"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."

Sexta-feira, 1 de Março de 2024
A Transnístria é um "barril de pólvora"...

...à espera de explodir e Putin prepara-se para aparecer como um salvador

Captura de ecrã 2024-03-01 091348.png

  CNN Portugal às 22h19 de 28fev2024
1024.jpgO líder do governo pró-russo da região separatista da Transnístria, na Moldova, enviou um pedido de ajuda ao Kremlin para que a Rússia proteja a região do governo da Moldova, que acusa de estar a tentar transformar a região “num gueto” ao desencadear “uma guerra económica”. Os especialistas alertam que esta situação corre o risco de ser o motivo que Vladimir Putin precisa para se posicionar para os cidadãos do seu país “como salvador” dos russos noutras regiões, como fez em Donetsk e Lugansk. (...) A Transnístria há muito que é alimentada pela sua produção industrial e a economia depende fortemente das ajudas russas. Um grupo empresarial chamado Sheriff é quase onipresente, sendo dono de muitas das fábricas, supermercados e postos de combustível, e dando nome ao clube de futebol da região, o FC Sheriff, que joga na liga nacional da Moldova e que recentemente conquistou uma famosa vitória na Liga dos Campeões sobre o Real Madrid.

 

  Público às 10h16 de 29fev2024
1887485.jpegVladimir Putin ameaçou atacar os países da NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte) caso algum dos aliados envie tropas para a Ucrânia. O Presidente russo fez o discurso à nação, esta quinta-feira [29fev2024], onde admite um conflito nuclear caso as tropas dos países da Aliança entrem na Ucrânia, poucos dias depois de o Presidente francês, Emmanuel Macron, não ter excluído a possibilidade de militares ocidentais serem enviados para a guerra no leste da Europa.

  
Jose Pinto Pais
0 Hitler dos tempos modernos. Ainda vai levar com os misseis nucleares com que ameaça pelo ... acima. Chamberlains nunca mais
Isabel Morgado Saldida
Ainda faz aliança com o Tramp contra a europa



Publicado por Tovi às 08:19
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 11 de Fevereiro de 2024
Putin em entrevista ao norte-americano Tucker Carlson

240206-tucker-carlson-vladimir-putin-ac-815p-24f55

O presidente russo, Vladimir Putin, afastou a possibilidade de invadir a Polónia ou a Letónia, durante uma entrevista ao apresentador norte-americano Tucker Carlson [um polémico conservador e ex-apresentador da Fox News, próximo do ex-presidente Donald Trump, a quem apoia nas próximas eleições presidenciais norte-americanas], ivulgada na quinta-feira [8fev2024], uma vez que a Federação Russa "não tem interesses" nesses Estados. "Não temos interesses na Polónia, na Letónia ou algures. Porque é que faríamos isso? Simplesmente não temos qualquer interesse [nisso]. (...) Está fora de questão", respondeu Putin à questão "Imagina um cenário em que o senhor envia tropas russas para a Polónia?". Sobre a Ucrânia, Putin afastou totalmente a possibilidade de derrota russa no Estado vizinho que invadiu, considerando-a "impossível, por definição". Como disse: "Há vociferações para infligir uma derrota estratégica à Rússia no campo de batalha. Na minha opinião, é impossível, por definição. Isso nunca acontecerá". A propósito desta guerra, assegurou que existe um número indeterminado de "mercenários dos EUA", que disse constituirem o segundo grupo mais numeroso destes combatentes, depois dos polacos e à frente dos georgianos. Putin disse também que o envio de soldados regulares dos EUA para combaterem na Ucrânia "colocaria a Humanidade à beira de um conflito global muito sério", em resposta ao apelo do líder dos democratas no Senado norte-americano, Chuck Schumer, para reforçar a ajuda ao país invadido. "Vocês têm problemas nas fronteiras com a imigração, problemas com a dívida de mais de 33 mil milhões de dólares... Não têm nada melhor para fazer? (...) Não seria melhor negociar com a Rússia para chegar a um acordo?", prosseguiu. Ainda sobre a Ucrânia, Putin disse que está pronto para negociar, mas que o presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, "assinou um decreto que proíbe a negociação com a Rússia [porque] obedece a instruções dos países ocidentais". Por outro lado, sobre os EUA, Putin afastou a ideia de que a relação bilateral dependa de uma mudança na Presidência norte-americana, contrapondo que tem mais a ver com "a ideia de dominação" que os EUA têm do mundo. Como disse: "Não se trata de quem é o líder ou da personalidade de uma pessoa em concreto, mas das elites. É a ideia de dominação a todo o custo baseada nas forças dominantes da sociedade norte-americana". Reconheceu que teve uma boa relação com George Bush Jr, "e também [teve] essa relação pessoal com [Donald] Trump".Ao refletir a seguir sobre os EUA, apontou: "É um país complexo. Conservador, por um lado, mas em rápida mudança, por outro... Não é fácil compreendê-lo". Em particular, sobre o sistema eleitoral, questionou: "Quem toma as decisões nas eleições? Pode entender-se que cada Estado tenha as suas leis? Que se regule por sua conta?" Putin pronunciou-se ainda sobre Elon Musk, que considerou uma pessoa e um empresário "imparável" e advogou um "acordo internacional" para regular a inteligência artificial (IA). Sobre este assunto, Putin opinou que a investigação genética é uma ameaça para a Humanidade, até ao ponto em que "agora é possível criar um super-humano", e depois comentou que Musk "já implantou um 'chip' no cérebro humano nos EUA". A propósito, comentou: "Creio que Elon Musk é imparável. Fará o que considere necessário. Não obstante, têm de encontrar uma base comum com ele. Encontrar formas de o persuadir. Creio que é uma pessoa inteligente. A sério. Mas precisam de chegar a um acordo com ele, porque esse processo precisa de ser formalizado e sujeito a certas regras". Putin disse ainda que se pode fazer "uma previsão aproximada do que se vai passar" com o desenvolvimento da genética e da IA, recordando o caso das armas nucleares, que progrediram até que os Estados entenderam que o seu uso negligente poderia levar +a extinção e acordaram travá-las. "É impossível parar a investigação na genética, tal como era impossível parar o uso da pólvora no passado, mas quanto antes nos dermos conta de que a ameaça vem do desenvolvimento incontrolado da IA, da genética ou de qualquer outro campo, será a altura de alcançar um acordo internacional sobre a regulação dessas coisas", acrescentou. 



Publicado por Tovi às 07:34
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 8 de Dezembro de 2023
As últimas dos grandes conflitos bélicos atuais

  Al Jazeera - 3.ª feira 5dez2023
Captura de ecrã 2023-12-07 133956.png
As conversações/negociações concentrar-se-ão nas relações bilaterais e na guerra Israel-Hamas.

  Expresso - 3.ª feira 5dez2023
Captura de ecrã 2023-12-08 085656.png
Até se me arrepiam os neurónios ao ter que concordar com o ultranacionalista Víktor Orbán... mas a verdade é que o primeiro-ministro húngaro tem razão quando afirma ser um erro a entrada da Ucrânia na União Europeia (UE). O nome Ucrânia (ou Ukraina, como é escrito no idioma ucraniano) deriva de uma palavra do eslavo antigo - "ukraina" - que significa “terra de fronteira” e assim deverá continuar.

 
Francisco Rocha AntunesHá amigos de Putin nas pessoas mais insuspeitas. Ele conta convosco desde o princípio. Nem vou comentar a parte do nome da Ucrânia
David RibeiroSe o Francisco Rocha Antunes me inclui nos "Há amigos de Putin nas pessoas mais insuspeitas. Ele conta convosco desde o princípio" olhe que a carapuça não me serve. Sempre defendi e continuo a defender que entre Zelensky e Putin, no que toque a humanismo e democracia, venha o diabo e escolha.
Francisco Rocha Antunes
David Ribeiro tem razão, não sei porque sequer comento. Não vai acontecer mais
Jorge De Freitas MonteiroProvavelmente com a Ucrânia e com outros daquele lado vamos assistir a uma neverending story como com a Turquia. As negociações de adesão com a Turquia começaram em 1987 e nunca terminaram nem vão terminar.
Castro Ferreira PadrãoBom feriado, um abraço
Jorge SaraivaO nome do Cabo Finisterra provém de dois factos: ponto onde a terra (Europa) termina e ponto mais ocidental do continente europeu.
Eduardo SaraivaDesta vez não concordo com o amigo David Ribeiro. E deviamos tentar parar a guerra e democratizar a Russia, porque caso contrário, a seguir vêm pela europa abaixo e nem nós escapamos porque é tudo deles.
David RibeiroE como é que se fazia isso, Eduardo Saraiva?... invadindo a Rússia?
Sarah CorsinoEste Órban já demonstrou por diversas vezes (e não é só por causa da Ucrânia) que é a verdadeira "toupeira russa" dentro da UE.
David RibeiroSarah Corsino... andamos a dar entrada na UE só para fazer perrice à Rússia e deu nisto.

  CNN Portugal - 4.ª feira 6dez2023
Captura de ecrã 2023-12-07 085222.png
Está cá a parecer-me que este ano o Pai Natal não traz prendas para Zelensky.

  "X" - 4.ª feira 6dez2023
Captura de ecrã 2023-12-07 154711.png

  The Wall Street Journal - 5.ª feira 7dez2023
Captura de ecrã 2023-12-07 092430.png
EUA avisam Israel: guerra em Gaza deve acabar dentro de semanas e não de meses. 

  Expresso - 5.ª feira 7dez2023
Captura de ecrã 2023-12-07 134647.png
  Raul Almeida - Como português e como católico, tenho um enorme orgulho em António Guterres. A História lembrará este Homem pela coragem e determinação com que tenta parar o maior genocídio do século XXI. Sem a companhia dos que primeiro deveriam estar ao seu lado na linha da frente, Guterres não desiste, afirmando o valor da vida sobre a morte, da moral sobre a fúria assassina sionista. O uso extremo do Artigo 99 da CNU, é prova da determinação humanista e civilizacional de Guterres. Que nunca lhe falte a força para fazer o que está certo.

  Al Jazeera - 5.ª feira 7dez2023
Captura de ecrã 2023-12-08 075949.png
O presidente iraniano, Ebrahim Raisi, condenou o ataque de Israel a Gaza durante o encontro para conversações em Moscovo com o presidente russo, Vladimir Putin.

  Jornal de Notícias - 6.ª feira 8dez2023
Captura de ecrã 2023-12-08 101706.png
O Hamas fala em "ferozes batalhas" contra as tropas israelitas em diversas zonas da Faixa de Gaza, incluindo no sul. A ajuda humanitária foi praticamente interrompida em Khan Yunis, para onde uma grande parte dos civis do norte fugiu.

  Sondagem de Pew Research Center (EUA) - 6.ª feira 8dez2023
Captura de ecrã 2023-12-08 165658.png
Cerca de um quarto (27%) afirma que Israel está a ir longe demais na sua atual operação militar, enquanto quase o mesmo número (25%) afirma que está a adoptar a abordagem correta; 16% dos americanos dizem que Israel não está indo suficientemente longe militarmente.
Mais de quatro em cada dez Democratas (45%) dizem que Israel está a ir longe demais na sua operação militar contra o Hamas, em comparação com 12% dos Republicanos.
Também existem diferenças de idade nestas opiniões, sendo os americanos mais jovens mais propensos do que os grupos etários mais velhos a dizer que Israel está a ir longe demais.




Quarta-feira, 13 de Setembro de 2023
Kim Jong-un na Rússia para conversações com Putin

Captura de ecrã 2023-09-12 094027.png

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, chegou ontem [3.ª feira 12set2023] à Rússia, onde deverá reunir-se com o presidente do país, Vladimir Putin. O encontro deverá ocorrer hoje [4.ª feira 13set2023] e irão debater "questões sensíveis", segundo o Kremlin. O líder norte-coreano viajou a bordo de um comboio privado, acompanhado pelos ministros dos Negócios Estrangeiros, Choe Son-hui, e da Defesa, Kang Sun-nam, e por representantes militares, incluindo o diretor do Departamento de Munições Industriais, Jo Chun-ryong, e Pak Thae-song, secretário para a Ciência e a Educação do Comité Central do Partido dos Trabalhadores, ligado ao programa espacial norte-coreano.

  Mário Paiva...entretanto a Coreia do Sul, a sentir-se apertada, vai à conversa com a Rússia... - S. Korean, Russian foreign ministers discuss bilateral ties, regional security

 

  Para o bem e para o mal, mais para o mal do que para o bem, o que se está passar no encontro dos líderes da Coreia do Norte e da Rússia é de grande importância.
Captura de ecrã 2023-09-13 081444.pngO líder norte-coreano, Kim Jong-un, disse ao presidente russo, Vladimir Putin, que o seu país oferece o seu “apoio total e incondicional” à “luta sagrada” da Rússia para defender os seus interesses de segurança, numa aparente referência à guerra na Ucrânia, e disse que Pyongyang sempre permanecerá firme com Moscovo na frente “anti-imperialista”. Kim também chamou as relações da Coreia do Norte com a Rússia de “a primeira prioridade”. O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse hoje que o país vai ajudar a Coreia do Norte a lançar satélites, antes de uma reunião numa base espacial com o líder norte-coreano Kim Jong-un. De acordo com a imprensa estatal russa, quando questionado sobre se Pyongyang queria a assistência de Moscovo na construção de satélites, Putin disse na base espacial de Vostochny: “É por isso que viemos aqui”. Kim Jong-un “demonstra grande interesse na tecnologia de foguetes. Eles também estão a tentar desenvolver o espaço”, disse Putin, referindo-se às autoridades da Coreia do Norte.

 
Mário Paiva😁
376739910_10233070711575724_8165012418704400281_n.
Chico Gouveiadois troca tintas sem palavra. Ontem andavam ao estalo. Hoje apertam as mãos. Amanhã, sabe-se lá, cospem-se. Há coveiros que não percebem que a próxima cova que abrem pode ser para eles.
João P. Afonso
Há amigos para a vida. Depois estes dois aqui: amigos para a morte.




Segunda-feira, 4 de Setembro de 2023
Encontro entre Putin e Erdogan no resort de Sochi

putin-e-erdogan-750x450.jpg

O presidente russo, Vladimir Putin, recebe hoje o seu homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan, no resort de Sochi, no Mar Negro. Na quinta-feira passada [31ago2023] fontes turcas tinham dito que a reunião discutiria principalmente as exportações de cereais do Mar Negro. Também na quinta-feira, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse ter enviado à Rússia “um conjunto de propostas concretas” para relançar o acordo de cereais.

 

  No seguimento das conversações que o presidente russo, Vladimir Putin, manteve hoje em Sochi com o seu homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan, o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, afirmou em Kiev: “Estou convencido de que, com base nos resultados da conversa de Erdogan com Putin, haverá contacto entre o Presidente Erdogan e o Presidente Zelensky (...) Há confiança nas relações entre o Presidente Zelensky e o Presidente Erdogan"Segundo dizem os média normalmente bem informados, Putin no fim da reunião com Erdogan voltou a frisar que não haverá renovação do acordo para a exportação de cereais ucranianos enquanto não estiverem em cima da mesa algumas contrapartidas que Moscovo exige, entre elas a facilitação de exportações de produtos agrícolas russos, tal como de fertilizantes.

 

  Novo Ministro da Defesa da Ucrânia
Captura de ecrã 2023-09-04 162816.pngRustem Umerov, de 41 anos, é um tártaro da Crimeia, um grupo turco de muçulmanos sunitas cujo lar ancestral é a Península da Crimeia, que foi anexada pela Rússia em 2014. É um poliglota (ucraniano, tártaro, russo, turco e inglês) com experiência em finanças. É conhecido como advogado anticorrupção e foi membro de um grupo de trabalho do governo ucraniano que desde 2020 trabalha numa estratégia para acabar com a ocupação da Crimeia. Em março do ano passado, um mês após a invasão em grande escala da Rússia, fez parte da equipa ucraniana que participou nas primeiras conversações com a Rússia na vizinha Bielorrússia. Pessoas próximas descrevem-no como um negociador habilidoso e talentoso.



Publicado por Tovi às 07:52
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 14 de Julho de 2023
Quem não é por mim é contra mim

Captura de ecrã 2023-07-13 213108.png

Altas patentes militares russas, incluindo o general Sergey Surovikin, ex-comandante das forças de Moscovo na Ucrânia, foram presas, no âmbito da rebelião do Grupo Wagner, informou ontem The Wall Street Journal citando fontes próximas do processo. O general, que comandou as forças russas na Síria e depois na invasão da Ucrânia, iniciada em 24 de fevereiro do ano passado, foi detido e interrogado, segundo as mesmas fontes, juntando-se a outras altas patentes que foram presas, suspensas ou demitidas. Surovikin, conhecido como “General Armagedão” pelas campanhas de bombardeamentos que empreendeu na Síria, não era acusado de nenhum crime, mas estava a par alegadamente dos planos de rebelião do líder do grupo mercenário Wagner.

  
Jorge Veiganem comento, para não te zangares comigo...
Rui LimaO fim de Putin e do bando de criminosos está para breve. O exército vai tomar conta do poder. Talvez seja pior ou não, depende...
Jose Antonio M Macedo
Rui Lima Se for para pior ...
Raul Vaz Osorio
E então? O regime russo está podre? Já sabíamos

 

  Entretanto...
000-32fh37g.jpg
Segundo o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, numa declaração aos jornalistas no dia de hoje [sexta-feira 14jul2023], traduzida pelo “The Guardian”, Vladimir Putin concordou em alargar o prazo de vigência para o acordo que possibilita a exportação de cereais pelo Mar Negro, previsto para expirar na próxima semana. Mas o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, citado pela Interfax, garantiu não haver ainda comentários sobre a extensão do acordo de cereais.



Publicado por Tovi às 07:38
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 27 de Junho de 2023
Putin ficou mais forte ou mais fraco?

Captura de ecrã 2023-06-26 143835.png

As opiniões dividem-se entre os que pensam que o presidente russo viu a sua autoridade reforçada e os que veem no acordo com o líder dos mercenários um sinal de fragilidade. Para mim ainda há muito por conhecer acerca do motim que Yevgeny Prigozhin, líder do Grupo Wagner, levou a cabo contra as lideranças militares do Estado russo, mas partilho do que disseram David Petraeus, ex-diretor da CIA, e Paulo Portas, comentador da TVI/CNNPortugal: A revolta é um “sinal de que alguma coisa pode acontecer na Rússia” e vai resultar numa “guerra mais forte”. E não me parece díficil que Putin tenha ganho autoridade para tomar novas e sérias decisões, podendo ir até à instauração da lei marcial e mesmo decretar uma mobilização total. Aguardemos... mas não esqueçamos que tudo o que não nos destrói, torna-nos mais fortes.

 
Jorge Veigao que não destroi, enfraquece?
David RibeiroJorge Veiga... normalmente sim, embora dependa das intenções.
Rui LimaPutin está finito. Aquelas imagens dos cúmplices à mesa diz tudo. Está preso por arames. Tudo depende das Forças Armadas.
Raul Vaz Osorio
Discordo em absoluto. Também ainda estou a tentar perceber o que realmente se passou, mas nenhum autocrata sai reforçado de uma revolta em que os revoltosos desistem por si sós e levam palmadinhas nas costas. Quanto à situação militar, uma vez que a Wagner era quem, basicamente resolvia situações e atingia objectivos, parece-me que as forças russas ficam claramente enfraquecidas.
Mário Paiva
David, Preghozhin não vai p'rá Bielorrússia sózinho... estarão a ser montados lá 3 quartéis para 8000 militares do Wagner cada um, localizados estratégicamente... Aproximam-se as eleições na Bielorrússia...

 

  Prigozhin justifica-se...
2023-06-02T183500Z_1215111228_RC27A0AD2ZRX_RTRMADP
Nos seus primeiros comentários públicos desde a retirada de suas tropas, o líder de Wagner, Yevgeny Prigozhin, disse que os eventos do fim-de-semana foram planeados para protestar contra os comandantes militares russos, não para derrubar o governo. Prigozhin falou numa mensagem áudio de 11 minutos divulgada ontem [26jun2023] no Telegram, onde acrescentou que suas tropas não assinaram contratos com o Ministério da Defesa. No domingo, o Kremlin tinha dito que as tropas de Wagner poderiam assinar contratos com o ministério depois de retornar aos campos.

Rui Lima
E muito bem ......
Maria Vilar de AlmeidaO busílis é quem vai pagar as indemnizações por cada guerrilheiro morto em combate... 😉
Mário Paiva
Maria Vilar de Almeida, a quem?
Maria Vilar de AlmeidaMário Paiva por cada combatente da Wagner morto em combate a família tem direito a uma indemnização. Se começam a ser recrutados directamente pelo Governo Russo, o responsável da Wagner irá pagar essas indemnizações, como até aqui seria esperado?! 😉... já agora, abro um parêntesis e acrescento... a família de qualquer combatente MESMO em exército regular, deveria receber uma indemnização! É a minha opinião.
Carlos AlmeidaMaria Vilar de Almeida Isso depende do contrato feito… Quando se trata duma empresa privada a trabalhar para o Estado. Pode fazer-se comparação com os grupos Blackwater e Mozart, com contratos com os EUA, e a Legião Estrangeira, a trabalhar para o governo francês.
Da Mota Veiga SuzetteUm poder dentro do poder!

 

  Discurso de Putin ao Povo Russo - 2.ª feira 26jun2023
Era expectável um discurso destes... só quem não conhece Putin é que poderia esperar outras coisas. Mas o futuro próximo pode ainda dar-nos novidades.
Captura de ecrã 2023-06-26 210529.png
Num discurso gravado, Vladimir Putin dirigiu-se ontem à noite ao povo russo para afirmar que “a tentativa de criar o caos interno falhou", muito porque “toda a sociedade mostrou ser responsável”. O Presidente russo garante que “foram tomadas desde o início todas as medidas para neutralizar" a rebelião do Grupo Wagner. “O levantamento militar seria de qualquer forma esmagado”, disse Putin. Defendeu também que os mercenários “compreenderam que tinham dado um passo criminoso” e voltou a insistir que o país enfrenta uma “forte ameaça do exterior”. “Os nazis de Kiev e do Ocidente queriam que os russos combatessem uns contra os outros”, acusou. 
Putin disse, durante o seu discurso à nação, que ordenou “não fosse derramada uma gota de sangue” para travar a rebelião do Grupo Wagner, encabeçada por Prigozhin. “Sabemos que a grande maioria dos combatentes da Wagner são patriotas e fiéis à Rússia. Mostraram isso quando libertaram o Donbas e a Novorossiya”, frisou Vladimir Putin. “Tentaram usá-los para lutar contra o seu povo”, acrescentou. “Tomei a decisão de ordenar que não fosse derramada qualquer gota de sangue para permitir que aqueles que erraram compreendessem as consequências destrutivas dessa aventura em que foram envolvidos”, referiu o Presidente da Federação Russa. Putin agradeceu também a Lukashenko o papel que desempenhou para fazer recuar Prigozhin.
Vladimir Putin agradeceu a “todos os soldados e comandantes que tomaram a decisão certa: travar [a marcha para Moscovo] no último momento”. O Presidente russo garante que os combatentes do Grupo Wagner que participaram na rebelião “podem continuar a servir a pátria fazendo um contrato com o Ministério da Defesa". "Os que quiserem podem ir para casa e os que preferirem podem ir para a Bielorrússia. Cada um vai escolher”, disse Putin.

 

  
Captura de ecrã 2023-06-27 112223.png

Segundo as últimas notícias um jato [Embraer Legacy 600, com o registo RA-02795 e número de série 14501008] muito utilizado pelo líder do Grupo Wagner, Yevgeny Prigozhin, aterrou esta terça-feira [27jun2023] pelas 7h40 locais na Base Aérea de Machulishchy, a sul de Minsk, após partir de Rostov. Não há ainda confirmação de quem estava a bordo, mas era esperado que Prigozhin se deslocasse para a Bielorrússia, como tinha ficado acordado com o fim da rebelião. Entretanto o presidente da Bielorússia confirmou a chegada neste dia de Yevgeny Prigozhin. Alexander Lukashenko disse também que a experiência de combate do grupo Wagner será útil, e ofereceu uma base militar abandonada aos mercenários que queiram juntar-se ao seu líder. Revelou ainda que convenceu Prigozhin a desistir da revolta no sábado, dizendo-lhe ao telefone que Vladirmir Putin nunca lhe entregaria o ministro da Defesa, e que ele e os seus mercenários seriam esmagados se continuassem a marcha para Moscovo.

 

 
Captura de ecrã 2023-06-28 112349.png
Dois "rockets" russos atingiram no fim do dia de hoje [terça-feira 27jun2023] um restaurante em Kramatorsk, cidade situada no Oblast de Donetsk, muito frequentado por militares ucranianos. Há um número considerável de mortos e feridos.
 
Maria Vilar de Almeida
ENA Davidzinho... CREDO!
Jorge Veigamais alvos militares.
Rui LimaDiz o assassino que a Rússia está sob ameaça do exterior.......




Domingo, 25 de Junho de 2023
A rebelião do Grupo Wagner

356202170_10223624047217116_3543673755280331844_n.

Às primeiras horas deste último sábado o Grupo Wagner iniciou um ato de rebelião do qual ainda é cedo para se perceber qual será o desfecho. Putin já apelou a estes mercenários para desobedecerem a Prigozhin, mas estes, ao que consta, continuam na sua marcha sobre Moscovo.

 
  Na manhã de ontem [sábado 24jun2023] era assim que estávamos

Captura de ecrã 2023-06-24 151428.png
(Tropas do Grupo Wagner na cidade fronteiriça russa de Rostov-on-Don)
O presidente russo, Vladimir Putin, diz que um “motim armado” do Grupo Wagner é uma traição, acrescentando que “ações decisivas” serão tomadas contra eles.
As autoridades de Moscovo e arredores dizem que declararam estado de emergência de “contraterrorismo” depois que o chefe de Wagner, Yevgeny Prigozhin, afirmou que suas forças estavam no controle de instalações militares em Rostov.
Anteriormente, Prigozhin acusou a alta liderança militar da Rússia de ordenar um ataque com foguetes aos campos de Wagner na Ucrânia, onde "um grande número" de seus combatentes foi morto.
O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, diz que “a fraqueza da Rússia é óbvia” e que quanto mais Moscovo mantiver suas tropas e mercenários na Ucrânia, mais caos atrairá para casa.

Jorge Veiga
está confuso... A ser verdade, os Ucranianos ainda bebem ums bejecas...
Vale Dos PrincípesUma ideia 💡 Traduzir para português Já não há paciência para brazuquês 😂

 

  Notícias da tarde de ontem [sábado 24jun2023] 
Captura de ecrã 2023-06-24 162340.png
Os mercenários do Grupo Wagner já controlam as instalações militares e o aeroporto da cidade de Rostov. Em Voronezh, há relatos de um bloqueio de uma importante ligação com Moscovo (a autoestrada M4). Já na capital, foram aplicadas medidas antiterroristas anunciadas pelo presidente da Câmara de Moscovo.
O presidente eleito da Letónia disse que o Estado báltico reforçou sua segurança nas fronteiras em resposta ao motim em andamento na Rússia e não admitiria russos.
Os mercenários russos amotinados do Grupo Wagner estavam “se movendo” pela região de Lipetsk, cerca de 400 quilómetros ao sul de Moscovo, disse o governador Igor Artamonov, a caminho da capital russa, depois de prometer derrubar a liderança militar do Kremlin. “O hardware do grupo mercenário Wagner está se movendo pelo território da região de Lipetsk”, disse o governador no Telegram. “Relembro que é vivamente recomendado aos residentes que não saiam de casa nem façam deslocações em qualquer meio de transporte.” 
Governos de todo o mundo estão observando de perto os eventos que se desenrolam rapidamente na Rússia, onde um motim do grupo mercenário Wagner representou o mais sério desafio ao longo governo do presidente Vladimir Putin.

 

  Prigozhin ordena "marcha-atrás" [18h30 de 24jun2023]
Captura de ecrã 2023-06-24 192912.png
O anúncio foi feito pelo Presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, na rede social Telegram. Minutos depois, o próprio líder do grupo Wagner confirmou a paragem da marcha rumo a Moscovo. As colunas do grupo Wagner estavam a cerca de 200 quilómetros de Moscovo.
As negociações continuaram ao longo do dia. Os soldados do Wagner receberam garantias de segurança e imunidade, ou seja, não haverá represálias, nem para Prigozhin nem para os outros mercenários. Prigozhin irá para a Bielorrússia e o caso aberto pela procuradora-geral russa será retirado. "Evitar um derramamento de sangue era mais importante do que castigar as pessoas", afirmou o Kremlin na sua primeira reação ao acordo com os revoltosos.
  Carlos Almeida
O cozinheiro mercenário foi exilado na Bielorrússia. De lá seguirá o seu destino.



Captura de ecrã 2023-06-25 083221.png
  
David RibeiroAo que parece, e só o futuro dirá se assim será, o facto de não ter havido qualquer tipo de resultado prático de condenação dos atos do Grupo Wagner revela as intenções de Vladimir Putin se preservar à frente dos destinos da federação russa. Também é estranho que após aquilo que pareceu "um golpe de Estado" o cabecilha do golpe vá passar férias para a Bielorrússia. Será interessante acompanhar o futuro próximo de Sergei Shoigu e de Valery Gerasimov, respetivamente Ministro da Defesa da Rússia e chefe do Estado-Maior das tropas de Putin.
Jorge VeigaDavid Ribeiro o Perigoso (hehe) vai para a Bielorússia só ou com o exército dele por companhia???
David RibeiroJorge Veiga, ao que consta as tropas que o queiram fazer, serão incorporadas no exército russo.
Jorge VeigaDavid Ribeiro ...e as que o não queram fazer? Vão para casa ou acompanham o "cozinheiro"?.
David RibeiroJorge Veiga, fazem o que bem entenderem, sendo que Putin já lhes prometeu imunidade legal.
Jorge VeigaDavid Ribeiro a questão é se acompanham o chefe, não virão a entrar na Ucránia pelo norte??? Daquela gente, espero de tudo até teatro, para fazerem uma ofensiva diferente, já que a do Sul nada deu de concreto.

 

  
TELEMMGLPICT000340508436_16876269101710_trans_NvBQ
Vladimir Putin só se pode culpar a si mesmo pelo facto de que, em vez de realizar seu sonho de restabelecer a Rússia como uma grande potência mundial, o monstro mercenário que ele ajudou a criar enfraqueceu seu regime. (Con Coughlin in The Telegraph)

 


Captura de ecrã 2023-06-25 154228.png
Tenho cá um "feeling" que num futuro muito próximo Sergey Surovikin, o atual comandante das forças russas na Ucrânia, vai ser o novo chefe do Estado-Maior das tropas de Putin ou mesmo Ministro da Defesa. Pouco se tem falado sobre o apelo por ele feito aos combatentes mercenários de Wagner na noite de sexta-feira a “parar” e “obedecer à vontade” do presidente Vladimir Putin. “Somos do mesmo sangue. Somos guerreiros. Peço que parem (...) não podem fazer o jogo do inimigo neste momento difícil para o país (...) por favor, obedeçam à vontade e às ordens do presidente da Federação Russa que foi eleito pelas massas”, disse Surovikin num vídeo postado no Telegram por um repórter da mídia estatal russa.

Paulo Barreira - Isso é o que diz na comunicação social , pocha
David Ribeiro - Exatamente, Paulo Barreira... até porque eu não tenho o dom da adivinhação.

 

  Cada um toca a música que lhe interessa
Captura de ecrã 2023-06-25 190643.png
A crise da Rússia envolvendo a revolta abortada do Grupo Wagner contra o Kremlin expôs "rachaduras reais" na autoridade do presidente Vladimir Putin, disse o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken.
A China diz que apoia a Rússia na “proteção da estabilidade nacional”, nas primeiras observações oficiais de Pequim sobre o levantamento armado de curta duração.
Mas para mim e para mais alguns comentadores da nossa praça, tudo o que se passou poderá ter sido uma movimentação por parte dos que defendem uma linha dura, ou seja, um avanço ainda mais determinado na Ucrânia. Há também quem coloque a hipótese de tudo ter sido uma encenação de forma a permitir que Putin posicione forças, altere chefias e integre o grupo Wagner no exército, o que me parece hipótese demasiado rebuscada, mas não impossível. 

 

  Do meu amigo Mário Paiva
Captura de ecrã 2023-06-26 103653.png



Publicado por Tovi às 02:18
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 19 de Junho de 2023
A doutrina Prigozhin... e a Missão de Paz africana

Captura de ecrã 2023-06-16 142452.png

"O controlo total sobre o Mar de Azov; a exclusão da NATO de uma grande faixa norte do Mar Negro; a continuidade territorial entre a Rússia, o Donbass e a Crimeia". Há quem já o indique (ou deseje) como sucessor de Putin, mas quem não o conhecer que o compre, pois eu continuo a defender a máxima: atrás de mim vira quem de mim bom fará.
 

  Missão de Paz africana

Captura de ecrã 2023-06-18 115233.pngO presidente sul-africano Cyril Ramaphosa – que está na Rússia como parte de uma delegação em busca da paz – disse ao seu colega russo, Vladimir Putin, que a guerra na Ucrânia deve parar. Ramaphosa expôs os 10 pontos da iniciativa de paz africana que busca um acordo sobre uma série de “medidas de construção de confiança” – mesmo quando a Ucrânia iniciou na semana passada uma contraofensiva para repelir as forças russas. "Esta guerra tem que ter um fim... Deve ser resolvida por meio de negociações e por meios diplomáticos", disse Ramaphosa em São Petersburgo no sábado [17jun2023], no Palácio Konstantinovsky do século XVIII. “Esta guerra está tendo um impacto negativo no continente africano e, de facto, em muitos outros países ao redor do mundo”, disse Ramaphosa. Putin interrompeu os comentários de abertura dos líderes africanos que buscam mediar o conflito na Ucrânia para apresentar uma lista de razões pelas quais ele acredita que muitas de suas propostas foram equivocadas. Ele reiterou a sua posição de que a Ucrânia e o Ocidente começaram o conflito muito antes de a Rússia enviar suas forças armadas pela fronteira em fevereiro do ano passado. Ele disse que a Rússia nunca recusou negociações com o lado ucraniano, que foi bloqueado por Kiev.




Terça-feira, 30 de Maio de 2023
A nova fase da guerra existencial da Ucrânia

622f8d600c2ef.image.jpg
Dois comentadores da CNN Portugal, conotados com lados opostos da barricada, parecem já concordar com o que está a acontecer na Ucrânia e o que serão os próximos tempos.

Segundo o major-general Isidro de Morais Pereira, "o padrão alterou-se ligeiramente, os bombardeamentos visam infraestruturas críticas e agora também infraestruturas militares, locais onde presumivelmente se encontram armazenados equipamentos militares e mesmo locais onde estarão concentrados os militares".
"O que estamos a assistir são campanhas de mísseis e drones. É a guerra a escalar: os russos fazem-no com um objetivo que é fazer colapsar, ou abortar, a contraofensiva ucraniana", explicou o major-general Agostinho Costa na CNN Portugal. Para este especialista militar, a contraofensiva ucraniana terá o seu pico em julho, por altura da Cimeira de Vilnius. Até lá, “vamos ter várias ações de flagelação”, diz.
  Francisco Rocha AntunesEra o mesmo especialista que dizia que Kiev iria ser tomada numa semana e que a guerra não durava um mês.
 
  Manhã de terça-feira 30mai2023

Captura de ecrã 2023-05-30 095119.png
(Na foto iInvestigadores recolhem evidências do lado de fora de um prédio de apartamentos danificado em Moscovo)
O Ministério da Defesa da Rússia acusou Kiev de ter lançado hoje um ataque com aparelhos aéreos não tripulados (drones) contra a zona de Moscovo numa operação que classificou como ação "terrorista". Poucos minutos antes, o autarca da capital russa, Serguei Sobianin, através de um comunicado, tinha dito que "um ataque com ‘drones’" contra Moscovo teria provocado "danos ligeiros" em vários edifícios "sem provocar feridos graves". "Cerca de 25 ‘drones’ foram projetados contra Moscovo (...). Um deles levava artefatos explosivos que não detonaram", indicou Sobianin. O presidente da Câmara de Moscovo especificou depois que "apenas duas pessoas receberam tratamento médico em ambulatório".
Mykhailo Podolyak, conselheiro do presidente ucraniano, citado pela Reuters, diz que a Ucrânia viu com satisfação o ataque com drones a Moscovo e prevê que tais ataques vão aumentar, mas nega envolvimento de Kiev. "Em relação aos ataques: é claro que estamos satisfeitos em assistir e prevemos um aumento no número de ataques. Mas é óbvio que não temos nada a ver diretamente com isso", disse Podolyak ao canal de YouTube "Breakfast Show".


Isabel Sousa Braga
Ahahahaha foram os ET's
Adao Fernando Batista BastosProvar do próprio veneno, boa... Os tussos acham- se no direito de atacar o territorio da Ucrânia, selecionando até zonas densamente povoadas e hipocritamente queixam- se quando conhecem o reverso da medalha. Criminosos.
Paulo Teixeira
Uns patuscos estes russos
Francisco Rocha Antunes
Acham que alguém compra esta história inventada por eles

 

  Este é que a sabe toda...
Captura de ecrã 2023-05-30 110826.pngO fundador do Grupo Wagner, Yevgeny Prigozhin, culpou o ataque de drones em Moscovo a altos oficiais militares que vivem em Rublyovka, subúrbio exclusivo da capital moscovita. No Telegram, Prigozhin disse: “Por que diabos você está permitindo que esses drones voem para Moscovo? Quem se importa que eles estejam voando para suas casas em Rublyovka! Deixe suas casas queimarem.” O líder do grupo mercenário repetidamente classificou os residentes do subúrbio como elites distantes que não estão suficientemente comprometidas com a campanha da Ucrânia. O subúrbio de Rublyovka é o lar da elite política, empresarial e cultural da Rússia e onde o presidente Vladimir Putin tem uma residência oficial nas proximidades.
  Carlos Wehdorn
Foi um serviço despertar.... 🤔



Publicado por Tovi às 09:37
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 9 de Maio de 2023
Comemorações do Dia da Vitória

bandeira-URSS-no-reichstag.jpg

Dia da Vitória Soviética (em russo: День Победы, Den' Pobedy) ou 9 de maio, marca a capitulação da Alemanha Nazi para a União Soviética na Segunda Guerra Mundial. As celebrações decorrem hoje na Praça Vermelha, em Moscovo.

 

Captura de ecrã 2023-05-08 161837.png

Moscovo preparou o desfile militar de hoje - solenemente apelidado de "Marcha do Regimento Imortal" -, o ponto alto das comemorações do Dia da Vitória em toda a Rússia, mas consta-se que pelo menos 21 cidades cancelaram tais eventos. As autoridades regionais referiram-se vagamente à “situação atual” como uma razão pela qual essas comemorações não ocorrerão, pois podem ser alvo de sabotadores pró-ucranianos. Os russos culpam a Ucrânia por uma série de ataques contra depósitos de combustível e comboios de mercadorias na semana passada, bem como um ataque à cidadela do Kremlin. Mas as comemorações, incluindo fogos de artifício, continuarão na capital russa em 9 de maio. De acordo com a agência de notícias estatal russa TASS, os moscovitas e convidados das comemorações do Dia da Vitória poderão ver fogos de artifício festivos em 16 locais às 22h, horário local, em Moscovo. (Na imagem mísseis terra-ar Pantsir-S e sistemas de artilharia antiaérea atravessam a Praça Vermelha em Moscovo durante um ensaio para a parada militar do Dia da Vitória)

 

  Discurso de Putin no Dia da Vitória
Captura de ecrã 2023-05-09 085200.png
"Hoje a civilização encontra-se perante um novo ponto de viragem" - Putin começou a discursar perante uma Praça Vermelha repleta de militares russos que ouvem atentamente as palavras do presidente russo. "Hoje a civilização encontra-se perante um novo ponto de viragem", começou por dizer Putin. O presidente russo pediu um minuto de silêncio por "todos os que deram a vida à guerra" contra os nazis. "Para nós, a memória dos defensores da pátria é sagrada, valorizamos os nossos combatentes", vincou.
Putin diz ter "orgulho" dos "participantes da operação militar especial"O presidente russo afirma que a Rússia tem "orgulho em todos os participantes da operação militar especial". "O futuro do nosso Estado depende de vós", declarou.
Putin termina discurso reiterando a "vitória" russa na UcrâniaO presidente russo indica a presença de alguns dos "participantes da operação militar especial" na Ucrânia. "São quadros que integram a mobilização parcial", apontou, saudando de seguida "os que nesta altura estão nos seus postos de combate". "Na Segunda Guerra Mundial, os nossos antepassados heróicos mostraram que não há nada mais importante do que a nossa unidade, não há nada mais forte do que o nosso amor pela pátria, pela Rússia, pelas nossas Forças Armadas, e do que a vitória".


Raul Vaz Osorio
Palavras ocas, mera propaganda
Fernando DuarteDavid , Sabes porque é que os russos festejam hoje, quando todos os outros países da Europa festejam no dia 8 de Maio?
Isabel Sousa BragaFernando Duarte por causa do fuso horário, segundo a SIC
David RibeiroFernando Duarte ... Exatamente pelo motivo apontado aqui pela Isabel Sousa Braga .
Fernando DuarteDavid Ribeiro Na realidade a rendição foi assinada em França, em Reims, a 7 de Maio 1945, prevendo o fim dos combates às 23:01 de 8 de Maio, aliás existem muitos jornais do 8 de Maio que relatavam a rendição alemã, e documentos do Churchill a festejar essa vitoria. Só que o Staline fez uma birra porque queria a rendição em Berlin e exigiu uma nova rendição a 8 de Maio às 23:16 (00:16 hora de Moscovo)!
Adao Fernando Batista BastosDiscurso hipócrita e mentiroso numa tentativa daquilo a qie vulgsrmente dizemos, virar o bico ao prego. Um doido perigoso.
David RibeiroGoste-se ou não de Vladimir Putin e da sua política imperialista, e eu não gosto nada, não podemos renegar o enorme contributo da União Soviética para a derrota da Alemanha Nazi nem os seus 24 milhões de mortos na Segunda Guerra Mundial. E é isto que se invoca nesta parada militar na Praça Vermelha em Moscovo no dia de hoje.
Fernando DuarteDavid Ribeiro Qual contributo? Zanga de comadres, isso sim!
Jorge Lira - David Ribeiro e continuamos com equívocos deste tipo. O enorme erro estratégico do eixo aliado em ter apoiado Stalin contra Hitler em vez do contrário. Hitler teria naturalmente ido para Leste e não Oeste, pois era esse o seu Lebensraum, e não a França, leste onde derrotaria Stalin e acabaria com a URSS, se não jogasse em duas frentes, ficando enormemente debilitado. endo depois muito facilmente derrotado pelos aliados. Este erro estratégico, estamos ainda hoje e no futuro a pagar e bem caro.
David Ribeiro - Se os seus "ses" tivessem acontecido, Jorge Lira , a história seria outra, mas a verdade é que assim não foi.
Jorge LiraDavid Ribeiro os ses mal resolvidos do passado poderão ser úteis a responder devidamente no presente. Para isto e só para isto poderão servir. Poder ter tido um ocidente sem união soviética poderia ter feito acabar a guerra ante de 45 e traria a Europa desde então benefícios imensos, já para não falar dos riscos e dos povos por si subjugados durante a guerra fria. Há erros que se pagam caro demais.
Jorge Veiga
David Ribeiro A URSS ajudou muito à derrota do Hitler e sua Alemanha Nazi, mas nunca devemos esquecer que foi por causa do armamento fornecido pela USA, porque eles tinha homens e um armamento obsoleto. E tinham as KGB femininas por trás dos soldados e a matarem quem tentava fugir às linhas da frente. A URSS era fraca, mal armada. mas esqueceram quem os ajudou. o habitual naquela gente.
João FernandesDavid Ribeiro, não concordo nada consigo. Aproveitando uma data histórica e incontornável, o louco putin vende mais banha de cobra à multidão que o ouve, para justificar o que não tem justificação, ou seja, a destruição da Ucrânia. Já o louco Hitler, com os seus discursos inflamados, usava as mesmas técnicas para justificar o que se seguiu, ou seja, a segunda guerra mundial.
Raul Vaz Osorio
Parece-me que se está a esquecer aqui o mais importante: se assim fosse, teríamos recebido na década de 50 um mundo dominado por ideologias fascistas, um mundo onde sucessivamente seriam massacradas as minorias incómodas. Achar que esse poderia ser um mundo melhor que o que temos tido é não só uma conclusão muito controversa como necessita de uma ginástica mental muito acrobática. Sim, a URSS não foi um sítio muito simpático, não deveria ser nada agradável viver nela, mas para a Europa foi excelente, é practicamente certo que não existiria modelo social europeu se não existisse a pressão social que a existência da URSS ocasionou. A guerra fria forçou o ocidente capitalista a moderar-se e possibilitou toda uma panóplia de medidas de justiça social que de outra forma, seriam quase certamente impossíveis e originou 30 anos de bem estar social como nunca existira antes na historia da humanidade. Esta tendência foi invertida com o advento da era Reagan-Thatcher, a que a queda do muro de Berlim e o fim da guerra fria deram alento, o que levou à fase que ainda perdura de retrocesso dos direitos sociais e aumento brutal da desigualdade. O facto de estar entre os que beneficiam deste status quo não me impede de o ver de forma realista. Ou, como soi dizer-se, pimenta no cu dos outros, para mim é refresco 😁
David Ribeiro
É isso mesmo, Raul Vaz Osorio... e não esqueçamos que tudo o que gostaríamos que acontecesse raramente é aquilo que o futuro nos dá.
Raul Vaz Osorio
David Ribeiro aliás, sugiro a todos que queiram reflectir sobre o que seria um mundo saído de uma segunda guerra vencida por Hitler, a leitura de The Man in the High Castle de Philip K Dick, bem complementado pela série televisiva disponível no Amazon Prime.
David Ribeiro
Ainda mais um "suponhamos" sobre tudo o que aqui se tem escrito... Não há dúvidas que a capitulação da Alemanha Nazi foi nas últimas horas do dia 8 de maio de 1945 (ou nas primeiras horas do dia 9) e pergunto eu: Onde na Europa (a tal Europa democrática) e em que dia é que se comemora este acontecimento?... Ou será que se pretende passar um esponja por toda a barbárie do nazismo?
Raul Vaz Osorio
David Ribeiro o dia assinalado é 8 de Maio, enquanto que 9 de Maio é o Dia da Europa, por razões que nada têm a ver com a rendição nazi. Que o dia 8 seja assinalado mas não comemorado penso que se prende com o facto de a Alemanha ser um actor central da nova Europa e não seria muito curial fazer grande estardalhaço em torno da sua rendição.
João P. Afonso
David Ribeiro talvez não seja comemorado porque as gerações atuais evitam recordar o pior da fase de um país como a Alemanha. E de vincar que desde a queda do muro de Berlim, foi um país que se colocou na dianteira da economia europeia levando todos os outros por arrasto, em crescimentos e fortalecimento do eixo Paris-Berlim. No entanto, é claro que a libertação de algo como o nazismo deve ser comemorado. Se a árvore da memória histórica deixar de ser regada, estaremos de certa forma a provocar uma forma de censura, de um dos mais importantes momentos da História europeia. Foi esta capitulação que permitiu o nascimento dos países e territórios que hoje se unem em Bruxelas mas também, ao aparecimento de Instituições como a ONU e a OTAN/NATO. Deveria ser comemorado, até mesmo para provar que somos democracias livres e fortes o suficiente, para corrigir os erros e lamber as feridas com a reconstrução de instituições que solidificaram e promoveram de certa maneira, as relações entre os vários países no Mundo que há época, eram ainda colonialistas e imperialistas. Outros tempos, mas tempos novos que reencontramos hoje em dia com outros rostos e rótulos. Abraço grande
Raul Vaz OsorioJoão P. Afonso acho que isso é feito da única forma inteligente: comemorando a nova Europa que daí nasceu.
Jorge VeigaPor acso ouvi na TV (traduzido, claro) que o Sr Putin disse que a culpa da guerra era do Ocidente. Será que é?
Luis BarataVery talkative! In deed. We are not amused! Há-de morrer como tantos outros déspotas. E com ele uma ideologia perniciosa, assassina, infame.

 

  Guterres já não acredita na paz entre a Rússia e a Ucrânia
Captura de ecrã 2023-05-09 142227.png
António Guterres acredita que neste momento não há qualquer perspectiva de paz entre a Rússia e a Ucrânia porque ambas as partes "estão convencidas de que vão vencer" o conflito. "Infelizmente, creio que neste momento não é possível uma negociação para a paz. As duas partes estão convencidas de que podem vencer", assumiu o secretário-geral da ONU, numa entrevista ao El País, publicada esta terça-feira, dia em que a Rússia celebra o Dia da Vitória.
  
Jorge Veiga
mas o que se vão perder, são muitas vidas. Até parece que valem pouco...
Carlos Miguel Sousa
São o mesmo povo, a combater entre si.

 

  
more_money_and_more_war__arwa_moukbel.jpgOs Estados Unidos anunciaram um "novo pacote de assistência à segurança" para ajudar a Ucrânia a melhorar as suas defesas aéreas e as suas necessidades de munições. O novo pacote, avaliado em 1,2 mil milhões de dólares (cerca de 1,1 mil milhões de euros), inclui novos sistemas de defesa aérea, munições, mísseis, radares, novos serviços de satélite e outros equipamentos. "Este pacote sublinha o comprometimento dos Estados Unidos para responder às maiores necessidades da Ucrânia, como munições e sistemas de defesa aérea", pode ler-se no comunicado do Departamento da Defesa.
  Jose Antonio M Macedo
Boas notícias. Ainda bem. Uma eventual fragmentação da Rússia só traria benefícios à Europa.

 


mw-1920.jpegA presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, foi hoje a Kiev para assinalar o Dia da Europa, e avançou que em junho será dada uma avaliação provisória positiva sobre a integração europeia da Ucrânia, que será um elemento-chave para tomada de decisão dos Estados-membro em outubro - devendo a Ucrânia prosseguir sete reformas relevantes, a nível do seu sistema judicial, no combate à lavagem de dinheiro, na implementação da lei anti-oligárquica ou na alteração da legislação relativa às minorias. E alguém acredita que os senhores no poder em Kiev alguma vez implementarão em tempo útil todas estas coisas que são o dia-a-dia do governo ucraniano. Eu vou esperar... sentado.
  
Jorge Veiga
David Ribeiro pois aplicar esta são as mais fáceis. O mais difícil é sair da guerra e reerguer o país. Das que foram faladas, até aqui era preciso uma mãozinha para aconchego...
Mário Paiva
Então tá! 😑




Quinta-feira, 4 de Maio de 2023
Tentativa de assassinar Putin com ataque de drones

Captura de ecrã 2023-05-03 164001.png

A Rússia acusou a Ucrânia de tentar um ataque de drone durante a noite no Kremlin com o objetivo de matar o presidente Vladimir Putin. A alegação foi feita ontem [quarta-feira 3mai2023] pelo governo russo e divulgada por várias agências de notícias estatais. Putin não ficou ferido e não houve danos materiais nos edifícios do Kremlin, disseram autoridades russas. O Kremlin alertou que a Rússia se reserva o direito de retaliar e que vê o suposto ataque como um ataque “terrorista”. “O Kremlin avaliou essas ações como um ato terrorista planejado e uma tentativa de assassinato do presidente nas vésperas do Dia da Vitória, o desfile de 9 de maio”, informou a agência de notícias estatal RIA, acrescentando que Putin não mudou sua agenda e estava trabalhando normalmente. O presidente não estava no Kremlin na altura e tem estado a trabalhar no dia de hoje na sua residência em Novo Ogaryovo, nos arredores de Moscovo, segundo a RIA. As autoridades ucranianas ainda não comentaram este incidente.


Rafael Pinto Borges
Isto vai acabar muito mal para a Ucrânia. Pobre povo, vítima de lideranças realmente loucas.
David RibeiroAnton Gerashchenko, assessor do ministro ucraniano de assuntos internos, disse que 'partisans' russos provavelmente estavam por trás do suposto ataque. “Apareceram informações de que o drone no Kremlin foi lançado por guerrilheiros russos da região de Moscovo”, escreveu ele no Twitter. 
Aos jornalistas, a porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, afirmou que os Estados Unidos "certamente não estão a encorajar a Ucrânia a atacar o território russo". O esclarecimento da porta-voz surge após o governo russo ter acusado a Ucrânia de ter atacado o Kremlin na noite passada com dois drones, acusação que Kiev refutou catergoricamente. Karine Jean-Pierre repetiu as palavras ditas anteriormente pelo secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, que afirmou que Washington D.C. ainda não conseguiu confirmar a veracidade das acusações de Moscovo. 
Manuel Rocha
David Ribeiro ,aldrabices do costume dos jornais sputnic

 

  E porque isto está tudo ligado
Captura de ecrã 2023-05-03 211714.png
Pela primeira vez os 27 Estados-membros da UE podem recorrer a fundos de coesão ou dos Planos de Recuperação e Resiliência (PRR) para desenvolver a indústria da Defesa, nomeadamente a parte que diz respeito à produção de munições. E esta hein?!...

 


900.jpgO presidente ucraniano Volodymyr Zelensky disse esta quinta-feira [4mai2023] em Haia, sede do Tribunal Penal Internacional, que o seu homólogo russo deve ser condenado pelas ações criminosas que cometeu. "Todos queremos ver um Vladimir diferente aqui em Haia, aquele que merece ser sancionado pelas suas ações criminosas aqui, na capital da lei internacional. Estou certo de que isso acontecerá quando vencermos", disse Zelensky. Na sua primeira visita oficial aos Países Baixos, o presidente ucraniano esteve durante cerca de uma hora nas instalações do Tribunal Penal Internacional (TPI), segundo a agência Reuters. A Rússia não é membro do TPI e rejeita a sua jurisdição, negando ter cometido quaisquer crimes de guerra durante a invasão da Ucrânia.




Quarta-feira, 5 de Abril de 2023
Finlândia torna-se 31.º membro da NATO

Captura de ecrã 2023-04-04 232636.png

A partir de ontem [terça-feira 4abr2023] a Finlândia (*) integra oficialmente a NATO, país cuja neutralidade militar definiu durante anos a forma como os seus habitantes se viam e como entendiam o seu lugar no mundo. O apoio à adesão disparou para os 80% depois da invasão da Ucrânia pelas tropas de Putin.

 

(*)  Finlândia
istockphoto-1153490112-612x612.jpg
Capital: Helsínquia; Língua oficial da UE: Finlandês e sueco.
Adesão à UE: 1 de janeiro de 1995; Moeda: euro. Membro da zona euro desde 1 de janeiro de 1999; Schengen: Membro do espaço Schengen desde 25 de março de 2001.
Superfície - 338 440 km²; População - 5,541 milhões (2021)

Sistema político - A Finlândia é uma república parlamentar. O chefe de governo é o primeiro-ministro e o chefe de Estado o Presidente. A administração central está localizada em Helsínquia e a administração local é assegurada por 309 municípios. O país está dividido em 19 regiões e 70 sub-regiões. A região mais pequena, Åland, é um arquipélago autónomo que fica no sudoeste do país. Cerca de metade da população autóctone Sami (também conhecidos por lapões) vive na região de Lappi (Lapónia), a região mais a norte da Finlândia.
Comércio e economia - Em 2020, os principais setores da economia finlandesa foram a indústria transformadora (20,3%), a administração pública, a defesa, a educação, a saúde e os serviços sociais (20,6%), e o comércio grossista e retalhista, os transportes e os serviços de alojamento e restauração (14,0%). 55% das exportações finlandesas destinam-se a outros países da UE (Alemanha – 14%, Suécia – 10%, Países Baixos – 7%). Das exportações para o exterior da UE, 7% destinam-se aos Estados Unidos e 5% à Rússia. No que respeita às importações, 72% provêm de países da UE (Alemanha e Suécia – 17%, Países Baixos – 9%). Das que provêm de países terceiros, destacam-se as importações provenientes da Rússia (10%) e as da China (4%).

 

  
Captura de ecrã 2023-04-04 233720.png
No dia em que a Finlândia entrou para as fileiras da Aliança Atlântica, o ministro russo da Defesa redobrar os avisos de Moscovo para as possíveis consequências desta histórica expansão da NATO. Sergei Shoigu e Dmitry Peskov afirmam que quer a adesão dos finlandeses, quer o reforço da prontidão de combate dos aliados ocidentais agravam o risco de um conflito à escala mundial.

 

  É muito capaz de ser exatamente isto...
Captura de ecrã 2023-04-05 101158.pngA militarização e a americanização da Polónia é, tal como a guerra provocada na Ucrânia, uma jogada no xadrez pelo domínio da Ásia Central por parte dos Estados Unidos no seu conflito com a Rússia, impedindo-a de estabelecer alianças com a Europa Ocidental através de relações privilegiadas com a Alemanha. A Rússia tinha como estratégia uma aliança com a Europa através da Alemanha, os Estados Unidos têm como estratégia utilizar a Polónia para impedir essa aliança, pressionar e desgastar a Rússia, de modo a impedir a constituição de um poder — de uma superpotência que pudesse constituir o terceiro vértice de um triângulo de que os outros dois seriam os EUA e a China. (Carlos Matos Gomes em 14mar2023)

 

  E é assim que estamos... de PAZ é que não se fala
Captura de ecrã 2023-04-05 192940.png



Publicado por Tovi às 07:31
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Domingo, 26 de Março de 2023
A China pode ser a tábua de salvação da Rússia

Captura de ecrã 2023-03-24 221133.png
Apesar das declarações da China de que se reservava o direito de ajudar militarmente a Rússia, até agora ofereceu a Moscovo apenas cobertura diplomática. Rússia e China emitiram uma declaração conjunta sobre a Ucrânia, na qual Putin apoiou a posição "objetiva e imparcial" de Xi Jinping e apoiou a China como um potencial pacificador na crise da Ucrânia. O governo chinês emitiu no mês passado uma posição de 12 pontos sobre a guerra na Ucrânia, que apoiava elementos das abordagens russa e ocidental. Por exemplo, opôs-se às sanções, que foram impostas pelo Ocidente, mas também se opôs à escalada nuclear, que as autoridades russas ameaçaram em várias ocasiões. As suas declarações nesta semana alertaram contra as hostilidades atingindo “uma fase incontrolável”, o que poderia ser interpretado como um alerta de confronto nuclear.

 

  O vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia, Dmitri Medvedev, diz precisar de criar "um cordão sanitário" na fronteira russa... E trabalhar para a PAZ?... Quando é que se sentam a uma mesa de negociações?
Captura de ecrã 2023-03-24 222634.png
  Adao Fernando Batista Bastosesse fulano é um pulha...

 

  
Captura de ecrã 2023-03-24 225443.pngOs combates na frente de Avdiivka, na região ucraniana de Donetsk, intensificaram-se bastante nas últimas semanas, instando as autoridades os cerca de 2.000 civis que ainda ali permaneciam a abandonar urgentemente a zona, indicou na sexta-feira [24mar2023] a ONU. Segundo o Gabinete da ONU para a Coordenação das Questões Humanitárias (OCHA), "aqueles que ficaram naquela área [numa das linhas da frente do leste da Ucrânia] vivem em condições difíceis, com bombardeamentos contínuos a destruírem casas, hospitais e escolas". "A cidade tem acesso insuficiente a água, não há fornecimento de eletricidade ou gás, a assistência médica foi dizimada e o abastecimento de bens alimentares interrompido", resumiu o OCHA, num comunicado.

 

  Não restam dúvidas que os Direitos Humanos andam pela rua da amargura no conflito Rússia-Ucrânia... e nisto não há inocentes, quer de um ou do outro lado da barricada.
338229683_610690590923192_6801605267596215027_n.jp
  
Albertino AmaralDireitos Humanos numa guerra, é sempre difícil cumprir...
Fatima Salcedo
Quem invadiu quem? E quem ataca alvos civis? Tudo isso também conta.

 

  Reuters/CM - hoje às 15h37

Captura de ecrã 2023-03-26 155117.png

Uma explosão causada por um drone fez hoje dois feridos na cidade russa de Kireyevsk, a 220km de Moscovo, na região de Tula. Incidente fez uma cratera no centro da localidade e danos em três edifícios residenciais.
  
Jose Antonio M Macedo
Muito bem. Penso que esses ataques estão totalmente dentro do legalidade internacional, uma vez que a Ucrânia tem o direito de se autodefender.
Luis Miguel Moreira
Se calhar foi um drone russo descontrolado
Fatima SalcedoQuantas crateras tem a Ucrânia causada por mísseis e drones russos?
Jose RomãoNas notícias publicadas, em todas elas é desconhecido a origem do drone. Preocupante é a Rússia estar a enviar armas nuclear para a Bielorrússia, o sequestro de crianças Ucranianas, os ataques diários de que é alvo o povo Ucraniano, a execução de civis Ucranianos por parte dos militares Russos e principalmente as consequências para toda a Europa caso Putin tenha sucesso neste conflito criado por ele contra a Ucrânia. Mas infelizmente, parece que estão mais interessados em arranjar motivos para justificar as atrocidades cometidas pelos Russos contra os Ucranianos do que verem a realidade dos factos‼️😎😎😎
Teresa Mtv
Jose Romão e bem verdade é triste
Tiago SilvaÉ preciso mais desses! Parabéns às forças ucranianas!

 

  Al Jazeera - 26mar2023 às 15h26 GMT
caption.jpgAs tensões estão a aumentar num proeminente complexo de um mosteiro ortodoxo em Kiev chamado Kyiv-Pechersk Lavra, onde os monges estão a enfrentar um despejo para o final deste mês. É o local mais referenciado na ortodoxia ucraniana. mas o governo ucraniano acusa os monges de ligações com Moscovo, embora eles afirmem ter rompido os laços com a Igreja Ortodoxa Russa após a invasão da Ucrânia em grande escala pelas tropas do Kremlin. Representantes da Igreja dizem que este é um pretexto para uma contínua repressão do governo à instituição, que tem laços históricos com Moscovo.
  
Jorge Veiga
Têm laços históricos ou não têm laços históricos?
Paulo TeixeiraTu e a defesa dos russos...
David Ribeiro - Eu não defendo os senhores atualmente no poder no Kremlin, Paulo Teixeira, mas também não embarco nas trapalhadas dos senhores de Kiev.


  E é assim que estamos... parece que ninguém quer a PAZ
Captura de ecrã 2023-03-26 194537.png

Fatima SalcedoNao é bem assim… neste momento não há condições para a paz… a Rússia invadiu a Ucrânia… tem que recuar para ser possível qq negociação.
Jose BandeiraA Polónia já se disponibilizou para ajudar a Ucrânia a conseguir a única Paz possível pois sabe que se não for na Ucrânia será no seu território que se desenrolarão as próximas "negociações".
Raul Vaz Osorio
Não é verdade. O que ninguém quer é que a Rússia tire benefício dele. Porque isso apenas significa que iria repetir a gracinha noutras paragens.
Mário Paiva - ...
338171741_1385587878864102_250669164984704993_n.jp
Helder FerreiraNunca duvidei que os EUA tão desejosos de um Guerra Mundial... E como sempre o MEXILHÃO - EUROPA - é o que está a acontecer actualmente... Se queremos paz não devemos fomentar a guerra, fornecendo armas aos ucranianos....



Publicado por Tovi às 07:15
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 23 de Março de 2023
Nova amizade entre e Xi e Putin pode testar os EUA

1024 (1).jpg

A visita de Estado do Presidente chinês, Xi Jinping, ao seu amigo Presidente Vladimir Putin ocorreu esta semana, num momento crítico da pantanosa guerra da Rússia na Ucrânia e da emergência de Pequim como grande potência, cuja influência se estende agora muito para lá da Ásia. Toda a visita foi refratada através de um prisma de antagonismo mútuo de ambas as nações em relação aos Estados Unidos. A cada passo, Washington, observando de lado como um falcão, fez pouco da ideia da China como pacificador na Ucrânia, acusando Xi de dar cobertura diplomática a um líder russo rufia, que acabou de ser apontado pelo Tribunal Penal Internacional por crimes de guerra. Mas parece duvidoso que a China e a Rússia tenham de facto forjado o tipo de frente antiamericana há muito temida pelos profissionais de política externa de Washington. Ainda assim, os Estados Unidos têm agora claramente nas mãos um sério desafio de política externa. Xi e Putin estão unidos numa prioridade central da política externa – para desacreditar e até desmantelar uma ordem mundial que acreditam estar construída sobre a hipocrisia ocidental e que lhes nega o devido respeito como grandes potências globais. Este ressentimento tem ardido na mente de Putin desde que a União Soviética entrou em colapso, e ele tem tentado durante anos remodelar o sistema internacional. Mas, segundo a estratégia de segurança nacional do Presidente Joe Biden, a China é o único concorrente americano com “o poder económico, diplomático, militar e tecnológico” para remodelar essa ordem. (Todo o artigo de Stephen Collinson/CNN aqui)
  
Jorge Veiga
Acreditar? Só vendo...
Albertino Amaral
Não acredito nisso ............

 

  As últimas da guerra Rússia-Ucrânia
22mar2023 .png 
Cruz Vermelha manifesta a sua preocupação pela situação humanitária em Bakhmut; EUA preocupados com apoio da China à Rússia mas sem evidências de fornecimento de armas; FMI prepara novo pacote de apoio à Ucrânia; Antony Blinken diz que prender Vladimir Putin é "obrigação" de países europeus; Presidente da Estónia pede a países da NATO para aumentarem gastos com a Defesa e se prepararem para "longo confronto"; Rússia diz que risco de conflito nuclear "é mais elevado agora do que nas últimas décadas"; NATO pede à Suíça que suspenda proibição de reexportar armas para a Ucrânia.



Publicado por Tovi às 07:38
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Março 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Posts recentes

A Transnístria é um "barr...

Putin em entrevista ao no...

As últimas dos grandes co...

Kim Jong-un na Rússia pa...

Encontro entre Putin e Er...

Quem não é por mim é cont...

Putin ficou mais forte ou...

A rebelião do Grupo Wagne...

A doutrina Prigozhin... e...

A nova fase da guerra exi...

Comemorações do Dia da Vi...

Tentativa de assassinar ...

Finlândia torna-se 31.º m...

A China pode ser a tábua ...

Nova amizade entre e Xi e...

Um ano da invasão russa ...

"Não à Guerra"... nas par...

Na Ucrânia a linha da fre...

Vamos enviar tanques Leop...

Como Putin se tornou à p...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus