"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Quinta-feira, 9 de Junho de 2022
Documentário sobre Paulo Cunha e Silva

Captura de ecrã 2022-06-08 204022.jpg

No dia em que Paulo Cunha e Silva (1962–2015) comemoraria o seu 60.º aniversário, a 9 de junho, a RTP estreia “O caos é a mais bela assinatura do mundo”, documentário que celebra a vida do crítico, curador de arte e antigo vereador da Cultura da Câmara Municipal do Porto.
Com assinatura de Paulo Seabra, o filme recorda o trajeto de Paulo Cunha e Silva, desde o nascimento, em Beja, até ao legado deixado no tecido cultural do país e, em particular, da cidade do Porto.
O documentário reúne, além de fotografias, registos e objetos, testemunhos de elementos que se cruzaram com a vida familiar, artística ou política de Cunha e Silva: Elisa Cunha e Silva (mãe), Miguel Von Hafe Perez (curador), Rui Reininho (músico e amigo), José Barros (colega de curso no ICBAS), Alexandre Quintanilha (cientista e político), Carlos Miranda (amigo), Catarina Portas (amiga), Joana Vasconcelos (artista), Manuela de Melo (vereadora da cultura da Câmara Municipal do Porto entre 1990 e 2002), Maria de Assis (subdiretora do Instituto das Artes), Paulo Mendes (artista), Fernando d´Oliveira Neves (embaixador), Rui Moreira (presidente da Câmara Municipal do Porto), João Louro (artista), Tiago Guedes (diretor artístico do Teatro Municipal do Porto) e Guilherme Blanc (antigo adjunto do Pelouro da Cultura e diretor artístico do Batalha Centro de Cinema).
Paulo Seabra, amigo próximo de Cunha e Silva desde 1997, recorda que este “era uma pessoa em criação permanente – o Paulo olhava, constantemente, à sua volta para perceber o que ainda seria possível criar.”
O realizador explica que o documentário – com música dos Táxi, GNR, Heróis do Mar, Xutos e Pontapés e José Mário Branco – reflete a alegria e o entusiasmo característicos do amigo e que este esteve presente ao longo dos dois anos de produção do filme. “Todas as decisões relativas ao documentário foram tomadas a pensar no Paulo. À medida que ia tirando ou acrescentando elementos, questionava-me se o Paulo consideraria pertinente. Acredito que, dessa forma, este documentário, além de ser sobre a vida e o trajeto do Paulo, foi também feito com a visão dele”, acrescenta. 
Nascido em Beja, Paulo Cunha e Silva cruzou-se com o universo artístico enquanto estudante de Medicina no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto. Foi um dos principais programadores do Porto 2001 – Capital Europeia da Cultura. Paulo Cunha e Silva foi ainda presidente do Instituto das Artes do Ministério da Cultura, conselheiro cultural da Embaixada de Portugal em Roma e comissário de programa da Capital Europeia da Cultura Guimarães 2012. Mantinha uma estreita colaboração com a Fundação de Serralves, com a Fundação Calouste Gulbenkian e era presidente da Comissão de Cultura do Comité Olímpico Português. Entre 2013 e 2015, assumiu a vereação do Pelouro da Cultura da Câmara Municipal do Porto contribuindo para o renascimento cultural da cidade.
“O caos é a mais bela assinatura do mundo” estreia na próxima quinta-feira, às 22h50, na RTP2, e conta com o apoio da Câmara Municipal do Porto e da Filmaporto.
Texto: Filmaporto

 

  David Ribeiro - A primeira vez na vida que troquei umas curtas palavras com Paulo Cunha e Silva foi durante a campanha eleitoral das Autárquicas2013, numa tarde de sábado, na Galeria 111, na rua D. Manuel II, no Porto. E logo fiquei com a certeza que estava perante alguém de uma grande criatividade, cultura e cidadania. O Paulo era um Homem que queria «Um novo norte para o Norte».



Publicado por Tovi às 08:38
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 27 de Janeiro de 2022
Um dia "quente" no «Um novo norte para o Norte»

  Ontem foi um dia "quente" no Grupo do Facebook "Um novo norte para o Norte". Ora vejam...

 

  Desconhecia este "acontecimento"... mas diz muito sobre quem é Rui Rio.

  Paulo Moura na sua página do Facebook
272664278_10159977375571064_947898512546698612_n.j
Rio nos bastidores
Há uns anos, fiz, para o Público, uma grande entrevista a Rui Rio, quando ele era presidente da Câmara do Porto. Correu mal.
Em parte, a culpa foi minha: como, na altura, Rio se recusava a dar entrevistas, alegando que os jornalistas lhe deturpavam as declarações, eu propus mostrar-lhe o texto, antes da publicação, para ele confirmar que não havia declarações deturpadas ou colocadas fora de contexto.
Ele aceitou. Fui para o Porto, a entrevista durou várias horas e falámos de tudo, sem condições nem pedidos de “off”. Pelo menos um terço da conversa foi sobre o tema na ordem do dia: as relações tensas entre Rio e o Futebol Clube do Porto.
Regressei a Lisboa, transcrevi e editei o texto e enviei-o a Rio, como combinado.
Nem meia-hora depois, liga a secretária da presidência: o Sr Dr vai enviar correcções.
Quando chegaram, a entrevista estava irreconhecível. Toda a parte sobre o FCP tinha sido eliminada e as outras respostas completamente alteradas, reduzidas a frases vazias e pomposas.
Liguei a Rio lembrando-lhe que nenhuma restrição havia sido pedida quando ao tema do FCP. Se isso tivesse acontecido, aliás, eu ter-me-ia recusado a fazer entrevista, uma vez que se tratava do tema mais importante da conversa.
Rio respondeu não se ter apercebido previamente de que as afirmações dele agravariam ainda mais a crise com o FCP, pelo que decidira entretanto apagá-las da entrevista.
Quanto às outras respostas, perguntei-lhe se havia alguma incorrecção da minha parte. Disse que não. Estavam correctas, mas não poderiam ser apresentadas assim. “Eu não sou o Zé dos Anzóis”, explicou. “O presidente da Câmara da segunda cidade do país não fala assim”, disse ele, referindo-se à forma como realmente tinha falado, na entrevista. “O presidente tem de se expressar com uma certa formalidade”.
E com base neste argumento, adulterou por completo a entrevista, transformando-a num rol de declarações inócuas e ocas.
Ainda tentei um compromisso, suavizando algumas respostas, sem lhes alterar o sentido. Ele recusou, exigindo a alteração radical, eu declinei, numa série de telefonemas, cada vez menos cordais, pela noite dentro. Quando viu que não me convencia, Rui Rio começou a ser agressivo, insinuando ameaças. E quando lhe disse que o texto (inalterado) já seguira para a gráfica, tornou-se realmente grosseiro.
A entrevista seria o tema de capa da Pública, a revista de domingo do Público. Mas na sexta à noite a Direcção do jornal recebe um telefonema da redacção do Porto: “Está aqui um representante da Câmara, com dois advogados, a dizer que apresentaram uma providência cautelar ao tribunal, para que a revista não saia.”
Naquela altura, o Público vendia mais de 100 mil exemplares ao domingo. A apreensão de todos os exemplares significaria um rombo financeiro muito sério para o jornal.
Felizmente, o juiz não reconheceu mérito às razões da Câmara, e recusou a providência cautelar. A entrevista saiu, inalterada.
Publicamente, Rui Rio não se queixou.
(A foto é do Fernando Veludo)

 

  Muitos foram os membros deste Grupo que desde a manhã de hoje me têm vindo a "puxar as orelhas" por eu ter publicado um post em que partilhava a notícia de Paulo Moura com o título "Rio nos bastidores". Agora quero ver o que aqui se dirá por partilhar isto. ✍
E já agora: A dias de “botar o papelinho na caixa” só sei perfeitamente em quem não vou votar.

  Nuno Costa Santos na sua página do Facebook  
272767588_10227476120748625_6981352997547610710_n.
Vale a pena ler esta análise com a qual concordo inteiramente. O que mais me espanta é chegarmos aos anos 20 deste século e vermos supostos spin-doctors da treta a fazer campanhas como algumas que temos visto e políticos inteligentes deixarem-se cair nas suas patranhas incompetentes. Campanhas baseadas em mentiras e soundbites, que descaracterizam os personagens e achando que se bastam pela imbecilidade do eleitorado e sem qualquer ideia de futuro. As pessoas não votam no passado nem na obra feita. Nem na mercearia de supostas traições políticas e orçamentais. Votam naquilo que cada um tem para lhes oferecer e se atrás disso houver credibilidade. Destruir o carácter de cada candidato, transformando-os em autómatos arrogantes e zangados, que se limitam à gabarolice da contabilidade do que fiz no verão passado ou no mandato que está a acabar, é um erro que julgava ser tão evidente que não pudesse já ser cometido por ninguém. Costa é melhor do que isto e, mesmo que o diretor do Público hoje venha escrever que Rio é pior do que tem mostrado, os buracos nos sapatos do líder do PS já lá estão bem cravados. E depois de dar tiros nos pés tão consecutivamente, é muito difícil corrigir. Alguém deveria ter aprendido as lições das autárquicas, mas pelos vistos, com todos esses erros, fizeram um manual que tão bem a Maria João Marques explica no Público.

 

  Pois eu até concordo na generalidade com o programa do PSD, mas não tenho nenhuma confiança em Rui Rio. Por outro lado, a malta do Largo do Rato tenho-a cada vez mais como perigosa, principalmente se António Costa “se reformar da política nacional” e o barco ficar entregue a Pedro Nuno Santos. Sou capaz desta vez, pela primeira vez desde que voto, ir colocar a cruzinha para tentar eleger Deputado da Nação pelo meu círculo eleitoral alguém por quem tenho grande simpatia, apreço e consideração. Nem sempre estamos de acordo no que à política diz respeito, mas sabemos conversar e até nos entendemos em muitas coisas.

 

  Acho bem... não só porque uma maioria na Assembleia da República de “180,190 ou 200 deputados” é o que as sondagens apontam para PS e PSD, ganhe quem ganhar, mas também porque assim se evitaria uma "Geringonça 2.0".
Captura de ecrã 2022-01-27 155738.jpg

 

  No final deste dia foram conhecidas dois estudos de mercado para as Legislaitvas2022: a  Tracking Poll (trabalho de campo da Pitagórica) para a TVI e CNNPortugal; mais uma sondagem do  do ISCTE-ICS para o Expresso e SIC. No gráfico todas as sondagens conhecidas nestes últimos dez dias antes das eleições.
Sondagens 27jan2022.jpg



Publicado por Tovi às 07:49
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 3 de Junho de 2018
Renato Rodrigues… descobri-lhe a careca

No Facebook um membro do grupo «Um novo norte para o Norte» chama-nos “aquilo do Norte”, os do Porto que “não gostamos de partidos nem de Democracia”. Muito nos conta o Renato Rodrigues.

renato rodrigues aa.jpg

 

   Comentários no Facebook

«Albertino Amaral» - Mas quem é este sujeito, afinal ?

«José Alberto Pinto Carvalho» - Grandes amigos que tem meu caro David Ribeiro ... :)

«David Ribeiro» - Renato Rodrigues é membro deste Grupo desde 15 de Novembro de 2013 e fui eu que o adicionei. É a vida.

«Albertino Amaral» - E porque não David Ribeiro? Fez muito bem, acho que neste Grupo toda a gente tem o seu lugar, nem que seja à entrada. Com o tempo, vamos então conhecendo quem está na sala... Não se culpabilize por isso......

«Jose Riobom» - Se eu o mandasse ph****er que dirias David Ribeiro...? Se eu o mandasse p'ró c*****ho que dirias David Ribeiro...😉

«Isabel Ponce de Leão» - A pior coisa que se pode fazer a gente desta é ignorá-la!

«David Ribeiro» - Ó Jose Riobom num bale a pena!... LOL

«Severino Galante» - Isso aí foi galego puro! ;)

«Arnaldo Andrade» - Quem melhor representa o “Norte”? o “Porto”, carago! Sabemos viver em “democracia” por isso, cada um tem/tira o seu “partido”... só faz falta, quem cá está... siga! 😎

«Nuno Santos» - Eu gosto sempre que o conceito de Norte seja o verdadeiro. O senhor vive na Alemanha. Tem direito, claro, à sua opinião sobre a nossa vidinha.

«Manuel Ribeiro da Silva» - É suficiente mandá-lo à m...a!...

«Fernando Kosta» - Engraçado... Em 1974 e 1975, se não fosse a democracia do Norte (chamavam-nos de direita) hoje talvez vivêssemos em Ditadura Comunista... Quer dizer, até já pouco falta pois somos governados por uma esquerda que, relembre-se, perdeu as eleições que até o Pato Donald venceria... Seja como for...

«Renato Pereira Oliveira» - Mais um centralista da capital do império falido!

«Jorge Santos» - É um verdadeiro palerma, esse Renato

«Jorge Veiga» - Que se lixe o gajo...

«Renato Rodrigues» - Oh David Ribeiro já ganhou a taça. Arrebanhou de certeza mais uns votinhos para o culto de personalidade. Tem uns amigos muito bem-educados sem dúvida. E a cultura democrática é de topo, assim como o sentido de humor. Uma publicação para tiro ao alvo, sim senhor, um homem de coragem e grande estatura. Mas não incomodo mais, podem ficar aí todos a lamber as botas ao chefe tranquilos. Comentar as atitudes anti-democráticas de andar a perseguir auto-colantes é que nada.

«Rubim Silva» - Grande saloio é o Renato Rodrigues!

«Duarte Nuno Correia» - Ó Renato meta a viola ao saco e saia de fininho. Já fez figuras tristes que cheguem.



Publicado por Tovi às 13:24
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 22 de Maio de 2018
Morreu António Arnaut

Requiescat in Pace

António Arnaut morreu 21Mai2018.jpg

Faleceu ontem António Arnaut. Não foi um homem consensual, mas os melhores raramente o são. Mas a democracia portuguesa deve-lhe muito. Foi ele o principal obreiro da mais sólida e transversal realização do regime pos-25 de Abril. Falo, obviamente, do SNS. Atrevo-me a sugerir que é o cimento mais forte que ainda o mantém de pé e que ao mesmo tempo é um importantíssimo factor de coesão da nossa sociedade. Todos teremos opiniões, umas mais positivas, outras menos, todos o quereremos mudar de alguma forma, uns com maior realismo outros com tons mais utópicos, uns com o conhecimento do profissional, outros com o sentir do doente, mas não conheço ninguém hoje em dia em Portugal que conceba a possibilidade de viver sem ele. Para mim, o SNS tem sido um dos focos de toda a minha vida adulta, como profissional que fez toda a sua carreira no seu âmbito, tanto na vertente pública como na privada/convencionada (e nunca em simultâneo, por opção pessoal, não por imposição). Tem sido também um motivo de orgulho enquanto cidadão, pois com todas as suas falhas (e muitas são) é reconhecido internacionalmente como mais uma demonstração de como nós, portugueses, conseguimos nas poucas ocasiões em que remamos para o mesmo lado, ser capazes, ser grandes. Confesso que fui reticente no início, a criação do SNS pareceu-me a mim, jovem estudante de Medicina crescido num ambiente de práctica médica privada e muito lucrativa, uma agressão ao meu futuro, mas em poucos anos e vendo como o nível de cuidados prestados aos doentes cresceu exponencialmente não só em acessibilidade mas também em qualidade, rendi-me ao projecto e à sua enorme importância social e humana. Hoje, como os outros todos, não consigo conceber um Portugal sem o seu SNS, motivo de orgulho e tranquilidade. Os desafios que se colocam hoje ao SNS são muitos e difíceis. Não quero neste espaço entrar na discussão desse campo, mas quero pedir a todos os intervenientes que, seja qual for o sentido em que evolua, nunca possa perder os princípios que nortearam António Arnaut quando o ajudou a criar. Por isso e hoje, por esses princípios que ainda hoje se mostram tão importantes e válidos e pela energia e visão necessárias para lutar pela sua concretização, quero dizer muito obrigado, António Arnaut. (Raul Vaz Osório‎ no “Um novo norte para o Norte”)



Publicado por Tovi às 10:36
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 31 de Março de 2018
Região Norte… mas que Norte?

1nnpN.jpg

   Comentários no Facebook

«Mario Ferreira Dos Reis» - O maior entrave da regionalização a Norte não são os votos dos Lisboetas mas a massiva desconfiança dos votantes que são do Norte mas não são do Porto. A haver sucesso regional só separando o Norte em 2 ou mesmo 3/4 regiões. O medo de ficar dependente do Porto é real. Onde mais se nota esse medo é sem Dúvida Trás os Montes e alto Douro que têm uma forte identificação separatista em relação ao Porto. Qualquer tentativa de aglomerar uma região com Trás os Montes e Porto vai ser falhada e contra produtiva!

«David Ribeiro» - Essa tacanhez anti-regionalista não é só de Trás-os-Montes, verifica-se também no Minho, e por si só justifica o atraso considerável a nível económico e social destas sub-regiões. Ainda lhes custa entender que uma cidade como o Porto terá que ser forçosamente o centro nevrálgico de uma futura Região Norte, independentemente do local onde se vierem a instalar os diferentes organismos do poder regional.

«Diamantino Hugo Pedro» - O grande Porto tem que ser uma região separada tal como a grande Lisboa.

«Raul Vaz Osorio» - Isso é tacanhez e mais um argumento falacioso inventado pelos centralistas. Nenhum verdadeiro regionalista quer criar no Porto uma nova Lisboa regional. Nenhum verdadeiro regionalista quer que o Porto seja mais do que o pólo econômico principal do Noroeste Peninsular. Os poderes executivo, legislativo e judicial regionais podem e devem ficar sediados noutros locais, ou numa única capital que, em minha opinião, seria Vila Real, ou então distribuídos à moda dos Açores, por 3 cidades diferentes, eu sugeriria então novamente Vila Real, Bragança e Viana do Castelo O eixo Aveiro-Porto-Braga já tem a predominância economica e demográfica e não precisa de mais nada. Nova Iorque, Chicago, Los Angeles, Milão, Genève ou Munique não precisam de ser capitais para serem cidades importantes. Ver as coisas dessa forma é não só de um provincianismo atavico, como acima de tudo, um erro trágico e um tiro no pé.

«Paulo Barros Vale» - Gosto de Guimarães! Uma coisa estou certo, o Porto não precisa nem deve ser capital administrativa da Regiao

«Raul Vaz Osorio» - Pensei em Guimarães, até pelas raízes históricas, mas acho que é parte integrante do tal eixo Aveiro-Porto-Braga é por isso chutei a coisa para Viana

«David Ribeiro» - Andarmos constantemente a discutir onde será a capital do Norte é "chutar para canto" a Regionalização. A futura e mais que desejada nova divisão administrativa é muito mais do que o local do Poder Regional.

«Mario Ferreira Dos Reis» - Pois eu concordo em parte, mas conheço bem demais a desconfiança que o interior Norte tem do Porto!



Publicado por Tovi às 13:29
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 6 de Janeiro de 2018
Eleições no PSD

Na página do Facebook do “Um novo norte para o Norte” fiz um pequeno inquérito sobre as eleições no PSD… e não há dúvida, o Rui Rio ainda tem muitos adeptos cá pelo Norte.

5jan2018.jpg



Publicado por Tovi às 09:28
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 30 de Dezembro de 2017
O mais importante de 2017

Na página do Facebook do “Um novo norte para o Norte” fiz um pequeno inquérito e não há dúvida, o mais importante de 2017 foram os incêndios trágicos em Portugal.

26dez2017.jpg



Publicado por Tovi às 10:57
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 31 de Outubro de 2017
Lixo e Trânsito… no Porto

31Out2017 ac.jpg

Nos últimos tempos tem-se vindo a notar um aumento de “reclamações” por parte dos portuenses, quer no Grupo do Facebook «Um novo norte para o Norte» quer um pouco por todo o lado, sobre o LIXO e o TRÂNSITO, não só na Baixa do Porto mas também um pouco por toda a cidade. Sem dúvida que os serviços da Câmara Municipal do Porto poderão sempre fazer mais e melhor nestas dois flagelos da nossa cidade, quer diminuindo os intervalos de recolha dos resíduos urbanos quando isso se justificar, quer controlando/disciplinando o estacionamento em locais que prejudicam gravemente a circulação automóvel e de peões. Mas primeiro do que tudo temos que PUXAR AS ORELHAS a todos aqueles cidadãos que põem o lixo em qualquer lugar e sem qualquer cuidado e também a todos aqueles que acham ter o direito de prantar a sua viatura em todo o lado, incluindo em cima dos passeios.

 

   Comentários no Facebook

«Raul Vaz Osorio» - O velho problema dos portugueses pos-PREC: Têm imensos direitos e poucos ou nenhuns deveres

«Carla Afonso Leitão» - Subscrevo por inteiro. Cuspir para o chão, deitar papéis e outros indiferenciados para o espaço público, não apanhar os dejectos do animal de estimação, seja no pavimento, seja relva, em alguns países dá direito a uma coima à patrão. Na verdade, a falta de civismo sai a custo zero para o infractor e a custo elevado para todos.

«Jose Riobom» - Não haverá remédio enquanto a pequena corrupção da amizade e do pequeno favor continuar. Quem se atreverá por exemplo a denunciar atitudes da PSP ? Eu não... já não tenho idade para isso...

«Raul Vaz Osorio» - Junto a minha casa, assisto diariamente a estacionamento desrespeitoso que condiciona gravemente o trânsito. Com frequência vejo alguém a protestar, buzinar, insultar, enquanto o seu automóvel está preso por outrem que colocou o carrinho à porta da confeitaria e não permite a passagem do diacho do autocarro, enquanto ignora olímpicamente os protestos alheios... apenas para, ultrapassado finalmente o obstáculo, estacionar em terceira fila à porta do café e se senta a tomar o cimbalino enquanto ignora olímpicamente os protestos de um terceiro que, ultrapassado por sua vez o obstáculo... estão a ver o filme?

«Carla Afonso Leitão» - Inqualificável! Para não falar das pessoas que dizem que levam o cão para a relva e nunca para o passeio e não apanham porque acham natural, ou seja, a relva para essa gente é um WC natural para caninos, isto brada aos céus!

«Raul Vaz Osorio» - Ui, acabas de me lembrar o jardim do meu condomínio cujo relvado evito como o diabo evita a cruz, dada a elevadíssima densidade populacional dos dejectos caninos naquele nicho ecológico!

«Alexandre Abreu» - Acho que a cidade devia pensar no estacionamento, cada vez que faz causa de rouba linhas de Metro à sua periferia... já a apologia do "em antes é que era bom" é a tradicional memória curta. Mas fica esta curiosidade histórica... não foi "Lesboa" que atropelou a visão de uma VCI pedonal que o Antão Garrett teve, foi mesmo o nosso provincianismo deslumbrado com as Avenidas Novas cá de cima.

«Albertina Leite» - Verdade era muito bom que ouve se multas pesada para essas pessoas mal furmados

«João Simões» - Mas tenho a certeza que o ilustre deputado municipal, David Ribeiro, irá levar estes assuntos à AM. Irei estar atento à próxima reunião para ver a determinação habitual do David Ribeiro na defesa do nosso Porto.

«Jose Riobom» - Confio nisso...

«David Ribeiro» - …e levarei, não tenha o João Simões qualquer dúvida, mas como sempre tenho para mim que o “trabalho de casa” tem que ser bem feito e exaustivo, estou a recolher a maior informação possível sobre estas duas matérias. Eu não emprenho facilmente pelos ouvidos… seja lá quem for o “emprenhador”.



Publicado por Tovi às 11:06
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 9 de Outubro de 2017
Descentralizar?... Deslocalizar?

Descentralizar 7Out2017.jpg

   Comentários no Facebook

«Pedro Bento» - Ministério da Economia / Ministério da Agricultura / Ministério da S. Social… Já não era nada mau.

«Serafim Guimarães» - Nenhum. O futuro é a Europa e por esses acho que vale a pena lutar. em Lisboa só há restos de uma capital de império falida. Neste momento a luta é pela EMA. Também ouvi dizer que a SEAT quer trazer una fabrica para Portugal. Temos que lutar para que seja no Norte.

«David Ribeiro» - Não me parece que seja essa a questão fundamental pela qual devemos lutar. Um organismo público, seja ele qual for, estar sediado em Lisboa, no Porto, na Rechousa ou em Alguidares de Baixo, é exactamente a mesma coisa no que concerne ao fim do poder hegemónico do Terreiro da Paço sobre o resto do País. Aquilo que devemos EXIGIR é que sejamos nós – gente eleita directamente pelos eleitores daqui - a gerir o que está na nossa Região. Estar no Porto um ministério qualquer a fazer leis e obras para todo o Portugal não tem qualquer interesse para o fim do centralismo.

«Cláudia Rocha» - Mas influi em termos de criação de emprego qualificado, ajuda a economia local e ajudaria a travar a desertificação de àreas do interior mais deprimidas.

«Maria Da Luz Costa» - Lamento, mas desta vez não concordo em absoluto, pela questão da criação de emprego, por exemplo. Claro que teríamos sempre que nos sujeitar às decisões da AR, mas com mais organismos no Norte haveria menor desigualdade em termos de emprego.

«João Pedro Maia» - Percebo... Mas também tem e deve ser uma luta... [Emoji wink]

«Serafim Guimarães» - O futuro do Norte é lutar para conseguir meios de produção de riqueza e emprego que não nus obriguem a olhar sequer para o que eles têm: um desenvolvimento inteligente, sustentável longe das influências políticas e corruptas dos corredores.

«Antero Braga» - País pequeno. Repartir as competências é obrigatório. A gestão da coisa mais próxima normalmente acerta porque conhece. Que dizer palavras de quem geriu de perto e de longe.

«David Ribeiro» - A Alemanha, por exemplo, está regionalizada e com excelentes resultados, sendo curioso que a maioria das suas regiões são, quer em superfície quer em população, mais pequenas que a Região Norte consignada na NUTS-II.

«Serafim Guimarães» - Gostaria, por exemplo, de ver um movimento apartidário indrpendente, do tipo "O meu partido é o Norte", cujo objectivo fosse captar investimento e fazer diplomacia económica pelo norte junto da UE e das empresas.

«Mario Ferreira Dos Reis» - O governo do Norte

«Serafim Guimarães» - Sem independência nem regionalização e muito menos Estado!

«Paulo Barros Vale» - Isso de descentralizar pela sedeação de organismos não tem qq efeito útil. Só há verdadeira descentralização com a Regionalização



Publicado por Tovi às 14:34
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 6 de Outubro de 2017
O Zé de Baião não sabe o que diz… nem diz o que sabe

Aconteceu há dias na página do «Um novo norte para o Norte» no Facebook.

Zé de Baião 5Out2017 aa.jpg

   Comentários no Facebook

«David Ribeiro» - O Ze De Baião (aka José Pereira), mais uma vez, bateu à porta errada… Não é aqui, é trezentos quilómetros mais abaixo, numa cidade da margem direita do rio Tejo, onde uns governantes socialistas não conseguem (ou não querem) gerir convenientemente o país. Ou será que com a famosa “Descentralização” o António Costa vai passar essas competências para as câmaras municipais e o Zé já está a adiantar serviço?

«Rui Moreira» - Ze de Baião: pensei que nos livráramos das suas arengas. Pelos vistos vai continuar. E, por isso, abandono este grupo. Haja quem tenha paciência, homem.

«Albertino Amaral» - Ze De Baião, mas que grande volta você deu para que o Presidente Rui Moreira, que até fazia parte deste grupo e poderia falar consigo directamente, ensinando-lhe algo que você não sabe, ou nem sequer tem competência para perceber, desistisse de o aturar… Isto só quer dizer que você é "uma seca" pior do que aquela que o país está a atravessar de momento… O Zé é mesmo chato, tacanho e aborrecido... Pergunte lá ao seu "chefe de turma" como há-de continuar numa página de rede social, onde estava convencido que ia vender a banha toda, mas afinal enfiou novamente um grande "barrete" e agora não sabe como tirá-lo....! Lá teremos que ser nós a cuidar de si, pobre coitado, que ainda não percebeu nada, mas mesmo nada do que se passa no Porto... A propósito, esta semana falei com alguém que tem casa de férias as Baião, e que me disse que o Ze De Baião, é uma rica encomenda… Vou aprofundar melhor a consideração… Inté...

«David Ribeiro» - É pena que o Zé ainda não tenha percebido que os seus estapafúrdios textos há muito já não são aqui bem recebidos. O seu sofrimento precisa ser superado, e o único meio de superá-lo é suportando-o. Vá pela sombra… e volte quando a vida já lhe tiver ensinado a saber comportar-se com gente de bem.

«Jorge Veiga» - Lamento não ter o RM a dizer-nos algo de vez em quando, o que muito nos orgulhava (não conheço nenhum PC que o fizesse). Por isso acho que o Ze De Baião deveria pensar melhor o que diz e não dizer tudo o que pensa.

«Jose Riobom» - Estou mesmo chateado a sério... O Ze De Baião foi o grande culpado de nos privar da sã companhia do Presidente da Câmara do Porto neste grupo. Vou sentir saudades dos "ralhetes" e "recados" que de vez em quando por aqui me mandava.



Publicado por Tovi às 20:27
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 30 de Setembro de 2017
Autárquicas no Porto – No Facebook

banner_700x175.jpg

   Comunicado da Administração do «Um novo norte para o Norte»

Durante toda esta campanha eleitoral todos nós, o administrador incluído, muitas vezes pensaram mais com o coração do que com a cabeça, mas na generalidade a coisa correu bem e todos, ma mesmo TODOS, tiveram a oportunidade de apresentarem as suas ideias. Os que tiveram de ser mandados de castigo para o recreio foram aqueles que não souberam ou não quiseram ser educados.

Hoje é DIA DE REFLEXÃO e teremos todos que ter atenção à Lei Eleitoral vigente que diz: “…no que respeita à proibição de fazer propaganda em véspera e dia da eleição, objeto da presente Informação, interessa referir que, publicamente, é proibido praticar ações ou desenvolver atividades de propaganda eleitoral por qualquer meio nesses dias, pelo que, tratando-se quer de cronologias pessoais quer de páginas do Facebook, elas não podem registar qualquer ação de propaganda praticada após as 00h00 da véspera da eleição”.

Amanhã vamos todos votar em consciência e, não se esqueçam, vamos votar em LIBERDADE, coisas que alguns de nós só souberam o que era depois dos anos negros do salazarismo.



Publicado por Tovi às 00:05
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 14 de Setembro de 2017
Visão de futuro… para o Porto

Publicado no Facebook, na página do grupo “Um novo norte para o Norte”, pelo meu amigo José Bandeira:

José Bandeira aa.jpg

1. Um Porto sem carros na baixa. Só faixas BUS e uma frota de táxis eléctricos autónomos. Uma cidade pedonal!

1.1. Parques de estacionamento na periferia com Shuttles permanentes para a baixa.

2. Uma cidade para jovens e sexalescentes. Hosteis-residência para criativos e casas para moradores séniores.

3. Baixa povoada de open-spaces para aluguer temporário.

4. Turismo de saúde sénior.

5. Uma cidade de cultura onde qualquer artista gostaria de viver.

6. Criação de uma empresa "municipal" de crowdfunding (sem impacto no orçamento municipal).



Publicado por Tovi às 23:56
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 7 de Junho de 2017
O dia-a-dia no «Um novo norte para o Norte»

Um novo norte para o Norte NOVO Abr2015.jpg

Quando alguém diz de nós que “gostaria de ter o seu talento e a sua tolerância para gerir como gere esta sua página…” não é só o nosso ego que fica ENORME… é também a certeza do dever cumprido.

O b r i g a d o ! . . .

 

   Comentários no Facebook

«Manuel Carvalho» - Pode contar comigo como sendo mais um nesse merecido elogio. Sei que não é nada fácil, mas também se o fosse o valor seria residual. Assim vale mais a pena. Cumprimentos

«Jota Caeiro» - e mais nada!, na mouche! é, decididamente, um comentário sensato! [Emoji wink]

«Jose Bandeira» - E mais não digo, venho aqui só para aplaudir e mandar um abraço. 👏👏



Publicado por Tovi às 21:06
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2017
Que destino dar ao Edifício Transparente? - #02

 Jardim suspenso Tropical

  Mario Ferreira Dos Reis em 17Fev2017

Quando da apresentacao do edificio por Solá-Morales percebi a ideia e achei algo estranho ser só um sítio de passagem.... não ficava nenhuma proposta inerente de uso, nao se percebia a sua utilidade e durante um tempo assim ficou como algo inacabado e sem cabimento. Depois foi emendado e ficou uma especie de centro comercial esquesito. Eu oferecia o edificio ao Jardim Botanico e retirava a emenda bem como as lojas do mesmo e restabelecia a ideia orginal melhorando-a montava uma super estufa de estudo sobre especies vegetais do litoral.... no piso inferior mantinha o que está um misto de lojas de desporto radicais e cafés. Independentemente do edificio ser ou nao ser deixava ficar acho que temos muito mais na cidade para implodir primeiro. Dallas, Centro Comercial Stop, Tambem um centro de estudo botanico poderia enriquecer a cidade mesmo que a manutencao ficasse a cargo da CMP poderiamos retirar o lucro desse estudo pois ha muita coisa sobre manutenção de dunas e controlo de plantas invasoras. Uma estaçao e museu metereológico no ultimo piso poderia ser interessante. Como está, para mim é que nao faz sentido nenhum a nao ser ir esporadicamente a Cufra.

Vamos la juntar forças e fazer crescer a ideia... até 2024 ha muito tempo para a organizar com pés e cabeça. Um jardim suspenso Tropical com chuva e tudo

Jardim Tropical de Atocha (Madrid)

857201348_21122009141626_adj.jpg

 

  Children's Museum

  Pedro Simões em 17Fev2017

Transformá-lo num "children's museum", algo que tanta falta faz à cidade. Um espaço COBERTO destinado à diversão e educação das crianças, como é muito comum haver noutros países, nomeadamente nos EUA. Gratuito ou com preço simbólico.

Faz muita falta... no Porto quando chove, como tirar as crianças de casa para gastarem a energia? O sea life, o planetário, é giro, mas o preço é alto, mas não dá para ir o tempo todo, e faltam alternativas que não sejam os malfadados shoppings...

Por uns pisos com baloiços e brincadeiras, outros com experiências científicas, e ajustar os pisos a idades diferentes...

Aqui vai uma foto. Deveria ser um piso brincadeiras, um de arte, um de ciência e um de cultura ou história natural. Este até é parecido...
The_Childrens_Museum_of_Indianapolis_Welcome_Cente



Publicado por Tovi às 08:15
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 18 de Fevereiro de 2017
Que destino dar ao Edifício Transparente? - #01

Como não houve qualquer proposta para a compra do Edifício Transparente na hasta pública realizada na manhã da última quinta-feira, na Câmara do Porto, e como deitar abaixo é solução demasiado corriqueira para este edifício projectado pelo arquitecto catalão Solà-Morales e posteriormente requalificado pelo arquitecto português Carlos Prata, obra que tanto dinheirinho nos custou, lancei na página do «Um novo norte para o Norte», no Facebook, o repto para quem quiser apresentar propostas para dar um destino válido e conveniente a este mamarracho. Espero que não se esqueçam que há vários condicionalismos legais a cumprir, incluindo o Plano Director Municipal. Prometo que farei seguir todas as sugestões para quem de direito.

 

 
topo_et_ext_2.jpg
O Edifício Transparente é constituído por 4 pisos. O Piso PRAIA dá acesso à praia e tem uma área de 1278 m2, contando com restaurantes, uma gelataria e um bar-discoteca. O Piso RUA, com cerca de 775 m2, é constituído por lojas de desporto, acessórios e lazer. O Piso BOX-IN-THE-BOX, com 862 m2, apresenta um dos seus espaços mais característicos, destinado a cultura e entretenimento. Por fim, com acesso directo ao Parque da Cidade, o Piso PARQUE tem 1043 m2 e conta com três restaurantes temáticos e um bar.



Publicado por Tovi às 09:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Junho 2022
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Posts recentes

Documentário sobre Paulo ...

Um dia "quente" no «Um no...

Renato Rodrigues… descobr...

Morreu António Arnaut

Região Norte… mas que Nor...

Eleições no PSD

O mais importante de 2017

Lixo e Trânsito… no Porto

Descentralizar?... Desloc...

O Zé de Baião não sabe o ...

Autárquicas no Porto – No...

Visão de futuro… para o P...

O dia-a-dia no «Um novo n...

Que destino dar ao Edifíc...

Que destino dar ao Edifíc...

3º aniversário do «Um nov...

O Norte em Movimento

Um novo norte para o Nort...

António Costa foi indigit...

I n v e s t P o r t o

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus