"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Sábado, 5 de Setembro de 2020
A vacina russa para combater o vírus SARS-CoV-2

118849714_10218155296821774_9106359342169505022_o.

The Lancet, uma das mais prestigiadas revistas científicas do mundo acaba de publicar os dados dos testes da primeira vacina russa contra a COVID-19. Menos de um mês após o registo da vacina, The Lancet publicou ontem os resultados das primeiras duas fases de testes clínicos do medicamento, algo que era muito aguardado pela comunidade científica mundial. O material publicado responde às críticas de especialistas estrangeiros e traz a tão esperada clareza sobre o desenvolvimento do medicamento pelos cientistas russos. Fica assim aceite que a Sputnik V, sendo a primeira vacina contra a COVID-19 registada na Rússia e no mundo, não só é eficaz no combate ao coronavírus SARS-CoV-2 como a sua aplicação é segura.

 

   Comentários no Facebook

Raul Vaz OsórioNão é verdade. Em primeiro lugar, o Lancet fez uma publicação de tipo informal, não é uma publicação com "chancela" após peer review. A confusão é natural, muita gente desconhece a existência deste tipo de publicações que são mais "jornalísticas" do que científicas, mas é um facto. Depois os testes das fases divulgadas não garantem em termos médicos a eficácia e muito menos a segurança da vacina. É bom que se faça esta publicação, não me interprete mal, mas ainda estamos a anos luz das conclusões que tirou. Há uma campanha de marketing politico desenvolvida por Putin sobre este assunto, tal como há por outros lideres populistas deste mundo, parecem traças á volta do candeeiro. Aconselho o meu amigo David a ler todas as notìcias deste cariz com um grão de sal. Um abraço

David RibeiroCaríssimo Raul Vaz Osorio… Como é óbvio tenho muito pouco saber para falar deste assunto e o que escrevi foi o que li. Dizia também o artigo, referindo-se às conclusões da The Lancet: “Um dos maiores receios da comunidade científica em relação ao uso de vacinas na base de vetores de adenovírus do ser humano – é este precisamente o método usado pela vacina Sputnik V – seria a existência anterior em algumas pessoas de imunidade em relação aos adenovírus. Em outras palavras, havia o receio de que esta imunidade não deixasse entrar no organismo a quantidade necessária de adenovírus humano, que na vacina exerce a função de "táxi", levando às células o material genético da membrana externa do coronavírus (é bom lembrar que a vacina Sputnik V não contém o próprio coronavírus, o que excluiu completamente a possibilidade de infecção). Considerando que as pessoas habitualmente adoecem por adenovírus (um exemplo é o simples resfriado), nelas pode-se formar imunidade, a qual teoricamente poderia reduzir a eficiência da vacina, que usa adenovírus como vetor. Os resultados dos testes acabaram mostrando o oposto: a imunidade pré-existente não influencia a eficiência da vacinação.”

Raul Vaz Osório - Sim, eu apenas quis esclarecer. Quanto ao esquema dos 2 vectores diferentes para cada dose é interessante embora não seja assim tão inovador como sugerido. Não é por aí, esse destaque faz parte da tal campanha de marketing.

 

   Dados atualizados ao dia de hoje
COVID-19 Mundo 05set.jpg



Publicado por Tovi às 07:49
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 22 de Maio de 2018
Morreu António Arnaut

Requiescat in Pace

António Arnaut morreu 21Mai2018.jpg

Faleceu ontem António Arnaut. Não foi um homem consensual, mas os melhores raramente o são. Mas a democracia portuguesa deve-lhe muito. Foi ele o principal obreiro da mais sólida e transversal realização do regime pos-25 de Abril. Falo, obviamente, do SNS. Atrevo-me a sugerir que é o cimento mais forte que ainda o mantém de pé e que ao mesmo tempo é um importantíssimo factor de coesão da nossa sociedade. Todos teremos opiniões, umas mais positivas, outras menos, todos o quereremos mudar de alguma forma, uns com maior realismo outros com tons mais utópicos, uns com o conhecimento do profissional, outros com o sentir do doente, mas não conheço ninguém hoje em dia em Portugal que conceba a possibilidade de viver sem ele. Para mim, o SNS tem sido um dos focos de toda a minha vida adulta, como profissional que fez toda a sua carreira no seu âmbito, tanto na vertente pública como na privada/convencionada (e nunca em simultâneo, por opção pessoal, não por imposição). Tem sido também um motivo de orgulho enquanto cidadão, pois com todas as suas falhas (e muitas são) é reconhecido internacionalmente como mais uma demonstração de como nós, portugueses, conseguimos nas poucas ocasiões em que remamos para o mesmo lado, ser capazes, ser grandes. Confesso que fui reticente no início, a criação do SNS pareceu-me a mim, jovem estudante de Medicina crescido num ambiente de práctica médica privada e muito lucrativa, uma agressão ao meu futuro, mas em poucos anos e vendo como o nível de cuidados prestados aos doentes cresceu exponencialmente não só em acessibilidade mas também em qualidade, rendi-me ao projecto e à sua enorme importância social e humana. Hoje, como os outros todos, não consigo conceber um Portugal sem o seu SNS, motivo de orgulho e tranquilidade. Os desafios que se colocam hoje ao SNS são muitos e difíceis. Não quero neste espaço entrar na discussão desse campo, mas quero pedir a todos os intervenientes que, seja qual for o sentido em que evolua, nunca possa perder os princípios que nortearam António Arnaut quando o ajudou a criar. Por isso e hoje, por esses princípios que ainda hoje se mostram tão importantes e válidos e pela energia e visão necessárias para lutar pela sua concretização, quero dizer muito obrigado, António Arnaut. (Raul Vaz Osório‎ no “Um novo norte para o Norte”)



Publicado por Tovi às 10:36
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Setembro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9



29
30


Posts recentes

A vacina russa para comba...

Morreu António Arnaut

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus