"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Quarta-feira, 3 de Agosto de 2022
E tanta gente com fome no Mundo

Captura de ecrã 2022-08-01 145959.jpg

Dizem que cada foguete de um lança-foguetes múltiplos Himars (M142 - High Mobility Artillery Rocket System) custa cerca de 100 mil dólares. 

  Para desgraça do povo ucraniano o andar da carruagem não augura nada de bom. E os danos colaterais deste conflito já se sente no bolso dos europeus. Quanto mais tarde se sentarem á mesa das negociações pior para todos. Diálogo, diálogo, diálogo. O diálogo, mesmo com os maiores facínoras, é preferível á guerra. Reparem que se ontem saiu do porto de Odessa um navio com cereais foi porque houve DIÁLOGO. Foi pouco ainda, mas foi muito importante.

 

   Himars - M142
Captura de ecrã 2022-08-01 213804.jpg

 

  "O Fim do Homem Soviético" de Svetlana Aleksievitch, pág. 291
296432850_10221731734390478_9052210105302766693_n.



Publicado por Tovi às 08:37
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos (1)

Domingo, 31 de Julho de 2022
O Fim do Homem Soviético

Leitura deste Verão

Captura de ecrã 2022-07-25 170025.jpg

Svetlana Aleksievitch (Autor)
Prémio Nobel da Literatura 2015
Volvidas mais de duas décadas sobre a desagregação da URSS, que permitiu aos russos descobrir o mundo e ao mundo descobrir os russos, e após um breve período de enamoramento, o final feliz tão aguardado pela história mundial tem vindo a ser sucessivamente adiado. O mundo parece voltar ao tempo da Guerra Fria. Enquanto no Ocidente ainda se recorda a era Gorbatchov com alguma simpatia, na Rússia há quem procure esquecer esse período e o designe a Catástrofe Russa. E, desde então, emergiu uma nova geração de russos, que anseia pela grandiosidade de outros tempos, ao mesmo tempo que exalta Estaline como um grande homem. Com uma acuidade e uma atenção únicas, Svetlana Aleksievitch reinventa neste magnífico requiem uma forma polifónica singular, dando voz a centenas de testemunhas, os humilhados e ofendidos, os desiludidos, o homem e a mulher pós-soviéticos, para assim manter viva a memória da tragédia da URSS e narrar a pequena história que está por trás de uma grande utopia.

 

  Há muito que o procurava em livrarias e alfarrabistas, mas estava esgotado. Então lembrei-me de ir à Biblioteca Municipal Almeida Garrett, nos jardins do Palácio de Cristal. Tem um serviço de "empréstimo domiciliário" que é espetacular. Vou ficar cliente.
Ana Furtado - Sou a maior fã e utilizadora  
Guerra Júlio - Sou cliente assíduo do espaço 
Alda Goncalves - Somos 'clientes' assíduos. Visitantes regulares e beneméritos pontuais. Quando mudamos de casa, como não havia espaço para tudo levamos alguns livros para a BMAG. Assim sabemos que vão ser úteis a alguém e estão disponíveis para todos. 



Publicado por Tovi às 08:04
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 28 de Abril de 2022
António Guterres em Kiev

jporfirio-conf-imprensa-guterres-01-25-scaled.jpg

O secretário-geral das Nações Unidas viajou ontem da Polónia para a Ucrânia, tendo chegado ao final da tarde a Kiev. António Guterres, ao contrário de outros líderes mundiais, fez a viagem de carro e não de comboio, devido aos mais recentes ataques russos terem destruído muitas das infraestruturas ferroviárias da Ucrânia.

Para o dia de hoje Guterres tem agendados encontros com o ministro ucraniano dos Negócios Estrangeiros e de seguida com o presidente Zelensky.

 

  Esta manhã, Guterres em Bucha e Irpin, na Ucrânia
"Imagino as minhas netas a fugir, e parte da minha família morta (...) O meu sentimento é de que nenhuma guerra pode ser aceite no século XXI (...) As pessoas a viver nestes prédios pagaram o preço mais alto de uma guerra para a qual não contribuíram. Onde quer que haja uma guerra, o preço mais alto é sempre pago pelos civis", afirmou o Secretário-Geral da ONU, que está a visitar Bucha e Irpin, locais muito afetados pela invasão russa.
Captura de ecrã 2022-04-28 084849.jpg

 

  Guterres já se encontrou com Zelensky
900.jpg
Declarações do presidente da Ucrânia, em conferência de imprensa conjunta com o Secretário-geral das Nações Unidas: "Estou grato pelo secretário-geral da ONU estar aqui". Volodymyr Zelensky disse também, após a reunião com António Guterres, que acredita que um "resultado bem-sucedido" é possível "em termos do desbloqueio da Azovstal, em Mariupol. "Acredito que a Ucrânia é uma prioridade", reiterou. 
António Guterres afirmou que a situação em Mariupol "é uma crise dentro de uma crise". Em conferência de imprensa após o encontro com Volodymyr Zelensky, o Secretário-geral das Nações Unidas assegurou que "estamos a fazer todos os possíveis para retirar pessoas da Azovstal".  Guterres lamentou a violação dos direitos humanos e reitera que a ONU" vai procurar responsabilização" pelo que aconteceu nos arredores de Kiev: "Presenciei violação de direitos humanos". "O Conselho de segurança falhou em prevenir a guerra", apontou o secretário-geral.

  Durante a transmissão da conferência de imprensa conjunta entre António Guterres e Volodymyr Zelensky (transmitida em diferido por questões de segurança), foram ouvidas duas grandes explosões no centro da capital ucraniana, não muito longe do Palácio Presidencial. Reporteres presentes no local onde o secretário-geral da ONU e o presidente da Ucrânia estiveram reunidos, relatam diversas ambulâncias e viaturas de socorro a dirigirem-se para a zona das explosões. 
  
Segundo indicou um conselheiro do ministro do Interior ucraniano, foram lançados dois mísseis, tendo um deles sido abatido e o outro terá atingido uma antiga fábrica de material militar, com o míssil acabando por atingir um prédio residencial, causando seis feridos, já encaminhados para o hospital. A mesma fonte não soube dizer qual a gravidade dos ferimentos nem se já foi apurado o número de mortos. Jornalistas portugueses no terreno identificam o alvo como uma fábrica estatal de mísseis em pleno funcionamento. A Al Jazeera, citando os serviços de emergência ucranianos, diz que p
elo menos uma pessoa morreu e várias ficaram feridas neste ataque a Kiev, incluindo algumas que ficaram presas nos escombros depois de dois prédios terem sido atingidos.
  
Volodymyr Zelensky, na sua mensagem diária em vídeo, declarou, nesta quinta-feira: "Hoje, imediatamente após o fim das nossas conversas [com Guterres] em Kiev, mísseis russos voaram sobre a cidade, cinco mísseis. Isso diz muito sobre a verdadeira atitude da Rússia em relação às instituições mundiais, sobre os esforços da liderança russa para humilhar a ONU e tudo o que a organização representa. E, portanto, requer uma resposta apropriada e poderosa. (...) Os ataques com mísseis russos na Ucrânia - em Kiev, Fastiv, Odessa, Khmelnytskyi e outras cidades - provam mais uma vez que não se pode relaxar ainda, não se pode pensar que a guerra acabou. Ainda precisamos de lutar, precisamos de expulsar os ocupantes."



Publicado por Tovi às 07:55
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 19 de Fevereiro de 2022
O "Proteger a Ucrânia" e a "Crise dos Mísseis de Cuba"

Captura de ecrã 2022-02-18 160849.jpg

Numa altura em que Putin se irrita por os EUA se preparam para “Proteger a Ucrânia” com o fornecimento de armamento a um país vizinho da Rússia, recordo-me da Crise dos Mísseis de Cuba, um episódio que durou de 16 a 28 outubro de 1962 entre os Estados Unidos e a União Soviética, relacionado com a implantação de mísseis balísticos soviéticos na ilha de Fidel. Foi o mais próximo que se chegou ao início de uma guerra nuclear em grande escala durante a Guerra Fria. Depois de um longo período de tensas negociações, foi alcançado um acordo entre Kennedy e Kruschev. Os soviéticos desmantelaram as suas armas em Cuba e levaram-nas para a União Soviética.

 

  Ponto da situação na Crise da Ucrânia

Putin e Ucrânia.jpeg

Os líderes das regiões separatistas do leste da Ucrânia de Donetsk e Lugansk declararam uma mobilização militar total, medidas que ocorrem numa altura em que se verifica um aumento de violência na região devastada pela guerra e que o Ocidente teme que possa ser usado como pretexto para uma invasão da Rússia.
O presidente da Rússia, Vladimir Putin, irá supervisionar os grandes exercícios militares ao longo das fronteiras da Ucrânia no dia de hoje [sábado, 19fev2022] enquanto o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, está viajando pela Europa para angariar apoios.
O chanceler alemão Olaf Scholz afirmou na Conferência de Segurança de Munique que um ataque russo à Ucrânia seria um "erro grave" com altos "custos políticos, económicos e geoestratégicos". Na mesma conferência o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que Moscovo estava a apresentar questões de segurança que o Kremlin sabia nunca poderem ser atendidas pela NATO. Também foi afirmado pela chefe do executivo da União Europeia, Ursula von der Leyen, que as ameaças de Moscovo à Ucrânia podem remodelar todo o sistema internacional, alertando Moscovo que o seu pensamento de “um passado sombrio” pode custar à Rússia um futuro próspero.
Rostov, uma região russa na fronteira com a Ucrânia, declarou estado de emergência, citando um número crescente de pessoas que chegam de áreas controladas por separatistas na Ucrânia depois de receberem ordens de evacuação.
O presidente dos EUA, Joe Biden, continua a alertar para o facto de haver indicações que a Rússia está a planejar invadir a Ucrânia, até porque existem sinais de Moscovo estar a realizar uma operação de “bandeira falsa” para justificá-la, depois de forças ucranianas e rebeldes pró-Moscovo trocaram tiros.

 

  Esquema da ofensiva ucraniana, a partir dos dados obtidos pela inteligência da República Popular de Donetsk.
Captura de ecrã 2022-02-19 122658.jpg

 

  O seguro morreu de velho
Além de Portugal (existem 240 portugueses residentes naquele país), outros países pediram aos seus cidadãos na Ucrânia para que deixem o país. A lista inclui Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Noruega, Dinamarca, Bélgica, Países Baixos, Alemanha, Espanha, Israel, Austrália, Nova Zelândia, Japão, Iraque, Kuwait e Itália.
Captura de ecrã 2022-02-20 100443.jpg

 

  João Cravinho na Conferência de Segurança de Munique 

32528560.jpgNo dia em que as tensões entre a Rússia e a Ucrânia atingiram um ponto máximo, o ministro português da Defesa, João Gomes Cravinho, presente na Conferência de Segurança de Munique (CSM), explicou de que modo Portugal poderá ser chamado a envolver-se nos conflitos: “Portugal faz parte da NATO, portanto a nossa primeira preocupação será a solidariedade em relação aos nossos aliados na NATO. Neste caso, muito em particular aqueles que fazem fronteira com a Ucrânia. .../... Existe uma força chamada VJTF (Very High Joint Readiness Task Force) que é a força de mais elevada prontidão da NATO, em que os países membros da NATO participam de forma rotativa. Portugal neste momento participa na VJTF, em 2022 estamos na VJTF. Se a VJTF for mobilizada para efeitos de defesa da NATO, naturalmente que Portugal participará”. O ministro da Defesa português disse também que a possibilidade de adesão da Ucrânia à NATO não está atualmente em cima da mesa. Gomes Cravinho salientou que “a adesão da Ucrânia à NATO foi discutida em 2008”. “Nessa altura, decidiu-se que não havia condições para a NATO aceitar a Ucrânia e desde então o assunto tem ficado exatamente nesse ponto. .../... É absolutamente falso que esta crise seja sobre a adesão da Ucrânia à NATO. Essa matéria não está em cima da mesa. Nem aqui em Munique, nem ao longo dos últimos 13, 14 anos se discutiu essa possibilidade.”

 

  O gás da Gazprom

I060104.jpg

Um fator importantíssimo a considerar no conflito que se está a viver no Leste da Europa tem a ver com as reservas de gás nas instalações de armazenamento subterrâneo na Ucrânia, que se encontram no mínimo, tendo caído, de acordo com a Gazprom, para 10,6 mil milhões de metros cúbicos, o que é 45% menos que no ano passado. Além disso, no início desta semana, as autoridades da Alemanha, que possui uma das maiores capacidades de armazenamento subterrâneo da Europa, relataram uma queda nos volumes de armazenamento para níveis historicamente baixos em comparação com os anos anteriores.
E se Putin interromper o seu fluxo de gás para a Europa?... Hoje em dia a “guerra” já não se faz só em combates militares.



Publicado por Tovi às 10:57
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 4 de Novembro de 2021
Saudade dos meus Amigos Afegãos
Alguns amigos já me perguntaram donde vem este meu interesse sobre o Afeganistão… pois foi assim:
 
Desde meados da década de oitante do século passado que me interesso pela situação política, militar e social que se vive no Afeganistão, devido a ter convivido com um simpatiquíssimo casal afegão durante os dois anos em que os três trabalhamos em Luanda para o Ministério dos Petróleos. Muitas e agradáveis horas passamos em amena cavaqueira, nas quais fiquei a conhecer um país e um povo que até à altura era para mim praticamente desconhecido. Este casal, ele programador informático e ela fluente em inglês, russo e a começar a “palrar” o português, apesar de serem simpatizantes da ocupação soviética nunca me pareceram adeptos do marxismo. Diziam eles que foram as forças soviéticas, que entraram no Afeganistão em dezembro de 1979, que os livraram da ferocidade de vários grupos de guerrilheiros mujahidins, nunca tendo, no entanto, eu percebido muito bem se professavam alguma religião e, em caso afirmativo, qual seria. Deixamos de nos ver em outubro de 1986, quando acabou o meu contrato de trabalho, mas soube há uns anos que viviam na Bélgica e eram felizes.
 

URSS_Afeganistao.jpg
(Tropas da União Soviética a chegarem a Cabul, em dezembro de 1979)



Publicado por Tovi às 07:18
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 2 de Novembro de 2021
Ser mulher no Afeganistão
  A vida das mulheres no Afeganistão

Captura de ecrã 2021-10-23 165223.jpg
BBC/Getty Images - Mulheres em Cabul em 1979, durante o governo comunista apoiado pelos soviéticos

Toda a primeira metade do século XX refletiu as profundas divisões que existem no Afeganistão entre reformistas e tradicionalistas e também mostrou as diferentes interpretações que diferentes grupos fazem sobre o Islão e sua influência sobre o direito das mulheres. Como aconteceu em muitas outras sociedades, no Afeganistão existem interpretações reformistas da religião, que são totalmente a favor da igualdade de género. E há interpretações conservadoras, que dizem que as mulheres não devem ser educadas, que elas não precisam entrar no mercado de trabalho e que definitivamente não precisam de ter uma presença no Parlamento.
Em 1973, Zahir Shah foi deposto por seu primo, Mohammed Daoud Khan, encerrando mais de 200 anos de governo monárquico no Afeganistão. E durante a proclamada República do Afeganistão, os direitos das mulheres continuaram a aumentar. Não só começou a haver presença de mulheres no Parlamento, como se verificou uma grande enfase na formação universitária para mulheres e também presença de mulheres na esfera pública e nos cargos públicos. O status das mulheres afegãs continuou a melhorar durante os regimes apoiados pelos soviéticos no final dos anos 1970, quando o Partido Democrático do Povo do Afeganistão marxista assumiu o poder na Revolução de abril de 1978. E a melhora continuou após a invasão soviética em 1979, principalmente no setor de educação, onde 45% dos professores eram mulheres. Pode-se dizer que os direitos das mulheres atingiram seu ponto alto durante o regime comunista. O parlamento fortaleceu a educação das meninas e proibiu práticas como oferecer mulheres para selar disputas entre duas tribos ou forçar as viúvas a se casarem com o irmão do falecido marido. Mas, como aconteceu em muitos outros países, este movimento de mulheres não se espalhou por todo o país. E num país tão complexo como o Afeganistão continuou a haver diferenças marcantes entre o status das mulheres nas áreas rurais e urbanas e profundas divisões dependendo de sua etnia, tribo e, acima de tudo, religião.
Em 1996, os direitos que as mulheres mais urbanas e em regiões menos tradicionais tinham conquistado chegaram a um fim abrupto com a ascensão dos Talibã ao poder. Quando este regime foi derrubado por uma coligação militar liderada pelos EUA, em 2001, as mulheres foram aos poucos reconquistando seus direitos no novo governo civil. Voltaram a trabalhar, a estudar, a sair de casa sozinhas, não eram mais obrigadas a usar a burca e podiam ocupar cargos públicos - algumas conseguiram ser eleitas como autarcas e congressistas. Mas agora, 25 anos depois, quando os Talibã iniciaram uma nova era de poder no Afeganistão, teme-se que retornem às suas interpretações conservadoras da Sharia (a lei islâmica) e devolvam as mulheres à esfera doméstica. Tudo o que foi conquistado está em risco agora.
 
 

  Uma questão de vida ou morte no Afeganistão
Religião, família, violência e cultura ancestral pesam sobre as mulheres afegãs para chegarem ao casamento virgens, um teste que os pais e as autoridades podem pedir. Notícia completa aqui
el pais.jpg

 

  Mulheres afegãs protestam em Cabul
Um grupo de mulheres marchou desde o Ministério da Educação até ao Ministério das Finanças na capital afegã, empunhando cartazes com os seguintes dizeres: “Não temos direito a estudar e trabalhar” e “Desemprego, pobreza, fome”. [Fotos de FarsNews Agency – 23out2021]
afeganistao 1.jpg



Publicado por Tovi às 07:17
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 2 de Maio de 2020
A Batalha de Berlim… em 1945

15488213_0_283_2901_1914_1200x0_80_0_1_782ee35378a

Em 2 de maio de 1945 a guarnição de Berlim capitulou oficialmente perante o exército soviético. A capital da Alemanha era defendida por 100 a 120 mil soldados e cerca de 60 tanques, segundo relatou Helmuth Weidling, o oficial alemão responsável pelo comando da defesa da cidade, mas esse número de combatentes era manifestamente insuficiente perante uma invasão de 464 mil soldados soviéticos e cerca de 1.500 tanques.



Publicado por Tovi às 07:44
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 25 de Junho de 2019
Criar um Homem novo...?

25562641_770x433_acf_cropped.jpg

Ramalho Eanes, na última segunda-feira, na conferência "Portugal - a crise e o futuro" que teve lugar na Associação para o Desenvolvimento Económico e Social (SEDES):

(…) Quando implodiu o comunismo na União Soviética, o que a gente encontrou foi o homem russo. Não tinha sido criado um Homem novo, tal como prometiam. Não é fácil criar homens novos. Não é fácil modificar a cultura.



Publicado por Tovi às 10:25
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 27 de Janeiro de 2018
Não esquecer... nunca

concentration-camps-rare-photos.jpg

Há 73 anos (27 de Janeiro de 1945) as tropas soviéticas libertavam o campo de concentração nazi de Auschwitz.

 

  Comentários no Facebook

«Raul Vaz Osorio» - Para quem nunca lá esteve... vão lá. Tudo o que já sabiam ou ignoravam sobre o holocausto sobe vários níveis de compreensão. Devia ser uma visita obrigatória, para garantir que não se repete

«Andre Cordeiro Dos Santos» - Por acaso gostaria de visitar. Para me ajudar a compreender como homens conseguem através da força obrigar outros a não serem diferentes. Pelo que sei vários tipos de pessoas foram escolhidas para serem enviadas para os campos de concentração. Para além de origem judia, foram católicos que se opunham a ser pro regime, ciganos, homossexuais, deficientes e comunistas… de tudo um pouco. Quem fosse útil de afastar do ideal de pureza e supremacia. Mas para mim a pergunta é o que se continua a fazer em nome desse ideal de pureza, beleza, utilidade, produtividade, idealogia? Será que o respeito humano pela vida e o amor entre os povos está ainda em risco

«Raul Vaz Osorio» - Infelizmente, está sempre em risco é o caminho mais rápido para que se repita é convencer-mo-nos de que isso é impossível



Publicado por Tovi às 09:32
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 22 de Agosto de 2017
A Primavera de Praga

20915149_10210452975788562_3456029246840611935_n.j
(Foto do Jorge Costa Campos, publicada no Facebook)

Lembram-se?... ou ainda não eram nascidos?

A invasão da Checoslováquia (também conhecida como Operação Danúbio) foi uma invasão militar de tropas de 5 países socialistas do Pacto de Varsóvia sob a liderança da União Soviética (URSS, República Democrática Alemã, República Popular da Polónia, República Popular da Hungria e República Popular da Bulgária). Na noite de 20 de agosto para 21 de agosto de 1968, os países membros do Pacto de Varsóvia invadiram a República Socialista da Checoslováquia, a fim de deterem as reformas de liberalização política de Alexander Dubcek, conhecidas por “Primavera de Praga”.



Publicado por Tovi às 18:00
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 27 de Janeiro de 2015
Foi há 70 anos…

Auschwitz d.jpg

A 27 de Janeiro de 1945, as tropas soviéticas entravam no campo de concentração de Auschwitz.

Para assinalar um dia histórico, o Expresso disponibiliza online um texto publicado originalmente a 28 de Janeiro de 1995, onde alguns dos sobreviventes evocam o drama e se reflete sobre um episódio julgado impensável (ver aqui).



Publicado por Tovi às 10:22
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 31 de Agosto de 2014
A crise da Ucrânia

Na Idade Média a Ucrânia era uma forte nação eslava – Rus Kievana - tendo sido completamente fragmentada no século XIII, quando foi invadida e governada por uma variedade de povos. Teve alguma prosperidade nos séculos XVII e XVIII quando nela surgiu uma república cossaca - Zaporozhian Sich – mas a sua consolidação como nação só se verificou no século XX, quando integrou a União Soviética. Teve a sua independência como Estado-Nação em 1991. Desde Novembro de 2013 que a Ucrânia vive horas complicadas e de desfecho ainda incerto, quando uma grande parte dos seus habitantes passou a exigir uma maior integração na União Europeia - protestos do Euromaidan – provocando a renúncia do presidente Viktor YanuKovych e eleições em 25 de Maio de 2014 que colocaram no frágil poder Petro Poroshenko, um pró-União Europeia. Em Março deste mesmo ano o parlamento da Crimeia aprova a decisão de "entrar para a Federação Russa, com os direitos de uma entidade da Federação Russa", tendo um posterior referendo aprovado esta decisão. Imediatamente uma agitação popular começou nas regiões leste e sul do país - Donetsk e Lugansk – com milícias locais (supostamente armadas e integradas por tropas russas) a provocarem um verdadeiro estado de guerra. E assim se encontra a Ucrânia, um país com uma superfície de 603.628 Km2 (o maior país totalmente no continente europeu) e uma população estimada de 44.573.205 habitantes, dos quais 77,8% são ucranianos étnicos, e os restantes minorias de russos (17%), bielorrussos e romenos, um país que já foi considerado o “celeiro da Europa”, quando em 2011 foi o terceiro maior exportador de grãos do mundo.


«António Alves» no Facebook >> A Ucrânia actual é uma invenção soviética. Na alta idade média o Rus de Kiev deu origem à grande Rússia. Foi lá que foi escrito o Russkaya Pravda, o primeiro código civil eslavo. Se os americanos e europeus soubessem isso não teriam arranjado o problema que aí está.

«David Ribeiro» no Facebook >> {#emotions_dlg.star} As últimas notícias (by Sabra Ayres / Al Jazeera, 30Ago2014) dizem-nos que em Donetsk cerca de 36 pessoas morrem por dia vítimas dos confrontos entre separatistas rebeldes e soldados ucranianos. Com a NATO e o Governo de Kiev a afirmarem estarem as tropas russas a lutar ao lado dos separatistas pró-Rússia, dizem residentes da zona que “não haverá fim para este conflito até que a Rússia e a América não matem todos nós”. Nos dias de hoje o som de fogo de artilharia pesada pode ser ouvido dia e noite e a cidade (milhão e meio de habitantes) está transformada num estado policial, em que a principal tarefa é tentar sobreviver, principalmente para aqueles que não têm dinheiro ou capacidade para abandonar a região. Estima-se que um total de 2.600 pessoas foram mortas e mais de 300 mil fugiram dos combates desde o passado mês de Abril.

«João Pedro Baltazar Lázaro» no Facebook >> Paz às suas almas... e às das pessoas que lá conheço, cujo destino ignoro, e a quem eu nunca quis mal nenhum.

«Joaquim Leal» no Facebook >> O que é que os russos andam lá a fazer?

«João Pedro Baltazar Lázaro» no Facebook >> MERDA.

«Pedro Baptista» no Facebook >> Morrem? São mortos pelos fascistas de Kiev que não querem reconhecer o direito dos povos a disporem de si próprios e não aceitam o direito à independência que eles próprio usufruíram quando se separaram da Rússia...

«Diamantino Hugo Pedro» no Facebook >> O Pedro Batista também deve apoiar o direito à criação do Estado Africano na Cova da Moura ....Se os Russófonos da Ucrânia não querem ser Ucranianos que vão para a Russia que há lá muito espaço !

« Pedro Baltazar Lázaro» no Facebook >> A sério que não quero envolver-me noutra discussão sobre política. (Lá disse o palavrão outra vez.) Não tenho nem tempo nem energia. Perdi-os todos a desesperar pelos meus amigos ucranianos, tanto pró-russos como pró-Kiev. Entretanto deixo aqui este link para irem todos pensando na situação de outra perspectiva: e se eu disser que os verdadeiros fascistas são o governo do Putin e todos os seus apoiantes? Fourteen Defining Characteristics Of Fascism

«Joaquim Leal» no Facebook >> Realmente apelidar de "fascistas" quem apenas defende o seu território perante uma invasão ao velho estilo soviético criminoso liderada por um mentecapto corrupto...

«Fatima Sousa» no Facebook >> é uma noticia triste

«João Pedro Baltazar Lázaro» no Facebook >> Alguém me explique isto: se a Rússia é um país assim tão fixe e justo, então porque é que há tanta gente DESESPERADA para sair de lá?

«Diamantino Hugo Pedro» no Facebook >> Tenho que reconhecer que o Putin é um gajo que gere as simpatias exteriores de forma suberba. A besta consegue, em poucos meses, passar do fascista que perseguia homossexuais e bandas de Rock para o agora salvador do mundo do maléfico fascismo.É uma comédia...

«Joaquim Leal» no Facebook >> Carrega Diamantino

«Pedro Felgar Couteiro» no Facebook >> As simpatias ao Putin-que-os-pariu diz tanto sobre a decadência de Ocidente... E sempre Hamas merda para apoiarem, ó emprenhadores pelos ouvidos que tudo esquecem e nada relacionam!




Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Agosto 2022
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Posts recentes

E tanta gente com fome no...

O Fim do Homem Soviético

António Guterres em Kiev

O "Proteger a Ucrânia" e ...

Saudade dos meus Amigos A...

Ser mulher no Afeganistão

A Batalha de Berlim… em 1...

Criar um Homem novo...?

Não esquecer... nunca

A Primavera de Praga

Foi há 70 anos…

A crise da Ucrânia

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus