"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."
Sábado, 30 de Abril de 2022
Ucranianos recebidos por russos pró-Kremlin

  No Expresso, na manhã de ontem 
Saíram da Ucrânia até Setúbal, para fugir a mísseis, tanques e soldados russos. Mas no gabinete de apoio aos refugiados da Câmara de Setúbal, de maioria PCP, foram recebidos por russos. Os documentos são copiados e perguntam às mulheres onde ficaram os maridos. O medo deles voltou.
Olga fugiu da guerra. Primeiro, de Luhansk para a região vizinha de Kharkiv (Carcóvia), no nordeste da Ucrânia, por causa da guerra civil entre ucranianos e separatistas pró-russos. Dessa vez a viagem foi curta. Agora, aos 35 anos, atravessou a Europa de Kharkiv até Setúbal para fugir a mísseis, tanques e soldados russos. Olga, que prefere não dar a cara e reservar o apelido, mostra o telemóvel com as fotografias nos abrigos, nas viagens de comboio, no refúgio na Polónia. Chegou a Portugal a 19 de março com as duas filhas, de seis e oito anos. Fugida dos russos, quando foi ao gabinete de apoio aos refugiados da Câmara de Setúbal estranhou ser recebida por russos, que lhe falaram em russo: “Perguntaram-me onde estava o meu marido e o que tinha ficado a fazer”, contou ao Expresso durante uma conversa nos arredores de Setúbal. Fotocopiaram-lhe os documentos: o passaporte e a certidão das crianças. Hoje tem medo.
O mesmo receio é partilhado por outros refugiados em Setúbal, testemunhou o Expresso esta semana. A autarquia, de maioria comunista, liderada por André Martins, criou a Linha Municipal de Apoio aos Refugiados — LIMAR, com gabinete no Mercado do Livramento, no centro da cidade, e que há um mês já tinha atendido 160 ucranianos. Foi lá que Olga encontrou Igor Khashin, um dos líderes da comunidade russa em Portugal, e a mulher, Yulia Khashina, funcionária da câmara setubalense, admitida como jurista nos serviços da autarquia em dezembro, depois de um concurso público. Yulia era quem “traduzia a conversa do russo para a funcionária que tirou as fotocópias”, conta Olga. “Igor estava ao computador.” Mas não é funcionário da autarquia. Os documentos tinham as moradas da família, a filiação e o nome do marido.

 

  E ao longo do dia de ontem foi assim
exp 3000m .jpgexp 120m .jpg
exp 110m .jpgexp 57m .jpg
exp 36m .jpgexp 15m .jpg

  No comunicado que divulgou no dia de ontem, a autarquia setubalense escudava-se na credibilidade que outros organismos do Estado davam a Igor Kheshin - o líder associativo russo que estava a receber refugiados ucranianos em Setúbal. A CMS alegava que este cidadão era colaborador do SEF, mas este organismo emitiu um esclarecimento na tarde de ontem a dizer que apenas recorreu uma vez aos serviços de uma tradutora de nacionalidade ucraniana que pertencia à associação liderada por este cidadão russo. "A Direção Nacional determinou hoje que as solicitações efetuadas a pessoas ligadas a essa associação fossem suspensas", diz o comunicado do SEF. 
O gabinete do primeiro-ministro desmentiu esta sexta-feira à tarde a Câmara de Setúbal, que afirmou ao Expresso ter enviado a São Bento uma carta com uma questão a que diz não ter resposta - sobre uma entrevista da embaixadora da Ucrânia Inna Ohnivets -, que fez acusações a associações financiadas pela autarquia. O gabinete de André Martins, presidente da câmara da CDU, repetiu essa informação num comunicado, esta sexta-feira, a reagir à notícia do Expresso sobre os refugiados ucranianos que são recebidos na câmara por cidadãos russos com ligação a instituições do Kremlin. O comunicado do gabinete do primeiro-ministro diz que "a carta que o Presidente da Câmara Municipal de Setúbal dirigiu ao primeiro-ministro no passado dia 11/04/22 é um protesto sobre declarações prestadas pela Embaixadora da Ucrânia em Lisboa, à CNN, e foi reencaminhada para os efeitos tidos por convenientes para o MNE".

  E ao fim do dia de ontem...
Captura de ecrã 2022-04-29 221503.jpg

 


mw-860.jpg“Não ponho as mãos no fogo sobre nada”- André Valente Martins, presidente da Câmara de Setúbal, militante dos Verdes e eleito pela CDU, reconheceu, assim, a sua incapacidade em dar garantias sobre o tratamento de dados de refugiados ucranianos que recorreram aos serviços da Linha Municipal de Apoio aos Refugiados — LIMAR, com gabinete no Mercado do Livramento, no centro da cidade, onde foram atendidos por uma funcionária russa, Yulia Khashina, e onde esteve a dar apoio o seu marido Igor Khashin, antigo presidente da Casa da Rússia e do Conselho de Coordenação dos Compatriotas Russos e dirigente da Edintsvo - Associação dos Emigrantes de Leste, que foi financiada pela autarquia comunista desde 2005 até março deste ano.

 

  Serviços secretos já tinham sido avisados
A Associação dos Ucranianos em Portugal garante que há, neste momento, neste país, infiltrados pró-Putin em Organizações Não Governamentais (ONG) que apoiam os ucranianos, e já alertou as secretas portuguesas. Numa carta enviada no dia 2 de abril, à secretária-geral do Sistema de Informações da República Portuguesa (SIRP), Graça Mira Gomes, o presidente daquela associação explica que a situação “é muito grave e pode pôr em causa a segurança dos ucranianos refugiados de guerra que vão chegando a Portugal, dos familiares deles na Ucrânia e a segurança da Ucrânia em tempos de invasão russa”. Segundo refere o presidente daquela associação de ucranianos, no documento que enviou ao SIRP, em causa estão “organizações diretamente ligadas à embaixada da Rússia”, apesar de “nos estatutos” aparecerem como “multiculturais” e que são vistas como representantes dos ucranianos. “Alguns meses antes da invasão russa ao território ucraniano, estas organizações, de repente, limparam toda a informação que mostrava ligação com a embaixada da Rússia em Portugal nas suas páginas web e redes sociais”, explica, acrescentando que, para “agravar”, estas organizações em Portugal são reconhecidas pelo Alto Comissariado dos Migrações (ACM).

 

  Programa “Contra Poder” da CNN-Portugal
Sobre a polémica que envolve a colaboração entre a Câmara Municipal de Setúbal e o acolhimento de refugiados por líderes associativos pró-Putin:
Maria João Avillez - ""A raiz do mal foi a Câmara achar possível usurpar os seus poderes para fazer espionagem. (...) Semanas de gente em situação de fragilidade a ser interrogada por uma funcionária casada com um indivíduo com ligações ao Kremlin".
Sérgio Sousa Pinto - "Não tem desculpa... e passa-se numa Câmara do Partido Comunista. (…) O que me envergonha é que o caso foi detetado pela Embaixadora da Ucrânia".



Publicado por Tovi às 08:23
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Maio 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


25

26
27
28
29
30
31


Posts recentes

Rui Fonseca e Castro nas ...

Europeias - Sondagens da ...

Debates televisivos para ...

Sondagem realizada pelo I...

Onda de assaltos contínua...

Provável queda de um mete...

Boavista 2 - 2 Vizela

Ativos russos congelados

Primeiro-ministro da Eslo...

Linhas de defesa de Khark...

E continuam os "tiros, bo...

Os 13 de Maio em Fátima

Porto 2 - 1 Boavista

Acordo militar entre São ...

Violência Doméstica é CRI...

Portugal volta a receber ...

Pedro Nuno Santos em entr...

Continuando a ler "A Euro...

A violência doméstica é a...

Boavista 1- 1 Gil Vicente

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus