"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Quinta-feira, 5 de Maio de 2022
Ao 71.º dia é assim que estamos

5mai2022.jpg
O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky pede uma trégua prolongada para resgatar os cerca de 200 civis e combatentes abrigados nos bunkers da siderúrgica Azovstal.

A Rússia afirma que suas forças interromperão as hostilidades em Azovstal e abrirão um corredor humanitário por três dias [das 8h00 às 18h00 (horário de Moscovo) nos dias 5, 6 e 7 de maio].
 
 

  

guerra-na-ucrania-02032022084426141.jpegA Polónia e a Suécia, em parceria com a União Europeia, organizam hoje uma conferência internacional de doadores para a Ucrânia. A iniciativa, que visa fornecer apoio humanitário à Ucrânia, será presidida pelos primeiros-ministros da Polónia, Mateusz Morawiecki, e da Suécia, Magdalena Andersson, em parceria com o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e com a presidente da Comissão Europeia Ursula von der Leyen. O primeiro-ministro português, António Costa, vai participar no evento por meios digitais. A reunião, convocada ao nível de chefes de Estado e de Governo, conta ainda com a participação de representantes de empresas e instituições financeiras globais. Segundo Varsóvia e Estocolmo, esta conferência, que dará início a uma série de eventos de apoio à Ucrânia que irão decorrer nos próximos meses, visa arrecadar fundos para satisfazer as crescentes necessidades humanitárias da Ucrânia, onde cerca de 13 milhões de pessoas precisam de ajuda humanitária vital, incluindo abrigo, alimentos e medicamentos. Os dois países afirmam que “é essencial mobilizar ajuda internacional imediata para a Ucrânia, que atualmente cobre menos de 15% do que é necessário”.
Entretanto o Reino Unido anunciou também no dia de hoje um pacote de 45 milhões de libras (53 milhões de euros) de ajuda humanitária à Ucrânia, sobretudo a mulheres e crianças, canalizado na maior parte através das agências e instituições da ONU. O Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico disse que o apoio destina-se a pessoas mais vulneráveis afetadas pelo conflito, pelo que 15 milhões de libras (18 milhões de euros) serão destinados ao Fundo Humanitário da ONU para a Ucrânia (UHF), outros 15 milhões de libras para a UNICEF.
O primeiro-ministro português, António Costa, anunciou na Conferência de Alto Nível de Doares para a Ucrânia, que decorre em Varsóvia, numa intervenção que fez por vídeo, que Portugal vai contribuir com 2,1 milhões de euros em ajuda humanitária à Ucrânia, dos quais um milhão de euros para as respostas das Nações Unidas e 1,1 milhões adicionais.

Captura de ecrã 2022-05-05 142614.jpg

 

 


gas-natural-eua-1.jpg
A presidente da Comissão Europeia apresentou ontem o novo pacote de sanções contra a Rússia, que passam pelo embargo do petróleo e gás russos até ao final do ano. E não há dúvida que mais sanções e cada vez mais direcionadas à economia do Kremlin são fundamentais. Mas tenhamos tininho na forma como as vamos implementar, pois na União Europeia nem todos têm o mesmo arcaboiço económico e são vários os países que dependem muito do gás e produtos petrolíferos vindos da Rússia, correndo nós o risco de acabarem as sanções por terem efeitos contra os próprios países europeus.
A ministra francesa do Meio Ambiente e Energia, Barbara Pompili, diz estar confiante de que os Estados membros da União Europeia chegarão a um consenso sobre como encerrar as importações de petróleo russo até o final desta semana. “Alguns países são mais dependentes do petróleo russo do que outros e, portanto, devemos tentar encontrar soluções para que eles possam aderir a essas sanções (...) Mas acho que devemos ser capazes de fazê-lo", disse a ministra à rádio France Info.

  Não!... Não vai ser fácil, seguramente
1 .jpg

 

 

  19h45 (TMG) de hoje / Al Jazeera
Azovstal.jpgUma terceira operação está em andamento para retirar civis da cidade portuária ucraniana de Mariupol e das instalações da siderurgia Azovstal sitiada, disse António Guterres, secretário-geral da ONU. Guterres recusou-se a dar detalhes sobre a nova operação “para evitar prejudicar um possível sucesso”. “Espero que a coordenação contínua com Moscovo e Kiev leve a mais pausas humanitárias para permitir que os civis passem a salvo dos combates e que a ajuda chegue àqueles em necessidade crítica”, disse ele aos 15 membros do Conselho de Segurança. “Devemos continuar a fazer tudo o que pudermos para tirar as pessoas desses cenários infernais.”



Publicado por Tovi às 08:53
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 4 de Abril de 2022
Uns querem a GUERRA... outros a PAZ

2abr2022.jpg

Os EUA + Reino Unido + Polónia querem a GUERRA… A esmagadora maioria dos países da União Europeia são pela PAZ… e enquanto isto não se resolve quem se lixa é o Povo Ucraniano.

Como muito bem dizia Azeredo Lopes num recente artigo de opinião… “O erro da análise é consequência de uma hiperbolização, que vive obcecada com uma referência simples ao bem, e uma referência simples ao mal. Vladimir Putin é o mal absoluto, Zelenskii um herói. E pronto, para além disto é provocação. (…) É uma cruzada, que só parará quando estivermos outra vez dentro das muralhas de Jerusalém e virmos ao longe a Sodoma e Gomorra moscovita. A arder. Menos do que isso é pouco.”

Isto tudo sem renegarmos a grande "filha-da-putice" que está a ser a invasão da Ucrânia pelas tropas de Putin.


Chico GouveiaEste artigo do Azeredo Lopes é uma das maiores imbecilidades que li ultimamente. Mas, dele, há muito que não espero muito mais.
Jorge SaraivaO quê?! Francamente.
Paulo Barros ValeQuerem a guerra ? O que é isso ? O Azeredo não vale um charuto ! Nunca valeu !
Joaquim Pinto da SilvaA estratégia dos "compagnons de route" de Putin, mais ou menos disfarçados, é a de tentar dividir o campo das democracias ocidentais. As "divergências" que aparecem são apenas formais e não demonstram nenhuma cedência na questão essencial: obter a paz pela retirada das tropas russas, pela condenação da Rússia e pela liberdade para a Ucrânia. Liberdade total, longe das exigências de "neutralidade" que lhe querem impor.
Paulo Barros Vale
Joaquim Pinto da Silva... absolutamente !!!!!
Carlos Miguel SousaÉ o que penso também. Mas pelo meio a Rússia expôs enormes fraquezas militares e isso pode não ser bom a curto prazo...

 


Stop-Putin-banner-800x450.jpgSegundo disse Paolo Gentiloni, comissário europeu da Economia, está-se a trabalhar em novas sanções à Rússia, mas quaisquer medidas adicionais não deverão afetar o setor da energia. E também afirmou que os 27 Estados-membros vão seguramente enfrentar uma desaceleração do crescimento causada pela guerra na Ucrânia, mas não uma recessão, dizendo que a previsão de crescimento de 4% era muito otimista e que a UE não a alcançará.

 


3abr2022 Odessa.jpg
"Pesadas batalhas" estarão para breve na Ucrânia, em particular nas regiões do Sul e de Leste, bem como na cidade de Mariupol, disse este sábado Oleksiy Arestovych, conselheiro presidencial de Volodymyr Zelensky.

Chico Gouveiaainda não entendi (se calhar sou eu e mais uns milhões) o que é que Putin, realmente e definitivamente, quer. Isto em termos de geoestratégia política e, consequentemente, militar. Mas mesmo admitindo que o que pretende é, somente, uma ligação aos Mares de Azov e Negro, não entendo como é que, neste séc. XXI, não se obtém isto pacificamente, por negociação, como zona de circulação franca, sem necessidade de anexar e poupando os custos de sustentabilidade daquela área. Sob este aspecto, pelo menos há que aprender uma coisa com os chineses (que já o perceberam há muito): pode ser-se dono do que se quiser sem se disparar um tiro. Por estas e por outras me convenço que, nesta guerra, há muito de pessoal. Putin é um primário: não consegue distinguir a política dos ódios pessoais. Primário perigoso, traiçoeiro e implacável. Mas a Europa, e especialmente a Srª Merkel, deviam ter percebido isto há muito.
David Ribeiro
Sim, Chico Gouveia, é por tudo isso que dizes mas também será por aquilo que muitas vezes nos esquecemos ou queremos acreditar não existir: Putin não quer a NATO nas suas fronteiras.
Chico Gouveia
David Ribeiro... talvez. Mas se o Zerensky já lhe assegurou a neutralidade, com revisão Constitucional na Ucrânia, então? Bastava que Putin colocasse na mesa as garantias como, por exemplo: a fiscalização da neutralidade a cargo da China, Índia, etc., os seus aliados. Para mim, há uma questão pessoal insanável contra Zerensky. São as pequenas histórias pessoais que fazem as complicações da História. E pode haver outro problema: mais tarde ou mais cedo, a democratização da Rússia, que não deve demorar depois da queda de Putin, vai trazer a Rússia para o seio da União Europeia. A corrente política europeísta política é muito forte na Rússia. É essa que Putin combate prendendo e depois eliminando, os seus opositores políticos. Mas, como todos os ditadores, Putin não quer sair da História sem uma tremenda mancha de sangue.
David Ribeiro
Chico Gouveia ... Também sou da opinião que é "por dentro" que os russos vão acabar com Putin e seus lacaios. Daí eu ser favorável a mais e mais duras sanções... malgrado ser o povo que vai sofrer com tudo isto.
Carlos Miguel Sousa
Putin está longe de ser um primário. É um tipo frio, calculista e muito inteligente. O Objectivo é ficar com toda a costa do mar negro, para dessa forma ter sempre a Ucrânia, na mão.

 


Odessa 3abr2022.jpgFumo negro eleva-se no ar após ataques por mísseis navais e terrestres de alta precisão no porto estratégico de Odessa, na manhã deste domingo [3abr2022]. Confirma-se aquilo que se esperava: As tropas de Putin estão a tentar consolidar o seu poderio militar no sudoeste da Ucrânia, para controle efetivo do Mar Negro. As últimas notícias relatam que ataques de mísseis destruíram a refinaria de petróleo Kremenchug na região de Odesa. Dmytro Lunin, governador da região de Poltava, na Ucrânia, disse na televisão que “o fogo na refinaria foi extinto, mas a instalação foi completamente destruída e não pode mais funcionar”.
  Contextualizando...
Odessa mapa.jpg
Odessa é uma cidade costeira ucraniana situada nas margens do Mar Negro, a noroeste da Península da Crimeia. É a quarta maior cidade do país, contando com pouco mais de um milhão de habitantes (dados de 2021). A cidade tem dois grandes portos, um na cidade propriamente dita e outro nos subúrbios - o Yuzhny (terminal petrolífero importante em termos internacionais). Nos tempos da União Soviética, Odessa era o porto comercial mais importante do país e igualmente base naval. Seu porto, porém, tem pouco valor militar, pois é a Turquia (membro da NATO) que controla o tráfego entre o Mar Negro e o Mar Mediterrâneo.
Captura de ecrã 2022-04-03 204319.jpg
Mariupol é uma cidade da Ucrânia localizada no leste do país, na província (Oblast) de Donetsk. Chegou a ter mais de 500 mil habitantes em 2007, mas em 2013 o número era já de menos de 460 mil pessoas. É um importante porto do Mar de Azov, o segundo maior do país atrás apenas de Odessa. Na Segunda Guerra Mundial a cidade esteve ocupada pelos alemães entre 1941 e 1943 e ficou praticamente destruída, sendo depois reconstruída no típico estilo soviético. No começo da Guerra Civil no Leste da Ucrânia, em março de 2014, tanto o governo central em Kiev quanto os separatistas da República Popular de Donetsk tentaram exercer controle sobre a região, mas com apoio militar russo, os separatistas assumiram o comando de Mariupol e colocaram a cidade como o centro administrativo do Oblast de Donetsk. O governo ucraniano, contudo, começou uma grande ofensiva terrestre e em meados de junho de 2014 Mariupol já estava novamente sob controle das tropas da Ucrânia. Desde então, os rebeldes separatistas tentaram várias vezes retomar a cidade, submetendo-a a bombardeamentos esporádicos de artilharia. Em fevereiro de 2022, a cidade foi cercada por tropas da Rússia no contexto da invasão russa da Ucrânia.


  Reflexões de um fim de tarde
Captura de ecrã 2022-04-03 154211.jpg

 


Captura de ecrã 2022-04-04 094454.jpgO governo ucraniano, que acusa Putin de genocídio, está a documentar crimes de guerra cometidos pelo Kremlin.
O Presidente do Comité de Investigação da Federação Russa, Alexander Bastrykin, ordenou à sua principal unidade de investigação analisar as "informações disseminadas pelo Ministério da Defesa da Ucrânia sobre o assassinato de cidadãos em Bucha, na região de Kiev", avança a agência Tass, citando um comunicado da organização. O Comité apelidou este episódio de "provocação" e acusou a Ucrânia de "disseminar falsidades".
Antonio Guterres, "profundamente chocado" com as imagens de civis mortos na cidade ucraniana de Bucha, pede uma investigação independente. Sim!... porque a verdade, nua e crua, é que os corpos de civis mortos estão nas ruas de Bucha.

 


De dia 03 para dia 04abr2022.jpg
De ontem para hoje o panorama de tropas no terreno alterou-se substancialmente na região nordeste de Kiev.

 

  Escrevi eu por aqui: “Os EUA + Reino Unido + Polónia querem a GUERRA… A esmagadora maioria dos países da União Europeia são pela PAZ… e enquanto isto não se resolve quem se lixa é o Povo Ucraniano”. E logo fui acusado de defender a “estratégia dos ‘compagnons de route’ de Putin”. Mas parece que eu tinha razão, pois o presidente polaco Andrzej Duda, após o horror da descoberta de corpos em áreas anteriormente ocupadas por tropas russas, logo veio pedir novamente aos aliados ocidentais que forneçam mais armas à Ucrânia. Escreveu Duda no Twitter: “Na verdade, os Defensores da Ucrânia precisam de três coisas acima de tudo: armas, armas e mais armas”. Como se “mais armas” fossem a solução para se atingir a PAZ na martirizada Ucrânia.

Pingus Vinicus - Então o que se faz?
Joaquim Pinto da Silva - Pois, mais armas é que se deve pedir enquanto a Rússia não abandonar a Ucrânia Ou então faz-se o quê? E isto é tudo menos ser contra a paz. Esta só pode ser conquistada pela retirada/derrota russa, ou há outro meio? E ainda: não é ser contra as conversações, pelo contrário, estas devem prosseguir, mas enquanto houver russos armados na Ucrânia o dever da Europa, sobretudo, é apoiar (com armas também) a Ucrânia. A contradição é daqueles que querem "desarmar" a Ucrânia já, acreditando que a paz virá por si.
David Ribeiro - Teremos que cada vez mais implementar sanções económicas que levem Putin a repensar a forma de estar no Mundo. Mas sanções sérias e dolorosas, começando pela recusa em comprar-lhe gás e petróleo. Ainda hoje o ministro da Defesa da Alemanha disse que a UE deve discutir rapidamente a proibição da importação de gás russo. É certo que o povo russo irá sofrer (e os europeus também)... mas pode ser que a coisa "rebente por dentro". 
Da Mota Veiga Suzette - Para dizer a verdade, já não sei o que será a melhor opção? Deve-se conseguir convencer os russos que para eles a guerra não compensa. Mas, Putin nunca vai resignar! Na mentalidade do Putin, nunca recuar ir para frente até uma vitoria a vista. Assim, tudo se torna incerto!
Paulo Teixeira - Entendo-te bem David Ribeiro. Mas de facto esta história raia o impossível. Podemos crer no que vemos? Só vemos porque é no nosso quintal? Não foi já assim feito por nós na Sérvia? Qual o sentido e objectivo do senhor Putin? Confesso que já nem sei o que te diga e as vezes isto parece uma casa de loucos.
Paulo Barros Vale - Sem armas é impossível resistir. Se queres a paz prepara te para a Guerra. Se tivéssemos feito isso mais cedo talvez se tivesse evitado a guerra.
Jorge Saraiva
Ah, então não foi distração. Lamento saber.

 


Captura de ecrã 2022-04-04 153221.jpgO Expresso está a noticiar...
"A Lituânia anunciou esta segunda-feira que decidiu expulsar o embaixador russo no país, criticando os 'crimes de guerra hediondos' que foram cometidos nas últimas semanas em território ucraniano. É o primeiro país da UE a tomar esta decisão. A decisão foi anunciada por Gabrielius Landsbergis, ministro dos negócios estrangeiros lituano, que disse ainda que o embaixador da Lituânia na Ucrânia vai voltar para Kiev nos próximos dias. 'Todos os crimes de guerra e crimes contra a humanidade cometidos pelas forças armadas russas na Ucrânia não serão esquecidos', disse o governante. Este fim-de-semana, a Lituânia já se tinha tornado o primeiro estado-membro da UE a parar completamente com a compra de gás à Rússia".
Estas medidas são importantíssimas... isolar o Governo de Moscovo é uma forma de combater Putin.



Publicado por Tovi às 07:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 25 de Março de 2022
NATO, União Europeia e G7 reuniram-se em Bruxelas

Captura de ecrã 2022-03-24 214538.jpg

  Diplomacia em acção no dia de ontem

  • NATO emitiu um comunicado em que assumiu estar“preocupada” com a entrada da China no conflito que opõe a Rússia à Ucrânia. “Pedimos a todos os Estados, incluindo a China, para seguir a ordem internacional incluindo os princípios de soberania e integridade territorial”. Os 30 países da NATO apelaram mesmo a Pequim que se “abstenha” de apoiar “o esforço de guerra da Rússia”. E deixaram um recado à Rússia: “Qualquer uso de arma biológica ou química seria inaceitável e teria consequências severas”.
  • A declaração conjunta do Grupo dos Sete, que reúne os sete países mais industrializados do mundo, foi no mesmo sentido da NATO. Os líderes da Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido dizem mesmo que “não vão poupar esforços” para responsabilizar o presidente da Rússia, Vladimir Putin, e seus apoiantes – incluindo o presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko. O seu apelo vai para as forças russas que abram “caminhos seguros” na Ucrânia para permitir ajuda humanitária a Mariupol e a outras cidades cercadas. E pedem às autoridades bielorrussas para que “evitem uma nova escalada e se abstenham de usar as suas forças militares contra a Ucrânia”.
  • No final das reuniões, o presidente norte americano Joe Biden disse apoiar a saída da Rússia do grupo das maiores economias mundiais (G20). E quer pelo menos que a Ucrânia possa assistir às reuniões. O presidente deu mais detalhes sobre a conversa com Xi Jinping, homólogo chinês, na passada sexta-feira. “Tive uma conversa muito honesta com ele. Disse-lhe claramente que apoiar a Rússia teria consequências”. Joe Biden chamou “bruto” a Vladimir Putin. “A coisa mais importante [das sanções] é mantermo-nos unidos”, tendo como objetivo que o “mundo se continue a focar” no seguinte: “Que tipo bruto é este” e por que motivo é que “todas as vidas inocentes se perderam” e “o que está a passar” na Ucrânia.
  • Também o primeiro ministro britânico, Boris Johnson aproveitou a sua intervenção pública para alertar para consequências “muito, muito severas”, caso o Presidente russo usasse armas químicas ou nucleares contra a Ucrânia. “Se Putin se fosse envolver com alguma coisa desse género, as consequências seriam muito, muito severas. Vou ter de ter alguma ambiguidade na resposta, mas acho que seria catastrófico para ele. Acho q ele compreende isso. Seria um profundo e desastroso erro para Putin”, disse. Apesar da insistência dos jornalistas Johnson não indicou se, nesse cenário, haveria intervenção da NATO.
  • O líder francês, Emmanuel Macron, na sua vez, disse que a NATO procura não dar à Rússia um “pretexto” para atacar o Ocidente. “Não queremos fazer nada que possa provocar a escalada da tensão”, justificou o Presidente. “Não vamos lutar contra a Rússia”, assegurou o líder que tem mantido várias conversas telefónicas com o seu homólogo russo, embora sem grande sucesso para a paz.
  • O chanceler alemão Olaf Scholz, por seu turno, afirmou que “as tropas russas têm de sair da Ucrânia”. “Isto é necessário para atingir uma solução sustentável para o conflito entre a Rússia e a Ucrânia”, disse. Scholz apelou também ao Presidente Vladimir Putin que “aceite um cessar-fogo e permita corredores humanitários, para proteger os civis”. A Alemanha doou mais 370 milhões de euros em humanitária à Ucrânia.
  • Em Portugal, a partir do Porto, Marcelo Rebelo de Sousa não deixou de dar a sua opinião numa visita oficial. Aos jornalistas, o Presidente português disse considerar que o presidente russo, Vladimir Putin, cometeu um erro ao pensar que perante a sua decisão de tomar o território ucraniano iria conseguir dividir a União Europeia e a própria NATO. “É evidente que falharam. “A NATO e a UE continuam unidas”, referiu, independentemente da ideologia de cada país e apenas pela “paz e pelo respeito do direito internacional, da soberania dos estados, dos direitos das pessoas”, acrescentou.
  • Já da Rússia a informação que chegou foi que o Kremlin considera que “exatamente um mês depois do início da operação militar especial na Ucrânia” a vida “está a voltar ao normal” nos territórios “já libertos dos nacionalistas” ucranianos. “Está a correr como planeado e os objetivos delineados serão alcançados”, declarou a porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros russos, Maria Zakharova, que espera que Kiev “reconheça a necessidade de uma solução pacífica”.
  • Um total de 140 países da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) votou a favor de uma resolução que pede ajuda humanitária imediata para a Ucrânia, ajudando a proteger os civis. A resolução também critica a Rússia por ter criado uma situação “dramática” humanitária. Apenas cinco países votaram contra: Bielorrússia, Coreia do Norte, Eritreia, Rússia e Síria, enquanto 38 abstiveram-se, incluindo a China, Cuba e a Índia.

 

  
onu.jpgÉ já a segunda vez que em sessões da Assembleia-Geral da ONU uma esmagadora maioria de membros isolam e condenam a “operação militar especial”, como Putin chama à invasão da Ucrânia pelas suas tropas. Mas continua a preocupar-me a posição neutra da China (abstenção) em tudo o que se refere a criticar a Rússia.
  Agência Lusa - O Presidente chinês, Xi Jinping, disse hoje [6.ª feira, 25mar2022], numa conversa por telefone com o homólogo britânico, Boris Johnson, que a comunidade internacional deve “criar as condições certas” para resolver o conflito na Ucrânia e “promover negociações de paz com sinceridade”. “A comunidade internacional deve promover as negociações de paz com sinceridade. Devem ser criadas as condições necessárias para resolver este assunto. Devemos fazer tudo o possível para que a paz retorne à Ucrânia”, disse Xi, segundo a imprensa local. O Presidente chinês afirmou que o seu país já está a desempenhar “um papel construtivo” nesse sentido. Xi disse ainda que a China está "pronta para o diálogo" com o Reino Unido, desde que este seja "franco, aberto e inclusivo", afirmando esperar que Londres seja "justa e objetiva" ao lidar com Pequim. A conversa ocorre uma semana depois de Xi ter falado, por videoconferência, com o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. Xi instou então Washington a trabalhar em conjunto para "equilibrar as tensões" e "alcançar a paz global". 

 

  Reunião de ontem do Conselho da Europa
1024.jpgVolodymyr Zelensky diz que Portugal é dos países que têm mostrado mais reservas em apoiar a Ucrânia. Num discurso feito por videoconferência durante a reunião do Conselho Europeu, o presidente ucraniano comentou a postura dos 27 estados-membros perante o conflito e mencionou que Portugal tem algumas dúvidas em apoiar decisões a favor da Ucrânia. "A Bulgária está connosco, e acredito que a Grécia estará. A Alemanha está um pouco atrasada. Portugal? Bem... está quase. A Croácia está connosco; Suécia - o azul e o amarelo - estão sempre juntos", afirmou o presidente ucraniano.

 


Erdogan.jpgA emissora turca NTV, citando o presidente Erdogan, disse ter havido progresso em vários pontos-chave nas negociações entra a Ucrânia e a Rússia. Ancara, que goza de boas relações com Moscovo e Kiev, vem tentando posicionar-se como mediadora entre os dois lados. Mas por outro lado o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse hoje que as negociações com a Rússia para acabar com o conflito são "muito difíceis" e prometeu que Kiev não recuará em suas exigências. “A delegação ucraniana assumiu uma posição forte e não abre mão de suas demandas. Insistimos, em primeiro lugar, num cessar-fogo, garantias de segurança e integridade territorial da Ucrânia”, disse Kuleba. Enquanto isso, a agência de notícias russa Interfax citou o negociador russo Vladimir Medinsky dizendo que os dois lados estavam a fazer pouco progresso em questões importantes. Medinsky também disse que Moscovo acredita que Kiev está a tentar estender as negociações.

 

  Publicado pela Embaixada da Rússia na França (@AmbRusFrance)… mas posteriormente eliminado.
FOoIDZ-XsAABPsO.jpg

 

  Reforço da presença militar da NATO no leste europeu
NATO 25mar2022.jpg



Publicado por Tovi às 07:09
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 8 de Março de 2022
Evacuação de civis de cinco cidades ucranianas

corredores 8mar2022.jpg
Na imagem os corredores humanitários propostos pela Rússia

Até ao dia de ontem já se registavam mais de 1,7 milhões de refugiados ucranianos. Hoje, às 9 horas na Ucrânia (07h00 TMG), entrou em vigor um cessar-fogo proposto pela Rússia. Iremos ver ao longo do dia se encontrarão passagem segura os muitos civis que pretendem abandonar o terror dos combates em cinco cidades ucranianas: Kiev, Sumy, Kharkiv, Cherniguiv e Mariupol.

 

  08h10 de 08mar2022 - Fonte do Ministério da Defesa russo, citada pela agência Interfax, garante que os combates em Chernihiv, Sumy, Kharkiv, Mariupol e Kiev pararam, e que foram abertos corredores humanitários a partir destas cidades.
  08h24 de 08mar2022Evacuação em Sumy já começouO primeiro grupo de civis já foi retirado da cidade, de acordo com fonte do governo regional. Entre as pessoas que deixaram a cidade durante o cessar-fogo desta manhã estão residentes e cerca de 1.000 estudantes estrangeiros.
  08h36 de 08mar2022Depois de Sumy, também Irpin começou a retirar os seus cidadãos, depois do cessar-fogo desta manhã para permitir a criação de um corredor humanitário. Irpin, nos arredores de Kiev, tem sido palco de intensos combates, inclusive durante a retirada de cidadãos. Aguarda-se ainda a confirmação das autoridades ucranianas sobre os corredores humanitários em Cherhihiv, Kharkiv e Mariupol.
  08h52 de 08mar2022"Se a guerra continuar, começaremos a ver pessoas sem recursos e sem conexões. Será uma situação mais complexa de gerir para os países europeus daqui para frente, e será preciso haver ainda mais solidariedade de todos na Europa e fora dela", disse o alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados, Filippo Grandi, em conferência de imprensa nesta terça-feira. Filippo Grandi lembrou que as guerras nos Balcãs, na Bósnia e no Kosovo, também causaram um grande fluxo de refugiados, "cerca de dois ou três milhões, mas num período de oito anos". "Em várias regiões do mundo vemos coisas destas, mas na Europa é a primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial", lembrou.
  10h12 de 08mar2022O governo da Ucrânia diz que 30 autocarros estão a caminho de Mariupol para retirar civis através dos corredores humanitários que foram autorizados esta manhã.
  11h16 de 08mar2022
O presidente chinês, Xi Jinping, pede "contenção máxima" da situação da Ucrânia, que descreveu como preocupante, de modo a evitar que fique fora de controlo, segundo a emissora estatal chinesa CCTV. Xi Jinging participou numa videoconferência com o presidente francês Emmanuel Macron e o chanceler alemão Olaf Schoz, dizendo que os três países devem apoiar conjuntamente as negociações de paz.


    
image.jpgO edifício da Embaixada da Rússia em Lisboa esteve na noite de segunda-feira iluminada com as cores da bandeira da Ucrânia, na sequência de uma manifestação contra a invasão russa do território ucraniano. Um dos jovens manifestantes, solicitando o anonimato, afirmou que estavam ali unidos pela liberdade e que enfrentaram o frio da noite chuvosa para pôr em marcha a "ação de guerrilha" contra o que disse ser "um grito contra a ocupação selvagem da Ucrânia pela Rússia". Nesta mesma segunda-feira [07mar2022] o grupo da Iniciativa Liberal (IL) na Assembleia Municipal de Lisboa propôs a alteração do nome da rua Visconde de Santarém, morada da embaixada russa na capital portuguesa, em Arroios, para que passe a ter a designação de Rua da Ucrânia.

 


EU-NATO flags.jpgO ministro português dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, reagiu hoje às ameaças russas contra o Ocidente, particularmente a inclusão de Portugal na lista de países hostis: "No que diz respeito às ameaças da Rússia e do seu presidente Putin, em diferentes áreas, a resposta é muito simples: essas ameaças não nos amedrontam nem intimidam. Decidimos as nossas posições em concertação, quer no quadro das Nações Unidas quer no quadro da União Europeia e da NATO".
  
David RibeiroNo que se refere à agressão da Rússia à Ucrânia, os membros da NATO e da União Europeia nunca estiveram tão bem alinhados na condenação desta bárbara atitude do Governo de Putin. Portugal, como não podia deixar de ser, está em perfeita sintonia com a NATO e UE… se vai doer?... claro que vai, mas TODOS temos que continuar a defender que "o futuro da Ucrânia aos ucranianos pertence" e só a eles.


  16h28 de 08mar2022
Joe Biden, presidente dos Estados Unidos, anunciou que o pais vai proibir todas as importações de petróleo da Rússia"Este é um passo para infligir uma dor ainda maior a Vladimr Putin", disse Joe Biden.
  16h29 de 08mar2022
Reino Unido anunciou, esta terça-feira, que vai acabar com a importação de petróleo e produtos petrolíferos russos até ao final do anoDe acordo com a agência Reuters, o governo britânico diz que esta transição vai dar ao mercado, aos negócios e à cadeia de fornecimento "mais do que tempo suficiente" para substituir as importações da Rússia, que são apenas 8%. "As empresas devem utilizar este ano para garantir uma transição suava de forma a que os consumidores não sejam afetados". O Reino Unido vai, desde já, começar a trabalhar com novos fornecedores de petróleo, avança o mesmo comunicado. Quanto ao gás natural, do qual só dependem da Rússia em 4%, também já estão a procurar outras opções. 



Publicado por Tovi às 08:38
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)

Domingo, 6 de Março de 2022
E ao décimo primeiro dia estamos assim

Captura de ecrã 2022-03-05 124922.jpg

Comecei a escrever esta publicação ao som de "WAR", com letra de Norman Whitfield e Barrett Strong escrita em 1969, que inicialmente foi gravada pelo quinteto The Temptations e por Edwin Starr. Em meados da década de 1980, o cantor e compositor americano Bruce Springsteen cantou WAR como um protesto contra a política externa agressiva do governo Reagan na América Central. Inicialmente tocada ao vivo, a versão de WAR de Springsteen foi lançada como single e alcançou o top 10 dos EUA.

    War! What is it good for? Absolutely nothing
War! What is it good for? Absolutely nothing
War is something that I despise
For it means the destruction of innocent lives
For it means tears in thousands of mothers’ eyes
When their sons go out to fight to give their lives
War! What is it good for? Absolutely nothing
Say it again
War! What is it good for? Absolutely nothing
War! It’s nothing but a heartbreaker
War! Friend only to the undertaker
War is the enemy of all mankind
The thought of war blows my mind
Handed down from generation to generation
Induction destruction… Who wants to die, in a
War! What is it good for? Absolutely nothing
Say it again
War! What is it good for? Absolutely nothing
War has shattered many young men’s dreams
Made them disabled bitter and mean
Life is too precious to be fighting wars each day
War can’t give life it can only take it away
War! It’s nothing but a heartbreaker
War! Friend only to the undertaker
Peace love and understanding
There must be some place for these things today
They say we must fight to keep our freedom
But Lord there’s gotta be a better way
That’s better than
War! What is it good for? Absolutely nothing
Say it again
War! What is it good for? Absolutely nothing
 
 

new_russian_czar_and_new_chinese_emperor__stephff.No ano passado, 16% das importações de petróleo da China vieram da Rússia, segundo estatísticas oficiais. A Rússia é mesmo a segundo maior fornecedora para a China depois da Arábia Saudita. Cerca de 5% do gás natural da China também veio da Rússia no ano passado. Já a Rússia compra cerca de 70% dos seus semicondutores à China, segundo o Peterson Institute for International Economics. Também importa computadores, smartphones e componentes automóveis à China. A Xiaomi, por exemplo, está entre as marcas de smartphones mais populares na Rússia. Mas depois da economia russa ter recebido “um grande estaladão” com as sanções de todo o mundo, Pequim ainda não se apressou a ajudar a Rússia. A única coisa que se ouviu de Guo Shuqing, presidente da Comissão Reguladora de Bancos e Seguros da China, foi que “o país não participará das sanções”, mas também não ofereceu qualquer assistência.
Não há qualquer dúvida que, como se diz na minha terra, Xi Jinping é uma puta velha (pardon my french).
  
O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, disse ao secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, que a China se opõe a quaisquer ações que "lancem mais achas para a fogueira" na UcrâniaWang pediu negociações para resolver a crise na Ucrânia, bem como conversas sobre a criação de um mecanismo de segurança europeu "equilibrado", de acordo com um comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês. Num telefonema realizado no sábado [05mar2022], o diplomata chinês disse ainda que os EUA e a Europa devem prestar atenção ao impacto negativo que a expansão da NATO para o leste tem para a segurança da Rússia. A China, por enquanto, tem evitado condenar a invasão russa da Ucrânia, tendo expressado oposição às sanções unilaterais impostas a Moscovo pelos Estados Unidos, UE e outros países ocidentais.
 
 
  Ontem... na Rotunda da Boavista, no Porto
274945848_113813141238675_3259977822733771425_n.jp
 
  Eu sou pacifista, mas recuso-me ser derrotista perante a ameaça real que está a nascer em Moscovo. E em consciência defendo ser esta a altura da União Europeia se sobrepor a uma longa hegemonia dos EUA na NATO. E sendo verdade que não podemos derrotar a Rússia nesta altura, temos que DETER as ameaças expansionistas de Putin.

Captura de ecrã 2022-03-05 225814.jpg

  Boris Johnson apresentou ontem [sábado, 05mar2022] um plano de seis pontos para travar a invasão da Rússia na UcrâniaUma aliança humanitária internacional para a Ucrânia; Um apoio à autodefesa da Ucrânia; Maximização da pressão económica sobre Moscovo; Caminhos diplomáticos para o abrandamento das investidas russas com o envolvimento total do governo da Ucrânia; Segurança mais forte na área euro-atlântica; Fim da “normalização” das atividades russas na Ucrânia.

 
 
  01h28 de 06mar2022Ao início deste domingo Kiev está cercada pelas tropas russas, as sirenes voltam a soar e os ucranianos preparam a defesa da capital com sacos de areia e ouriços checos (obstáculo anti veículos) nas ruas. Há também a informação que uma ponte foi destruída pelas forças ucranianas para impedir o avanço das tropas russas em direção à capital.
  05h30 de 06mar2022
As tropas russas não lançaram nenhuma grande operação ofensiva contra Kiev, Kharkiv ou Mykolayiv nas últimas 24 horas, adianta o Institute for The Study of War. De acordo com a análise do think tank norte-americano, as forças russas poderão ter entrado numa possível breve pausa operacional.  em território russo, o governo e os supermercados chegaram a acordo para a restrição da quantidade de alimentos que cada cliente pode adquirir. Uma medida para tentar combater o açambarcamento, numa altura em que os russos temem  o impacto que as sanções do ocidente possam ter na economia do país. O exército ucraniano acredita que forças russas querem tomar central hidroelétrica de Kaniv, enquanto o reagrupamento de tropas inimigas continua. A informação foi revelada no relatório diário publicado pelo Estado-Maior das forças armadas da Ucrânia. 
  07h01 de 06mar2022Os serviços de emergência da Ucrânia relatam um bombardeamento russo que atingiu uma zona residencial na região de Zhytomyr, a cerca de 140 quilómetros a noroeste de Kiev. Cerca de 30 casas particulares foram destruídas no ataque na cidade de Ovruch, disse o serviço de emergência estatal ucraniano, numa atualização na conta oficial do Telegram. Já num ataque separado em Korosten, uma cidade ao sul de Ovruch, uma pessoa morreu e duas ficaram feridas num ataque com um míssil durante a noite, segundo a agência. Dez casas particulares foram destruídas e um prédio foi incendiado. Cinco crianças foram resgatadas da cave.
  08h12 de 06mar2022A Câmara Municipal de Mariupol anunciou que vai haver uma nova tentativa de evacuação da cidade hoje às 12:00 horas locais (10:00 em Lisboa). O objetivo é retirar cerca de 400 mil habitantes. A notícia está a ser avançada pela agência Reuters.  Essa evacuação vai ser feita através do corredor humanitário. Vamos ver se, desta vez, o cessar-fogo temporário acordado entre a Rússia e a Ucrânia é cumprido. De acordo com a autarquia, o cessar-fogo deve manter-se entre as 10h00 e as 21h00 locais (entre as 08h00 e as 19h00 TMG). A evacuação das cidades de Mariupol e Volnovakha programadas para sábado foram suspensas passado poucas horas. As autoridades ucranianas acusaram as tropas russas de não cumprirem com o cessar-fogo em toda a rota do corredor humanitário. Por sua vez, os russos acusaram os "nacionalistas" ucranianos de impedirem os civis de sair.
  08h26 de 06mar2022Sem eletricidade, sem água, sem forma de recolher os mortos. "A situação é muito complicada em Mariupol". Vadym Boichenko, autarca de Mariupol, descreve uma situação desesperada na cidade que continua cercada pelas forças russas.
  12h01 de 06mar2022
No final da chamada telefónica com o presidente da Turquia, este domingo, Vladimir Putin afirmou que "as operações militares na Ucrânia só vão terminar se as exigências da Rússia forem atendidas". "Qualquer tentativa de intervir no processo de negociação vai falhar", revela o Kremlin, citado pela Reuters. Com uma terceira ronda de negociações agendada para segunda-feira, o presidente da Rússia espera que o lado ucraniano assuma "uma abordagem mais construtiva e tenham noção da realidade". Putin voltou a dizer que as operações militares estão a decorrer conforme planeado.
  12h39 de 06mar2022 - O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, instou o seu colega russo, Vladimir Putin, a declarar um cessar-fogo na Ucrânia, abrir corredores humanitários e assinar um acordo de paz, disse o seu gabinete. Num comunicado após um telefonema de uma hora, a presidência turca disse que Erdogan disse a Putin que a Turquia estava pronta para contribuir para uma resolução pacífica do conflito, acrescentando que um cessar-fogo aliviaria as preocupações sobre a situação humanitária.
  13h39 de 06mar2022 - Evacuação de Mariupol foi interrompida pela segunda vez. A evacuação de cerca de 200 mil civis desta cidade do sul da Ucrânia estava programada para começar ao meio-dia (horário local), durante um cessar-fogo, mas foi interrompida por causa de um ataque em execução. “Não pode haver ‘corredores verdes’ porque apenas o cérebro doente dos russos decide quando começar a atirar e em quem”, disse o conselheiro do Ministério do Interior ucraniano, Anton Gerashchenko. Do lado dos separatistas pró-Rússia a culpa é atribuída às forças ucranianas por não observarem o cessar-fogo limitado. Uma primeira tentativa de evacuar civis de Mariupol e da cidade vizinha de Volnovakha já tinha falhado no sábado.
  14h23 de 06mar2022 - As tropas russas destruíram este domingo o aeroporto da cidade de Vinnytsia, localizada a cerca de 200 quilómetros da capital ucraniana Kiev, revelou o presidente Volodymyr Zelensky, num vídeo divulgado na rede social Twitter. O ataque com mísseis destruíu "completamente" aquele aeroporto, disse Zelensky, citado pela Reuters. Antes das declarações do presidente, as autoridades ucranianas fizeram saber que os serviços de emergência estavam a trabalhar na resolução de incêndios que deflagraram no aeroporto na sequência do ataque com mísseis. Ainda não há indicações quanto ao número de vítimas resultantes deste ataque.
  15h44 de 06mar2022
Em Kiev, russos e ucranianos preparam-se para aquela que poderá ser a batalha decisiva da guerra. Os dois lados estão a divulgar vídeos onde mostram que as suas forças estão prontas para combater e vencer. O presidente Zelensky falou no sábado ao país para encorajar a resistência. Na capital ucraniana há filas imensas de homens que querem voluntariar-se para as forças armadas, e muitos civis que preparam a defesa daquela região. 
 
 
  Porto, Vila Nova de Gaia e Matosinhos decidiram unir esforços para dar uma resposta concertada e de grande escala à crise de novos refugiados que a invasão da Ucrânia está a desencadear, através da campanha "Somos Todos Ucrânia". A cerimónia de assinatura de protocolo com os três presidentes de câmara e as demais entidades envolvidas decorreu, hoje, na Casa do Roseiral. Esta resposta humanitária procura, acima de tudo, organizar todas as manifestações de apoio, em particular na oferta de bens, serviços, emprego e acolhimento.
275286891_4644404605687605_3386052181615842196_n.j


Publicado por Tovi às 00:50
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 15 de Fevereiro de 2022
Cinco coisas para saber sobre a crise Ucrânia-Rússia

Captura de ecrã 2022-02-13 105225.jpg

(Al Jazeera, 25jan2022)

  Por que há um conflito? - A Ucrânia, que fez parte do império russo durante séculos antes de se tornar uma república soviética, conquistou a independência quando a URSS se desfez em 1991, abandonando o seu legado imperial russo e iniciando laços cada vez mais estreitos com o Ocidente. A decisão do presidente ucraniano Viktor Yanukovych (pró Kremlin), de rejeitar um acordo de associação com a União Europeia em favor de laços mais estreitos com Moscovo levou a protestos em massa que o afastaram do cargo de líder em 2014. A Rússia respondeu anexando a península da Crimeia da Ucrânia e lançando a sua influência por trás de uma rebelião separatista que eclodiu no leste da Ucrânia. A Ucrânia e o Ocidente acusaram a Rússia de enviar suas tropas e armas para apoiar os rebeldes. Moscovo negou, dizendo que os russos que se juntaram aos separatistas eram voluntários. De acordo com Kiev, mais de 14.000 pessoas morreram nos combates que devastaram Donbas, o coração industrial do leste da Ucrânia. Por sua vez, Moscovo criticou fortemente os EUA e seus aliados da NATO por fornecerem armas à Ucrânia e realizarem exercícios conjuntos, dizendo que tais movimentos encorajam os falcões ucranianos a tentar recuperar as áreas controladas pelos rebeldes pela força. Além disso, o presidente russo, Vladimir Putin, disse repetidamente que as aspirações da Ucrânia de ingressar na NATO são uma linha vermelha e expressou preocupação com os planos de alguns membros da NATO de estabelecer centros de treino militar na Ucrânia. Isso, disse ele, lhes daria uma base militar na região, mesmo sem a adesão da Ucrânia à NATO.

  O que a Rússia quer? - É mais sobre o que a Rússia não quer. A Rússia não quer a Ucrânia na NATO – e disse isso na sua lista de exigências de segurança que foram enviadas aos EUA em dezembro passado. As exigências incluíam a suspensão de quaisquer exercícios da NATO perto da fronteira com a Rússia. Em dezembro Putin disse que a Rússia estava procurando garantias “que excluíssem quaisquer outros movimentos da NATO para o leste e a implantação de sistemas de armas que nos ameacem nas proximidades do território russo”. Putin ofereceu ao Ocidente uma oportunidade de se engajar em conversas substanciais sobre o assunto, acrescentando que Moscovo precisaria não apenas de garantias verbais, mas de “garantias legais”, nas esquecendo que a eventual admissão da Ucrânia à aliança exigiria a aprovação unânime dos 30 estados que compõem o órgão. Os EUA e a NATO já responderam aos apelos. Embora nem Moscovo nem as potências ocidentais tenham divulgado os detalhes dessas respostas, ficou claro que as principais demandas da Rússia – a Ucrânia essencialmente proibida de ser membro da NATO e uma promessa de que a aliança não se expandirá mais para o leste – foram recusadas.

  A Ucrânia vai aderir à NATO? - A Ucrânia não é membro da NATO, mas quer ser. É considerada um parceiro da aliança. Antes de ser considerada para a adesão, diz a NATO, Kiev precisa erradicar flagelos como a corrupção. O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, rejeitou em dezembro as exigências russas de rescindir um compromisso de 2008 com a Ucrânia de que o país um dia se tornaria membro. Stoltenberg sustenta que, quando chegar a hora de considerar a questão, a Rússia não poderá vetar a adesão da Ucrânia. Analistas, no entanto, dizem que os aliados da NATO, entre eles os Estados Unidos, estão relutantes em expandir sua presença militar na região e comprometer ainda mais seu relacionamento com Moscovo. Enquanto o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, expressou apoio à adesão da Ucrânia à NATO, o presidente Joe Biden foi mais ambíguo sobre a questão.

  Haverá guerra total? - O Ocidente acusa a Rússia, que reuniu 100.000 soldados na fronteira ucraniana, de se preparar para invadir seu vizinho pró-ocidental. Biden afirma “total unanimidade” sobre como lidar com a Rússia. O Pentágono colocou 8.500 soldados dos EUA de prontidão para uma implantação no Leste Europeu e a NATO disse que estava a enviar navios e jatos para reforçar as defesas da região. O porta-voz do presidente Putin, Dmitry Peskov, disse que essas ações apenas aumentaram uma atmosfera já tensa. "Os Estados Unidos estão aumentando as tensões", disse ele a repórteres. “Estamos observando essas ações dos EUA com grande preocupação.” A Rússia nega ter planos de invadir a Ucrânia e acusa o Ocidente de agravar a situação. É incerto se a guerra vai eclodir entre os dois países, mas alguns analistas dizem que a Rússia pode aproximar-se da Ucrânia para reivindicar uma vitória rápida e decisiva e aumentar seu poder de negociação em futuras conversações sobre a expansão e as esferas de influência da NATO. “Acho que o que a Rússia e Vladimir Putin realmente querem derrotar as forças armadas ucranianas no campo, infligir uma derrota militar esmagadora que humilhe os ucranianos e, por extensão, criar preocupação de que o apoio da Ucrânia tenha de seus aliados no Ocidente. Nos EUA e no Reino Unido, é insuficiente”, disse Samir Puri, membro sénior do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos.

  O que acontece se a Rússia invadir a Ucrânia? - As nações ocidentais deram apoio à Ucrânia, mas algumas respostas foram mais duras do que outras. Os EUA e o Reino Unido forneceram armas, enquanto a Alemanha planeja enviar uma instalação médica de campo no próximo mês, mas não transferirá equipamentos militares. Também se falou muito em sanções destinadas a punir Moscovo. Publicamente, os aliados dos EUA e da Europa prometeram atingir a Rússia financeiramente como nunca antes, se Putin enviar seus militares para a Ucrânia. Os líderes deram poucos detalhes, argumentando que é melhor manter Putin na dúvida, mas Washington e Londres falaram de medidas pessoais visando o presidente russo. Cortar a Rússia do sistema financeiro SWIFT, que movimenta dinheiro de banco para banco em todo o mundo, seria uma das medidas financeiras mais difíceis que eles poderiam tomar, prejudicando a economia da Rússia imediatamente e no longo prazo. A medida pode cortar a Rússia da maioria das transações financeiras internacionais, incluindo lucros internacionais da produção de petróleo e gás, que responde por mais de 40% da receita do país. Os EUA também detêm uma das armas financeiras mais poderosas contra Putin se ele invadir a Ucrânia – bloqueando o acesso da Rússia ao dólar americano. Os dólares ainda dominam as transações financeiras em todo o mundo, com mais de um milhão de milhões de dólares em jogo diariamente. Finalmente, os EUA consideram impor controles de exportação, potencialmente cortando a Rússia da alta tecnologia que, entre outras coisas, ajuda aviões de guerra e jatos de passageiros a voar e alimentar smartphones.



Publicado por Tovi às 07:11
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 29 de Novembro de 2021
Ómicron ou B.1.1.529 - O que já se sabe

1__119080610_whatsubject-7120590.jpg

A “B.1.1.529”, agora batizada de “Ómicron”, é uma das mais de 30 mutações do coronavírus e que está agora a fazer disparar a taxa de contágios, sobretudo entre os jovens. Segundo as autoridades de saúde esta nova variante foi identificada no Botsuana e na África do Sul. Mas afinal, que variante é esta?
O diretor do Centro de Resposta Epidémica e Inovação de África do Sul, Túlio de Oliveira, revelou em conferência de imprensa que “foram localizadas 50 mutações no total — e mais de 30 na proteína spike (a ‘chave’ que o vírus usa para entrar nas células e que é alvo da maioria das vacinas contra a Covid-19)”. Ora, tal pode indicar que as atuais vacinas podem não combater eficazmente mutações tão distintas. Até agora, segundo avança a imprensa internacional, foram confirmados 77 casos na Província de Gauteng, na África do Sul, quatro casos em Botsuana, e um em Hong Kong, que se crê ter surgido após viagem a África do Sul. Num comunicado divulgado pela representação regional da OMS para África. “A maioria dos profissionais de saúde na África ainda não foi vacinada e continua perigosamente exposta a formas graves” da doença, alertou Matshidiso Moeti, diretora regional da OMS para África. Esta responsável destacou que “é importante saber até que ponto esta variante se encontra em circulação na África do Sul e no Botsuana” e que a organização está igualmente muito atenta ao que se conseguir saber sobre as “características deste vírus”, que está agora no centro das preocupações dos laboratórios de análise e investigação daqueles países.
(Carla Bernardino da revista digital “Delas” / Lusa - 26nov2021)

 

  Diz a Organização Mundial da Saúde:
The B.1.1.529 variant was first reported to WHO from South Africa on 24 November 2021. The epidemiological situation in South Africa has been characterized by three distinct peaks in reported cases, the latest of which was predominantly the Delta variant. In recent weeks, infections have increased steeply, coinciding with the detection of B.1.1.529 variant. The first known confirmed B.1.1.529 infection was from a specimen collected on 9 November 2021.

 

  A nova variante Ómicron já está a criar alarme em todo o Mundo, mas para já a grande preocupação na Europa para este inverno é a sublinhagem AY.4.2 da Delta que já está a tomar o lugar da Delta no Reino Unido e espalhada em Portugal.
Captura de ecrã 2021-11-27 141902.jpg

 

  Uma das epidemias mais mortais da história da humanidade foi a GRIPE ESPANHOLA, uma vasta e mortal pandemia do vírus Influenza H1N1, que durou de janeiro de 1918 a dezembro de 1920. Segundo os dados mais fiáveis infetou uma estimativa de 500 milhões de pessoas, cerca de um quarto da população mundial na época. Estima-se que o número de mortos esteja entre 17 milhões e 50 milhões. 
Os dados da World Health Organization dizem-nos que houve de 30dez2019 a 26nov2021, em todo o Mundo, 259.502.031 casos confirmados e 5.183.003 mortes por COVID-19.
(Na imagem soldados de Fort Riley, Kansas, doentes de gripe espanhola, sendo tratados numa enfermaria de Camp Funston)
800px-Emergency_hospital_during_Influenza_epidemic

 

  O Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) informou hoje que os 13 casos da variante Ómicron detetados em Portugal estão associados a jogadores e staff do Belenenses SAD, sendo que um deles terá tido uma viagem recente à África do Sul. A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou esta segunda-feira que o risco global representado pela nova variante Ómicron do coronavírus é "muito alto".

 

  Evolução da Caraterização Clínica em Portugal (Dados da DGS)
Captura de ecrã 2021-11-29 142834.jpg



Publicado por Tovi às 07:33
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 16 de Novembro de 2021
Terrorismo em Liverpool
O nível de ameaça do terrorismo na Grã-Bretanha aumentou para "grave" em relação ao nível anterior "substancial", o que significa que um ataque é altamente provável, após explosão de um táxi em Liverpool no domingo, disse o ministro do Interior, Priti Patel, no dia de ontem.
 
  
Captura de ecrã 2021-11-15 164453.jpg
(BBC News) - Uma explosão do lado de fora do Hospital Feminino de Liverpool no 'Domingo de Memória' foi declarada um incidente terrorista pela polícia. O suposto agressor morreu quando uma bomba caseira explodiu num táxi fora do hospital, enquanto o motorista ferido - conhecido localmente como David Perry - escapou antes que o carro pegasse fogo. Acredita-se que o passageiro não seja conhecido pelo MI5, de acordo com o correspondente de segurança da BBC, Gordon Corera.


Publicado por Tovi às 07:53
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 13 de Novembro de 2021
Nova crise migratória

A tensão na fronteira da Bielorrússia com a Polónia está diariamente a agravar-se, não sendo no entanto fácil de resolver o problema gravíssimo dos milhares de migrantes que tentam entrar na Europa, um "el dorado" para quem foge á miséria que se vive nos seus países de origem. A União Europeia vai ter mais uma vez de resolver uma crise migratória... mas é dificil de saber como.

Captura de ecrã 2021-11-13 112109.jpg
A esmagadora maioria dos migrantes que se encontram na fronteira da Bielorrússia com a Polónia têm como origem a Síria, o Iraque e o Afeganistão. O destino é atravessarem a Polónia em direção à Alemanha.
  
Rodrigues Pereira - E sem a Senhora Merkel, vai ser mais complicado ainda ...

 

No dia de hoje [13nov2021] o Ministério da Defesa do Reino Unido acaba de confirmar que Londres enviou tropas de engenharia para a Polónia, tendo em vista cooperar no fortalecimento da segurança na fronteira com a Bielorrússia. E a Rússia iniciou ontem manobras militares conjuntas com a Bielorrússia junto à fronteira.

 

  Um grupo de cerca de 50 migrantes rompeu as defesas na fronteira da Bielorrússia e entrou na Polónia perto da vila de Starzyna, informou a polícia no domingo [14nov2021], confirmando que a situação na fronteira torna-se cada vez mais tensa. Vários grupos de direitos humanos condenaram o governo da Polónia por continuar a proibir jornalistas, advogados e trabalhadores humanitários de ter acesso à fronteira do país com a Bielorrússia, onde milhares de migrantes e refugiados se reúnem do lado bielorrusso na esperança de entrar na Polónia. Já na passada segunda-feira [08nov2021] Vladimir Putin, presidente da Rússia, tinha criticado a posição dos países europeus, os quais, disse, são responsáveis pelas "centenas de milhares de pessoas" que pretendem chegar ao continente, referindo-se  a uma multidão de migrantes, principalmente curdos, incluindo uma quantidade significativa de mulheres e crianças, que se dirigiram à fronteira entre Bielorrússia e a Polónia, criado um acampamento improvisado perto do posto de controle Bruzgi, na região de Grodno. Vários migrantes têm tentado subir as cercas, mas os policias polacos não os têm deixado entrar. Apesar disso, há relatos de dezenas de ilegais entrando no país da União Europeia.
KAAFUYWOJ5NHPNVKCGPFRSTPWE.jpg



Publicado por Tovi às 11:28
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)

Quarta-feira, 29 de Setembro de 2021
História recente do Afeganistão

800px-National_emblem_of_Afghanistan.svg.png

No final do século XIX, o Afeganistão tornou-se um Estado tampão no "Grande Jogo" entre os impérios Britânico e Russo. Na Primeira Guerra Anglo-Afegã, de 1839 a 1842, tropas britânicas, vindas da Índia, tomaram o controle do Afeganistão, mas acabaram por ser decisivamente derrotadas. Após a Terceira Guerra Anglo-Afegã de 1919, o país conseguiu tornar-se independente da influência estrangeira. Em 1926, o Afeganistão tornou-se numa monarquia sob comando de Amanulá Cã. Contudo, em 1973, o rei Zair foi derrubado e uma república de partido único foi estabelecida. Em 1978, após um segundo golpe de estado, o Afeganistão tornou-se um Estado socialista, que levou a nação a passar boa parte da década de 1980 envolvido na Guerra Afegã-Soviética contra os rebeldes mujahidins. Em 1996, a maior parte do país havia sido tomado por fundamentalistas do grupo Talibã, que estabeleceram um regime totalitarista radical que só foi derrubado do poder na invasão dos Estados Unidos em 2001, mantendo, no entanto, controle e influência sob boa parte do país, especialmente nas zonas rurais e montanhosas. A guerra civil no país continuou entre o novo governo afegão e os insurgentes Talibã, que resultou em mais de 150 mil mortos, atrocidades, atentados terroristas, torturas, sequestros e assassinatos. Como a nova república afegã dependia imensamente da ajuda económica e militar dos americanos, quando os Estados Unidos iniciaram a retirada, em 2020, o exército afegão entrou em colapso e o governo central começou a ruir. Em maio de 2021, os Talibã iniciaram uma grande ofensiva generalizada e em poucos meses dominaram a maioria dos distritos do país, acabando por chegar à capital Cabul em agosto deste ano, completando o colapso da república afegã.

 

  The Economist, 18set2021
De Cabul a Kandahar... pela estrada que liga as duas maiores cidades do Afeganistão
A rodovia com quase 500 quilómetros de extensão que liga a capital do Afeganistão, Cabul, à sua segunda cidade, Kandahar, já foi considerada como um sinal de grande progresso na campanha dos Estados Unidos para pacificar o Afeganistão. Quando Hamid Karzai, então presidente, inaugurou o primeiro trecho em 2003, disse que foi um dos melhores dias de sua vida. No entanto, a estrada rapidamente se tornou um exemplo preocupante do que estava errado. Um mês depois dos Talibã assumirem o poder, a viagem de Cabul a Kandahar ilustra como o país mudou da noite para o dia e os fracassos que ajudaram a precipitar essa mudança. Desde algumas semanas atrás, dirigir por este trecho da Rodovia 1, uma espécie de anel viário nacional, era já impensável para muitos afegãos. Postos de controle improvisados dos Talibã interrompem o trânsito e vasculham ónibus e táxis em busca de membros das forças armadas para sequestrar ou matar. Comboios militares foram destruídos por bombas escondidas sob a estrada. Alguns distritos, como Saydabad na província de Wardak, não muito longe de Cabul, tornaram-se conhecidos como locais de perigo.
Captura de ecrã 2021-09-23 112436.jpg

  JN, 22set2021  às 00h06
Por acaso gostava de ouvir o que eles têm para dizer ao Mundo... mas ao que me parece ainda não há reconhecimento formal da sua autoridade.
Captura de ecrã 2021-09-22 085927.jpg

   Al Jazeera, 22set2021 às 08h45
O primeiro-ministro paquistanês, Imran Khan, alertou sobre o risco de uma “guerra civil” no Afeganistão se os Talibã não forem capazes de formar um governo inclusivo, isto é, incluindo todas as fações, o que iria seguramente ter também impacto no Paquistão.
Paquistão vs Talibã.jpg

  O que é a Sharia? 
Captura de ecrã 2021-09-22 163511.jpg

Os Talibã planeiam governar o Afeganistão de acordo com a Sharia. Durante a sua passagem anterior no poder, este grupo fundamentalista islâmico era conhecido por sua interpretação estrita da jurisprudência islâmica, proibindo a música e forçando as mulheres a usarem uma burca completa em público. Mas muitos países além do Afeganistão - entre eles Arábia Saudita, Irão e partes da Indonésia e Nigéria - também usam a Sharia mas sem tais restrições. Então, o que é Sharia e como ela é aplicada?
Sharia significa “caminho” em árabe, indicando a conduta que agrada a Deus. Abrange as leis criminais, comerciais e de família, mas é muito mais holístico do que os sistemas jurídicos seculares: também estabelece as regras éticas pelas quais os muçulmanos devem viver e adorar (Um código semelhante que rege questões legais e éticas, halakha, existe no Judaísmo). A Sharia é baseada no Alcorão, o livro sagrado do Islão; o "hadith", ou ditos do profeta Muhammad; e o trabalho subsequente de estudiosos jurídicos islâmicos. Existem algumas punições muito severas para crimes considerados contra Deus (conhecidos como "hudud"), incluindo morte por apedrejamento ou 100 chicotadas para adúlteros. Mas o padrão de prova para condenação é extremamente alto, tornando raras essas punições. No caso de adultério, quatro testemunhas devem testemunhar. A retribuição por crimes graves contra pessoas, como assassinato, também pode ser severa, com base no princípio de “qisas”, ou “olho por olho”. Mas o Islão encoraja as vítimas a serem misericordiosas e pagar “diya”, “dinheiro de sangue”, em vez disso.

 

  Al Jazeera, 26set2021
Afeganistão 26set2021.jpg

Vai ser uma tarefa árdua a destes quatro países… Rússia, China, Paquistão e Estados Unidos estão a trabalhar em conjunto para garantir que os novos governantes Talibã do Afeganistão cumpram suas promessas, especialmente no que diz respeito a formar um governo genuinamente representativo, evitando que a violência se espalhe.



Publicado por Tovi às 08:09
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 3 de Setembro de 2021
Os dias seguintes no Afeganistão

  Lusa, 31ago2021 às 15h49
Aqui estão os cinco principais desafios que o novo regime afegão enfrenta.
1. Défice de confiança - Há uma suspeita generalizada entre a população urbana e educada sobre os Talibã e com boas razões. Muitos afegãos ainda se lembram do período 1996-2001, quando o movimento islamita estava no poder e aplicava uma leitura ultrarrigorosa da 'sharia', a lei islâmica. As mulheres não eram autorizadas a trabalhar e as escolas para raparigas foram fechadas, enquanto os opositores políticos foram executados e as minorias étnicas perseguidas. Vinte anos mais tarde, os Talibã dizem que pretendem prosseguir uma política diferente, inclusive em matéria de direitos da mulher. Prometeram também estabelecer um Governo inclusivo, entrando em contacto com o ex-Presidente Hamid Karzai. Enviaram também representantes para falar com a minoria predominantemente xiita Hazara, perseguida pelos Talibã nos anos 1990. Embora o regresso dos Talibã tenha sido acolhido com alívio em algumas zonas rurais do país, onde as pessoas querem, acima de tudo, acabar com a violência, muitos afegãos afirmaram querer primeiro ver as ações adotadas para depois fazer um julgamento. As mulheres permanecem em estado de alerta, na sua maioria enclausuradas em casa, um sinal da desconfiança generalizada. No vale de Panchir, a nordeste de Cabul, foi organizada uma verdadeira resistência em torno de Ahmad Massoud, filho do comandante Ahmed Shah Massou, assassinado em 2001 pela Al-Qaeda.
2. Desastre humanitário e económico - O Afeganistão é um dos países mais pobres do mundo. Após a queda do regime talibã, expulso do poder em 2001, a ajuda estrangeira inundou o país, representando, em 2020, mais de 40% do Produto Interno Bruto (PIB). Mas grande parte desta ajuda foi agora suspensa e os Talibã não têm acesso aos fundos do banco central afegão, a maioria dos quais está no estrangeiro. Washington já indicou que os Talibã não terão acesso aos bens e valores que estão no país, enquanto a Alemanha suspendeu a ajuda financeira total. Portanto, a situação poderá tornar-se num desastre, já que os Talibã terão de encontrar rapidamente dinheiro para pagar os salários dos funcionários públicos e assegurar que as infraestruturas vitais (água, eletricidade, comunicações) continuam a funcionar. As receitas atuais dos Talibã, que provêm principalmente de atividades criminosas, são estimadas pelas Nações Unidas entre 250 milhões e mais de 1,3 mil milhões de euros por ano. Um ganho financeiro que é visto como uma gota no oceano face às necessidades atuais do Afeganistão, segundo os especialistas. Neste contexto, a ONU alertou para uma "catástrofe humanitária" que poderá atingir duramente os afegãos neste inverno.
3. Fuga de cérebros - Para além da crise económica, os Talibã também terão de lidar com outra escassez, igualmente crítica e dramática: a de cérebros. Advogados, funcionários públicos, técnicos e muitos outros afegãos qualificados têm fugido do país em voos de retirada fretados por potências estrangeiras nas últimas semanas. Como sinal da sua preocupação, os Talibã instaram na semana passada os ocidentais a retirar apenas os estrangeiros e não os peritos afegãos, como por exemplo os engenheiros, necessários para a manutenção das infraestruturas do país.
4. Isolamento diplomático - Entre 1996 e 2001, o regime Talibã foi um pária na cena internacional. Desta vez, o movimento islamita parece inclinado a procurar um amplo reconhecimento no estrangeiro, embora a maioria dos países tenha suspendido ou encerrado as missões diplomáticas em Cabul. O grupo tem mantido contactos com várias potências regionais, incluindo Paquistão, Irão, Rússia, China e Qatar, mas nenhum deles reconheceu ainda a nova liderança em Cabul e os EUA advertiram que os Talibã terão "de conquistar" a sua legitimidade.
5. Ameaça terrorista - A tomada de controlo do país pelos Talibã não colocou um ponto final à ameaça terrorista, como ficou demonstrado pelo ataque de 26 de agosto, numa zona próxima do aeroporto de Cabul, reivindicado pela filial local do Estado Islâmico. O Estado Islâmico de Khorasan (ISPK), que segue uma linha sunita radical semelhante à dos Talibã, difere destes últimos em termos de teologia e estratégia. Como sinal da forte inimizade entre ambos, o Estado Islâmico qualificou os Talibã como apóstatas em vários comunicados e não os felicitou após a conquista de Cabul, em 15 de agosto. O desafio para os Talibã é, portanto, complexo: defender a população afegã do mesmo tipo de ataques que os seus próprios combatentes levam a cabo há anos no país.

 

  Al Jazeera, 31ago2021 às 18h15
O novo governo do Afeganistão será anunciado nos próximos dias.
Captura de ecrã 2021-08-31 211638.jpg

 

  Al Jazeera, 31ago2021 às 20h05
Querem uma apostinha como não tarda muito e a Índia reconhece oficialmente o governo Talibã no Afeganistão?... E se assim for quem “perde a corrida” é o Paquistão.

Captura de ecrã 2021-08-31 210902.jpg

Jorge De Freitas Monteiro - Nada é impossível por aquelas paragens mas a Índia foi dos países que mais apoiou a ocupação…
David Ribeiro - Eu também achei estranho os indianos serem os primeiros a fazerem reuniões com os Talibã, Jorge De Freitas Monteiro... mas é capaz de ser uma forma da Índia "passar a perna" ao Paquistão.

 

  Wakil Kohsar da AFP News Agency fotografou os membros da unidade das forças especiais Badri 313 dos Talibã a chegarem ao aeroporto de Cabul a 31 de agosto de 2021, depois da retirada total das tropas dos EUA.
239413035_4413262298711739_2875279702445157946_n.j

 

  AFP News Agency 
Cronologia dos principais acontecimentos no Afeganistão, desde a ocupação soviética até à derrota dos EUA.
240842617_4409902452381057_4284329022427036870_n.j

 

   Zabihullah Mujahid... o "Talibã 2.0".
“We want to build the future, and forget what happened in the past."
dd617b6b9106b65e74de353f3b64e732397a9442.jpg

 

   Al Jazeera, notícia de 08fev2021
E agora como estará o combate à pandemia no Afeganistão?
afeghan covid.jpg
  Situação da pandemia no Afeganistão (dados reportados à Organização Mundial da Saúde de 03jan2020 a 01set2021).
Afeganistão Covid-19 01set2021.jpg

 

   Reuters, 02set2021 às 16h06
O secretário de relações exteriores britânico, Dominic Raab, afirmou hoje, durante uma missão diplomática em Doha, que “a realidade é que não reconheceremos os Talibã em nenhum momento num futuro previsível, mas acho que há um espaço importante para engajamento e diálogo”.
doha.jpg

 

  Al Jazeera, 02set2021 às 19h57
A maior empresa de transferência de dinheiro do mundo vai retomar os seus serviços para o Afeganistão depois de ter suspendido a sua operação há duas semanas, quando os Talibã avançaram em Cabul.
Captura de ecrã 2021-09-02 205707.jpg

 

   JN, 02set2021 às 22h18
Militares portugueses partem para o Kosovo para cooperar com forças de outras nações, no campo Bechtel, um alojamento temporário para a operação de apoio aos cidadãos civis afegãos retirados de Cabul e que aguardam para serem recolocados em vários países de acolhimento.
Captura de ecrã 2021-09-02 224812.jpg



Publicado por Tovi às 07:24
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 26 de Agosto de 2021
O “negócio” dos opiáceos no Afeganistão

Captura de ecrã 2021-08-24 112023.jpg

A plantação da papoila no Afeganistão é de há muito uma produção de relevância e até hoje este país da Ásia Central continua a ser o maior fornecedor de opiáceos ilícitos do mundo, o que não deve mudar no futuro próximo com a retoma do poder pelos Talibã. A ONU estima que com este comércio de drogas só os rebeldes afegãos tenham lucrado mais de 400 milhões de dólares americanos entre 2018 e 2019, tendo em 2004 o Afeganistão sido o responsável por 86% do ópio usado em todo o mundo na produção de heroína. Outros grandes produtores são o Paquistão e a região do Triângulo Dourado (Birmânia, Tailândia, Vietname, Laos e a província de Yunnan, na China).

 

  
Captura de ecrã 2021-08-25 211349.jpgNesta quarta-feira (25ago2021), os presidentes da Rússia e da China discutiram sobre a posição dos seus países perante a situação atual do Afeganistão. Vladimir Putin e Xi Jinping estão dispostos a aumentar esforços na luta contra a ameaça terrorista e contra o tráfico de drogas no Afeganistão. Os dois líderes sublinharam a importância de ser estabelecida a paz no país em causa, bem como prevenir que sua instabilidade se propague para as regiões vizinhas. Xi Jinping, no entanto, reiterou que a China irá adotar uma posição de não-interferência, respeitando a independência e soberania do Afeganistão. O presidente russo mostrou estar de acordo, afirmando que está disposto a trabalhar com Pequim para impedir forças estrangeiras de interferir e destruir este país da Ásia Central.

O Primeiro-Ministro do Paquistão Imran Khan e o presidente russo Vladimir Putin também falaram no dia de ontem sobre o conflito do Afeganistão. Para Imran Khan um Afeganistão pacífico, seguro e estável é de vital importância para o Paquistão e para estabilidade regional.

 

   Lusa, 09h20 de 26ago2021
Na quarta-feira à noite os Estados Unidos, Reino Unido e Austrália apelaram aos cidadãos para saírem do aeroporto de Cabul devido a "ameaças terroristas", quando milhares de pessoas continuam a chegar ao aeroporto para tentar fugir do país. As pessoas que se encontram no aeroporto sobretudo "nas entradas leste e norte devem sair imediatamente", disse o Departamento de Estado norte-americano, citando "ameaças à segurança". A diplomacia australiana alertou para uma "ameaça muito elevada de ataque terrorista", enquanto Londres emitiu um aviso semelhante.

  
Captura de ecrã 2021-08-26 182406.jpgPoucas horas depois do aviso de ameaça terrorista emitido pelos EUA, Reino Unido e Austrália, duas explosões junto ao aeroporto de Cabul fizeram, pelo menos, 13 mortos, avança a imprensa internacional, que cita fontes talibã. Haverá mulheres e crianças entre as vítimas. A primeira explosão terá sido causada por um homem-bomba e a segunda ocorreu perto do Hotel Baron, em frente ao aeroporto e foi causada pela explosão de um carro. No centro das suspeitas acerca da autoria das explosões está o “Estado Islâmico - Província Khorasan” (Daesh-K), um braço da organização terrorista que está ativo no Afeganistão, e que se posiciona no terreno como um inimigo dos talibã. O jornal britânico “The Guardian” refere que o embaixador dos EUA em Cabul confidenciou a funcionários seus a existência de quatro norte-americanos mortos. O jornal “The Washington Post”, citado pela Lusa, refere que se trata de quatro fuzileiros norte-americanos.


O Pentágono acaba de confirmar, em conferência de imprensa, que pelo menos 12 militares dos EUA morreram - 11 fuzileiros dos Estados Unidos ('marines') e um médico da Marinha - esta quinta-feira, nos atentados suicidas que tiveram lugar junto ao Aeroporto de Cabul, no Afeganistão. Outros 15 militares norte-americanos ficaram feridos.

 
Segundo as últimas informações da equipa da Al Jazeera no Afeganistão, pelo menos 110 pessoas morreram nas duas explosões ocorridas no exterior do aeroporto de Cabul, incluindo 13 soldados dos EUA.

   Vejam quem é o grupo Estado Islâmico-Khorasan
Captura de ecrã 2021-08-27 140659.jpgO duplo atentado suicida junto do aeroporto de Cabul foi o primeiro golpe do grupo Estado Islâmico-Khorasan (EI-K) contra os Talibã, que assumiram o controle do Afeganistão em 15 de agosto. Khorasan é o nome da uma antiga região que englobava parte da Ásia Central e da Índia. O braço afegão do grupo Estado Islâmico nasceu quando o movimento era visado na Síria e no Iraque pela coligação ocidental liderada pelos Estados Unidos. É principalmente integrado por ex-membros talibã paquistaneses e afegãos e conseguiu recrutar facilmente jovens radicalizados do Afeganistão, que serviu de base durante anos para a rede Al-Qaeda e onde o grupo Estado Islâmico se enraizou, aproveitando-se do caos reinante. Com a nova geração de jihadistas, o EI-K ganhou ainda mais terreno. “Os dois grupos são sunitas, mas não têm a mesma agenda", afirmou Didier Billion, diretor-adjunto do Instituto de Relações Internacionais e Estratégicas francês (Iris), em entrevista ao jornal Le Parisien desta sexta-feira (27ago).



Publicado por Tovi às 07:31
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 13 de Agosto de 2021
A origem e passado recente dos Talibã
   Texto com base em informação recolhida na Wikipédia
Talibã - nas línguas faladas no Afeganistão (o persa moderno e o afegão), talib significa "estudante" - é um movimento fundamentalista islâmico que se difundiu no Paquistão e, sobretudo, no Afeganistão, a partir de 1994 e que governou efetivamente cerca de três quartos do Afeganistão entre 1996 e 2001, apesar de seu governo ter sido reconhecido por apenas três países: Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita e Paquistão.
No Outono de 1994, 40 a 50 estudantes muçulmanos, insatisfeitos com o caos do país, reuniram-se em Sansigar, a cerca de 40 quilómetros de Khandahar, com as duas principais figuras, o Mulá Abdul Salam Zaeef e Mohammed Omar, com a ideia de desarmar os bandos, acabar com os crimes e estabelecer a Xaria (o corpo da lei religiosa islâmica). Nomearam Mohammed Omar como seu comandante. Assim foi o começo modesto dos Talibã, mas a verdade é que na noite seguinte, surpreendentemente, já a BBC (em pachtun) anunciava o encontro. Seus membros mais influentes eram ulemás (isto é, teólogos) nas suas vilas natais e o grupo tinha apenas algumas armas, velhas motocicletas russas e quase nenhum dinheiro. O movimento poderia ter morrido no berço, não fosse o grande apoio da população local. Dentro de poucos dias já eram mais de 400 combatentes. Em 12 de Outubro de 1994, um grupo de 200 Talibã assumiu, em cerca de quinze minutos, o controle de Spin Boldak, na fronteira entre o Afeganistão e o Paquistão, um importante posto alfandegário no lucrativo comercio de camiões. Após essa vitória, o Paquistão intensificou a ajuda ao movimento, principalmente por meio de Nasrullah Babar, um integrante da etnia pachtun que era Ministro do Interior. Nos motivos deste apoio aos Talibã, estava a crença na sua capacidade de restaurar a ordem nas estradas afegãs e de estabelecer um governo estável, que viabilizaria a construção de um possível gasoduto, podendo ser seu aliado nas suas disputas contra a Índia. Subiram ao poder depois de derrotar o presidente Burhanuddin Rabbani e seu chefe militar, Ahmad Shah Massoud, tendo ocupado a capital, Cabul, em 27 de setembro de 1996, após meses de bombardeamentos desde o inverno de 1995.
Logo após tomar Cabul, os Talibã impuseram a sua versão do sistema islâmico. Todas as mulheres foram proibidas de trabalhar, as escolas femininas foram fechadas e as mulheres foram obrigadas a tapar-se da cabeça aos pés. Foi nesta altura que os Talibã destruíram inúmeros monumentos, incluindo os famosos Budas de Bamiyan, com 1.500 anos de idade.
Após o ataque terrorista às Torres Gêmeas em Nova York constava-se que os Talibã tinham dado refúgio a Osama bin Laden e por isso as forças dos Estados Unidos atacaram o país, derrubaram o regime talibã e favoreceram, com o apoio de outros países, a instalação do governo liderado por Hamid Karzai. No entanto os Talibã foram recuperando forças, obtiveram um certo nível de controle político e aceitação na região de fronteira com o Paquistão e iniciaram uma insurgência contra os Estados Unidos e contra o governo afegão constituído após as eleições gerais.
Desde 14 de Abril de 2021, quando o Presidente dos EUA Joe Biden anunciou a retirada de todas as tropas americanas do Afeganistão, os Talibã têm vindo a assumir o controlo de mais de 50 distritos.

Captura de ecrã 2021-08-13 192533.jpg

 

   Reuters, 03h36 de 13ago2021
EUA e Reino Unido vão deslocar a partir do Kuwait uma força de 3.500 a 4.000 soldados para apoiar a retirada dos funcionários da embaixada americana em Cabul e ajudar a retirar do país cidadãos afegãos que trabalhavam para as forças americanas e britânicas, numa altura em que os Talibã continuam a avançar e a capturar cidades importantes do país. 
Captura de ecrã 2021-08-13 115032.jpg

 

   Press TV, 22h59 de 13ago2021
Não há dúvida que o Irão vai ter uma importante palavra a dizer na atual crise no Afeganistão, pelo que não é de estranhar que o Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica (IRGC, na sigla em inglês) já tenha declarado no dia de hoje que a fronteira iraniana com o Afeganistão está segura e com a polícia e o Exército em prontidão total na região. O major-general Hossein Salami Salami, comandante do IRGC, afirmou que "as pessoas não se devem preocupar, pois o alcance das nossas observações vai além das fronteiras e estamos monitorizando e controlando todos os desenvolvimentos no país vizinho".
Captura de ecrã 2021-08-14 153700.jpg

 

   Al Jazeera, 23h00 de 13ago2021
Guterres exortou todas as partes a fazerem mais para proteger os civis... mas este apelo é capaz de já vir tarde.
Captura de ecrã 2021-08-14 101836.jpg



Publicado por Tovi às 10:09
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 5 de Junho de 2021
Uma chatice... Uma grande chatice

Captura de ecrã 2021-06-04 092733.jpg

    The Guardian de 3jun2021
How will Portugal’s removal from Covid ‘green list’ affect you?

 

   Mas há sempre uma solução...
Captura de ecrã 2021-06-05 095429.jpg



Publicado por Tovi às 07:01
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 9 de Maio de 2021
Eleições Regionais no Reino Unido

escócia.jpg
Na Escócia, a chefe do Governo Nicola Sturgeon, anunciou a vitória do seu partido SNP nas eleições regionais: "Haverá uma maioria pró-independência" no parlamento escocês. Nicola Surgeon ficou a um deputado da maioria absoluta. A primeira-ministra reafirma que "a Escócia tem o direito de decidir sobre o seu futuro quando a crise da covid-19 passar". O Partido Nacionalista Escocês (SNP) assegurou 64 dos 129 assentos da Assembleia regional e um quarto mandato consecutivo à frente do Governo autónomo, mas ficou a um lugar da maioria absoluta.

 

pais de gales.jpg
Mark Drakeford, primeiro-ministro do país de Gales, é um dos grandes vencedores das eleições britânicas da última quinta-feira. A boa gestão da pandemia deu uma vitória significativa aos Trabalhistas que conquistaram 30 dos 60 lugares que formam o Parlamento galês.



Publicado por Tovi às 10:12
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Maio 2022
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9


22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Posts recentes

Ao 71.º dia é assim que e...

Uns querem a GUERRA... ou...

NATO, União Europeia e G7...

Evacuação de civis de cin...

E ao décimo primeiro dia ...

Cinco coisas para saber s...

Ómicron ou B.1.1.529 - O ...

Terrorismo em Liverpool

Nova crise migratória

História recente do Afega...

Os dias seguintes no Afeg...

O “negócio” dos opiáceos ...

A origem e passado recent...

Uma chatice... Uma grande...

Eleições Regionais no Rei...

A Escócia e o Brexit

Brexit está consumado

A pandemia terminará em P...

O Brexit chegou

O dia seguinte às Eleiçõe...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus