"Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos."
Quinta-feira, 12 de Março de 2015
Vem aí uma campanha suja?

Legislativas2015 pré-campanha 10Mar2015.jpg

Ok, lavem lá a vossa roupinha que anda cheia de nódoas, mas depois digam-nos também o que pretendem fazer na próxima legislatura. E isto é válido para o PSD, para o CDS e para o PS… e mais para quem tenha a pretensão de fazer sentar alguns deputados no Parlamento. Olhem que os portugueses já estão fartos de passar cheques em branco.

 

  Comentários no Facebook

«Joaquim Leal» >> Os erros dos outros não desculpam os nossos como soa dizer-se. Mas que vai haver muita lavandaria até ás eleições, não tenho dúvidas. Vai ser um regabofe do cacete com dizem os mouros eh eh eh

«Jorge Veiga» >> Pois é, só que dizem e prometem uma coisa e fazem outra.

«Joaquim Leal» >> Em termos de promessas amigo Jorge Veiga, pelo que tenho reparado, o ps leva avanço. Pena é que a plebe já não embarca nisso.

«Ruben Santos» >> É a campanha que os portugueses merecem! Pelo menos 70% dos portugueses voltarão a votar PS,PSD e PP! Como é que isto é possivel???

«David Ribeiro» >> É possível porque as alterntivas ainda não são credíveis. Ando sempre com a maior atenção ao que dizem os potenciais candidatos a lugares no hemiciclo da Assembleia da República e pouco me dizem... ou melhor dizendo, o que me dizem não é o que eu quero ouvir.

«Joaquim Leal» >> Ruben Santos, de facto dá que pensar mas coloco a seguinte questão: Será que o problema não estará mesmo nos que se apresentam como alternativas, tipo pcp ou be que não conseguem convencer ninguém a não ser os próprios? E não vou falar dos que se irão apresentar pela primeira vez a sufrágio que me parecem ser mais que as mães...(também eu gostaria que assim não fosse).

«Ruben Santos» >> PS, PSD e PP não são solução está visto, provado e comprovado. BE e PCP não são alternativas também é óbvio. Isto são só 5 partidos, quantos concorrerão às legislativas? Uns 20 pelo menos? E dizem que não há alternativa? Tudo bem que nos pequenos partidos poderá pôr-se a questão da inexperiência, mas não será melhor um inexperiente sério do que um experimentado corrupto? É que meus amigos em democracia ou nos revemos em quem votamos ou fazemos nós uma alternativa. Se nenhum destes dois acontecer é uma questão de tempo até se cair num golpe de estado.

«Joaquim Leal» >> De acordo, vamos ver se os que se irão agora apresentar têm o palco para poderem apresentar as suas propostas. Fartos como os cidadãos andam do ps, psd e cds, as chamadas "alternadeiras", acredito que qualquer um, seja de direita, esquerda ou nada disso teria certamente uma grande chance de captar o interesse do eleitorado. Não é fácil mas veremos.

«Ruben Santos» >> Joaquim infelizmente os mais velhos (65 pra cima) continuam a acreditar nas televisões e nos jornais e são os que votam mais fielmente. Esses são casos perdidos e votarão nas alternadeiras até ao fim da vida. E com a abstenção que temos de 50% significa que quem vai por a cruzinha está na prática a votar duas vezes. Ou seja, nós vivemos numa democracia do faz de conta. E a culpa é dos portugueses que tiveram democracia quando ainda não estavam preparados para a ter.

«Jorge Veiga» >> Ehhh lá. Eu tenho 65 e não acredito nas TVs e congeneres. E ou me apresentam uma alternativa credivel ou nem me dou ao trabalho de sair de casa. Farto de falsos profetas ando eu!

«Ruben Santos» >> Jorge, em última instância, isso é uma escolha sua e que diz respeito unica e exclusivamente a si. Mas quando metade de uma sociedade não põe lá os pés, essa sociedade não merece ter democracia.

«Jorge Veiga» >> Ruben Santos toda a gente merece a Democracia e a sua permissa é errada. Digamos que em democracia os Governantes têm de merecer a confiança dos eleitores. Quando isto falha há uma falsa democracia, que é o que temos. Votar nesta gente não me interessa e é claro que é pessoal, mas eleger à minha custa e contribuir para o financiamento destes partidos mediocres através do meu voto é que não.

«David Ribeiro» >> A abstenção é também um direito democrático.

«Joaquim Leal» >> David Ribeiro, eu até sou dos que defende o voto obrigatório.

«David Ribeiro» >> Não... Voto obrigatório é contra a liberdade democrática. Tenho o direito de não querer votar, independentemente dos motivos que me poderão levar a isso.

«Joaquim Leal» >> Amigo, quem se dispense em participar nas escolhas perde a autoridade da critica. Limpinho...limpinho.

«Jorge Veiga» >> e já agora Joaquim Leal fica com o direito de se sentir insatisfeito com todos

«David Ribeiro» >> O não querer escolher quem nos governa não me retira o direito a pensar e exprimir as minhas ideias. E olha que eu nunca faltei a "botar o papelinho" na caixinha.

«Joaquim Leal» >> Amigo Jorge Veiga. Desde que me habilitei eleitoralmente nunca falhei um período venatório. Apenas me dispensei ao referendo sobre o aborto porque não fiquei suficientemente esclarecido e por isso não tinha "ideia formada" sobre o assunto. Como dizia inicialmente... nos primórdios tinha a tendência em votar nos mesmos. Mais tarde fruto da experiência e da "filha de putice" abri os olhos e tanto voto á esquerda como á direita. Esta escolha na "diversidade" dá-me um particular gozo. Quando toca a insultar, fiquem longe eh eh eh

«Jorge Veiga» >> Joaquim Leal a democracia é isso mesmo. Cada um faz o que lhe manda a consciencia. Eu tenho uma ideologia politica que prefiro às outras, mas cá em Portugal o partido faz tudo menos defender essa politica. Votar noutras ideologias não é a minha maneira de resolver as coisas, até porque ou estão como o meu partido ou piores. Há ideologias em que nem sequer penso em equacioná-las. Digamos que vistas as coisas e espremendo não temos (para já) ninguém que me represente para eu votar nele.

«David Ribeiro» >> Posso sempre queixar-me de que os escolhidos não souberam governar... É que as ideias podem ser boas e os resultados serem uma merda, como já ficou várias vezes provado neste nosso País.

«Jorge Veiga» >> Dos representados na AR, nenhum me serve. Com o país em descalabro económico e aumentam-se a eles próprios 2,9% sem um único voto contra ou abstenção? Parasitas!

«Ruben Santos» >> Na minha humilde opinião, a abstenção não é um direito democrático porque com abstenção de 100% não há democracia que funcione

«Jorge Veiga» >> Nunca chega aos 100% porque eles votam neles próprios.

«Joaquim Leal» >> Jorge Veiga, fique descansado no que me toca pois nunca queimei os chispes ah ah ah A questão "ideológica" faz cada vez menos sentido nos dias de hoje, exceptuando obviamente nos partidos mais "entricheirados", seja á direita ou á esquerda. A seguir ao 25 de Abril era isso que demarcava os vários protagonistas políticos. Na actualidade vinga o "interesse", sobretudo no plural Jorge Veiga mas o meu amigo é mais vivido e saberá melhor do que eu.

«Jorge Veiga» >> Pois essa dos interesses é que me mata. O único interesse que aceito é o do País. Interesseiros é o que temos... lol

«Manuel Duarte» >> Apareça mas é um não politico que seja honesto e mande com esta cambada pela borda fora.Sem isso nunca sairemos disto!!!

«Ruben Santos» >> O Jorge tocou num ponto importante: o que interessa são os interesses do país. Cada vez estou mais convencido que o 25 de Abril um golpe anti-país. Sabem porquê? Porque com Salazar, por muitos defeitos que ela podesse ter e que tinha, ao menos havia um desígnio para o país. O 25 de Abril não passou de um golpe que aqueles que eram ostensivamente anti-regime poderem ter hipótese de vir a ser alguém (leia-se ricos) na vida, como é o caso do Mário Soares. O contexto mundial era também outro. E portanto, os parolos que andam a proclamar o dia da liberdade como o 25 de Abril são isso mesmo, porque quanto o muito o dia da liberdade é o 25 de Novembro, porque o golpe de 25 de Abril visava instaurar uma ditadura de esquerda, e a prova disso está em alguns termos da constituição. Por isso, olhando para trás é muito simples. No dia 25 de Abril de 1974, o Estado (não o país) português era rico. Em 40 anos, e depois de se ter derretido toneladas de ouro e de se ter recebido 9 milhões de euros por dia em fundos comunitários, como é que estamos? De pobres passamos a remediados, e os que pelo parlamento andaram de remediados a ricos passaram. Adeus e um abraço.

«David Ribeiro» >> Seguramente o Ruben Santos não viveu o fascismos nem faz a menor ideia do que era viver no tempo de Salazar. Não se esqueça que não lhe era permitido dizer qualquer coisa do tipo do que acabou de escrever e isto, por si só, é já suficiente para a ditadura salazarista ser repudiada por quem ama a Liberdade.

«Carlinhos da Sé» >> Este menino Ruben Santos tem tiques fascistas.

«António Lopes» >> Caro Ruben Santos vai-me desculpar mas porra o seu último texto é literalmente um texto de merda. Começou bem neste artigo porra mas descambou por completo!!!!! Arre para fascistas de merda. Não passarão. Peço desculpa aos restantes mas se há coisa que me tira do sério são artigos a defender o indefensável. E não venha aqui apelar ao uso da livre expressão e que se vive em Democracia o que o senhor está é a defender um Regime ditatorial e para esses é aplicável as regras desse mesmo Regime e não as regras da Democracia. Mais uma vez as minhas desculpas aos restantes membros do grupo.

«Jorge Baldinho» >> Eu entendo que um fascista, em democracia, tem o direito de se expressar como qualquer outra pessoa. Ou vamos tirar esse direito a quem defende a ditadura do proletariado, leninistas, trotskistas, stalinistas, maoistas, etc? Não defendem todos eles um regime ditatorial?

«Carlinhos da Sé» >> Em democracia podemos manifestar o nosso desagrado, ou não? Fique o senhor Jorge Baldinho a saber que este senhor Ruben Santos chamou (aqui) miseráveis a um grupo de portugueses que se manifestaram em Canelas, de meninos como ele estou farto.

«Jorge Veiga» >> O Ruben Santos esqueceu-se que os grandes designios do país antes do 25/4 era defender as colónias, manter o ouro guargado no cofre e deixar o Portugal miserável, subdesenvolvido e calado. Vivi 25 anos debaixo daquele (como muitos de vós) e prefiro a democracia. Esta, a que vivemos está descambada não por culpa dela própria, mas pela cambada de gatunos que estão a orbitar à volta dela, governando-se em vez de governar. É isso que tem de ser corrigido, como não sei, mas que é possível é.



Publicado por Tovi às 09:16
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim
Descrição
Neste meu blog fica registado “para memória futura” tudo aquilo que escrevo por essa WEB fora.
Links
Pesquisar neste blog
 
Julho 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9



28
29
30
31


Posts recentes

João Aguiar é candidato à...

Marítimo 0 - 1 Boavista

Morreu Otelo Saraiva de C...

Só para os amantes do clu...

Autárquicas no Porto

Do lodaçal para o lamaçal

Vandalismo no Parque da P...

Assembleia Municipal do P...

PS a descer... Bloco e Ch...

Popularidade de Marcelo e...

Da série "Certificado ou ...

Primeira sondagem para as...

Se regarem os cravos este...

Cubanos nas ruas a exigir...

Medalhas Municipais de Ho...

Já tenho as duas doses da...

Itália vence o Euro 2020

Covid-19 - Concelhos em R...

Descoberta do caminho mar...

Luís Filipe Vieira foi de...

Arquivos
Tags

todas as tags

Os meus troféus