, enquanto crescem, nas franjas, os movimentos e partidos que se opõem ao projecto europeu.
No caso alemão, a debacle já se verificara com o FDP, o partido centrista e liberal de Genscher e Darendorf, que durante anos apoiou ora o SPD de Helmut Schmidt ora a CDU/Csu de Kohl, e que quase desapareceu com a deriva populista de Westerwelle.
Dentro de três semanas, saberemos o que se passa com o SPD. Se os jovens turcos, que se estão a filiar para impedir a grande coligação, vencerem, o partido terá que se reinventar. Sem Schulz, tentará angariar o voto dos que não acreditam no projecto europeu. Se os seus líderes tradicionais vencerem, o partido ficará como muleta de Merkel. Até ao dia em que, dispensável ou dispensado, irá morrer.
É por isso, também, que enquanto europeista convicto lamento que a solução transnacional tenha sido recusada.
Teria uma vantagem: é preciso que alguém diga aos eleitorados nacionais que as más políticas não vêm todas de Bruxelas; que Bruxelas serve de desculpa para muitas das más políticas dos governos nacionais; que Bruxelas pode deixar de ser um poder não escrutinado e pouco transparente se os europeus puderem votar directamente e escolher a sua Bruxelas. Infelizmente, isso concorre com os interesses instalados...infelizmente, esses interesses instalados alimentam o populismo e a demagogia anti-europeia.

 

   Comentários no Facebook

«Jose Bandeira»Estamos mais no caminho de retorno à Europa dos Impérios.

«David Ribeiro» - Merkel está sem maioria e não vai certamente poder iniciar o seu quarto mandato de chanceler, sendo muito provavelmente forçada a aceitar a realização de novas eleições, correndo no entanto o risco de perder ainda mais espaço para a extrema-direita. E eu só me lembro do Partido Nazi, mais correctamente “Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães”, que depois de 1930 focava toda a sua ideologia no anti-semitismo e anti-marxismo, mas que tinha inicialmente como estratégia política o anti-grandes empresas, o anti-burguês e a retórica anti-capitalista, embora esses aspectos tivessem sido posteriormente minimizados a fim de ganhar o apoio das grandes entidades industriais.



Publicado por Tovi às 09:46
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 27 de Janeiro de 2018
Não esquecer... nunca

concentration-camps-rare-photos.jpg

Há 73 anos (27 de Janeiro de 1945) as tropas soviéticas libertavam o campo de concentração nazi de Auschwitz.

 

  Comentários no Facebook

«Raul Vaz Osorio» - Para quem nunca lá esteve... vão lá. Tudo o que já sabiam ou ignoravam sobre o holocausto sobe vários níveis de compreensão. Devia ser uma visita obrigatória, para garantir que não se repete

«Andre Cordeiro Dos Santos» - Por acaso gostaria de visitar. Para me ajudar a compreender como homens conseguem através da força obrigar outros a não serem diferentes. Pelo que sei vários tipos de pessoas foram escolhidas para serem enviadas para os campos de concentração. Para além de origem judia, foram católicos que se opunham a ser pro regime, ciganos, homossexuais, deficientes e comunistas… de tudo um pouco. Quem fosse útil de afastar do ideal de pureza e supremacia. Mas para mim a pergunta é o que se continua a fazer em nome desse ideal de pureza, beleza, utilidade, produtividade, idealogia? Será que o respeito humano pela vida e o amor entre os povos está ainda em risco

«Raul Vaz Osorio» - Infelizmente, está sempre em risco é o caminho mais rápido para que se repita é convencer-mo-nos de que isso é impossível



Publicado por Tovi às 09:32
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 10 de Maio de 2015
Os 70 Anos da Derrota Nazi

Moscovo Dia da Vitória 9Mai2015.jpg

(Foto REUTERS / Host Photo Agency / RIA Novosti)

Ontem em Moscovo, grandioso desfile militar que assinalou os 70 anos do triunfo sobre a Alemanha Nazi na Segunda Guerra Mundial. A Rússia celebrou o Dia da Vitória  (em russo: День Победы, Den' Pobedy) com uma parada militar em que participaram 16.500 soldados, 140 helicópteros e aviões, tanques como o T-14 Armata - que é descrito como a nova arma de destruição russa – ou os novos mísseis balísticos RS-24 Yars.

 

  Comentários no Facebook

«Fernando Duarte» >> a capitulação alemã foi assinada em Reims às 2h41 de 7 de Maio 1945, a segunda capitulação foi em Berlim às 23h01 de 8 de Maio1945 à hora de Berlim, ou seja às 01h01 de 9 de Maio 1945 à hora de Moscovo (e é isso que explica porque é que os Russos festejam o fim da Guerra 2 dois dias depois), mas a guerra só acabou mais tarde com a rendição do Japão

«Joaquim Leal» >> As imagens da parada em Moscovo, algo que só me lembrava os tempos da antiga união soviética tal o aparato. Não apreciei a ausência de figuras internacionais de maior destaque porque o momento deve ser objecto de respeito e união de todos mas o presidente russo também não tem facilitado com os comportamentos na Crimeia e mais recentemente na Ucrânia. Ao que julgo saber, apenas estiveram presentes dirigentes internacionais próximos de Putin, dos antigos territórios, Venezuela e China. Ah, o Mugabe também e imaginem, ainda o Steven Segal.

«David Ribeiro» >> A reter na memória a presença do Chinês.



Publicado por Tovi às 08:18
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9


23
24

25
26
27
28
29
30
31


Posts recentes

Da crise alemã à crise eu...

Não esquecer... nunca

Os 70 Anos da Derrota Naz...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus