"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Terça-feira, 30 de Agosto de 2022
Marta Temido demitiu-se

301190130_10221834277113982_5487547139055559877_n.

Era previsível... infelizmente.
Dois bebés e uma grávida morreram entre junho e agosto (9 de junho - bebé morre no hospital das Caldas da Rainha. 28 de julho - grávida perde bebé depois de percorrer mais de 100 quilómetros. 27 de agosto - grávida morre enquanto estava a ser transferida por falta de vagas). Mas estes não foram os únicos casos a evidenciar as fragilidades do Sistema Nacional de Saúde (SNS). Os serviços de obstetrícia e ginecologia estão em rutura há vários meses - com médicos internos a ultrapassarem as linhas do trabalho extraordinário - mas agravaram-se desde junho, quando as urgências de vários hospitais anunciaram o fecho durante horas ou dias.

 


Pedro Santos Guerreiro, diretor executivo da CNN Portugal
"A ministra antecipou-se: não tinha força política para o impacto da morte da mulher grávida que foi mandada de um hospital para outro."
C
omunicado do gabinete do primeiro-ministro - António Costa "recebeu o pedido de demissão da ministra da Saúde". O chefe de governo "respeita a decisão e aceita o pedido, que já comunicou ao senhor Presidente da República". António Costa agradeceu "todo o trabalho desenvolvido" por Marta Temido, "muito em especial no período excecional do combate à pandemia da covid-19". Na nota divulgada pelo gabinete do primeiro-ministro acrescenta-se que o executivo "prosseguirá as reformas em curso tendo em vista fortalecer o SNS e a melhoria dos cuidados de saúde prestados aos portugueses".
Sindicato dos Enfermeiros
“Não estávamos à espera. Ficámos surpreendidos, mas parece lógico”. 
Sindicato Independente dos Médicos
“Nos últimos meses”, houve uma dissociação da realidade entre Marta Temido e os problemas na Saúde.
B
astonário da Ordem dos Médicos - Miguel Guimarães referiu que para o Ministério da Saúde se pretende "um ministro que faça acontecer e que resolva os problemas que afetam a saúde em Portugal e que de uma forma transversal afetam todos os portugueses". "A saída da senhora ministra do Governo é uma decisão dela e que só ela pode explicar aos portugueses. E só o senhor primeiro-ministro pode explicar porque aceitou de imediato esta demissão".
Luís Paixão MartinsNão interpreto a demissão de Marta Temido como uma vitória dos lóbis sindicais da Saúde. Pela prosaica razão de que as posições destas instituições estão extremadas, são tão partidárias, que não contribuem para influenciar a escolha do sucessor (ou da sucessora). É mais simples (simplista) provocar o desgaste de um membro do governo do que influenciar as políticas do governo. as acredito que os fãs dessas instituições aplaudam.
Raul Vaz OsorioA Martinha já tinha finalmente percebido que andava a navegar na maionese desde que foi a ministra. Estava à espera de um caso onde não tivesse culpas no cartório para usar como desculpa para sair sem perder a face. Aproveitou-o bem. Já vai é tardíssimo.
Raul Almeida
A grande notícia não é a demissão de Marta Temido. A verdadeira notícia é o facto de ter sido ministra tanto tempo, com um desempenho trágico numa área tão importante como a saúde. Costa tem responsabilidades óbvias nesta tragédia.
Rodrigues PereiraO Confusionismo. 1. A ministra Temido demitiu-se. 2. Desta vez, o Primeiro-Ministro aceitou a demissão. 3. Porém, exigiu que a demissionária ministra prosseguisse com a criação da entidade que vai administrar "de facto" o Serviço Nacional de Saúde, criando uma espécie de CEO do mesmo. 4. Para tal, teremos a demissionária ministra a exercer, de facto, funções durante mais quinze dias. 5. Quem quer que seja que venha a ser nomeado ministro da Saúde vai, portanto, ser colocado perante um "fait accompli" , algo de difícil explicação (e, para mim, de muito mau gosto). 6. É um facto indiscutível que, com todos os acidentes de percurso que teve, esta ministra desempenhou com êxito (inesperado ?!) o controlo da pandemia, durante mais de dois anos. 7. Também é sabido que a própria pandemia colocou os profissionais de saúde no limite do "burn out", não tendo muitos deles sequer tido férias durante estes últimos dois anos e meio. 8. E que não era possível continuar a exigir tal aos referidos profissionais de saúde. 9. A necessidade de aqueles descansarem e uma péssima gestão das escalas hospitalares conduziram ao estado pré-caótico em que se encontra o SNS, com urgências a encerrarem e até mortes que poderiam ter sido evitadas. 10. O estado mais ou menos de graça (não é piada) em que até há uns tempos se encontrava Marta Temido, resvalou rapidamente - muito à boa maneira portuguesa - para o epíteto "de bestial a besta". 11. Fica, pois, claríssimo que a ministra não tinha quaisquer condições de continuar no cargo e que a sua saída peca por tardia. 12. Não se pode ser Ministro da Saúde CONTRA os médicos e enfermeiros. Dá sempre mau resultado. Nem, tampouco, CONTRA as instituições privadas de saúde. Marta Temido sabia-o, mas fez orelhas moucas: tratou os profissionais de saúde abaixo de cão e desprezou as instituições privadas de saúde. Ficou sem interlocutores ... 13. Não sei que coelho irá António Costa retirar da cartola. Sei que, o mais fácil, é apostar tudo na "evolução na continuidade", nomear o tal CEO do SNS aconselhado por Marta Temido e promover Lacerda Salles a ministro. 14. E o que é que isto iria melhorar/alterar ? Pois a meu ver, absolutamente nada ! 15. Precisa-se de sangue novo , de gente com provas dadas (e há alguns) e de cessarmos de colocar as ideologias políticas à frente do bem-estar dos cidadãos. 16. Aqui bem perto, no Porto, temos alguém que preenche estes requisitos : Chama-se Fernando Araújo, é professor da Faculdade de Medicina e Presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar e Universitário São João. A ver vamos ...

 

  Um ano e nove meses passados não retiro uma vírgula ao que escrevi em finais de novembro de 2020 sobre Marta Temido:
21961533_vZorZ.jpegDurante a primeira vaga desta pandemia várias vezes elogiei a ministra Marta Temido pela forma como estava a gerir o SNS no “ataque” ao vírus SARS-CoV-2, mas nesta segunda vaga parece-me ter falhado redondamente. Vejamos o que esta semana nos disse sobre o número de camas nas unidades de cuidados intensivos – dobraram as camas em UCI – mas ao que consta as camas existem, não havendo porém pessoal qualificado suficiente para as tornar operacionais. Poder-se-ão desviar médicos, enfermeiros e demais técnicos hospitalares de outros serviços, mas quem vai “pagar” vão ser os doentes doutras patologias. Também a vacinação contra a gripe foi um desastre, havendo neste princípio de dezembro milhares de portugueses à espera de uma vacina. Há quem diga que no meio de uma batalha não se mudam os generais… mas mais vale um simples mas bom sargento do que um mau oficial superior. É verdade que a manta é curta e se a puxarmos para cima ficam os pés de fora e se taparmos os pés apanhamos frio na cabeça... mas já vamos no oitavo mês de pandemia pelo que já era exigida uma outra forma de "atacar" as dificuldades. Esperemos que a prometida vacinação contra a Covid-19 não seja um desastre... para já algumas afirmações e logo de seguida os desmentidos, não auguram nada de bom.


Altino DuarteSinceramente, caro David Ribeiro, não entendo a razão porque faz referência ao que escreveu em 2020 sobre Marta Temido e ao que diz "não retirar uma vírgula"...
David RibeiroAltino Duarte ... Unicamente porque continuo a pensar que já teve melhores dias no Ministério da Saúde.

 


22313114_5WgnI.jpegTudo leva a crer que a morte de uma grávida de 34 anos, depois de ter sido transferida do Hospital de Santa Maria para São Francisco Xavier devido à falta de vagas na neonatologia, foi a “gota de água” que provocou a demissão da ministra da Saúde Marta Temido, num “copo já cheio” de vários episódios, por vezes difíceis de entender, durante a crise das urgências obstétricas e pediátricas encerradas por falta de profissionais. E como é uso dizer-se “rei morto rei posto”... só que o Primeiro-ministro diz que ainda não tem um nome pensado para o lugar de Temido, sendo que a sua substituição será feita “quando for oportuno”, demonstrando a ideia de que demorará a escolher o próximo ministro. António Costa afirmou hoje que “Marta Temido tinha em curso respostas importantes para o SNS, e nós vamos prosseguir essas reformas", o que torna claro que as "políticas não vão mudar”. E isto é que me preocupa, pois o passado recente não me garante estar o problema nas “pessoas”, mas sim nas “ideias”.

 


image (1).jpg
O Ministério Público abriu, esta terça-feira, um inquérito à morte da grávida que foi transferida do Hospital de Santa Maria para o São Francisco Xavier, em Lisboa, confirmou a Procuradoria-Geral da República. "Confirma-se a instauração de inquérito, no âmbito do qual o Ministério Público determinou a realização de autópsia médico-legal". Já esta terça-feira a Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) tinha anunciado uma investigação às circunstâncias da morte.



Publicado por Tovi às 07:37
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 22 de Julho de 2022
Rússia e Ucrânia assinam acordo sobre cereais

Captura de ecrã 2022-07-21 221325.jpg

A Ucrânia e a Rússia vão assinar hoje um acordo para permitir a exportação de cereais através do Mar Negro. A cerimónia de assinatura deste acordo do envio de cereais, na qual estarão presentes o Presidente turco Recep Tayyip Erdogan e o secretário-geral da ONU, António Guterres, terá lugar às 13h30 locais (14h30 em Portugal), no Palácio Dolmabahçe, em Istambul, com a participação da Ucrânia e Rússia. Este acordo visa trazer pelo Mar Negro cerca de 20 milhões de toneladas de cereais que se encontram bloqueados em silos ucranianos, por causa da ofensiva russa na Ucrânia, que teve início em 24 de fevereiro. O acordo também deve facilitar as exportações russas de cereais e fertilizantes, afetadas pelas sanções ocidentais que afetam a logística e as cadeias financeiras russas.

 

  Bom trabalho do presidente turco Erdogan e do secretário-geral da ONU, António Guterres. As Nações Unidas e a Turquia trabalham há dois meses para intermediar o que Guterres chamou de um “pacote” – para retomar as exportações de cereais da Ucrânia no Mar Negro e facilitar os embarques russos de cereais e fertilizantes.

  Zelensky, no briefing diário na noite de quinta-feira, afirmou: “E amanhã também esperamos notícias da Turquia, sobre o desbloqueio de nossos portos”. 

 

  Alguns dos pontos conhecidos do acordo assinado esta tarde entre a Ucrânia e a Rússia, para permitir a exportação de cereais bloqueados nos portos do Mar Negro
Captura de ecrã 2022-07-22 151535.jpg
O acordo prevê um centro de coordenação e controlo em Istambul, dirigido por todas as partes envolvidas: um ucraniano, um russo, um turco e um representante das Nações Unidas. Os delegados vão gerir a rotatividade de navios no Mar Negro. Pode demorar quatro semanas até o centro estar operacional.
Moscovo exige inspeções aos navios à partida e chegada na Turquia para garantir que não levam armamento. Há um compromisso em manter corredores marítimos sem atividade militar, e qualquer desminagem fica a cargo de um “país terceiro” por especificar.
O acordo dura quatro meses mas é renovável. E tem uma contrapartida: um memorando de entendimento em como as sanções contra Moscovo não vão afetar direta ou indiretamente cereais e fertilizantes.

 
Rodrigues Pereira - Estou a pensar que é uma enorme honra ver o nosso compatriota António Guterres a firmar um acordo entre a Rússia e a Ucrânia, co-negociado pela ONU e a Turquia, e que pode constituir o primeiro passo sério para o fim da guerra!
David Ribeiro - Sem dúvida... até porque, como sempre defendi, o DIÁLOGO é a melhor forma de se tentar resolver um conflito.
Paulo PereiraUm primeiro passo para um cessar fogo, acho.

 


Captura de ecrã 2022-07-22 162607.jpg
António Guterres, secretário-geral da ONU, afirmou que "este é um acordo para o mundo" e que, a partir desta sexta-feira, "existe um farol no mar negro: um farol de esperança, de possibilidade e de alívio".
Recep Tayyip Erdogan, o presidente da Turquia, país onde se assinou o acordo que irá permitir a exportação de cereais ucranianos, bloqueados nos portos do Mar Negro devido à guerra, acredita que "este acordo é um passo a caminho da paz".

 


Captura de ecrã 2022-07-22 163525.jpg
O oligarca russo Roman Abramovich, que também tem nacionalidade portuguesa, foi visto participando da cerimónia de assinatura do acordo de cereais em Istambul. Não ficou claro a que título o ex-proprietário do Chelsea Football Club estava a participar no evento. Kiev e Moscovo tinham indicado anteriormente que Abramovich estava operando como intermediário entre os dois lados no início da guerra.

 


Captura de ecrã 2022-07-22 165219.jpg
A União Europeia saúda este acordo... mas não lhe tinha ficado mal se já tivesse "lutado" por ele há mais tempo.
  Francisco Seixas da Costa
Hoje, foi um dia estranho para a União Europeia. Desde há muitos anos, fomos habituados a ver surgir a União Europeia em quase todos os cenários que, direta ou indiretamente, se ligassem aos seus interesses geopolíticos. Como “honest broker” ou como “soft power”, os enviados de Bruxelas tinham sempre uma espécie de lugar cativo nos cenários de crise ou de tentativa de resolução de conflitos. Da União esperava-se sempre apoio, intermediação e uma atuação que, sem descurar interesses, carreasse o seu peso político: com afirmação de princípios, com clareza de posições, mas sempre com sentido de compromisso e, em especial, com uma linguagem serena e sem histerismos jingoístas. Hoje, em Istambul, naquela que é uma tentativa de entendimento, pontual mas muito relevante, entre dois Estados da sua vizinhança, em aberto conflito armado, a União Europeia não teve lugar na sala. Nem como simples observador. Vale a pena perguntar porquê, embora todos saibamos a resposta.

 


Captura de ecrã 2022-07-23 104610.jpg
As reações já se fazem sentir... e ainda não saiu pelo Mar Negro nenhum carregamento de cereais.



Publicado por Tovi às 07:47
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 16 de Março de 2022
Como as táticas da Rússia estão evoluindo na Ucrânia

  by Alex Gatopoulos / Al Jazeera – 15mar2022
Captura de ecrã 2022-03-15 235056.jpg
Na última semana, houve uma mudança marcante nas táticas dos militares russos à medida que o objetivo da guerra na Ucrânia se ampliou. Armas avançadas, especialmente sistemas de defesa antitanque e antiaéreos portáteis, bem como armas pequenas e munições, estão chegando à Ucrânia. Estas tiveram um impacto significativo no campo de batalha, já que tanques russos, veículos blindados, camiões de suprimentos e helicópteros foram repetidamente alvejados e destruídos. Esses ataques ajudaram a retardar o avanço da Rússia, que continua a progredir no país por três direções – do norte em direção à capital Kiev; do leste com foco em sitiar Kharkiv e Mariupol; e do sul, onde unidades russas, tendo tomado Kherson, cruzaram o rio Dnieper em dois lugares e agora avançam por ambos os lados, além de pressionar a cidade de Mykolaiv e as defesas ucranianas perto da cidade de Zaporizhzhia. Unidades russas consolidaram o controle sobre Mariupol, tomando cidades vizinhas e ampliando o corredor que liga a Crimeia a Donetsk. Apenas uma pequena faixa de litoral, centrada em torno da cidade portuária de Odesa, está agora sob controle ucraniano.
Combatentes estrangeiros e problemas russos - Não são apenas as armas que estão inundando a Ucrânia. Voluntários estão entrando no país por todos os meios que podem para lutar. Mais de 60.000 ucranianos de sua diáspora retornaram ao país e agora estão engajados na luta contra a Rússia, de acordo com o ministro da Defesa da Ucrânia, Oleksii Reznikov. Combatentes estrangeiros também estão abrindo caminho, impulsionados por uma variedade de ideologias e razões, com a Ucrânia dizendo que 20.000 pessoas se inscreveram para se juntar à legião internacional criada em resposta à invasão russa. A Rússia anunciou que também receberá combatentes estrangeiros, principalmente sírios com experiência em combate urbano, em um esforço para reforçar suas forças armadas, que até agora tiveram um desempenho ruim. Esta é uma das grandes surpresas da guerra até agora: que os militares da Rússia com seu “novo” exército profissional mal alcançaram qualquer um de seus objetivos estratégicos e, em termos de poder de combate aplicado, logística, comando e controle e moral geral e foco, teve um desempenho inferior em toda a linha. As comunicações militares têm sido tão ruins que os generais russos tiveram que se aproximar muito das linhas de frente para exercer algum controle sobre a situação tática. Até agora, três generais foram mortos na guerra, um número quase sem precedentes em qualquer conflito moderno. Em alguns lugares, as comunicações contaram com redes civis normais não criptografadas, permitindo que os militares e a inteligência ucranianos intercetassem o tráfego de comunicações militares russos.
A guerra move-se para o oeste - A Rússia finalmente aceitou o facto de que esse vasto influxo de armamento e mão de obra está a afetar as suas forças armadas e agora tomou medidas para interromper o fluxo. As bases aéreas ucranianas em Ivano-Frankivsk e Lutsk, no oeste do país, foram atacadas e severamente danificadas num esforço para degradar a Força Aérea da Ucrânia, um movimento que poderia ter sido esperado nas primeiras horas da invasão, mas que chegou quase três semanas atrasado. Uma base ucraniana em Yavoriv, ​​perto da fronteira polaca, que é usada para treinar combatentes estrangeiros, foi destruída por ataques de mísseis enquanto a Rússia tentava interditar o fluxo de homens e material que atravessava a fronteira. A Rússia claramente desviou a sua atenção dos campos de batalha imediatos no leste para o oeste relativamente ileso da Ucrânia. Depois que o Kremlin ameaçou atacar carregamentos de armas ocidentais para a Ucrânia, a NATO alertou que eles seriam defendidos se fossem atacados além das fronteiras da Ucrânia. Este é agora um ponto de inflamação potencial que pode atrair a NATO para um conflito mais amplo, já que a Rússia está desesperada para impedir que as armas fluam para o leste para as forças armadas da Ucrânia. Uma guerra geral na região, envolvendo potências nucleares é o que todos os lados estão tentando evitar, pois os resultados seriam catastróficos para a Ucrânia, Rússia, Europa Oriental e além.
Civis como armas - As táticas da Rússia endureceram à medida que hospitais e outras infraestruturas civis foram repetidamente atingidos por ataques aéreos e bombas de artilharia. As coordenadas desses hospitais são conhecidas pelos planeadores militares russos, os prédios são grandes e facilmente identificados do ar. Um ou dois ataques podem ser um erro, uma das terríveis realidades da guerra, mas nada mais do que isso mostra uma estratégia deliberada para tornar a vida insuportável para os civis locais que então fugirão para áreas desocupadas, sobrecarregando rapidamente os escassos recursos das povoações e cidades próximas à linha de frente. Estas táticas foram vistas em Mariupol, Kharkiv e provavelmente serão aplicadas na capital Kiev e em Odesa, enquanto a Rússia se concentra no próximo estágio do conflito.
O norte – Kiev e o comboio - A capital ucraniana tem sido um objetivo estratégico russo desde o início da guerra. Um enorme comboio, composto por centenas de veículos, tanques, artilharia, veículos blindados e camiões de suprimentos avançou em direção a Kiev, apenas para parar a cerca de 25 km da cidade, dentro do alcance da artilharia ucraniana. Lá ficou, um alvo potencial com cerca de 64 km (40 milhas) de comprimento, imóvel numa única estrada por 10 dias. É um dos grandes mistérios da guerra até agora. Por que os russos avançaram tão perto e depois pararam? E por que o comboio não se espalhou pelo menos para se proteger? Houve relatos de que o chefe do comboio foi atacado, de modo que seu avanço parou; que os russos ficaram sem combustível, ou menos provável, que os pneus chineses baratos usados ​​pelos russos não aguentaram as estradas irregulares e estouraram. Mas há uma segunda parte nesse mistério: por que a artilharia ucraniana de longo alcance não destruiu pelo menos parte do comboio? No início da guerra, os militares ucranianos tinham 354 lançadores de foguetes múltiplos (MRLs), incluindo mais de 80 dos MRLs guiados com precisão Alder feitos localmente que, com um alcance de 70 km, poderiam facilmente atingir todo o comboio. Mas isso não aconteceu. O facto da Ucrânia não ter atacado um alvo virtualmente estacionário tão óbvio confundiu os observadores externos, mas a explicação mais comum entre os ucranianos é que eles não queriam escalar o conflito infligindo um grande número de baixas russas. A oportunidade de destruir o comboio passou, pois se dispersou e agora faz parte do esforço russo para tomar a cidade. As cidades periféricas foram fortemente bombardeadas e a própria Kiev foi atingida várias vezes, com a frequência de ataques aumentando a cada dia, à medida que a capital se prepara para um ataque terrestre de tropas e blindados russos.
O sul – Mariupol e Odesa - Como a Rússia se concentra em sitiar cidades, a frente sul é onde tem tido mais sucesso. A maior parte do litoral está agora nas mãos dos russos. A cidade de Mariupol é o único obstáculo para a Rússia ligar a Península da Criméia a Donetsk. Testemunha de alguns dos piores combates, a cidade foi amplamente danificada com bairros inteiros arrasados ​​pela artilharia russa e ataques aéreos. Enquanto os ucranianos estão resistindo, o abastecimento está a tornar-se um problema e a situação humanitária está piorando, apesar das sucessivas tentativas de abrir corredores humanitários para que os civis deixem a cidade. Cidades ao norte de Mariupol foram tomadas pela Rússia à medida que o cordão ao redor da cidade sitiada se amplia. Odesa, o maior porto da Ucrânia, está se preparando para um ataque russo. Um antigo destino turístico russo, seu trecho de 40 km de praia e litoral já foi minado, pontos fortes foram construídos por toda a cidade enquanto os militares e voluntários ucranianos se preparam para a batalha urbana que eles temem que esteja chegando. Há relatos de que uma grande frota anfíbia russa está se aproximando de Odesa da Península da Crimeia. Os russos haviam cautelosamente montado um bloqueio distante do porto, até agora evitando um ataque direto à cidade. Se Odesa cair nas mãos dos russos, será um duro golpe para o esforço de guerra da Ucrânia, já que o porto movimenta dois terços de toda a carga que chega por mar. As unidades de infantaria mecanizada russas estão agora avançando lentamente para o norte ao longo de ambos os lados do Dnieper. As cidades estratégicas de Zaporizhzhia e Dnipro transformaram-se em fortalezas à medida que são inundadas por refugiados que fogem dos combates, sobrecarregando ainda mais os recursos já sobrecarregados. Situado na curva do rio Dnieper, que corta a Ucrânia de norte a sul, sua posse é vital para ambos os lados, enquanto as forças russas avançam lentamente para o norte.
Muito foi dito sobre o lento avanço russo, mas apesar dos vigorosos esforços da Ucrânia, eles estão avançando. O cerco às cidades ocidentais da Ucrânia continua. Toda a área ao redor de Kherson está agora sob controle russo e um ataque bem-sucedido a Odesa isolaria a Ucrânia do mar, transformando-a em um país sem litoral, bloqueando a maioria das importações tão necessárias do país. Com tanto em jogo para ambos os lados, o conflito não parece que terminará tão cedo. As baixas devem aumentar acentuadamente, os vizinhos da Ucrânia já estão perto do ponto de saturação à medida que os refugiados continuam a cruzar a fronteira. O perigo de escalada está sempre presente enquanto a Rússia luta para manter sua ofensiva militar na Ucrânia e também seu controle sobre a opinião pública em casa. A sobrevivência política de Vladimir Putin está cada vez mais ligada a um resultado bem-sucedido para a Rússia nesta guerra, o crescente número de mortos e a lentidão de sua acusação o apoiando constantemente em um canto, e os presidentes encurralados são perigosos.
  
Rodrigues Pereira - Continua tudo a ser uma enorme incógnita. Parece que a Rússia conseguiu, finalmente, acertar a pontaria e bombardear 2 aeroportos e a base de treino junto à fronteira da Polónia. Tenho alguma esperança de que as negociações possam aportar alguma razoabilidade, sem interditar o acesso marítimo à Ucrânia (Odessa). Isto dito, creio que a pressão ocidental se poderia traduzir por uma constante visita de líderes da UE a Kiev. Mesmo Putin, não se atreveria a bombardeá-los!!!

 

  Quem controla o quê na Ucrânia (de 6mar para 16mar2022)
De dia 06 para dia 16mar2022.jpg

 


15mar2022.jpg
Apesar do perigo de bombardeamento, os primeiros-ministros da Polónia, Eslovénia e da República Checa viajaram ontem [terça-feira, 15mar2022] até Kiev para uma reunião com o Presidente Volodymyr Zelensky. O objetivo da visita foi reforçar o total apoio do Conselho Europeu à independência da Ucrânia.

 


ref.jpgNas últimas três semanas, Portugal recebeu 10.068 refugiados da Ucrânia. O número quase que iguala o mesmo número de refugiados, de todos os países, que Portugal acolheu desde 2015 (10.927). No ano passado, mais de 27 mil ucranianos viviam em Portugal. Já em 2022, depois da invasão da Rússia à Ucrânia, o número de ucranianos terá disparado para cima dos 37 mil, colocando o país no terceiro mais representado em Portugal em termos de imigrantes.

 

  Da série "Piscar o olho a Putin"
cgtp.jpg

 

  
Financial Times 16mar2022.jpg
O Financial Times, citando três pessoas envolvidas nas negociações, noticia na tarde de hoje (16mar2022) que a Ucrânia e a Rússia chegaram a um “plano de paz provisório assente em 15 pontos. Ambos os países terão chegado a “progressos significativos”, num plano que inclui um cessar-fogo e a retirada da Rússia de território ucraniano, desde que Kiev declare a neutralidade e aceite limitar as suas forças armadas. Apesar disso, fonte do governo russo diz ser ainda muito cedo para comentar o assunto.

 


bolsa-valores-2.jpgBolsa portuguesa valorizou esta quarta-feira, com o PSI-20 a encerrar a sessão em alta de 1,02% nos 5622,30 pontos, com 12 cotadas em alta e sete em baixa, num dia em que os mercados europeus beneficiaram de notícias que dão conta de progressos nas negociações de paz entre a Rússia e a Ucrânia. Paris e Frankfurt encerraram em alta de 3,68% e 3,76%, respetivamente; e o índice pan-europeu Stoxx 600 cresceu 3,07%.



Publicado por Tovi às 07:49
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)

Sexta-feira, 29 de Outubro de 2021
Angela Merkel deixa o poder na Alemanha

Partilho... porque faço minhas as palavras deste meu grande Amigo:

 

Captura de ecrã 2021-10-28 220051.jpg

Eu, pecador, me confesso ...
Em duas linhas: Nunca pensei que iria ter saudades da Chanceler alemã, a qual, na minha perspectiva, entrou de chancas, quer na Alemanha reunificada, quer na Europa comunitária.
Hoje, porém, no dia da sua despedida, acredito que vai ser muito difícil, a quem lhe suceder na Chancelaria, coordenar vontades, conceitos políticos e birras de políticos mal-amados como ela conseguiu.
Foi uma enorme Estadista, ao leme da maior Democracia da Europa. Reteve a necessidade de apoiar minorias e de subscrever a obrigação moral que temos em receber os refugiados, com obrigações, mas com dignidade para os próprios.
Por tudo, só me resta dizer:
Vielen Dank, Frau Doktor Merkel ! Ich werde Sie nie vergessen !
MRP, 22 de Outubro de 2021



Publicado por Tovi às 07:55
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 10 de Setembro de 2021
Morreu Jorge Sampaio

Requiescat in Pace

Captura de ecrã 2021-09-10 090416.jpg
Jorge Sampaio estava de férias com a família no Algarve quando dificuldades respiratórias o levaram a ser internado no hospital de Portimão. Posteriormente, seria transportado, de helicóptero, para o Hospital de Santa Cruz, em Lisboa, onde era habitualmente acompanhado. Foi Presidente da República de 1996 a 2006. Antes esteve quase seis anos à frente da Câmara Municipal de Lisboa e três como líder do PS, tendo perdido as legislativas de 2001 para Cavaco Silva. Licenciado em Direito, nasceu em Lisboa a 18 de setembro de 1939.

 

   Rui Moreira, na sua página do Facebook
É com profundo pesar que lamento o falecimento do ex-Presidente da República, Jorge Sampaio. Recordá-lo-ei como um homem bom, um humanista, que representou o País colocando o sentido de Estado e de serviço público sempre em primeiro lugar. Recordo, com saudade, a afabilidade, o seu humor fino, a sua cultura, o seu sentido estético. As suas aflições quando se deparava com os problemas da nossa sociedade e do nosso mundo.
Endereço, por isso, as mais sentidas condolências aos seus familiares, a todos os seus amigos e ao Partido Socialista.
As nossas acções de campanha foram canceladas.


   Rodrigues Pereira, na sua página do Facebook
Um adeus de longe
Partiu discreto, como foi seu apanágio de vida.
Gostava muito de Jorge Sampaio. Era um homem de convicções, mas também de emoções. De lágrimas sentidas, sem se importar com uma eventual fragilidade que as mesmas pudessem significar. Estive, com muito gosto, nas suas duas campanhas para as Presidenciais. Foram dias de loucos, em constantes correrias. Sobretudo para um homem com problemas de saúde, como ele.
Encontrei-o, também, em Bangkok, onde foi, de propósito, assistir ao Congresso Mundial de SIDA. Juntamente com Nelson Mandela, Bill Clinton, Bill Gates e outras diversas personalidades mundiais. Que queria aprender, que queria trocar impressões de viva voz com quem vivia o dia-a-dia do problema. Esta procura, esta curiosidade constante, valeram-lhe depois a nomeação para altos cargos nas Nações Unidas, no âmbito do combate à Malária e à SIDA.
Eram um homem com um fino sentido de humor (educação britânica, já se vê) , mas com uma preocupação com o próximo como poucas pessoas conheci.
Vem a propósito um telefonema que recebi em Dezembro de 2004, estava eu a dormir sossegado no Sheraton em Lisboa. às duas da manhã. Acordei estremunhado e do outro lado da linha aparece-me o recepcionista encavacado, a pedir muita desculpa por me ter acordado, mas que achava que o devia fazer, porque tinha o Presidente da República ao telefone. Era Sampaio a dizer-me que, com muita pena, provavelmente não poderia comparecer no dia seguinte à inauguração da nova sede da Abraço, da qual eu era, à altura, presidente da direcção. Perguntei-lhe se estava tudo bem com ele e respondeu-me, em tom de confidência : "Comigo está tudo óptimo, mas amanhã vou ter que largar a «bomba atómica». É que este estado de coisas já não se aguenta". Desejei-lhe sorte e preparei-me para ter uma inauguração mais modesta, no dia seguinte. Uma hora antes do horário previsto , começam a chegar televisões às nossas novas instalações. Mas para além dos três canais nacionais, estavam também a CNN, a BBC, a TF1 , etc., etc, . Depois chega o corpo de intervenção da PSP, que desata a colocar baias pelo caminho que o Presidente seguiria. E ele veio. E, com um piscar de olho e um sorriso matreiro, confidenciou-me : "Como ainda não prestei declarações à comunicação social, achei que talvez fosse bom para a divulgação da Abraço vir até cá ..." Se foi !
Vou ter saudades, Presidente Sampaio !
Um grande beijo à Vera e um enorme abraço ao André.
Até sempre ...

 

   Declaração de Marcelo Rebelo de Sousa
O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa proferiu uma declaração, no Palácio de Belém, a propósito da morte do Presidente Jorge Sampaio.
Portugueses,
Acabei de exprimir à família do Presidente Jorge Sampaio, em dor, o pesar de todos vós.
Lutando, mas serenamente, nos deixou hoje o Presidente Jorge Sampaio.
Lutando serenamente. Como sereno foi o seu testemunho de vida, ao serviço da liberdade e da igualdade.
Sereno na sua luminosa inteligência.
Sereno na sua profunda sensibilidade.
Sereno na sua paciente, mas porfiada coragem.
Jorge Sampaio nasceu e formou-se para ser um lutador e a causa da sua luta foi uma: a liberdade na igualdade.
Na carismática afirmação, no movimento estudantil do início dos anos 60.
Na defesa, em tribunais plenários, dos presos políticos durante a ditadura.
Na representação externa da democracia nascente.
Na construção de pontes, década após década, entre formações diversas, no seu hemisfério político e para além dele.
Na adesão ao Partido Socialista, de que viria a ser deputado, líder parlamentar e líder nacional.
Na formação da primeira e mais vasta coligação pré-eleitoral de esquerda da nossa História democrática.
Na Presidência da Câmara Municipal de Lisboa, após uma rara campanha de ideias, com visão estratégica, prioridade aos mais pobres e excluídos, preocupação com as pessoas, os seus sonhos, os seus dramas, a sua realidade.
Na devotada e prestigiante Presidência de Portugal.
Lançando a Cimeira de Arraiolos, com todos os Chefes de Estado europeus eleitos não presidencialistas.
Criando a COTEC, com empresários portugueses, espanhóis e italianos, pela inovação e responsabilidade social.
Recriando as Presidências abertas do seu antecessor, com a constante presença de Maria José Ritta.
Podendo ter-se resignado ao caminho mais fácil do jurista respeitado, da quietude da sua origem social, do natural ascendente da sua cultura, do seu pensamento, da sua oratória, escolheu o caminho mais ingrato, da solidariedade para com os que mais sofriam, do convívio com o concreto, da privação da sua saúde, frágil, em exaustivos e desgastantes labores.
Ninguém esquecerá momentos únicos dessa entrega.
As intervenções decisivas desse furacão ruivo na Alameda da Universidade de Lisboa, em 1962.
A madrugada da libertação dos detidos em Caxias, após o 25 de Abril.
A conversa com Álvaro Cunhal, antes da segunda volta da eleição de Mário Soares, em 1986.
A travessia, em noites de vendaval, dos bairros de lata da capital, que, com o Governo de então, conseguiu extinguir.
Os meses sem dormir, passados, nesta casa, em Belém, por causa de Timor-Leste.
A oposição à intervenção no Iraque.
A dedicação à saúde pública global – herança do magistério paterno – e ao diálogo entre religiões, culturas e civilizações.
O exemplar acolhimento dos refugiados sírios, fugidos das tragédias das guerras.
E, sempre, as lágrimas genuínas do homem bom, porque era um homem bom, na partilha da alegria tal como da dor alheias.
Jorge Sampaio deixou-nos hoje com um duplo legado.
Duplo – porque feito de liberdade, mas também de igualdade.
Duplo – porque feito de inteligência, mas também de sensibilidade. Porque provou que se pode nascer privilegiado e converter a vida na batalha pelos não privilegiados.
Sempre lutando, mas com serenidade. Aquela serenidade que une a força das convicções ao respeito por cada um e por todos os demais. De bem com todos e todos de bem com ele.
A corajosa serenidade de um grande Senhor da nossa Democracia, de um grande Senhor da nossa Pátria comum.

 

  Provavelmente o último ato político de Jorge Sampaio
Captura de ecrã 2021-09-10 204654.jpg
   Ver aqui notícia de 25ago2021



Publicado por Tovi às 09:10
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 18 de Maio de 2021
Rui Moreira vai a julgamento

Captura de ecrã 2021-05-18 162239.jpg
Há mais de três anos o Tribunal Administrativo e Fiscal [TAF] mandou arquivar o processo “Selminho”… mas agora o Ministério Público “voltou à carga” e o Tribunal de Instrução decidiu que Rui Moreira vai a julgamento.

Em 29 de maio de 2017 o Presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, informou a Assembleia Municipal que “o terreno que a minha família adquiriu há dezasseis anos não tinha, em Outubro de 2013, e continua a não ter, em 2017, capacidade construtiva. Não foi, entretanto, prometida, acordada ou paga qualquer indemnização. Ao contrário, a pretensão da Selminho em garantir ou capacidade construtiva, uma indemnização, ou até ambas, foi recusada pela Câmara no meu mandato. E só no meu mandato. Só no meu mandato. A propriedade do terreno, nunca antes disputada pela CMP ao longo de decénios e em múltiplos processos, é agora questionada pelo Município. Essa questão que agora a Câmara levanta prejudica claramente os interesses da Selminho. Mas iniciou-se no meu mandato. Repito, prejudica objectivamente os interesses da Selminho. Nunca tinha sido levantada. Foi-o no meu mandato. Eu e a minha família em nada fomos beneficiados.”

 
Rui Moreira convocou os jornalistas para uma declaração, às 17 horas de hoje… aguardemos.
 
    Comentários no Facebook
Rodrigues Pereira - Muito conveniente para alguns ! Esta situação do "era e não era" do Ministério Público seria risível, se não fosse trágica ! Mas uma enorme maioria sabe que nem Rui Moreira nem a sua Família beneficiaram com isto, muito pelo contrário ! Trata-se de um vil e mesquinho ataque de baixa política !!!
Celio Alves - Ataque sabujo e cirúrgico a "dias" das eleições....
Nuno Matos PereiraSempre disse que esse terreno não tinha capacidade construtiva, mas o ataque a meses das eleições, é mesmo cirúrgico, porco e difamatório. Podemos aceitar ou não politicamente, a forma de gestão de Rui Moreira, mas jogar tão baixo, leva-nos a pensar que todos nós estamos a ser escrutinados por uma PIDE reles. Pelo menos antes do 25 de abril o povo sabia com quem podia contar, hoje o sítio onde tenho mais dúvidas é se a justiça funciona.
 
 
   17h10 de hoje - JN

Rui Moreira: ida a julgamento "não me tira razão". O presidente da Câmara do Porto disse, numa declaração emocionada, que a ida a julgamento por prevaricação e abuso de poder no caso Selminho "não tem qualquer fundamento". Moreira lamenta ainda que a decisão instrutória tenha sido conhecida tão perto das eleições autárquicas.

   17h11 de hoje - Porto Canal
Rui Moreira, autarca do Porto, afirma, esta terça-feira, em reação à notícia de que será levado a julgamento no Caso Selminho, que "aguentará inabalável como o granito pois acredita que a verdade prevalecerá". O autarca garante ainda que "não tomou decisões que prejudicassem o município".

 

   Declaração pública de Rui Moreira
Caras e Caros Portuenses,
Como sabem, a Senhora juíza de instrução decidiu hoje que o processo em que fui acusado deve ser submetido a julgamento. Fê-lo, entendendo que essa seria a sede processual adequada para se apurar o que consta da acusação, e que eu sempre refutei.
Nada de novo, portanto, resulta desta decisão. Esta decisão não me deu, nem tirou, razão.
Pura e simplesmente remeteu a discussão para outro momento, e para outros juízes.
É uma decisão que lamento, pois sei que a acusação não tem qualquer fundamento e, por isso, procurei evitar o prolongamento do processo, sem recorrer a qualquer expediente dilatório, entendendo que o mesmo tinha custos desnecessários já que, tal como há 4 anos, estamos perante um processo que surge em vésperas de eleições.
Não foi esse o entendimento da Senhora Juíza.
No entanto, esta decisão não muda absolutamente nada, nem na minha maneira de ver o processo, que continuo a entender ser completamente destituído de fundamento, nem na minha posição sobre o assunto em questão: é absolutamente inequívoco que não tive qualquer participação em qualquer processo em que estivesse envolvida a minha família e não tomei direta ou indiretamente, ou por qualquer interposta pessoa, qualquer decisão que alterasse a posição do Município em qualquer processo judicial.
Tudo o que respeita à relação do Município com a sociedade Selminho teve início em 2006 e o processo judicial entre o Município e a Selminho teve o seu início em Dezembro de 2010, muito antes de eu ser presidente da Câmara e numa altura em que nem sequer equacionava tal hipótese.
A posição do Município foi definida nessa altura e nunca foi por mim alterada. Não mudei o advogado da câmara, nem mudei qualquer Diretor ou Técnico Municipal que lidou com o assunto. Até a Vereadora que interveio já ocupara esse cargo executivo no mandato anterior ao meu.
Considero, por isso, um insulto e uma infâmia que se possa, sequer, por a hipótese de eu poder ter beneficiado a minha família; para mais num assunto em que, como toda a gente sabe, a minha família acabou por perder os seus terrenos a favor da Câmara, e isso sucedeu exatamente neste meu mandato.
Enfim... como também anteriormente já tinha dito, são tempos perigosos aqueles em que vivemos! Em que os adversários se comportam como inimigos e aceitam usar todas as armas ao seu alcance, por mais ignóbeis que sejam.
Naturalmente, não ignoro a existência do processo; nunca me refugiei e não me refugiarei em nenhum argumento processual para não falar sobre ele. E é no meu compromisso com o Porto que encontrarei forças para explicar aos portuenses que este processo não tem qualquer fundamento ou sentido.
Posto isto, quero dizer-vos e deixar bem claro, em particular àqueles que há muito me tentam afastar dos portuenses, que este processo não interferirá na avaliação política sobre a minha recandidatura a Presidente da Câmara Municipal do Porto.
Isso seria uma traição a tudo aquilo em que acredito, bem como àqueles que sempre me apoiaram e que têm estado ao meu lado, falo dos membros do “Porto, o Nosso Movimento”, mas também de milhares e milhares de portuenses anónimos que sempre confiaram e acreditaram nesta minha forma de Estar e Sentir o Porto!
Desiludam-se, portanto, os que pensam que este processo me afasta de continuar a lutar pela cidade que tanto amo, sempre na defesa dos altos valores que nos caracterizam.
Tal como qualquer portuense, sou muito cioso da minha integridade e do bom nome que tentam vilipendiar. Permitam-me que recorde o exemplo do meu Pai, hoje, no preciso dia de seu nonagésimo adversário. Sofreu na pele uma perseguição terrível. Venceu, sem nunca se ter vitimizado, sem nunca ter perdido o amor pela cidade e pela cidadania activa. É a memória dele e da sua coragem que me inspira nestas provações.
Posso assegurar-vos que aguentarei inabalável como o granito, pois acredito que a verdade prevalecerá e a Justiça, estou certo, chegará.
Muito obrigado.

 

    O l h a - m' e s t e ! . . . 
187774994_4040318809350455_2954928458940208825_n.j



Publicado por Tovi às 16:31
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 19 de Dezembro de 2020
Rui Moreira vs Selminho

131675387_10218610319550021_1522576649155285613_n.

Disseram as notícias do fim da tarde de ontem que “Rui Moreira acaba de ser acusado, pelo Departamento de Investigação e Ação Penal Regional do Porto, de ter cometido, em autoria material e na forma consumada, de um crime de prevaricação, em concurso aparente com um crime de abuso de poderes, no caso ‘Selminho’". E eu recordo-me bem do que o Presidente da Câmara Municipal do Porto nos disse na sessão da Assembleia Municipal do dia 29mai2017:

 O terreno que a minha família adquiriu há dezasseis anos não tinha, em Outubro de 2013, e continua a não ter, em 2017, capacidade construtiva.
Não foi, entretanto, prometida, acordada ou paga qualquer indemnização. Ao contrário, a pretensão da Selminho em garantir ou capacidade construtiva, uma indemnização, ou até ambas, foi recusada pela Câmara no meu mandato. E só no meu mandato. Só no meu mandato.
A propriedade do terreno, nunca antes disputada pela CMP ao longo de decénios e em múltiplos processos, é agora questionada pelo Município. Essa questão que agora a Câmara levanta prejudica claramente os interesses da Selminho. Mas iniciou-se no meu mandato.
Repito, prejudica objectivamente os interesses da Selminho. Nunca tinha sido levantada. Foi-o no meu mandato.
Eu e a minha família em nada fomos beneficiados.
 
 
    Rodrigues Pereira, no Facebook
Rui Moreira e a minha vergonha alheia
Quando parecia que o chamado "Caso Selminho" estava morto e enterrado já há uns bons tempos pelo Tribunal Administrativo, eis que surge um novo processo - desta vez, do foro do direito criminal - a acusar Rui Moreira das maiores enormidades no mesmo, incluindo actuações de tal maneira graves que - pasme-se - poderiam conduzir à perda do mandato de Presidente da Câmara do Porto.
Se isto não fosse trágico , no que à fiabilidade e constância da nossa Justiça diz respeito - no fundo o primeiro e definitivo esteio de qualquer Democracia que se preze - seria absolutamente digno de um filme de humor negro, quiçá protagonizado pelos Monty Python. É que já nem a dignidade literária da célebre obra de Franz Kafka possui !!!
Senão, vejamos:
1 - Foi Rui Moreira que espoletou a análise de todo o "Caso Selminho" , caso com barbas e que nenhum dos seus antecessores na Câmara houvera, sequer, analisado.
2 - Foi ainda Rui Moreira que mandatou dois advogados da Câmara a que preside para procederem a uma investigação cuidada de todo o "Processo", afastando-se de qualquer interferência na mesma e recusando-se, inclusivamente, a participar em qualquer votação do Executivo Camarário que viesse a ter relação com o mesmo.
3 - Ambas estas posições deixam, de per se, ficar claríssima a atitude do Presidente da Câmara, já que qualquer decisão negativa seria altamente prejudicial para o próprio e a sua família, detentores da Selminho, em termos económico-financeiros.
4 - Correu o referido Processo termos no Tribunal Administrativo, o qual veio ilibar totalmente Rui Moreira ou qualquer familiar seu, adiantando que a compra escriturada por via da exaltação do direito de usucapião, não colhia.
E quando todos - de boa-fé - achavam que o caso estava juridicamente terminado, restando umas minudências na área do direito de regresso - a Família Moreira comprou um terreno, registado em escritura pública a alguém que, aparentemente, não teria o direito de o vender - surge este soez Processo Crime!
Que Rui Moreira incomodou muita gente do establishment político (e até empresarial) com a sua retumbante vitória nas duas últimas eleições autárquicas, não é segredo para ninguém. Eu próprio, que me movimento desde sempre nos meios da política socialista/social-democrata, bem como nos do sector empresarial, fui muitas vezes testemunha desse incómodo. Com efeito, o desagrado para com os mandatos de Rui Moreira não provém do Povo do Porto, mas sim de meia-dúzia de illuminati que, por julgarem ter na Câmara um "cúmplice" para cunhas e desvarios, foram encontrar um Homem: independente, sério, incorruptível !
Ao ponto de ter dado luz verde aos próprios serviços camarários para que investigassem a fundo a questão Selminho, incorrendo, por isso, em graves prejuízos financeiros, dos quais não tem qualquer espécie de culpa .
Isto dito - e num país decente - esta última acusação, quando for pelo bueiro abaixo - à semelhança da anterior - deveria obrigar o Estado (esse excelso representante do Bem) - a uma indemnização de montante proporcional aos danos morais (e materiais) causadas a Rui Moreira e à sua Família.
E como velho amigo que de todos sou, não tenho qualquer dúvida em afirmar que a Família Moreira se apressaria - descontando o prejuízo contabilizável - a doar a verba remanescente a instituições da cidade que se dedicam, diariamente, a tapar buracos aos quais o Governo da República pouco ou nada liga !
Sabes, meu querido Rui, que contas comigo para o que der e vier. Porque é tempo de deixarmos de gastar dinheiros públicos em guerrilhas de Alecrim e Manjerona !
Um abraço sentido e solidário do
MRP
Porto, 18 de Dezembro de 2020
 
    Luís Artur Ribeiro Pereira, no Facebook
Conheço bem o caso Selminho. Enquanto líder do grupo parlamentar do PSD na AM, no anterior mandato, tive oportunidade de conhecer todo o processo. É uma mão cheia de nada. Rui Moreira enquanto presidente da CMP teve um comportamento político e ético exemplar. Este caso esteve na origem da minha desfiliação do PSD, porque não podia deixar de na AM ser verdadeiro e posicionar-me ao lado de quem atuou com honestidade, ética e sentido de serviço público, Rui Moreira. A inveja e o ódio, são razões dos fracos, que me enojam. Na vida e na política não vale tudo. Rui Moreira, tem sido grande, como Presidente da CMP, como político, como defensor de toda uma região e claro isso não agrada a quem está na política para se servir. Claro que isto é um ataque político e mal, muito mal, vai o Ministério Público que se deixa enredar nestas artimanhas. Mas o povo, esse povo que como niguém sabe distinguir a verdade da mentira, a inveja do mérito, vai dar uma resposta política dando a Rui Moreira uma vitória esmagadora nas próximas eleições autárquicas. O povo é quem mais ordena.
 
   Vicente Ferreira da Silva no Facebook
Direito não fez parte de nenhuma das minhas passagens pelo ensino superior. Não obstante, tive várias disciplinas de direito, quinze, ministradas por Professores que davam aulas aos colegas de direito. Não sou jurista. Mas cedo aprendi que a lei é, e será sempre, uma questão de interpretação. Num caso que noutras instâncias foi arquivado, Rui Moreira foi agora acusado pelo Ministério Público. Conhecendo o Rui como conheço, tenho a certeza que estará tranquilo e que tomará as medidas que achar por necessárias para se defender. O que não é aceitável é que já esteja a ser condenado apenas por ter sido acusado, principalmente por pessoas que fazem, ou fizeram, parte de partidos políticos que hoje são oposição na Câmara Municipal do Porto. É curioso que quando membros destes partidos passam por circunstâncias análogas, a primeira coisa que se vê é o arregimentar dos elementos dos respectivos partidos em defesa do acusados. Tendo em conta a postura do Rui nestes oito anos, comparada com a prática daqueles que ocuparam e ocupam posições semelhantes eleitos por partidos, o nível de transparência e de decisão efectiva para a resolução de problemas que se arrastavam há décadas é substancialmente diferente. Reitero. Há um Porto antes e depois de Rui Moreira. E será a história a confirmá-lo.
 
 

15517812_yjS3y.jpeg

Rui Moreira escreveu em finais de 2012 «Ultimato - O antes e o depois do 15 de Setembro» (Oficina do Livro / Grupo LeYa) e cada vez mais me convenço que é sempre necessário um certo distanciamento dos acontecimentos para se poder entender as coisas. Curiosamente Rui Moreira já nessa altura lá dizia: “Porque temos de acreditar que há sentido de Estado numa situação em que vivemos em economia de guerra, tem de ser possível ultrapassar querelas e divergências e de se conseguir consensos nacionais entre os vários órgãos de soberania e os partidos que assinaram o memorando da Troika. A política não se esgota neste espectro político e, por essa razão, é conveniente que os partidos que discordam desse memorando procurem, numa situação em que vivemos em economia de guerra, tem de ser também eles, dar um contributo positivo, que não pode passar pela algazarra ou pelos ataques «ad homine» que desvalorizam e deslegitimam os seus argumentos”.

 

   Raul Almeida no Observador, em 20dez às 00h05
J’Accuse
O regresso do “caso Selminho”, um caso arquivado pela Justiça, sem que sejam conhecidos novos factos, é, à luz do que sabemos, preocupante. Preocupante, por Rui Moreira ser quem é, um Homem sem dono.
«Mon devoir est de parler, je ne veux pas être complice. Mes nuits seraient hantées par le spectre de l’innocent qui expie là-bas, dans la plus affreuse des tortures, un crime qu’il n’a pas commis. » – O meu dever é falar, não quero ser cúmplice. As minhas noites seriam assombradas pelo espectro do inocente que ali expia, na mais horrível das torturas, a de um crime que não cometeu.
Foi com estas palavras que Émile Zola deu voz à revolta perante aqueles que condenaram Dreyfus. O resto é história. Uma história que se vai repetindo. Apaixonei-me pelo caso Dreyfus ainda miúdo, através de um livro perdido entre muitos nos setembros quentes da Beira Alta na quinta da família. O drama de Dreyfus é um bom ponto de partida para a reflexão sobre o impacto da justiça mal conduzida sobre os inocentes. A perversão em que se torna, quando se abate sobre homens de honra.
Tenho a minha conta de amigos que sofreram a discricionariedade de agentes da justiça, de forma profundamente reprovável. Não se trata do exercício de fazer Justiça, trata-se de tentar construir casos apesar da justiça. Trata-se de fazer política selectivamente, em vez de alocar os recursos ao prosseguimento da Justiça, ao combate aos verdadeiros prevaricadores. Em todos estes casos, o procedimento é o mesmo, acusa-se, convoca-se a praça pública através da imprensa, faz-se render o caso e lesa-se o visado. Em todos os casos que refiro, o visado foi declarado inocente. Porque foi sempre inocente. Por isso, a minha repulsa em relação ao justicialismo é tão grande quanto o meu amor à Justiça.
Rui Moreira é dos políticos mais incómodos da actualidade. Um Homem sem dono. Não tem partido, não tem cumplicidades, não tem uma estrutura de apoio profissionalizada, não depende política ou financeiramente de organizações ou grupos de interesse. Tem um percurso pessoal conhecido, uma credibilidade inabalável, um projecto de cidade revolucionário e ganhou por duas vezes a Câmara da segunda cidade do país. Em termos muito simplistas, um tipo do Porto que não tem medo de afrontar Lisboa e os poderes instituídos, sempre que considera justo e necessário. Uma dor de cabeça para o sistema, portanto.
O “caso Selminho”  tornou-se um clássico da política portuense. Convenientemente levantado pelo PCP, foi visto, revisto e tornado a ver por todas as instâncias judiciais competentes. Rui Moreira deu sempre a cara, pedindo o apuramento de todas a verdade e disponibilizando tudo de forma rigorosa e transparente. O caso foi arquivado, e o que conduziu ao arquivamento não deixa dúvidas. As únicas dúvidas que sempre nos ficam, resultam da enorme diferença de publicidade entre a acusação e o arquivamento. Do facto de vermos demasiadas vezes a acusação agir sem solidez, nem fundamentos estruturados, desmascarada por sentenças múltiplas, que aparentemente não a perturbam.
O regresso do “caso Selminho”, um caso arquivado pela Justiça, sem que sejam conhecidos novos factos no processo, é, à luz do que sabemos hoje, preocupante. Preocupante, por Rui Moreira ser quem é, por estarmos a escassos dias do encerramento do ano judicial que precede o ano das eleições autárquicas, em que a jurisprudência desaconselha este tipo de processos. Parece cirúrgico, e as aparências tanto podem causar dano ao visado como ao acusador que assim gere o processo e o tempo. Rui Moreira foi sempre sereno, transparente e, na hora de escolher, não hesitou em privilegiar o interesse da autarquia, salvaguardando sem mácula o interesse público. Para além dos Tribunais, o Povo do Porto também já julgou Rui Moreira, e o veredicto impressiona.
Não temo por Rui Moreira. Tem uma resiliência impressionante para lidar com a injustiça. O seu Pai, um visionário e um empreendedor notável, foi preso político, foi perseguido e acusado por ser quem era. O Rui pai, como o Rui filho, também era um Homem sem dono; dos que incomodam. Esta fibra não está, infelizmente, ao alcance de todos, não se constrói num caminho de conforto, suscita tanta admiração quanta inveja e incómodo, inspira os amigos mais sólidos e desperta os mais rasteiros inimigos, gosta-se muito ou não se tolera. Quando penso no Rui Moreira, lembro-me muito da passagem do Livro do Apocalipse “Conheço tua conduta: não és frio nem quente. Oxalá fosses frio ou quente! Por que não és quente nem frio, mas morno, vomitar-te-ei da minha boca”. O Rui Moreira sempre se recusou a ser morno, independentemente do custo. O Rui Moreira não é só o homem cosmopolita, profundamente culto e o revolucionário construtor da cidade. É um pilar de coerência, dignidade e seriedade. Hoje e sempre.



Publicado por Tovi às 07:05
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 17 de Março de 2020
No Porto está a ser assim...

miguel-nogueira_770x433_acf_cropped.jpg

  Rodrigues Pereira, ontem, na sua página do Facebook

No País das extraordinárias surpresas

Hoje de manhã passei por dois hospitais, aqui no Porto. De valências diferentes , mas ambos com uma notável unanimidade naquilo que interessa.
Comecei pelo Hospital da Prelada, propriedade da Santa Casa da Misericórdia do Porto. Controlo à entrada, com seguranças a dirigir as hostes, gel desinfectante e medição da temperatura a todos quantos entravam, na sua vez, disciplinadamente. Até nas salas de espera, os bancos corridos tinham tampos inutilizados com um papel colado, a indicar a chamada distância de contenção ! Toda a gente respeitou.
Depois, dirigi-me ao Hospital de Santo António, mais propriamente ao serviço de doenças infeccciosas. Conquanto não houvesse medição de temperatura, lá estava o gel desinfectante, que todos usavam à entrada e à saída. Claro que aqui - et pour cause - vi muitos doentes de máscara.
Mas em NENHUM dos dois hospitais me cruzei com um ÚNICO médico com máscara ! E não foi porque faltassem : apenas porque não são necessárias !
Saído do Santo António , e de vidro aberto a fumar uma cigarrilha (já sei, já sei) levei com uma enorme borrifadela de líquido desinfectante, que estava a ser utilizado por funcionários camarários para limpeza da rua.
Antes de chegar a casa, tive que passar por um supermercado. Duas ou três dezenas de pessoas à porta, à espera que o segurança chamasse o número da senha que, previamente, tinha distribuído a quem chegava. Lá dentro, tudo calmo, pessoas simpáticas e a manterem o distanciamento.
Finalmente, fui à farmácia. Aqui não havia senhas. Apenas um pequeno ajuntamento (distanciado) de pessoas à porta. Cada um aguardou, ordeiramente, pela sua vez de ser atendido no postigo.
Chegado a casa, vejo no telejornal que os meus amigos Rui Moreira e Luis Menezes (CEO da Unilabs) tinham concertado a instalação de um drive-through para efectuar análises ao SARS - 2 , em terrenos do queimódromo.
Há dias assim ...
Dias de surpresas - umas a seguir às outras - mas que nos enchem de orgulho.
Era só ...
MRP, 16 de Março de 2020

 


Captura de Ecrã (34).png



Publicado por Tovi às 09:36
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 7 de Novembro de 2019
Hoje, em Paris

Captura de Ecrã (320).png
É a 59ª operação de evacuação desde 2015. Um problema complexo e difícil de resolver.

 

   Comentários no Facebook

Rodrigues Pereira - Não sei como se vai solucionar isto ...

Mario Ferreira Dos Reis - É mesmo um problema... com uma data de gente a assobiar para o lado.



Publicado por Tovi às 08:42
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 3 de Outubro de 2019
Morreu Freitas do Amaral

Requiescat in Pace

freitas-do-amaral1916d322_base.jpg


Freitas do Amaral teve uma longa e intensa vida política, com cerca de cinco décadas de intervenção pública: foi fundador e primeiro presidente do CDS, fez parte de governos da Aliança Democrática, entre 1979 e 1983, e foi primeiro-ministro interino após a morte de Sá Carneiro. Foi também candidato nas históricas presidenciais de 1986, contra Mário Soares, e, já neste século, foi ministro dos Negócios Estrangeiro num governo PS (2005-2006) como independente, após ter saído do CDS em 1992.
Nascido em 21 de Julho de 1941, na Póvoa de Varzim, Diogo Freitas do Amaral passou a infância entre Guimarães (de onde era natural o pai) e a Póvoa de Varzim (a terra da mãe), mas os primeiros anos foram muito marcados pela morte dos dois irmãos mais velhos, ainda crianças. Queria ser engenheiro, mas, sem jeito para Matemática, deixou-se convencer por dois tios que estudaram Direito e lhe “falavam das suas aulas com os professores Marcello Caetano e Galvão Teles”, contou em entrevista à Sábado em 2017. Acabou por se formar em Direito da Universidade de Lisboa. Obteve o grau de Doutor em Direito (Direito público) em 1967 e ensinou na faculdade até 1998. 
Na apresentação do seu terceiro livro de memórias políticas, intitulado Mais 35 anos de democracia - um percurso singular, em junho passado, Freitas revelou que o que mais o marcou na vida foi a sua “militância democrata-cristã”, “com a preocupação de ajudar os outros”. Na ocasião, o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa descreveu-o como “um dos quatro pais líderes dos partidos estruturantes da democracia portuguesa”, juntamente com Mário Soares, Francisco Sá Carneiro e Álvaro Cunhal.

 

  Comentário no Facebook de Rodrigues Pereira

" Yes, I did it my way ! " ***
Ao Professor Doutor Diogo Freitas do Amaral
Não. Não irei falar do político, do co-fundador (e a que custo) da nossa Democracia, do insigne jurista e professor, do único português a ocupar o cargo de Presidente da A. G. das Nações Unidas, etc, etc ...
Vou falar de mim... e do homem.
1994. Bairro Alto, Lisboa. Uma noite de Domingo. Estava a jantar, sozinho, num restaurantezinho italiano, que hoje já não existe. Entretido com a revista do Expresso, já que nessa altura ainda não havia telemóveis para nos infernizarem as refeições.
Com o restaurante meio vazio, não me foi difícil aperceber-me da entrada da família Freitas do Amaral, au complet. A mulher, Maria José, as duas filhas e os dois filhos.
Tinha combatido contra ele nas presidenciais de 1986, com Mário Soares. As tais que levaram Álvaro Cunhal a exortar os seus militantes a cobrir os olhos, mas a votar em Soares...
Nunca tive com Freitas do Amaral qualquer contacto, mas sempre o respeitei como um homem livre e livre-pensador, sem ideias pré-concebidas.
E nessa noite, naquele restaurantezinho meio vazio, apercebi-me de que, naquela mesa de família, havia um zum-zum quase conspirativo, acreditando eu que seria o alvo. Ora enquanto mero e insignificante apoiante de Soares nas presidenciais, já ocorridas há bastantes anos, não me parecia credível que daí viesse o contexto da "conspiração".
Continuei, por isso, a minha solitária manducação, acompanhado da - na altura - a melhor sangria de Lisboa e arredores. E o tempo foi passando, clientes foram saindo, restando eu e a referida família.
A certa altura, o Professor levanta-se e - espanto meu - aborda-me : - «Dá-me licença que me sente ? Gostava de falar consigo ... »
Levantei-me - surpreendido - e quase que mecanicamente, cumprimentei-o e disse "concerteza".
"Sabe - disse-me - a minha filha reconheceu-o da televisão, daquele programa que fez com a Manuela Moura Guedes sobre a SIDA. Eu também vi. E como achei a sua prestação muito boa e nada percebo do assunto, gostava - se me permitir - de, acerca dele, conversar consigo... "
E conversamos...
A certa altura, pede desculpa, vai ter com a mulher e entrega-lhe a chave do carro.
"Assim, ficamos mais à vontade ..."
E ali ficamos, sob o olhar cúmplice do dono do restaurante, a conversar sobre a SIDA e o VIH, durante, seguramente, mais de duas horas. Eu, com a minha amêndoa amarga, ele com sucessivas águas das Pedras.
No final, ainda me ofereci para o levar a casa - ele vivia na Quinta da Marinha, em Cascais - e eu estava a 200 metros de casa. "Era o que faltava ! Apanho um táxi." E lá fomos os dois, até ao Camões, como se dois velhos amigos se tratasse.
Voltei a revê-lo - e a conversar - muitas vezes aos almoços tardios de Domingo, no restaurante do Golf da Quinta da Marinha (onde, um belo dia, ía matando o nosso Ministro dos Negócios Estrangeiros, com uma bola que me saiu com um slice estranho) . Comíamos ambos uma extraordinária salada de pato fumado, que ainda hoje me está no paladar ...
Na primeira conversa, disse-me para deixar cair o "Professor" e o tratar apenas por Diogo. Nunca consegui !
Foi, de facto, um Professor eminente, latu sensu !
Vou ter saudades, Senhor Professor Doutor Diogo Freitas do Amaral !
MRP, 4 de Outubro de 2019
PS 1 - Uns tempos depois de Soares ter ganho as presidenciais, Mário Soares, numa conversa no Hotel Infante de Sagres, confessou-me : " Oh Rodrigues Pereira : a Presidência também teria ficado muito bem entregue ao Freitas do Amaral ... "
PS 2 - *** - As últimas palavras de Freitas do Amaral, aquando da apresentação do seu último livro, citando uma canção de Frank Sinatra. Não podia estar mais de acordo...



Publicado por Tovi às 13:44
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 30 de Julho de 2017
Um Porto moderno e para todos

Não estou praticamente em nada de acordo com o que Correia Fernandes nos diz nesta sua entrevista ao Público, mas discutir uma eventual “intensificação do nível dos índices de construção” na Cidade Invicta é importante e necessário. Deixemo-nos de merdices e vamos lá comparar o que cada uma das candidaturas nos apresentam tendo em vista (re)construir um Porto moderno e para todos.

29Jul2017 aa.jpg

   Ver aqui a entrevista.

 

   Comentários no Facebook

«Cristina Vasconcelos Porto» - Aqui concordo com o Arqº Correia Fernandes!

«David Ribeiro» - Em certas zonas da cidade e desde que a construção em altura preveja generosas áreas públicas envolventes, não vejo problema nesta opção. Mas para já, e até porque não sou de forma alguma um especialista na matéria, prefiro aguardar a opinião de muita e boa gente que sabe disto muito mais do que eu.

«Nuno Antunes» - Em todas as estações de metro propor a construção de torres de andares com 30 andares

«Carlos Jorge Pereira» - Anexar os concelhos vizinhos talvez resolva o roblema. Já que é mau contruir para cima.

«João Cardoso» - Essa tentativa já aconteceu e a resposta é conhecida.

«Gloria Gonçalves» - Índice de Construção (IC) - quociente entre a área bruta de construção e a área da zona definida em Plano Municipal de Ordenamento do Território ou a área do prédio sujeito a operação de loteamento, no caso do Índice de Construção bruto, ou a área da parcela ou do lote, no caso do Índice de Construção líquido. ver também IC em http://balcaovirtual.cm-porto.pt/.../Docu.../Regulamento.pdf. Quer se queira ou não o IC tem a ver com a área construída, ou seja, com os edificios. No artigo do publico, chama ao IC "coisa mais importante do PDM", por isso, não acrescenta nada o sr Professor Arq. Já nem aos animais se pode chamar "coisa".

«Rui Moreira» - Não me pronuncio sobre questões de amnésia. Mas não deixo de lembrar que já houve aumento dos índices. Não se trata de uma medida generalista, claro. Querem um exemplo? O novo Bairro de Raínha D Leonor.

«Pedro Aroso» - É uma questão delicada que merece um amplo debate. No primeiro mandato do Rui Rio, o então vereador do Urbanismo Ricardo Figueiredo impôs índices que o Nuno Portas classificou de anorécticos. Se esses ainda se mantêm em vigor, faz todo o sentido revê-los.

«Rui Moreira» - Pedro vê as nossas propostas. Acho que concordas.

«Antero Filgueiras» - Será que Rui Moreira desenterrou os projectos que o "interino presidente" Nuno Cardoso tinha para o Porto?! Cardoso sonhava transformar o Porto (parte dele) numa réplica de Nova Iorque. E porque não debater o assunto?!

«Rui Moreira» - Antero Felgueiras: não desenterrei nada. Tenho uma política clara para a cidade. Dei-a a conhecer. Está em discussão nestas eleições

«Antero Filgueiras»Como sabe não sou Felgueiras mas sim FILGUEIRAS, que é um sobrenome substancialmente bem diferente. Mentas qual seria o problema?! Se as propostas eram boas sempre podem ser recuperadas e melhoradas. Contudo permita-me: quando o PORTO for algo similar a Munique...pode crer que está no bom caminho.

«Rui Moreira»Antero Filgueiras:desculpe ter adulterado o seu nome que conheço bem, culpa do corrector. O Porto é o Porto, nem Munique nem NY. Não me recordo do Nuno Cardoso propor isso.

«Rui Ávila»Prefiro que a regulação se faça pelos alinhamentos, cérceas, colmatações e índices de ocupação do solo e menos pelo índice de construção que é sempre uma invenção com pouco racional. Recordo-me que Nuno Cardoso queria densificar a Boavista, o que me pareceu bem - fazer ali a cidade densa de serviços.

«TóMané Alves da Silva»Mas a regulação faz-se já (e sempre se fez) por todos esses fatores! O IC é apenas um deles.

«Mario Ferreira Dos Reis»Com a melhor escola de arquitectura do Mundo e arredores não nos faltam especialistas com provas dadas, com uma das melhores empresas de paisagismo do país também no Burgo não nos faltam recursos técnicos para revolucionarmos o viver no Porto do Futuro... só falta espaço e concursos de ideias para soltar o imaginário Portuense. Se lerem o programa do Rui Moreira está bem explícita e claro o conjunto de intenções. Mas meninos e meninas as primeiras pedras já foram testadas nestes 3 e pico anos. Readaptar uma cidade e planear mais fazer, dura tempo e muito trabalho não peçam numeros e soluções imediatas, género pílula do dia seguinte ou espuma expansível de poliuretano.... ou a tristemente Capital dos Remendos que foi feita pelo engenheiro das águas... De Roma a Pavia não se fez num dia... Uma cidade é um conjunto e este olhar organizado e polifacetado de ver do Rui só pode trazer para a cidade uma coisa Progresso sustentado com coesão social para os Portuenses e para todos aqueles que vamos acolher e que vão escolher ser Portuenses. Alguns dos predios mais altos do Porto têm enquadramentos agradaveis. Se virem o nosso Skyline é coeso e não acho que aqui ou acolá não possam existir volumetrias mais ousadas e enquadradas ao nosso Porto.

«Rodrigues Pereira»Voltamos à à "vaca fria" , tão típica da veneranda Escola de Arquitectura do Porto ! Tudo aquilo que seja construir em altura , é mau !!! Ora como tenho "andado por aí", remeto o Senhor Professor Arquitecto para - por exemplo - Singapura. Tomáramos nós ter - em zonas fora do necessário limite da Zona Histórica - muitos arranha-céus (com os respectivos serviços agregados) , à semelhança daquilo que existe naquela cidade-estado. Mas não : O que temos são os inevitáveis prédios de 4 + 1 andares, de fachada pindérica e mais cedo do que tarde com transformação das também pindéricas varandas em não menos pindericas "marquises" ! Quanto ao "desenho" dos mesmos, vemos verdadeiras "avantesmas" como as que foram sendo construídas no lado sul da Avenida da Boavista, que mais parecem enormes caixas de fósforos ... Isto dito - e em havendo mundo - qual será o problema de construirmos "verdadeiramente" em altura, em zonas como Paranhos, Campanhã e até Ramalde ??? O "Less is more" não se aplica a tudo : nem à qualidade de vida, nem à estética e - muito menos - à necessidade....

«Mario Ferreira Dos Reis»Da veneranda nasceu o Foco Julio Diniz e a Cooperativa dos Pedreiros mais todos os 10 para 20 de sucesso do Porto ... e alguns de outras urbes

«Rodrigues Pereira»Achas que não sei, Mário ? Mas depois estagnaram ... Baixinho é que é bonito

«Mario Ferreira Dos Reis» - Agora tem sobretudo a ver com quem queres dentro dos mesmos e se for para construçoes mal isoladas entao ... O insucesso do viver ao alto no Porto para alguns incultos é muito grave.

«Rodrigues Pereira» - Mario Ferreira Dos Reis : A qualidade da nossa construção é péssima !!! Mas com isso, os Senhores Professores Doutores Arquitectos não costumam preocupar-se ! Como é que é possível ver coisas com "assinatura" com fendas nas fachadas após 2 ou 3 anos ???

«Mario Ferreira Dos Reis» - Rodrigues Pereira sao os predios Alfa Romeu... muito bonitos ... mas

«David Ribeiro»Tenho Correia Fernandes como bom arquitecto e grande conhecedor da realidade urbanística da cidade do Porto, mas quando “a voz do dono” (leia-se: a vontade do Largo do Rato) se impõe, é uma chatice.

«Nuno Cardoso» - O que mais me preocupa numa alteração dos índices urbanísticos é saber de que forma eles vão diferenciar o valor dos terrenos dando mais valor a uns que a outros e como se pode e deve garantir a equidade de valor. Sou de opinião que deve haver um índice de construção bruto igual em todo o território do município do Porto, e , se o zonamento permitir mais construção o promotor deve "adquirir" terreno correspondente à harmonização do IC. Era importante, assim, desenvolver uma periequação à escala de todo o município para que se garanta uma igualdade de tratamento das capacidades construtivas. Uma certa densificação nas zonas de influência das estações do metro faz sentido para exatamente tirar proveito dessa optima infraestrutura de mobilidade, esse aumento de capacidade pode ser compensado com terrenos a oferecer à Cidade para equipamentos públicos (para por exemplo construir o Parque Oriental)



Publicado por Tovi às 08:49
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 28 de Julho de 2017
Isto é o nosso PORTO

Contado por quem tão bem o sabe fazer, o meu Amigo facebookiano Rodrigues Pereira.

 

   Turista na própria cidade

28Jul2017 aa.jpg
Quis o acaso que tivesse que vir à Ribeira entregar uma papelada...
Esperei uns bons 20 minutos para aceder ao parque subterrâneo, fronteiro ao Palácio da Bolsa... Depois - e com o fôlego de gato escaldado, após quatro enormes lanços de escadas, sempre a subir, deslizei - vontade não me faltou que fora literalmente - até à frente ribeirinha.
E começou o meu estupor (de Barbosa du Bocage, entenda-se)...
O final de manhã estava claro como água de nascente e a brisa que subia pela rua de S. João parecia um túnel de ensaio de ventilação.
Arribado na beira-rio, depara-se-me um quadro de civilidade babeliana, entrecortada por sons do rio, de barcos que iam e vinham...
Na torreira do cais havia guarda-sóis e até uma latada recém-implantada, já com abundante sombra.
Cruzavam-se turistas com locais, sorrisos nos lábios.
Um grupo de quatro adolescentes, sentado num banco em frente ao rio, elaborava umas sanduíches com produtos adquiridos numa mercearia ao lado.
As esplanadas estavam cheias... Muitos turistas, mas muita gente a falar português de Portugal.
As fachadas renovadas luziam cores desgarradas e de algumas pressentia-se o cheiro a sabão azul, das roupas penduradas nos estendais...
Vagueei por ali um pouco e - como de costume e porque a fome apertava - estuguei o passo até à Adega São Nicolau. Esplanada cheia, regredi uns metros e aterrei no Terreiro Mar e Terra.
Do mesmo e velho Amigo Coelhinho (o Senhor Coelho - que o respeitinho é muito bonito - para quem não comparte charutos)...
Se havia polvo... É claro que havia... E que polvo! À Lagareiro, mas dócil à faca (podia ser colher) e com os complementos exigíveis, o pimento e a cebola no ponto, o ovo cozido e as magníficas azeitonas.
Pelo meio deste almoço solitário, agregaram-se grupos de estrangeiros, mas também famílias portuguesas, algumas tão locais que se levantavam no final da refeição e diziam "põe na conta”.
No silêncio repartido com alguns gritos estridentes de gaivotas, surgiu como que por encanto o som de uma viola.
E consegui ver (e ouvir) o Manuel de Falla a olhar para o Douro e a rever a sua Andaluzia da alma.
Tocado por um irmão brasileiro, que evoluiu suavemente para um chorinho e depois Genesis e Procol Harum e John Lenon...
Não vi "pés-descalços", nem caramelos, nem brigas, nem pedintes.
Vi um Porto que desconhecia, porque nunca me tinha dado para vir ao Coelhinho durante o dia...
E que vale a pena, lá isso vale !!!

MRP, 26 de Julho de 2017

PS - Dedicada ao meu "irmão" Rui Moreira



Publicado por Tovi às 08:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 11 de Junho de 2017
Autárquicas no Porto – Testemunhos

Sobre a próxima eleição para a Presidência da Câmara Municipal do Porto escreveu Rodrigues Pereira na sua página do Facebook:

 

Rodrigues Pereira.jpgCaro(a)s Amigo(a)s,
Há muitos anos que deixei a militância política, até porque considero que as gerações mais novas devem ser trazidas a estes pleitos.
Os que me conhecem, sabem que fui militante (in illo tempore) do Partido Socialista (e Amigo de Mário Soares) e que tive o privilégio, também, de ser Amigo do contraponto portuense - conquanto que de outro Partido, in casu o PPD/PSD - de seu nome Miguel Veiga.
Foram ambos - cada qual à sua maneira - cidadãos que nunca se resignaram, que sempre estiveram despertos para a luta e que nunca - e sobretudo! - se acobardaram!
Vejo, por isso, com alguma tristeza - mas não menor surpresa - alguns comentários relativamente ao nosso actual Presidente da Câmara Municipal, Rui Moreira.
Devo também esclarecer que estive com esta candidatura desde a "hora zero", já lá vão quatro anos.
O tempo e o modo - obrigado, António Alçada Baptista - como esta recandidatura tem sido vilipendiada, trouxe-me - traz-me - de novo a terreiro essa militância que nos corre nas veias, que tem a ver com a reconfirmação do mérito, para além de todas as fronteiras políticas...
Se quiserem, traz-me um híbrido de palavras soltas - mas firmes! - entre o Eugénio de Andrade e o Manuel Alegre...
"Há um rio..." e "há sempre alguém que diz não!"
Pois aqui estou eu, nas margens do Douro, a dizer não à maledicência.
E, daqui, destas margens deste rio agreste, promoverei uma maré de apoio ao Rui Moreira.
Porque me estou a borrifar nas convenções, partidarites agudas, ou outras quaisquer maleitas que possam subvir...
MRP, 10 de Junho de 2017



Publicado por Tovi às 14:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 19 de Maio de 2017
O que eles dizem do “Caso Selminho”

19Mai2017 bb.jpg

Cá para mim este é um caso que a Justiça tem que decidir mas os “ranhosos” da política já aproveitam para pulhices eleitorais.

  Comentários no Facebook

«António Magalhães» - Um excelente serviço à cidade era por estes 4 numa mesinha de pedra no Marquês a jogar à sueca!

 

   O caso Selminho explicado às loiras

Tomo a liberdade de aqui partilhar um fabuloso texto de Rodrigues Pereira sobre o caso Selminho, publicado hoje no Facebook.

O "caso" Selminho/Rui Moreira explicado às loiras (e para os "loiros", que também os há)

1 - Há muitos anos atrás, quando os animais falavam, a Câmara Municipal do Porto resolveu expropriar uns terrenos ali para os lados da Ponte da Arrábida...

2 - Pretendia a CMP esses terrenos para a construção de um complexo que nunca viu a luz do dia.

3 - Entretanto, mais de vinte anos mais tarde, os residentes (que por lá tinham ficado) no nro. 3 da Calçada da Arrábida, resolveram registar notarialmente, por usucapião, o dito terreno, como se este lhes pertencesse.

4 - Para tal, dirigiram-se a um notário, o qual celebrou a competente escritura pública e procedeu ao registo da mesma na competente Conservatória do Registo Predial.

5 - Ficou pois - e desde então - o referido terreno a ser propriedade dos tais moradores, sem que a CMP alguma vez tenha impugnado tal registo. Note-se que estamos nos anos 80...

6 - Mais de vinte anos depois, em 2001, a Família Moreira resolve adquirir aos referidos e putativos legítimos proprietários o referido terreno, o qual aliás vinha descrito com capacidade construtiva, mediante a apresentação por estes da respectiva Caderneta do Registo Predial.

7 - Sucede que uns anos depois, a CMP resolve negar essa mesma capacidade construtiva à Família Moreira, a qual - e bem - se sente defraudada nas suas legítimas expectativas e resolve interpor um processo judicial contra a CMP, exigindo a reposição da referida capacidade construtiva ou uma avultada indemnização.

8 - A coisa arrasta-se - como é hábito mais do que conhecido de todos quantos já tiveram a infelicidade de ter que recorrer à Justiça - pela longa Via Crocce dos nossos preclaros Tribunais...

9 - Durante mandatos anteriores ao de Rui Moreira chegam os litigantes (a CMP e a Família Moreira) a um proto-acordo, no sentido de encontrar uma solução para a possibilidade de ali construírem, dependente - esta - da alteração do PDM.

10 - Coisa que também se arrastou ao longo dos tempos, sem solução à vista.

11 - Entretanto, Rui Moreira candidata-se e vence as eleições para a Presidência da Câmara Municipal do Porto.

12 - Já durante o terceiro ano do seu mandato, surge um alerta dos serviços camarários para a iminência de a CMP estar perante mais uma choruda indemnização, uma vez que havia faltado ao acordado, isto é, à reposição do PDM, à altura da compra dos referidos terrenos pela Família Moreira.

13 - O Presidente da Câmara, Rui Moreira, sente-se impedido de tomar partido numa qualquer decisão sobre o caso, afasta-se da sua discussão e remete para os serviços jurídicos da CMP a matéria, no sentido de estes obterem uma solução que não prejudicasse os interesses da CMP.

14 - Esses mesmos serviços chegam a um acordo com os Tribunais no sentido de alargar mais uma vez o prazo para a reposição do anterior PDM, no que à capacidade construtiva dizia respeito naqueles terrenos.

15 - Note-se que esta decisão foi acordada com os Juízes e evitou que a CMP se visse obrigada a pagar imediatamente à Família Moreira a tal choruda indemnização, uma vez que a CMP a tinha defraudado no que toca às suas legítimas expectativas de ali poderem construir.

16 - Em todo este processo, o Presidente Rui Moreira manteve-se completamente afastado.

17 - No ano passado, uns cavalheiros do mui nobre Partido Comunista Português resolvem achar que o resultado da negociação prejudicava a CMP e questionaram publicamente o Presidente Rui Moreira.

18 - As respostas foram claras e transparentes: Não fora o acordo a que se chegara - friso que sem a intervenção do Presidente - a CMP seria condenada a pagar uma enorme indemnização à Selminho.

19 - O caso morreria por aqui, não fora agora - e pasme-se! - ao fim de quase 40 anos, um zeloso funcionário da CMP ter como que por acaso descoberto que parte daqueles terrenos afinal eram da CMP e que até havia dos mesmo dois registos na Conservatória do Registo Predial. Um que dava como proprietárias as pessoas que os venderam à Família Moreira e outro que era a própria CMP!

20 - Os partidos da oposição - incluindo o PS, o tal que esteve até há pouco coligado com Rui Moreira - começam a clamar que se trata de um caso inteiramente novo, que afinal já nada "é o que era".

21 - Claro que nada é o que era ; o que há de novo, é que a CMP permitiu, há cerca de 40 anos, que alguém registasse em seu nome - por usucapião - uns terrenos que ela própria tinha anteriormente expropriado!

22 - Alguém que não Rui Moreira, nem a sua família, que só os viriam a adquirir, de boa-fé, no ano de 2001, com a certeza exarada no PDM da viabilidade de ali construírem.

Em conclusão: Se há alguém aqui muitíssimo prejudicado é a Selminho/Família Moreira!!! Que adquiriram de boa-fé uns terrenos onde se podia construir e que pertenciam, por registo na CRP, às pessoas que lhos venderam. Anda a Família Moreira há 16 anos, de Herodes para Pilatos, à espera de ver reposta as suas legítimas expectativas. Malgrado as promessas da CMP nesse sentido, aguenta estoicamente e o já Presidente Rui Moreira afasta-se de motu próprio de intervir no caso. E chega-se a um acordo, o qual evita que a CMP seja obrigada a pagar à Selminho/Família Moreira uma monumental indemnização! E ainda há quem tenha a distinta lata de vir dizer que o Presidente Rui Moreira agiu em causa própria e defendeu os seus interesses!!! O que diriam essas pessoas se a CMP tivesse sido condenada a pagar a referida indemnização? Por último, não posso deixar de me espantar com o tal zeloso funcionário da CMP, o qual, qual misto de arqueólogo e Hercule Poirot, conseguiu desencantar - agora, note-se - a tal duplicidade de registos de propriedade... E - já agora - em termos jurídicos - espero para ver como é que os "competentes" serviços da CMP vão conseguir contestar a tal escritura feita nos anos 80 pelos então proprietários "por usucapião" dos referidos terrenos...

Ainda as autárquicas estão longe e já correm águas de esgoto por debaixo das pontes. Oxalá não vejamos os candidatos da oposição a afundarem-se no próprio esterco que estão a criar. Até porque ganhar umas eleições sem oposição não daria gozo algum a Rui Moreira!

  Comentários no Facebook

«Carla Afonso Leitão‎» - Existe um parecer favorável emitido pela CMP que recaiu sobre um PIP, Pedido de Informação Prévia, instruído pela Selminho, em 2002, era, então, Nuno Magalhães da Silva Cardoso o Presidente da CMP. Um pedido de informação prévia permite ao requerente, mesmo não sendo proprietário do terreno, saber da sua edificabilidade e conferir-lhe direitos. O requerimento, na forma de PIP, permite que se consiga tirar conclusões VINCULATIVAS relativamente à edificabilidade de um dado terreno sem sequer tomar posse do mesmo. A partir do momento em que a CMP emitiu o parecer favorável, compromete-se oficial e vinculativamente em dois pontos: 1- autorizar capacidade construtiva; 2- assume que o terreno em causa não é do domínio público. A partir daqui, qualquer alteração dos termos desse parecer, a CMP, estará sempre comprometida com o precedente que ela própria criou. Obviamente que caberá ao titular do PIP pedir a indeminização correspondente, no tocante à alteração dos Indicadores Urbanísticos. De qualquer modo, existe sempre, neste caso, um precedente claro, a CMP, não se assumiu à altura do PIP como titular do terreno. Portanto, é aqui que tudo fica mais claro para mim. O "caso Selminho” é um não caso, melhor, é um caso em que se alguém tiver que descalçar a bota será a CMP. Qualquer tentativa de arrastar a Selminho, ou, por via da Selminho, neste caso, o Dr. Rui Moreira, para qualquer domínio de ilicitude, é, francamente agir de má fé.



Publicado por Tovi às 11:55
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Outubro 2022
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Posts recentes

Marta Temido demitiu-se

Rússia e Ucrânia assinam ...

Como as táticas da Rússia...

Angela Merkel deixa o pod...

Morreu Jorge Sampaio

Rui Moreira vai a julgame...

Rui Moreira vs Selminho

No Porto está a ser assim...

Hoje, em Paris

Morreu Freitas do Amaral

Um Porto moderno e para t...

Isto é o nosso PORTO

Autárquicas no Porto – Te...

O que eles dizem do “Caso...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus