"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Segunda-feira, 28 de Outubro de 2019
Reabertura do Super Bock Arena Pavilhão Rosa Mota

74534094_3440236852654982_1997196656344301568_n.jp

Estive hoje presente na Reabertura do Super Bock Arena Pavilhão Rosa Mota, cerimónia presidida pelo Presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira. (Marcelo Rebelo de Sousa estava convidado para presidir à cerimónia mas não compareceu, pois tinha uns exames médicos a que não podia faltar).

O nome dado a esta infraestrutura portuense deu grande celeuma, uns aceitarem outros repudiarem. Vejam a declaração dos Veradores Municipais do PS e o comunicado da Câmara do Porto sobre esta matéria.

 
Declaração dos Vereadores do PS

Em 1988, sendo presidente Fernando Cabral, a Câmara Municipal do Porto decidiu de forma unânime dar o nome Rosa Mota ao Pavilhão de Desportos existente nos jardins do Palácio de Cristal. Mais tarde, no início da década seguinte, já com Fernando Gomes como presidente do Município, o Pavilhão Rosa Mota foi reabilitado para receber o Mundial de Hóquei em Patins em 1991.
Essa decisão visava homenagear e perpetuar o nome da mais distinta atleta portuense e portuguesa de todos os tempos, campeã olímpica, mundial e europeia da maratona e considerada a maior maratonista de sempre. A rápida e generalizada aceitação popular desta nova designação demonstra como Rosa Mota é querida e acarinhada pelos portugueses e, em especial, pelos portuenses.
Por isso entendemos que qualquer modificação no nome do Pavilhão Rosa Mota deve ser ponderada com cuidado e rigor.
Ao contrário, a proposta que hoje aqui nos é apresentada carece de fundamentação adequada.
O único motivo apresentado para a mudança de nome é a vontade manifestada pelo concessionário. O que nos é proposto é que a Câmara Municipal do Porto aceda sem maior ponderação a esse pedido, que tem motivações exclusivamente comerciais.
Há, no entanto, bons motivos para refletir.
Será vantajoso para a Cidade associar ao nome do Pavilhão Rosa Mota uma marca comercial de uma bebida alcoólica? Será que isso contribui para o prestígio de um equipamento público onde se pretendem realizar iniciativas desportivas, culturais e congressos? Não seria útil aferir do impacto dessa alteração auscultando as instituições vocacionadas para a promoção turística, para a promoção de congressos e mesmo a população?
Não se ignora que a marca Super Bock é a designação atualmente adotada pelo grupo económico que produz a cerveja que ostenta esse nome. Mas, a verdade, é que é com essa bebida que o nome é identificado e não com a empresa no seu conjunto.
Outra questão diz respeito à vantagem económica desta mudança. Fará sentido que, realizado o concurso público para a reabilitação e exploração do Pavilhão Rosa Mota com determinados condicionalismos, seja agora permitida uma vantagem financeira adicional ao concessionário? Será justo que, com esta alteração, lucre apenas o concessionário e a Câmara Municipal do Porto, isto é, o conjunto da cidade, fique de fora?
Por último, a proposta que nos é apresentada omite qual será a aparência da futura designação, se esta alteração for aprovada. Há boas razões para temer que a designação Pavilhão Rosa Mota venha a ser abandonada em favor da valorização da marca comercial.
Parece-nos por isso avisado que esta proposta seja retirada, de modo a permitir a reflexão que propomos e a encontrar respostas para as questões que levantamos. Se assim não for, em defesa do Porto, dos valores autênticos desta Cidade que não aceitamos mercantilizar, só nos resta votar contra.

 
COMUNICADO DA CMP: Pavilhão Rosa Mota mantém nome e abre reabilitado
ppavilhao.jpg
Tendo por base notícias postas a circular por pessoas próximas à atleta Rosa Mota, a comunicação social questionou a Câmara do Porto sobre o nome do Pavilhão Rosa Mota que amanhã (28out2019) reabrirá ao público reabilitado. Impõe-se esclarecer e repor a verdade factual.
Em primeiro lugar, o executivo de Rui Moreira, quando há seis anos tomou posse, em acordo com o PS, encontrou um pavilhão em pré-ruína e praticamente inutilizado pela degradação e falta de manutenção.
Embora batizado com o nome da atleta, não tinha qualquer inscrição do seu nome nem na fachada nem em nenhum local visível. Nunca teve, aliás.
Foi então lançado um concurso público internacional que permitiu concessioná-lo e devolvê-lo ao uso da cidade, como centro de congresso e pavilhão Multiusos.
O investimento foi totalmente suportado por privados, que encontraram a forma de financiamento adequada. Pediram, esses mesmos privados, para mudar o nome ao equipamento, o que foi recusado pelo presidente da Câmara. Foi, contudo, admitido que pudessem colocar um patrocinador, que ajudasse a suportar os elevados custos de reabilitação, conforme aprovado em reunião de executivo e conforme o previsto no caderno de encargos.
Nesse processo, ficou assegurado que ninguém poderia retirar o nome da atleta da designação formal, mas que também no uso comercial o seu nome teria sempre que estar presente.
Estes dados foram fornecidos à atleta, que com eles concordou e se congratulou há mais de um ano.
Soube a Câmara do Porto que, posteriormente, a atleta e o seu representante terão entrado em negociações com o patrocinador e em conversações com o concessionário. Desconhecemos o que estava em jogo, o que negociaram as partes e que tipo de contrapartidas incluía tal negociação, tentada à margem do processo público de concessão. Não fomos pela atleta ou pelo seu representante convidados a participar em tais reuniões.
A Câmara do Porto garantiu que o nome da atleta vai ficar não apenas na designação formal e comercial como ficará, pela primeira vez, inscrito sobre a entrada principal do pavilhão e também em vários locais do seu interior. Tal nunca tinha sido possível.
A Câmara do Porto considera que o nome da atleta está mais do que nunca protegido, não compreendendo que alguém se possa considerar mais respeitado dando nome a um edifico em pré-ruína e sem uso, do que num moderno centro de congressos onde a sua designação está claramente inscrita. E não tem preconceitos quanto à existência de patrocinadores comerciais que, como noutros equipamentos semelhantes noutras cidades, ajudam à concretização de objetivos de interesse público não onerando os impostos dos cidadãos.
NOTA: foram postas a circular falsas imagens onde o nome da atleta não estava inscrito na fachada do edifício. Ora, o nome da atleta nunca esteve, desde que passou a batizar o pavilhão em 1991, inscrito no edifício. Ao contrário, como se vê na imagem, desde ontem que está inscrito, pela primeira vez. O projeto jornalístico Polígrafo, já o demonstrou, de resto.


Rui Moreira dixit

O Pavilhão Rosa Mota já está de novo ao serviço de uma cidade que não tinha um espaço multiusos que pudesse receber grandes congressos, exposições, concertos e eventos desportivos. Foi reconstruído com o investimento privado que o explora mas que também o disponibiliza ao Município. Ao contrário do que foi escrito e dito, a toponímia não mudou. Respeitámos o nome da minha amiga Rosa Mota e ainda fizemos algo que - desde que em 1991 aceitou batizar o então "pavilhão dos desportos" - nunca tinha acontecido. O seu nome passou a estar agora inscrito na fachada e pela primeira vez. E não tenham problemas com "bebidas alcoólicas". Quando o Porto era uma cidade quase desconhecida, foi o Vinho do Porto que a promoveu. Não acredito que o nome da atleta fosse mais respeitado com um pavilhão em ruína, sem uso e sem o seu nome lá escrito, do que agora que empresas portuguesas e do Porto nele decidiram investir muitos milhões e modernizar. Mas o tempo, nestas coisas, é o melhor conselheiro.

 
Digo eu... para terminar a polémica

A Rosa Mota não esteve presente, mas o auditório estava cheio. Na foto pode-se ver que eu estive lá... e nestas coisas só conta quem lá está.
72667191_10215727916738789_5701112998567870464_n.j




Sábado, 1 de Julho de 2017
Apresentação da Candidatura de Rui Moreira

1Jul2017 ac.jpg

Estive lá… e tirei as faltas.

Quem não foi tem que me enviar no prazo máximo de quarenta e oito horas justificativo comprovativo da impossibilidade de ter estado hoje à tarde, nos Jardins do Palácio de Cristal, na apresentação da candidatura de Rui Moreira à Câmara Municipal do Porto.



Publicado por Tovi às 21:06
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 4 de Setembro de 2016
Homenagem a Mário Cláudio

Feira do Livro do Porto 2016 3Set2016 aa.jpg

No dia de ontem foi homenageado na Feira do Livro do Porto o escritor portuense Mário Cláudio, através da atribuição de uma tília na frondosa Avenida das Tílias do Jardim do Palácio. A cerimónia foi presidida por Rui Moreira, Presidente da Câmara do Porto, contou com a presença do Ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, o Ministro da Defesa, José Alberto Azeredo Lopes e ainda o Director Regional da Cultura do Norte, António Ponte.

 

  Mário Cláudio 

Prémio Pessoa e Comendador da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada, entre tantas outras distinções, Mário Cláudio (pseudónimo do escritor português Rui Manuel Pinto Barbot Costa, nascido no Porto a 6 de Novembro de 1941) serve-se dos mais variados géneros literários para escrever frequentemente sobre o Porto, a sua "cidade sólida e pétrea". Autor de uma obra vasta e complexa, na qual se ingressa por diversas vias, sendo a originalidade dos seus escritos biográficos uma das mais cativantes.



Publicado por Tovi às 14:07
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 12 de Setembro de 2014
Feira do LIvro do Porto 2014 - #4

{#emotions_dlg.star} No seu manifesto eleitoral das últimas autárquicas, Rui Moreira defendia a lógica da troca de manuais escolares. E é com agrado que constatamos que o Serviço Municipal de Apoio à Reutilização dos Livros Escolares (SMARLE), organismo da responsabilidade da autarquia portuense, esta presente na Feira do Livro do Porto, nos Jardins do Palácio de Cristal, até 21 de Setembro. Durante todo o ano este serviço funciona no Gabinete do Munícipe, na Praça Humberto Delgado.

«Fernando Kosta» no Facebook >> Embora considere estas iniciativas interessantes, continuo a pensar que se inserem no folclore nacional. Então não seria mais viável que cada escola recolhesse fim dos anos lectivos os manuais e os redistribuissem no ano seguinte aos novos alunos de cada ano? Acabavam de vez estas "iniciativas" que só têm custos e servem mais para a promoção de certos figurões ou instituições...

«Cristina Santos» no Facebook >> Mas é o k se faz Fernando Kosta alunos com subsidio (finalmente) depois da iniciativa de recolha e troca de livros do Porto, entregam os livros e são usados nos anos seguintes. Para os que não tem subsidio (uma pequena minoria) a troca de livros é excelente. E ideia de um tripeiro que mt trabalhou voluntariamente e trabalha, para ela. Portanto poupou-se ao estado num sei quantos milhões, é só fazer as contas.

«Maria Helena Costa Ferreira» no Facebook >> na maioria dos países europeus são as próprias escolas que fazem o "empréstimo" dos livros aos alunos que ficam responsáveis por os devolverem em bom estado...

{#emotions_dlg.star} Vejam só como estava a sala da Biblioteca Almeida Garrett durante a apresentação feita por Pedro Abrunhosa do filme “Fahrenheit 451” de François Truffaut, na passada terça-feira, na Feira do Livro do Porto.

{#emotions_dlg.star} A não perder... na Feira do Livro do Porto.

Feira do Livro do Porto é palco amanhã da “Vintage Friday Night Fever”No dia em que se completa a primeira semana da Feira do Livro do Porto, os Jardins do Palácio de Cristal vão estar em festa. Numa organização da PortoLazer, responsável pelo programa de animação do certame, a Feira do Livro do Porto apresenta, esta sexta-feira à noite, a “Vintage Friday Night Fever”.Entre as 21h30 e as 01h00, na Concha Acústica, o público é convidado a assistir e participar numa festa “Vintage” que incluirá muita música jazz dos anos 20 a 40, aulas abertas de “lindy hop” e diversas coreografias históricas, intercaladas com dança social, “jams” e “steal dance”.A festa é produzida pela Swing Station, a primeira escola em Portugal de danças vintage americanas, com sede no Porto e em Lisboa.
{#emotions_dlg.chat} Feira do Livro do Porto é palco hoje da “Vintage Friday Night Fever”. No dia em que se completa a primeira semana da Feira do Livro do Porto, os Jardins do Palácio de Cristal vão estar em festa. Numa organização da PortoLazer, responsável pelo programa de animação do certame, a Feira do Livro do Porto apresenta, esta sexta-feira à noite, a “Vintage Friday Night Fever”. Entre as 21h30 e as 01h00, na Concha Acústica, o público é convidado a assistir e participar numa festa “Vintage” que incluirá muita música jazz dos anos 20 a 40, aulas abertas de “lindy hop” e diversas coreografias históricas, intercaladas com dança social, “jams” e “steal dance”. A festa é produzida pela Swing Station, a primeira escola em Portugal de danças vintage americanas, com sede no Porto e em Lisboa.


Publicado por Tovi às 08:12
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 6 de Setembro de 2014
Feira do LIvro do Porto 2014 - #2

Ontem foi o primeiro dia da Feira do Livro do Porto.

{#emotions_dlg.star} Paulo Cunha e Silva, Vereador da Cultura: “…damos um passo central na relação da cidade com um evento histórico: a Feira do Livro do Porto. Respeitando esse legado, quisemos reconstruí-lo a partir de uma ideia de projecto mais democrático, abeto à participação de todos os que dedicam a sua vida ao livro e que privilegiasse o leitor mas acima de tudo a cidade – afinal de contas o epíteto “do Porto” deve conter um significado real. Quisemos apresentar uma grande iniciativa que levasse bem mais longe a relação da cidade com o livro, a palavra e a leitura. Quisemos uma Feira do Livro mais livre e também virada para o futuro. Quisemos que este novo encontro entre livros e leitores fosse uma experiência particular, uma experiência “à moda do Porto”, que ultrapassasse em muito a venda de livros a preço de saldo”


{#emotions_dlg.chat} Comentários no Facebook - Grupo «Um novo norte para o Norte»

«Albertino Amaral» >> Há sempre um desmancha-prazeres… Desta vez foi o S. Pedro…!

«José Camilo» >> Não foi desta vez É SEMPRE. O gajo é sportinguista. Gosta do modelo mas num pode connosco.

«Jorge Veiga» >> Sempre que abre a fera do livro no Porto, chove! Não falha...

«David Ribeiro» >> Estava convencido que com a alteração da data da realização da Feira do Livro do Porto de Maio para Setembro, íamos trocar as voltas ao São Pedro... Mas não, ele é uma "puta velha" (sem ofensa para os cristãos) e já não vai em conversas :-)

«Isabel Branco Martins» no Facebook >> Ei ei ei alto aí sejamos justos o santo até escolheu um modo muito simpático de nos mostrar que não se tinha deixado enganar com a alteração da data... as intensas chuvadas ajudam a assentar o pó e tem desabado num horário que não tem interferido com os que massivamente tem participado nesta FESTA


{#emotions_dlg.star} Na Feira do Livro do Porto poderemos assistir hoje aos seguintes debates, que vão ter lugar no Auditório da Biblioteca Municipal Almeida Garrett:

15h30 – José Maria Vieira Mendes e João Tordo com José Maria Silva – A nova Literatura Portuguesa – Quem são os novos protagonistas da literatura portuguesa? Que caminhos trilham estes novos nomes? Multidisciplinariedade, tecnologia, mundividência: o que tem impulsionado os novos autores portugueses? Um debate sobre o universo literário português contemporâneo e as suas marcas distintas.

17h30 – Gonçalo M. Tavares e Germano Silva com Maria João Costa – A Viagem: Do mundo à Cidade – A viagem sempre esteve presente na construção da cultura portuguesa. Todavia, contrariamente ao que acontece em certos países europeus, a literatura de viagem é, hoje, um género com expressão ténue no nosso panorama literário. Abordamos neste debate a relação dos autores nacionais com a noção de viagem, também interior.



Publicado por Tovi às 08:49
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 5 de Setembro de 2014
Feira do LIvro do Porto 2014 - #1

Abre hoje às 18 horas, nos jardins do Palácio de Cristal, a FEIRA DO LIVRO DO PORTO, que este ano e pela primeira vez em 80 anos tem exclusiva organização da Câmara Municipal do Porto, através do seu Pelouro da Cultura, da empresa municipal Porto Lazer e o apoio da Biblioteca Almeida Garrett. Além dos 107 stands de 72 entidades, este grande festival literário inclui debates, ciclos de cinema, exposições, contacto com autores, um festival de Spoken Word e muito mais... e eu lá estarei, logo à hora da abertura das portas.

Não vos prometo nada, mas vou ver se consigo durante esta Feira do Livro vir aqui todos os dias para dar-vos notícias deste grandioso evento.

{#emotions_dlg.star} "Liberdade" e "Futuro" são os temas da extensa programação cultural da edição deste ano da Feira do Livro do Porto, que a transformam num dos grandes festivais literários realizados em Portugal.


{#emotions_dlg.chat} Comentários no Facebook - Grupo «Um novo norte para o Norte»

«Arnaldo Andrade» >> Para aqueles “pseudo-entendidos” que diziam “o Porto não tem cultura”, aqui vais mais um – grande – evento…

«David Ribeiro» >> Sem dúvida, Arnaldo Andrade... Sem dúvida alguma.



Publicado por Tovi às 09:19
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Posts recentes

Reabertura do Super Bock ...

Apresentação da Candidatu...

Homenagem a Mário Cláudio

Feira do LIvro do Porto 2...

Feira do LIvro do Porto 2...

Feira do LIvro do Porto 2...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus