"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Sexta-feira, 22 de Outubro de 2021
Caus instalado no Afeganistão

246362273_10220432418348389_7206375109234453292_n.

Kaveh Kazemi ficou célebre pelas suas imagens da revolução iraniana de 1979 e da guerra que opôs o Iraque ao Irão. O fotojornalista iraniano voltou pela quarta vez ao Afeganistão, a 14 de setembro e ficou no país 12 dias. Esteve em Herat, Cabul e Kandahar. Falou ao Expresso a partir de Teerão, contando que há elementos dos Talibã a desertar por não lhes pagarem há meses. Não têm dinheiro para enviar às famílias nas aldeias remotas de onde vieram. A economia está parada, não há dinheiro nem empregos, mas algumas mulheres voltaram ao trabalho.

 

246460308_10220423934136289_3430249703232984855_n. "A ascensão do Daesh (ISIL) e de outros grupos terroristas Takfiri, após uma mudança de governo no Afeganistão, é perigosa", disse Amir Abdollahian [Ministro das Relações Exteriores do Irão] durante uma reunião na capital iraniana. Em 8 e 15 de outubro, os terroristas do ISIL atacaram mesquitas xiitas nas cidades afegãs de Kunduz e Kandahar, respetivamente, matando e ferindo centenas de fiéis inocentes que compareciam às orações de sexta-feira. Os ataques terroristas aconteceram quase dois meses depois que os Talibã assumiram o controle do Afeganistão depois de avanços rápidos no terreno, que muitos atribuem a uma retirada apressada das forças estrangeiras lideradas pelos EUA. O ministro das Relações Exteriores iraniano, por sua vez, pediu à União Europeia que adote “uma abordagem mais responsável” na proteção dos direitos dos afegãos deslocados pela violência. Nos seus comentários, Amir Abdollahian [Secretário-geral do Ministério das Relações Exteriores austríaco] referiu-se às antigas relações do Irão com a Áustria e expressou a esperança de um crescimento nos laços económicos e comerciais entre os dois países, tendo também denunciado os últimos atos terroristas no Afeganistão, dizendo que o Irão e a Áustria têm preocupações comuns em relação ao ISIL. [FARS News Agency, 17out2021]

 

talibã.jpg

A ativista e cineasta afegã Sahraa Karimi partilhou no Twitter, na passada terça-feira [19out2021], a trágica notícia do assassinato pelos Talibã da jogadora da seleção de juniores de voleibol do Afeganistão, Mahjabin Hakimi. Apesar desta jovem ter sido decapitada pelos extremistas no início de outubro, os pais da atleta não noticiaram a sua morte devido a ameaças por parte dos novos senhores de Cabul.

 

Não tarda muito estão no Conselho de Segurança da ONU  
Captura de ecrã 2021-10-22 103830.jpg



Publicado por Tovi às 07:22
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)

Domingo, 10 de Outubro de 2021
Tão amigos que nós somos, não é?

Captura de ecrã 2021-10-09 153507.jpg
Altos funcionários dos Talibã e representantes dos Estados Unidos discutem a "abertura de uma nova página" nas relações de seus países ao iniciarem as negociações no Catar, segundo o ministro das Relações Exteriores do Afeganistão. As reuniões presenciais que começaram em Doha neste sábado, 09out2021, são as primeiras desde que as forças dos EUA se retiraram do Afeganistão em agosto - encerrando uma presença militar de 20 anos - e a ascensão dos Talibã ao poder. Durante as conversações a delegação Talibã exigiu que os bens do Afeganistão no estrangeiro fossem descongelados. Para além disso, a delegação pediu que os EUA não violassem o espaço aéreo do Afeganistão e se abstenham de interferir nos assuntos internos de seu país. Por seu lado os EUA comprometeram-se a fornecer ao Afeganistão vacinas contra o Covid-19.
  (Washington, 10out2021 - Reuters) - Os Estados Unidos disseram no domingo que o primeiro encontro face-a-face entre altos funcionários dos EUA e dos Talibã, desde que o grupo linha-dura retomou o poder no Afeganistão, foi "sincero e profissional".

  Reabilitação de viciados em drogas… à moda Talibã.
Captura de ecrã 2021-10-10 150622.jpg



Publicado por Tovi às 07:13
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 6 de Outubro de 2021
A segurança ao estilo Talibã…
…é bem-vinda por alguns, mas temida por outros.
 
  By Kathy Gannon / Associated Press – 4out2021

Afghanistan_Security_04635.jpgAinda não eram 7 horas da manhã e a fila do lado de fora dos portões da delegacia já era longa, com homens trazendo suas reclamações e demandas por justiça aos novos governantes Talibã do Afeganistão.
Algo novo eles descobriram imediatamente: os combatentes Talibã, que agora são policias, não exigem subornos como os policias fizeram durante o governo apoiado pelos EUA nos últimos 20 anos.
“Antes, todo mundo roubava o nosso dinheiro”, disse Hajj Ahmad Khan, um dos que estavam na fila na delegacia do Distrito 8 de Cabul recentemente. “Em todos os lugares de nossas aldeias e escritórios do governo, todos estavam com as mãos estendidas”, afirmou este afegão.
Muitos afegãos temem os métodos duros dos Talibã, sua ideologia linha-dura ou suas severas restrições à liberdade das mulheres. Mas o movimento traz a reputação de não ser corrupto, um contraste gritante com o governo que depôs, que era notoriamente repleto de suborno, peculato e corrupção.
Até mesmo residentes que estremecem com o potencial retorno de punições - como cortar as mãos de ladrões - dizem que parte da segurança voltou a Cabul desde que os Talibã invadiram a capital em 15 de agosto. No governo anterior, gangues de ladrões expulsaram a maioria das pessoas das ruas no escuro. Várias estradas entre as cidades estão novamente abertas e até mesmo receberam luz verde para viagens de algumas organizações internacionais de ajuda.
Mesmo assim, existem perigos. No domingo, uma bomba do lado de fora da mesquita Eid Gah, em Cabul, matou vários civis e teve como alvos membros Talibã que compareciam a um serviço memorial. Ninguém assumiu a responsabilidade pelo atentado, mas o grupo rival do Estado Islâmico aumentou os ataques contra os Talibã num reduto do Daesh no leste do Afeganistão.
Durante sua última vez no poder, no final da década de 1990, os Talibã ofereceram uma compensação: trouxeram uma estabilidade que os afegãos buscavam desesperadamente e eliminaram a corrupção, mas também impuseram sua interpretação severa da lei islâmica. Isso incluiu punições como amputações de mãos, execuções de assassinos com uma única bala na cabeça, na maioria das vezes por um parente da vítima do assassinato e todas realizadas em público. A polícia religiosa espancou homens por cortar suas barbas ou por não comparecerem às orações.
Na semana passada, os Talibã prenderam 85 supostos criminosos, alguns acusados de crimes menores e outros de assassinato, sequestro e roubo, disse Noor Ahmad Rabbani, do departamento anti-crime dos Talibã. Estes afirmam que trarão de volta suas punições anteriores. A única questão é se eles vão executá-los publicamente, disse à Associated Press o mulá Nooruddin Turabi, ex-ministro da Justiça e atual oficial encarregado das prisões.
Algumas punições já reapareceram. Os corpos de quatro homens foram pendurados em guindastes no centro da cidade de Herat, depois de serem mortos pelos Talibã durante uma suposta tentativa de sequestro. Em pelo menos duas ocasiões em Cabul, pequenos ladrões desfilaram pelas ruas para envergonhá-los, algemados, com o rosto pintado ou com pão enfiado na boca.
Militantes armados Talibã assumiram posições em postos de controle em Cabul e, gradualmente, alguns foram obrigados a usar uniformes - o início de uma nova força de segurança nacional, segundo disseram autoridades. Para muitos residentes de Cabul - principalmente os jovens que cresceram ouvindo histórias de terror sobre o período anterior do governo Talibã - a visão dos lutadores é assustadora enquanto eles vagam pelas ruas livremente, com seus cabelos compridos característicos, roupas tradicionais e espingardas Kalashnikov penduradas ao ombro.
Mas até agora, eles parecem ter trazido alívio da corrupção. Antes da tomada do poder pelos Talibã em agosto, as pessoas tinham que pagar subornos simplesmente para pagar uma conta de serviços públicos. A fraude desenfreada nas forças armadas foi um dos motivos pelos quais desmoronou tão rapidamente em face do avanço Talibã. Apesar da corrupção aberta, os EUA e a Europa despejaram biliões de dólares no governo com pouca supervisão.
Como no passado, os Talibã recorreram aos anciãos tribais para resolver disputas. Na semana passada, um grupo de anciãos reuniu-se numa mesquita de Cabul para julgar um ataque de facadas que causou ferimentos leves. Os anciãos ordenaram que o pai do culpado pagasse à vítima o equivalente a quase 400 US$, o suficiente para cobrir as despesas médicas. Muhammed Yousef Jawid aceitou sua punição. “É rápido e muito mais barato do que no sistema anterior”, disse ele.
Na delegacia de polícia do Distrito 8, o novo comandante, um afável talibã chamado Zabihullah, disse que os Talibã lutaram durante 20 anos para trazer as leis islâmicas ao Afeganistão. “Agora as pessoas estão seguras sob nosso governo”, afirmou. Zabihullah, que como muitos afegãos tem um só nome, é da província central de Ghazni, onde os insurgentes travaram algumas de suas batalhas mais difíceis durante as últimas duas décadas. Aos 32 anos, este afegão diz-nos que não foi treinado para ser comandante de polícia, pois a maior parte de sua educação foi numa madrassa, ou escola religiosa. Mas Zabihullah disse que seus anos de guerra e a adesão à interpretação dos Talibã da lei islâmica o prepararam.
Fora dos portões da delegacia, a fila estava ficando mais longa. Khan, de 60 anos, veio da província de Khost para buscar a ajuda dos Talibã na cobrança de um empréstimo pendente. Disse que apoiava as punições dos Talibã, como amputações, embora não para pequenos ladrões. “Trouxeram alguma segurança porque tratam o criminoso de acordo com a lei islâmica".
O diretor de uma escola, que não quis se manifestar temendo repercussões, veio à delegacia reclamar de pais que estão meses atrasados nas mensalidades escolares. Disse que queria dar uma chance ao governo dos Talibã. No governo anterior, ele era acusado de suborno cada vez que ia à polícia para reclamar de pagamentos não cumpridos. “Os Estados Unidos investiram muito dinheiro no Afeganistão, mas era uma máfia que comandava o país”, disse ele.
Outro reclamante, que deu seu nome apenas como Dr. Sharif, havia retornado recentemente da Arábia Saudita, onde havia trabalhado por vários anos. Ele não tinha objeções às punições ao estilo dos Talibã, mas argumentou veementemente contra colocar líderes Talibã e clérigos religiosos no comando de departamentos governamentais. “Precisamos de profissionais ... precisamos de especialistas econômicos, não de um maulvi que não tenha nenhuma ideia sobre negócios”, disse ele, usando uma palavra para designar um clérigo muçulmano. Ainda assim, gostou de ter sua reclamação ouvida sem qualquer pedido de suborno da polícia Talibã. Antes, a polícia exigia suborno apenas para entrar na delegacia. “O erro dos governos anteriores”, disse ele, “foi colocar todo o dinheiro nos bolsos”.

 

  Lusa, 5out2021 às 12h02
Captura de ecrã 2021-10-05 204856.jpg
Mais de cem alunos e professores de música deixaram Cabul a bordo de um avião na segunda-feira e, posteriormente, deverão vir para Portugal, disse esta terça-feira o diretor do Instituto Nacional de Música do Afeganistão (ANIM). Temendo serem vítimas de represálias dos Talibã que, durante seu primeiro período no poder [entre 1996 e 2001] havia proibido a música, 101 membros do ANIM desembarcaram na segunda-feira à noite em Doha, declarou M. Sarmast à agência de notícias France-Presse (AFP). O grupo, cerca de metade constituído por mulheres e raparigas, deverá vir para Portugal com o apoio do Governo português, disse o também fundador do instituto, refugiado em Melbourne, na Austrália.

 

  AFP News Agency, 05out2021 às 15h00
Conhecida como uma das regiões mais bonitas do Afeganistão, o vale Bamiyan é o lar de várias centenas de famílias que vivem em cavernas que foram esculpidas em penhascos de arenito por monges budistas no século VII. Desde a tomada de posse dos Talibã, a comunidade, uma das mais pobres do país, viu as suas dificuldades agravadas com a ajuda internacional cortada, o aumento dos preços dos alimentos e o aumento do desemprego.
Captura de ecrã 2021-10-06 150524.jpg

 

  Semanário SOL, 06out2021às 15h20
O modus operandi consistia no contrabando de afegãos, “abordados em campos de refugiados ou noutros lugares onde requerentes de asilo se reúnem”. A rede facilitava o transporte e a acomodação ilegal dos migrantes, que pagavam entre mil a dois mil euros por "uma viagem perigosa em camiões", sem conhecimento dos motoristas. Há 21 detidos. 
Captura de ecrã 2021-10-06 153045.jpg



Publicado por Tovi às 07:44
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 4 de Outubro de 2021
Emergência no Afeganistão

Captura de ecrã 2021-10-02 160724.jpg

Claro que vai ser necessário apoiar as muitas famílias a necessitarem de ajuda urgente no Afeganistão... mas temos que resolver também toda a anacrónica situação política e social em que os Talibã colocaram aquele país.

 

   UNICEF
É o desespero de uma população que precisa do nosso auxílio. O Afeganistão sempre foi um dos lugares mais perigosos para ser criança. Mas, nas últimas semanas, a situação tornou-se ainda mais desesperante. Não iremos abandonar o país, por todas as crianças e suas famílias. Presentes no Afeganistão há 65 anos e com 11 escritórios no terreno, a UNICEF tem a capacidade de prestar assistência humanitária. Mas precisamos de si para continuar a apoiar! 
Captura de ecrã 2021-10-02 154959.jpg

  Cruz Vermelha Internacional
Um porta-voz do Ministério do Interior afegão informou que uma explosão perto da entrada da mesquita Eid Gah em Cabul, neste domingo, matou pelo menos dois civis e três ficaram feridos. Várias ambulâncias foram vistas dirigindo-se para o Hospital de Emergência de Cabul, na área de Shahr-e-Naw. O ato ainda não foi reivindicado.
Captura de ecrã 2021-10-02 101018.jpg
(in Novo Semanário - 1out2021) - “Mais de dois mil estabelecimentos de saúde fecharam e cerca de 23 mil trabalhadores da saúde, incluindo sete mil mulheres, já não são pagos ou tiveram de deixar de trabalhar”, disse em Cabul o director para a Ásia-Pacífico da Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha, Alexander Matheou. Além da crise na saúde, o país enfrenta também escassez de alimentos devido à situação económica. Há cerca de 18 milhões de afegãos a precisar de assistência humanitária. Matheou explicou que no sector da saúde as pessoas aceitarão trabalhar sem salários durante mais algumas semanas, mas que as unidades de saúde fecharão quando “não houver medicamentos, electricidade, nem nada para oferecer aos doentes”. A ajuda internacional foi suspensa após os talibãs assumirem o controlo em 15 de Agosto, deixando a economia afegã, devastada por décadas de guerra, em crise.

 

  Al Jazeera, às 19h50 de 03out2021
Um porta-voz do Ministério do Interior afegão informou que uma explosão perto da entrada da mesquita Eid Gah em Cabul, neste domingo, matou pelo menos cinco civis e quatro outras pessoas ficaram feridas. 
Várias ambulâncias foram vistas correndo em direção ao Hospital de Emergência de Cabul, na área de Shahr-e-Naw. O ataque, que ainda não foi reivindicado, tinha como alvo um serviço memorial realizado pela mãe do porta-voz Talibã, Zabihullah Mujahid.
Captura de ecrã 2021-10-04 085037.jpg
  Nesta segunda-feira (4out) o Daesh declarou-se responsável pela explosão ocorrida no dia anterior em Cabul, segundo a sua agência de notícias Amaq relatou no Telegram.



Publicado por Tovi às 07:47
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 29 de Setembro de 2021
História recente do Afeganistão

800px-National_emblem_of_Afghanistan.svg.png

No final do século XIX, o Afeganistão tornou-se um Estado tampão no "Grande Jogo" entre os impérios Britânico e Russo. Na Primeira Guerra Anglo-Afegã, de 1839 a 1842, tropas britânicas, vindas da Índia, tomaram o controle do Afeganistão, mas acabaram por ser decisivamente derrotadas. Após a Terceira Guerra Anglo-Afegã de 1919, o país conseguiu tornar-se independente da influência estrangeira. Em 1926, o Afeganistão tornou-se numa monarquia sob comando de Amanulá Cã. Contudo, em 1973, o rei Zair foi derrubado e uma república de partido único foi estabelecida. Em 1978, após um segundo golpe de estado, o Afeganistão tornou-se um Estado socialista, que levou a nação a passar boa parte da década de 1980 envolvido na Guerra Afegã-Soviética contra os rebeldes mujahidins. Em 1996, a maior parte do país havia sido tomado por fundamentalistas do grupo Talibã, que estabeleceram um regime totalitarista radical que só foi derrubado do poder na invasão dos Estados Unidos em 2001, mantendo, no entanto, controle e influência sob boa parte do país, especialmente nas zonas rurais e montanhosas. A guerra civil no país continuou entre o novo governo afegão e os insurgentes Talibã, que resultou em mais de 150 mil mortos, atrocidades, atentados terroristas, torturas, sequestros e assassinatos. Como a nova república afegã dependia imensamente da ajuda económica e militar dos americanos, quando os Estados Unidos iniciaram a retirada, em 2020, o exército afegão entrou em colapso e o governo central começou a ruir. Em maio de 2021, os Talibã iniciaram uma grande ofensiva generalizada e em poucos meses dominaram a maioria dos distritos do país, acabando por chegar à capital Cabul em agosto deste ano, completando o colapso da república afegã.

 

  The Economist, 18set2021
De Cabul a Kandahar... pela estrada que liga as duas maiores cidades do Afeganistão
A rodovia com quase 500 quilómetros de extensão que liga a capital do Afeganistão, Cabul, à sua segunda cidade, Kandahar, já foi considerada como um sinal de grande progresso na campanha dos Estados Unidos para pacificar o Afeganistão. Quando Hamid Karzai, então presidente, inaugurou o primeiro trecho em 2003, disse que foi um dos melhores dias de sua vida. No entanto, a estrada rapidamente se tornou um exemplo preocupante do que estava errado. Um mês depois dos Talibã assumirem o poder, a viagem de Cabul a Kandahar ilustra como o país mudou da noite para o dia e os fracassos que ajudaram a precipitar essa mudança. Desde algumas semanas atrás, dirigir por este trecho da Rodovia 1, uma espécie de anel viário nacional, era já impensável para muitos afegãos. Postos de controle improvisados dos Talibã interrompem o trânsito e vasculham ónibus e táxis em busca de membros das forças armadas para sequestrar ou matar. Comboios militares foram destruídos por bombas escondidas sob a estrada. Alguns distritos, como Saydabad na província de Wardak, não muito longe de Cabul, tornaram-se conhecidos como locais de perigo.
Captura de ecrã 2021-09-23 112436.jpg

  JN, 22set2021  às 00h06
Por acaso gostava de ouvir o que eles têm para dizer ao Mundo... mas ao que me parece ainda não há reconhecimento formal da sua autoridade.
Captura de ecrã 2021-09-22 085927.jpg

   Al Jazeera, 22set2021 às 08h45
O primeiro-ministro paquistanês, Imran Khan, alertou sobre o risco de uma “guerra civil” no Afeganistão se os Talibã não forem capazes de formar um governo inclusivo, isto é, incluindo todas as fações, o que iria seguramente ter também impacto no Paquistão.
Paquistão vs Talibã.jpg

  O que é a Sharia? 
Captura de ecrã 2021-09-22 163511.jpg

Os Talibã planeiam governar o Afeganistão de acordo com a Sharia. Durante a sua passagem anterior no poder, este grupo fundamentalista islâmico era conhecido por sua interpretação estrita da jurisprudência islâmica, proibindo a música e forçando as mulheres a usarem uma burca completa em público. Mas muitos países além do Afeganistão - entre eles Arábia Saudita, Irão e partes da Indonésia e Nigéria - também usam a Sharia mas sem tais restrições. Então, o que é Sharia e como ela é aplicada?
Sharia significa “caminho” em árabe, indicando a conduta que agrada a Deus. Abrange as leis criminais, comerciais e de família, mas é muito mais holístico do que os sistemas jurídicos seculares: também estabelece as regras éticas pelas quais os muçulmanos devem viver e adorar (Um código semelhante que rege questões legais e éticas, halakha, existe no Judaísmo). A Sharia é baseada no Alcorão, o livro sagrado do Islão; o "hadith", ou ditos do profeta Muhammad; e o trabalho subsequente de estudiosos jurídicos islâmicos. Existem algumas punições muito severas para crimes considerados contra Deus (conhecidos como "hudud"), incluindo morte por apedrejamento ou 100 chicotadas para adúlteros. Mas o padrão de prova para condenação é extremamente alto, tornando raras essas punições. No caso de adultério, quatro testemunhas devem testemunhar. A retribuição por crimes graves contra pessoas, como assassinato, também pode ser severa, com base no princípio de “qisas”, ou “olho por olho”. Mas o Islão encoraja as vítimas a serem misericordiosas e pagar “diya”, “dinheiro de sangue”, em vez disso.

 

  Al Jazeera, 26set2021
Afeganistão 26set2021.jpg

Vai ser uma tarefa árdua a destes quatro países… Rússia, China, Paquistão e Estados Unidos estão a trabalhar em conjunto para garantir que os novos governantes Talibã do Afeganistão cumpram suas promessas, especialmente no que diz respeito a formar um governo genuinamente representativo, evitando que a violência se espalhe.



Publicado por Tovi às 08:09
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 18 de Setembro de 2021
E assim vai o Afeganistão com os Talibã

  A Ministra das Relações Exteriores holandesa, Sigrid Kaag, acaba de se demitir do cargo na última quinta-feira (16set), após ter recebido fortes críticas do parlamento sobre a forma como tratou a crise afegã, agindo demasiado tarde relativamente à evacuação dos funcionários da embaixada dos Países Baixos em Cabul, deixando-os em "grave perigo" quando os militantes Talibã tomaram o controle do Afeganistão.
242249932_10220291190257775_1900910335632278941_n.

  Um dia após a saída da ministra das Relações Exteriores da Holanda a Ministra da Defesa holandesa também renunciou, devido à forma como o governo lidou com as evacuações do Afeganistão.
242210380_10220294332216322_8177283294507193084_n.

  A comunidade internacional não deve legitimar o governo dos Talibã antes que este demonstre que respeitará os direitos humanos de todos os afegãos.
242149948_10220291295540407_8074727351707885751_n.

  Não há dúvida que o controle dos Talibã sobre todo o Afeganistão vai remodelar o Oriente Médio por muitos anos e já podemos considerar que foi uma vitória do Paquistão e um novo âmbito de oportunidades para a China, enquanto o papel dos EUA passará a ser mínimo. Se houver uma luta geopolítica pelo Afeganistão, vamos ver o Paquistão e a China de um lado e a Índia, o Irão e a Rússia do outro.
242177581_10220293303710610_5512881792301358885_n.

  Desde que os Talibã reivindicaram "controle total" sobre o Vale Panjshir no nordeste do Afeganistão no início deste mês, o grupo tem vindo a ser acusado de "atrocidades generalizadas", forçando muitos afegãos a fugir da província, o último enclave remanescente de resistência contra o governo instalado em Cabul.
242233749_10220294347376701_7018476134888420414_n.

  Contado ninguém acredita… mas é verdade: Os governantes Talibã do Afeganistão criaram um ministério para a "Propagação da Virtude e a Prevenção do Vício" no prédio que antes abrigava o Ministério dos Assuntos da Mulher.
Captura de ecrã 2021-09-18 163217.jpg

 Segundo meios de comunicação social iranianos duas explosões atingiram hoje (18set2021) a capital do Afeganistão, uma das quais deixou várias pessoas feridas. A primeira explosão ocorreu em Dasht-e-Barchi, um distrito de Cabul, provocando vários feridos. A segunda explosão registrou-se num outro bairro do mesmo distrito e, por enquanto, não há informações sobre feridos.
Captura de ecrã 2021-09-18 164507.jpg

  Os afegãos que fugiram para o Paquistão enfrentam futuro incerto. O Paquistão já disse que não pode receber mais refugiados e começou a deportar os recém-chegados de volta ao Afeganistão.
Captura de ecrã 2021-09-20 140321.jpg

   JN, 20set2021 às 11h42
Captura de ecrã 2021-09-20 141216.jpg




Terça-feira, 14 de Setembro de 2021
E se os Talibã adquirirem armas nucleares?

Captura de ecrã 2021-09-09 110215.jpg

Há quem já coloque a possibilidade dos Talibã, agora no poder afegão, passarem a ter acesso a tecnologias militares nucleares a partir do Paquistão. Seguramente que ainda é muito cedo para isto acontecer, até porque de momento e por algum tempo, o assunto prioritário para os Talibã é criar, consolidar e colocar em funcionamento um Governo no Afeganistão. Mas “never say never”.
 
  Atual situação humanitária no Afeganistão é grave
No Afeganistão, 3,5 milhões de pessoas vivem como deslocadas internas pela violência e, destas, meio milhão foram forçadas a deixarem as suas casas nos últimos oito meses. Além disso, 2,3 milhões de refugiados afegãos vivem no Paquistão e no Irão, os dois países vizinhos que abriram as portas a esta população nos últimos 40 anos de conflito.
Captura de ecrã 2021-09-13 143830.jpg 
Após décadas de guerra, sofrimento e insegurança, os afegãos estão a enfrentar “talvez sua hora mais perigosa”, disse Guterres no seu discurso de abertura da conferência de doadores em Genebra no dia de ontem (segunda-feira, 13set2021), acrescentando que “o povo do Afeganistão precisa de uma tábua de salvação”.
afeganistao 13set2021.jpg
(The Times of India, 14set2021) - Amir Khan Muttaqi, ministro dos Negócios Estrangeiros do regime, disse numa conferência de imprensa que os Talibã gastariam o dinheiro dos doadores sabiamente e usá-lo-ão para aliviar a pobreza.
 
 
   Da série "Talibã 2.0"
241859244_10160215957931318_4951031546742533992_n.


Publicado por Tovi às 07:01
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 6 de Setembro de 2021
As últimas notícias sobre o Afeganistão


Captura de ecrã 2021-09-05 104135.jpg
A China é já (será?...) um país amigo em quem o Afeganistão pode confiar.


Captura de ecrã 2021-09-05 105011.jpg
O Afeganistão poderá ser uma caso histórico de sucesso se as potências mundiais derem aos Talibã uma hipótese em vez de tentarem destruir a sua economia com sanções.

 


Captura de ecrã 2021-09-05 180926.jpg

′′Os afegãos e os iraquianos sofreram durante anos as consequências do que os americanos sofreram em 9/11. Ainda sofrem as consequências desse dia fatídico hoje. Mas quem se lembra de 10/7 (o dia em que os EUA invadiram o Afeganistão em 2001)... Imaginar a dor dos outros é onde começa o nobre ato de luto da sua própria perda." - Hamid Dabashi, professor iraniano de estudos iranianos e literatura comparada na Universidade Columbia, na cidade de Nova York.

 


Captura de ecrã 2021-09-05 183210.jpg
Ahmad Massoud, chefe da NRF, diz que acolhe propostas para um acordo negociado para acabar com os combates com os Talibá no vale de Panjshir.

 

  Al Jazeera, 06set2021 às 06h30
06h30.jpg

 

  Está a ser exibido na RTP1 e RTP3
Captura de ecrã 2021-09-06 105643.jpg

 

  Al Jazeera, 07set2021 às 20h17
Os Talibã já anunciaram um novo Governo para o Afeganistão.
Captura de ecrã 2021-09-07 211438.jpg

 

   BBC World Service, 08set2021 às 18h58
Aqui estão eles... por quanto tempo é que não sabemos.
241641611_10220256540871562_3926201700485341215_n.



Publicado por Tovi às 08:15
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 5 de Setembro de 2021
Dos talibã aos talibã – a obra sangrenta da NATO

Captura de ecrã 2021-09-03 183557.jpg
José Goulão, jornalista português que fez carreira na área de política internacional, especialmente nas questões do Médio Oriente, publicou no passado dia 2 de setembro n’ “O Lado Oculto/AbrilAbril” um interessante artigo de opinião - «Dos talibã aos talibã – a obra sangrenta da NATO» - do qual destaco o seguinte:

  Vinte anos, centenas de milhares de vítimas humanas, 2,23 biliões de dólares depois deixa um país destroçado, o sétimo mais pobre do mundo, com 47% da população abaixo do nível de pobreza e três quartos do orçamento do governo dependente da ajuda internacional; as únicas actividades económicas são a corrupção da elite colaboracionista e a exportação de ópio, responsável por mais de 80% da heroína comercializada ilegalmente no mundo.

  Verdade seja dita que a NATO perdeu, mas o mesmo não aconteceu com alguns dos seus principais patrocinadores: o valor das acções dos cinco mais importantes negociantes de guerra dos Estados Unidos cresceu 58% em 20 anos.

  Há também indícios comprovados de que os Talibã estão a negociar uma alargada coligação de governo, no mínimo para criar uma situação em que um novo executivo em Cabul seja reconhecido internacionalmente, uma hipótese remota para não ficar sujeito à asfixia financeira preparada pelos Estados Unidos: congelamento dos 9,4 mil milhões de dólares de reservas do Banco Central Afegão, cancelamento de empréstimos do FMI – autêntico instrumento da NATO – incluindo o de 460 milhões de dólares a título do combate à Covid-19, provável esbulho do ouro afegão depositado internacionalmente, como acontece em relação à Venezuela.

  As recentes visitas de delegações talibã à Rússia, à China e ao Irão revelam um esforço no sentido da estabilidade regional através da participação no processo de integração da Ásia Central e do Sul cujo principal veículo é a Organização de Cooperação de Xangai (OCX), entidade que dá corpo aos entendimentos entre Moscovo e Pequim.

  A Rússia preza sobretudo a estabilidade em países vizinhos do Afeganistão como o Usbequistão, o Tajiquistão e o Turquemenistão. A China pretende defender os investimentos que tem vindo a fazer no Afeganistão, nomeadamente na actividade mineira, na construção da autoestrada que vence a mítica passagem do Khyber, e na extensão ao território afegão do eixo entre o território chinês e o Paquistão integrado na Iniciativa Cintura e Estrada (ICE) ou nova Rota da Seda. Um oleoduto entre o Irão e território chinês é outro objectivo a ser equacionado, neste caso no âmbito do volumoso acordo económico estabelecido recentemente entra a China e Teerão.

 

   Artigo completo aqui



Publicado por Tovi às 07:57
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 3 de Setembro de 2021
Os dias seguintes no Afeganistão

  Lusa, 31ago2021 às 15h49
Aqui estão os cinco principais desafios que o novo regime afegão enfrenta.
1. Défice de confiança - Há uma suspeita generalizada entre a população urbana e educada sobre os Talibã e com boas razões. Muitos afegãos ainda se lembram do período 1996-2001, quando o movimento islamita estava no poder e aplicava uma leitura ultrarrigorosa da 'sharia', a lei islâmica. As mulheres não eram autorizadas a trabalhar e as escolas para raparigas foram fechadas, enquanto os opositores políticos foram executados e as minorias étnicas perseguidas. Vinte anos mais tarde, os Talibã dizem que pretendem prosseguir uma política diferente, inclusive em matéria de direitos da mulher. Prometeram também estabelecer um Governo inclusivo, entrando em contacto com o ex-Presidente Hamid Karzai. Enviaram também representantes para falar com a minoria predominantemente xiita Hazara, perseguida pelos Talibã nos anos 1990. Embora o regresso dos Talibã tenha sido acolhido com alívio em algumas zonas rurais do país, onde as pessoas querem, acima de tudo, acabar com a violência, muitos afegãos afirmaram querer primeiro ver as ações adotadas para depois fazer um julgamento. As mulheres permanecem em estado de alerta, na sua maioria enclausuradas em casa, um sinal da desconfiança generalizada. No vale de Panchir, a nordeste de Cabul, foi organizada uma verdadeira resistência em torno de Ahmad Massoud, filho do comandante Ahmed Shah Massou, assassinado em 2001 pela Al-Qaeda.
2. Desastre humanitário e económico - O Afeganistão é um dos países mais pobres do mundo. Após a queda do regime talibã, expulso do poder em 2001, a ajuda estrangeira inundou o país, representando, em 2020, mais de 40% do Produto Interno Bruto (PIB). Mas grande parte desta ajuda foi agora suspensa e os Talibã não têm acesso aos fundos do banco central afegão, a maioria dos quais está no estrangeiro. Washington já indicou que os Talibã não terão acesso aos bens e valores que estão no país, enquanto a Alemanha suspendeu a ajuda financeira total. Portanto, a situação poderá tornar-se num desastre, já que os Talibã terão de encontrar rapidamente dinheiro para pagar os salários dos funcionários públicos e assegurar que as infraestruturas vitais (água, eletricidade, comunicações) continuam a funcionar. As receitas atuais dos Talibã, que provêm principalmente de atividades criminosas, são estimadas pelas Nações Unidas entre 250 milhões e mais de 1,3 mil milhões de euros por ano. Um ganho financeiro que é visto como uma gota no oceano face às necessidades atuais do Afeganistão, segundo os especialistas. Neste contexto, a ONU alertou para uma "catástrofe humanitária" que poderá atingir duramente os afegãos neste inverno.
3. Fuga de cérebros - Para além da crise económica, os Talibã também terão de lidar com outra escassez, igualmente crítica e dramática: a de cérebros. Advogados, funcionários públicos, técnicos e muitos outros afegãos qualificados têm fugido do país em voos de retirada fretados por potências estrangeiras nas últimas semanas. Como sinal da sua preocupação, os Talibã instaram na semana passada os ocidentais a retirar apenas os estrangeiros e não os peritos afegãos, como por exemplo os engenheiros, necessários para a manutenção das infraestruturas do país.
4. Isolamento diplomático - Entre 1996 e 2001, o regime Talibã foi um pária na cena internacional. Desta vez, o movimento islamita parece inclinado a procurar um amplo reconhecimento no estrangeiro, embora a maioria dos países tenha suspendido ou encerrado as missões diplomáticas em Cabul. O grupo tem mantido contactos com várias potências regionais, incluindo Paquistão, Irão, Rússia, China e Qatar, mas nenhum deles reconheceu ainda a nova liderança em Cabul e os EUA advertiram que os Talibã terão "de conquistar" a sua legitimidade.
5. Ameaça terrorista - A tomada de controlo do país pelos Talibã não colocou um ponto final à ameaça terrorista, como ficou demonstrado pelo ataque de 26 de agosto, numa zona próxima do aeroporto de Cabul, reivindicado pela filial local do Estado Islâmico. O Estado Islâmico de Khorasan (ISPK), que segue uma linha sunita radical semelhante à dos Talibã, difere destes últimos em termos de teologia e estratégia. Como sinal da forte inimizade entre ambos, o Estado Islâmico qualificou os Talibã como apóstatas em vários comunicados e não os felicitou após a conquista de Cabul, em 15 de agosto. O desafio para os Talibã é, portanto, complexo: defender a população afegã do mesmo tipo de ataques que os seus próprios combatentes levam a cabo há anos no país.

 

  Al Jazeera, 31ago2021 às 18h15
O novo governo do Afeganistão será anunciado nos próximos dias.
Captura de ecrã 2021-08-31 211638.jpg

 

  Al Jazeera, 31ago2021 às 20h05
Querem uma apostinha como não tarda muito e a Índia reconhece oficialmente o governo Talibã no Afeganistão?... E se assim for quem “perde a corrida” é o Paquistão.

Captura de ecrã 2021-08-31 210902.jpg

Jorge De Freitas Monteiro - Nada é impossível por aquelas paragens mas a Índia foi dos países que mais apoiou a ocupação…
David Ribeiro - Eu também achei estranho os indianos serem os primeiros a fazerem reuniões com os Talibã, Jorge De Freitas Monteiro... mas é capaz de ser uma forma da Índia "passar a perna" ao Paquistão.

 

  Wakil Kohsar da AFP News Agency fotografou os membros da unidade das forças especiais Badri 313 dos Talibã a chegarem ao aeroporto de Cabul a 31 de agosto de 2021, depois da retirada total das tropas dos EUA.
239413035_4413262298711739_2875279702445157946_n.j

 

  AFP News Agency 
Cronologia dos principais acontecimentos no Afeganistão, desde a ocupação soviética até à derrota dos EUA.
240842617_4409902452381057_4284329022427036870_n.j

 

   Zabihullah Mujahid... o "Talibã 2.0".
“We want to build the future, and forget what happened in the past."
dd617b6b9106b65e74de353f3b64e732397a9442.jpg

 

   Al Jazeera, notícia de 08fev2021
E agora como estará o combate à pandemia no Afeganistão?
afeghan covid.jpg
  Situação da pandemia no Afeganistão (dados reportados à Organização Mundial da Saúde de 03jan2020 a 01set2021).
Afeganistão Covid-19 01set2021.jpg

 

   Reuters, 02set2021 às 16h06
O secretário de relações exteriores britânico, Dominic Raab, afirmou hoje, durante uma missão diplomática em Doha, que “a realidade é que não reconheceremos os Talibã em nenhum momento num futuro previsível, mas acho que há um espaço importante para engajamento e diálogo”.
doha.jpg

 

  Al Jazeera, 02set2021 às 19h57
A maior empresa de transferência de dinheiro do mundo vai retomar os seus serviços para o Afeganistão depois de ter suspendido a sua operação há duas semanas, quando os Talibã avançaram em Cabul.
Captura de ecrã 2021-09-02 205707.jpg

 

   JN, 02set2021 às 22h18
Militares portugueses partem para o Kosovo para cooperar com forças de outras nações, no campo Bechtel, um alojamento temporário para a operação de apoio aos cidadãos civis afegãos retirados de Cabul e que aguardam para serem recolocados em vários países de acolhimento.
Captura de ecrã 2021-09-02 224812.jpg



Publicado por Tovi às 07:24
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 31 de Agosto de 2021
Rambo III... filme de 1988 com Sylvester Stallone
Lembram-se deste filme?... Os russos eram os maus e o e os norte-americanos, aliados aos afegãos, eram os bons. A evolução dos acontecimentos históricos é muito interessante.
8e00b3be2db13f62273fedccbcaccec7-2.jpg
Rambo está na fronteira com o Paquistão. Ao seu lado, o afegão que o ajuda a entrar no território afegão explica que muitos já haviam tentado conquistar o país e falhado: Alexandre, o Grande, Gengis Khan, o Reino Unido — e, agora, era a vez dos soviéticos.

Ele comenta então que os afegãos são um povo que luta bravamente e que nunca será derrotado: "Um antigo inimigo fez uma oração. Ela diz: 'Meu Deus, livrai-nos dos venenos das cobras, do dente do tigre e da vingança dos afegãos'. Entendeu o que significa?".
Rambo responde: "Que vocês não se rendem por nada".

 

  O último avião das forças militares dos Estados Unidos, um Boeing C-17 Globemaster III, descolou do aeroporto de Cabul às 20h29 de ontem (30ago2021), abandonando o Afeganistão após 20 anos de guerra. A bordo deste último voo que partiu do aeroporto do Cabul seguiram militares e alguns representantes diplomáticos dos EUA.
img_900x508$2021_08_28_21_35_34_1075232.jpg

 

   Já me começaram a mandar “bocas foleiras” sobre eu publicar tanta coisa sobre o Afeganistão e antes que me comecem a apedrejar, forma de mostrar descontentamento tão em uso pelos Talibã, digo-vos que é assunto que sempre me interessou e que as fontes consultadas por mim para dizer o que tenho vindo a publicar são: “Al Jazeera”, “AFP News Agency”, “BBC News”, "CNN", “Sputnik” e alguma comunicação social nacional.
istockphoto-952123226-1024x1024.jpg

Vicente Ferreira da Silva - David, não ligue e continue a escrever o que pensa.
Carla Afonso Leitão - Seja sempre igual a si mesmo! Grande David! Beijinho.
Jorge Veiga - Há sempre alguém que manda bocas, seja qual for o tema.
João Moura Cunha Barbosa - Acompanhar os temas atuais e não mandar umas bocas, é como ver um jogo de futebol sem golos.
Sofia Mexia Alves - Obrigada pelas suas publicações, muito me tem servido como fonte de informação! É sim um assunto importantíssimo, não só pelas possíveis consequências políticas, mas em especial pelo sofrimento e dor que provoca as populações em risco!
Da Mota Veiga Suzette - Gosto muito de ser informada por varias fontes para perceber melhor a raiz dos problemas.
Vale Dos Princípes - Agradeço as suas publicações, pois para mim que nem sempre vejo Tv, são fonte de informação. Como tal ... uma vez mais obrigado

 

   Afeganistão, uma fonte de riquezas minerais
As reservas minerais no Afeganistão eram avaliadas em 2010, pelo Departamento de Defesa dos EUA, em 3 triliões de USDollars. O país continua um dos mais pobres do mundo, mas os Talibã sabem bem o tesouro em minerais que têm a nível mundial. Veremos como o próximo poder político irá num futuro próximo implementar e desenvolver a mineração desta riqueza.
(Na imagem os dados representam depósitos confirmados, enquanto sua quantidade real pode ser ainda maior)
riquizas 01.jpg



Publicado por Tovi às 07:38
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 29 de Agosto de 2021
O Afeganistão pelos olhos de um militar português

Coronel-Jorge-Torres-no-Afeganistão-768x512.jpg

Num artigo de Ana Tulha publicado no “Notícias Magazine” de 25ago2021, Jorge Torres, coronel do Exército português que no último ano foi o Representante Nacional Sénior na Resolute Support Mission, missão da NATO no Afeganistão que tinha como principais objetivos o treino, aconselhamento e assistência das forças afegãs, começa por realçar que de 2012 (primeira vez em que esteve no Afeganistão) para 2020 notou “uma evolução em termos de capacitação das forças afegãs”. Mas então como se explica que não tenham sequer sido uma posição de resistência? O atual comandante do Regimento de Infantaria 19, em Chaves, não responde diretamente à questão. Destaca, no entanto, vários aspetos que nos podem ajudar a uma leitura mais profunda. Desde logo a viragem que houve em 2014. “Até aí houve um enorme esforço feito pela comunidade internacional, no sentido de garantir que havia um ambiente seguro para que as instituições do país se levantassem e consolidassem. A partir desse ano, a liderança passou para os afegãos e a comunidade internacional passou apenas a apoiar essas estruturas. Além disso, a parte do treino e levantamento do Exército foi considerada consolidada e o trabalho passou a focar-se mais no treino das forças especiais. Depois, é preciso ver que a capacidade de um exército não é só o músculo, há outros vetores não tangíveis que são fundamentais. Um deles é a capacidade de liderança.”

 


afeganistao_mapa-738727.jpg
O Ocidente e especialmente os EUA, devem tirar ilações depois do que aconteceu no Iraque, na Líbia e agora da situação no Afeganistão. Tentar impor um sistema de valores alheio é criar situações explosivas. Há muito que se falava que os representantes do governo do Afeganistão colocavam no bolso parte da assistência internacional ou a enviavam para contas offshore. Mas insistiu-se em “apoiar” um governo corrupto e “equipar” e “treinar” forças da ordem que se borrifavam para aquilo para que tinham sido criadas. E agora?... Tudo vai depender, em primeiro lugar, daquilo que decidirem Rússia e China, bem como Paquistão, Irão, Índia e outros países asiáticos.

 


transferir.jpg
Os Estados Unidos anunciaram ontem (28ago2021) terem realizado um ataque aéreo com drone, na província afegã de Nangarhar [leste], contra membros do grupo jiadista Estado Islâmico da Província de Khorasan (ISIS-K, Daesh-K, ou ISKP na sigla em inglês) no Afeganistão, grupo rebelde que reivindicou o atentado terrorista no aeroporto de Cabul. Parece não ter havido “qualquer vítima civil” mas “matámos o alvo” (dois foram mortos, e um foi ferido), segundo o porta-voz do Comando Central dos Estados Unidos, Bill Urban.

António Conceição - Asneira da grossa. O problema do ocidente (leia-se, dos EUA) tem sido ir para o médio oriente fazer Justiça. É um erro. A nossa estratégia deve ser o fomento das rivalidades islâmicas, deixando que as várias facções se matem fraternalmente umas às outras e se entretenham entre elas. Bombardear o Daesh-K não contribui para esta estratégia. Contribui apenas para enfraquecer este grupo, dando força aos Talibãs. Isto não faz sentido. Só faria, se os talibãs fossem nossos amigos ou aliados. Não são. São nossos inimigos, como o Daesh-K. Portanto, a nossa política sensata é manter equilibrada rivalidade entre esses grupos, sem dar superioridade a nenhum.
David Ribeiro - Como já aqui disse, António Conceição, o Ocidente e especialmente os EUA, ainda não tiraram ilações depois do que aconteceu no Iraque, na Líbia e agora da situação no Afeganistão. Tentar impor um sistema de valores alheio é criar situações explosivas. E não esquecer que na região tudo vai depender, em primeiro lugar, daquilo que decidirem Rússia e China, bem como Paquistão, Irão, Índia e outros países asiáticos.
Chico Gouveia - Já se sabia que os EUA iam sair de lá por terra, mas voltariam pelo ar. Não se esperava é que fosse tão cedo.
Da Mota Veiga Suzette - Já se sabe: guerra gera guerra. Cada vez mais dicicil encontrar um caminho para a paz. A China e os Russos tem um certo interesse neste conflito e esperam conseguir disfarçar uma armadilha para os USA.

 

   Notícias de há momentos... 14h00 de 29ago2021

Segundo a "BBC", uma fonte do Ministério da Saúde confirmou que houve, de facto, uma explosão na área e terá sido causada por um rocket que atingiu uma casa perto do aeroporto. Por sua vez, a agência Reuters avança que os EUA realizaram um ataque aéreo em Cabul. O alvo seria um possível carro-bomba suicida que visava atacar o aeroporto. A "CNN" corrobora esta versão, acrescentando que uma explosão secundária significativa no veículo indicou uma quantidade substancial de material explosivo. Um porta-voz dos talibã também confirmou que o ataque aéreo dos EUA tinha como alvo um bombista-suicida suspeito, que viajava num carro, de acordo com a agência de notícias Associated Press (AP). Posteriormente veio a saber-se que dez pessoas de um bairro de Cabul, incluindo crianças, foram mortas neste ataque de drone dos EUA, tendo Washington afirmado que os combatentes do ISKP eram o alvo.
Al Jazeera 14h30 de 29ago2021 .jpg

 

   Al Jazeera, 07h40 de 30ago2021
Cerca de 500 soldados de infantaria motorizada russa estão a realizar exercícios nas montanhas do Tadjiquistão no contexto de instabilidade no vizinho Afeganistão. Todos os militares envolvidos no exercício vêm da base militar russa no Tadjiquistão, segundo informação do comando do Distrito Militar Central. Este exercício é o terceiro executado pela Rússia perto da fronteira com o Afeganistão neste mês. No mês que vem, um bloco de segurança liderado pela Rússia realizará outro exercício no Quirguistão, que abriga uma base aérea militar russa
size_960_16_9_exercito_russo.jpg



Publicado por Tovi às 07:18
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 27 de Agosto de 2021
No Afeganistão aumenta a violência contra as crianças

size_960_16_9_2013-05-24t154246z_1_bspe94n17ne00_r

Dou-vos a minha palavra de honra que aqui em casa e também na casa da Alice, ninguém chama a minha neta para conversas sobre a tragédia que se vive atualmente no Afeganistão. Mas a Alice (oito anos irrequietos) vive TUDO como se o dia de hoje fosse a base do futuro que ela pretende para o Mundo. E á mesa do nosso jantar de ontem, comentando o que se via/ouvia no telejornal que a tv ao fundo da sala nos transmitia, desabafou a pequenita: “Ó avô… aquela gente não pensa que só em paz se consegue um futuro risonho?... coitados dos jovens daquele mundo”. E eu, um septuagenário que sempre lutou pela LIBERDADE e IGUALDADE, calei-me… e perdi o apetite.

 


Rodrigues Pereira - Grande Alice !
Ana Alyia - Pois David Ribeiro eu acho que deveria era ter ganho apetite porque é dessas alices que o mundo precisa. Tens toda a razão Alice 😘
Carla Afonso Leitão - Abençoada Alice! Beijinhos ❤
Carlos Miguel Sousa - O poder desconhecido do discernimento puro (e por vezes duro) da lucidez infantil.
Rui Lima - Acho que todos nós quando éramos miúdos sonhamos com um mundo melhor. Algo falhou.
Jorge Veiga - muita coisa falhou...
Isabel Sousa Braga - Beijinho especial para a Alice
David Almeida - Quando o Mundo falha, a inocência e a verdade das crianças ganha força!!! "Alice no país das maravilhas!!!"
Carla Molinari - Quem sai aos seus não degenera…😘
Luis Madureira - A sinceridade e autenticidade das crianças é desconcertante e maravilhosa

 

   Esta foto da Reuters mostra-nos um família afegã a chegar à Bélgica... e os saltos de alegria da menina afegã diz-nos tudo.
240643213_10162007110114522_2188027889211616694_n.

 

   Lisboa, 21h18 de 27ago2021
Captura de ecrã 2021-08-27 221638.jpg



Publicado por Tovi às 07:09
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 26 de Agosto de 2021
O “negócio” dos opiáceos no Afeganistão

Captura de ecrã 2021-08-24 112023.jpg

A plantação da papoila no Afeganistão é de há muito uma produção de relevância e até hoje este país da Ásia Central continua a ser o maior fornecedor de opiáceos ilícitos do mundo, o que não deve mudar no futuro próximo com a retoma do poder pelos Talibã. A ONU estima que com este comércio de drogas só os rebeldes afegãos tenham lucrado mais de 400 milhões de dólares americanos entre 2018 e 2019, tendo em 2004 o Afeganistão sido o responsável por 86% do ópio usado em todo o mundo na produção de heroína. Outros grandes produtores são o Paquistão e a região do Triângulo Dourado (Birmânia, Tailândia, Vietname, Laos e a província de Yunnan, na China).

 

  
Captura de ecrã 2021-08-25 211349.jpgNesta quarta-feira (25ago2021), os presidentes da Rússia e da China discutiram sobre a posição dos seus países perante a situação atual do Afeganistão. Vladimir Putin e Xi Jinping estão dispostos a aumentar esforços na luta contra a ameaça terrorista e contra o tráfico de drogas no Afeganistão. Os dois líderes sublinharam a importância de ser estabelecida a paz no país em causa, bem como prevenir que sua instabilidade se propague para as regiões vizinhas. Xi Jinping, no entanto, reiterou que a China irá adotar uma posição de não-interferência, respeitando a independência e soberania do Afeganistão. O presidente russo mostrou estar de acordo, afirmando que está disposto a trabalhar com Pequim para impedir forças estrangeiras de interferir e destruir este país da Ásia Central.

O Primeiro-Ministro do Paquistão Imran Khan e o presidente russo Vladimir Putin também falaram no dia de ontem sobre o conflito do Afeganistão. Para Imran Khan um Afeganistão pacífico, seguro e estável é de vital importância para o Paquistão e para estabilidade regional.

 

   Lusa, 09h20 de 26ago2021
Na quarta-feira à noite os Estados Unidos, Reino Unido e Austrália apelaram aos cidadãos para saírem do aeroporto de Cabul devido a "ameaças terroristas", quando milhares de pessoas continuam a chegar ao aeroporto para tentar fugir do país. As pessoas que se encontram no aeroporto sobretudo "nas entradas leste e norte devem sair imediatamente", disse o Departamento de Estado norte-americano, citando "ameaças à segurança". A diplomacia australiana alertou para uma "ameaça muito elevada de ataque terrorista", enquanto Londres emitiu um aviso semelhante.

  
Captura de ecrã 2021-08-26 182406.jpgPoucas horas depois do aviso de ameaça terrorista emitido pelos EUA, Reino Unido e Austrália, duas explosões junto ao aeroporto de Cabul fizeram, pelo menos, 13 mortos, avança a imprensa internacional, que cita fontes talibã. Haverá mulheres e crianças entre as vítimas. A primeira explosão terá sido causada por um homem-bomba e a segunda ocorreu perto do Hotel Baron, em frente ao aeroporto e foi causada pela explosão de um carro. No centro das suspeitas acerca da autoria das explosões está o “Estado Islâmico - Província Khorasan” (Daesh-K), um braço da organização terrorista que está ativo no Afeganistão, e que se posiciona no terreno como um inimigo dos talibã. O jornal britânico “The Guardian” refere que o embaixador dos EUA em Cabul confidenciou a funcionários seus a existência de quatro norte-americanos mortos. O jornal “The Washington Post”, citado pela Lusa, refere que se trata de quatro fuzileiros norte-americanos.


O Pentágono acaba de confirmar, em conferência de imprensa, que pelo menos 12 militares dos EUA morreram - 11 fuzileiros dos Estados Unidos ('marines') e um médico da Marinha - esta quinta-feira, nos atentados suicidas que tiveram lugar junto ao Aeroporto de Cabul, no Afeganistão. Outros 15 militares norte-americanos ficaram feridos.

 
Segundo as últimas informações da equipa da Al Jazeera no Afeganistão, pelo menos 110 pessoas morreram nas duas explosões ocorridas no exterior do aeroporto de Cabul, incluindo 13 soldados dos EUA.

   Vejam quem é o grupo Estado Islâmico-Khorasan
Captura de ecrã 2021-08-27 140659.jpgO duplo atentado suicida junto do aeroporto de Cabul foi o primeiro golpe do grupo Estado Islâmico-Khorasan (EI-K) contra os Talibã, que assumiram o controle do Afeganistão em 15 de agosto. Khorasan é o nome da uma antiga região que englobava parte da Ásia Central e da Índia. O braço afegão do grupo Estado Islâmico nasceu quando o movimento era visado na Síria e no Iraque pela coligação ocidental liderada pelos Estados Unidos. É principalmente integrado por ex-membros talibã paquistaneses e afegãos e conseguiu recrutar facilmente jovens radicalizados do Afeganistão, que serviu de base durante anos para a rede Al-Qaeda e onde o grupo Estado Islâmico se enraizou, aproveitando-se do caos reinante. Com a nova geração de jihadistas, o EI-K ganhou ainda mais terreno. “Os dois grupos são sunitas, mas não têm a mesma agenda", afirmou Didier Billion, diretor-adjunto do Instituto de Relações Internacionais e Estratégicas francês (Iris), em entrevista ao jornal Le Parisien desta sexta-feira (27ago).



Publicado por Tovi às 07:31
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 25 de Agosto de 2021
E depois, como irá ser?

ZVKHKLXNWDLEPV3Y4OUN2BCJFE.jpg

Estamos a dias do “deadline” que vai determinar o controle efetivo do aeroporto de Cabul pelos Talibã.

"Bloqueamos a estrada que leva ao aeroporto e não permitiremos a passagem de ninguém além de estrangeiros", disse Zabihullah Mujahid, porta-voz dos Talibã, numa conferência de imprensa na passada terça-feira (24ago) em Cabul. Lançou também um apelo para tradutores afegãos que trabalharam para as embaixadas ou forças militares estrangeiras na capital afegã: "Queremos tranquilizar os tradutores afegãos, vamos protegê-los, e pedimos que não deixem o Afeganistão [...] o que está acontecendo no aeroporto de Cabul é doloroso, os EUA não devem pedir aos afegãos que deixem o país".

 

   Notícia de ontem, às 19h14
Captura de ecrã 2021-08-24 193158.jpg

 

   Rita Rato Nunes / Visão, 21h32 de 24ago2021
Entre instituições de solidariedade social e cidadãos, cresce o número de respostas na rede para receber afegãos. Só a nível particular, 4.429 portugueses preencheram o formulário online do Alto Comissariado das Migrações, disponibilizando-se para ajudar. Governo garante que Portugal vai acolher mais de 240 refugiados. Nos últimos dias, foram várias as instituições de solidariedade social que se chegaram à frente para prestar apoio aos que fogem do regime dos talibãs – que tomou conta do Afeganistão no passado dia 15 de agosto. E na lista oficial do Governo já se encontram: a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, a Câmara Municipal de Sintra, a Câmara Municipal do Fundão, a Câmara Municipal de Lisboa, a Cruz Vermelha Portuguesa, o Conselho Português para os Refugiados, as associações Adolescer, Entremundos, Púcura de Barro, Fios e Desafios, FISOOT Lda., e o Centro Social Soutelo.
Quais são os critérios para receber a mão de Portugal?... Portugal garante o acolhimento de todos os cidadãos afegãos que colaboraram com a força nacional destacada no Afeganistão, no quadro da NATO, e está, de acordo com o Governo, a proceder à sua identificação; Participa no acolhimento de cidadãos afegãos que colaboraram noutros enquadramentos da NATO e da União Europeia. Neste âmbito, está incluído, por exemplo, quem deu apoio à embaixada da União Europeia em Cabul; Acolherá afegãos também no quadro de operações de proteção das Nações Unidas; Está a analisar pedidos de acolhimento dirigidos ao País, principalmente de grupos profissionais mais vulneráveis, como jornalistas, mulheres, estudantes e ativistas.



Publicado por Tovi às 07:53
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Outubro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9



28
29
30

31


Posts recentes

Caus instalado no Afegani...

Tão amigos que nós somos,...

A segurança ao estilo Tal...

Emergência no Afeganistão

História recente do Afega...

E assim vai o Afeganistão...

E se os Talibã adquirirem...

As últimas notícias sobre...

Dos talibã aos talibã – a...

Os dias seguintes no Afeg...

Rambo III... filme de 198...

O Afeganistão pelos olhos...

No Afeganistão aumenta a ...

O “negócio” dos opiáceos ...

E depois, como irá ser?

Assim vai o Afeganistão

Os Talibã chegaram a Cabu...

A origem e passado recent...

Situação dramática no Afe...

Captura de Zaranj pelos r...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus