"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Domingo, 29 de Agosto de 2021
O Afeganistão pelos olhos de um militar português

Coronel-Jorge-Torres-no-Afeganistão-768x512.jpg

Num artigo de Ana Tulha publicado no “Notícias Magazine” de 25ago2021, Jorge Torres, coronel do Exército português que no último ano foi o Representante Nacional Sénior na Resolute Support Mission, missão da NATO no Afeganistão que tinha como principais objetivos o treino, aconselhamento e assistência das forças afegãs, começa por realçar que de 2012 (primeira vez em que esteve no Afeganistão) para 2020 notou “uma evolução em termos de capacitação das forças afegãs”. Mas então como se explica que não tenham sequer sido uma posição de resistência? O atual comandante do Regimento de Infantaria 19, em Chaves, não responde diretamente à questão. Destaca, no entanto, vários aspetos que nos podem ajudar a uma leitura mais profunda. Desde logo a viragem que houve em 2014. “Até aí houve um enorme esforço feito pela comunidade internacional, no sentido de garantir que havia um ambiente seguro para que as instituições do país se levantassem e consolidassem. A partir desse ano, a liderança passou para os afegãos e a comunidade internacional passou apenas a apoiar essas estruturas. Além disso, a parte do treino e levantamento do Exército foi considerada consolidada e o trabalho passou a focar-se mais no treino das forças especiais. Depois, é preciso ver que a capacidade de um exército não é só o músculo, há outros vetores não tangíveis que são fundamentais. Um deles é a capacidade de liderança.”

 


afeganistao_mapa-738727.jpg
O Ocidente e especialmente os EUA, devem tirar ilações depois do que aconteceu no Iraque, na Líbia e agora da situação no Afeganistão. Tentar impor um sistema de valores alheio é criar situações explosivas. Há muito que se falava que os representantes do governo do Afeganistão colocavam no bolso parte da assistência internacional ou a enviavam para contas offshore. Mas insistiu-se em “apoiar” um governo corrupto e “equipar” e “treinar” forças da ordem que se borrifavam para aquilo para que tinham sido criadas. E agora?... Tudo vai depender, em primeiro lugar, daquilo que decidirem Rússia e China, bem como Paquistão, Irão, Índia e outros países asiáticos.

 


transferir.jpg
Os Estados Unidos anunciaram ontem (28ago2021) terem realizado um ataque aéreo com drone, na província afegã de Nangarhar [leste], contra membros do grupo jiadista Estado Islâmico da Província de Khorasan (ISIS-K, Daesh-K, ou ISKP na sigla em inglês) no Afeganistão, grupo rebelde que reivindicou o atentado terrorista no aeroporto de Cabul. Parece não ter havido “qualquer vítima civil” mas “matámos o alvo” (dois foram mortos, e um foi ferido), segundo o porta-voz do Comando Central dos Estados Unidos, Bill Urban.

António Conceição - Asneira da grossa. O problema do ocidente (leia-se, dos EUA) tem sido ir para o médio oriente fazer Justiça. É um erro. A nossa estratégia deve ser o fomento das rivalidades islâmicas, deixando que as várias facções se matem fraternalmente umas às outras e se entretenham entre elas. Bombardear o Daesh-K não contribui para esta estratégia. Contribui apenas para enfraquecer este grupo, dando força aos Talibãs. Isto não faz sentido. Só faria, se os talibãs fossem nossos amigos ou aliados. Não são. São nossos inimigos, como o Daesh-K. Portanto, a nossa política sensata é manter equilibrada rivalidade entre esses grupos, sem dar superioridade a nenhum.
David Ribeiro - Como já aqui disse, António Conceição, o Ocidente e especialmente os EUA, ainda não tiraram ilações depois do que aconteceu no Iraque, na Líbia e agora da situação no Afeganistão. Tentar impor um sistema de valores alheio é criar situações explosivas. E não esquecer que na região tudo vai depender, em primeiro lugar, daquilo que decidirem Rússia e China, bem como Paquistão, Irão, Índia e outros países asiáticos.
Chico Gouveia - Já se sabia que os EUA iam sair de lá por terra, mas voltariam pelo ar. Não se esperava é que fosse tão cedo.
Da Mota Veiga Suzette - Já se sabe: guerra gera guerra. Cada vez mais dicicil encontrar um caminho para a paz. A China e os Russos tem um certo interesse neste conflito e esperam conseguir disfarçar uma armadilha para os USA.

 

   Notícias de há momentos... 14h00 de 29ago2021

Segundo a "BBC", uma fonte do Ministério da Saúde confirmou que houve, de facto, uma explosão na área e terá sido causada por um rocket que atingiu uma casa perto do aeroporto. Por sua vez, a agência Reuters avança que os EUA realizaram um ataque aéreo em Cabul. O alvo seria um possível carro-bomba suicida que visava atacar o aeroporto. A "CNN" corrobora esta versão, acrescentando que uma explosão secundária significativa no veículo indicou uma quantidade substancial de material explosivo. Um porta-voz dos talibã também confirmou que o ataque aéreo dos EUA tinha como alvo um bombista-suicida suspeito, que viajava num carro, de acordo com a agência de notícias Associated Press (AP). Posteriormente veio a saber-se que dez pessoas de um bairro de Cabul, incluindo crianças, foram mortas neste ataque de drone dos EUA, tendo Washington afirmado que os combatentes do ISKP eram o alvo.
Al Jazeera 14h30 de 29ago2021 .jpg

 

   Al Jazeera, 07h40 de 30ago2021
Cerca de 500 soldados de infantaria motorizada russa estão a realizar exercícios nas montanhas do Tadjiquistão no contexto de instabilidade no vizinho Afeganistão. Todos os militares envolvidos no exercício vêm da base militar russa no Tadjiquistão, segundo informação do comando do Distrito Militar Central. Este exercício é o terceiro executado pela Rússia perto da fronteira com o Afeganistão neste mês. No mês que vem, um bloco de segurança liderado pela Rússia realizará outro exercício no Quirguistão, que abriga uma base aérea militar russa
size_960_16_9_exercito_russo.jpg



Publicado por Tovi às 07:18
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 13 de Agosto de 2021
A origem e passado recente dos Talibã
   Texto com base em informação recolhida na Wikipédia
Talibã - nas línguas faladas no Afeganistão (o persa moderno e o afegão), talib significa "estudante" - é um movimento fundamentalista islâmico que se difundiu no Paquistão e, sobretudo, no Afeganistão, a partir de 1994 e que governou efetivamente cerca de três quartos do Afeganistão entre 1996 e 2001, apesar de seu governo ter sido reconhecido por apenas três países: Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita e Paquistão.
No Outono de 1994, 40 a 50 estudantes muçulmanos, insatisfeitos com o caos do país, reuniram-se em Sansigar, a cerca de 40 quilómetros de Khandahar, com as duas principais figuras, o Mulá Abdul Salam Zaeef e Mohammed Omar, com a ideia de desarmar os bandos, acabar com os crimes e estabelecer a Xaria (o corpo da lei religiosa islâmica). Nomearam Mohammed Omar como seu comandante. Assim foi o começo modesto dos Talibã, mas a verdade é que na noite seguinte, surpreendentemente, já a BBC (em pachtun) anunciava o encontro. Seus membros mais influentes eram ulemás (isto é, teólogos) nas suas vilas natais e o grupo tinha apenas algumas armas, velhas motocicletas russas e quase nenhum dinheiro. O movimento poderia ter morrido no berço, não fosse o grande apoio da população local. Dentro de poucos dias já eram mais de 400 combatentes. Em 12 de Outubro de 1994, um grupo de 200 Talibã assumiu, em cerca de quinze minutos, o controle de Spin Boldak, na fronteira entre o Afeganistão e o Paquistão, um importante posto alfandegário no lucrativo comercio de camiões. Após essa vitória, o Paquistão intensificou a ajuda ao movimento, principalmente por meio de Nasrullah Babar, um integrante da etnia pachtun que era Ministro do Interior. Nos motivos deste apoio aos Talibã, estava a crença na sua capacidade de restaurar a ordem nas estradas afegãs e de estabelecer um governo estável, que viabilizaria a construção de um possível gasoduto, podendo ser seu aliado nas suas disputas contra a Índia. Subiram ao poder depois de derrotar o presidente Burhanuddin Rabbani e seu chefe militar, Ahmad Shah Massoud, tendo ocupado a capital, Cabul, em 27 de setembro de 1996, após meses de bombardeamentos desde o inverno de 1995.
Logo após tomar Cabul, os Talibã impuseram a sua versão do sistema islâmico. Todas as mulheres foram proibidas de trabalhar, as escolas femininas foram fechadas e as mulheres foram obrigadas a tapar-se da cabeça aos pés. Foi nesta altura que os Talibã destruíram inúmeros monumentos, incluindo os famosos Budas de Bamiyan, com 1.500 anos de idade.
Após o ataque terrorista às Torres Gêmeas em Nova York constava-se que os Talibã tinham dado refúgio a Osama bin Laden e por isso as forças dos Estados Unidos atacaram o país, derrubaram o regime talibã e favoreceram, com o apoio de outros países, a instalação do governo liderado por Hamid Karzai. No entanto os Talibã foram recuperando forças, obtiveram um certo nível de controle político e aceitação na região de fronteira com o Paquistão e iniciaram uma insurgência contra os Estados Unidos e contra o governo afegão constituído após as eleições gerais.
Desde 14 de Abril de 2021, quando o Presidente dos EUA Joe Biden anunciou a retirada de todas as tropas americanas do Afeganistão, os Talibã têm vindo a assumir o controlo de mais de 50 distritos.

Captura de ecrã 2021-08-13 192533.jpg

 

   Reuters, 03h36 de 13ago2021
EUA e Reino Unido vão deslocar a partir do Kuwait uma força de 3.500 a 4.000 soldados para apoiar a retirada dos funcionários da embaixada americana em Cabul e ajudar a retirar do país cidadãos afegãos que trabalhavam para as forças americanas e britânicas, numa altura em que os Talibã continuam a avançar e a capturar cidades importantes do país. 
Captura de ecrã 2021-08-13 115032.jpg

 

   Press TV, 22h59 de 13ago2021
Não há dúvida que o Irão vai ter uma importante palavra a dizer na atual crise no Afeganistão, pelo que não é de estranhar que o Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica (IRGC, na sigla em inglês) já tenha declarado no dia de hoje que a fronteira iraniana com o Afeganistão está segura e com a polícia e o Exército em prontidão total na região. O major-general Hossein Salami Salami, comandante do IRGC, afirmou que "as pessoas não se devem preocupar, pois o alcance das nossas observações vai além das fronteiras e estamos monitorizando e controlando todos os desenvolvimentos no país vizinho".
Captura de ecrã 2021-08-14 153700.jpg

 

   Al Jazeera, 23h00 de 13ago2021
Guterres exortou todas as partes a fazerem mais para proteger os civis... mas este apelo é capaz de já vir tarde.
Captura de ecrã 2021-08-14 101836.jpg



Publicado por Tovi às 10:09
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Outubro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Posts recentes

O Afeganistão pelos olhos...

A origem e passado recent...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus