"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Sexta-feira, 3 de Janeiro de 2014
Cheia na Régua... e mau tempo no Porto

Pois é!... O Douro continua a pregar-nos partidas, pois alguns dos seus afluentes, como por exemplo os rios Corgo e Varosa, não são controlados pelas barragens.

{#emotions_dlg.meeting} [JN 3Jan 17h04] - Caudal do Douro pode aumentar nas próximas horas na Régua - A Proteção Civil prevê uma subida de caudal do rio Douro nas próximas horas que pode ir "até um metro acima" do cais fluvial da Régua, onde já foram retirados os bens dos dois estabelecimentos comerciais ali instalados. Manuel Saraiva, responsável pela Proteção Civil Municipal de Peso da Régua, disse à agência Lusa que, para as próximas horas, se prevê "algum aumento do caudal". Durante a manhã, o rio subiu de forma inesperada. Para atingir esta plataforma o Douro sobe entre "o metro e meio aos dois metros" acima do leito normal.

{#emotions_dlg.star} O Departamento de Proteção Civil da Câmara Municipal do Porto emitiu um aviso de mau tempo para amanhã, dia 4 de Janeiro, devido à ocorrência de aguaceiros, por vezes fortes, e que poderão ser de granizo e acompanhados de trovoada, diminuindo de intensidade e de frequência a partir da tarde. O vento soprará moderado (20 a 30 km/h), temporariamente moderado a forte (30 a 40 km/h), com rajadas ate 80km/h, tornando-se fraco a moderado a partir do meio da tarde. Os serviços municipais alertam sobretudo para os riscos para a circulação automóvel e apelam a que sejam tomadas medidas preventivas, nomeadamente através de condução defensiva e de redução de velocidade.


«Jorge Veiga» no Facebook >> Quero a Primavera, já!...

«Maria Ilídia Barros» no Facebook >> Eu preferia o verão. O melhor é ir até ao Brasil!



Publicado por Tovi às 19:55
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 12 de Novembro de 2013
O Vinho do Porto nas Invasões Francesas - #3

(Pormenor do Monumento aos Heróis da Guerra Peninsular na Rotunda da Boavista no Porto)

Está documentalmente comprovado que é no período imediatamente posterior às Invasões Francesas que o nosso Vinho do Porto deixa de ser uma bebida exclusiva dos britânicos e as exportações para França ganham um incremento notável. Com efeito durante toda a Guerra Peninsular (1807-1814) as tropas de Napoleão que invadiram Portugal requisitaram continuamente os nossos néctares para fazerem parte da ração dos soldados franceses. Nesse mesmo período as tropas de Lord Wellington (General Arthur Wellesley, comandante supremo do exército anglo-luso) consumiam também os vinhos da Real Companhia Velha, destacando-se um fornecimento de 300 pipas, feito através dos seus armazéns da Régua, ao exército então estacionado em Lamego. Com o fim da guerra e o regresso a casa das tropas francesas e britânicas, estes soldados levaram para as suas cidades e aldeias o gosto pelo Vinho do Porto e assim o nosso Néctar dos Deuses se “democratizou” e deixa de ser unicamente uma bebida de lordes.


«Antonio Cruz» no Facebook >> sorte a nossa que o Arthur nunca mais se lembrou da canja

«David Ribeiro» no Facebook >> ...senão lá iam as nossas galináceas :-)

«Antonio Cruz» no Facebook >> nem mais

«Jorge Veiga» no Facebook >> tudo muito lindo, mas o Vinho do Porto não é um néctar dos Deuses, como está escrito em cima. É nosso! Podemos dar algum aos Deuses, mas só algum...

«José Camilo» no Facebook >> Sorte a deles o FCP ainda não existir...



Publicado por Tovi às 08:07
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 11 de Maio de 2012
Restaurante A Companhia

Estive ontem na Régua... E almocei no restaurante A Companhia, o restaurante do Museu do Douro. Muito bom e a um preço excepcional (9,00 euros por pessoa) o almoço buffet, com sopa, salada, peixe (bacalhau c/ broa), carne (grelhada mista de carnes), sobremesas, um vinho tinto do Douro e café. O serviço é cordial e perfeito. Parabéns à empresa "AC - Restauração e Catering, Lda" que faz a gestão deste espaço.


«Raquel Ventura» in Facebook >> Sortudo......hei-de lá ir :)

«Rui Lopes A. D'Orey» in Facebook >> € 9,00 com isso tudo?? Muito bom.

«António Oliveira» in Facebook >> a seguir o conselho do genro e da filha... muito bem..

«David Ribeiro» in Facebook >> Sem dúvida, caro amigo Rui, é um preço espectacular. Nunca lá tinha ido, eu que vou praticamente todas as semanas ao Douro, mas a minha filha e genro já me tinham recomendado.

«Rui Lopes A. D'Orey» in Facebook >> Irei lá da minha próxima visita à Régua.



Publicado por Tovi às 07:45
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 31 de Agosto de 2011
Manifestação de vitivinicultores na Régua

Estes vinivicultores... só se lembram de Santa Bárbara quando troveja. {#emotions_dlg.sidemouth}

{#emotions_dlg.meeting} [JN] - Três detenções em manifestação de vitivinicultores na Régua - Alguns vitivinicultores da Região Demarcada do Douro tentaram, esta quarta-feira, forçar a entrada no edifício sede do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto, no Peso da Régua, na sequência de uma manifestação contra os limites impostos à produção de Vinho do Porto. (...) A redução de 25 mil pipas na produção de Vinho do Porto decretada para a vindima deste ano serviu de mote à manifestação organizada pela Associação dos Vitivinicultores Independentes do Douro (Avidouro). De acordo com as informações da GNR, o protesto reuniu entre mil e 1500 pessoas.


«Loja do Pecado Guimarães» in Facebook >> Esta na altura de hega



Publicado por Tovi às 19:35
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 28 de Dezembro de 2010
Restaurante Gato Preto na Régua

Hoje fui à Régua e almocei no Restaurante Gato Preto, ali mesmo ao lado do Museu do Douro, na Avenida João Franco, uma casa com uma sala requintada e confortável, com boa cozinha e onde uma refeição composta por prato, vinho da casa, sobremesa e café não vai além dos 12 euros.



Publicado por Tovi às 21:56
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 19 de Novembro de 2010
Linha de comboio Régua-Pocinho

 Só faltava mais esta... encerrar a linha do Douro entre a Régua e o Pocinho.

 De acordo com fonte fidedigna, pode-se informar que estão a ocorrer algumas instruções que nos levam a acreditar que a CP pretende eliminar 4  ligações diárias, 2 em cada sentido, de comboios Porto-Pocinho. Neste momento, está a ser feita a contagem dos passageiros para terem argumentos para tomar a decisão. A contagem está a ser feita agora, que é um mês com pouco tráfego. Nos meses de Julho, Agosto e Setembro os comboios andaram cheios.Também há informações de agências de viagens ligadas aos barcos que levam à mesma informação. Temos todos de nos unir e divulgar mais este erro que se vai cometer contra o Douro, num momento em que o Turismo está a crescer nesta sub-região, apesar da crise. A decisão será tomada para o dia 21 de Novembro, em segredo, para que seja apresentado como um facto consumado sem reacção das populações. Quem quer sabotar o Douro? (De José Ferraz Alves e Rui Rodrigues no blog "A Baixa do Porto")


«Zé Regalado» in Facebook >> Se só faltasse esta, estávamos mt bem. O pior é que há mt mais para vir

«Nuno Gonçalo Monteiro» in Facebook >> Para pagar o TGV nem fechando as linhas todas se safam.

«Ana Alyia» in Facebook >> por acaso concordo com o Zé... oh David se acredita que só faltava essa deixe-me dizer-lhe que é muito ingénuo :)



Publicado por Tovi às 07:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 27 de Outubro de 2009
Quinta do Castelinho

A empresa Castelinho Vinhos SA foi criada em 1990, sendo uma das primeiras casas produtoras a exportar directamente Vinho do Porto da Região Demarcada do Douro e também a apostar numa nova imagem empresarial de produção e comercialização de vinhos desta região. A sede administrativa do grupo Castelinho e o principal centro de vinificação estão localizados em Cambres, concelho de Lamego. Na cidade da Régua está situada a Quinta de S. Domingos (Castelinho e São Domingos Turismo SA) onde são disponibilizadas visitas gratuitas às caves de Vinho do Porto e Douro, com guias especializadas e sem marcação prévia.

E estou a falar-vos da CASTELINHO porque no passado fim-de-semana fui ao hipermercado Continente de Matosinhos e comprei a muito bom preço dois bons vinhos desta casa: Castelinho DOC Douro Tinto 2007 a 1,90€/75cl (incluindo já 50% de desconto em cartão Continente) e Vinho do Porto Quinta do Castelinho Tawny 10 Anos a 9,25€/75cl (incluindo já 50% de desconto em cartão Continente).



Publicado por Tovi às 21:15
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 21 de Dezembro de 2008
Inauguração do Museu do Douro

“Tomai lá o Museu do Douro (…) Fiz aquilo que me comprometi a fazer” – Foi o que disse Fernando Maia Pinto na inauguração da Sede do Museu do Douro [Sábado, 20 de Dezembro de 2008]. E até que enfim, pois já lá vão onze anos sobre a data do Decreto-Lei [2Dez1997 - DL nº 125/97 da Assembleia da República] que instituiu este museu, não só um edifício para expor motivos durienses, mas também e principalmente um conjunto de onze núcleos museológicos espalhados por toda a Região Demarcada do Douro e com sede na agora reabilitada Casa da Companhia, um antigo edifício da Real Companhia Velha na Régua.

 



Publicado por Tovi às 09:07
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 1 de Novembro de 2008
Rebuçados da Régua (II)

«José Nero» / NovaCrítica-vinho ► Rebuçados da Régua, podem ser comprados no Porto na Casa Chinesa.

 

Ena pá!... Esta semana comprei Rebuçados da Régua na Casa Chinesa (Rua Sá da Bandeira no Porto) e são fantásticos.

São apresentados num saquinho de celofane (10 rebuçados = 1 euro) com os seguintes dizeres impressos:

REBUÇADOS ®
DA
RÉGUA

Fabrico Artesanal
Douro – Portugal
Embalagem com 10 unidades - PL. 80g (+-)
Consumir de preferência antes do final de: Fev.2009
Lote nº 09-113
Fabricado e embalado por Dulce Guimarães Pereira da Silva – Vale de Vinhas – Peso da Régua
Composição: Água, açúcar e plantas aromáticas

Vêem como é possível fazer “produtos artesanais” com qualidade e dentro das normas?...

 

«XôZé» / ViriatoWeb ► Os chinocas, não há nada que não saibam fazer.

«Tovi» / ViriatoWeb ► A Casa Chinesa é uma mercearia fina que há mais de sessenta anos está aberta ao público na Rua Sá da Bandeira no Porto e onde se pode encontrar praticamente de tudo ...de tudo que é bom. E os seus donos não são chinocas... São portugueses ...portugueses do Porto.

«XôZé» / ViriatoWeb ► "...portugueses do Porto" - Ehehe...Eu sabia, só estava a pikar... Faço-o muito raramente como sabes.

«Reboredo» / ViriatoWeb ► "São portugueses ...portugueses do Porto" - naturais de Trás-os-Montes provavelmente! Como os alfacinhas são do Alentejo.

«olhos de amêndoa» / ViriatoWeb ► Eu sou alfacinha com descendêndia Alentejana paterna.

«XôZé» / ViriatoWeb ► Está mais do que provado que só os algarvios são mesmo algarvios.

«Reboredo» / ViriatoWeb ► São os norte/africanos que o filho do Egas Moniz empurrou para lá.

«XôZé» / ViriatoWeb ► Eu diria no meu caso em particular que fui chutado por um kungunhama para os Algarves...

«Tovi» / ViriatoWeb ► Prontos!... Fica mais que provado que o «XôZé» nem "português de segunda" é... Quanto muito e se fôr verdade o que nos ensinaram os nossos professores "do tempo da outra senhora", será um PRETO PINTADO DE BRANCO.

«XôZé» / ViriatoWeb ► "...será um PRETO PINTADO DE BRANCO" - Com os predicados inerentes, já agora..eheh




Quarta-feira, 15 de Outubro de 2008
Rebuçados da Régua

Ontem fui ao Douro... E ao passar pela centenária estação de caminho de ferro da Régua comprei dois saquinhos dos famosos Rebuçados da Régua. Disse-me a rebuçadeira a quem os comprei (cada saco custa um euro e tem nove rebuçados) que esta especialidade regional do Douro é açúcar, casca de limão, mel e mais um pequeno segredo que não me contou (cá para mim deve levar um calicezito de Vinho do Porto…). São feitos em cima de uma pedra mármore branca untada com manteiga e onde se deita o rebuçado “em ponto”. Depois de cortados são embrulhados em papel branco e ensacados. E que bons que são!...

 

«jms» / NovaCrítica-vinho ► Desde pequenino, ainda a máquina que vinha do Alto Douro era a carvão e era mudada na Regua para outra a diesel que me habituei a ver essas senhoras a entrarem no combóio para vender os saquinhos de rebuçados. São feitos de açucar em "ponto de rebuçado". Na minha memória deles não tenho nenhum sabor a limão...

«alentejano» / NovaCrítica-vinho ► Em casa não falham os ditos cujos, a família da Margarida é da Régua.

«bbe» / NovaCrítica-vinho ► Lembro-me de ir de Autocarro para Trás-os-Montes e de ver as senhoras a entrar no autocarro e vender os rebuçados. Não me lembro também de nenhum sabor a limão, mel ou outro, pensava até que era só açúcar em ponto de rebuçado. No entanto eram rebuçados maiores que o normal. Já há uns anos que não os como.

«Tovi» / NovaCrítica-vinho ► Pois!... O sabor dos actuais rebuçados da Régua não me parece igual aos de antigamente… Ou então sou eu que não tenho grande memória gustativa. Mas a verdade é que os que comprei hoje me pareceram mais saborosos e não duvido que são algo mais que açúcar…

No "site" da Câmara Municipal de Peso da Régua pode-se ler: Cada Rebuçadeira confecciona os rebuçados de um modo muito próprio. No entanto, para quem quiser aprender, aqui fica a sugestão: depois de o açúcar em ponto, com duas cascas de limão, ter passado para a pedra mármore, untada com margarina e daí para o plástico esticado da mesa, ainda a ferver, as mãos vão cortando os rebuçados um a um, rápida e habilmente, para depois os embrulhar em forma de laçarotes.
Se o «jms» e o «bbe» quiserem prova-los, é só fazerem o favor de me enviarem por MP um endereço postal para onde vos possa enviar umas amostras. E até podemos depois publicar aqui no NovaCrítica-vinho umas “notas de prova” dos Rebuçados da Régua.

«jms» / NovaCrítica-vinho ► Tovi, obrigadíssimo pela sua disponibilidade, as usual.

«José Nero» / NovaCrítica-vinho ► Rebuçados da Régua, podem ser comprados no Porto na Casa Chinesa.

«alentejno» / NovaCrítica-vinho ► Caro Tovi nos rebuçados que tenho aqui, o toque subtil de limão dá para notar, mas cheiram um pouco a esteva... será esse o segredo? Se bem que ao que parece, a receita pode variar.

«Rui Lourenço Pereira» / NovaCrítca-vinho ► E em Lisboa onde se encontram?

«Senhor dos Vinhos» / NovaCrítica-vinho ► Em Lisboa, como distribuidor da Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo, pode comprar directamente a nos ou Garrafeira Internacional, Deli Delux.

  

«Viriato» / ViriatoWeb ► "...centenária estação de caminho de ferro da Régua" - 129 anos !

«Scalabis» / ViriatoWeb ► Se a ASAE descobre onde são feitos lá se vai mais um produto centenário.

 

«Rafael de Zafra» / AzulJasmim.info ► En Málaga tenemos unos rosquillos de vino muy parecidos a los rebuçados... Cosas de hermanos en la distancia... Nos parecemos tanto!!!

«guga» / AzulJasamim.info ► HUMMMMMMMMMM tenho vindo aki espreitar mas nunca me atrevi a dizer nada, é k a minha cultura vinicula é muiiiiiiiiiiiito fraca ou seja 000000000000, aliás eu nem conto como compro esse nectar [Vinho do Porto] quando tenho visitas cá em casa senão  vocês morriam de tanto rir, mas rebuçados já é outra coisa. Não conheço os da Régua embora sendo lisboeta conheço bem essa zona e as suas gentes, é k a minha familia materna é de Mesão Frio, ora bem babo-me pelas Regueifas (não me lembro de onde são, Valongo???), pelos biscoitos da Teixeira e outras iguarias mas esses rebuçados não serão parecidos com os dos Arcos de Valdevez?... Que eu tive de comprar logo 2 sacos mesmo a 3.00€ quando os descobri numa lojinha dessas linda terra osde estivemos há +/-15dias e que fizeram lembrar os meus tempos de criança quando o meu avô mos trazia..... é que ele era de lá.
 Pronto lá tenho de ir comer outro.........



Publicado por Tovi às 08:28
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 9 de Agosto de 2008
Memória da Terra do Vinho

Ontem fui ao Douro… E estive na Régua… Na minha atarefada jornada de trabalho lá consegui arranjar uns três quartos de hora para visitar a exposição MEMÓRIA DA TERRA DO VINHO que está patente no área de exposições do Museu do Douro, no antigo Armazém 43.

Memórias do Lugar - O Armazém 43 integrava a Quinta da Ameixoeira no século XVIII e conheceu vários proprietários ao longo dos tempos, dos quais se destacam a Ferreirinha e a Casa do Douro. Nos finais do século XX foi adquirido pelo Instituto do Vinho do Porto que nos últimos tempos cedeu uma parte à Fundação do Museu do Douro.


O Território - Sem sombra de dúvida, o Alto Douro é terra de vinho… E esta vocação vinhateira decorre de várias condições naturais específicas – o relevo, o solo e o clima mediterrâneo – que marcaram o povoamento, as actividades agrícolas e os sistemas comerciais da região.

(continua)



Publicado por Tovi às 16:45
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 14 de Janeiro de 2008
O que é feito do MUSEU DO DOURO?...

O Museu do Douro, na Régua, foi criado por uma lei da Assembleia da República aprovada por unanimidade em 1997. Mas só em Dezembro de 2005 o Conselho de Ministros aprovou o Decreto-Lei que criou a Fundação Museu do Douro, tendo como fins a instalação, a manutenção e a gestão do Museu do Douro, instituição museológica de âmbito regional vocacionada para a inventariação, recolha, investigação, preservação, valorização e divulgação do património material e imaterial do Douro Vinhateiro. E desde então até hoje pouco mais se tem feito que assistir a “guerras” entre os membros da direcção e a administração desta Fundação. É certo que as obras já estão a decorrer e Maia Pinto, o actual Director do Museu, já garantiu por diversas vezes que a sede desta unidade museológica, orçada em 7,5 milhões de euros, ficará concluída até Outubro de 2008, mas é uma tristeza que fazendo uma busca no Google por “Museu do Douro” a resposta seja website em desenvolvimento.

«Viriato»Tovi escreveu: "O Museu do Douro, na Régua, foi criado por uma lei da Assembleia da República aprovada por unanimidade em 1997" - quando se trata de beber, todos os deputados estão de acordo ! :lol:



Publicado por Tovi às 18:46
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 5 de Setembro de 2007
Douro Jazz

Para esta vindima de 2007 o Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto associou-se ao Teatro de Vila Real na realização do Festival Internacional Douro Jazz, que decorrerá entre os próximos dias 21 de Setembro e 20 de Outubro, em algumas cidades da região.

Douro Jazz

O concerto de abertura terá lugar no Solar do Vinho do Porto, na Régua, no dia 21 de Setembro com o grupo Dixieland Desbundixie (Portugal) e o encerramento no Teatro de Vila Real, no dia 20 de Outubro, com a actuação de Billy Cobham.

Concertos a realizar no Solar do Vinho do Porto, na Régua
Dia 21 de Setembro, Dixieland Desbundixie (Portugal)
Dia 28 de Setembro, Gustavo Rivero y su Quinteto (Cuba)
Dia 5 de Outubro, Bossa Injazz (Brasil)
Dia 12 de Outubro, Edu Miranda Trio (Brasil)

«XôZé» ⇒ Não gosto de Jazz mas simpatizo com o vinho. Legal   Estas misturas combinam? rolando os olhos

Claro que o vinho acompanha muito bem toda e qualquer música.
No livro Vinho & Algo Mais de Marcelo Copello, no capítulo Vinho & Música é aconselhado para o Jazz um Cabernet Sauvignon californiano.
Já agora e só por curiosidade: Neste livro o Vinho do Porto Vintage é indicado para o Canto Gregoriano, pois diz o autor que são os dois muito solenes. Não concordo muito, mas...




Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


26
27
28
29

30


Posts recentes

Cheia na Régua... e mau t...

O Vinho do Porto nas Inva...

Restaurante A Companhia

Manifestação de vitivinic...

Restaurante Gato Preto na...

Linha de comboio Régua-Po...

Quinta do Castelinho

Inauguração do Museu do D...

Rebuçados da Régua (II)

Rebuçados da Régua

Memória da Terra do Vinho

O que é feito do MUSEU DO...

Douro Jazz

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus